person_outline



search
  • Drama
  • Postado em

O DIA EM QUE A DROGA ACABOU-2a. parte

2a. Parte do Livro "O Dia em Que a Droga Acabou"..

Alguns religiosos o apoiaram, outros resistiam, dirigentes de países tomavam para si os discursos, se empolgavam, mas em seus pensamentos, não queriam perder o poder, nem para Deus. Triste!

João, ao falar aos brados, repetia as frases e os escritos da menina. Os jornais, rádios, TVs, exploraram os fatos. João, de pouca cultura, mas religioso, ensinava uma nova forma de viver, de amizade, paz, união dos povos. Era bom ouvi-lo, como um conto, uma lenda, uma fábula.

Uma força conduzia as mentes dos que o ouviam... suas palavras eram como poemas, um canto de amor, quando falava havia comentários:

- Parece Deus...

João, se via frente com entrevistadores famosos, um dia, um deles   pela alegria que transmitia, inteligência na condução das palavras, era um dos mais populares do mundo, o chamavam de  Jô,  o “Gordo”. ...

As palavras do homem simples ressoavam enchiam  a sala, e penetravam nas  pessoas, ao citar trechos sobre   os “Pensamentos de Deus”

Assim falava João:

Conta-se que um dia perguntaram a Deus...

- Você existe? há tantos conflitos, muitos pedidos, há brigas, busca de  paz, acidentes, crimes, drogas,  violência.   Há destruição. Como  entender o Mundo , o que é o Mundo ?

Deus falou.

- Os Deuses sempre existiram !O mundo é a fonte da vida,

Criei o mundo, a destruição é própria do Homem.

Ao homem dei a terra, o mar,  o universo, a natureza, a inteligência, dei  O MUNDO.

A destruição não é criada pôr Deus. Não há como separar a vida da morte

O homem por vezes relega o filho...

O homem conhece a felicidade, mas, a maior parte da vida, a esquece.

Criei o homem, o animal e a natureza, a criação do mundo foi esquecida,

o homem destrói  para ficar só.  só pensa sobreviver, sua própria vida.

Eu dei ao Homem, o Mundo, para viver, não para morrer por suas próprias mãos.

A vida é um pequeno espaço.

Dividi espécies, cores,  mas, o homem  despreza  o próprio homem

Busca sempre novos caminhos,

O riacho ao buscar novas trilhas, se perde no rio

E o rio desaparece no mar.

 

O mundo... nasce  e renasce a cada  dia, em cada filho, na natureza,

A Felicidade....? É a própria vida, o que se tira dela !

     a sabedoria, a inocência, a bondade.

O homem cultiva a violência,

Os sonhos bons, o início da vida são esquecidos,

O homem pode programar sua vida.

O homem será  igual a Deus, é o desejo...

 Nas drogas não há paz.

O homem, um dia, será Deus

A natureza tem  seu curso, o sábio usa-a, o ignorante  a destrói.

O mundo precisa da força e sabedoria do homem

A força somente!, não existe.

Destruição, são  produtos do homem, a tragédia, não  junta todos num único dest

A fé, os milagres, diante da máquina, se perdem no espaço.

Religião? ato de paz. Vem da força de  Deus e do   Universo

A fertilidade do homem, a mulher quando gera o fruto é um ato de Deus.

Uns nascem governantes, se imaginam Deus,

a própria mente traduz paz ou sofrimento ao homem .

mentes vazias vagam por caminhos, sozinhas, morrem simplesmente.

O homem tem as marcas  de Deus, as  marcas não dirigem as  emoções.

O ensino no mundo vem da sabedoria dos tempos, há o certo e o errado, o  mundo é implacável. O homem paga por seus erros, por sua ignorância. 

Deus não marca lugar para se viver.

A aventura, a conquista, são marcas implacáveis  do homem!

O sexo supera o homem

O filho deve ser  aceito pelo Pai e por  Deus.

a máquina tira do homem o trabalho, e é inerte, o homem feliz, sorri...

Desprezado! Não vive.

