person_outline



search

Espanholinha

Estevan tirou do bolso um lenço para secar o suor que já pingava a bicas. Quanto ás lagrima, Não tinha mais forças para chorar.

Damião segurou firmemente sua mão. Em seus olhos, uma expressão serena que confrontava com a dor, e com o medo. O medo de partir. Era chegada a sua hora, mas sua resistência era grande. O amigo não queria ir. Apesar do seu próprio nervosismo, estevan tentava acalmá-lo.

O que mais lhe cortava o coração era ver a filha do velho companheiro derramando um mar de lágrimas , com a cabeça apoiada no peito que quase já não batia mais. Damião tentava acariciar os vastos cabelos com a energia que ainda lhe restava.

Soledad implorava soluçando:

- Papá no me deja. No te vayas! es temprano! No puedo vivir sin ti.

Pedia para que Damião ficasse. Dizendo que era cedo e que não conseguiria viver sem ele.

 O velho virou-se então para o amigo e pediu:

- Prométeme amigo!

- O que quiser Damião!

- Se encarga de mi joya preciosa. Es mi regalo más raro. No lo deje solo. Dejo en sus manos.

Em seu leito de morte Damião pedia para que Estevan cuidasse de seu presente mais valioso. Soledad.

- Mas Damião!

Estevan era Reticente.

- Prométeme! Por nuestra amistad! Por Dios! Quiero ir Tranquilo amigo!

- Pode ir tranquilo. Eu cuido dela para você.

Soledad protestou.

- No! Como puedes ser tan cruel? Pido a mi papá para que me vayas?

- Soledad, você não vê? Ele precisa descansar em paz! Despeça-se.

- No!

Ela seguía gritando.

- Soledad!

Estevan tentava acalmá-la, consolá-la ,mas não encontrava palavras. E quando Damião fechou os olhos, ela murmurou:

- Hasta pronto papá del azúcar.

Algum tempo depois, ainda choravam Estevan e Soledad.

- Preciso que avise os parentes. Vou providenciar tudo o que for nescessario para o velório.

- Realmente no lo entiendo. Lo que es Parente?

- lo siento ... No creo que lo que puedo decir.

- Sería como mi papá?

- Si.

- Entiendo. Pero yo e mi papá no tenemos familia que vive.

- O que quer dizer?

- Yo no conozco a nadie. no están vivos o están demasiado lejos. Me entiendes?

- Sim. Entendo. Você não conhece os demais integrantes da familia. O que estão vivos, estão longe.

- Exactamente.

- Meu Deus! O que faremos então?

Soledad suspirou em desalento. Seriam só os dois a velar Damião.

A viagem de volta á cidade grande teria a duração de sete horas e Soledad passara três delas em silêncio. Estevan e sua acompanhante só voltaram a se comunicar quando ele parou em um posto para abastecer . Acanhada , ela o acompanhou até a lanchonete. Se sentou ainda em silêncio , assim que ele puxou a cadeira, auxiliando-a. Um perfeito cavalheiro.

- Soledad, coma alguma coisa.

- No lo hace. Lo siento senõr. Es imposible.

- Você não pode ficar sem se alimentar Soledad. É perigoso. Estamos viajando á horas, não te vi comendo nada antes de sairmos. Ainda temos muito tempo de estrada e não é bom que fique com o estômago vazio. Veja como você está pálida. Tenho certeza de que não se sente bem. Vamos comer?

- No. Lo siento. Tengo hambre , pero si como, no baja nada. Me atraganté com el dolor.

- Força Soledad. Olha , eu sei que não me conhece, mas confie em mim. Precisa fazer um esforço. Pelo meu velho amigo Damião. Sei que ele não gostaria de te ver assim. Vai fazer feio com o seu pai?

Ela ensaiou um sorriso.

- No. Io no lo haría.

- Perfeito. E olha, lembre-se de que ele pediu para que eu cuidasse de você. O que vamos comer?

Como ela lhe dissera , tinha fome mas o nó que tinha em sua garganta a impedia que comesse. Não descia nada , já que ela se encontrava sufocada pela dor. Mas faria um esforço. Pelo pai. E estevan estava sendo muito paciente com ela.

Ele lhe ofereceu o cardápio. Após alguns minutos ela decretou:

- No puedo decidir. Usted puede elegir para mi?

Pediu que ele escolhesse.

- Claro. Então deixa-me ver… você já se acostumou com a comida brasileira?

- Tengo que confesar que muy poco. Me extraña la sazón. No recuerdo cuánto era caliente.

Soledad disse que havia se esquecido de quanto era quente os temperos da cozinha brasileira. E que assim se desacostumou com eles.

- Sim. A nossa culinária em geral é marcante justamente por esse tempero muito quente. Você gosta?

- sí, muy.

- Então vou pedir um acarajé! Tem muita pimenta. Você vai adorar.

- Estoy seguro que sí. Parece que tienen un sabor excelente.

- Você por acaso se importaría se eu fumasse?

- No! no tiene el más mínimo problema. También el humo.

- Sério? Nunca imaginei.

O silencio voltou a pesar entre ambos. Um se sentía muito constrangido na presença do outro. Haviam acabado de se conhecer, mas Estevan não conseguia ficar imune ao charme de soledad. A espanholinha o atraía demais. Isso era impossivel de negar. Ele faria de tudo para que fosse passageiro. A situação o deixava muito desconfortavel.

O que será que soledad sentía por ele? Aquela sua pergunta só o tempo poderia responder , pois no momento , soledad era uma caixinha de mistérios. E para piorar trancada em seu Luto. Quando deu por si , segurava a mão delicada. O que fez com que a moça direcionasse a ele o olhar perdido.

- Sin?

- Seu Prato.

- Lo siento, no vi que había llegado. Me gustaría saber dónde está mi cabeza. parecen estar en las nubes.

- Eu entendo. Mas coma! Se sentirá melhor.

- Gracias.

Agora era para valer. Soledad se acomodou no banco do carro. Partiam rumo á sua nova vida. A vida ao lado de um estranho sedutor. Quanto tempo a espanholinha resisitiria aos encantos do amigo de seu falecido pai? Seria Difícil controlar a vontade que tinha de provar o sabor daqueles lábios cheios , que ficavam ainda mais sensuais quando se abriam em um raro sorriso. E ele? Teria essa mesma vontade?

Dominada pelo cansaço físico e mental ela se entregou ao sono. Esse, muito conturbado, confuso. Mesmo em seu inconsciente ficava a pergunta e o medo, não sabia quem e o que encontraría por lá. Isso a apavorava. Estar a mercê de desconhecidos. Ter que dividir o espaço com pessoas que nunca vira na vida. Foi quando estevan ás oito da noite estacionou seu carro na garagem e Pegaram o elevador para chegar no luxuosíssimo apartamento que ela descobriu. Não eram estranhos. Ela estava prestes a dar de cara com o passado. E que Passado!

