person_outline



search

O PORCO

Eu trabalhei muitos anos ligado a policia. Por conseqüência, trago ainda na memória muitas histórias.
A policia era truculenta?...sim, mas creio que aquela época, não havia tanta violência gratuita, afora claro, a famigerada perseguição política, que não se justifica em tempo algum.
Lembro-me que até corria uma piada nos meios, dizendo que quando um pelotão da brigada militar, foi aos Estados Unidos, fazer um curso de aperfeiçoamento junto a Swat, ao final, a fim de serem avaliados, competiram com o esquadrão daquela instituição.
A missão era: entrar na mata e em duas horas, localizar e retornar com um cachorro. Dado o sinal, entrou o esquadrão da Swat, e o pelotão de brigadianos.
Quinze minutos após terem entrado, retornam os PMs com um porco algemado.
O avaliador logo protesta:
-Mais isto é um porco, não é um cachorro!.
Os brigadianos sem se abalarem, puxam dos cacetetes, e baixam o cacete no porco, enquanto um capitão gritava:
-Diz aí vagabundo, quem tu é?
-Eu sou um cachorro!...eu sou um cachorro! – gritava em pânico, o porco.
Mas uma das que presenciei não esquecerei jamais.
Havia uma quadrilha especializada em arrombamentos de casas de veranistas. Eram muito ousados, certa vez, conseguiram até que o vizinho de porta da vitima, ajudasse com a “mudança” a troco de um churrasco.
Eram todos figurinhas carimbadas na DP, mas como o modus operandi diferia de tudo que a policia estava acostumada, eles deram um baile nos inspetores por alguns meses.
Até que um dia conseguiram por as mãos por acaso em dois, levados para o plantão, o chefe de investigação já chega tocando o horror:
-Seguinte gurizada, quero todos os sócios da firma. vou dar 5 minutos pra achar no arquivo, senão vou pendurar vocês até falarem Chinês.
Usando o vernáculo: ele queria os nomes de todos da quadrilha, senão os colocariam no pau-de-arara, até que eles não conseguissem mais falar, só gemer.
-Tu, o que tu faz na firma? – pergunta o inspetor para o primeiro.
-Eu não faço nada não senhor! – responde.
-E tu? – volta-se o inspetor para o segundo.
-Eu ajudo ele – diz.
-Bem, se querem assim... querem começar por onde, uma massagem a base de pinho, ou um desfolhante de 110 V? – avisa o inspetor.
-Tá bom senhor, nois fala...a firma semos: eu, ele, o Ocride, o Cráudio, o Chicré e o ermão do Chicré.
Pin It
Atualizado em: Qui 11 Dez 2008

Comentários  

#6 ajosan 20-02-2010 22:11
Muito interessante, amigo.
#5 ajosan 20-02-2010 22:11
Muito interessante, amigo.
#4 AnaKaterine 13-02-2010 13:33
rs....muito bom. Abraços!
#3 AnaKaterine 13-02-2010 13:33
rs....muito bom. Abraços!
#2 tania_martins 11-07-2009 15:37
Gostei.Abraços.
#1 tania_martins 11-07-2009 15:37
Gostei.Abraços.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222