Conta-se uma historia,

A maquina e o homem...

Na rua, via-se uma fila enorme de trabalhadores, nos rostos, a tristeza.

Sem trabalho, parados, sem recursos,a procura era seus dias, em casa, não existia comida, os filhos não entendiam!

Nas indústrias, nos campos via-se uma fila enorme de máquinas, todas trabalhando....

Se as destruir, nada sentem...

O mundo é própria fonte de produção.

Porque ter filhos? Se não há vida. Só tive um filho... Jesus...

O homem não deve criar máquinas que o substitua

Repartir a natureza, os trabalhos, dividir os ganhos

Animais,  lutando pela carne do outro, já morto,

É a prova que o homem caminha para sua destruição.

Uma carreta, cheia de produtos, ocupa  animais, todos trabalham...

Vazia,  um animal a conduz, o resto, os inertes, são  sacrificados.

A economia do Mundo, deve ser dividida, o patrimônio escraviza o homem, a sabedoria permanece no tempo;

O Homem está sendo criador, o que não tem  controle, não tem vida.

Subestimar o mar, o vento, a tormenta, é destruir a criação.

O homem ao investir contra a natureza, julga-se  inquebrável e ela enfurecida, desprotegida, sem sentimentos fere e mata...

Hitler, desafiou o poder  de Deus, alterou mentes. A natureza, os poderes do mundo, destroem o próprio destruidor...

 O  Homem sem  medo  não tem perdas, violência ou acidentes, é  sábio.

 É o programa de Deus passa pela vida, eterno.

Os ensinamentos de Deus, espalham-se pela terra, outros, não existem.

Se  os  templos, igrejas, cultos,  pregarem a sabedoria falará  o vencedor, o sábio,

falará o vencido, suas fraquezas e lutas, ensinamentos e sabedoria surgirão  ao tempo.

O inferno não existe. Nada retorna, os  maus não voltam. 

A busca da harmonia seria somente guerra, os maus não voltam.

Nada é definitivo, não há separação, da vida  e da  morte.

Jesus, meu filho, teve seu período de vida, numa época de testes do Homem,

teve seu julgamento pelo Homem, não por Deus, foi amado e odiado,

O Homem deve evoluir, para o bem, para a paz!

O homem é o próprio Deus...

Amado?

Não sei se fui amado, há drogas, bombas, crimes,  

Há guerras, destruição. O homem luta por  pedaços de terra, não pela vida

Nas  palavras de Deus, fala João, -  havia amargura.

Era uma vez um Mundo., os mares não se enfureciam

Deuses caminhavam  pela terra, contemplaram a criação e a  entregaram  ao Homem.

Tempos depois, Jesus caminhou pela terra, diziam ser filho de Maria.

pregou ensinamentos, sabedoria.

O homem viu nele o filho de Deus ....E o matou

Jô, ao ouvir as palavras do homem chamado João permanecia quieto refletia, o silêncio reinava, como se não existisse platéia...

Jô, em voz baixa, parafraseou um grande escritor...

- “Escuta o silêncio, escuta”,

-  Como devo chamá-lo?, sem querer interrompê-lo, mas já o fiz. 

-  João, simplesmente João. O nome não importa, há tantos nomes. 

-  Você é um pregador? prega uma nova forma de vida, esse seu trabalho, como pretende conduzir?

- Sempre há um que nasce, ele ouvirá, disse João.

- como uma cascata? a água cai, se espalha. Mas, sem querer blasfemar, nem Deus tem conseguido, se bem que não se houve atualmente suas palavras!

- Deus construiu o mundo, destruir não é sua vontade.  A planta cresce, dá frutos e não os come, o rio corta fronteiras, domínios, nada o impede, nele  cresce o peixe, rega as terras, alimenta o animal e o homem, a chuva deveria penetrar somente na natureza, recriar o mundo, o mesmo sol, a mesma lua, banha seu rosto e o meu. Deus deixou ensinamentos no céu, nas estrelas, na lua, no sol, e na terra, os astros são os mesmas que nos cobrem e nos iluminam, há lições de força e união em todos os espaços do mundo e na vida, só o homem não os enxerga.

