person_outline



search

"PARA HONRA E GLÓRIA DO SENHOR"- Uma sátira a nossa forma errada de entender Deus

Raríssimas pessoas já pararam em toda sua vida para pensar sobre o peso das palavras do título a cima cada vez que as usam.
   Raríssimas pessoas terão coragem de medir o peso dessa citação e confrontar com sua cadeia de valores sobre Aquele que eles chamam de Senhor e pensar sobre que honra e gloria é esta a que essa citação se refere.
   Milhões de pessoas morreram, morrem e outros milhões ainda morrerão em toda historia da raça humana em combates ou em missões, simplesmente pela honra e gloria de seus deuses, morreram “pela honra e glória do senhor”. Poucos se perguntam, por que um Ser magnifico, completo de tudo que se possa atribuir precisa de honra e gloria, já que essa é o combustível dos fracos e os alimentos dos tolos. Somente pessoas mal resolvidas vivem a exigir que outros lhes prestem homenagens que não lhes são devidas pois as que estão seguras de si, não precisam ser lembradas o tempo inteiro do que elas já sabem. Me parece que a maior parte dos deuses já cultuado pelos homens, são seres mal resolvidos. Ou seria essas frases usadas para manipular as massas e estimula-las em segundas intenções?
   Poucos sabem e outros não terão coragem de admitir que inicialmente essas citações foram usadas por povos da mesopotâmia e do antigo oriente milhares de anos atrás para expandir as fronteiras dos seus reinos, ao mesmo tempo que expandia sua fé. A fé em uma divindade sempre foi usado como emblema para esconder as piores das intenções dos governantes. Se você der um motivo fantástico a uma pessoa pelo qual ela deva lutar, elas farão coisas absurdas em função desse objetivo, ainda que seja para sua autodestruição consciente. A fé também é....o firme fundamento para manipulação geral e criação de conflitos.
   “Para honra e glória do senhor” Marduk, Bell, Amon, Dagon, Baal, Astarote, Rá, Semíramis, Osíris, Shiva, Krishina, Ketzalcoalt, Era, Zeus, Cesar e para tantos outros senhores essa frase já foi usada, e logo depois adotado pelos seguidores de Cristo. Vários desses também já foram trindades adoradas como sendo um.  Em comparação a esses citados, Jesus é o mais recente dos senhores cujos súditos passaram a usar tais termos para se referir a Ele, e fazer coisas que ele nunca mandou, nunca pediu e nunca exigiu. Em nome da fama e gloria própria, os tais dizem estar fazendo algo para uma divindade, e desse modo conseguem o apoio de legiões, seja para doar seu salário e seu patrimônio inteiro, ou para matar e morrer por uma causa. A ideia do lucro presente ou no porvir, faz com que qualquer incauto faça loucuras por um objetivo apresentado pelo líder, desprezando sua atual existência, quando compara com as “garantias” que lhes são oferecidas.
   O medo do lugar da perdição, do mármore do inferno, do lago de fogo, e das trevas eternas, dar poderes sobrenaturais a seguidores dos senhores mais diversos ao redor do mundo para lutarem suas causas. Ganancia e medo bem aplicadas por uma mente má, faz até milagres.
   Dezenas de novas igrejas são criadas diariamente e nas orações de abertura sempre citam ser essa inauguração “para honra e gloria do senhor”. Não seria para lucro próprio do dono da marca fundadora da igreja? Compare suas riquezas de antes e depois de se envolverem com esse negócio lucrativo e me digam para quem é a honra e a gloria.
   Milhares de missionários são enviados a países não cristão, onde explicitamente é proibido uso de bíblia e pregações de outra fé e assim mesmo eles vão. E por que fazem isso? “Para honra e gloria do senhor”. Para expansão do “reino de deus”. Para que o nome do senhor “seja glorificado”. Acontece que pessoas de todas as crenças no mundo também fazem a mesma coisa, enviando missionários de sua fé para evangelizar outros povos. Cristãos procuram converter mulçumanos lá fora, enquanto mulçumanos fazem o mesmo com cristão aqui em nossa terra, bem em cima do nosso nariz, e fazem isso também para gloria do senhor. No mundo inteiro o proselitismo é fato em quase toda crença, e no fundo no fundo, os voluntários a proselitismo querem apenas se sentir seguro de sua própria crença, pois quanto mais pessoas afirmando algo ser real, torna mais segura a crença do próprio emissário. Como em uma grande torcida organizada de um time, é prazeroso estar no meio de uma multidão da mesma bandeira gritando gol, e fica bem mais fácil partir pra violência quando seu time perder. Assim as pessoas fazem prosélitos, assim também alguns se deixam convencer a outra fé. Pelo desejo de ser inserido na multidão, de não remar contra a maré, nem de ser perseguido por suas crenças se essa vir a ser minoria. E como pano de fundo, dizem que é “para honra e gloria do senhor”. Se usarmos esse fundo como crença, tenhamos que admitir que esses senhores gostam de nos ver brigar entre nós mesmos para defendermos nossas bandeiras, enquanto eles assistem da plateia nos destroçarmos. Ou quem sabe pode ser até um mesmo senhor de todos que aceita que sua mensagem seja difundida de modo diferente, com ideias diferentes, para pessoas diferentes para gerar idéia de concorrência, e quando não muda o produto, muda a embalagem, mas o fabricante é o mesmo.
