person_outline



search

Há uma bagunça



Há uma bagunça estranha dentro de mim
Por mais que tente, não consigo consertar
Ela arde em meu peito numa dor sem fim
Sequestrando da Noite o sono e dos Pulmões o ar

Ela chega de repente a me espavorir
Traz ideias carregadas de Ódio e tormenta
Não contente, essa íntima dor ainda inventa
De meu passado desarranjado invadir

Algumas noites ela vem Trajada de remorso
Vestindo finas joias cintiladas de arrependimento
Vem e com gotas de Sangue marca meu verso
Que foge de mim num desespero opulento

Não posso saber quando dor confrangida
Surgiu em mim e passou a me enlouquecer
A verdade é que há muito tempo estou quebrada
E esse é um transtorno que custo a resolver

A esta minha companheira confabulada
Tenho apenas um último singelo pedido
Que me traga a Morte na sua próxima chegada
Pois há muito tempo já não tenho vivido.
Pin It
Atualizado em: Qua 27 Set 2017

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222