person_outline



search
  • Terror
  • Postado em

O Fim Vermelho

“O homem adorou um deus que criou o mundo em 7 dias, mas para o desespero do mesmo, encontrou uma criatura que o destruiu em apenas 6 dias. ” – Autor desconhecido.
No início do primeiro dia, eu estava realizando minha rotina, trabalhando, revisando relatórios e conversando com meus amigos sobre uma viagem de fim de ano que pretendia fazer, ao final do dia, voltei para casa e dormi sem saber o que me esperava desse dia em diante.
No segundo dia, a televisão começou a noticiar uma série de incidentes que estava acontecendo em todo pais. Dizendo para as pessoas ficarem em casa, estocarem comida e agua, e não saírem a noite por causa de estranhos eventos que estavam acontecendo nas cidades costeiras. Achei que poderia ser mais um problema social que estavam acontecendo por causa da política, ou ao aumento das chuvas que assolaram todo pais, causando enchentes e deixando milhares de pessoas desabrigadas. No entanto, quando as pessoas começaram a sumir foi que os boatos começaram a circular, primeiro como uma lenda urbana, mas depois acompanhado por fotos e vídeos em sites e blogs da internet. “São demônios!!” Diziam os religiosos; “são alienígenas!!” Diziam os ufologistas, as imagens eram registradas por pessoas que escaparam e mostravam seres grotescos, cujos os membros eram anormalmente grandes, as unhas pareciam garras e os dentes eram serrilhados. A imagem mais nítida conseguida no segundo dia, mostrava a cabeça de um desses seres, algo que se assemelhava vagamente a um humano, a reação inicial foi a mesma de sempre, “isso é fake News, não existe motivo para se preocuparem! ” Clamavam alguns, “isso é uma montagem, eu consigo fazer algo melhor com alguns aplicativos, comprem e vejam! ” Diziam alguns internautas.
No terceiro dia, os fenômenos aumentaram, as cidades costeiras, antes movimentadas e ricas em turismo, agora estavam desertas. As pessoas começaram a culpar o governo, pedindo por respostas inexistentes, muitas pessoas, temendo o pior, deixaram suas casas e foram para as grandes metrópoles no centro do pais. E então, sem aviso algum os ataques que viam do mar pararam. Imaginei na época que o governo tinha lidado com tudo, que em suas mãos aviam respostas logicas que iriam acalmar o coração de todos e que logo iriamos retornar a nossas vidas cotidianas.
No quarto dia, os ataques que achávamos que tinham acabados se iniciam nas grandes cidades. As vítimas eram atacadas durante a noite, muitos tentaram continuar suas rotinas, achando que os ataques tinham parados. Tudo que foram encontrados deles foram restos apodrecidos e semidevorados.
Na manhã do quinto dia, o choque foi generalizado, muitos perderam entes queridos enquanto dormiam. “O chupa cabra levou a perna do meu filho!!!” Disse um fazendeiro, “o fim está próximo!!!” Dizia o pastor histericamente para a sua comunidade. Os policiais tentaram revidar, a polícia e o exército foram convocados para patrulhas as grandes cidades e depois de alguns ataques eles conseguiram matar algumas das criaturas humanoides que pareciam se alastrar pelo subterrâneo, nos esgotos. Eram criaturas com patas traseiras grandes como cangurus, andavam em quatro patas, tinham longas garras e dentes serrilhados, suas cabeças lembravam de forma vaga um ser humano, mesmo que estivesse faltando nariz e outros detalhes, essas características pareciam estar presentes em todas as criaturas encontradas. A notícia que tudo estava resolvido surgiram na parte da tarde, mas deixaram de ter importância quando os ataques começaram em outros países, as coisas pioraram ainda mais. O pânico se espalhou feito fogo, apagões eram frequentes em certas áreas, a internet tinha falhas frequentes a deixando quase inútil, e as pessoas mostraram sua real face, saqueando lojas, e matando umas às outras, enquanto o desespero aumentava mais e mais. O governo declarou um toque de recolher, deixando claro que qualquer um que fosse visto andando fora do horário iria ser morto. “Aonde estão os nossos direitos!! ” Alguns reclamaram, “isso só pode ser um golpe de estado!!” Outros afirmavam, mas ninguém tinha ideia do que estava acontecendo.
O último noticiário que eu vi, aconteceu na manhã do sexto dia, quando um noticiário local mostrava o movimento nas ruas da capital, apesar de tudo, o local estava cheio de pessoas e o repórter comentava que tudo iria voltar ao normal e que todos os incidentes seriam resolvidos. Foi então que sua expressão mudou visivelmente, ele começou a gemer e então sua face se distorceu em um misto de dor, loucura e desespero, como se estivesse possesso, ele gorgolejava em um misto de choro e grito. Da sua boca além dos gemidos saiam sons incompreensíveis, como se fosse algo negro, atroz e profano, então, todas as pessoas perto dele começou a tremer dos pês a cabeça, chorando e se contorcendo como se o próprio demônio as usassem como marionetes, nesta hora uma força invisível ergueu o corpo do jornalista, a mais de 3 metros do solo e sua cabeça e demais membros foram separados de uma só vez. A gravação continuou mostrando aquilo, um cenário de tom escarlate profano, enquanto as pessoas mais próximas eram devoradas por algo tão alienígena que meu cérebro, por não compreender a deixavam invisível, mas seus rosnados e mordidas cobertas de sangue nunca mais deixam meus pesadelos. Eu desliguei a televisão, mas a imagem daquele toca desmembrado, caído no chão e parcialmente devorado no chão, com aquela poça de sangue vermelho que se transformava num preto azeviche ficaram gravados em minhas memórias. Não tínhamos mais energia elétrica, o mundo moderno ruiu, os governos deixaram de existir depois dos lançamentos de ogivas nucleares que lançaram ao oceano, o local da onde essas criaturas pareciam vir, as bombas causaram chuvas ácidas e contaminaram boa parte das fontes de água potável.
Escrevo agora esse desabafo em um velho caderno que carrego sempre comigo, ainda tenho fé que esse relato possa durar um pouco mais depois que minha vida acabar. Estou sobrevivendo junto com algumas pessoas, nas ruínas de uma velha fábrica, só temos comida para mais um dia e a água está acabando. Nós não podemos sair porque as ruas agora estão tomadas por criaturas estranhas e as pessoas que tem sorte de escapar logo são mortas pelo lodo negro que se espalhou pelas ruas e paredes, a cada dia resta poucos de nos, este é o fim e tudo acabou tão rápido, antes vivíamos em um mundo lindo e ignorante por causa de nossa visão limitada, nosso formigueiro sobreviveu por muito tempo, mas agora todos os sonhos; desejos; esperança e arrogância da raça humana se transformaram em poeira e desapareceram com o vento, ficaram de baixo dos pés dos verdadeiros governantes, que se levantaram do sangue e da carne e decidiram retomar sua casa.
Alguns dos seres acabaram de invadir as ruínas...espero morrer logo...
Pin It
Atualizado em: Seg 22 Nov 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222