person_outline



search
  • Causos
  • Postado em

Vi... Num Veno

Óia seu Moço, tomi muito tentu nas cosas qui eu vô contá. É cosa di falá simples, mas é palavra di coração, amigu. Nóis véve anqui num meiu du nada, num tremenu sertão... Pur precisão nóis veiu pra cá... Eu, a muié i meu cão fomo ficanu. Foi puxadu, foi dureza seu moçu. Era pra nóis a única opeção.
     Nuns tempu muito dirfíci vevia pobri, isquecidu, vaganu pra lá i pra cá, buscanu trabaiu... Num tinha. Só tinha miséra i sufrimentu pra modi a genti si disisperançá. Vimu a morte di beim pertim... Dela cunseguimu iscapá. Vimu o povu passanu, inu i vinu di todu e pra todu lugá. Uns partia i vortava, otrus, im viage derradêra, neim cunseguia vortá. Eu, a muié i meu cão, dicidimu aqui mermu lutá. Nóis era di poca idade ina, nóis ia havê di vencê essa impreitada da vida. Nóis resorveu incará... Di sor a sor trabaiemu... Di noite a gente sonhemu. Cunstruímu nossu ranchim prá modi nos abrigá. Era beim simples, verdade... Pra nóis, uma filiz realidade (dexemu di morá nim tapera lugada)... Nóis agora era prupietaru di nossu terrenim iscoídu.
     Era um pedaçu di chão bão pra si trabaiá. Cerquemu cum arami, aguemu horta i pomá... Nóis tinha u di cumê. Inda na feirazinha ia vendê, ofertá... Distu minha muié cuidava. Cedim todu dia partia eu i u Jaco (meu cão) em meiu à cerração gelada para nos distante canaviá tentá uma lida pra arranjá uns trocadu modi meiorá nossas vida um poquim mais.
     Às vez, exaustu pelu castigu da lida du canaviá, mi sentinu disanimadu, parava. Olhava im vorta de mim, via aquela turma toda cortanu us talu di cana comu se fosse uns gafanhotu esfomeadu. Oiava tamém u céu que não parecia azul e sim vermeiu cum a boca da fornaia di sor infindáve i u Jaco qui ficava intão deitado im arguma moita pur pertu, vinha, i, percebenu meu disânimu, fazia um carinhu amigu, uma brincadêra comu si quizessi mi dizê:
     - Num carece ficá triste amigu.
     Prontu, eu tomava um gole di água i logu eu já era um daquelis gafanhotu esfomeadu, taianu as canas i sonhanu... Afinar, era u meió modu di u tempu passá rapidim. Pegava u dindim da produção i mi mandava di vorta pra nossa fazendim, ondi meu amô mi isperava cum tar jantá dus deuses (cozinha muito béim a danadinha). Já si havia passadu argum tempu cumprinu esta nossa sina i u nossu sitiozinhu agora tinha cara di uma fazendim simpática, cum bão pomá, um pequenu lagu (ondi um patinhu amarelinhu di istimação nadava eleganti si sentinu u cisni du lugá), uma vistosa hortim, um poço legar i inté uma vaquinha maiada pru leite (demu à ela u originá nomi di Mimosa)... I até a tar papelada di inscritura no Rigistru Cartoriá im nossu nomi nóis já pussuía. Uma tarde (eu mi lembru béim) estava a moiá as horta, um ventim frescu du anoitecê já balançava as foias du pomá i u céu já ia senu devoradu pela boca noturna enquantu um banu di baruientus pássaru avoava buscanu seus ninhus, a minha muié si achegou até dondi eu estava i eu falei cum ela:
     - Óia cuma correm estes bichim! Devi di istá ansiosu pra vê seus fiotinhu nos ninhu.
     Ela oiô firme nos meus óio i cum jeito muitu amorosu mi falou:
     - Ocê tambéim, afinar u nossu fiotinhu já faiz parti di nossas vidas.
     Óia seu moçu, cunfessu que sabê qui nóis ia tê um fiotinhu foi para mim a maió alegria di minha vida! Só mermu a minha muié amada puderia te mi dadu essa filicidade. De contenteza abracei i dei uma meia dúza de beijus di carinhu nela. Aprecei im terminar di aguá as plantação i vortemu para nossu ranchu com só a lua di prata luminanu todas mata i a nóis cum sua luz zulada. Foi uma das noite mais lindas que já tinha vevidu.
     Trabaiei muitu, moçu. Cum alegria ví nossu fio nascê! O tempu passou rapidim, ele logu si tornou um fião. Hoje istuda na cidadi grandi. Qué sê formadu dotô im plantações, modi nos ajudá a cuidá meió di nossa fazendim qui nóis dora. Ele é um amigão, nóis ajuda ele no qui podi cum maió alegria.
