person_outline



search

Leonardo e Meredite (Parte 13)

Algum tempo passou e os seus três velhos e queridos amigos artistas chegaram à vila. Ela, Leonardo e Tamara juntamente com seus irmãos e seu noivo foram recebê-los. Resolveram fazer uma refeição ao ar livre, protegidos pelas lindas montanhas da região.
     Estavam conversando descontraidamente à horas, até que Tamara que vinha disfarçando sua insegurança desde o encontro com o príncipe falou:
     - Mal pude acreditar que vocês atenderam ao meu pedido tão prontamente, amigos! Vocês já tiveram alguma ideia para a gente resolver o problema?
     Todos se entreolharam e depois voltaram seus rostos constrangidos para Meredite. Ela arqueou uma sobrancelha, se levantou e falou antes que eles tivessem tempo de reagir:
     - Confesso que estou bastante surpresa! Por que será que ultimamente, todas as vezes que me convidam para passear no campo se revela algo mais? Pensei que resolveram viajar até aqui para aproveitar algum breve descanso entre uma série de apresentações e outra... Pensei que estivessem apenas com saudade da gente... Mas vieram à convite de Tamara, que provavelmente os aterrorizou com a história do príncipe.
     Agora foi a vez de Tamara levantar-se e antecipar-se aos outros em resposta:
     - Amiga, eu não estou me controlando! Mais do que isso... Não estou me perdoando por ter sido a responsável pelo príncipe descobrir que suas jóias são mais, são amuletos!
     - A culpa não é sua. Você não se lembra que ele já estava desconfiado das pedras muito antes de nos abordar diretamente? - Meredite tentava confortar Tamara.
     Todos se levantaram e Alesandro falou em nome do grupo recém-chegado:
     - De qualquer forma, estamos com medo que você morra. Esse homem tem autoridade. Sei que muitos da vila vem declarando que ele tem um bom espírito. Mas ele também tem uma coroa. E esse simples objeto pode transformar vidas, para o Bem ou não. Se você continuar com essa obstinação, em breve vamos estar todos naquele castelo. Sim, porque não vamos te abandonar. E se você, seja por sua postura ou alguma afirmação, parecer desafiadora, pode terminar decapitada...
     Marco continuou:
     - Tamara, infelizmente não encontramos uma solução. Meredite, não importa porque viemos até aqui... Só queremos ficar a seu lado. Ver e fazer coisas bonitas.
     Meredite falou como quem medita:
     - Vocês estão mesmo se despedindo de mim. Não acreditam que eu vá sobreviver à essa ida ao palácio...
     Will explicou:
     - Ele te vê como uma bruxa.
     A artesã estava perdendo a paciência, o que era extremamente raro:
     - E aí ele me permite criar algo mágico voltado para a energia dele... Vai além, ele me obriga. Isso não é um pouco contraditório? Confiar a visão da sua aura a alguém que ele condena?
     Leonardo lamentou:
     - E se ele receber esse amuleto, ele vai ter uma prova de seu dom.
     Meredite emendou:
     - E se eu não oferecer artefato algum, ele me executa por desobediência. Então, se de qualquer forma vou perder a cabeça, como por sinal já estamos todos perdendo, que seja sendo eu mesma. Eu vou ao castelo e não vou levar amuleto algum.
     Tamara sugeriu:
     - Já pensou em criar uma jóia sem energia?
     Meredite se revoltou:
     - Isso eu não faço, nunca! Eu seria uma fraude, uma maldição diante da luz da minha estirpe! Por favor, Tamara, jamais me proponha outra vez uma coisa assim.
     - Sinto muito. - Tamara respondeu simplesmente.
     Leonardo então voltou a sentar com um ar resoluto estendendo a mão para que Meredite sentasse a seu lado. Ela aceitou e em seguida todos repetiram o gesto tentando relaxar. O pintor falou:
     - Vamos respeitar a vontade de Meredite. Que sua intuição a guie. Agora, vamos seguir um rumo mais agradável. Já falamos de e por onde viemos. Vamos sonhar, planejar o que seremos. Me digam... O que acham que vamos fazer depois que sairmos todos sãos e salvos do palácio?
     Todos ali presentes se empolgaram diante da sugestão de assunto.
     Marco, Will e Alesandro, que vinham produzindo novas obras, viajariam para terras desconhecidas por eles para seduzir outros públicos. Além disso, naquele exato momento estavam bebendo para celebrar alianças que ali mesmo acabavam de se estabelecer... Andrea e Tamara foram aceitos como membros daquele grupo, ele atuaria com seu violino e ela, cuja habilidade nos mais diversos ritmos de dança desde sempre foi conhecida e havia impressionado os aldeões mais próximos, ao ser descoberta por seus amigos mais recentes, arrebatou aplausos e rendeu uma convocação para acompanhar os artistas em sua jornada.
