person_outline



search
  • Causos
  • Postado em

O Lobo- Guara e Eu

Outro dia, dormia o terceiro sono. Eram cinco horas da manhã. Estava tão bom que parecia doce, quando acordei com minha esposa me cutucando as costelas:  - Acorda, Antônio! Acorda homem, e vai ver o que tá acontecendo com as galinhas.  Elas tão cacarejando e parecendo assustadas.  Custei a acordar. Nem queria acordar.  Estava bem quentinho debaixo das cobertas e fazia um frio danado. Mas a Clarice, quando invocavacom alguma coisa, não tinha jeito. Com muito esforço e contrariado, acabei cedendo aos seus apelos e me levantei.  Meio zonzo e sonolento, encontrei a porta da sala e sai resmungando.Ainda estava meio escuro, era mês de junho e, por isso,o dia demorava a dar o ar da graça. Caminhei até o galinheiro que ficava a uma distância de uns trinta metros. Acendi o lampião e vi que as galinhas estavam todas lá. Contei todas: as frangas, as galinhas poedeiras, os frangos, as franguinhas, os pintinhos. Demorei a encontrar o galo, mas depois vi que estava no canto do poleiro.  Exatas 97 cabeças. Depois pensei: - Gente, pra quem tem tanta galinha não vale a pena deixar a cama e sair nesse frio doido!  Olhei ao redor e não vi sinal de nenhum bicho. Conclui, então,que poderia voltar pra minha cama. Quando voltava, dei de cara com o animal que rondava o galinheiro: Um lobo-guará enorme! Fiquei parado, trêmulo, olhando para ele e ele parado me encarava. Parecia que ambos não esperavam por aquele encontro e agora ambos não sabiam o que fazer. Fiquei tão atordoado que,às vezes, tinha a sensação de que se tratava de um leão. Aquele olhar fixo me confundia.  E o pior é que ele estava próximo de casa e justamente onde eu deveria passar. E minha esposa bem tranquila lá na cama! Pensei em chamar alguém, fazer algum sinal pra espantá-lo, mas estava com medo e não sabia o que fazer. Aquele momento em que estivemos ali, estáticos, foi rápido, mas parecia uma eternidade. Como  o  dia já  começava a clarear, pude ver que era um animal muito bonito.Cabeça erguida, orelhas em pé, os pelos compridos num tom amarelado, que se distribuía sobre seu dorso. As patas e o ventre eram pretos, as pernas finas e longas. Como pode um animal tão bonito ser tão solitário? Mas também pensava num jeito de me livrar dele. Decidi então que a melhor maneira de sair daquela situação seria dar um grito enorme, quase um rugido. Assim o lobo-guará iria embora. Então enchi o pulmão, invoquei todas as forças que havia dentro de mim, ergui a cabeça e dei um grito, um berro, talvez um grunhido horrível, um som forte que nem eu conseguia entender o que era. O lobo-guará se assustou de tal maneira que, num relance, pulou a cerca e sumiu no cerrado. Minha esposa acordou e saiu para ver o que era. Até o vizinho do sítio ao lado saiu no quintal para ver do que se tratava.  Finalmente entrei em casa e contei pra a Clarice sobre o lobo e expliquei que aquele grito horrível foi usado para espantá-lo. Troquei de roupa, lavei o rosto, tomei o café e fui trabalhar. O lobo-guará não pegou as galinhas, mas eu peguei um resfriado muito forte e fiquei três dias em casa, sem poder trabalhar. Dali em diante nunca mais me levantei para acudir as galinhas. Decidi que reforçaria o galinheiro, aumentaria a criação para dar alimento também ao lobo-guará. Afinal,ele certamente gosta muito de carne de galinha, da mesma forma que eu estimo muito um bom sono e uma cama bem quentinha.
fShare
0
Pin It
Atualizado em: Seg 11 Jun 2018
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222