E Jô, sorrindo.

- Você não é como dizem, um novo charlatão?

- Sob o mesmo teto, os homens são iguais, só que uns roubam os sonhos de outros, vivem outras vidas, a felicidade é o único caminho de Deus, e por cruel que sejam os atos de tempestades, quando o mar, o vento, se tornam serenos, há paz!

- Diante de um mundo, como você disse, cruel e por vezes bom, há  poderes?.

   -  O poder é a força, é só juntar sob o mesmo céu todos os homens,  a terra, o rio e o mar são a força.

-  Porque escolheu meu programa...

-  Você transmite alegria, e alegria é felicidade é paz.

-   Mas, há sofrimentos, uns deficientes, outros abastados, outros nada comem, muitos consomem drogas. Como transmitir a uma pessoa surda e muda seus ensinamentos, como mudar essa pessoa, se há dentro dela, rancor, ódio, por não ser igual.

- O ódio, a maldade, não são eternos, ninguém nasce com esse poder.

De repente, João se levanta e pergunta à platéia...

- Há alguém mudo nesta sala.?

Todos se calam, um bloco de pessoas olha para uma moça, bonita, absorta, sentada ao lado deles.

- Tem sim, grita um deles, a Jane é surda, nada houve e também não fala.

-  Vocês conhecem ela? pergunta o homem.

Respondem em coro

- mora na nossa cidade, no nosso  bairro, conhecemos desde pequena, é nossa amiga.

-   O que vai fazer pergunta o entrevistador. Vai curá-la, você também é curador, e sorri.

-   Não!  não sou curador, eles são!.  Se acreditam em Deus, venham para cá.

Curiosos olhares intrigados, o grupo desce e se alinha em frente ao misterioso homem. Alguns já o tinham visto  e ouvido sobre suas falas e até sobre milagres, não acreditavam, e que tudo não passava de histórias

-   Digam seus nomes e onde moram. Disse João.

Começaram a dizer seus nomes...

-  Sou Jackson, eu sou Robson, Medeiros, em seguida levantam as mãos, os outros imitaram.

Seis pessoas, além de Jane, surda e muda, ela sorria...

-   Jane, pergunta o homem, por gestos, Você nada ouve e não fala?

-   Sim, nada ouço e não falo desde que nasci... Disse Jane, por gestos.

-   Você quer ouvir? quer falar,vocês querem que ela ouça, pergunta aos seis amigos da moça e por final à platéia....- Vocês querem que Jane ouça, que fale, repetiu João olhando para Jane fixando os amigos, em seguida se dirigiu a platéia e por último ao Jô, o entrevistador. Naquele momento ele  era um expectador.

Todos ficaram um tanto sem jeito, - Sim, sim queremos que ela ouça, que possa ouvir e falar. Como se fosse uma única voz, um eco se vez ouvir.

-  Gostei, uma única voz, de todos, como um trovão antes de chuva,  não como um estampido, este mata!.

-  Dirigiu-se ao entrevistador,  você quer que ela ouça e fale

- João!  vê lá o que vai fazer, mas quero sim, seria bom demais vê-la sorrir de modo diferente, entendendo tudo, ouvir os sons e falar. Seria bom ela ouvir o som do sexteto.

Em resposta, intrigados, entoaram uma canção ao som de seus instrumentos, e eles geralmente não cantavam. Ao terminarem um silêncio reinava na sala.

Pensavam, uma farsa seria pior para Jane, havia dúvidas e mistérios, mas os mistérios unem as pessoas num só pensamento, como uma peça teatral, um filme, uma guerra, um jogo, onde o lance de uma bola, de longe se dirige a cesta ou ao gol, sob aplausos e tensão dos adversários.

João ergueu os braços.

