person_outline



search

a cúpula do sete

 
Olá me chamo...na verdade isso não importa, não se estressem em não saber quem eu sou, sou apenas aquele que escreve as palavras, eu sou o início e vocês não precisam de um início, não por hora, para entenderem o fim, precisam conhecer o meio, sem o meio eu não estaria aqui escrevendo essa história, até por que ela não existiria, o meio será o início para vocês.
Conheceram pessoas importantes, necessárias para que a Era Sangrenta chegasse, não se assustem com o nome, o nome é apenas um aviso, a Nova Era foi banhada de sangue para que seus filhos enxergassem a paz, particularmente preferia que fosse Era de Ouro, mas a Era de Ouro já passou e ela foi trágica, houveram mais guerras e mortes do que abraços e sorrisos.
Com meus seis irmãos escrevi essas páginas e muitas outras, quero que leiam elas, conheçam eles, não meus irmãos e sim alguns humanos normais como vocês, assim espero, não me recordo de lança essas páginas para outro lugar que não seja o mundo dos humanos, o resto de nós conhecemos bem a história e não leríamos uma só página sobre ela, nós os não humanos vivemos a história e gostaríamos de esquece algumas partes. Esse não é um livro assustador e sanguinário, sim, pessoas morreram, mas minhas palavras serão doces, as minhas.
O meio em comparação com o fim, é ameno, como não estava no meio deixarei que outro conte com suas palavras sua própria vivência, não busque protagonista aqui, eles podem morrer, não ame e odeie facilmente, eles são os portadores da memória, amando ou não, a memória responde apenas a eles e sem a memória os tempos não teriam mudado, e convenhamos estamos todos cansados das guerras até mesmo vocês, humanos, aqueles que nasceram da imagem dos deuses, frutos da imaginação do trovão, tão belos como seus criadores, criados para adorar e servir, uma pena não? Vocês não adoraram, não por toda a eternidade como deveria ter sido, vocês abandonaram os deuses, porém diferentes dos deuses vocês não têm função no universo, não cuidam das águas, nem dos ventos e muito menos do cair das folhas, vocês poluem e degradam, e o universo castiga vocês.
É por suas ofensas à terra que as pragas atingem vocês, as malditas doenças, doenças que os deuses nunca conheceram, SIDA, tuberculose, varíola, cólera, a peste até mesmo a mais simples das gripes, eles não são abalados por doenças comuns, e os Oneiros dão o descanso necessário para que não conheçam as pragas superiores, aquelas que vem da mente, depressão, TOC, estresse pós-traumático, transtorno de personalidade, ansiedade, que são pesadelos para os deuses, estranho né? Para vocês pesadelos são monstros, medos profundos e desejos modificados.
Deixo vocês na mão dele, um garoto comum, com uma vida comum, com amigos comuns, pelo menos a princípio, eles são humanos como vocês, mas foram solicitados, e um chamado é um chamado, não podemos fugir dele, entendo bem, como entendo, fui condenada a escrever sobre eles e repassar para aqueles que usariam minhas lindas palavras para causar divertimento para vocês, malditos humanos, nunca entenderam, verão isso como uma história fantasiosa, mentirosa, fruto da cabeça excitada de alguém, por isso não serão elevados, malditos e deploráveis humanos.
Ass.dos filhos da agulha e da linha
Pin It
Atualizado em: Dom 13 Dez 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222