person_outline



search
  • Terror
  • Postado em

A Canção que veio da galáxia

Meus amigos estavam planejando fazer um acampamento em um parque floretal perto de nossa pequena cidade. Eu relutei um pouco, pois era proibido fazer acampamento no parque, o qual ficava aberto das 08:00 até as 16:00. Depois de muito insistirem, de falarem que ninguém iria nos pegar, resolvi aceitar a oferta. Marcamos o acampamento para o dia 22 de janeiro, ou seja, semana que vêm. Um dia antes, arrumei minhas coisas; repelentes, hidratantes, água e alimentos. Meus amigos iam passar aqui em casa por volta das 07:40, porém, devido a certa pessoa ter se atrasado, eles só passaram na minha casa às 08:00.
No meu grupo de amigos estava o João, Bruno, Nicole e Natália. João era engenheiro, Bruno fazia faculdade de filosofia e trabalhava de recepcionista em um escritório; Nicole era cientista e Natália uma artista. Chegamos no parque por volta das 08:55. Colocamos todas as bagagens e equipamentos no porta - malas, para os guardas não suspeitarem.  Estacionamos o carro de costa para os guardas, para que assim, João, Bruno e eu pudéssemos tirar as coisas do porta - malas. Enquanto isso Nicole e Natália distraíam os guardas. Retiramos as coisas e fomos caminhando para o canto mais distante do parque; depois de um tempo, Nicole e Natália nos alcançaram. O lugar que escolhemos era espetacular. Tinha um lago azul e brilhante,e tinha árvores o bastante para conseguir nos esconder. Jogamos papo fora por um bom tempo e começamos a nos preparar para a noite. Nicole e eu saímos para buscar lenha. Já era 21:30 e estava muito escuro. O parque a noite era muito diferente do lugar alegre e calmo de dia. A noite tornava o lugar  completamente sombrio, com uma certa névoa não muito expessa na escuridão; e o silêncio que gerava a calma de dia, dava lugar a um certo medo e mistério pela floresta. Nicole e eu tínhamos duas lanternas que parecia não nos ajudar muito na escuridão. Enquanto estávamos pegando lenha, começamos a escutar uma certa canção em meio a escuridão. Sua melodia era hipnotizante, porém, assustadora. Nicole e eu ficamos muito assustadas, pois não sabíamos de onde a canção estava ecoando. Resolvemos então voltar rapidamente para o acampamento. Enquanto voltávamos, eu podia ter certeza que escutava passos e vozes atrás da gente, então disse para Nicole apertar o passo, para assim voltarmos mais rápido.
Quando chegamos no acampamento não havia mais ninguém, não só isso, mas não havia mais nada, era como se ninguém nunca tivesse ido ali. João, Bruno e Natália estavam desaparecidos. Nicole e eu ficamos muito assustadas e desesperadas. As vozes e passos estavam cada vez mais perto, e em meio a escuridão, apontei minha lanterna para onde pensei que estava ecoando uma das vozes, e pude ter certeza que algo se escondeu rapidamente atrás de uma árvore. Nicole gritou de medo, eu estava tentando manter a calma, então, puxei a mão dela e começamos a correr pela floresta. Encontramos uma caverna muito estranha, ela nem sequer aparecia no mapa. Nicole estava desesperada, tentando pedir ajuda pelo celular; Mas estranhamente não havia nenhum sinal, o que era muito suspeito, pois havia sinal na maior parte do dia. As vozes que conseguimos despistar finalmente estavam nos alcançando, resolvemos entrar na caverna. Começamos a andar pelos corredores da caverna até nos depararmos com uma escada que no final da descida tinha uma certa luz, resolvemos então desligar as lanternas e descer a escada. Enquanto descia a escada , pude percever vários desenhos na parede; pareciam descrever alguma história antiga sobre uma mulher, uma mulher que tinha um rosto assustador, que aparentava ser de outro mundo. Nos desenhos tinham vários outros seres que aparentavam  estar dizendo alguma coisa. Quando chegamos no final da escada, demos a entrada ao que parecia ser um espaço para as criaturas, e em meio ao espaço estava uma mulher, era a mulher das pinturas; Eu e minha amiga ficamos forrorizadas com o que estávamos vendo, ficamos em completo silêncio, em choque.
Lá estava João, Bruno e Natália. Natália estava morta no chão. Bruno e João estavam nus e com muito medo, eles pediam misericórdia para a criatura. Enquanto eu e Nicole nos escondíamos em um lugar perto da entrada por onde saímos, pude ver mais alguns desenhos na parede. Um deles pude ter certeza que era essas criaturas caindo na Terra, fugindo de uma explosão. Mas só haviam 4 dessas criaturas, e o corpo delas eram bem diferentes dos que estavam a nossa frente. Ao longo dos desenhos pude ver que essas criaturas começaram a se reproduzir com humanos, criando uma certa raça híbrida deles; e era isso que estava diante de nós. A Mulher começou a cantar a melodia hipnotizante para Bruno e João. De repente Nicole grita de horror, ao perceber que tinha uma criaturea olhando para ela bem ao seu lado. Então eu me desesperei e simplesmente saí correndo, as criaturas seguraram Nicole, eu não tive a coragem de ajudá-la. Saí correndo em meio as criaturas, percebi que tinha uma abertura em uma das rochas e me esforcei para passar. Eu estava na floresta novamente, simplesmente saí correndo.
Depois de ganhar certa distância, pedi ajuda para polícia. A polícia então investigou o parque e não encontrou nada, nem ninguém. Hoje estou sendo julgada pelo desaparecimento de meus amigos. Eu sei o que vi, não estou ficando louca. As vezes, na escuridão da noite, ainda posso ouvir aquela canção.
Pin It
Atualizado em: Seg 20 Jun 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222