- As mentes devem ser voltadas à Jane e os  corpos devem desprender toda a força de Deus. Todos há tem. O pensamento humano é indestrutível, é poderoso, juntos, uma mulher e um homem constroem uma vida, um grito de alegria vindo do fundo da alma, ao se unir a milhares, atravessa montanhas, mares, fronteiras, e ao se alojar entre as estrelas, a lua e o sol, irradiam uma fonte eterna de paz.  Não há ódio, violência ou maldade num grito de alegria, numa frase ou numa palavra que marca, que fica para a eternidade.

Não havia falas, somente respirações se ouviam no salão. As palavras do homem sobre Deus penetraram em suas mentes.

João olhou para uma amiga de Jane, dentre os seis amigos, e disse...

- Você não gosta de Jane?

- Eu? e sorriu triste - sou a irmã dela, meu pensamento é tão forte que meu desejo é que todas as minhas forças passem para ela, lhe entregaria meus olhos, eu já vivi, mas temo pela decepção...

- A decepção está em você, se seu corpo transmitir o que pensa, e não haverá cura, o medo não segue a mesma trilha da felicidade. Você, a sua força pode mudar a vida de sua irmã, transmita isso a ela.

A mensagem foi para todos.

João ergueu a cabeça como se implorasse ao céu, era como um filme gravado em câmera lenta, compassado, sereno.  Olhou para a platéia, para os amigos de Jane, para Jô, sentiu nele uma certa aflição, mas, o olhar firme de João, a pureza no rosto, e o vulto que Jô viu entre os seus braços, antes não visto, fez Jô suspirar, a paz voltou, penetrou em seu corpo enrijecido, seguido pela platéia, seu semblante igual a João olhou por fim em Jane, e todos pediram.

Que a primeira palavra dita por Jane não seja “Deus”, ele já nos colocou no mundo, que seja “Paz”, havendo paz, não haverá drogas, bombas, armas, não haverá crimes, violências, a alegria é a vontade de Deus.

Deus já existe, A PAZ NÃO!

João disse em gestos a Jane e repetiu em voz forte.

- De um anjo surgiu em minha casa e evitou que minha mulher e meu filho morressem, se morreu por nós preciso de você Senhor, Jane precisa de você, ela é sua filha!.

Como uma sinfonia, os gestos foram imitados pela platéia, pelos amigos de Jane e por Jô.

Jane, de olhar fixo no homem, assustada, era o centro de atenção num programa de grande audiência, olhou para os lados, para a irmã, amigos e como o sol na manhã, que brota radiante...

- Eu falo!! Eu estou falando!  Mas!!!...parou intrigada, nada ouvia, não havia um só barulho, uma só voz...

A platéia, Jô, os amigos, paralisados, rígidos, olhavam, apenas olhavam,  Jane correu até Jô e, ao soluçar de alguns,,,

- PAZ, eu ouço, ouço tudo, tudo, não há mais silêncio, não há silêncio!!

Como o brotar de uma fonte, do centro da terra, como uma estrela, tanto era o brilho, o som dela..., nunca ouvido.

- PAZ!, PAZ!

O entrevistador sempre alegre, brincalhão, sentou na cadeira, esqueceu seus temas favoritos, seu rosto rubro, vermelho, vezes pálido, tímido, se uniu a platéia, um coro se ouvia, uns choravam, outros batiam palmas, pulavam de alegria, um lance, uma bola ao ar,  nunca visto!.

Pin It
Atualizado em: Sex 26 Nov 2010

Comentários  

#3 PauloJose 24-06-2012 00:11
MUITO LINDO, SENSÍVEL A OLHOS HUMANOS,MATARAM O SALVADOR!!!
PARABÉNS ESTRELEI.
#2 saavedra1946 03-03-2011 23:28
Voltei para reler o primeiro e eo segundo capítulos. Boa reflexão sobre Deus e o nosso legado: este mundo! Infelizmente o homem não tem desprezado esse grande presente que recebemos de Deus.
Parabéns! Estrelado.
#1 rackel 20-01-2011 06:43
A paz é possível, sim. A convergência das mentes no objetivo de mantê-la pode consolidá-la e torná-la uma realidade neste nosso mundo. Gostei.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222