person_outline



search
  • LGBTS
  • Postado em

Sofrimento, angústia e dor: "A errada opção" pela atração do mesmo sexo.

Não se trata de escolha. Quem em sã consciência iria escolher tal sofrimento? Será que alguém escolheria viver numa sociedade hetonormativa sendo homoafetivo? Angustiado pelas limitações? Privado da liberdade em amar, gostar e beijar? Sofrer por não ser aceito em casa, na rua, no trabalho, no bairro e na sociedade? Certo que, ao longo dos anos, desde 1970 em que houve a primeira "parada gay", nos Estados Unidos, o mundo todo veio a ressignificar muitos conceitos sobre a homossexualidade. Mas isso não significa que ainda hoje o preconceito não exista. Em muitos lugares se vê casais na rua demonstrando seus gestos de carinhos e afeito um com o outro, mas o preconceito ainda é gritante na voz da sociedade de modo geral. As pessoas não aceitam, mal respeitam e por vezes, toleram, engolem seco por obrigação às Leis Judiciais que hoje protege a comunidade LGBTQ+.
É libertador você poder se aceitar, viver em consciência tranquila e em harmonia consigo mesmo, sabendo que você pode viver como é e não tem absolutamente nada de errado com isso. Isso é o que leva muitos gays a 'sair do armário', não uma escolha, mas a liberdade. Por mais que seja prazeroso para alguém ficar com uma pessoas do mesmo sexo, ninguém escolheria isso simplesmente pelo prazer, diante dos contras que há: o preconceito, o ódio, a intolerância, a violência e tantas outras coisas... quem iria escolher gostar da pessoa do mesmo sexo sabendo que pode ser espacado até a morte por isso? Quem?!
Há pessoas que escolhem gostar do mesmo sexo. Mas a grande maioria na comunidade LGBTQ+ claramente não escolheu. Não foi uma escolha. Sexualidade não é uma escolha. Não foi dado opções para essas pessoas. Assim, é natural. A atração sentida por pessoas do mesmo sexo é natural. É um processo natural incompreendido para aqueles que são preconceituosos e intolerantes, mas a paixão que um gay sente pela pessoas do seu mesmo sexo é a mesma que ocorre numa pessoa hétero. O amor de um casal gay é o mesmo amor que há no casal hétero. Antes de tudo, são seres humanos. Possuem a mesma dignidade que qualquer outro. E por isso, não são diferentes de qualquer outra pessoa, se não, pelas suas atrações sexuais e afetivas. 
Nenhum gay deveria sofrer por ser quem é. Ninguém deveria ser espancado na rua por estar de mãos dadas com seu (sua) parceiro (a), ninguém deveria viver numa angústia tremenda pelo medo da sociedade, pelos conflitos familiares da não aceitação, pelo próprio preconceito aprendido com os ensinamentos religiosos, com os discursos morais e éticos contra a homossexualidade, ninguém deveria ter que passar por terapias de mudança de comportamento ou clínicas de reabilitações de caráter "cura gay". Ninguém deveria sentir dor por simplesmente ser quem é. Há pessoas incríveis no mundo, gay, lésbicas, bissexuais, transexuais, pansexuais..., sejam como for, são pessoas incríveis e não deveriam ter seus sonhos ofuscados pelo preconceito intolerante de uma sociedade, pessoas de bem e de bom coração que só queriam poder viver como qualquer outra, e que por sinal, tem esse direito. Não é uma escolha ser quem somos; não se escolhe a cor dos olhos, o cabelo, os traços do rosto ou a cor da pele... somos concebidos como somos, e ninguém deveria se achar no direito de punir alugém com violência só por não aceitar isso. Isso é injusto.
Pin It
Atualizado em: Qui 23 Jan 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222