O silêncio pertubador deu as boas vindas a ambos. A sala ampla mergulhada na escuridão, fez preencher ainda mais a sensação de abandono que havia no coração da recem-chegada.

- estamos solos señor?

- Acho que sim.

Sentenciou o dono do apartamento ao colocar as malas dela sobre o estofado.

Soledad seguía sentindo arrepios.

-la habitación es increíble! que el espacio!

- Obrigado. Sinta-se a vontade. Agora é sua.

- Gracias!

Ele sentou-se tentando relaxar.

- Alguém em casa?

Chamava.

- Eu papai!

 Soledad ficou em estado de alerta quando a voz grave chegou até seus ouvidos. Mas foi quando o viu que desejou que um mundo se abrisse sob seus pés e a engolisse. Ela não conseguia acreditar em seus proprios olhos e sentiu que lhe faltava o ar ao ver o abraço que Estevan trocava com um dos responsaveis pelos piores anos de sua vida. Quem contava não ver nunca mais.

- Que saudades eu estava de você rapaz!

Pai e filho! Soledad , em choque , soltou um soluço de desespero.

- Pensei que não chegava mais papai!

- Eu tive problemas. Depois conversamos.

O interruptor foi ligado . Aí foi quando se viram.

- Luis!

Foi apenas um sussurro.Esse fez com que ele arregalasse os olhos espantado.

- Soledad!

Ao ouvir o nome da espanholinha murmurado pelo filho , Estevan voltou á sete anos atrás vertiginosamente.

- Você? Soledad! Você é a namoradinha do Luis?

- El Señor me dio un CHEQUE.

- Sim. E você rasgou.

- pensé que iba a dejar a su hijo por dinero.

Luis os interrompeu.

- Papai , o que significa isso? O que ela está fazendo aquí?

- Estou tão surpreso quanto você Luis! Soledad é filha do Damião!

- O quê? Do seu velho amigo Damião?

- Sim! Ele acaba de falecer e Ela ficou sozinha. Meu amigo pediu que eu tomasse conta dela. Soledad vai morar aquí conosco agora!

- Não acredito!

- No! No voy a vivir bajo el mismo techo que tú! nunca! sobre todo en el mismo techo que usted! Estevan.

Setenciou já indignada.

- Não seja infantil menina!

Pediu Estevan.

- - no es infantil. Yo sé que me odias y no voy a perdonar lo que hice ese día!

- Nós vamos conversar.

- No tengo nada que hablar con usted.

- Havia esquecido o quanto é teimosa.

- No vamos a hablar.

- Vamos sim. E depois do jantar. Se você quiser tomar um banho e relaxar enquanto isso! Vou acomodar as suas malas e ajeitar seu quarto. Luis vai me ajudar na cozinha.

- Más …

- Sem discussões! Já disse.

Jantaram todos em silêncio. A animosidade de Luis , embora velada , não passava batido á recem chegada. Mesmo assim, Soledad achou melhor não se abalar. Jamais permitiría que ele percebesse o que ela carregava no coração naquele momento. Após saborearem a deliciosa massa que Estevan preparara, eles sentaram-se em frente a lareira. O dono da casa pedira ao filho que os deixasse á sós. Ele encheu para ela uma taça de vinho. Taça essa que continuava intocada.

- Mais calma?

Ele perguntou então.

- no entiendo, señor.

 Confessou a espanholinha com lagrima nos olhos.

- Le pregunté si te has calmado.

- No.

- Sinto muito.

- usted no se siente nada.

- Até quando vai continuar me chamando de senhor? Chega! Não quero mais! Sou Estevan! De agora para frente só Estevan.

- Bueno, no para mí.

Se soledad imaginasse que além de perder o pai, ainda teria que dividir o mesmo teto com o homem que tentou comprá-la, ela jamais teria voltado para o Brasil. Começava a se arrepender amargamente. Ainda não dava para acreditar que estava frente a frente com o ex sogro. Ela e Luis tiveram um relacionamento de três anos. O namoro sofrera forte oposição por parte de Estevan . Para que se livrasse da nora indesejada, o empresario ofereceu a ela um cheque no valor de 200 mil reais. O que ele não esperava era que a moça rasgasse em mil pedacinhos, a oportunidade de viver no luxo e o principal: longe dele e do filho. Como não deu certo… o amigo de Damião armou para separar o casal. Fez com que Luiz acreditasse que a namorada mantinha um romance secreto com o melhor amigo dele. O que o jovem não suportou. Terminaram. Estevan então conseguiu o que sempre quisera. Separar o casal de apaixonados. Luiz passara a tratar soledad como uma verdadeira mulher de rua. A jovem, sozinha e muito decepcionada , chegou á conclusão de que a distância seria a solução para os seus problemas. Se agarrou a ideia de que se estivesse longe, o mais longe possivel, isolada de tudo , de todos que a odiavam , não acreditavam nela e a machucavam, poderia curar seu coração. Foi assim que corajosamente partiu para a Espanha. Não podía cogitar a possibilidade de continuar no país.

- Eu não sabia.

Começou Estevan desconcertado.

- Sabía mucho menos. Ha cambiado mucho.

- Você também mudou. Não se parece em nada com aquela jovenzinha que acabara de completar 20 anos.

- Han pasado ocho. ocho años. Tuve que cambiar. No sólo físicamente. y el cambio interior se debe a que usted y su hijo. Estoy maduro. soy una mujer.

Soledad disse ter mudado muito em oito anos e responsabilizou a ele e ao filho pela mudança interior. Agora ela estava madura. Era uma mulher.

- Estou vendo.

- Señor!

Ele foi repreendido.

- Damião nunca me disse que tinha uma filha.

- en realidad, señor, mi padre sólo sabía de mi existencia, un año después de mi viaje a España.

- O que está me dizendo?

Perguntou Estevan chocado.

- Yo soy el producto de un romance entre él y su empleada del hogar quien se desempeñó durante doce años.

- Meu Deus!

Estevan não podía acreditar! Soledad era filha de Sônia! Antiga empregada de Damião. E como segundo ela , ambas ainda viveram por doze anos na casa , sem que o patrão desconfiasse de nada. Soledad completou dizendo que Sônia a apresentou como uma sobrinha. Quando Damião começou a se apegar na filha , a empregada resolveu sumir , com medo de que ele descobrisse toda a verdade.

- esto es lo que pasó.

- Soledad! Sua história é incrível!

- Ahora que ya sabe toda la verdad, me voy.

- Como?

Soledad se recusava a ficar debaixo do mesmo teto com o homem que tentara destruir sua vida anos atrás.

