person_outline



search

Soneto da Incompreensão

Imensurável ardor no peito
Incompreendido sentimento de dor,
onde estás, pra onde vás?
Me deixastes sozinho sedento de amor. 

Incompreendida angústia, onde está?
No meu peito arde teu veneno
Incompreendido, me vejo ao extremo
Indo ao encontro do prazer, ei buscar!

Retomo a mil pensamentos
No crespúsculo arde a vontade, hesito!
Do prazer passo ao escrito. 

Segue a incompreensão; angústia, medo. 
Medo, dor! Sentado escrevo
Fugindo do prazer, sortindo amor.
Pin It
Atualizado em: Seg 20 Jan 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222