person_outline



search

NO GALINHEIRO

Aconteceu numa cidadezinha de Minas Gerais.
A moça não queria se casar de jeito nenhum. Queria mais é aproveitar a vida, exercendo sua condição de mulher livre e resolvida sexualmente, mas um apaixonado cruzou o seu caminho e adeus liberdade. Tudo culpa da mãe também, que praticamente a empurrou para o altar.
No dia do casamento, na hora de ir para a igreja, ela estava mesmo arrependida de ter dito sim e fugiu chorando, arrastando aquele vestidão branco. Foi se esconder no galinheiro.
Uma prima invejosa, doida com o rapaz, torcia pras coisas darem erradas. E quando a viu entrando no galinheiro, sentiu uma comichão de alegria. Viu ali a sua chance de agarrar o bom partido.
Correu também para o galinheiro, mas com a intenção de certificar-se de que a noiva estava mesmo escondida.
Chegando lá, viu a outra no meio das galinhas chocas, sentada perto de um ninho e segurando dois ovos. A prima invejosa teve certeza de que “daquele mato não saía coelho”, o que lhe deu mais alegria. Fingindo preocupação, chamou a atenção da outra:
- Prima, ocê incontra um home bão qui qué te dá nome. Qué casá cocê e ocê foge pro galinheiro, prima? Ocê num tem jeito! Qué mesmo é ficá nessa vidinha com essa cambada de home. Num é atoa qui vei escondê no galinheiro. Tem tudo a ver. Ocê qué mesmo é vortá às origis.

Pin It
Atualizado em: Sex 4 Jun 2010

Comentários  

+1 #2 Abreu 11-06-2010 09:02
A inveja, a tudo, corrói...
#1 Cerson 04-06-2010 22:51
(Rs) A prima pegou pesado... Parabéns, abraços.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222