person_outline



search

Pedaços

As vezes a gente perde alguém e é como se perdêssemos uma parte da gente.
Não, nada disso! Sempre que perdemos alguém uma parte nossa se vai. Deteriora-se.
O tamanho dessa parte é proporcional à presença dessa pessoa em nossa vida.
Um pai, uma mãe. Esses somos nós por completo. Perder qualquer um deles muda nossa vida para sempre. Nos tornamos mutantes. 
Isso atinge cada um de uma forma.
Dois anos atrás perdi meu pai.
E eu não tinha a percepção do quanto eu era ele, do quanto ele era eu.
É o tipo de coisa que não tem terapia que dê jeito. Rivotril, CBD, venlaxin, nada disso tinha a fórmula mágica para repor a parte de mim destruída.
É difícil catar os cacos da gente enquanto o mundo gira. A gravidade para de fazer alegorias. Tudo gira. Giramos juntos. O enjoo faz parte de toda a viagem. Como pensar assim? Como se refazer em meio a tudo isso?
E se eu conseguir me refazer, quem serei eu? 
Tenho medo de descobrir.
Mas um sentimento me diz que não serei eu mesma. Pelo menos não o eu que eu achava que conhecia. 
Um eu diferente, é isso. 
Nem melhor nem pior. 
Apenas diferente.
Será que meus amigos vão perceber? Será que eles são mesmo amigos?
Já não sei de nada. Talvez minha sabedoria tenha ido junto com meu pai.
Meu pai sabia das coisas. E eu sempre briguei com ele. Coisas da vida. 
Odiar e amar. 
Dois verbos. 
Dois caminhos da mesma estrada.
Hoje essa estrada já não existe pra mim. 
Como que faz pra desbravar mata fechada?
Sou da cidade, não estou acostumado com floresta. Ainda mais que quem me guiava se foi.
O que vai sair disso, meu Deus! Onde diabos vou aportar.
Deus e diabo. 
Estou antagônica hoje. 
Complexo.
É isso o que acontece quando uma parte de nós morre e não estamos preparados pra isso. 
Será que tem como se preparar pra isso? Se preparar para ser mutilado?!
Se alguém consegue, tem as minhas mais sinceras invejas. Parabéns.
Estou perdida.
Ou seria perdido?
Gêneros, porque ainda me preocupo com isso?
Tem tanta coisa que não deveríamos nos importar e mesmo assim seguimos com o masoquismo. 
Vá entender esse bicho humano.
No meu caso, uma humana despedaçada.
Chega de devaneios.
É hora de chocar a sociedade.
Quem sabe algum amigo perceba meu grito de socorro. Quem sabe ele me ajuda de alguma forma a juntar os cacos de mim mesma.
Quem sabe...
Pin It
Atualizado em: Qua 15 Set 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222