- Yo soy la hija de su mejor amigo. Pero, ante todo, soy una ex novia de su hijo. Yo sé que me odias. No tiene sentido aceptar soportar la vergüenza de ser apoyada por el Senor Después de la muerte de mi padre. estoy seguro de que ambos no pueden soportar. Así que les pido a estar tranquilo. No hay necesidad de cumplir la promesa. Voy a liberarlo.

A espanholinha acabara de liberar o ex-sogro da promessa feita no leito de morte de seu pai , simplesmente por não poder ignorar o fato de que se ele soubesse quem ela era , jamais teria jurado nada ao velho amigo. Jamais se sujeitaria ao constrangimento de ter que conviver com ele , sabendo o tipo de sentimento que os donos daquela casa nutriam por ela.

- Não! Muita calma mocinha! Você fica!

- No. Yo dije!

- Você não vai fazer com que eu volte atrás. Eu não vou trair meu amigo. Se eu deixar você ir, tenha a certeza de que nunca mais poderia voltar a dormir em paz. Eu amava o Damião. Seu pai era muito mais do que um amigo. Ele sempre foi um irmão. Por isso não me faça repetir. Estamos conversados.

- El Señor no está respetando me. Y Luis?

- O que tem ele?

- él me odia. Luis sigue pensando que la he traicionado. Su hijo hará todo lo posible para hacer mi vida un infierno en esta casa.

- Será?

- estás siendo irónico.

- Nada disso. Impressão sua. Tenho certeza que meu filho…ele ainda te ama.

- No!

Soledad negou assustada.

- E se me permite dizer soledad. Acho que estou começando a sentir o mesmo.

E segurou a mão feminina , que tremia.

- No! no é posible señor. no ten o directo de pelear así conmigo. Se esqueje que Soy su ex Nora , a ex enamorada do su hijo. Sólo que ahora tengo otros 20 años. Ningém se me escapa. Nadie me puede engañar.

- Escuta , será que não sabe falar de outra coisa? Você não sabe perdoar?

- Talvez lo sé, pero por el momento, parece imposible. Señor, por favor, déjame vivir mi dolor en paz.

- E você , permita-me te ajudar de maneira que seu luto não seja tão duro. Não quero ver você sofrendo.

- Yo quería a mi padre.

- Eu sei , vou cuidar de você. Prometi a ele. Prometi e vou cumprir. Portanto você fica. E não vamos mais tocar nesse assunto. Boa noite Soledad. Vou me recolher. Estou muito cansado. Te aconselho a fazer o mesmo.

- sí señor. Eso es lo que voy a hacer.

No dia seguinte Luis a convidou para irem a um café. Depois de tanto insistir ele conseguiu que a espanhola o acompanhasse. Essa ocasião proporcionou a ela recordar , ao lado de quem estava e o quanto ele ainda era perigoso. Muito perigoso.

- Luis , Todavía no entiendo cuál es el propósito de su gesto. Debido a que no era para mí dar la bienvenida a usted me llamó aquí.

- Assim você me ofende espanholinha. Claro que foi para lhe dar as boas vindas.

- que debería haber hecho esto en su apartamento.

Ríspida , ela disse que isso , ele poderia ter feito em seu proprio apartamento , na ocasião de sua chegada.

- Sim princesa , você tem razão. Mas também… quería te pedir desculpas. Ontem fui um tanto…

- Por favor, no continúe. Yo sé que usted habla no es el corazón. No me gusta y creo que me puede hacer creer lo contrario.

- Gostaria de ter a oportunidade de provar o contrario.

- No creo que será posible.

- Eu não estava preparado para esse encontro soledad. Tente entender. Não sabe o que significa para um homem , estar frente a frente com a mulher de sua vida … e não poder tomá-la em seus braços para dizer que ainda a ama. Ama profundamente.

- Yo no creo lo que estoy oyendo. Luis, debe tener me confunde. Ya no soy aquella niña del pasado. He cambiado mucho, le dijo a su padre. Y ahora me estoy repitiendo en su caso.

- Pois saiba que eu me recuso a acreditar que tenha mudado tanto. Me recuso a acreditar que não seja a minha Soledad.

- Luiz , por favor! Estoy ahorrando el dolor, estoy sufriendo mucho a causa de mi padre, yo le pediría un poco más de respeto. Posible? que mi estancia en su hogar es tolerable ... Les pido por favor. No se me acercan. Deje de estos juegos.

A espanholinha pediu que luiz respeitasse a dor de ter perdido seu pai , pediu ainda que parasse coma quelas gracinhas e não se aproximasse dela , se quisesse que a convivencia dos dois na casa dele fosse no minimo tolerável.

- Soledad.Por favor digo eu. Acredite em mim. Vou fazer o possível para te reconquistar. Faço de tudo para provar que eu ainda te amo. E dessa vez o meu pai não vai conseguir impedir que eu te faça a mulher mais feliz do mundo. A pesar de ele , assim como eu estar apaixonado.

- No! esta vez pasó todos los límites. Estás loco? me saca de aquí! No quiero oír más. Y usted acaba de perder el tiempo con ese programa y discussos patéticos.sabe por qué? Yo me crié, no avanzan más paseos, la poesía ... mentiras! son puras mentiras.

Irritou-se. Soledad pedia que ele não perdesse mais tempo com passeios e poesias. Ela não acreditava em mais nada.

Assim seguia arfando nervosa. Só de ouvir o nome de Estevan ela perdia todo o controle sem que pudesse evitar. Seu sangue passava a correr nas veias com uma espécie de veneno a uma velocidade impresionante. Que provocava vertigens , arrepios de desejo , além de muita raiva por não poder desviar seus pensamentos dele , nem que fosse por um único segundo. Ela precisava se livrar disso. O quanto antes. Antes que se encrencasse ainda mais. Se encrencasse de vez. Soledad tinha medo de estar se apaixonando por um homem que um dia lhe oferecera uma quantia em dinheiro para que sumisse de suas vidas.

Ela ainda pensava nisso sentada confortavelmente em uma cadeira de balanço no terraço . O dono da casa interrompeu seus pensamentos.

- Como foi o passeio?

- No quiero hablar con usted.

Ela respondeu de pronto e ele riu.

- Mas eu quero falar com você senhorita! Toma um café?

- No ahora. Gracias.

Soledad negou.

- Soledad. Pense com carinho no que vou te pedir , pense no que vivemos nos últimos días. Tente não me ver como um eterno inimigo. Será que não consegue perceber? Eu não sou o seu ex sogro. Sou um amigo profundamente arrasado por perder o grande Damião. Que vai cuidar com muito carinho. Com muito amor de sua Filha. O tesouro mais valioso que ele tinha na vida.

A espanholinha estremeceu por completo quando ele tomou suas mãos nas dele. Imediatamente tentou soltá-las mas ele não deixou. Ela abaixou a cabeça constrangida.

- Yo no soy malo, señor. Yo reconozco la atención que me despidió, estas dos últimas semanas. También agradezco. Sólo no se puede olvidar que me dio el registro de entrada.

