person_outline



search

AS CORES DE UMA VIDA A PRETO E BRANCO

CAPITULO I
Naquela manhã de segunda repetia-se o ritual. Era necessário acordar os gémeos, dar-lhes o pequeno-almoço, vesti-los e leva-los à creche. Um casalinho de 4 anos dá imenso trabalho. O Lucas e a Constança eram a alegria da casa e ao mesmo tempo uma esponja de absorção do tempo. As 24 horas do dia eram mais que poucas para dar vazão a todas as solicitações dos pequenos. A creche era uma forma de ter tréguas, a pretexto da vida profissional, para ter tempo só para si, que também não o era bem, dada a agitação vivida de segunda a sexta. Segunda-feira era por isso um dia de sentimentos mistos para Carlota. Se por um lado era fazer replay de todas as segundas-feiras das semanas anteriores, era também o momento em que podia ser eu outra vez, e não o nós e o eles de todo um fim de semana.
“Bichinha, visto-lhes manga curta ou comprida?” Pergunta-lhe o marido. Acabada de sair do banho, Carlota respira fundo, responde de voz seca e curta “comprida”. Era verão mas chovia, e há perguntas que soam a patetice àquela hora. Era óbvio que era comprida. Era bom ter aquela dedicação do marido logo pela manhã, uma ajuda valiosa, mas cocha do bom senso que apenas uma mãe pode ter. Por repetição de factos, Carlota sabia que ainda ia ser indagada sobre o tempo no micro-ondas para aquecer o leite e sobre o lanche dos miúdos.
Depois de um fim de semana de trajes confortáveis, segunda exigia outra indumentária. Clássica, formal, feminina q.b., não mais que a conta. Trabalhar numa sociedade de advogados não era tarefa fácil. Meio predominantemente masculino, um tom demasiado feminino poderia ser o suficiente para uma conversa profissional entornar rapidamente para uma tentativa de engate barato. Fato beije de calça, camisa preta sem colarinho só com o primeiro botão aberto, não mais. O salto alto era obrigatório. Dava-lhe não só uma silhueta mais pronunciada como um pouco mais de altura para enfrentar os seus colegas à linha do olhar. Sapato preto, clássico, salto médio. Tinha uns seis pares destes. Eram os sapatos do trabalho, combinavam bem elegância e conforto, adequados para dias intensos e carregados de stress.
Carlota aproximava-se dos 40 mas mantinha uma elegância ímpar. Tinha imenso cuidado com a alimentação, sem ser uma veggie apoderada pelo fanatismo, e quando podia, além de joggings vespertinos, ainda passava pelo cube de boxe para descarregar a neura causada por tudo e todos á sua volta. Os traços doces do seu rosto e um sorriso quase sempre aberto enganavam bem sobre a frieza com que lidava com o seu dia-a-dia, fosse profissional, fosse pessoal. Cabelo preto pelo ombro e risco ao lado com franja a cair-lhe sobre os seus olhos noisette permitiam-lhe oscilar entre um olhar escondido ou fulminante consoante o momento. No trabalho, por regra, optava pelo rabo-de-cavalo, o olhar era uma arma para ela, servia para marcar posição, demonstrar confiança e também para intimidar os seus interlocutores. Ser advogada todos os dias é como ser gladiador numa arena. Ao mínimo deslize, fraqueza ou receio, perde-se…. Para sempre. O segredo da profissão está muitas vezes, mais do que no conhecimento do código e das leis, na convicção com que se fala, trate-se de uma verdade absoluta, de uma opinião, ou de uma mentira descarada.
Estava pronta. O Lucas e a Constança também. Obrigado marido, pensou ela. O jeito que dá ter um fotógrafo freelancer em casa. A parte free da palavra era de uma ajuda preciosa. Carlota reconhecia-lhe talento, o mundo da fotografia, apenas a espaços. Para juntar algum à conta bancária ao fim do mês, o Júlio tinha muitas vezes de fazer casamentos e batizados. Para ele era como ser Chef e ter um part-time no McDonald’s. Mas tinha de ser. O salário de Carlota era suficiente para o nós, mas ele insistia em garantir o seu contributo. Não era de todo machismo, aceitava com naturalidade essa realidade, o século XXI ensinara-lhe a conviver bem em Portugal com a disparidade de rendimentos para a sua mulher, era mais uma questão de honra para não se sentir um fardo a somar aos gémeos. Dois para dois era mais justo do que um para três. Júlio era 4 anos mais novo que Carlota, tinha 34. Ser pai aos 30 fora uma enorme alegria, no caso, a dobrar. Ser pai e marido realizava-o pessoalmente, a liberdade de poder fazer da sua profissão a sua paixão, também. Estava de bem com a vida. A fotografia é uma arte, a sua arte e vocação. Ter tempo livre era também uma necessidade, não se revia no formato profissional clássico das 9 Às 17, de segunda à sexta. Trabalhar era quando estava inspirado, ou então, quando as cerimónias religiosas lhe batiam à porta.
Júlio ainda ficou de pijama em casa enquanto Carlota e os gémeos saiam porta fora. Dança de beijos de despedida, um mimo de casal que combinava o toque de narizes e um beijo nos lábios, até já, até logo, a porta de casa fecha-se, a do elevador também.