   Num passado não muito distante, homens vibravam ao serem aceitos nos exércitos dos templários. Eram capazes de abandonar sua esposa, filhos, família, bens matérias, e tudo que já tinha conseguido ou poderia conseguir na vida, para se juntar aos exércitos que ia a Jerusalém ou qualquer cidade que tivesse judeus ou mulçumanos morando. Essa missão era para estuprar, matar, pilhar, roubar pessoas e incendiar qualquer vilarejo por onde passavam que se não fosse de fé cristã. E para que e por que? Se você tivesse a chance de perguntar a eles, estes te responderiam em alto e bom som: “PARA HONRA E GLORIA DO SENHOR”. Suas famílias os apoiavam. Era como ter um herói particular em cada família, cada uma querendo demonstrar mais bravura e mais valor ao seu deus e ao estado por meio do seu próprio herói, matando vários, ou morrendo de forma “honrosa” em campo de batalha não negando seu senhor. Tadinhos...Se ao menos eles pudessem pensar que o nome do seu senhor era o Pontífice Máximo da igreja católica...Morreram na ilusão de que serviam a outro senhor e não puderam ser esclarecidos.
   Hoje não é diferente. Chegue em uma igreja evangélica e olhe para o púlpito das igrejas. Em algumas delas, dezenas de homens vestidos de ternos bem elegantes se apinham, se acotovelam e se digladiam entre si por um lugar próximo ao chefe central. Eles anseiam por um lugar de destaque. Eles querem ser obreiro do senhor e trabalhar para sua honra e sua gloria. Conceda algum título ministerial a alguns desses e eles serão capazes de abandonar seus filhos, esposa, famílias, sonhos, carreira, patrimônio e qualquer conquista “para honra e gloria do senhor”. Suas famílias entenderão, apoiarão e terão orgulho como fora no passado. Elas se sentirão orgulhosa em ter seu soldado de cristo particular, consagrado pelo líder máximo local, alguns destes líderes que não tem moral de um hambúrguer podre, mas são capazes de ungir e preparar homens simples e torná-los em super-heróis que lutarão várias batalhas contra seres imaginários e pessoas reais, ofendendo e sendo ofendido, perseguindo e sendo perseguido, tudo “para honra e gloria do senhor”.
   No passado as pessoas eram atormentadas pelo pecado, e ter um cavaleiro de cristo, um padre ou freira na família dava-lhes a ideia de redução de pecado pra família inteira e possibilidade de redenção no grande dia do juízo de Deus contra os homens. Hoje, além de amenizarem a culpa criada pela idéia de pecado, as famílias sabem que um cargo na igreja, também pode ser usado como uma ponte para uma função política se este aprender as “malandragens” do sistema. Um status social para dentro e fora do grupo.
   A velha história se repete. No passado, o cavaleiro de cristo ficava de joelhos perante o papa ou algum de seus representantes e após fazer os votos de cavalaria o seu superior fazia sinais com uma espada sob sua cabeça e a partir dali estes simples homem pareciam receber poderes mágicos e força descomunal para sair matando e destruindo em nome de cristo. Os obreiros de hoje fazem algo bem parecido, ficam de joelhos perante seus “superiores”, fazem juramento de obediência cega ao ministério e o líder derrama um óleo de peroba em sua cabeça, faz um sinal com a bíblia, e diz que a partir daquele momento este também passa a ser o ungido do senhor. O obreiro ganha poderes mágicos a partir de então. Já pode falar em línguas, profetizar, sair chamando todo mundo que não é da igreja de “fio du cão”, “fio du diabo”, entrar em terreiro de macumba pra quebrar imagens, abrir outras igrejas ou ir morrer em países estrangeiros, tudo isso “para honra e gloria do senhor”. 
