person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

Um Cadáver A Serviço Dos Abutres

Para Mário de Andrade
 
Não faço ideia de quem começou a falar dele, naquele momento. Então, alguém, que também não me lembro, disse:
-Cá pra nós, ele... _ Fazendo um gesto como se quisesse dizer que esse nosso amigo fosse homossexual. 
Aquilo rendeu muito pano para a manga e não me refiro somente aquele dia. Sempre que falávamos nele, terminávamos falando sobre a orientação sexual dele. Eu, particularmente, nunca desconfiei de nada, mas, depois, percebi que aquela insinuação fazia sentido: nunca casou e jamais foi visto acompanhado de uma mulher!
Minto, lembro-me que, algumas vezes, ele chegou a ser visto na companhia de belas mulheres. E expus esse fato ao pessoal, durante essa nossa conversa.
-Isso não quer dizer nada. _ Disse um dos presentes.
Então, foi aceita atese de que ele fosse bissexual.    
Esse assunto veio à tona de tal maneira, que eu, intimamente, me perguntava: “Pra que isso?”. Por que especular uma coisa dessa de alguém que está morto, há mais de duas décadas?
Pin It
Atualizado em: Dom 26 Jun 2016

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222