Cadeirinhas rosa e vermelha no banco detrás do Mercedes Classe A comprado há menos de 1 ano. Constança na rosa, Lucas na vermelha. Ainda não sabia apertar os cintos sozinhos e por isso arrumar os petizes no carro ainda dava trabalho! Feito. Dava-lhe prazer conduzir aquele carro. Não era de família, não era urbano, o carro encontrava o justo equilíbrio entre a sua personalidade e forma de estar na vida. Apreciava conduzir, e este, dava-lhe prazer guiar, fosse a levar os miúdos à creche, a conduzir no meio do trânsito ou de prego a fundo na autoestrada. Sossegados e ensonados, a cabeça de ambos pendia para a direita em perfeita harmonia. Ver este cenário pelo retrovisor chegava a ser ternurento. Não mais de 10 minutos separavam o ninho, nome querido dado ao apartamento no campo, e a creche, também campestre, de nome “A Quinta”.
Mesmo com 4 aninhos somados ainda era difícil para Carlota larga-los na creche. Vinha-lhe aquela sensação de abandono por breves instantes, remediados por dois beijos bem colados nas bochechas dos gémeos. Ficam agora a cargo da educadora, é hora de rumar a Lisboa, à selva que é o mundo da advocacia. Com o pensamento embrenhado na defesa do dono da empresa Alves & Ribeiro Lda, acusado de desviar fundos da empresa e não fazer os descontos dos trabalhadores à segurança social, o para arranca até Lisboa era mais fácil de suportar. Ao todo, Afonso Alves era acusado de ter desviado perto de 5 milhões de euros e estar em dívida com mais de 700 mil euros à segurança social. “Como é que eu vou safar este patife”, desabafou em voz alta Carlota. Nesta profissão muitas vezes não se trata de provar a inocência do réu, mas sim evitar a sua condenação. São coisas diferentes. Todos sabemos da culpa do réu, mas se as provas não forem suficientes, pois, antes um culpado livre do que um inocente na prisão. Reconfortada por este pensamento, ciente da sua missão, projeta a defesa em tribunal, calendarizada para daqui a pouco mais de 15 dias.
A descer o viaduto Duarte Pacheco rumo às Amoreiras. Ponto morto, pé no travão, larga, pisa, larga e pisa….. já tão mecânico. Há quase 10 anos a trabalhar na rua Castilho, o caminho para Lisboa era feito de olhos fechados.
Ainda neste ritual, Carlota desce à terra com o toque de mensagem no telemóvel. Era o Pedro, um antigo cliente num caso de burla, absolvido com sucesso! “Temos de lanchar um destes dias, beijos”. O caso remonta há dois anos atrás, o Pedro era de facto um burlão, mas dos melhores, não deixava rasto. Todos conheciam a estirpe, até a juíza que em privado dissera a Carlota que por ela mandava o filho da mãe para os calabouços por muitos e bons anos, reconhecendo-lhe uma defesa astuta e segura. Entre dentes, dissera-lhe “um dia ainda se vai arrepender da profissão que tem”. “Esta semana não, na próxima? Bj”, respondeu Carlota. Ainda antes de chegar ao destino, lugar de garagem marcado no piso (-) 1 mesmo ao lado do elevador, o Pedro anuiu em resposta à mensagem, ficando de ligar para acertar agulhas. Carlota sorriu para o telemóvel, não respondeu.    
Mercedes estacionado para lá das nove e meia da manhã. Era a sua hora habitual de chegada. Normalmente até às 10h estava a beber o café da manhã sentada no seu escritório a passar os olhos pelos temas que tinha em mãos para gerir durante o dia. Além de ter sempre um caso importante entre mãos, Carlota orientava uma equipa júnior na qual delegava os casos menores e mais recorrentes, fossem divórcios, partilhas litigiosas ou processos por difamação.
Era segunda, e finalmente sentada na sua secretária, vê ao fundo do corredor, Joana, colega e amiga de longa data, com duas chávenas na mão caminhar em direção ao seu gabinete. Boa companhia para começar a semana.
AS CORES DE UMA VIDA A PRETO E BRANCO
CAPITULO II (final)
Joana era muito diferente de Carlota. Divorciada, uma ano mais nova, abraçava a vida com o egoísmo de quem não quer dividir o seu eu com mais ninguém. 3 anos de casamento chegaram-lhe para perceber que filhos e marido não era vida para ela. Não se tratava dele, o ex, ser a pessoa certa ou não, ser casada mexia com a sua liberdade e por isso optou por se separar há pouco mais de um ano. Desde então que se deixa levar ao sabor do vento que a vida lhe vai soprando. É livre e isso é o mais importante para ela. Hoje escolhera um vestido azul-turquesa até ao joelho, fresco, com um padrão de rosas vermelhas e brancas estampado. Era fresco demais para o dia chuvoso, mas Joana não se vestia pelo tempo, vestia-se pelo que lhe dava vontade ao abrir o armário. Até as sandálias chocavam com a meteorologia, mas combinavam com o vestido, também elas em tons de azul.
