person_outline



search

RUA DO BISPO

Quando criança, costumava jogar futebol a 50 m de casa, em um terreno baldio, no bairro do Paraíso em São Paulo. Ficava numa rua simpática e pouco movimentada que começava onde os bondes faziam um balão no início da Av. Paulista e terminava próximo a um campo de futebol de várzea por onde viria a passar a Av. 23 de Maio. Chamava-se Rua do Bispo. Não sei de onde surgiu esse pitoresco nome nem me importava saber, voltado que estava para questões mais importantes, como brincar e ser feliz.
Muitas ruas carregavam normalmente nomes singelos, imbuídos da simplicidade coloquial daqueles tempos inocentes. Uma ou outra recebia um nome de algum personagem histórico. Mesmo nesses casos, a população tratava de adotar, a seu modo, uma simplificação de modo a adaptar o título à sua proverbial e pragmática conveniência minimalista, dispensando-se de memorizar nomes desnecessariamente extensos. A Av. Brigadeiro Luís Antonio virou Brigadeiro, a Rua Teodoro Sampaio virou Teodoro, a Praça Ramos de Azevedo virou Praça Ramos etc.
Moleques peraltas, não nos incomodávamos de jogar bola em campos improvisados sobre paralelepípedos desencontrados, nos tempos em que o leito irregular de uma rua era o bastante para que fosse transformada em arena futebolística. Os minguados automóveis passavam numa frequência inimaginável para os padrões atuais, ao que conferíamos ao solitário usuário da via, reverenciosa deferência, interrompendo respeitosamente o jogo até o proprietário do veículo importado acabar de desfilar sua altivez motorizada.
Aquela região concentrava igrejas importantes e suntuosas, como a N. Sra. do Paraíso (árabe melquita), a Ortodoxa e a Sta. Generosa, sem contar o colégio religioso Maria Imaculada. Nada mais natural que denominar aquela rua, que ladeava o circuito episcopal, de Rua do Bispo.
Todo o fim de semana reuníamo-nos ‘religiosamente’ na Rua do Bispo, para jogar uma nada pecaminosa ‘pelada’. Simpática rua. Lembra-me travessuras, traquinices e bem aventuradas diabruras.
Vivíamos no paraíso, até revogarem o nome da Rua do Bispo. Fosse ‘Rua Bispo Fulano de Tal’ ninguém certamente mexeria no santo nome. Não era o caso daquele nome simplório, adquirido possivelmente em função de, em tempos imemoriais, ali haver residido um homem de Deus, quem sabe um santo benfeitor. Esse detalhe histórico foi naturalmente atropelado. Não fosse assim, o incógnito clérigo não teria sido importunado.
O fato é que, à revelia da santa madre igreja, a rua do bispo (com minúscula mesmo já que o santo não era forte) passou a ostentar o pomposo nome, que conserva até hoje: Rua Desembargador Eliseu Guilherme.
As placas afixadas nos muros das casas, que outrora exibiam aquele prosaico letreiro de apenas 5 caracteres, passaram a estampar a nova denominação, onde dezenas de letras se atracavam para não ficar de fora daquele nome que ninguém conseguia decorar. Os encontros futebolísticos, agendados para a rua do bispo, passaram a ser marcados ‘para a esquina’.
Sendo, por natureza, um perseverante crédulo na boa índole da raça humana, faço força para acreditar que houvera sido o desembargador um homem honrado, de caráter ilibado, que desembargava com incansável precisão e justiça salomônica as demandas que tinha a incumbência de, por dever de ofício, apreciar.
Pode ser que esteja empenhado nesta insana cruzada para recuperar o título sagrado do pontífice anônimo, cometendo irreparável injustiça com o Dr. Guilherme. É possível que fosse alguém de bem, alheio às injunções espúrias que se fizeram em seu emplacado nome. A verdade é que lhe criei certa antipatia, talvez improcedente, pelo fato de ter usurpado o nome original daquela rua tão marcante de minha infância. O homem...nageado que, há décadas deixou o reino dos viventes e dos políticos, deve estar se remoendo no caixão por ser tratado de maneira tão vil e descortês por esse escriba fariseu mal informado. Preferiria talvez ter o desembargador esse assunto desembargado de polêmica. O fato é que o seu nome ficou fincado na Rua do Bispo, como eu, insubordinadamente, continuo-a a chamar, indiferente aos olhares perplexos dos atuais moradores, desinformados das peculiaridades históricas daquele logradouro.
O tempo passou, o leviatã urbano irrompeu, rendeu os paralelepípedos irregulares, os bondes, os campos de várzea e os prelados anônimos, o Paraíso virou inferno.
Mas continuo a lembrar-me da Rua do Bispo com saudade...
Pin It
Atualizado em: Sáb 4 Jan 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222