person_outline



search

Amigo

As palavras não saiam da boca. Enquanto os lábios estremeciam simultaneamente variando com repuxamentos sob as laterais da fase, criando rugas próximas aos olhares, destacando de vez a angústia da qual haveria ele de sentir.
Talvez fosse o fluxo das pessoas aglomeradas por volta da urna, de onde estivera o amigo. Amigo que até nas últimas horas estiveram juntos, curtindo o som alto, acompanhado de bebidas ao trajeto da última curtição de suas amizades. Fruto conquistado em tempo de colégio.
Mas o fim chegou! Chegou sem avisar! Avisar de algo que era pra ser mais uma noite de folia.
Com certeza de tudo o que juntos passaram, naquele instante, fluía a sua memória. Afinal, desde ao momento em que chegou ao velório não se apartou da urna. Talvez fosse aquilo o único consolo da qual pudesse tranqüilizá-lo da perda do grande amigo.
As palavras não saiam da boca. Mas só por quem visse a angústia destacada ao seu semblante, descobrira o rio de lágrimas que mareava seu coração.
Pela cidade ser pequena, o cortejo era o único caminho da qual levaria qualquer finado a suas novas moradas. O amigo órfão procura ser forte, ousando encontrar em si forças sob a uma das alças da urna se apoiar, sepultando o finado. Atitude em vão. Pois a perda do grande amigo fora mais forte, deixando-o ao chão. O cortejo deve que prosseguir. A necessidade de encarar a realidade ele teve que engolir. Enfim, a morte chega apenas para levar e nunca para avisar.
Pin It
Atualizado em: Sex 10 Ago 2018
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222