person_outline



search

Pescador de sonhos

Sentei-me à beira do rio e comecei a arrumar meus apetrechos: vara, anzol, linha, bóia, chumbada, molinete, suporte e isca. Tudo pronto para pescar o que mais eu desejava na vida, um sonho. Sim, alguém me disse que naquele rio eu seria o pescador de sonhos. Por que não?

O primeiro sonho que peguei foi uma bolsa cheia de dólares. Quase um milhão. Aliás, a valise estava tão bem fechada que as notas ainda continuavam sequinhas.

Achei pouco, meu sonho era ainda maior. Fechei a bolsa e a devolvi às águas. Mudei a isca para fisgar outro sonho e arremessei o anzol no meio do rio. Minutos depois, a boia afundou, sinal que algo estava a beliscar a isca, lá no fundo das águas, então puxei com força. Era tanto o peso, que a vara envergou e ficou em forma da letra U. Puxei com dificuldade e veio o meu sonho: um automóvel esportivo da Ferrari, mais vermelho que papo de peru.

Admirei bastante meu sonho pescado até que percebi que ainda não era o que desejava. Joguei o carro às águas, mudei novamente a isca e arremessei mais forte, de modo a ultrapassar a metade do rio. Quando fisgado, o peixe se mostrou ser o mais pesado até então. Puxei o bicho, um avião enorme e já com o tanque cheio. Não era, porém, ainda o meu sonho.

No arremesso seguinte, trouxe sem dificuldade uma tilápia de mais ou menos um quilo. Tirei o peixinho do anzol e o devolvi às águas. Ele afundou feliz e liberto.

Já cansado e com fome, pois beira de rio sempre atiçou meu apetite, fui embora. Se eu tiver outro sonho, pescá-lo-ei amanhã.

Pin It
Atualizado em: Qua 7 Out 2009

Comentários  

#1 GeraldoJCostaJr 21-10-2009 11:02
Aprecio seu jeito bem humorado de escrever crônicas.
É sempre uma agradável leitura.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222