person_outline



search
  • Drama
  • Postado em

O caminho do mendigo - Introdução - Apresentação

Aquele homem fazia parte da paisagem. Estava ali todos os dias e era invisível aos olhos distraídos de todos. Apenas aqueles que têm um olhar mais sensível o viam e se condoíam dele. A aparência indicava um homem em torno dos seus 55 anos (na verdade ele tem 46), semblante sofrido, pele branca queimada de sol e encardida pela falta de banho. O mar era seu banheiro e ele parecia grudado de areia e maresia em meio a sujeira. Pés descalços e pretos do pó de asfalto e de poeira, cabeleira embolada, olhos fundos e tristes, uma magreza patológica... Usava todos os dias uma bermuda surrada, sem camisa, jogado e dormindo numa esquina da Rodovia do Sol, na região do distrito de Praia Grande - Fundão / ES. Sua morada, aquela esquina, ficava perto de uma padaria e de vários restaurantes, no centro comercial do vilarejo. Sua rotina se limitava a pedir esmolas nas portas dos estabelecimentos ligados a comida (padarias, lanchonetes e restaurantes), a "fussar" os lixos destes lugares em busca de comida e a dormir, porque dormir era o melhor meio de fuga daquela realidade nua, crua e dorida. Ele quase não falava com ninguém quando estava pedindo esmolas, apenas balbuciava quase sussurrando: "dá as moedinhas pra mim? É pra comer". O tom de voz, o olhar no chão, indicavam que ali havia uma dignidade ferida, ele parecia se envergonhar da situação em que estava e isso me chamou a atenção de tal forma, que me despertou a curiosidade em saber quem é aquele homem? Qual sua história? Como ele foi parar ali naquela situação? E eu que sempre ignorei a presença de pedintes de rua, sempre julguei que eles pedem dinheiro pra beber e sustentar vícios, que sempre acreditei que eles estão numa situação dessas porque são vagabundos e não querem trabalhar, naquele dia, diante do olhar e da voz quase muda daquele homem que me pedia as moedas do meu troco na padaria e que era o mesmo que eu via todo dia revirando o lixo do restaurante em que eu trabalhava, me dei conta de que ali tinha um ser e uma história que talvez fosse uma lição de vida que valesse ser conhecida. E foi assim que eu resolvi conhecer...
Pin It
Atualizado em: Qua 23 Jan 2019
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222