“Toma, fica com o cheio como gostas!”, Diz Joana antes mesmo do bom dia! Sentou-se à frente de Carlota e foi direta ao assunto. Passou o fim de semana com o Tomás, ex-colega da sociedade de advogados. Tinha saído há umas semanas para abraçar um período sabático dedicado ao surf e mudado de armas e bagagens para a Ericeira, onde as ondas fazem a delícia dos amantes da modalidade. Joana ficou por lá também de sábado para domingo. Praticamente não saíram da cama, relata Joana, com alguns detalhes tórridos sobre o que se passara por debaixo dos lençóis. Era pois a nova aventura de Joana, nada de sério, muito casual, orientada para os prazeres do leito que Joana muito apreciava, especialmente por trintões apetitosos. Ambas concordaram na apetitosidade do Tomás, que em tempos também chegou a fazer a corte a Carlota, sem sucesso. Ao que parece, o recém surfista a tempo inteiro era capaz de encaixar três seguidas sem perder o fôlego. Uma marca digna de registo que fez ambas soltarem uma breve gargalhada sincronizada com mais um trago no café. A conversa não descambou mais do que isto, a palavra passou para o outro lado da secretária, Carlota também tinha vários episódios dos gémeos para relatar, não tão envolventes como o fim de semana com o Tomás, mas que também lhe preencheram os dois dias de descanso. Antes de iniciar o dia de trabalho um pouco mais a sério, Carlota rematou com graça “empresta-me o Tomás para 1 dessas 3 e para me dar um jeito na sala, pode ser?”. Joana atirou-lhe a língua para fora, saiu porta fora com as duas chávenas na mão vazias, num passo que reclamava a atenção dos colegas do sexo masculino. Ainda se ouviu um “Joaninha, hoje és o sol deste planeta!!!” Encaixava bem no azul do vestido e na chuva que insistia lá fora. Carlota também ouviu, abanou a cabeça ligeiramente, e pensou “Joaninha, há uma linha que separa o trabalho dos colegas”.
Isto dito, o fim de semana de Carlota fora tudo menos de aventura. Sábado o Júlio tinha passado o dia a fazer um casamento, e ela ficara atracada aos gémeos, sozinha. Era bom tê-los por perto, era desgastante seguir-lhes o rasto a cada esquina, acompanhar um, dar atenção ao outro, tratar das refeições. Depois de uma semana de trabalho chegava a ser exasperante. Um dia vão crescer e dar menos trabalho, pensava. À noite, nesse dia, depois dos gémeos aterrarem no sono, embrulhara-se com o Júlio no sofá, em silêncio, pés entrelaçados. Era ternurento e aconchegante, mas aquela noite pedia mais. Há mais de dois meses que havia noites que pediam mais, mas que se ficavam por ali, naquele registo. Era bom mas insuficiente, Carlota queria mais chama em casa. Não era preciso arder, não era preciso ser o Tomás e fazer um triatlo na cama até de madrugada, mas sentia falta. O Júlio não ficava a dever nada aos outros homens, era como diz a Joana, um naquinho bem pesado, mas para haver desejo e vontade para Carlota era preciso bem mais do que um bom bife, fosse ele do lombo ou da alcatra. A culpa era da rotina que ambos não conseguiam contornar. Culpava em parte os gémeos que lhes virava a vida do avesso, mas sabia que ela própria tinha muita culpa por se deixar ir noutras correntes com as quais o Júlio, lá de casa, não podia competir.
Regresso à terra! Reunião com a equipa dentro de 10 minutos para ponto de situação sobre os diferentes casos, e à tarde, ainda era preciso analisar melhor as provas do ministério público contra Afonso Alves. Era preciso também agendar uma reunião a meio da semana com ele para alinhar a estratégia. Este não ia ser fácil de livrar e às vezes na justiça também é preciso encontrar compromissos. De entre os casos menores que estava a cargo da equipa, destaque para um divórcio. Ele não queria dar o divórcio à cliente, alegava os valores de família e do filho para manter um casamento de fachada, ela, queria saltar fora por já ter sido violentada em casa. Era de Cascais, e assumir uma coisa destas em tribunal não era para todas. Mais um nojento à face da terra escudado nas 4 paredes do lar a vingar-se do que a vida lá fora o frustrava. O artista era para demolir e extorquir, e por isso, a este caso ela ia dar a maior atenção. A violência doméstica era um tema que tocava Carlota, um dos maiores atos de cobardia, e por isso, dava-lhe especial gozo ser justiceira nestes casos, para contrapor à defesa que era obrigada a fazer a outro tipo de escumalha, normalmente vestida de fato e gravata.
Reunião feita, mais duas ou três coisitas menores durante a manhã, outro café para manter a atenção bem afinada e o relógio a marcar as duas da tarde. Carlota almoça tarde, depois dos outros, gosta de sossego à hora da refeição. Qualquer coisa de ligeiro, uma sopa, uma sandes e fruta. Não de muito substancial para não lhe apertar a moleza na longa tarde que ainda a espera. Ia quase sempre à Maison des Croissants, a menos de 2 minutos do escritório. O ambiente era moderno, tipicamente francês e confortável. Não que fosse nos croissants, especialidade da casa, mas era um sítio com o espírito de Carlota. Tascas de petiscos e derivados, não era para ela. Durante essa meia hora reservada para satisfazer o estômago, era também hora de saber o que andava o seu Júlio a fazer. Borboletas, diz ele. Era dia de fotografar borboletas. Mesmo com chuva. Diz ele que tinha conseguido duas ou três especialmente boas, e que logo, depois de polarizadas podiam ir a concurso. Bom saber. Concursos não dão dinheiro, mas dão reputação, o que ainda lhe falta ao marido. Falar com o Jú a meio do dia era um ritual, um hábito, mas também um conforto. Carlota gostava de saber o que andava ele a fazer, fosse andar à caça da borboleta perfeita, fosse um passeio no parque ou uma manhã de ronha na cama. Ele podia. Sopa de couve lombarda! Não era a preferida, mas ia-lhe cair bem. Pensou que uma Maison deveria ter umas sopas tipicamente francesas e não “caldo verde” todos os dias, mas por outro lado, há que encontrar a perfeita simbiose entre o estilo estrangeiro e os hábitos portugueses, até porque o negócio fala sempre mais alto. Além da sopa, uma empada de galinha afrancesada pela companhia dos croissants na vitrina e um Compal de laranja, do Algarve, especifica a Mónica, colaboradora da Maison. Bom saber, mais uma vez, se fosse uma laranja de Marselha, talvez fosse mais coerente.