   Mas existem algumas diferença gritantes entre os soldados de ontem e de hoje. Os de ontem buscavam gloria e fama. Os de hoje além de gloria e fama, querem riqueza de imediato. Querem ser os “pop star de Cristo”. Os de antes faziam voto de celibato. Os de hoje obrigatoriamente são casados, e mesmo assim se aproveitam de seu poder de obreiro, para abusar de crianças, deficientes, jovens, mulheres casadas, e até de gays, quais eles tanto condenam. Os de antes quando erravam, podiam ser julgado pela própria cavalaria ou pela população. Os de hoje, fizeram um acordo entre si de só serem julgados por Deus, e criaram um chavão próprio de “ninguém toca no ungido e vive pra contar história” para amedrontar o povo, e repetiram isso tantas vezes que hoje soa como verdade aos ouvidos dos menos esclarecidos. A velha frase de que pastores e obreiros que foram ungido com óleo santo só podem ser julgadas por deus, pois Ele quem botou e Ele quem tira, tem sido usado como cartão de credito sem limite de gastos por milhares de obreiros ao redor do mundo. Ser obreiro nesses ministérios, tem mais vantagens que delação premiada no judiciário brasileiro. É melhor que ter foro privilegiado. É formação de quadrilha disfarçada de homens de Deus. Engraçado que tais obreiros quando ouvem falar em foro privilegiado no planalto, diz que isso é inadmissível, mas acham totalmente admissível causar dano físico, moral ou psicológico a quem quer seja e só serem julgados no dia do juízo final, única e exclusivamente pelo próprio Deus, por que tiveram um óleo barato jogado em suas cabeças. Bom demais pra ser verdade! Chega de tanta hipocrisia! É chamar o povo de palhaço! Pior que no passado as pessoas eram enganadas e a desculpa é que não tinham acesso a bíblia. Hoje todos tem acesso a bíblia e são enganados ainda 10 vezes mais. A verdade é que pouco importa o que diz um livro sagrado. Mas vale o que diz a liderança e o os cargos que ele tem a oferecer aos seus súditos do que o que realmente estar escrito. A ganancia e soberba disfarçada de santidade.
   Se as pessoas pelo menos pensassem que, desde os tempos imemoriais, desde que passamos a viver em sociedade, buscamos ser reconhecido por algo que fazemos. Se pelos menos parássemos para pensar que é em busca do nosso próprio louvor, gloria e honra quem lutamos e não apenas pelos deuses. Se parássemos para pensar que até nas tribos menos civilizadas, as pessoas vivem comparando o tempo todo entre eles o tamanho do pênis, dos peitos, do pescoço, do ventre, dos músculos, da quantidade de filhos e até da quantidade de utensílios domésticos fabricados, só para ver quem tem mais ou quem faz mais. Tudo isso para que? Para nos destacarmos. E para que serve o destaque? Para honra e gloria...de nós mesmos! Claro! Só que somos peritos em demonstrar falsa modéstia e dizemos ser para honra e gloria de uma divindade qualquer.
  Umas das ciências mais perseguida pelos grupos políticos e religiosos desde os tempo remotos, tem sido a filosofia, exatamente pelo fato de esta motivar o indivíduo a comparar toda sua cadeia de crenças e valores. Comparar, desfazer e refazer se necessário, pela lógica, observação e pesquisa e não apenas pela fé. A velha e cega fé que a tudo estraga e faz o bonito ficar feio.
   Enquanto a religiosidade cega ensina apenas a ter fé e obedecer, seja em qualquer segmento religioso, a filosofia costuma perguntar: Por que? Para que? Para quem? Onde? Como? Comparado a que? Se se não fosse assim seria como? Já tentaram outros meios? Quantas pessoas no mundo fazem assim e tem resultado iguais? E quantas deixam de fazer e tem o mesmo resultado...?  Desse modo, costumam dizer que filósofos se tornam ateus, que na cabeça de muitos tem o mesmo significado de criaturas horrendas e demoníacas. Na verdade um filósofo tende a ser menos tonto em relação a muitas coisas. Mas o mesmo remédio que cura pode matar se não for aplicado em doses correta. Apontar um problema na forma de pensar, e não apontar uma solução na forma de agir, faz de um filósofo apenas um crítico da vida alheia. É como tirar um doce de uma criança ou a muleta de um aleijado e deixá-los desamparados.
   Desde os tempos mais remotos nos proibiram de pensar sobre Deus e sobre nós mesmos. Não fazem isso de modo direto, mas nos enchem de coisas pra serem feitas dentro e fora dos círculos religiosos. Perseguem vorazmente qualquer pessoa que não seja capacho de lideranças eclesiásticas e criaram cultos diários para preencher nosso tempo.
