person_outline



search

FLOR DE CERA- CAPÍTULOS 15 A 17

                                              XV

Rubens entra no quarto de Joaquim, vê George baleado, põe as mãos na cabeça e pergunta completamente ensandecido:

_ Por que fez isso, meu rapaz? Ninguém merece uma coisa dessas, nem mesmo esse canalha.

Com a arma em mãos, o chofer tenta se explicar:

_ Não fui eu, doutor Rubens... Foi ele quem fez isso! Ele atirou em si mesmo!

_ CO-CO-MO POSSO ACREDITAR NUMA COISA DESSAS? CRISTO! VOCÊ ERROU, CONFESSE! O PESO DA CULPA SERÁ MENOR.

_ NÃO FUI EU... – insiste, com os olhos da cor do sangue.

George está caído, gemendo de dor, com o braço direito perfurado por uma bala; o sangue jorra assim como as lavas de um vulcão. Os portões da mansão se abrem, as sirenes da polícia soam em pânico, o delegado pula da viatura, sendo recepcionado pela empregada.

_ O que aconteceu, dona?

_ Ainda bem que chegaram... Eu não me aguentava mais de aflição.

_ Foi a senhora que nos ligou? Onde está a vítima do suposto crime?

_ Lá... – aponta para os fundos da propriedade. _O disparo veio do quarto do empregado. Acho que o vereador o matou... – sufoca-se com a agitação.

_ Quem matou quem? A senhora se refere ao vereador George Dumont? Ele é o dono dessa propriedade, não é? E por que ele feriria um... um empregado?

_ ELE TÁ FUGINDO, DOUTOR! PEGA! PEGA! – grita um policial ao avistar Joaquim correndo em direção ao muro.

O temporal passa, apenas uma garoa fina permanece sobre a cidade.

Rubens contém o sangramento com o lençol da cama do empregado e, pelo celular, solicita uma ambulância.

Joaquim é capturado, jogado ao chão como um animal e algemado a pontapés. Vendo-o pelas costas, Ernestina imagina que seja o vereador, mas ao se defrontar com o motorista, surta.

_ VO...VOCÊ??? Meu Deus do Céu, por que fez isso com sua vida? – inquire, descontrolada.

_ Ainda bem qui num fartei nu sirviçu hoji... magina eu perdê um fuzuê desse? – diz Moacir, empolgado.

_ Não fui eu, Ernestina! – repete diversas vezes, sem dissuadi-la dos pensamentos ruins. _Não fui eu! Me ajude, por favor! Diga a eles quem eu sou...

_ Ajuda ele, Ernestina!- pede o jardineiro. _ Eu vô visitá ocê na cadeia, pode dexá... fique trunquilo! Será qui a cumida di lá é boa?

_ CALE A BOCA, MOACIR! – enfurece-se com as palavras do empregado.

_Leve-o para a viatura! O criminoso será interrogado na delegacia – ordena o delegado.

_ Doutor, a vítima está lá dentro, toda ensanguentada. E há uma testemunha, que se diz médica da família.
 
O delegado entra no quartinho, avista George e comenta consigo mesmo:

_ Que tragédia! E logo com um homem tão bom como o vereador George Dumont. Isso deve ter sido a mando da oposição, pelo fato dele ter conseguido o posto de saúde para a cidade. Não querem vê-lo prefeito de Vila dos Princípios... Que coisa! –volta-se para o médico e pergunta:_  O senhor viu tudo, não é?

Rubens o encara e não responde.

_ O SENHOR VIU COMO TUDO ACONTECEU, DOUTOR...DOUTOR...?

_...Rubens Arraia! – completa. _Sim, senhor! Eu vi!

_ O MOTORISTA É O AUTOR DO DISPARO?

Com o balançar positivo da cabeça, ele o sentencia à cadeia.

_ Muito bem! Acompanhe-me até a delegacia, preciso lavrar o boletim de ocorrência.

_ O que faremos com o chofer, doutor? – pergunta um subordinado.

_ É flagrante! Artigo 121. _ XADREZ NELE!

_ De que se trata esse artigo, seu delegado? – investiga o doutor, penalizado com o destino de Joaquim.

_ HOMICÍDIO! E DOLOSO8! – sentencia o oficial.

A conversa é encerrada com a chegada da ambulância. Joaquim é posto à força no camburão. Chora, dizendo-se inocente, para a tristeza de Ernestina, que nada mais pode fazer, a não ser assisti-lo em prantos.  Como acreditar em sua inocência se a testemunha é o doutor Rubens, um homem reconhecido pelo ilibado caráter?

_ O que há aqui? – indaga a espavorida Catharine, achegandos-se.

_ O que faz aqui, senhora? Pelo amor de Deus, volte para seu quarto.

_ Quem levou Joaquim? Não estou entendendo, Ernestina!

_Fale, Ernestina, o que houve? – exige.

_ LEVARAM JOAQUIM, SENHORA!

_ A POLÍCIA! – cala-se, cobrindo os olhos marejados com o avental.

_A senhora tem que ser forte, dona Catharine – consola o médico._ Seu esposo foi baleado.

George é levado para a ambulância.

_ O que acon-acon-ACONTECEU?

_ JOAQUIM TENTOU MATÁ-LO!

Catharine abaixa a cabeça e chora, não acreditando que aquela boa alma fora capaz de tal atrocidade. Parecia sublime; não o monstro que agora lhe desenham. Como pôde se enganar?