- O cheque.

- Si.

- O maldito cheque.

 Soledad disse a ele que não era má, que até reconhecia a atenção que ele havia dispensado a ela nos últimos quinze días , agradecia, mas nada poderia apagar os atos do passado. Não tinha como ela esquecer o cheque.

- Exactamente.

- Vamos mudar de assunto. Me diga como foi que passou a primeira noite na casa nova.

- Estevan Lo siento, no entiendo nada.

- te fuiste de aquí habla portugués perfectamente! Si te has olvidado de nuestra indioma muy rápido.

- Sí, efectivamente. Fueron muchos años! me olvidé de todo! Ahora soy español. Sin embargo, Brasil el corazón.

Ele questionou como ela poderia ter esquecido tão fácilmente o indioma de origem.

- Entendo. Pero yo le pregunté cómo era su primera noche en la casa nueva.

- Basura! Soñé toda la noche con mi padre. Pensando que iba a volver. Me di la vuelta y vuelta en la cama! y Dios mío! es demasiado grande. Le pedí a los cielos para conciliar el sueño. Y sin embargo, sólo logró tres de la mañana.

- Sinto muito. Mas isso passa!

Soledad sorriu um pouco mais a vontade.

- la habitación es preciosa, gracias! Yo simplemente no quiero causarte problemas. Me temo que mi estancia en su casa puede afectar a su relación con su novia. Por ejemplo, provocar los celos. Esto es horrible.

Ela agradecia a hospedagem e disse que temia causar problemas entre ele e a namorada, disse que a mesma poderia ficar com ciúmes. Estevan soltou uma gargalhada que abalou todas as estruturas da espanholinha.

- Eu não tenho ninguém.

- lo que pasó entre usted y la madre de Luis?

- Erámos muito , muito diferentes. O casamento durou 17 anos. Nos separamos amigavelmente. Como meu filho não conseguiu uma convivencia pacifica com o padrasto , escolheu ficar comigo. Não me arrependo de ter me divorciado. E quanto a você e meu filho?

- lo que tenemos?

- Se acertaram?

- Si golpeamos? Pero por supuesto que no! fue un golpe del destino yo y Luis nos encontramos . Si tuviera que elegir, nunca te encontrarás de nuevo.

- Não precisa ser tão dura soledad. E posso saber qual o teor da conversa que tiveram?

- Por supuesto que sí, por qué no? Luis dijo que haría todo lo posible para seducirme. Dijo que quiere yo como su esposa de nuevo y que me va a seducir.

- O que disse?

- exactamente lo que has oído. pero no te preocupes. lo único que quiero es que su hijo no se me acerque. Tanto es así que le rogué para que en nuestra reunión. Esta vez no necesita hacer nada para interferir.

- Quando vai deixar de ser dura comigo , soledad? Até quando precisarei implorar para não me ver como um inimigo?

- Señor, me gustaría terminar nuestra conversación aquí, es posible?

- Claro , não quero te atormentar.

- Gracias.

E levantou-se, sendo acometida por uma vertigem . Se dois braços fortes não a segurassem pela cintura, com certeza absoluta , ela desmaiaria.

- Meu Deus Soledad! Você está bem?

Soledad se soltou rápidamente mesmo sem completas condições de estar de pé sozinha.

- No, señor! No me toques! Por favor.

Pediu em completo desespero!

- Só agora eu entendí! Você está com medo.

- -Miedo?

- Sim , de descubrir que também foi devastada por essa atração. Assim como eu . Que também me quer. Assim como eu quero você admite. Vai ser mais fácil. Para nós dois.

- No voy a admitir nada! Ahora! Qué arrogancia!

Ele achou por bem encerrar o assunto. Para esfriar a cabeça e outras partes do corpo também, Estevan resolveu tomar uma ducha. Ao sair do banheiro , vai atender á porta. A campainha tinha tocado. Deveria ser um conhecido , para o porteiro não ter interfonado.

Do outro lado , alguém muito mais aflito do que ele mesmo.

- Estevan , estevan!

- Marciano! O que foi que aconteceu?Vamos entrar , vai até o bar e pega uma bebida para se acalmar enquanto eu visto uma roupa. Você não está nada bem.

Aconselhou e foi se vestir, preocupado e curioso. Quando voltou, o amigo estava sentado em seu sofá. Balançava as pernas e esfregava as mãos.

- Amigo. Estão falando por aí que o Damião faleceu. Não posso acreditar. Eu vim correndo te contar. Sinto muito por todos nós. Não sei se é verdade mas vim correndo te contar.

- Mas infelizmente , não mentiram não. É verdade.

- Damião faleceu?

- E eu estava ao lado dele . Fui eu quem ouviu seu ultimo suspiro. Foi horrivel amigão. Você não imagina!

- Ah meu Deus!

- Fiquei com ele até o ultimo minuto! sofreu muito.

- Morreu sozinho?

- Não ele não morreu só. Tinha a filha com ele.

- Filha? Damião tinha uma filha?

- E na hora de sua morte me fez prometer que eu cuidaría dela. E eu vou fazer de tudo para que não fracasse nessa promessa.

- Que loucura!

- Isso porque você não sabe que a moça é uma ex namorada de Luis. A mesma pela qual estou loucamente apaixonado.

- Isso é enredo de filme!

- Pois então!

- Gostaria muito de conhecê-la. Amanhã vamos fazer uma reuniãozinha no playsclub leva a moça lá.

- Que horas?

- A gente pode se encontrar depois das nove.

- Vou tentar convencê-la de ir.

- E seu filho? Como está reagindo a tudo isso? O que vai fazer em relação aos sentimentos que ele nutre por ela?

- Tenho certeza de que isso é só uma fase. Luis está apenas vislumbrado. Logo logo eu garanto. Não vai querer saber dela. Já eu…. Meus sentimentos são completamente diferentes. Pretendo fazer com que essa mulher seja a mais feliz do mundo. Nos meus braços. É claro. E comigo ela vai descobrir prazeres inimagináveis. Além de ter estabilidade no relacionamento , pois Soledad precisa é de alguém maduro. Não de alguém que tenha atitudes fúteis como as de meu filho.

- Você tem razão.

Indisposta , soledad passou a tarde toda deitada , com a porta de seu quarto trancada. As horas corriam e ela ainda pensava em Estevan e em como dividir com ele a mesma casa sem enlouquecer. Enlouquecer de paixão, Desejo e muita insegurança.

Sem coragem , Ela saiu do quarto depois de tomar um banho. A casa estava silenciosa e muito escura. Já devia ser tarde. E era! Soledad levou o maior susto quando viu que já passava das seis da noite.

- Oh, Dios mío, parece que estoy solo.

Disse para si em voz alta , e foi ouvida.

- Eu estou aquí , Soledad. Na sala de jantar.

