person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

"Movimento Rápido dos Olhos"

Sobressalto. A impressão de que o corpo está caindo, sensação um bocado assustadora! Batimento cardíaco acelerado, respiração ofegante. Sistema nervoso irregular. Provavelmente toda gente já passou por um momento assim. Beber água também é muito recorrente. Eu nessas situações, por exemplo, bebo, bebo, bebo e a sede nunca passa. É como se não houvesse possibilidade de se saciar. “A água do copo estava mais para areia. Se viro o copo, caía areia nos pés.”
            _ Qual é o sentido de voar?
            _ Voar é crescer. Por isso é mais só criança que voa. Porque está crescendo.
            _ Então adulto não voa?
            _ Não, dizem que é só criança. Adulto já parou de crescer.
            _ Interessante!
            Interessante e ... estranho! Não! Um equívoco: isso sim. Já tenho meus cabelos brancos e ainda ontem, alta madrugada, voei. Então tem-se aqui uma teoria tombada por terra. Era para eu estar crescendo até hoje? “Mas e se for você a exceção que confirma a regra?”
             Pouco provável. De todo modo, vez ou outra questionava minha mãe, minha avó ou quem quer que seja que inspirasse experiência e transpirasse sabedoria popular. Em verdade, questiono até hoje sempre que oportunidade tenho e que à memória me vem tais assuntos.
            _ E cobra?
            _ Credo! Cobra dizem que é dinheiro.
            _ Então por que credo? Se é dinheiro então é bom...
            _ Não gosto de jeito nenhum! Deus me livre! Com cobra não! Tenho pavor. Coisa mais horrível a tal de cobra!
            “Chego até arrepio, olha!” E aponta com o dedo esguio para os fios ouriçados de um dos braços.
            Doença ou morte estão entre os mais excruciantes, acredito eu. Mas segundo a crença dos antigos, não há com o que se preocupar. Enigmaticamente, coisa ruim nunca quer dizer coisa ruim.
            _ Ahhhh, aí é saúde para o enfermo. É longevidade para o defunto.
            _ Que estrambólico!
            _ É coisa destrambelhada, mas vai pelo que digo. Não precisa se afligir quando os tiver. Pode sossegar.
            Tenho por mim que é estratégia inteligente isso de a acepção ser às avessas. É resguarde. E funciona muito bem no sentido de aliviar o coração das preocupações. Acreditar nisso acaba por trazer uma sensação confortante e agradável: associar saúde ao evento trágico forjado no pensamento dormente. 
            _ Então já vivo sem maior sofreguidão! Não devo dar bola ao que, de todos, mais me persegue e apavora. Dente caindo só pode ser coisa boa.
            _ Desconjuro! Valha-me Deus! Que dente caindo não é coisa boa não! É agouro de morte, moço!
            Volto para casa, as frases fragmentadas ecoando, se debatendo contra as paredes que revestem meu pensamento. “Agouro de morte.” A força dessas palavras vai se dissolvendo à medida que a cabeça se acomoda mais confortavelmente no travesseiro e o repouso faz pesar as pálpebras. A lâmpada desligada e o forro do teto velam o sono “R.E.M”. Acima do telhado, o céu noturno. Irrepreensível. Bailavam nele um mundo de estrelas, num movimento eternamente vivo.
Pin It
Atualizado em: Qua 12 Jul 2017

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222