_ Um furacão passou por aqui? – interroga o delegado ao vento, após vistoriar o hall de entrada._ O meliante é mesmo perigoso! Vou alertar meus homens.

Rubens está chocado, não consegue pronunciar uma palavra em defesa do acusado. E quem acreditaria? Joaquim estava mesmo com a arma apontada para o edil quando ele entrou no quarto, então, como desdizer o óbvio? Mentir e ser conivente? Isso não! Não era de seu caráter! Entregar as barbáries cometidas pelo vereador contra a esposa, na intenção de justificar o crime? E o que adiantaria? Se Catharine, a vítima, não havia prestado qualquer queixa, quem seria ele para revelar as intimidades de uma família, ainda mais como aquela, a fundadora de Vila dos Princípios? Infelizmente, ante à situação, faria como Pôncio Pilatos!

Catharine beija o marido, as portas se fecham e o veículo parte. Assim que a primeira viela é cruzada, George abre um enorme sorriso.

_Eu não disse que acabaria com essa história??? - sussurra consigo mesmo, com ar de satisfação.

_ O senhor quer alguma coisa, vereador? – pergunta a enfermeira, vendo-o se mexer.

_ Pensando em minha MULHER, Matuto? Pois você conhecerá a mãe dela agora...  – relembra.

_ Não faça isso, seu George! Estou indo embora, não é o que deseja?

_ Você ama minha esposa, não é? Fale, MATUTO! Se não falar, eu atirarei e todos os seus sonhos irão para o espaço, assim como os miolos dela também...

_ Não lhe faça mal, por favor! Dona Catharine não merece isso!

_ Então confesse: VOCÊ A AMA? FAAALLLEE!!!!

_ SIM! EU A AMO!

Os olhos do homem, exasperados, reluzem como faróis na escuridão.
_ É corajoso em assumir isso, peão de sítio! O que pensa que é? GENTE? – gargalha. _Não! É um simples verme do sertão em terras fartas, não percebe? Catharine nunca o amaria e sabe por quê? Porque você é chulo, pobre, incapaz de ver as pessoas com os olhos d’ alma...

_ E o senhor consegue, doutor? – afronta o criado, usando-se das últimas forças do coração. _ Vê além da alma? E se realmente vê, por que não percebeu que sua mulher sofre com a perda da menina? Por que não lhe ofereceu o ombro para ela chorar, enquanto Alana estava naquele quartinho de hospital, sendo devorada pelo câncer? Fale, doutor!

George aproxima a arma da cabeça do motorista e suspira bem fundo, enquanto o suor, desordenado, corre-lhe o rosto até molhar a camisa.
 
_ Você teve alguma coisa com ela? Fale!!!

_ Apenas nos beijamos... no cemitério; na verdade, EU a beijei!

_ E se arrepende?

Os olhos do vereador crescem à medida que as palavras são pronunciadas.

_ JAMAIS! – responde o destemido chofer, como se quisesse mesmo levar um tiro.

George dá uma gargalhada, depois se afasta devagar, arrosta-o com a empáfia de um marido traído e atira contra o próprio braço. A arma cai no chão.
 
_ MEU DEUS! – grita o criado, aterrorizado. _ Por que fez isso?

Descontrolado, saca-se do mesmo revólver e mira o vereador com a sanha de um apaixonado em ruínas. A lucidez lhe escapa das mãos e o destino se encarrega de dar um final distinto à história de cada um dos rivais.

_Por que fez isso, meu rapaz? Ninguém merece uma coisa dessas, nem mesmo esse canalha... – entra o médico no quarto, atraído pelo barulho.

_ O senhor quer alguma coisa, vereador? – pergunta novamente a enfermeira, estranhando o silêncio dele. _Fale, o senhor está bem?

_ Nunca estive MELHOR, querida! – responde à mulher, resgatando-se das lembranças.

Joaquim desce da viatura e é escoltado até a entrada da delegacia. Uma multidão o aguarda com pedras e porretes. Querem o couro dele, afinal, havia mexido com o quase santificado vereador George Dumont! Alguém em meio à multidão solta um berro ensurdecedor:

_ VAMOS MATAR ESSE PESTE!!!

A polícia se arma com escudos para protegê-lo.

______________
8 Homicídio doloso é aquele que tem "dolo", ou seja, intenção de matar.


                                              XVI
Ernestina ouve pelo rádio os disparos em frente à delegacia. Há quem especule que Joaquim não sairá vivo do tumulto, talvez porque a polícia de Vila dos Princípios nunca conviveu com uma situação delicada como a que o levou ao xilindró.

_ Ernestina!? – pergunta Catharine. _O que aconteceu dessa vez? Por que chora dessa forma?

_ JOAQUIM VAI MORRER! – apregoa.

_ Mas... mas...não,  como assim? A polícia não deixará!

_ E o que são alguns policiais diante de uma multidão em fúria? Os próprios repórteres acham estranho o delegado ainda não ter solicitado o apoio de Vila Bonita. Sei lá! Há algo de estranho no ar, minhas costas estão pesadas! – contorce-se. _Ainda me pergunto como Joaquim, aquele homem sensível, de bom coração, fora capaz de comprar uma arma e escondê-la sem que ninguém nunca a percebesse. Não pode ser o monstro que desenham; convivo com ele há meses e nunca percebi algo que o desabonasse... Nada! Sequer um deslize!

Catharine emudece.