Entre colheres de sopa e dentadinhas na empada, o pensamento foge-lhe para o Pedro. Ficou um pouco surpresa com o SMS da manhã. Há mais de dois meses que não lanchavam lá no sítio. Verdade que ela sentia falta daquilo, embora aquando do último lanche ela lhe tenha dito para fazerem um time-out. Ele achou que dois meses eram suficientes, e ainda bem. Alegrou-lhe a segunda. Como bom burlão que é, o Pedro tinha sempre conversa para dar e vender. Era fácil deixar-se ir, era toda uma dimensão imaginária que agradava a Carlota. Não era para todos tocarem-na na alma, mas ele, Pedro, conseguia. Tinha as palavras certas nos momentos certos. Coisa rara num homem, pensou. O caso de burla de que fora acusado e que os uniu fora das relações mais intensas que tivera com clientes. Primeiro porque o Pedro lhe dissera tudo, mas tudo. A verdade toda, como tinha planeado e executado e como, em parte, também tinha coração. Era a lei da sobrevivência dizia ele. Se não fosse ele era outro qualquer, pior, sim, porque Pedro, embora burlão, tinha uma costela de Robim dos Bosques, o outro, lado, o que o ilibava do mal que fazia. Dizia não raras vezes que, ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão. Tinha graça! E de facto teve o perdão em tribunal.
De regresso à sociedade. Tarde longa pela frente. O Afonso Alves era o típico empresário trafulha. A lógica empresarial de vender muito, gerar margem e ganhar dinheiro para ele não fazia sentido. O que fazia sentido era sacar dinheiro da empresa em proveito próprio. Faturava vendas por baixo e recebia por fora, comprava a fornecedores por cima e ficava com a diferença. Os livros da empresa estavam bem montados, e o contabilista era artista. Estava bem feito. Os registos financeiros de Afonso menos, mas lá se havia de dar a volta. O não pagar à Segurança Social, esse, era fora um erro que chamara a atenção. Não há muita volta a dar, está em atraso, é culpado, vai ter que pagar e com juros. Nem os prejuízos da firma lhe valem, embora possam atenuar a culpa. É com este pragmatismo que Carlota avalia os seus casos. Se há provas inequívocas, é inevitável a condenação e vamos tentar conseguir que a pena seja branda, se há dúvida, é lutar com unhas e dentes até à absolvição. Ligou a Afonso e pediu-lhe reunião para quarta à tarde. Era hora de ultimar detalhes para a audiência em tribunal.
O fim do dia a aproximar-se e Carlota a baixar a guarda finalmente. Sentada no seu cadeirão, olha à volta, o escritório estava em modo debandada. Hora de espreguiçar um pouco, soltar os pé direito do sapato, amparado apenas com a ponta do pé, a baloiçar um pouco, de perna cruzada. Não lhe apetecia ir já para casa. Ainda só era segunda e as saudades dos gémeos ainda não tinha batido, depois de um fim-de-semana de omnipresença na sua vida. Ligou ao seu Jú para dizer que chegava um pouco mais tarde, relembrando que hoje era dia de brócolos na ementa dos pequenos para acompanhar o resto do frango de ontem. Era necessário cozer, juntar uma pitada de sal e não deixar passar os 5 minutos de fervura. Carlota não dava muitas justificações ao marido e ele também não perguntava. Era assim a relação. Ele sabia que ela voltava sempre a casa, e isso para o Júlio, era o mais importante. Para ela, uma bênção. Dar justificações de tudo o que fazia só podia levar a um lado, à mentira. Por vezes na omissão encontra-se um justo equilíbrio entre um casal, pensa ela. Provavelmente no dia do Jú nem tudo fora andar atrás de borboletas coloridas para fotografar, por isso, quid pro quo.
Depois de quase todos abandonarem o escritório, passava um pouco das sete da tarde, ainda era de dia, embora as nuvens que ainda permaneciam no céu acinzentassem o fim de tarde. Finalmente saiu, não sem antes trocar o seu fato beije por leggins e um top, ambos pretos. Os saltos altos pretos deram lugar aos Nike de estimação que lhe aconchegavam os pés, e por cima, um hoodie cinza com uma risca rosa. Era um dos trajes alternativos que Carlota mantinha no armário do seu gabinete. O fato fora para o cabide, pendurado na porta detrás do seu Mercedes. Carlota ia dormir a casa, mas a segunda-feira, para ela, ainda não tinha acabado.
