person_outline



search

À CAPELA

Sou aquela sola a qual nunca se acaba,

a que continua viva e jogada às traças

dos escanteios empoeirados da casa.

Me estico no varal das línguas afiadas,


sob os pisantes dos donos das cocadas,

na rabeira do pernil sem nem uma prata.

Estou aqui no pátio desta selva armada

encoberto pelo caráter aleatório que falha


feito papel de bala chupada. A dose derramada

de cachaça do poeta que não serve para nada.


Escoro a draga do mundo sobre um verso tosco

e blefo neste sonho vivo, mesmo já estando morto.

Pin It
Atualizado em: Ter 27 Ago 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222