_ O único erro dele foi... – olha para a patroa, enche os pulmões de ar e os esvazia bem devagar-... pisar em terreno minado. Tentei avisá-lo, mas parecia possuído por uma força maior que a dele. E talvez estivesse mesmo, afinal, quem consegue vencer o AMOR quando se manifesta? Nem Sansão! Se ao menos eu pudesse vê-lo uma vez mais, abraçá-lo, dizer-lhe algumas palavras de esperança... Nem isso posso, porque se for à delegacia defendê-lo, poderei também ser linchada. Mas a senhora pode, é uma Dumont, tem o respeito da comunidade. Ajude-o, dona Catharine! Eu lhe peço, por favor!

_ EU...? – inquieta-se a patroa. _Mas ele alvejou meu marido... O que direi à polícia? Que o solte sem mais nem menos? Isso é loucura!

_ Loucura é a senhora permanecer casada com um tipo feito aquele. Um homem incapaz de um gesto de carinho! É por essa criatura que se doe? Logo por ela? Olhe sua face, ainda está marcada pelas agressões...

_ Você não entende, Joaquim tentou matá-lo, o que poderei alegar em sua defesa? Que a arma surgiu do nada, que ele cometeu o crime por um motivo torpe?

_ E desde quando amá-la é um motivo TORPE?

_ Do que está falando, criatura? AMAR-ME?

_ A quem quer esconder a verdade, dona Catharine? Da sociedade, de seu esposo, de mim ou de si mesma? Aquele homem cometeu apenas um crime: o de amá-la com a ALMA. E está pagando caro por isso! Talvez com a própria vida. E o que recebe em retribuição por tanta dedicação? Nem sequer um apelo seu de misericórdia!

_ Você enlouqueceu, Ernestina?

_ Quantas vezes eu o flagrei admirando-a no hall de entrada, enquanto o vento da manhã esvoaçava seus fios de cabelos louros, ou mesmo na varanda, quando a senhora se deleitava com o chá de rosas vermelhas, na companhia do pôr-do-sol... Cheguei a pensar que talvez fosse alguma divindade, tal a devoção daquele coitado. Nunca percebera o quanto ele a amava?
 
Cabisbaixa, a mulher permanece em silêncio.

_ Até mesmo em minha cama, quando esteve acometida pela ira de seu George, ele não a deixou! Foi contra todas as intempéries do destino, correu todos os riscos, simplesmente porque a amava.

_ Na sua cama? E... e o que você viu? – espanta-se.

_ Um homem apaixonado aos pés de sua deusa.

_Seja clara, mulher! Chega de enigmas, o que você viu?- enerva-se.

_ Ele lhe roubando um beijo... Enquanto comprimia o ferimento, provava um pouco da essência que lhe alçava à ruína. Quer maior demonstração de amor?

_ Ele fez isso? CRETINO! Abusou de mim enquanto estava desacordada.

_ Abusar? Como pode dizer tal coisa? Aquele homem a ama e o que fez o tempo todo foi defendê-la das garras de seu esposo. Pela senhora, Joaquim quase morreu... Só não se foi, porque o doutor Rubens e eu chegamos a tempo de evitar uma tragédia ainda maior, que condenaria o sobrenome de que tanto preza às sombras da história.
 
_ O que está dizendo, CRIADA? – enraivece.

_ CRIADA? – ironiza. _É assim que me enxerga? Como uma criada qualquer, daquelas que se desfaz sem um mínimo de constrangimento? Esquece-se de que eu a peguei no colo, de que a levei à escola em seu primeiro dia de aula, de que estava à sua direita durante o casamento e de que fui a pessoa a quem confiou os banhos de Alana, assim que nasceu ? Esquece-se de tudo isso, dona Catharine?

_ NÃO! – contém a ira. _Não esqueci, mas isso não lhe dá o direito de me cobrar de nada...

_ Cobrá-la de quê, mulher? Apenas estou lhe fazendo um pedido, o homem está com a cabeça à forca, prestes a morrer, e uma simples ligação da senhora ao delegado lhe amenizaria a dor. Não entende, só a senhora pode salvá-lo agora! Todos estão contra ele, pensam que queria matar mesmo o vereador...

_ Mas... mas...ele atirou contra George.

_ E deveria ter matado! Afinal, quem sentiria a falta daquele infeliz? Era bem capaz de eu soltar rojões de felicidades.

_ Pare de ironia, Ernestina!

_ A senhora tem a coragem de defender aquele traste? Merece mesmo o marido que tem!

_ Respeite-me, criatura! Com quem pensa estar falando? Sou uma Dumont...

_ ... ISSO NÃO! – interrompe-a com fervor. _A senhora pode até posar como a última dos herdeiros desse clã, mas é pouco para que se consagre como uma DUMONT. Os Dumont que conheci, à exceção de seu pai, eram sensíveis, enxergavam-nos com os olhos d’alma e ouviam-nos com os ouvidos do coração. Que seres! Mas estão extintos! A mulher que está à minha frente, não passa de uma dessas fraudes, até por que, que Dumont negaria ajuda se chamado à guerra, ainda mais quando o que se está em jogo é a vida de um homem humilde em cujo crime há apenas as digitais do mais nobre dos sentimentos, o AMOR?

_ INSOLENTE! –Catharine perde a noção do respeito e lhe desfere um tapa. _SOU UMA DUMONT SIM! RESPEITE-ME, CRIADA!

