person_outline



search

A minha casa.

Olha a minha casa!
Tão linda e aconchegante.
Aqui faço minhas preces.
Preces que espantam a desgraça.

Desgraça de ser pobre.
Aqui se come o que se tem.
E quando pode.

Branca calhada por fora.
Entre os espinhos da caatinga.
Seu telhado com furos minúsculos.
Recebe a chuva fria que esfria.

O fogão ainda de lenha luta.
Perde! Vêm os farrapos no socorro.
Mas o que aquece é o corpo a corpo.
Dormimos todos juntinhos.

Olha a minha casa!
Linda e cheia de amor.
Minha sim:
Já paguei o aluguel ao meu senhor...
Pin It
Atualizado em: Dom 18 Jan 2009

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222