person_outline



search

Sinais no céu

O Ser Humano cursa várias cadeiras universitárias, e continua na era primária, pois não conhece o seu Criador. Fica sempre no terra-a-terra da primeira era. Todavia este orgulho terá um fim, quando ele vir enfim, a revolta dos astros, que sem sair dos seus compassos, mostrar-lhes-á os seus poderes.

 

 

Sinais no céu

 

Ouvi, vinda do santuário, uma grande voz, dizendo aos sete Anjos: Ide e derramai pela terra as sete taças da cólera de Deus.

Saiu, pois, o primeiro Anjo e derramou a sua taça pela terra, e, aos homens portadores da marca da besta e adoradores da sua imagem, sobrevieram úlceras malignas e perniciosas.

Apocalipse de Jesus segundo João, cap. 16:1 e 2.

 

O Sol prometeu a Lua

Uma fita e um laço,

O homem se tornou dos elementos

Um verdadeiro carrasco.

 

Mandaram foguetes ao Satélite da Terra

Para ver se colocavam nela

O seu domínio.

 

Implantaram laboratórios no espaço

E querem transformar o Planeta

Num mísero bagaço.

 

É a miséria rondando

A mente cientista:

Pisar o espaço todo

Isto é trabalho de artista!

 

O Sol é o astro rei,

É bom também explorá-lo

E transformá-lo

Em laboratório científico

Para aumentar a nossa fama.

 

Ser então o dono

Desta nave colossal

Fará afinal,

De cada um, ser um deus.

 

Quando cada astro se revoltar

E tudo for consumado,

Os homens despertarão

E então compreenderão

O poder do Deus Universal.

 

É triste a ignorância

Que organiza arsenais

Para tentar destruir os astros

Como se fossem brinquedos banais.

 

São macacos em loja de louça

Brincando de esconde, esconde,

Que serão surpreendidos

Pela chegada de um bonde

Que os conduzirá ao Absinto.

 

As estrelas nos pertencem

Como pedras de safira,

É bom conquistá-las

Enquanto estão na mira.

 

E vai assim a exploração

Das forças da natureza,

Até Deus dá um basta

Nesta inaudita torpeza.

 

Então as estrelas assumem

O seu comando no Universo,

E estas estrelas errantes

Terão um destino adverso.

 

Formam-se novos céus,

Novos astros na amplidão,

Porque o homem de agora

Já não vive de ilusão.

 

Nova terra também surge

Trazendo nova idéia,

Chegou o fim tão esperado

De Roma e de Pompéia.

Pin It
Atualizado em: Qui 12 Ago 2010

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222