_ A senhora não é uma Dumont! – repete a mulher, alisando a face latejante._ NUNCA SERÁ!

Os olhos encolerizados de Catharine explodem, querem devorá-la a qualquer custo.
 
_ DUMONT ERA SUA MÃE E, OLHE, NUNCA O TINHA SIDO ANTES DE SE CASAR COM SEU DILERMANDO. APESAR DISSO, ERA DE UMA NOBREZA ÍMPAR, E ISSO INQUIETAVA AQUELES QUE A CONSIDERAVAM UMA PLEBEIA, INDIGNA DE RECEBER TAL SOBRENOME.

_ Por que você insiste em desenterrar os mortos? Essa cadela, traidora, está morta! E deve estar queimando nos quintos dos infernos. O que ganha me provocando dessa forma, CRIADA? – exige, pegando-a pelos ombros.

_ Ernestina, ele vai me matar! Ajude-me, por favor!- rememora a empregada.

_ Quem vai lhe matar, dona Franceline? O seu Dilermando? Mas por quê?

_ Ele descobriu toda a verdade. Como temi esse dia, Ernestina! – confessa a mulher, em lágrimas. _Por que Catharine sofreu aquela queda do cavalo? Por quê? O que fiz a Deus para merecer tal castigo?

_ Senhora, acalme-se, está muito agitada! Não estou entendo nada do que diz...

_ Dilermando descobriu tudo... E vai me matar! – gesticula muito. _Ao cair daquele maldito cavalo, Catharine sofreu ferimentos graves, perdeu muito sangue e precisou de uma transfusão. Colheram nosso sangue e ao compararem com a tipagem sanguínea dela, chegaram à conclusão de que Dilermando não era seu pai.

_ SENHORA, O QUE ESTÁ ME DIZENDO? – treme. _Dona Catharine não é uma DUMONT?

A mulher se cala, percebe ter falado demais.

_ Fale, senhora! Não precisa ter medo, minha boca é um túmulo!

Um prato desaba da cristaleira da mansão, é o presságio da tragédia que se aproxima.

_ Não, Ernestina! Catharine não é e NUNCA foi filha de Dilermando. Eu estava tão atordoada com a possível perda dela que não percebi a ponta que puxaria o novelo de meu segredo...

_ Mas... mas...de quem ela é filha?

_ Agora você vai me dizer de quem aquela PESTE é filha! – vocifera Dilermando, aproximando-se, completamente fora de si. _Diga-me, de quem Catharine é filha? DIIGA-ME!

_ Fale, Ernestina, por que defende tanto aquela peste? – insiste a esposa de George.

_ Bem se vê... – responde a empregada, libertando-se do fosso das lembranças. _A senhora jamais seria uma DUMONT! Dona Franceline seria incapaz de um gesto tão agressivo como esse! Ela era uma mulher de classe cuja supremacia vernacular fora, por vezes, notícia nas páginas dos periódicos principienses. Não havia quem não a invejasse... Que mulher! E, diferentemente do que diz, ela não é uma TRAIDORA, porque jamais amou seu pai! Casou-se com ele por necessidade, pois a família dela perdera tudo ao vir para o Brasil, durante a II Guerra Mundial. Fez todo esse sacrifício em benefício do pai que padecia de tuberculose! Então, se ela não amava seu Dilermando, que traição é essa a que se refere?

_ ELA É O VERME DE NOSSA HISTÓRIA!
 
_ VERME? – debocha a criada, fixando-a com mágoa. _Guarde as palavras, mulher, pois não sabe da missa a metade. Tenho pena da senhora, porque além de não aceitar o AMOR reluzente de Joaquim, ainda se volta contra as únicas pessoas que a amam ou a amaram de verdade nessa vida.

_ Aonde vai? – pergunta, percebendo que ela se esvaía.

_ Arrumar as minhas coisas! Peço demissão desse trabalho, a senhora é mesmo ingrata!

_ Vô-cê não pode me deixar em um momento como esse.

_ E por que não, senhora? Sou apenas uma CRIADA! Há muitas em Vila dos Princípios como eu, basta publicar um anúncio no “Tributo ao Povo”, que acordará o dia de amanhã com uma fila à porta.

_ ER-ER-ERNES-ERNESTINA!!!!!!!!!!! – berra, quando esta lhe dá as costas. _ME perdoe... Não foi minha intenção! Eu estou arrependida...

_ "É possível repousar sobre qualquer dor de qualquer desventura, menos sobre o arrependimento. No arrependimento não há descanso nem paz, e por isso é a maior ou a mais amarga de todas as desgraças”, disse, certa vez, o brilhante Giacomo Leopardi9– dirige-se à patroa, com profundo desgosto. _Não é a mim que a senhora deve desculpas. É a Joaquim! Enquanto estamos aqui  nos  digladiando, ele está naquela delegacia, sendo apedrejado como um marginal; logo ele, um doce de homem... E tudo porque ousou amar sua patroa, cuja frieza espanta!

Catharine assusta-se com as palavras.

_ FRIA... EU?

_ Não é o nome que se dá à pessoa que não estende a mão a um semelhante à beira do precipício? – suas palavras caem como bombas no âmago de Catharine. _O remorso não a devora? Aquele homem humilde cruzou o estado em busca de novas oportunidades, agora está atrás das grades, à espera de seu apoio, seja na forma de um telefonema ou de um abraço.

_ EU NÃO POSSO FAZER ISSO! – repete.