Ainda não conhecia toda a casa e naquela escuridão, não sabia que caminho tomar para chegar ao cômodo certo. Seguiu então pelo corredor. Ele estava iluminado por velas . Imediatamente ela foi tomada por uma magia incrivel proporcionada por aquela luz suave e gostosa e pelo perfume de rosas que cobria todo o chão. Terminando justamente no centro da sala de Jantar em forma de um lindo e enorme coração.

Estevan que estava sentado á mesa , levantou-se e segurando sua mão, a levou até lá. Puxando a cadeira para que ela se acomodasse.

- Dio mio! No creo que lo hiciste.

- Por quê não acredita?

- Se trata de una cena romántica! es que usted preparado?

- Sim. Fui eu. E sozinho. Possuo Dons que você Desconhece. Gostaria que me desse a oportunidade de te apresentar um deles. Possivel?

- Cómo? lo siento! Todavía estoy sin palabras. Es para mí?

- Tudo para você. Não gostou?

Estevan em expectativa, segurou as mãos trémulas.

- Usted hizo un plato de la cocina española!

Gaspacho é uma sopa fria à base de vegetais hortícolas, com destaque para o tomate, o pepino e o pimento, muito popular no sul de Espanha.

- Eu não sei se ficou bom. Para falar a verdade, sou uma verdadeira tragedia na cozinha. Dei uma pesquisada na internet para não fazer feio e espero não ter te decepcionado.

- disculparse? después de una maravillosa sorpresa? No lo creo! y luego darle las gracias por su sinceridad. Eso me fascinó aún más.

- Que bom. Fico mais aliviado.

Um pouco mais relaxada , a espanholinha sorria.

- Pero todavía no pude comprender la razón. Se podría explicar a mí?

- Claro. Não sei se já percebeu. Mas ainda não teve uma recepção digna. Você merece um momento aconchegante, descontraido… merece isso e muito mais. E por tudo o que passou… isso é para que você se esqueça tudo o que ficou lá tras. Quero que se sinta bem, acolhida, protegida. Segura. Quero que se sinta realmente em casa. Na sua casa. Essas são as minhas boas vindas.

- Gracias desde mi corazón. Me ha encantado. Todo. Realmente me siento en casa.

- Que bom. Vamos comer?

- Si!

Eles riram. Estevan , se sentindo muito confiante , se inclinou um pouco de sua cadeira para beijar o pescoço de Soledad. Ele pôde sentir todos os músculos da jovem se retesarem. Sentiu também, a moça arrepiada.

O perfume dela era o mais inebriante que ele já sentirá em toda a sua vida. A respiração alterada da ex nora denotava desejo. Por isso ele procurou se demorar em seu gesto, tornando assim o contato longo e muito quente. Quando Estevan finalmente se afastou para Servi-la, Soledad conteve um suspiro de alivio. Se sentía a pior das mulheres por estar se apaixonanda pelo pai de seu ex namorado.

Durante o jantar ela evitou pensar muito no assunto. Não quería que nada estragasse aquele momento maravilhoso e seria muito chato Estevan pensar que ela estava desconfortável por algum motivo.

Surpreendendo-a , Estevan ligou o som. O set list todo composto por música latina. Tudo o que tinha de mais romántico. Feito mesmo para ouvir a dois. Ela sorria admirada.

- Será que me daría o prazer dessa dança?

Emocionada, Soledad apenas disse que sim com um aceno de cabeça. Deixou que o sedutor a conduzisse ao envolvente som da melodía. Seus corpos se moldavam. O de Soledad , cada vez mais entregue ao calor do de Estevan. Sem que percebesse gemeu , Foi aí que o pai de Luis se aproveitou para capturar seus lábios nos dele que estavam sedentos em provar o sabor que tinha o beijo da espanholinha , a moça passou a lutar bravamente , tentando se soltar de seus braços, mesmo que em vão. Ela não se importava. Faria de tudo para resistir. Seu coração pedia para que soledad não cedesse. Parecendo não ter mais controle sobre as proprias emoções , o apaixonado então pediu:

- Soledad olha nos meus olhos. Agora eu quero que diga não.

- Por qué todo esto?

- Vamos!

Ele insistia.

- Señor!

- Diga eu não quero e eu te deixo em paz soledad.

- No, no puedo.

Declarou entre lágrimas e se entregou ao beijo. A partir daquele momento soube que não poderia ser mais a mesma. Estava declarando tudo o que sentía por ele e Estevan poderia fazer o que quisesse com os seus sentimentos. Sem restrições, ela se dava naquele gesto. Correspondia ás mordidas leves e o instigava a explorar mais do que tinha a oferecer , do que ele quería, do que ambos queriam. Até que ele se afastou abruptamente.

- Soledad, Foi um engano. Nós não poderiamos ter feito isso.

- error? qué estás hablando?

Soledad questionou decepcionada.

- Ouça , eu… sou um velho! Tenho 58 anos e estou beijando uma menina de vinte e sete!

- Estevan por favor, te lo suplico! no hables de edad. no es impedimento para que dos personas se aman.

- Amor? Quem está falando de amor?

Foi com essas palavras que ele conseguiu afastá-la novamente. Se sentindo como um carrasco, Estevan viu a espanholinha sentando-se desolada no enorme e macio sofá , com as mãos no colo . De cabeça baixa. Quando ela se permitiu levantá-la, ele pôde perceber que o rosto delicado passava de afogueado a pálido e gelado como um mármore.

Sem se desculpar , mesmo sabendo que se arrependeria mais tarde , atormentado ele saiu e deixou-a sozinha em casa.

O dia seguinte foi tenso. Muito tenso.

- Señor, el café se enfría.

Ela informou ao dono da casa apenas por obrigação.

- Senhor? De novo?

- Sí. Por qué no?

- Ouça, eu quero o seu perdão.

- Hasta cuándo? De qué sirven las excusas?

- Ontem a noite eu não me expressei bem.

- no se preocupe, porque para mí todo lo que dijo fue muy claro.

- Está enganada.

- no quiere hablar de ello.

Soledad se recusou a continuar tocando no assunto.

- Tudo bem. Será que posso saber o que vai fazer mais tarde?

- permanecer en casa como de costumbre.

- Não. Não. Vai sair comigo.Quero te apresentar uns amigos.

- No sé si es una buena idea.

- Tem razão. A ideia não é boa. Ela é excelente. Que horas você acha que está pronta?

- De repente, a las nueve.

- Perfeito.

- Ahora tome su café, antes de que sea frío.