     A princípio, Tamara, tomada por autêntica modéstia se recusara terminantemente a aceitar o convite, mas pesou tudo que já vivera até aquele ponto de sua existência e concluíra que sua contribuição para com a vila estava completa, sua veia cigana clamava por movimento... Ficou maravilhada por, com isso, também ter a oportunidade de oferecer estudos e experiências mais completas aos seus irmãos, que, dessa maneira quando alcançassem a idade que ela tinha naquele instante, a teriam superado, em dobro ou triplo em virtudes.
     - E eu vou ensinar! - Meredite estava entusiasmada.
     - A criar amuletos? Vai transmitir a fórmula para as meninas? - Will personificava a curiosidade geral.
     - Tudo que sei... Dos doces às jóias. E a todos que desejarem, meninos, meninas, mulheres ou homens. Mostrarei que lidar com cristais é natural como criar uma essência, ofertar uma guloseima ou dar água a uma planta... Tudo isso faz o firmamento sorrir. Dessa forma acredito que um dia certos acentos deixarão de existir!
     Minutos voaram como uma inspirada cantoria de pássaros selvagens até que Leonardo, que até então se limitara a ouvir os planos de todos, se levantou e tranquilamente revelou:
     - E eu vou me casar! - seus olhos eram relâmpagos decididos e brincalhões.
     A euforia que tomava o íntimo do artista era uma fogueira poética e incontrolável, que não cabendo somente no coração dele, começava a colorir o cenário que imortalizava o laço tecido para ele e um nome ainda não citado. Diante daquela energia, vários se levantaram, perguntando em silêncio o dado omitido. Como ele se mantinha calado, Marco explodiu satiricamente:
     - Continue, nobre amigo... Quem é a afortunada escolhida?
     O cantor falara nutrindo na alma a certeza que a maioria dos presentes também mantinha... Que a resposta do pintor seria óbvia e que estava diante deles. Porém a reação dele veio mais rebuscada e enigmática do que podiam prever!
     - Conhecerão plenamente, assim que ela se reunir a nós, em breve... Terão de concordar comigo de que ela é uma obra-prima inesquecível!
     Se houvessem nuvens no céu naquele momento, e se os ânimos até então contidos pudessem comandá-las, decerto elas teriam se conjurado para demandar uma torrente que afogaria aquela irritante chama que fazia os olhos de Leonardo parecerem espelhos. A ausência de bolsas de chuva e a força da decência das almas diante dele porém foram suficientes para suprimir um triste fim da reunião. A maioria se rendeu, o parabenizando somente educadamente pela decisão.
     Tamara falou tentando parecer serena, contendo o embargo em sua voz:
     - Aguardamos ansiosos por conhecer sua amada, Léo!
     - Preparem-se desde então, desde já, para a festa!
     Ele parecia mais louco a cada palavra que proferia. Seus parceiros realmente o estranhavam e temiam que a possibilidade de ver Meredite morta pelo príncipe houvesse extirpado o juízo do homem das tintas.
     A voz da artesã ultrapassou, doce e clara, aquelas muralhas:
     - Parabéns, Léo! Ainda não a vi, mas a reconheço em sua aura... Alguém que te faz tão feliz só pode ser uma grande estrela. Ficarei honrada em celebrar junto a vocês!
     Ela se levantou, lhe ofereceu o seu mais radiante e sincero sorriso e rodopiou em seu abraço enquanto ele falava:
     - Quero vê-la em um vestido magnífico, para participar da melhor página da minha história!
     Cessando o contato, ele fixou o olhar nos amigos e continuou:
     - Aliás... Quero todos vestidos como deuses. Não vou aceitar nada abaixo da perfeição. Que o brilho dos seus trajes sejam equivalentes ao encanto de seu valor astral. Entendem o alto grau de exigência então, né?! Não se preocupem com os gastos! Será tudo cortesia minha!
     Eles sorriram timidamente. Ele os chamou para um abraço coletivo, o que bastou para afastar a tensão. A vitalidade do encontro retornou e o fim da tarde trouxe paz e promessas para aqueles seres, tão miseráveis quanto sublimes, lhes legando um destino de transformação, de si mesmos e de um castelo que os receberia dentro de duas noites.
Pin It
Atualizado em: Ter 19 Jan 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222