_ Anne-Louise Germaine Necker10, ou simplesmente Madame de Staël, se assim preferir, estava iluminada pelos deuses quando disse que “o remorso é a única dor da alma, que nem a reflexão nem o tempo atenuam”. Quer viver para sempre com a culpa a lhe pesar os ombros ou prefere a sensação de paz - a serotonina dos justos - a lhe correr o corpo? A decisão é sua!

Ela opta outra vez pelo silêncio.

_O que a senhora precisa é aceitar os fatos como eles são!

_ E que fatos são esses? – pergunta, confusa.

_ De que se for àquela delegacia, não resistirá mais à tentação e se renderá às teias da paixão, porque dentro de si, bem lá no íntimo, sabe que também o AMA!

_ VOCÊ ESTÁ LOUCA? EU...

_ Olhe firme em meus olhos e diga com toda a sinceridade: A SENHORA AMA MESMO GEORGE? AMA?

O telefone toca. Catharine tenta atendê-lo, mas é impedida pela empregada, que o segura preso à base.

 _ A senhora não o ama, não é? Por isso está gélida como os mortos! AMA Joaquim, mas teme os comentários vilipendiosos da sociedade... Quanta bobagem!

Um arrepio percorre o corpo de Catharine, que se recorda dos beijos no cemitério. Ernestina libera o aparelho e faz as malas, sendo acompanhada de longe pela patroa.

A polícia dispara balas de borracha contra a multidão, cujo desejo é dar cabo daquele que ousou pôr as mãos sobre a honra imaculada do vereador George Dumont.  Portas estouram, janelas retorcem, vidros estilhaçados voam para todos os cantos... Nada resiste àquela violência.

_ Delegado, o senhor deve manter a integridade do rapaz – solicita o médico, recolhido junto à autoridade e sua equipe a um quarto nos fundos, onde a porta é revestida por aço.

_ Ele infringiu a lei, deve pagar pelo erro, doutor Rubens!

_ O que quer dizer com isso? Que cruzará os braços e o deixará entregue à própria sorte? Que tipo de autoridade é o senhor que se julga incapaz de defender a integridade moral e física de um acusado? O que faz, se me permite a crueldade, é se vestir de juiz e decretar a condenação de um cidadão em cujos  ombros ainda não recai qualquer condenação.

_ Acusa-me de negligente? Olha aqui, se me desacatar outra vez, dar-lhe-ei voz de prisão – ameaça, ainda que visivelmente atordoado com as palavras do doutor.

_ Pois o faça, delegado! – desafia. _ Imagine sua cabeça amanhã, quando chegar à capital a notícia de que um acusado de homicídio fora apedrejado em frente à delegacia com o seu suposto consentimento e que a testemunha do caso está presa por DESACATO, apenas por exigir o devido cumprimento da lei, que assegura àquele homem o direito pleno de defesa. Será um escândalo! O senhor não só responderá a uma sindicância, como será PRESO.

_E o que quer que eu faça? Meus homens já estão lá fora... Não está ouvindo os disparos?

_ Peça ajuda a outra jurisdição. Vila Bonita fica bem perto daqui, se o senhor solicitar apoio ao delegado de lá, outros homens virão; juntos, conterão a ira do povo, que, se duvidar, mal sabe o que faz aqui. Não podemos é ficar reféns desse estado de sítio, pois isso seria, no mínimo, uma sandice.

_ Ele tem razão, delegado! – concorda um investigador. _Se nada fizermos, a imprensa pensará que estamos a favor do vereador e contra o motorista; isso seria imoral, até porque, não nos é atribuição o poder de julgar, mas o de cumprir a lei. Se não nos mexermos, o homem morrerá, passando de réu a mártir.
 
_ O que os senhores afirmam é que nenhuma providência eu tomei? Isso não é verdade! Meus homens estão lá fora... – repete.

_ Cristo! O que queremos dizer é que são poucos para conterem aquele mundaréu de gente – reforça o médico.
 
_ Fiquem aqui! – Vendo-se contra a parede, o delegado se retira da toca, e busca, à revelia, proteger a vida do chofer.

_ O que eu faço? Não posso cumprir suas ordens, pelo menos por enquanto, senhor. Aqui está um tal “doutorzinho”, a testemunha dos fatos, pronto para por a boca no mundo se eu não solicitar reforços – comenta a situação com alguém pelo celular.

_ E por acaso esse “doutorzinho” atende por Rubens... doutor Rubens Arraia?

_ SIM SENHOR! O que faço? Devo acionar o plano B? Arriscamo-nos muito já, não seria melhor pedirmos ajuda a ser denunciados como negligentes? Porque o senhor sabe, se minha cabeça rolar...

_ Isso é uma ameaça, Paineiras? – pergunta o estranho ao delegado.

_ Era meu marido no telefone, Ernestina! Ele quer minha presença – diz Catharine, entrando no quarto da empregada. Você me deixará mesmo? – olha as malas prontas sobre a cama e se assusta. _Já lhe pedi perdão, querida! O que mais preciso fazer para que mude de ideia?
 
_ A senhora precisa ir, seu marido a espera!
 
_ Não se vá, Ernestina! Por favor! – abraça-a com força. _Me perdoe!

_Catharine precisará muito de seus ombros, Ernestina! Nunca lhe falte, por favor... – o pedido de Franceline lhe corre à mente.

