person_outline



search

Tensão ( Parte do texto gentilmente cedida por Cerson)

A manhã prometia uma tarde ensolarada, tranqüila. Marcinho saíra para o trabalho sentindo uma dorzinha incômoda no peito – suportável –, nada que ensejasse preocupação. Podia ser gases. Na noite anterior, na casa de um amigo de trabalho, comeu feijoada, acompanhada de algumas cervejas. Habitualmente, escolhiam entre os colegas, às quintas-feiras, a casa de um para um caldo de feijão, mandioca ou churrasco e, em contrapartida – ou simples desculpa – a cerveja. Contudo, optaram pela feijoada, em razão provavelmente do intenso frio. Foi um encontro maravilhoso: riram, comeram, beberam, fartaram-se de prazeres. Chegando ao trabalho, Marcinho marcou a entrada em seu cartão de ponto e foi para a sua sala iniciar o dia. Embora sentindo dores, desempenhou as tarefas até o horário do almoço. Por precaução, dirigiu-se a chefia imediata e relatou o fato.
- Creio Marcinho, tratar-se de gases realmente. Haja vista que o feijão causa muitos gases às pessoas. Mas, sou bacharel em Ciências Contábeis, de medicina entendo patavina. O melhor é você consultar a um médico. Disse o chefe com ponderação.
- Sim – disse Marcinho– eu irei. Não vou nem almoçar.
Marcinho chegou ao Posto de Saúde mais próximo e foi direto à atendente, detalhando o que estava sentindo.
- O senhor pode aguardar que o médico irá atendê-lo, depois desses pacientes. Afirmou a atendente, esticando o indicador em direção aos pacientes – dez mais ou menos.
- Vou aguardar obrigado! Marcinho exclamou com certo desânimo – pressentia algo mais grave; mas estava no lugar certo.
O médico, um homem alto, branco, sobrancelhas grossas, óculos na ponta do nariz; de quando em vez aparecia na porta chamando um paciente, com certa rispidez. Demonstrava indisposição para o trabalho, desmazelado na investigação das doenças, notoriamente. Cinco minutos eram suficientes para cada paciente. Em parte, aquela prática para Marcinho seria boa, pois chegaria a sua vez mais rápida.
Enfim chega a vez de Marcinho. Na porta, o médico olhou-o, em silêncio, entrou e assentou:
- Bom tarde senhor Marcinho! O que está sentindo?

- Bem doutor estou sentindo uma dor no peito há algumas horas, creio ser gases devido a "comilança" de ontem, o médico não lhe respondeu nada, mesmo cansado o examinou, de  imediato chamou a enfermeira ordenando que preparasse a mesa cirúrgica, pois o caso necessitava de uma cirurgia de ponte de safena no coração; devido a corrente sanguínea não está funcionando corretamente, podendo acarretar um infarto, mesmo sem condições físicas de realizar o procedimento doutor Antonio lemos realizou, levando quatro horas, logo após o termino cirúrgico Mario foi levado para sala de recuperação, quinze minutos depois ocorre um sangramento interno muito intenso e leva Marcinho a óbito.

A família de Marcio entra na justiça contra o senhor Lemos e o denuncia ao CRM, embora que passado dois anos nada ainda foi comprovado e o caro senhor Antonio prevalece atuando na área de medicina, se ele é o culpado ou não, só o seu consciente para lhe denunciar.

Pin It
Atualizado em: Seg 21 Jun 2010

Comentários  

#9 PauloJose 29-10-2011 21:13
UMA LINDA MENSAGEM PARABÉNS!!!
#8 Pamaro 28-09-2010 17:53
O conto relata caso que não é incomum, mostrando uma realidade revoltante: a falta de preparo. Se eu fosse o autor terminaria com a condenação do médico, não sem antes, naturalmente,dizer que se obteve prova convincente de sua imperícia. Parabéns à dupla.
#7 tania_martins 06-07-2010 12:08
Gostei.Abraços.
#6 Cilas_Medi 26-06-2010 09:02
É só mais "um" na contagem de milhões entre nós. Não o preocupa, com certeza. Provavelmente outros estarão na mesma condição e ele irá continuar não fazendo. Ou fazendo errado. É uma profissão difícil e, talvez, o famigerado "plantão" seja exagerado. Aliás, até hoje eu me pergunto porque desse "plantão" de, às vezes, vinte e quatro horas. O que isso quer dizer ou "provar" realmente. Motivo de uma crônica. Que fale a futura profissional. Abraços. Estrelado! Parabéns!
#5 seth 23-06-2010 19:35
Medicina é,ou deveria ser,vista com mais seriedade,hoje o "Juramento de Hipócrates",está mais para um juramento de "hipócritas"...parabéns por questionar esse sistema que vem sendo cada vez mais banalizado,a vida humana está cada vez mais desvalorizada,apenas o "lucro" é que é considerado "sagrado".forte abraço.
#4 Miguel 23-06-2010 15:23
Bela mensagem....
#3 Fernando_Drexon 23-06-2010 13:53
gostei!
#2 Roberval 22-06-2010 11:47
Ótimo texto querida muito bom mesmo adorei, cinco estrelas pra vc.
#1 Cerson 19-06-2010 23:19
Parabéns, Lindinha! - Você deu ênfase ao texto e ainda colocou um ótima dose de humor. Contudo, demonstrou claramente que "aquele" juramnento na colação de grau é apenas fornal. Que pena! O respeito e carinho ao ser humano são incondicionais... Adorei, parabéns, abraços.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222