person_outline



search

Incógnitas do amor

Naturalmente a razão pela qual procuramos pelo amor é o amargo sentimento de solidão, talvez se pudéssemos passar alguns anos afrente ou até minutos como em um aparelho de DVD, quem sabe ai talvez, nós tiraríamos essa ideia tola de que a solidão mereça esse patamar "amargo". Ela ao meu ver, e olhem bem, eu tive longos anos para sanar essa dúvida, é na verdade o pequeno momento em que seu 'ser' encontra para tornar a se encaixar sem 'si' próprio. Te causa dor e a sensação de abandono acaba por te deixar tonto de raiva, não é?
Eu sei, me afoguei nesse mesmo poço que da forma mais clichê não tem fundo. Sim, sim me senti patética e boba.
Mas não fugindo do assunto que estamos tratando agora, você vai ficar bem. E não é uma aposta boba que jogo aqui, digitando. Até porque se fosse, eu a ganharia.
Os seus sentimentos mudarão perante a diversas situações ou pessoas, se já não se dissiparam em um enorme tanto faz, não é?
Se prepare, haverá um dia específico em que sua carne e alma não sentiram absolutamente nada, isso mesmo, o mais puro vazio que o "nada" pode te oferecer, e ao mesmo tempo que irá te torturar com dúvidas sobre sua mortalidade irá te hipnotizar com a sensação prazerosa que é não sentir as consequências das suas escolhas impulsivas. O nada é gostoso, porém, errado.
Bizarro, não é mesmo?
Lhes digo que é um erro nato da nossa natureza humana, se satisfazer com o que nos matará mais tarde, soa até masoquista, mas caro leitor, eu, você e toda a humanidade temos um lado masoquista, esse então fala mais alto. A arte de morrer pelo nada e o pouco caso que fazemos com aquilo que nos faz REALMENTE bem, nos leva ao fim. O amor tem dessas façanhas maçantes, que conhecemos bem. Obter, crer, usufruir e por fim ir. A vida doce e ao amanhecer de um novo ano, o "azedo" do adeus, que nos leva ao ponto de partida, o nada.
Você acreditou cegamente que seria imortal, sim?
E foi frustrante perceber que não havia imortalidade para com os humanos, sim?
Suas fantasias haviam sido aniquiladas pela dura realidade de suas escolhas, ou melhor, a realidade das consequências que suas escolhas te trouxeram. Isso meu humilde leitor, foi sua arte ilusionista de "amar sozinho". Arque com as sentenças que o seu subconsciente te dará, mas tudo bem, foi necessário.
Se sente culpado?
Confuso e preocupado com a sua verdadeira face? Por que a deixou aparecer logo agora, hein?
A hipocrisia que temos com nossas próprias visões nos deixam cegos por perfeição, essa que não temos, pois nunca estamos satisfeitos com o que vemos no espelho diariamente, essa é uma questão bem simplória para ser dita aqui, sua obsessão pelo sentimento alucinógeno que pensa certamente precisar, te deixou vendado em um paraíso de areia que não suportaria um sopro, e ele veio. Tomando toda sua beleza e vigor. Essa fantástica obra exposta se chama "cego de amor".
Pela qual você cruzou, ou ainda irá cruzar eu não sei, mas, não tenha medo. Sinta-se um herói quando esse martírio infernal acabar, pois você terá passado no teste mais obsceno e injusto da vida. Que com todo o respeito que tenho pela minha, é uma completa mal amada. O vazio sim com certeza chegará, aproveite-o, puxe a solidão para um abraço caloroso e a convide-a para tomar um porre de lembranças carregadas de saudades que provavelmente não serão saciadas. Ela vai te ajudar, creia meu bem, você se sentirá o próprio Hades depois de um belo passeio no inferno. Será tão forte como igual.
Ainda há tempo em ir na mesma direção, vai ficar tudo bem também. Afinal de contas, pode doer quantas vezes for necessário a incógnita ainda estará lá. Te chamando cheia de charme e pecado doce, e você meu bom leitor, não o deixará te intimidar com essa velha ladainha de "E ai vai encarar?!".
Pin It
Atualizado em: Sáb 4 Jan 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222