AS CORES DE UMA VIDA A PRETO E BRANCO
CAPITULO III
Carlota ruma pela A5 em direção a Cascais, para depois, no Estádio Nacional, apanhar a marginal. Fazer a marginal, a qualquer hora do dia ou da noite, de janela aberta, era garante de um novo folego. O ar com sabor a maresia esbate-lhe no rosto com alguma intensidade, era um fim de tarde ventoso. Mais vento houvesse. O bem que lhe fazia ver e sentir o mar. Passada a praia de Santo Amaro, Carlota sai no Inatel para estacionar. Ao final do dia e com céu nublado, o seu Mercedes ficou mesmo à bica da praia. De frente para o mar, em silêncio, ficou alguns minutos dentro do carro. Estava à espera das 8 da noite. Não estava a pensar em nada, simplesmente deixou-se ir no pela vista que tinha à sua frente. No vazio total, serena, nuca ligeiramente inclinada para trás encostada à cabeceira do assento do pendura, para onde se tinha mudado só para não ter o volante à frente. Tempo ainda para 1 cigarro, daqueles que fumava ocasionalmente quando estava apenas com ela própria. Não era fumadora viciada, nem social, fumava quase sempre sozinha quando estava apenas com os seus botões, como hoje. Tinha em miúda aprendido a fazer círculos de fumo que lhe saiam bem formatados pela boca. 3 seguidos. Tinha graça, eram de tamanhos diferentes, o primeiro maior, o terceiro, e último, pequenito. Era à cowboy. Demorou uns bons cinco minutos a fumar, mais do que o habitual para um fumador. Mais do que inalar o fumo, ver o cigarro acesso só por si já a satisfazia. A beata, atirou-a pela janela, prensada entre o polegar e o dedo do meio, num gesto masculino, que contrastava com a sua aparência feminina e doce.
Saiu do carro e encetou a sua caminhada pelo paredão. Tapou a cabeça com o capucho do seu hoodie cinza, enfiou as mãos nos bolsos, inclinou o olhar para o chão e a passo, seguiu na direção de Cascais. Ela sabia que se ia cruzar com ele. O paredão estava praticamente vazio, dado o tempo e a hora, de jantar, mas Carlota conhecia-lhe os hábitos. Nunca faltaria ao jogging de final de dia antes de jantar. Se eventualmente já tivesse passado na direção a Lisboa, de certeza que agora o apanharia no regresso, se é que não o ia apanhar mesmo de frente. Só a ideia de o cruzar arrepiava-a. Só ela podia compreender o que sentia. Joana, a quem Carlota já falara dele, não percebia a fixação. Estar aos 38 anos de idade agarrada a um romance de adolescência era para Joana inimaginável dado o seu pragmatismo nas relações amorosas, mas para Carlota, ele, Ricardo, Ricky para ela, fora o seu primeiro grande amor, único, irrepetível e eterno. Não era comparável ao que alguma vez tinha sentido pelo seu Jú, a história tinha outros contornos, num misto de história de amor inocente, escaldante e claro, inacabada, mal encerrada entre os dois. Pelo menos para Carlota. Ela sabia que o Ricky era solteiro, ou melhor, solteirão, dedicado, tal como Joana, às aventuras do dia-a-dia e sem ninguém com poiso certo no seu coração. Carlota nem sabia se ela própria tinha direito a algum lugar de destaque no coração de Ricky. Não falavam desde que cada um seguiu a sua vida, num amor que terminou abruptamente aos 21, depois de 3 anos em que Carlota viveu nas nuvens, ou para lá delas.
Em passo lento, de ouvido atento, sentiu uma passada firme atrás dela, ainda distante. Persentiu que era ele. Não que lhe conhecesse o passo, era a vontade dela e a sua intuição a funcionar. A passada aproximava-se rapidamente, e Carlota começou a ouvir a respiração forte de quem ia em esforço físico. Uma locomotiva. Ricky era homem do desporto, sempre fora. Nos tempos do namoro, era jogador de futebol federado e representava os juniores do Estoril. Não fez carreira no futebol porque a cabeça dele merecia mais. Seguiu engenharia, e pelo que Carlota sabe, do que cuscou e descobriu, está muito bem na sua vida profissional, A chefiar uma equipa numa das maiores construtoras nacionais. Para quem ainda não bateu nos 40, nada mal. Finalmente chegara o momento da interseção entre quem caminhava e quem corria. Quem corria passou de raspão por Carlota, sem ser propositado, apenas para cortar caminho. Sentira-lhe o cheiro, do perfume da manhã certamente. Leve e fresco, de bom gosto para a estação do ano. Era ele, Ricky, passara por ela sem dizer sequer um “Olá tudo bem?”, nem a reconheceu, nem olhou de esguelha para ela, camuflada no seu hoodie. Carlota também não queria ser reconhecida, aquilo que estava a fazer tinha qualquer coisa de stalking, o que, associado a mais alguns atos deste tipo, poderia ser considerado crime, e disso das leis, direitos e deveres, sabia ela. Viu-o afastar-se no paredão rapidamente, e ainda com o coração acelerado pensou, “nem os olhos verdes lhe vi, pena não o ter apanhado de frente!”. Que belo homem era Ricky, aos seus olhos, mas consensualmente aos olhos de todas as mulheres. A roçar os 40 e pareceu-lhe melhor que nunca, ainda que avaliado de soslaio.