  Cultuar não é pensar sobre Deus, sobre Sua essência, sobre Seu ser. É apenas repetir ritos litúrgicos pré-estabelecido pelo patriarca daquele grupo. Ladrões e criminosos antes de irem as ruas também oram e rezam e pedem proteção ao mesmo deus que uma pessoa fiel e sincera pede quando vai a uma igreja. Um pede oração e proteção para roubar. Outro pede para não ser roubado. Um dos dois será atendido. Um ficará frustrado e outro envaidecido. Ambos pendem ao mesmo deus pois lhes foi o mesmo apresentado a ambos desde sua infância. Um irá chorar e outro sorrir. Pelo menos agora, por um tempo. Uns acreditam em Deus e “faz ele de escudo”, seja para causar inveja as recalcadas, ocultar seus crimes, e pedir proteção quando for praticá-los. Outros acreditam apenas que a ideia de Deus estar associada somente a prática do bem. Ambos seguem suas vidas.
   Sejam sinceros e pesquisem: países como Brasil, Israel, países árabes e Índia, que tem um enorme ritual litúrgico dos seus seguidores do início ao fim do dia, deveriam ter um nível de vida e harmonia entre seus habitantes, melhor que de outros países, mas ao contrário há um alto nível de intolerância mutua, atentados, fome, miséria e desprezo pela vida alheia. Mas existem países europeus e outros, em que poucos ritos religiosos são praticados diariamente, as pessoas poucos voltam para rituais litúrgicos, porém existe mais respeito mútuo entre as pessoas, menos corrupção, mais empregos, mais rendas e menos doenças. Incrível né? Quanto mais perdemos tempo em função de honra e gloria dos deuses, menos tempos temos pra nós e pra nosso próximo. Quanto mais diabos e deuses criamos para pôr nossas culpas, mas irresponsáveis e patéticos nos tornamos.
  Quem é completo é completo! Nada que façamos ou deixamos de fazer aumentará ou diminuirá em nada o tamanho ou a essência dos nossos deuses supra sobrenaturais. Eles não precisam de honra, gloria, louvor, adoração, dízimos ou ofertas para continuarem existindo ou expandindo seus reinos. Eles são o que são e pronto e os seus reinos avançam mesmo sem nossa intervenção, afinal quem pode, pode! Ou são deuses todos poderosos donos do mundo, do ouro e da prata, ou são pedintes, mendigos, que buscam recursos financeiros e atenção humana para continuarem existindo! Nesse ponto de vista seriamos superiores a eles, se eles precisam mais de nós do que nós deles. As pessoas os caracterizam como eternos, imortais, imensuráveis, oniscientes, onipotentes, onipresentes, criadores e feitores de tudo, mas ao mesmo tempo parecem não saber o significado dessas palavras ou não associam uma palavra a outra numa frase, num discurso, numa fé. Apenas o fato de entender o significado de uma palavra, pode mudar não apenas o sentido de uma frase, mas a face de toda uma religião ao redor do globo. Dicionários servem para isso. Mas vale notar que nas igrejas não se usam dicionários! Os membros recebem “pão quentinho dos céus” que eles acreditam ser Deus colocando na boca do líder, e vomitando na boca dos súditos. Igual a filhotes de sabiá. Por isso ficam fraquinhos. Se ensinassem a voar como águias em buscam do próprio alimento teriam uma visão mais ampla do globo.
   Pensem em Deus e me diga pra que ele precisa de honra gloria e louvor. Pensem em vocês mesmo e me digam se a honra e gloria que buscamos, não é para inflar nosso ego em relação ao que os outros pensam de nós. Pensem se não estamos brigando por migalhas mediante uma mesa tão farta. Devemos nos alimentar sentados, com cabeça erguida, como cavalheiros, no assento das cadeiras, com os braços sob a mesa, e não como cães que brigam pelo osso já roído, cujo dono joga debaixo da mesa para ver a disputa entre os cães. Pensem nisso. Se os deuses já alcançaram sua totalidade e plenitude, que nos deixem pelo menos alcançarmos nossa paz e harmonia. Quanto mais buscamos desesperadamente o consolo dos deuses, mas insensíveis ficamos a quem estar próximo a nós.
  Se eles são o que são, seremos achados por eles mesmo que não o busquemos. Seremos supridos, fartos e protegidos, mesmo que não o peçamos. Se sua essência preenche tudo seremos impregnados por ela. Impossível se chegar ao criador destruindo e desprezando sua própria criatura. Pensemos nisso.
Pin It
Atualizado em: Ter 15 Nov 2016

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222