person_outline



search

10h48

Vejo a pátina do castiçal das dez e vinte e cinco

dessa manhã de zinco — que devolve o brilho

lusco-fusco de suas luzes opacas e de cinzas

múltiplos. E de lado a lado um colar perolado,


feito se o sol — ao contrário — fosse prateado.

Às dez — e quarenta cravado — o verso furta

a trajetória do poema e segue outra arquitetura

— muito distinta da qual o poeta havia pensado.


Depois de quatro minutos, surge um azul na fresta

no penúltimo quadrante da janela do quarto aberta.

Dez e quarenta e cinco. Ainda dez e quarenta e cinco.

A tortura das horas. E antes dos cinquenta eu termino

Pin It
Atualizado em: Seg 9 Set 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222