person_outline



search

Pérolas do Enem e do Vestibular: críticas e responsabilidades

Ao longo da última década, vêm sendo publicadas em sites e divulgados por meio de e-mails, que circulam pela internet país afora, as famosas pérolas do Enem e do vestibular, muitas delas comentadas - principalmente por professores, crítica e ironicamente -, objeto e chacota, piadas, risos, por um lado, e de posições defensivas, por outro. Eu, particularmente, já me posicionei dos dois lados; entretanto, hoje gostaria de tecer aqui alguns comentários.

Em primeiro lugar, algumas respostas às questões das provas são tão absurdas que chegamos a duvidar de sua veracidade. Infelizmente, são verdadeiras. Os motivos por responderem assim, segundo discussões que ouvimos e lemos por aí, são vários, como, por exemplo, nervosismo, erro de interpretação, pressa ou mesmo desespero. Que problema há com o aluno?

Em segundo lugar, o aluno pode ser desinteressado com os estudos, ser mal preparado ou, na pior das hipóteses, ter grande dificuldade para aprender - o que podemos até descartar, porque todas as pessoas são aptas a aprender as coisas, uma vez que inteligência não se mede. Se desinteressado, por que a falta de interesse? Se mal preparado, por que essa falta de preparo?

Em terceiro lugar, os comentários feitos e divulgados por professores - talvez os próprios professores desses alunos - não deixam de depor contra a própria classe e a própria Educação da qual fazem parte. Comentários do tipo: "Esse é um jumento, mas tem coração!"; "Acabei de chegar a uma conclusão, a maioria dos erros são de português, mas os que mais sofrem as conseqüências disso são os professores de Geografia..."; "deve ter raciocinado com abundância e não com o cérebro..."; "Com certeza, se seu pai usasse camisinha, não leríamos isso!"; "Esse com certeza é cearense ou baiano."; "Se Marco Pólo tivesse viajado para a África, teria sido a peste negra, então.." (o aluno respondeu que a "febre amarela foi trazida da China por Marco Pólo." - esse comentário do professor não deixa de ser racista); denigre a imagem dos educadores, além de serem ofensivos, baixos, infelizes. Isso é tragicômico. Pode ser engraçado, mas tanto os alunos quanto os professores (e quem está no poder) estão sob o mesmo teto. A piada pode ser boa, porém sua realidade é muito triste.

Em terceiro lugar, dando continuidade aos dois anteriores, se o aluno chegou ao ensino médio para fazer prova do Enem ou prestar um vestibular, é porque passou pelo ensino fundamental, mais três anos de ensino médio, e, por conseguinte, desde a alfabetização, passou pelas mãos de vários professores e professoras, foi passando de ano em ano, reprovado em algum -dependendo do sistema de ensino local -, e deu no que deu. Aprendeu? Mérito da escola e de sua equipe. Não aprendeu? Culpa do aluno. Além disso, esse mesmo aluno, bombardeado por tantas informações disponíveis a ele em todo lugar, principalmente na péssima televisão aberta que temos e na internet, não as filtra, absorvendo, infelizmente, muito lixo que não os enriquecem em termos de conhecimento.

Por outro lado, um grande problema que temos enfrentado há várias décadas na Educação em nosso país, que contribui e muito para o caos a que chegou, é a falta de preparo da própria classe docente, desde os anos iniciais ao ensino médio, principalmente depois que surgiram tantas faculdade particulares oferecendo cursos em Licenciatura e em Pedagogia, cada um pior do que o outro. Os professores, por sua vez, raríssimas exceções, buscam formações continuadas, pesquisam, se atualizam. Culpar o sistema é muito fácil. Culpar e falar mal do sistema sem propostas é hipocrisia.
Os resultados do Ideb e do Pisa estão aí para desnudar as nossas escolas públicas, refletindo o ensino dado por nossos professores. E o que acontece, então? Os professores reclamam, a mídia desce a lenha e a sociedade permanece na inércia, acomodada, como se isso não tivesse jeito mesmo.

Por fim, gostaria de dizer que as coisas devem acontecer no chão da escola, mais precisamente na sala de aula. Portanto, os professores, coordenadores pedagógicos e diretores devem fazer acontecer, e não ficar esperando o sistema de ensino - municipal, estadual ou federal - tomar alguma providência.
Pin It
Atualizado em: Sex 21 Nov 2008

Comentários  

#4 E_Oliver 16-02-2010 23:00
Em terceiro lugar, os comentários feitos e divulgados por professores ...
Em terceiro lugar, dando continuidade aos dois anteriores,....

Professor o senhor foi brilhante na sua colocação, as pessoas são produto do meio, e os meios na formação de um jovem é a escola e ponto final.
Culpá-los não muda em nada, mas mudar a forma dos relacionamentos e ensino, sim.., cabe aos educadores em geral...
Parabéns pela coragem de se expor com tanto realismo.
Abraços Fraternos..._Oliver - SP.
#3 E_Oliver 16-02-2010 23:00
Em terceiro lugar, os comentários feitos e divulgados por professores ...
Em terceiro lugar, dando continuidade aos dois anteriores,....

Professor o senhor foi brilhante na sua colocação, as pessoas são produto do meio, e os meios na formação de um jovem é a escola e ponto final.
Culpá-los não muda em nada, mas mudar a forma dos relacionamentos e ensino, sim.., cabe aos educadores em geral...
Parabéns pela coragem de se expor com tanto realismo.
Abraços Fraternos..._Oliver - SP.
#2 Fernando Giomo 16-10-2009 18:12
Falou professor! Concordo plenamente com o senhor.
Um abraço.
#1 Fernando Giomo 16-10-2009 18:12
Falou professor! Concordo plenamente com o senhor.
Um abraço.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222