     Agora, vinu cum a poêra do estradão, no maió carrão di luxu, surgiu nesta tarde cinzenta, ocê (um moçu falante, cum muitas palavra bunita i um ané di dotô forjado im ôro vistosu) dizenu sê a maió upurtunidadi di nóis meiorá di vida, i botanu um monti di defeitu im nossa prupriedade. Dizenu à genti qui vevemus muitu atrasadus i qui foi Deus qui mandô u nhô pra modi sarvá a genti.
    Falô qui a cachoêra di águas limpa era muitu sem graça, qui fazia muita ispuma, qui ela rugia muitu forti i qui a fresquinha qui saía dela era muitu ridícula. Inda disse qui toda a mata verdinha i cunservada di nossa prupriedadi era coisa di genti cafona i atrasada... Qui não passava de um matagal isperanu uns bão machado pra modi cortá tudo i limpá u terrenu... Qui isto sim é vida muderna! Criticô u luar pratiadu di nossa lua redonda i grandi qui vai lumianu todu sertão... Falô qui ela divia tá cum defeitu pruquê num apagava nunca i sua claridade di prata só divia prestá pra atrapaiá us sonu di nóis caipira. Comentô rinu que nossus poçu di água purinhas e fartas num servia neim modi dá di bebe pra nossa vaquinha di leite, dizenu u nhô que ela era muito gordinha, fora dus padrão di beleza e qui ela tinha cara di vaca burra cuns peito grandi.
     Eu qui oví todus us conseiu qui u nhô nos deu... Afiná u amigu é isclarecido i beim informadu... Oianu agora pra aqueli lugá, u nossu ranchu, aquele matagá, as corredêras du rio inúti, us poçu só uns buracu di água fincados nos chão, aquele luá qui pur todu tempu atrapaiô nossus sonu i nem di inspiração serviu nas noite di seresta cos amigu. Oei pra tar da Mimosa, qui tinha paradu di mastigar seu capim i mi oiáva cuma si isperá um carinhu meu pra acalmá a onfensa du meu amigão das cidadi grande. Eu vi a minha muié catanu as rôpa lavada nos vará, au meu lado ví qui u Jaco (demu a ele essi nomi, pruquê desdi fiotinhu quando sentia u chêro di cumida JÁ COrria pra cumê premeru) estava alí ouvinu as boas intenção du istranhu vesitanti i danu siná qui num gustava nadim du tá sujeitu.
     Merguiei numas viage di vorta au passadu... Mi alembrei di quanu nóis anqui cheguemu sem tê dondi caí mortu. Era tudo muito dirfíci... Ficá foi uma dificulidade... Vortá pra trás nóis num tinha cuma. Fiquemu, penemu, trabaiemu muito. Às vez pensemu qui a gente ia morrê alí no mei du nadim, isquecidu i disconhecidu da vida. Mas nóis era rude, insistiu. Vimu vida i morti, vimu um carrerão di dias nascê i morrê. Vimu us amigu alí si findá... Otrus sonhador chegava, uns, aguniados, partia sabenu num tê donde chegá. Vi qui nóis fomo ficanu... Num foi pur covardia di parti, foi mermu pur num tê pra dondi ir. Vi minhas mão sangrá na lida da inxada i du machado. Vi minha carcaça vergá ao pesu du sol i da chuva. Vi minha muié im silenço vertê suas lágrima di dô i disispêro cum tanta miséra i penúria. Vi minha companhera fié mi pega nos braçu, i mi dá forças pra lutá. Vi cum alegria nossus trabaiu florecê. Vi este ranchinhu crescê, nossas vida meiorá... Vi u meu fiotinhu nasce, crescê i nestas terra corrê. Cum muito trabaiu, é fatu, nossas vida meiorô. A genti tem mermu qui proveitá as upurtunidade qui a vida nos ferece.
     Fui arrancado di minhas matutança pela voz animada du amigu das cidade grande. Ele num parava di mi mostrá as formosura di morá ni cidades mudernas.
      - U nhô tá mermu ansioso pra modi nos sarvá desti finzão di mundu. Quer dá um montão di dinhêru pur esti sitiozinhu cafona onde só teim porcaria no meiu de um sertão inúti. Logu si vê qui u nhô é di fatu um amigu verdadeio i beim intencionadu. Di amigu pra amigu, digu ao nhô, pruveitanu qui já istá di partida i qui vai ser muitu dirfíci pru nhô vortá pru estas bandas... Qui pur tudu qui vi neste sertão e ni nossu ranchu, num veno ele pru grana ninhuma desti mundu. Alinhás esti aqui é meu mundu.
     ...
     - Uéééé... Num intendi, Jaco... U amigu das cidade si mandô tão rapidim in seu carrão di luxu, qui inté si isqueceu di si despedi di nóis... Deve di tá cum pressa. Os jantá da muié hoji tá di lascá, u cheirim tá vinu inté aqui... Vamu corrê pra mesa! U urtimu a chegá é um bobão da cidades grande.
     Cheguemus juntu.
Pin It
Atualizado em: Sex 4 Set 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222