person_outline



search

ESTRANHO FUNERAL

Trajou-se toda de preto. Trancou a casa inteira. Não queria ver ninguém. Estava desolada e chorava desconsoladamente diante daquele ser que um tivera vida e que tanto a amou também.
Ficou a contemplá-lo por alguns minutos, completamente mergulhada em lembranças. Depois, cerimoniosamente, ajoelhou-se, apoiando-se no sofá, e debruçou a cabeça no braço direito, chorando. Sentiu os pingos quentes das lágrimas penetrarem o tecido fino da manga da blusa, escorrendo em sua pele.
Alguns minutos depois, enxugando os olhos com as costas da mão direita, deu por encerrado o funeral e encaminhou-se para o quintal da casa, onde ela mesma cavou a sepultura.
A noite caía.
Uma chuvinha fina banhava as folhas das plantas do jardim, tornando-as ainda mais pesadas com o vento que soprava de vez em quando.
Toda molhada e suja de lama, ela voltou para a sala, agora completamente mergulhada na escuridão. Somente o silêncio fazia companhia a ele. Olhou-o longamente. Sentiu a sua imobilidade mortal. Mais uma vez, lágrimas encharcaram os seus olhos vermelhos de tanto chorar.
Em seguida, ergueu a caixa de sapatos onde o seu estimado gatinho jazia e, contra a vontade, foi enterrá-lo.

Pin It
Atualizado em: Qua 12 Maio 2010

Comentários  

#3 Abreu 18-08-2010 01:59
Pior se fosse ao contrário...
#2 alfa0209 06-06-2010 14:15
Não é o primeiro conto sobre funeral que leio e um gato morre no final da estória. Mas foi bom. Abraço.
#1 Cilas_Medi 12-05-2010 17:59
Bem, sempre um final que não se espera. Mas foi ótima narrativa, mesmo com pouco suspense. Afinal, disse no título que seria um funeral.
Abraços.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222