Depois do café não se viram mais. Sem disposição para cozinhar somente para si, a espanholinha então se valeu de todos os seus esforços para pedir que lhe entregassem um lanche em casa, pois o que se lembrava da lingua portuguesa, ela tinha dúvidas quanto sua correta pronuncia. E os brasileiros pouco entendiam da lingua empañica , por mais que elas se assemelhassem. No final acabou dando certo. O seu almoço entregue em casa consistía em um big sanduiche e refrigerantes. A muito tempo Soledad não apreciava um pecado como aquele. Muito rigorosa em sua alimentação , pouco se permitia comer massas , comida não saudável. E muito se sabia o quanto aquela maravilha era altamente calórica. Por hora ela abria mão de todas aquelas preocupações , pois a final de contas não tinha tanto problema com a balança.

Soledad estava incomodada consigo mesma. Não suportava a ansiedade com a qual esperava o dono da casa.

Suspirando furtivamente , ela se sentou em frente á enorme televisão em busca de entretenimento. Eram duas horas da tarde.

Nada de Estevan aparecer. Seu medo era que ele não aparecesse a tempo de irem se encontrar com os seus amigos poise la já começava a gostar da idéia.

Três horas da tarde, ela foi á cozinha , fe zum chá verde para tomar quente e sentou-se novamente em frente á Tv. Cansada de esperar , ás cinco horas ela foi para seu quarto e se entregou ao sono. Algum tempo depois ela despertou assustada com o ex noivo sentado ao seu lado na cama, deslizando as mãos geladas por sua perna. Mãos que ela empurrou com força excesiva. Perigoso, Luiz riu. Ela foi logo perguntando:

- Qué crees que estás haciendo aquí?

- Ora , que pregunta é essa? Se esqueceu? eu moro aquí.

- Usted sabe muy bien que eso no era lo que quería decir.

Seu gesto de acariciar os cabelos da espanholinha foi brutalmente repelido.

- Com medo de mim princesa? Não precisa! Eu não vou te atacar. Meu pai é quem está louco para pegar você.

- Su padre no se siente nada por mí. Estoy seguro. es veneno! no se puede perdonar lo que hizo en el pasado.

- E por que você acha que o velho armou para nos separar? Ele tentou de tudo. A ultima cartada dele foi infalivel. E eu achei que os dois eram iguais princesa. Não sabia que tinha rasgado aquele cheque.

- Luis, lo que estás diciendo para mí no tiene ningún sentimiento. ¿Quieres por favor salir de esta habitación?

- Desculpe. Tenho um recado.

- Un mensaje? Para mí?

- Meu pai pediu para que eu te dissesse que ocorreu um imprevisto. Ele vai se atrasar , mas não se preocupe. O compromisso de vocês está de pé. Ele já ligou para os amigos e disse que se você não se importa , vão ás dez.

- Diez?

- Sim , mas ele disse que se houver algum inconveniente , não tem problema , ele desmarca.

- Sin inconvenientes.

- Ah! Já ia me esquecendo. Ele pediu para que eu te entregasse isso.

Ansiosa e curiosa ela abriu o pacote decorado, tomando todo o cuidado para não desmanchar o lindo laço dourado.

- un vestido.

- Ele quer que você use essa noite.

- Dios mío! lo hermoso que es!

- Não mais do que você.

O comentário sedutor foi demais para a espanhola. A gota que faltava derramar. Com muita raiva ela o puxou pelo braço e o colocou para fora de seu quarto , mas quando ia fechar a porta, o dono da casa a Deteu. Ela não pôde ir contra a força masculina.

- Luís, Fuera! ahora! Yo sé que la casa es suya, pero la habitación es ahora mío, y yo quiero estar solo.

- Já entendi meu anjo! Só fiz para te ver irritada. Porque você , bravinha é ainda mais deliciosa , não dá para resistir.

- Cállate! usted no sabe lo que es tener respeto por una dama?

- Meu Deus! Como está nervosa hoje hein!

- Ustedes vinieron aquí y dieron su mensaje, entonces está bien, pero le agradezco a usted puede ir. Incluso más.

- Até mais bebê.

Luis , mais rápido que todos os reflexos da frágil soledad , lhe deu um selinho e finalmente sumiu. Surpresa, sem que pudesse evitar , ela sorriu.

Soledad resolveu sair para aliviar um pouco da tensão , aproveitou para conhecer um pouco do condomínio. E soube que seus días ali seriam de pura solidão. Não encontrara a menor recepção dos moradores , com exceção de um simpático velhinho ao qual se apresentou como uma simples hóspede de Estevan. Qual não foi a surpresa ao saber que além dele ser dono da cobertura que era digna de cinema, ele era também o dono do condomínio de luxo que em seu exterior mais se parecia com um resort. Ela estava impressionada. Não dava para calcular a fortuna que ele acumulara nesses oito anos, mas estevan era um milionário. Então ela pensou no cheque que recebeu. E se sentiu mal. Muito mal.

Eram nove e meia quando ele chegou. Com o ar cansado e paletó jogado nos ombros.

- Boa noite.

- buenas noches.

Devolveu ela distante.

- Que tal foi seu dia?

- Ralentí.

Ela respondeu que ocioso.

Sem resistir estevan aproximou-se mais e passou a roçar seus labios nos dela , docemente. Quando seus braços circundaram a cintura feminina, ela tentou se afastar , mas ele não deixou.

- Espera!

- qué es?

Soledad já não olhava em seus olhos , ele continuava fazendo carinho, sua boca brincava com a orelha e deslizava pelo pescoço, Estevan procurava um meio de beijar os lábios sensuais , tão doces. Esses que ele ainda esperava ouvir dizer que o amava.

- Sempre fugindo!

Sussurrou .

- No estoy huyendo de ti. Sólo estoy yo advierto.

A espanholinha o corrigiu dizendo que não fugia. Apenas se prevenia.

- Certo. E você está pronta para a nossa reunião? Vou tomar um banho e me arrumo em minutos.

- Yo también. No vas a llegar tarde.

- E o vestido , ficou bem em você?

- Precioso! Sólo quería llevar algo más informal. Es una parte muy glamoroso para una reunión con amigos.

- Tem razão, mas gostaria de te ver usando-o em outra ocasião. Será que teria essa oportunidade?

- Si. Por que no?

Algumas horas depois…

A festa transcorria em clima descontraído , mas Soledad se sentia como um peixe fora d’agua , apesar de estar sendo muito bem tratada por todos.

- Estou tão feliz de te conhecer! Você é encantadora. Puxou a seu pai. Eu , ele e Estevan sempre fomos muito amigos. Fiquei arrasada quando soube que Damião se foi.

- Realmente ES un shock. Parece que todavía está vivo entre nosotros, tan fuerte su memoria. Sólo estoy seguro de mi amor por él para siempre.

- Te entendo e tenho certeza de que seu pai está muito satisfeito com Estevan. Ele fez a coisa certa.

- De qué estás hablando?

Quando o mesmo se aproximou ela completou:

- Não poderia estar em melhores mãos. Estevan , agora eu vou te devolver a sua menina antes que me esgane.

Ela os deixou a sós.

- E aí? O que achou de Gleice?