A empregada ama-a como uma filha! Então, que AMOR seria esse se não a perdoasse? Perdoar é difícil, exige a coragem de vencer todas as mágoas para voltar a ser feliz na companhia de alguém que se ama; mas vale a pena! Aquelas lágrimas de mulher arrependida lhe compensavam qualquer dor! Quem nunca errou na vida que atire a primeira pedra... Então por que ir embora? Termina por abraçá-la com imenso carinho.

_ Não esqueça de Joaquim, por favor! – pede-lhe aos sussurros. _Ele não merece tamanho castigo.

Depois que Catharine parte para o hospital, ela retoma o envelope às mãos em cujas dobras há uma pequena marca de violação.

_ Está na hora de acabar com todo esse sofrimento. Vou entregá-lo ao doutor Rubens Arraia, como me pediu dona Franceline. Saberemos, enfim, o que guarda de tão importante. Tomara que consiga ao menos salvar Joaquim... Pobre homem!

A chuva para, os desabrigados que se engalfinham por causa de uma cobertura de lona, comemoram. Já para o desespero de Zé dos Cobres, um principiense da periferia, os bombeiros encontram a esposa, grávida de seis meses, morta embaixo dos escombros. Os gritos se misturam às lágrimas e são ouvidos à distância.

_ Quem era no celular, Tanaka? – pergunta George, contemplando pelas frestas da janela a multidão que o aguarda.
 
_ O delegado Paineiras Ken!

_ E o que ele queria? O motorista já bateu com as botas, como planejamos?

_ Não! – ressabia-se o prefeito. _Estragaram nossos planos.

_ E quem fez isso? Por acaso isso não tem nada a ver com aquele doutorzinho... tem?

_ Refere-se ao doutor Rubens Arraia?

_ E quem mais? – estressa-se.

_ Pois é!  Aquele indivíduo fez uma ameaça velada ao Paineiras, daí a coisa ficou complicada.
 
_ Estava tudo correndo bem! Que droga! – branda, comprimindo o gesso do braço._  Precisamos aniquilar aquela criatura, ela é a passagem para o nosso futuro tranquilo... ou se esqueceu?

_ Claro que não, meu filho! Mas o quer que eu faça? – tosse. _ Ave! Preciso de um saquê!

_ Estamos em um hospital, Tanaka! O que pensa que servem aqui?

_ Pelo menos um saquê aos convidados. Tô com a goela seca, seca!

_ E por acaso isso aqui é alguma festa para receber convidados? Você é um irresponsável. Eu deveria ter acabado com aquele infeliz quando tive a oportunidade, mas preferi ouvir seus conselhos...

_ Que deram certos! Veja, veja, já está eleito prefeito da cidade, a maioria da população grita o seu nome.

_ Que se dane essa gentalha, o que eu queria mesmo era aquele motorista MORTO!

Catharine abre a porta e o surpreende.

______________
9 Giacomo Leopardi foi um dos maiores poetas da lírica italiana. Sua obra revela muito pessimismo, melancolia e ceticismo.
                                                                                                                                                                10 Anne-Louise Germaine Necker, baronesa de Staël-Holstein, mais conhecida como Madame de Staël, foi uma escritora francesa que incorporou como poucas mulheres o espírito do Iluminismo francês.

                                              XVII
Homens armados descem das viaturas que chegam de Vila Bonita. A multidão berra, o confronto é inevitável; balas de borracha perdem-se no céu anuviado, bombas de efeito moral tentam conter os manifestantes, mas arredios, eles não se afastam, como se ganhassem algo por enfrentar a polícia. O comandante da operação, um senhor grisalho de uns cem quilos, com um megafone à mão, ameaça com prisão aos que insistirem na arruaça. Vaias se mesclam a risadas. Descrente na instituição, o povo não cumpre as ordens da autoridade, arremessando não só pedras e porretes, como pedaços de uma construção à delegacia.

Com a situação fora de controle, resta ao oficial disparar para o alto e berrar aos subordinados:

_ PRENDAM TODOS! Essa cambada verá como é bom dormir no xadrez.

A cacetadas, os policiais irrompem a multidão, que se refugia atrás dos muros e dos postes. Na correria, uma senhora é pisoteada e grita por misericórdia. Dezenas de manifestantes são algemados e alçados às viaturas a pontapés, nem as crianças são poupadas- as capturadas são enviadas às autoridades judiciais. Os poucos que sobram permanecem escondidos, à espera de uma oportunidade para voltar para casa.

Escoltado, Joaquim é levado para um furgão, que o aguarda com as portas escancaradas.

_Me soltem! Eu não fiz nada! Por favor, acreditem em mim! – berra, em em desespero, acompanhado pelos olhos apiedados de Rubens Arraia.

_ O senhor vem com a gente também, seu depoimento será colhido pelo doutor Paineiras Ken em nossa delegacia, pois essa está interditada até última ordem – comunica o oficial ao médico.

_ Como está, George? – pergunta Catharine ao esposo.

_ Um pouco sonolento e com dor de cabeça – faz-se de vítima, percebendo que ela não havia ouvido a conversa dele com Tanaka. _Que bom que chegou, querida, senti muito sua falta!

_ Vou me retirando, sabe como é, os pombinhos precisam ficar a sós... – graceja o prefeito.

_ POMBINHOS? – ironiza a mulher._ Às vezes penso que lhe faltam alguns miolos, Tanaka. Não percebe que entre nós não há mais qualquer resquício desse sentimento, e se houver, deve estar enterrado em algum lugar tão sombrio que nós mesmos desconhecemos.

