person_outline



search

Dia de domingo

A casa, cheirava ao dolce far niente das melancolias dominicais, a abóbada celeste empalidecia a Terra com gotículas finas e gélidas de um cômodo dia monótono, orientado pela ressaca de um sábado febrilmente sonoro e agitado. Sentado em  uma poltrona verde almofadada em uma pose confortavelmente conservadora e recatada, um ancião matutava à espreita de um fenômeno, um simples algo que lhe destituísse a desgraçada inércia que se abatia naquela manhã morta, apodrecida pelo odor dos frutos em decomposição de uma fortaleza verdejante e orvalhada pelo exterior, e cadavérica no fúnebre silvo que adentra as frestas de um palácio desértico.

Pin It
Atualizado em: Ter 7 Abr 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222