person_outline



search

É tempo de sentar à mesa ...

O combate à pandemia que foi oficialmente declarada no dia 11 de março de 2020, quando mais de 100 países reportaram suas contaminações, completa, dia 01 de junho de 2021, 448 dias de retóricas, politicagem e muito poucas reflexões sobre o que já foi dito e feito sobre soluções.
Já estamos em época parar com os interesses políticos e de pensar em eleições de 2022.
Pensando aqui:
1. Se não podemos, usar hidroxicloroquina e ivermectina - "por que ainda não tem eficiência comprovada " - quais serão então os medicamentos comprovadamente eficientes que os nossos médicos estão utilizando para tratamento preventivo da COVID-19?
2. Certamente, um paciente internado com COVID-19 não fica apenas deitado e prostrado orações na esperança que uma melhora repentina. Algum medicamento está sendo administrado ao paciente e, daí vem a pergunta. Este medicamento é comprovadamente e cientificamente eficiente contra a COVID-19?
13. Os primeiros pacientes de COVID-19, lá em março de 2020, curaram-se apenas por reação do organismo? Se sim, estamos 100% dependentes da natureza e da vontade de Deus! Se não, algo foi feito à época que ajudou na melhora do quadro clínico. Pergunta é, o que foi que ajudou?
4. Estas pessoas que tiveram a COVID-19 em março, abril, maio, etc de 2020 se tornaram imunes de forma natural? Estas pessoas estão sendo testadas para sabermos se há um período de presença de anticorpos no organismo destas pessoas? É importante saber o quanto a imunização natural é, mais ou menos, eficiente que as nossas vacinas.
5. E as pessoas que faleceram, todas foram em decorrência de do agravamento por conta de suas comorbidades? É importante saber quantos foram os óbitos efetivamente em decorrência apenas da COVID-19, ou seja, o que o vírus fez por si só?
6. Antes da COVID-19 já se fazia-se campanhas para vacinação contra a gripe (Influenza A e B, H1N1, H3N2) e empre foi dito para o povo que a gripe matava as pessoas que estivessem imunologicamente deficientes e/ou que tivessem comorbidades. A pergunta que cabe é:
Todos os óbitos ocorridos nestes quase 450 dias ficou na conta da COVID-19?
A verdade é que (ao meu entender) não se chegará a um bom plano (eficiente) de combate a COVID-19 com estas discussões onde os leigos de esquerda e de direita querem ter mais razão.
O mais importante não é sabermos se o Bolsonaro é 'meio ou o grande' culpado, até porquê, se ele for o meio culpado ou errado não fará com quê a oposição seja de forma automática, mais qualificada para gerir o Brasil nos próximos 4 anos. Não é esta a questão.
Vamos olhar para o mundo?
A. O Reino Unido iniciou a campanha de vacinação no dia 3/dez/2020 e já está com mais de 70% de sua população vacinada e, ainda hoje se discute no parlamento a continuidade ou não das medidas restritivas;
B. A Europa só consegue controlar os índices de internação quando aplica as medidas restritivas. Por 3 vezes, quando liberam (timidamente) a população, os índices subiram. Vejam que a Comunidade Européia, só estão vacinando a população com as vacinas da Pfeizer e Oxford (nada de CoronaVac) oque nos faz refletir se a questão é realmente a qualidade das vacinas ou a consciência do povo.
Para você, isto faz sentido?
Abraços,
Pin It
Atualizado em: Qua 2 Jun 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222