Carlota parou. Era hora de voltar com o sentimento de missão cumprida. Ela sabia onde morava o Ricky, onde ele trabalhava e algumas das suas rotinas. Não raras vezes Carlota saia da sua vida para se dedicar ao passado, para recordar, para reviver esses momentos. Hoje dera-lhe essa vontade, e parcialmente saciada, já de noite, decidira regressar ao presente e à sua vida. O Lucas, a Constança e o Jú estavam à sua espera.
No regresso, médios ligados, de volta na marginal, acendeu outro cigarro, janela entreaberta com água a pingar para o interior, seguiu a queimar os limites de velocidade ao ponto de queimar os múltiplos radares espalhados pelo caminho, o que a obrigavam a parar nos diferentes semáforos sincronizados com os radares, que automaticamente ficavam vermelhos perante os excessos de velocidade. Chegava a ser irritante. Já não era hora de aproveitar a paisagem e Carlota só pensava em encontrar refúgio do lar. Não raras vezes ficava confusa com este regresso ao passado, com a transição para o presente, que por sinal convivia mal com o seu outro presente….. Que futuro poderia Carlota esperar na sua vida. Quantas Carlotas poderiam viver numa só?
A breve crise existencial durou apenas o tempo de chegar a casa, desligou o Mercedes na garagem, tirou a chave da ignição, e naquele preciso instante sentiu uma vontade doida de abraçar os seus gémeos. Já era tarde, por isso, o único sobrevivente daquele fim de segunda era apenas o seu Jú, que estoicamente tinha tratado deles, banho, jantar, e cama. Não era fácil adormecer os 2. Juntos no mesmo quarto, até o sono vencer ambos, era preciso batalhar. A socorro de duas chuchas era um pouco mais fácil, mas ainda assim a tarefa era digna de ser classificada como missão. Às vezes faziam o “pedra, papel ou tesoura” para decidir quem era o destacado na missão. Ele tinha mais jeito do que Carlota. Aliás, Carlota não era uma mãe nata, faltava-lhe instinto, não tinha carinho por bebés antes dos gémeos nascerem, ser mãe não a mudou muito. Certo é que não lhe faltava amor por eles, faltava-lhe sim jeito. Era tarde, um beijo molhado na testa do Lucas, outro na bochecha da Constança. A dormir eram verdadeiros anjos, não só pela pose serena e doce mas também pelos cabelitos ainda loiritos, vindos do ADN do pai. Eram os seus anjos, mereciam melhor mãe, pensara ela ao beijá-los. Mordeu ligeiramente o seu e saiu do quarto. Jú tinha guardado jantar para ela. Tinham sobrado brócolos, além do frango de domingo. Era o que havia, e tudo aquecido no micro-ondas transformaram as sobras num digno repasto. Jú enchera-lhe um copo até meio com o resto do Duas Quintas tinto que sobrara também de domingo. “Vais ver que dormes melhor”, diz ele. E era verdade. O vinho tinto era um bom embalo para o melhor dos sonos. Fizeram um pouco de conversa trivial, ele sobre as suas borboletas, ela sobre o seu dia de trabalho. Para Carlota chegava a ser estranho ele nem perguntar porque tinha chegado mais tarde, ou melhor, tão tarde. Apreciava o respeito pela sua individualidade, pela sua vida, odiava ser controlada, mas daí à indiferença ia um passo bem largo. Será que ele não pergunta par evitar que lhe mentisse? Porque não quer saber a verdade. Porque é feliz assim? Por causa dos meninos? O Jú não era de manter casamento de fachada, os seus pais eram separados e cada um era feliz à sua maneira, nas suas vidas, que seguiram rumos diferentes quando Jú tinha dez anos. Talvez tivesse ficado com trauma nessa altura, certo é que nunca o demonstrou e sempre que falavam dos pais dele, era com naturalidade. Era filho único e não tinha meios irmãos. A mãe ficou divorciada até hoje, o pai casou outra vez, mas sem frutos.
Já na cama, um beijo seco entre lábios e cada um seguiu para o seu lado da cama. Chegaram no passado a adotar a concha como método carinhoso para adormecer, mas desde que os gémeos nasceram que esse hábito se perdeu. Cada uma para seu lado, na mesma cama, juntos, embora de costas um para o outro. O copo de vinho tinto tinha-a deixado relaxada, mas ao fechar os olhos não pode deixar de recordar o seu Ricky, num daqueles inúmeros momentos vividos. Tinha saudades de fazer amor com ele. O sexo era o melhor que havia tido em toda a sua vida. E tão jovem ainda. De olhos fechados, recorda um dia, ainda de manhã em que tinham ido de comboio a Sintra, galgado as colinas até aos Capuchos, e no meio de nenhures, ele, afoito e ardente de desejo, a agarrara de surpresa, ali, ao ar livre, contra um pinheiro bravo, a começara a beijar no pescoço, cara e depois boca, onde se demorou enquanto a sua mão direita lhe baixava a alça do ombro esquerdo. Chegou-lhe bem aos seios que apertava ao de leve. Carlota lembra-se bem de ter sentido um calor enorme a subir-lhe pelo corpo até à cabeça, num dia em que o clima de Sintra fazia jus à sua fama, brumoso. Puxou-a para cima, ela passou as pernas à volta da sua cintura, e sem tirar a roupa, ali, ele afastou as cuecas dela para o lado, saia para cima, sem querer saber de eventuais olhares indiscretos que tornavam o momento ainda mais excitante, amaram-se com um sexo vigoroso, versátil, que só o Ricky conseguia proporcionar. Carlota recorda-se da dor nas costas que roçavam no pinheiro enquanto Ricky a entalava nele com ambas as mãos a segurar as suas nádegas. Carlota não se lembra se foram 2 ou 20 minutos, perdera noção do tempo, mas sabia, que nem por um segundo os seus lábios descolaram dos dele.
