person_outline



search

Alinhavo

Meus predencimentos tomaram
minha mente no bailar dos meus pés
pela rua, hoje à tarde.
A sondagem de uma voz
dizia-me uma única frase.
E dela, sem mais delongas do pensamento
e a cada passo dado,
mais e mais costureiras trabalhavam
no interior do meu guarda-roupas,
naquela mistura de panos velhos e sujos.
Arrumados e amarrotados.

A cada linha introduzida, mais
e mais  aguilhoadas.
E era assim em cada parada.
Em cada canto da estrada.
Em cada conversa, onde o sorriso
deveria permanecer nítido,
para que os lançaços não
se lançassem ao chão em forma d'àgua.

As ruas da cidade me consomem
em nostalgia nas vertentes em
que a meninez palpita no peito.
A admiração alheia à um corpo formado
e uma face que lhe dizem "bela",
desvela a modestidade e a gratidão.
A bola rolou uns quilômetros a frente
na solidão dum aro de borracha
preso ao chão. 

No avanço, o balançar do balanço
foi interrompido pelos miúdos
completamente tomados de ingenuidade.
Rotulada de tia, o favorecimento
para seus sorrisos fez-me bem ao coração.

- Deleitos à uma maçã? Que banzo do meu pirulito de morango vermelho igual aos meus brincos e meu batom. Maldito e bendito seja o tempo, que mudou tudo de tom!

Nas últimas colisões,
os alvitres valeram apena, crendo estou!
A última costureira terminou seu Alinhavo
e no Ponto de Cruz a nota da voz que sondei,
dizia-me:
"Hoje você carrega nos ombros
o peso de inspirar pessoas,
isso é tudo que te restou!"
De sopro em sopro ao lagrimar pela rua,
Vênus me acompanhou...
Pin It
Atualizado em: Qui 16 Ago 2018

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222