_ Pombinhos, sim - insiste, vejam, são lindos, até parecem saltados das telas de alguma telenovela de Glória Perez11. Não há em Vila dos Princípios quem   não   os  inveje, afinal, são ricos, cultos, elegantes e, principalmente, humildes.

_ HUMILDES? – pergunta a mulher, num misto de surpresa e deboche.
_Não sei qual é seu conceito de humildade, prefeito, talvez tenha de voltar aos bancos escolares e conhecer um pouco mais a fundo o léxico de nossa língua. Somos, se me permite a ironia, a aversão da humildade.

_ Aversão da humildade? Então somos arrogantes? – revolta-se o vereador._ Perdoe-me, querida, mas nossa estirpe jamais padecerá de um mal como esse; às vezes somos vítimas da excentricidade, do luxo desvairado, daí à arrogância?

A herdeira dos Dumont percebe o mal-estar e se cala.

_ Desculpe-a pela brincadeira, Tanaka! Catharine tem um humor rasteiro, de uma acidez peculiar.

_ E quem não conhece as “farpas sutis” de dona Catharine Dumont? Não há nessa cidade quem ainda não tenha sido vítima dessa sua “acidez peculiar”.

O homem se retira exasperado com a postura da mulher.

_Por que está tão irritada? O que fez com Tanaka foi...

_ Não vim até aqui para perder tempo com aquele beberrão – interrompe-o com aspereza.

_ Pelo que vejo, está insatisfeita por me ver bem?

_ Não! – balbucia.

_ Vejo em seus olhos, queria-me um defunto, pronto para ser engolido pelos vermes, não é?

_ Fale-me com sinceridade - se é que conheça a essência dessa palavra, como tudo isso começou? Eu ainda não entendo o porquê de um criado sacar-se de uma arma e disparar contra o patrão... A não ser que esse mesmo patrão lhe tenha feito algo, talvez uma ameaça...

_ COMO ASSIM? Ameaça? Que tipo de ameaça? Está louca, Catharine? Meu Deus, além de uma bala no braço, ainda tenho de ouvir tal sandice? Que piada de mau gosto! Todo mundo sabe, aquele matuto pulou em mim e passou a me espancar, parecia dominado por um espírito ruim.
 
_ Não foi o senhor que o desafiou, dando-lhe, inclusive, uma surra em nosso hall de entrada?

_ Quem lhe disse isso? Ah, já sei, deve ter sido aquela criada dos infernos, mas ela me paga, ah se paga!

_ Por que insiste em mentir, George? O que ganha com isso?

_ NÃO ESTOU MENTINDO! – grita. _ Sou a vítima, não o acusado. Por que duvidas de mim, criatura?

_ Continue berrando, o povo e a imprensa que o aguardam adorarão conhecer sua outra versão, aquela em que zelar pela família ou nascer pobre é defeito genético. Seus eleitores podem se revoltar, imagine invadirem o hospital e lhe cobrarem pelos votos das últimas eleições?

 _ Ainda não entendi... Onde quer chegar?

_ VOCÊ SABE! – afirma, não acreditando ser esposa de um homem tão vil.

_ Por que está me olhando assim? – estranha. _O que lhe fiz, Catharine?

_ Como pode ser tão dissimulado? Não é à toa que é um político em ascensão! Se não fosse de carne e osso, diria que é a reencarnação de Macunaíma, ou o modelo a quem Mário de Andrade se ateve para criá-lo.

_ Se eu pudesse levantar dessa cama...

_ ...e o que faria? Espancar-me-ia de novo? – desafia. _ Ó, George, só agora percebo o quanto é previsível!

_ O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO? NÃO VÊ, ESTOU EM UM HOSPITAL, RECUPERANDO-ME DE UMA CIRURGIA! CADÊ SUA... SUA SOLIDARIEDADE?

_ Sou a sua imagem, incapaz de emitir qualquer sentimento, ainda não percebeu?

_ Por que me ofende tanto, mulher?

_ Porque não entendo o que faz um homem que se intitula defensor dos mais humildes arruinar a vida de um coitado como Joaquim! Se não gostava dele, demitisse-o; agora, forjar uma situação para ele perder a cabeça e quase cometer um assassinato? Isso é cruel, melhor, DESUMANO!
 
George acompanha-a com os olhos admirados.

_ Sabe do que estou dizendo, não sabe, vereador? Aquele coitado não seria capaz da monstruosidade de que o acusa, não é?
 
_ Os fatos mostram o contrário! – aponta para o braço. _Ele não é o anjo que imagina, aliás, de anjo ele não tem nada, basta roçar aqueles cabelos arrepiados para se encontrar os chifres.

_ O QUE VOCÊ FAZIA NO QUARTO DELE??? – exige com veemência. _RESPONDA-ME: O QUE FAZIA NO QUARTO DELE?

George engole a saliva.

_ O QUE VOCÊ FAZIA NO QUARTO DELE? – insiste.

_ Eu... eu não estava...lá...quer dizer...

_ E onde foi baleado? Em nossa casa? Não, no quartinho do empregado. Estou errada?

_ Ele... bem...ele me levou para lá...

_Marcilio Ficino12 estava mesmo certo, “a mentira arruína rapidamente o mentiroso”.

