person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

A proposta

- Você me ama?
- Sim, eu ti amo muito. Mais do que tudo nessa vida.
- Ama não. Você só tá me enganando, só quer me usar e depois me jogar fora. Como já fez com tantas outras.
- Eu ti amo. Como você pode pensar isso de mim? Logo eu que joguei tudo para o alto para vir atrás de ti. Juro que ti amo.
- Então prova!
- Como? O que eu faço?
- Mata o meu marido e foge comigo.
Rodrigo recebeu com uma grande surpresa a proposta de Isabela. – Matar?! Nunca havia passado por sua cabeça matar alguém, mas para atender ao pedido de sua amada ele era capaz de fazer loucuras.
- Você sabe que enquanto ele viver não podemos assumir o nosso romance e sermos felizes. Tá vendo essas marcas pelo meu corpo? Ele me bate, me maltrata, me tortura. Se descobrir nosso romance matará nós dois.
Rodrigo continuava com a cabeça baixa – pensativo. Ele sabia que Luiz – o esposo de Isabela – Batia nela. Aquilo o deixava furioso, não entendia o porquê que com toda a humilhação que ela passava ao lado do marido, ainda continuava casada com ele. No entanto, mesmo com todo o ódio que ele tinha pelo marido de Isabela, nunca passara por sua cabeça mata-lo.

Rodrigo e Isabela eram primos – cresceram juntos e juntos descobriram o amor – ele foi o primeiro homem de sua vida e ela a sua mulher. Apaixonaram-se e até sonhavam casar. Mas tal sonho não era fácil de realizar, sobretudo devido à oposição de seus familiares e a mentalidade conservadora da cidadezinha do interior onde viviam. E de fato não se realizou – a vida levou-os por caminhos diferentes. Isabela deixou a cidadezinha interiorana e foi morar na capital. Conheceu Luiz – um policial militar com quem se casou. Porém ela nunca conseguira esquecer o grande amor de sua vida – seu primo Rodrigo. Ele sofreu muito no dia que soube do casamento de Isabela. Foi em um bar, tomou todas e mais algumas. Não acreditava na noticia que recebera de que seu grande amor iria se casar com outro.

- Então não passavam de mentira as juras de amor que ela me fazia? Pensava consigo Rodrigo. A resposta era sempre sim. – Só me resta esquece-la. E assim ele tentou fazer.

Tempos depois Rodrigo decidiu deixar a pequena cidade do interior onde morava para seguir até a capital e ali quem sabe construir uma nova vida. No fundo do seu coração também carregava a esperança de reencontrar sua amada e quem sabe construir uma nova historia juntos. Não demorou muito para que Isabela soubesse que Rodrigo estava morando na capital. O que ocorreu bem no período em que ela atravessava uma crise tremenda no seu casamento. O fato é que ela nunca fora feliz ao lado de Luiz. Casara-se com ele mais por necessidade do que por amor. Luiz era machista e extremamente violento. Mantinha a esposa tal como uma prisioneira, uma escrava. Assim ela não pensou duas vezes em se jogar nos braços de Rodrigo. Quando se viram não conseguiram esconder um do outro que ainda se amavam perdidamente. E mesmo sobre forte risco passaram a ter um caso secreto. A vida ao lado de Luiz tornava-se cada dia mais insuportável para Isabela. No entanto ela sabia que o esposo já mais aceitaria um pedido de divorcio. Ao contrario, se soubesse que ela estava o traindo, ele a mataria sem nenhuma duvida. Assim a única forma que ela acreditava ser possível para livrar-se do marido, seria matando-o. E ninguém melhor para executar o serviço do que seu amante.

- Eu sei que não deveria pedir isso para ti. Ele é mais forte que você, mais preparado. Seria muito arriscado. Você não daria conta.

- Você pensa isso mesmo? Acha que só por que ele é policial militar tenho medo dele? Acha mesmo que não tenho coragem de mata-lo? Nos conhecemos desde criança e mesmo assim parece que tu não me conhece.

- Não é isso. Sei da tua coragem. Mas o fato é que é muito arriscado. É melhor esquecermos isso. Talvez seja mesmo minha sina suportar aquele monstro que me espanca todos os dias, que desconta em mim as frustrações do seu trabalho.