- ella habla demasiado!

Declarou soledad, divertida.

- Eles estão encantados com você.

- Bien!

- Não mais do que eu meu anjo.

- Está a punto de comenzar?

Perguntou irritada.

- Sim. Vou começar e vou continuar até você entender que me deixa louco. Completamente louco! Me beija.

Soledad não resistiu. Mais uma vez se entregaram ao desejo. O qual Estevan sabia explorar muito bem. Soledad não podía evitar gemidos de angustia e muito prazer e a um dado momento, Deixou que as lagrimas escorressem livres pelo seu rosto.

- No! Por favor, Estevan! No quiero más.

- Quer! Eu sei que quer e dessa vez você não vai fugir.

- No!

- Sim meu amor! Eu também digo sim! Dios mío! todo lo que quieras! espanholinha de mi corazón!

Ele declarava em espanhol tentando diminuir a resistência da moça.

- no se oye lo que te dije? parece una loucura!

- Ouvi e ouvi muito bem, mas eu não acredito em você.

- Esteban, no estoy disponible para jugar. Yo no soy un adolescentezinha mucho menos a un joven que engaña al primer beso.

- Eu nunca brincaría com você.

- lo que quiere de mí?

A tensão estava prestes a explodir entre ambos.

- Por hora, apenas que você relaxe. Vem , vamos pegar alguma coisa para você comer.

- No. no. no quiero.

- Por favor! Meus amigos vão pensar que você está fazendo desfeita.

- Sus amigos ...

- O que tem eles?

- No quiero que piensen que somos amantes.

- Que mal teria? Todos já sabem que eu estou completamenta apaixonado por você.

- lo que dijo?

- Disse que estou apaixonado por você.

Ela resolveu se calar e aproveitar o restante da noite que tinha tudo para ser uma delicia. A reunião que a principio seria feita em um clube , foi transferida para a casa de um amigo de estevan. O ex sogro a levou para o terraço . Queria ficar a sós com ela , que não gostava nada da idéia.

- Que se deleita el viento, el olor de la noche... Me encanta! tanto tiempo que no disfrutan de una maravillosa noche, las estrellas, el brillo de la luna ... Me parece que es fascinante. Me alegro de que me trajo aquí.

Filosofava a espanhola.

- Saudades da Espanha Soledad?

- No entendí lo que dijo Estevan.

- Le pregunté si eres nostalgia de España.

- No No se. Estoy muy confundido.

- Você deixou algum coração partido por aquelas bandas?

- No. No deje que nadie allí.

- Te confesso que eu pensei que não te veria nunca mais. Sabia?

- Yo digo lo mismo.

- Soledad.

- Si?

- Deixe que eu te toque.

Pediu rouco , apaixonado , aproximando-se com intimidade.

- Parece que hemos hablado. no te acuerdas?

Todos os protestos da espanholinha eram calados por beijos sensuais, carinhosos , que faziam percorrer fogo nas veias ao invés de sangue e a derretiam com o seu calor. Zonza , ela se apoiou a ele e mesmo um pouco reticente , passou a corresponder.

- Se lembra de quando eu disse que eu quería a namorada do meu filho? Á oito nos atrás?

- No estoy seguro.

A voz dele soava estranha em seus ouvidos. Agora ela se lembrava , e com o choque , Soledad passou a tremer inteira.

- Deus do céu Soledad! Como te quero!

- Estevan…

Quando as mãos enormes e ousadas que exploravam seu corpo , se deteram em seus seios e passaram a fazer caricias em movimentos peritos ela se afastou.

- Não. Não vai fugir de novo.

- Yo…

A espanholinha murmurava confusa.

- Chega de lutar . Dê essa chance a nós. A você mesma.

- Qué estás haciendo?

- Estou fazendo apenas o que manda meu coração. Ele está pedindo para que eu não desista de você. Vem comigo.

Ele já a puxava pela mão.

- Yo no voy a ninguna parte en la que desea que me llevara. Me voy ahora.

- Não. Você não vai. Soledad…Me ouça, você está se comportando como uma adolescente insegura!

- Está bien, pero sólo para que pueda ver que no te tengo miedo. No quiero seguir haciendo todos sus deseos.

- Basta que me realize apenas um.

- qué estás hablando?

- Tenho certeza de que você sabe.

Sem perder mais um minuto e querendo mais privacidade, Estevan buscou um caminho alternativo para leva-los até a suite dos anfitrioes. Qual não foi a surpresa da espanhola ao se encontrar trancada em um quarto estranho com o seu ex sogro cheio de más intenções. Por tanto ela foi logo susurrando:

- haga el favor de explicarme qué estamos haciendo aquí?

- Claro. Explico.

- entonces lo haremos. Estoy esperando.

- É aquí que eu quero Fazer amor com você.

Ela riu nervosa. Em choque.

- cómo? qué decir?

- Exatamente o que ouviu.

Sem que Soledad Tivesse tempo para protestar, se viu jogada na ampla cama de casal , com seu corpo já semi –nu sendo acariciado pela colcha de cetim.

- Estevan, esto no es una broma. Sácame de aquí.

Exigiu com o coração batendo na garganta , que ele a tirasse de lá.

- Não me lembro ter falado em brincadeira.

- No me gusta! Y entonces no estamos en nuestra casa. Así que cres que voy a relacionarse sexualmente con un hombre que no es mi novio, y la casa de los extraños? nunca. Yo no soy capaz!

- Soledad. Não há quem dê importancia a esses seus conceitos no século em que estamos.

- No importa. Son mis conceptos. Y no voy a abandonarlos. Mi padre era el dios.

Ela disse que não importava. Ela não abandonaría seus conceitos , Era o seu pai que os havia dado. A menção ao amigo morto foi como um balde de aguá fría no animo de no desejo de estevan que sentou-se ao lado dela na cama , abraçando-a carinhosamente e fazendo carinho em seus cabelos. Ele pediu perdão.

Assim , conseguiu seu intento. Depois de uma Calliente noite de amor , Estevan sussurrou na madrugada , no ouvido da amada.

- Eu te amo Soledad.

A espanholinha chorou copiosamente em completo silencio até adormecer.

Na manhã seguinte , ambos não conseguiam se encarar. O fizeram somente na hora em que a espanhola depositou no solo as malas pesadas que trouxera com todos os seus pertences da casa do pai.

Luis observava tudo em silêncio com um ar de ironia. Se deleitava com tudo aquilo.

- Estevan….

Soledad começou a se pronunciar.

- Soledad. O que significa isso?

- Voy a volver a España.

- Não pode estar falando sério.

- Lo digo en serio. No me veo en condiciones emocional de continuar su lado, para continuar en ese apartamento. No quiero nada de eso para mí. Adiós.

- Você não pode ir para tão longe Soledad.

