person_outline



search

A Dama Mourisca

A dama mourisca, tal qual Sefora, a sacerdotisa
Equilibra o seu temor
Sobre o brilho daquele áureo candelabro.
Delicadas elipses,
Teias tecidas na conjuntura da infinitude
Naquele céu noturno do corpo feito lua minguante.
Sem corda para segurar, sonha-se o sonho.
Dos espaços sem limites, o olhar pende...
Para onde?
Duplo éter daquela viagem.
Naquele momento ela finge lançar-se desavisadamente
Ao som de uma música que só ela ouve.
Circunscrita por um cortejo ígneo
Que há tantas jornadas a acompanha,
Ela é a própria razão de ser da luz.
Guardiã e súdita.
Confidente e mensageira...
Ela solta seu corpo e tudo gira.
A vida, ideias, imagens, paisagens, histórias, pensamentos, premonições e distúrbios.
Em que se pendura esse candelabro de samsara?
Quando vai voltar a rodar?
A (equilibrista) moura mantém seu delicado equilíbrio.
Prazerosamente, ébria no seu próprio ser.
Obediente aos ditames
Daquilo que julga fazer ela parte
À maneira do fio que enlaça as contas do colar,
Confunde-se inevitavelmente ao seu desenho.
...Numa noite qualquer de estrelas presentes, ela retornará
Para nos alertar sobre o próximo giro da roda.
Tomará fôlego, e sorrirá.
Um sorriso calmo e acolhedor. Compreensivo...
E, embalados por esse semblante, desta vez, nós sonharemos.
Enquanto ela, dançará...
Pin It
Atualizado em: Qui 4 Nov 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222