Húmida, Carlota, adormeceu de sorriso nos lábios nessa noite.
AS CORES DE UMA VIDA A PRETO E BRANCO
CAPITULO IV (final)
A semana prosseguiu sem incidentes de maior. Mais do mesmo, trabalho, casa, de volta ao trabalho. Segunda fora uma exceção que levara Carlota a fugir do presente, um escape para ela, numa visita fugaz ao passado. Ela tinha bem presente que ninguém vivia do passado, nem ninguém se agarra ao passado para viver o presente. No entanto, deixar-se transportar para o passado dava-lhe o bem-estar no presente que muitas vezes não conseguia encontrar. Dava-se o caso de Carlota ser uma mulher conhecedora do código civil, das leis, dos deveres e obrigações dos cidadãos perante a sociedade, mas ao mesmo tempo, uma mulher no rules, capaz de se transportar para um mundo diferente onde se vive à medida da vontade de cada um. Uma ambiguidade permanente a roçar a bipolaridade. Artigos e liberdade eram palavras antagónicas que conviviam a espaços isoladamente na cabeça de Carlota, por mais que tivesse estudado que os princípios do direito visava garantir a liberdade de cada um. Era uma liberdade circunscrita, não uma liberdade efetiva. Não raras vezes se perdia em pensamentos e ideias que a levavam para outra dimensão intelectual. Faltava-lhe alguém para falar, puxar por ela, para conversar noutro patamar. Ela sabia quem a conseguia levar para esse patamar, foram outros tempos, agora contentava-se com um simples cruzar no paredão à procura de inspiração. Esta obsessão chegava a ser doentia, e ela sabia disso. Qualquer pensamento desaguava quase sempre inevitavelmente no Ricky. Doentio, sem cura, sem comprimidos que a fizessem cortar com o passado.
A reunião de quarta-feira com o Afonso correu pelo melhor. Ele era um homem pragmático e partilhou da ideia de Carlota que não vale a pena batalhar pelos casos perdidos. O devido à segurança social era para pagar com mil perdões, e juros de mora, para tentar colher a simpatia do juíz, os milhões que fugiram da empresa para as ilhas Caimão, que serviram de suporte financeiro à compra da moradia na Quinta do Lago e ao seu Porsche Carrera, eram para tentar branquear em tribunal. Era património que estava registado em seu nome, mas havia forma de justificar a proveniência do dinheiro sem ser através do saco azul da Alves & Ribeiro. O problema talvez fosse o contabilista que inevitavelmente iria ser chamado pela acusação. Ele próprio fora cúmplice e por isso também tinha de proteger as suas costas, mas o que lhe tocara no bolso era pouco para enfrentar o juízo do tribunal. Entregar o peixe graúdo poderia ser uma solução. Uma ameaça a ter em atenção na defesa do caso.
Dessa reunião ficara-lhe na memória um gesto de Afonso. Tocara-lhe ao de leve na perna. Carlota, coisa rara, levara saia nesse dia. Uma saia preta folhada a combinar com uma blusa, também ela preta, em contraste com o blazer vermelho que comprara na véspera na Zara. Foi um toque intencional, de quem tinha vontade de tocar, não tinha surgido naturalmente na conversa. Se o seu Jú visse, não ia gostar. Ou melhor, pelos tempos que correr já nem Carlota sabia o que poderia ele gostar ou não. A conversa entre Carlota e Afonso era de facto puramente profissional, o caso absorvia a totalidade das palavras trocadas. O Olhar de Afonso, não raras vezes, transmitia outra coisa. Nessa reunião de quarta, enquanto falava detalhadamente sobre como tinha montado o saco azul com o seu contabilista, e a forma como se relacionada com fornecedores e clientes combinados, olhava-a com um desejo carnívoro de quem a queria possuir ali mesmo em cima da mesa. Era um olhar transparente, e nem o Afonso o queria esconder, aliás, fazia questão que Carlota o compreendesse bem em busca de um sinal de reciprocidade. De troco, Carlota dissera a Afonso para tentar manter a frieza em tribunal, para preparar uma poker face, o que implicava um olhar gélido, diferente daquele que lhe atirava naquele momento, ou de qualquer outro que pudesse indiciar culpa. Ele sabia que Carlota percebia o seu desejo sexual, não podia ser mais explícito. Por mais que Carlota quisesse evitar deixar transparecer que se deixara ir no entusiasmo do olhar de Afonso, os seus mamilos, diziam o contrário. Péssimo dia para não usar sutiã. Não era sempre, mas havia dias que Carlota gostava de sentir os seus peitos soltos. Empinados, salientes na blusa preta de Carlota, demonstravam nota de culpa.