- Usted no tiene el más mínimo derecho a pedirme que después de todo lo que pasó en la casa de sus amigos. Sí, me voy a España. Mi verdadero hogar.

E saiu batendo a porta. Estevan nada mais poderia fazer a não ser balançar a cabeça. Desconsolado.

- O que foi que aconteceu na casa dos seus amigos?

- Eu seduzi a espanholinha. Levei soledad para cama e contra a sua vontade.

- Ela não quería? Conta outra! A chica estava louquinha para cair nos seus braços que eu sei.

- Cala essa boca. Mais respeito com a soledad.

- Foi mal velho mas eu não falei nada para ofender a sua amada espanholinha.

- O pior você não sabe.

- Pelo jeito , parece que pisou feio na bola.

- Sou um velho canalha.

- Chega de Drama e conta logo para o filhao aquí , o que o lobo sedutor aprontou para a nossa bela chica.

- Soledad era virgem.

- Como?

- Eu a desvirginei. Destrui todos os sonhos que ela tinha em ter sua primeira noite de amor ao lado do homem ideal. Ao lado do homem que por ventura ela viesse a escolher para dividir todos os días de sua vida. Que no caso não sou eu.

- Caraca!

- Por que você não me contou? Eu pensei que você e Soledad…

- E deu tempo? Você foi esperto o suficiente para tirar a espanholinha de mim, antes que isso acontecesse. Não tenho culpa. E depois, pensei que algum esperto por aí , tivesse tido essa sorte há muitos séculos. Quando poderia imaginar?

- Não quero mais falar sobre isso.

- Tudo bem velho. Vou te deixar sozinho para curtir a dor de ver a sua espanholinha partir. Pena que ela foi embora. Agora que eu estava pensando em dar uns pegas naquela gostosa!

- Mais Respeito moleque!

Incapaz de conter a ira , Estevan lançou sobre o filho varios objetos que decoravam a luxuosissima sala. Muitos deles cortantes e ou ponteagudos. Luis usou de muita agilidade para se desviar de todos eles. E em instantes o milionario se encontrava sozinho na residencia.

O Coroa se arrastava pelos días , amargo , inconformado com a volta de soledad para a espanha. Sentia-se como um incompetente. Um completo idiota.

Foi tomado por esses sentimentos que de repente ele se viu ao lado do túmulo de seu melhor amigo.

- Parceirão. Estou aquí para te pedir perdão. Vim para te contar a minha decepção comigo mesmo. Falhei Damião. Não pude proteger sua espanholinha. Magoei tudo o de mais importante que você teve na vida. Por isso Soledad voltou para a espanha. Me perdoa. Ela se foi.

Surpreso Ouviu uma voz atrás de si.

- Fui. Pero no para siempre.

Ele se virou.

- Soledad!  

Não havia mais espaço para palavras. Apenas se abraçaram por um bom tempo.

- Estevan!

- Soledad! Por que fez isso com a gente?

- no todo está perdido. Estevan, no debería haber dejado su casa de esa manera. Si fuera por miedo. El miedo a sufrir porque Te amo demasiado. Porque sabes que el amor estaba condenado siempre.

- Condenado? Para mim o nosso amor nunca foi condenado. Mas afinal! Quando você voltou?

- En realidad ... No podía embarcar. Sabía que sus recuerdos no me dejaba dormir en paz, nunca podría disfrutar de mi amor por España con usted lejos de mí. Con usted en mi cabeza las 24 horas del día.

- Também não parei de pensar em você meu amor!

- Si usted cree que me puede dar una oportunidad y olvidar todo lo que pasó entre nosotros hasta ahora ... Estoy dispuesto a intentarlo. Quiero quedarme contigo.

Soledad disse que se ele acreditasse poder lhe dar uma oportunidade , se ele pudesse esquecer tudo o que se passou entre ambos até aquele momento , ela estava disposta a tentar. Queria ficar com ele.

- Também quero ficar contigo espanholinha. É tudo que mais quero. Não tenha medo meu amor. Daqui para a frente vamos viver uma nova história. Vou exorcisar todos os fantasmas que eu sei , ainda estão em sua cabeça.

- Quiero olvidarlos. Ya es hora!

Ela disse que quería esquecê-los. Já tinha passado da hora.

- Só peço que confie em mim. E deixe eu te amar. Vou te fazer a mulher mais feliz do mundo.

- Estoy seguro mi amor! Y nuestra familia será hermoso!

- E que tal foi a nossa noite?

- Maravilloso!  

Juntos novamente eles se aproximaram do túmulo de Damião.

- Sua Filha está aquí amigão. Ela voltou!

A espanholinha beijava seu ex sogro, apaixonada.

- Y cuántos nietos que desea darle a mi papá?

- Muitos! Que tal Dez?

- Estás loco? Por supuesto que no!

- Quantos filhos você quer meu amor?

- Tres. Dos niñas que seamos amigos. Y un niño que se parece a ti.

Ela quería duas meninas para serem amigas e um menino que se parecesse com ele.

Tenía todo lo que ve a la derecha. Esta historia de amor comenzó de nuevo la esperanza, renovados por los experimentos, enriquecidos por el sufrimiento, vieron un hermoso futuro por delante.

Abrazados, caminó hacia el futuro. Hacia la felicidad, el amor.

Final

(tradução do final)

Tinha tudo para dar certo. Aquela história de amor recomeçava cheia de esperanças , renovada pelas experiencias, fortificada pelo sofrimento, viam um lindo futuro pela frente.

Abraçados , caminhavam rumo ao futuro. Rumo á felicidade , Rumo ao amor.

Pin It
Atualizado em: Qui 1 Nov 2012

Comentários  

#8 PauloJose 15-03-2013 09:58
muito bom!
parabéns.
abraços.
#7 wicos 04-12-2012 15:56
valeu lau big niece googd wicos
#6 Arnoldo 16-11-2012 15:20
Um conto tão lindo que emociona, a esperança e o amor juntos caminham pra felicidade.Parabéns.
#5 Gilvan 11-11-2012 18:44
Hermoso, hermana Laura. Estava com saudade de ler voce. Obrigado.
#4 nereide 09-11-2012 10:48
BELO CONTO LAURA, O SEU ESPANHOL ESTÁ ÓTIMO, PARABÉNS. ABRAÇO
#3 katiadom 04-11-2012 17:54
Parabéns pelo seu conto, eu não consigo escrever assim. Um grande abraço.
#2 Mitya2 03-11-2012 17:46
Parabéns, você é uma escritora notável!
Você já tem livro editado? Se não deveria faze-lo imediatamente.
Abraços.
#1 Marlende 02-11-2012 10:16
Uaaallll!!! Excelente romance Escritora, narrativa envolvente numa trama muito bem elaborada que prende o leitor até o fim, num desfecho final alegre e feliz como a maioria das pessoas esperam de um romance com final feliz...Paaarabéns, Aplausos !

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222