person_outline



search

O Som da Prisão

Minha inspiração em algum momento falhou, deslumbre dessas palavras nuas e frias, retomo pensamentos ainda não meus, assimilo, um esforço para digerir sem antes vomita-las.
Contorcidos, mastigavam suas porções, suas poses, seus olhos opacos, comendo e comendo, são tristes esforçados,
Aquela morte é de sua alma, ferozmente devorados, por que?
Meus pés pesados, quero fugir, o som dos alarmes tocam, luzes vermelhas são acionadas,
Aquele lugar, aquele lugar,
Soa terrivelmente.
As chamas mostram vida na escuridão, ganância e desejo, susurros foram atendidos mesmo em silêncio.
Guiado por poderosos, empalado,
Retaliado, consciente da enfermidade,
Tragado pela loucura de vozes, olhar aflito de quem busca asas para voar.
Mãos estendidas,
Ganhou os céus,
Chorou com a chuva,
Mesmo ali, pediu perdão,
Suas palavras sangravam no ouvido dos lideres,
Juntou seus pedaços da lama,
costurou seus membros, 
Jurou paz em guerra,
Sabotou em campo minado,
Mesmo soando terrivelmente, 
Provou seu sangue,
Trêmulo diante de sua cova,
Distante ele foi...
Além de tudo,
No deserto contaminado,
Ele virou a cura,
E isso soou terrivelmente.
Pin It
Atualizado em: Qui 17 Nov 2016

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222