_ MENTIROSO? – os olhos inflamam de raiva. _VOCÊ ESTÁ ME CHAMANDO DE MENTIROSO? QUE AUDÁCIA!

_Deixe o cinismo de lado, George, Moacir me contou tudo durante o caminho, ele o viu entrando no quarto de Joaquim por livre e espontânea vontade.

_ Moacir lhe disse isso? Não me faça rir! Acredita mesmo naquele velho maluco? – zomba. _ E o que mais ele lhe contou?

_ Que em suas mãos estava uma arma – completa, surpreendendo o vereador, que arregala os olhos.

_ Então foi ele quem disparou a arma contra o vereador? – interroga o delegado Paineiras Ken, já na delegacia de Vila Bonita. _Fale tudo... tudo!

_ Bem, eu o vi apontando a arma para ele, então... – responde doutor Rubens.

_ ...então foi ele mesmo! – entrecorta-o o delegado, para a surpresa até do escrivão. _Foi ele, é claro! Deve ser inveja! Hum!

_ Inveja de quê? – pergunta o médico, estranhando a parcialidade da autoridade.

_ Bem... - tosse, desconversando. _É modo de dizer, doutor. O senhor é muito apegado às palavras.

_ As palavras têm peso, senhor.

_ ISSO É VERDADE! – concorda o escrivão, que se encolhe, ao ser repreendido pelos olhares indignados do delegado.

_ O senhor viu ou não o motoristazi...o motorista atirando no vereador George Dumont?

_ Atirando não, mas apontando a arma para ele.

_ É a mesma coisa! Tudo acaba no tiro...

_ Não é a mesma coisa. Não assinarei esse testemunho se não estiver do modo como relatei.

_ Como o senhor é encrenqueiro, doutor Rubens! Estou apenas cumprindo a rotina. Um dos cidadãos mais ilustres de Vila dos Princípios fora baleado, portanto é justo que a polícia esclareça o fato para que Judiciário sentencie a pena... – volta-se para o subalterno-... aliás, veja nos arquivos se o tal criado tem licença para portar uma arma e se ela está registrada no nome dele.

Corrigido o depoimento, ele faz a sua leitura minuciosa do termo e o assina.

_ Não sou encrenqueiro, senhor delegado, apenas justo, porque se eu disser algo de que não seja a VERDADE, o pobre poderá passar anos atrás das grades, injustamente.

_ Esse bicho ainda vai dar trabalho! Hum! Se eu fosse o prefeito, acabaria é com ele! – resmunga Paineiras, vendo-o deixar a delegacia.

_ Um Abacataré13  – caçoa um presidiário, vendo Joaquim se aproximar.

_ Entra aí, vagabundo! – o policial retira as algemas e o empurra para dentro de uma cela em que há outros quarenta detentos - um covil de lobos preparado para devorar a nova ovelha.

_ Tá puxando cana por que, irmão? – inquire um crioulo de pouca idade, com bigode rasteiro e sem os dois dentes dianteiros, aparentando ser o líder da cela.

O medo o impede de responder, para o delírio da bandidagem, que bate nas paredes, pedindo o seu sangue. A vida ali, infelizmente, é uma moeda depreciada.

_ É fruta? Se for, hoje não tem pra ninguém, é só meu – diz outro detento.

_ E meu também!!! – gritam duas ou três vozes diferentes.

_ O irmão tá tirando o muquifo? Por que não responde? – o suposto chefe  prensa Joaquim contra a parede. _O que ele aprontou, Zelão? – volta-se para o policial, que está à grade, rindo da desgraça alheia.

_ 121.

_ É um dedo mole14 ? Hum! E aí, cambada, vamos jantar esse nóia?- zomba o rapaz.

_ Nóia? Arguém me chamô? – pergunta um amarelo, ao fundo, encostado a uma cama de concreto.

_ Não, Vacão! Chera queto o teu fubá aí... – responde, virando-se, em seguida,  para o chofer. _ Fala, se não eu te furo.

_ Então quer dar um de vichenzo15 ? Pois vamos ver! Estou louco para rasgar esse desgraçado! Se você não furar, eu furo– deleita-se o detento mais velho da cela, ao se aproximar, com um punhal feito com escova de dentes às mãos.

_ Cê aguenta, Messias? Pois eu pago pra vê o arranca rabo – diz o policial, gargalhando.

_ Por favor, não me mate! Por favor! – implora, Joaquim, com a mente elevada às orações ensinadas pela mãe.

_ Ernestina?! - pergunta o médico, ao entrar em sua casa. _ O que faz aqui a essa hora? Aconteceu alguma coisa com Catharine?


_ Precisava falar com o senhor, o assunto é de seu interesse.

Entrega-lhe o envelope.

_ Que brincadeira é essa, Ernestina? – assombra-se ao rever a letra de      Franceline._Não estou entendendo nada! Essa letra é de... de..., mas... mas...COMO?

_ Abra-o e entenderá! – determina, não contendo a ansiedade.
_____________

11 Uma das principais escritoras de novelas brasileiras. É de sua autoria “O Clone” (2001) e “Caminho das Índias”, esta última, vencedora do Emmy 2009 (a maior premiação da televisão), na categoria de Melhor Novela.
12  Filósofo italiano. Traduziu obras de Platão e difundiu suas ideias.
13 Segundo a linguagem dos presos, caipirão, bobo.
14 Assassino.
15 Pessoa boba, honesta.What do you want to do ?
Pin It
Atualizado em: Qui 26 Mar 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222