person_outline



search

Soneto para Embriagados


Eu que vivo e respiro poesia
Colecionando paixões miseráveis
Me perdi em ilusões incontáveis
Todas as vezes que o amor me sorria

Juntei melancolia aos versos rimados
 Escritos em guardanapos de mesa
Que serão descobertos em surpresa
Por bêbados de amor e desesperados

Estrofes só se prolongaram de angústia
Amores partiram antes mesmo de chegar
Paixão foi apenas memória em fotografia

Se eu pudesse, apenas escolheria
Em dois tercetos poder tudo amar
Queria ser breve como a poesia.
Pin It
Atualizado em: Qua 27 Set 2017

Comentários  

#2 Amelia_da_Adelaide 08-10-2017 03:24
Muito obrigada!
#1 CarlosCorsi 30-09-2017 20:50
Gostei, realmente

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222