person_outline



search

PODEMOS OFERECER AJUDA A QUEM MORRE?E A QUEM FICA?

PODEMOS OFERECER AJUDA A QUEM DESENCARNA?

COMO?

E A QUEM FICA?

Quando tudo o que a ciência médica pode fazer já foi feito, os que se encontram junto ao leito da criatura que esta aguardando o desenlace, é tomada de avassaladora sensação de impotência: eles têm o desejo de ajudar, mas vêem-se totalmente impossibilitados de encontrar qualquer meio prático e adequado de fazê-lo. O consolo da religião pode confortar aqueles para quem a vida espiritual é uma realidade, mas para muito isso não passa de uma vaga esperança, e para alguns é uma negação. Temos alguma coisa para oferecer a esses?

Temos sim. O Conhecimento, derivado de muitas experiências, muitos espíritos que cruzaram o grande abismo e voltaram para narrar suas aventuras. Conquanto nossas mãos  possam não ter mais o que fazer, nossa mente deve estar ativa, e devemos estar prontos para acompanhar nossos amigos na primeira etapa de sua jornada. Podemos literalmente pô-los a caminho, como o faríamos a um visitante que se vai. Há dois tipos de morte : A Natural e a Violenta.

A natural é aquela que se verifica gradativamente, soltando-se o espírito do corpo antes de partir, assim como os dentes de leite de uma criança amolecem em seus alvéolos e caem sem provocar dor.

A morte violenta, entretanto é como arrancar um dente sem anestesia, á um traumatismo, sangramento e dor. Normalmente, porém, a Grande Anestesia assume rapidamente sua função, e com o primeiro sinal de separação entre espírito e corpo, o Grande Sono desce sobre nós e perdemos a consciência. Mas onde há muito apego a vida material e medo da morte a obra da Grande Anestesia é frustrada, e é , então que se vêem  aqueles terríveis leitos de morte em que o espírito parte se debatendo ( não confundir  espírito com alma).

Isso nunca deveria acontecer, e não precisa acontecer nunca onde há adequado conhecimento dos processos da Morte e da vida após a morte. O moribundo deve submeter-se às mãos do Anjo Misericordioso com a mesma confiança e gratidão com que se submeteria a obra do médico que ministra o anestésico que lhe poupará à consciência o trabalho do cirurgião. Tão logo o éter inicie sua obra de misericórdia, a dor e o medo se desvaneceram e ele dormirá por algum tempo, não tendo consciência, enquanto os processos da separação do corpo e do espírito prosseguem. Quando tudo estiver acabado, estaremos livres do corpo: O Anjo reabrirá as portas da consciência num plano superior, e viveremos de novo ainda que em outras dimensões. Podemos ficar tranqüilos quanto à adaptação desta nova vida, pois nos parecerá tão normal e natural quanto à vida terrena a que estamos acostumados, porque veremos que estaremos adaptados a ela.

O espírito que recebe a morte com entendimento, invocando os ofícios misericordiosos do Anjo Cinzento e dando a boa acolhida a seus cuidados curativos, retirar-se-á dos limites de tempo espaço com a mesma tranqüilidade e firmeza de um grande navio se faz ao mar. As mudanças ocorrem gradativamente, não há traumatismos nem surpresas, e à medida que uma praia desaparece, outra começa a despontar na linha do horizonte.

Insensivelmente, sem o notar, nos distanciamos do corpo. A consciência inferior está agora profundamente anestesiada. A consciência superior está desperta e nós nos encontramos no que tem sido chamado por vários nomes, mas que chamaremos de corpo de Luz. Não  se trata de duplo etéreo, ou  do aspecto sutil,magnético do corpo físico.as sim do que é anestesiado pelo Anjo Cinzento pois é nele que  ocorre o  processo da morte.

Espíritos dotados de desenvolvimento psíquico passam pela morte em estado de

Consciência plena.

Mas, embora o Mundo Celeste nos venha a parecer familiar, como o revistado lar da infância, mesmo assim ficaremos sem ser confortados, há caridade organizada no mundo vindouro, tal como a há aqui, e há espíritos desencarnados que se dedicam à tarefa de receber e servir os recém-chegados, fazendo-lhes companhia até que se sintam à vontade.

Mas, o que será daqueles que não tem laços estreitos com ninguém no mundo vindouro? Ficarão sem ser confortados? Não de modo algum. Serão recebidos por aqueles que conhecem o amor não correspondido na terra e que dedicaram ao serviço de todos, o amor que não foi exigido por alguém em particular Os que não têm amigos serão recebidos pelos que, em suas vidas, alcançaram os ideais, embora obscuramente compreendidos e raramente vislumbrados, que se apresentam para cada espírito como sendo o objetivo mais nobre da vida; e mediante seu auxilio o espírito prossegue no caminho de suas lições e realizações.RONALDO LIMA CRUZ ALTA RGS
Pin It
Atualizado em: Ter 13 Set 2011

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222