person_outline



search

DAS MÃOS

Das mãos que trilhas essas palavras,

O verso costumou-se ao seco.

Como o poeta,

Que canta um povo,

E não se deu conta,

Que esse povo não o olha,

E é bem verdade,

Que esse povo, nem o conheça!

Das mãos que trilhas essas palavras,

Não a obra,

Não a hereditários,

E ficou uma memória de quem parti.

 A gramática barra-se numa arte bruta.

--- talvez o tolo forme a concordância, o poeta não! ---

E os poemas... São bem forte!

Mas, como todos os poemas, só o poeta entende.

Das mãos que trilhas essas palavras,

De tão livres e pequenas,

Apegou-se, como devoto a solidão!

Foi bem, mas pleno, só!

E de tão só, cobriu toda uma geração!

Das mãos que trilhas essas palavras,

O homem é tão pequeno,

O poeta é tão pequeno,

A cidade desse poeta é tão pequena,

Que o poeta sempre acorda com os pés fora da cama.

Só ao amigo ele é grande,

Só ao amigo!

Se não fosse a poesia,

O mundo sempre amanhecia nu,

O poeta amanhecia nu,

De um nu feio,

De um nu desformal, estranho.

De um nu podre.

De um nu, sem mãos.

Das mãos que trilhas essas palavras...

... Comprou o ticket de outra estação!

Pin It
Atualizado em: Sex 30 Set 2011

Comentários  

#3 PauloJose 11-11-2011 22:30
LINDO! PARABÉNS.
#2 PauloJose 07-11-2011 23:17
ADOREI PARABÉNS, ESTRELEI!!!
#1 azara 12-10-2011 14:03
Gostei parabens.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222