Enquanto tentava manter o foco na defesa de Afonso, Carlota imaginava as “crueldades” a que Afonso a queria submeter. Pela sua imaginação, inspirada no olhar de Afonso, não era menos do que a colocar de joelhos e obrigá-la a abrir-lhe o fecho das calças, ali mesmo, no seu próprio gabinete. Esta simples ideia perturbava Carlota, num misto de excitação e culpa. Também lhe dera vontade de sucumbir à tentação de presentear Afonso com um momento de luxúria num espaço dedicado ao direito. Pensou Carlota, “não duravas mais de 5 minutos”. Rasgou um sorriso que Afonso não compreendeu, e nesse preciso instante, o olhar dele volta a ser o do empresário trafulha, preocupado com a impunidade que acha lhe pertencer por direito. Ficara da reunião a defesa alinhada, uma perna tocada de forma atrevida, ainda que ao de leve e um enviesamento de uma relação profissional. O clima assexuado da reunião contrastava com a forma como se tratavam, ele, referindo-se sempre à Dra. Carlota, ela, tratando-o por Afonso, não por tu Afonso, mais próximo do meu caro Afonso.
Na quinta-feira, à conversa com Joana, Carlota partilhara toda a parte sombria da reunião. Riram ambas do episódio. Estavam no seu gabinete, como quase sempre, de porta fechada, na típica tagarelice feminina. Joana conseguia potenciar este tipo de conversa para outro nível, num misto de ordinário e graça, para lá do que duas senhoras nos seus trinta deveriam convencionalmente ter. Era assim Joana, ora trazia um resumo dos temas da imprensa cor-de-rosa, que muito jeito dava a Carlota, curiosa mas sem tempo para mundanices, ora trazia uma história qualquer com um dos seus queridos amigos, ou melhor, especulava e imaginava em voz alta. Era uma boa amizade, ainda que maioritariamente de convívio laboral. Raramente tinha ido lá a casa, e nunca com o seu Jú presente. Não era de aparecer no aniversário dos gémeos nem de lhes oferecer presentes. No nascimento deles, Carlota lembra-se de ter recebido no hospital a visita de Joana, com flores, mas foi só. Perguntava pelos gémeos como quem fala do tempo, desapegada. Preferia delirar sobre o Afonso e omitir do seu pensamento a virtude de um dia ser mãe.
Carlota relatava ao pormenor o olhar de Afonso, o que ela sentira, o constrangimento dos seus mamilos salientes na camisa preta, Joana, essa, complementava com a sua imaginação. Sugeriu que as duas podiam dar conta do recado. Descambou. “Tu baixavas o fecho das calças, eu ia lá busca-lo”, provocava Joana. Carlota corou! Joana riu-se e continuou a provocar. “À vez íamos lá as duas. A quem saísse o lanchinho ganhava um almoço da outra! Vale?” Era ordinário mas dito entre risos parecia menos mal. O caminho do riso para a gargalhada foi vertiginoso. Carlota corada desmanchada a rir enquanto Joana, também ela incontinente no seu riso, sugeria a custo que Carlota devia começar a ter toalhetes em cima da mesa. Alguns olhares de fora fixaram as duas pela parede vidrada do escritório. Ainda que fosse final de dia, era uma postura pouco apropriada para um escritório de advogados, ainda que os olhares fossem de curiosidade e não de condenação. Recomposta a postura, Carlota pergunta se Joana vai outra vez passar o fim-de-semana para a Ericeira com o Tomás. Afirmativo. Era aproveitar enquanto dura, e como Joana já bem sabe, as suas relações não duram muito, pelo que era de aproveitar. A manter-se o tempo chuvoso, era promessa de muito tempo passado entre paredes e não na praia a vê-lo apanhar ondas. Tinha mais graça assim.
Sexta chegou finalmente. O seu Jú não tinha ofício no fim-de-semana. Era para fazer planos a quatro, e em particular, dividir as tarefas e o babysitting dos gémeos. Provável que muito do tempo fosse passado dentro de quatro paredes, não na mesma onda que a Joana ia surfar, noutro registo. Mamã e papá fazem de mamã e papã a tempo inteiro. Carlota não rejubilava com a ideia, mas ao mesmo tempo, depois de uma semana de trabalho, também era bom ser mamã. A advogada ficava à porta de casa, a sua imaginação em hold e a sua outra vida esquecida por dois dias. Carlota ia ser a mãe, junto com o seu marido, o pai. Durante a semana o tempo passado juntos fora mínimo, breves momentos entre o acordar e o adormecer, repetidamente, dia após dia. Será que o seu Jú também tinha a mesma ideia do fim-de-semana? Raramente falavam do que sentiam. O silêncio entre ambos era interrompido na maior parte das vezes por trivialidades ou temas dos gémeos. A vida conjunta perdera a graça de outros tempos. Não que a relação alguma vez tivesse sido perfeita, mas houvera momentos no passado que eram promessa de bons alicerces para o futuro. O futuro provou ser diferente, mas não perdido. Era assim, Carlota não pensava em divórcio, não lhe parecia haver motivo para isso, e o seu Jú também nunca meteu o tema em cima da mesa.
Era sexta à noite, paz em casa, só adultos acordados no lar.
Pin It
Atualizado em: Seg 18 Nov 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222