person_outline



search

Epicentro

A juventude de Mila Cox não permitiu que fosse eleitora na época das cédulas de papel para votação e foi apenas uma vez à urna eletrônica anular seu voto só para ver como era mesmo tendo ouvido Zimi e sua tia Lola Cox repetindo à exaustão que a única resposta viável nas urnas era não ir até elas e ainda pequena chegou a argumentar que a urna eletrônica é algo fraudulento por natureza e que o resultado das eleições já era um número pronto antes da data da festa da democracia mas teve como resposta que os responsáveis pela fraude saberiam de qualquer forma que os eleitores não compareceram e que isso naturalmente também era uma escolha popular do qual os fraudadores teriam conhecimento independente do resultado que divulgariam e Zimi conta que antigamente nos dias de eleições voltava para casa cheio de isqueiros e canetas de propaganda de candidatos e lotava a cédula de palavrões antes de depositá-la na urna e que também foi anular o voto quando da primeira eleição com urna eletrônica para ver como era e que nunca mais compareceu e apenas saía em busca dos isqueiros e canetas e via as ruas com o movimento cada vez menor em dia de eleição e agora que os três viram Trump pelado em meio à pandemia passaram a ter como único medo a possibilidade da morte chegar sem que seja rápida e indolor e no isolamento no rancho sem nome usavam boa parte do tempo fazendo músicas novas para o próximo lançamento do projeto Crop Circles e estudando possibilidades de lives sem cometer os erros patéticos de artistas sem conteúdo que inacreditavelmente se levam a sério e expõem sua ridicularidade apenas por terem recursos tecnológicos sem se preocuparem com qualidade artística e ignorando completamente o fato de poderem ficar marcados para sempre pelas piores razões possíveis e verem no futuro seus filhos sofrerem bullying na escola por conta desses equívocos ao invés de simplesmente serem esquecidos na vala comum da mediocridade e tanto Cox como Zimi tinham compaixão pelo sofrimento das massas num lugar que é chamado de país mas que não passa de um sítio-cobaia repleto de cristãos conservadores ricos ou pobres mas igualmente sem alma e sem coração que justifica sua condição elitista à premissa de que o povo não tem sede alguma de verdade e que quer ilusões e que não vive sem ela e essa gente conhece e apoia a ideia de que para cada rico há milhares de humanos na mais absoluta penúria e que essa condição ainda teria uma longa e sinuosa jornada até que possa ser minimamente remediada à custa de muita dor.

Pin It
Atualizado em: Qui 4 Jun 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222