person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

Tiozinho

Dois veganos no churrasco da família. 
A sobrinha perguntou para o tio:
‘Quando você percebeu que estava fodido e não tinha mais volta?’
O tio respondeu: ‘Desde cedo, nos anos 70, no primeiro dia na escola, aos quatro anos. Eu apenas não sabia expressar em palavras o que sentia, mas sabia que a jornada seria terrível desde aquele momento.’
Sobrinha: ‘Qual era o sentimento?’
Tio: ‘Era o sentimento de que a vida, da forma como era vivida pelas pessoas que eu conhecia, e pelo que via na televisão, não fazia sentido. Mas considere que o sentido da vida é dar sentido a ela.’
Sobrinha: ‘Por quê?’
Tio: 'Porque somos escravos e a maioria das pessoas é cega em relação a isso, e por medo e para defender uma falsa segurança, defendem a própria condição de escravos a qualquer custo.’
Sobrinha: ‘Você já pensou em se suicidar?’
Tio: ‘Sempre achei que fosse melhor ir até o fim, só pra ver o que acontecia, porque de qualquer forma todo mundo morre no fim. Só pra ver que as previsões das pessoas que eu desprezo estavam todas erradas, e tem sido assim desde que me lembro.’
Sobrinha: ‘Eu penso a mesma coisa, só que na juventude já convivo com pandemia e guerra, e na sua juventude não havia nada disso.’
Tio: ‘Mas você já nasceu com a internet, ela serve como escapismo. Na minha juventude a bizarrice era tanta que você pode imaginar apenas remotamente. Não havia nem mesmo o sentimento pela falta de algo que não existia, como a internet. Na minha juventude havia o medo da AIDS, o racismo era considerado normal, a guerra era em casa mesmo, pra decidir quem escolhia o canal de televisão a ser assistido. Na escola havia bullying, que nem tinha esse nome e era considerado normal, e as crianças eram deixadas ali para se matarem.  Esses atos eram praticados sem que os autores sequer temessem o repúdio. Na minha juventude brasileira houve a ditadura, e depois o que se convencionou chamar de fim da ditadura, o que é uma falácia tão cretina quanto todas as mentiras que ouvimos de políticos até hoje. Mas hoje vocês tem a internet e ficam cada um na sua bolha, o que é terrível, mas antes não havia nem mesmo essa possibilidade. Na minha infância e juventude, os mais velhos ora diziam que a juventude deles era melhor, ora diziam que era pior. Isso variava de acordo com os interessem momentâneos dessas pessoas, que na maioria morreram. Os que sobraram estão aí pra você tirar suas próprias conclusões.
Sobrinha: ‘Por que você não tem filhos?'
Tio: 'Porque tenho uma mágoa enorme por ter nascido, e não faria o mesmo com outra pessoa. E também porque não tenho condições financeiras para isso. E sobretudo porque tenho essa convicção desde cedo, desde um tempo em que as pessoas mais velhas diziam que com o tempo, eu mudaria de idéia. E também porque seria questionado sobre coisas para as quais não tenho as respostas.'
Sobrinha: 'Mas eu gosto das respostas que você me dá! Não necessariamente pratico o que você diz, mas gosto de saber o que você pensa sobre certos temas.'
Tio: 'Mas é porque isso só nos encontramos de vez em quando.'
Sobrinha: 'Mas meu pai é obtuso e nem fala desses assuntos comigo!'
Tio: 'Não sei o que responder sobre isso. Ele deve achar que é errado falar sobre essas coisas.'
Sobrinha: 'Você tem fama de pegador. Por que nunca casou?'
Tio: 'As mulheres que mais me intrigavam eram as que me rejeitavam e desprezavam. Mas com a internet pude ver o que elas se tornaram, e se há algo pelo qual sou agradecido na vida, é o fato dessas pessoas terem me desprezado.'
Sobrinha: ‘A sua namorada nem tinha nascido quando você fazia faculdade. Nunca vai casar com ela?’
Tio: ‘A única razão pela qual ela me suporta é o fato de que ela pensa como eu em vários aspectos. Cada um na sua casa é melhor para nós.’
Sobrinha: ‘Ela é rica, bonita e jovem. Por que você reclama tanto?’
Tio: ‘Antes de conhece-la, eu já tinha décadas de uma bagagem que até hoje não sei ao certo como usar. Quando ela nasceu, eu era bem mais revoltado. Hoje em dia eu continuo odiando certas coisas, mas sei que nunca vou poder mudá-las. Continuarão existindo políticos, as pessoas continuarão saindo de casa em dia de eleição, e não apenas votarão nesses políticos, como farão propaganda não remunerada pra eles. Esse foi o primeiro exemplo que me ocorreu sobre coisas que continuo desprezando, mas que provavelmente não vão mudar enquanto houver humanidade. Existem as bizarrices contemporâneas, como gente que tem milhões de seguidores em redes sociais e você e eu nem sabemos quem são. Eles tem também a pretensão de se entitularem influenciadores. Talvez seja ainda pior se essa denominação for empregada por  outras pessoas.’
Sobrinha: ‘Quais são as cinco melhores bandas de rock?'
Tio: 'Se você me perguntar a mesma coisa amanhã, ou se tivesse perguntado ontem, a resposta talvez fosse diferente. '
Sobrinha: 'Essa é a parte legal disso. Responda sem pensar muito!'
Tio: 'Kinks, Husker Dü, X-Ray Spex, Jesus and Mary Chain e Big Star. Menções honrosas para Teenage Fanclub e Replecements.
 
Silenciaram, olharam ao redor, e era só vexame e música ruim tocando. Era um outro tio bêbado quem escolhia o som.

 

Pin It
Atualizado em: Seg 7 Mar 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222