- Quando disse a ti que te amo acima de tudo, não estava brincando e que sou capaz de fazer qualquer coisa para provar o meu amor também não era apenas força de expressão. E para provar que te amo ti livrarei daquele monstro. Vou mata-lo.
- Você jura? Você é capaz de fazer isso por mim, por nós, pela nossa felicidade?
- Sim meu amor.
Isabela abraçou Rodrigo e beijou-o loucamente. Despiram-se e transaram alucinadamente ao som do Motor Head, tal como já mais transaram até então. Aquela transa selava um pacto entre os dois – o pacto pela morte do Luiz.

Isabela tinha tudo planejado há muito tempo: - Amanhã o Luiz vai dar plantão à noite. Quando ele for para o trabalho eu ti ligo e tu vai lá para minha casa. Dormimos juntos, ai vou arranjar uma arma para ti – o Luiz tem um revolver que ele deixa escondido em casa, sei o lugar pego e passo pra ti. Quando ele retornar do trabalho, quando abrir a porta de casa você estará lá esperando por ele, dai você descarrega a arma nele.

- Amanhã? Já? Questionou Rodrigo.

- Sim, amanhã. Não podemos perder tempo. Vai ser tranquilo. Ele já mais vai imaginar que você estará lá em casa esperando por ele de tocaia.
- Ok, então. Vai ser amanhã.
- Olha lá, não vai dar pra trás. Agora tenho que ir, pois se ele chegar em casa e eu não estiver, vai ser mais uma sessão de tortura.
Beijaram-se e se despediram, agora era só esperar o momento que tudo aconteceria e fazer acontecer. Isabela voltando para casa imaginava consigo: – agora só basta àquele covarde desistir, mas ele não é louco de fazer isso comigo. Rodrigo por sua vez estava receoso no que poderia acontecer. Não o assassinato em si, pois era só apertar o gatilho, o problema era o que aconteceria depois – a morte de um policial militar e toda a perseguição que sofreria – tanto ele como sua amada. E assim não foi pouca ás vezes que ele imaginou desistir, em não cometer aquele crime, mas pensava no quanto seria decepcionante para sua amada se ele desistisse. Uma decepção que poderia significar o fim do romance deles.

Chega então o dia tão aguardado. Luiz sai para o trabalho e duas horas depois Isabela liga para Rodrigo: - Meu amor, ele já foi para o trabalho, pode vir. Já estou com a arma em minhas mãos. Vem logo que estou louca pra ti ver. E não se preocupe que tudo vai dá certo. Tudo vai ficar bem e seremos muito felizes.

- Ah aquela voz. A voz doce de Isabela no telefone, sussurrando no ouvido de Rodrigo o deixava maluco. Ele se esquecia de tudo, só pensava em esta com ela, em abraça-la, beijar todo o seu corpo e transarem alucinadamente tal como da ultima vez que se encontraram. Ao chegar a casa dela, ele não se arrependeu tiveram uma noite de amor incrível com muito sexo, drogas e rock in rol. A noite foi tão maravilhosa que passou rapidamente, tão rapidamente que eles nem perceberam que já começava raiar o sol de um novo dia.
- Rodrigo, Rodrigo, tá na hora ele esta chegando, o Luiz tá chegando. Esconda-se que eu vou abrir a porta pra ele, quando ele entrar atire.
- Amor, cheguei, abra a porta. Falou Luiz
- Já vai. Gritou Isabela. Em seguida virou para Rodrigo dando lhe um beijo e dizendo – é agora meu bem.
- O que você estava fazendo que demorou tanto para abrir essa porta? Gritou Luiz com Isabela.
Mas antes que ela respondesse e que ele se quer colocasse os dois pés para dentro da casa ouve-se então os disparos – Pum, pum, pum. Sem nenhuma reação Luiz cai morto no chão. Rodrigo está tremulo com o revolver na mão olhando para o corpo do Luiz já sem vida, não acreditando no que acabara de fazer. Isabela por sua vez tinha um estranho sorriso nos lábios, um sorriso macabro. Ela vai até o marido que está morto no chão, senti o seu pulso e diz: - Ele esta morto. Rodrigo continua paralisado com a arma na mão, parecendo esta em estado de choque. Isabela por sua vez pega a arma que Luiz trazia na cintura vira para Rodrigo e lhe dá três tiros – pum, pum, pum. Em seguida ela liga para policia e conta tudo que havia acontecido.
- Meu primo Rodrigo invadiu a minha casa para roubar. Meu querido marido tentou reagir, eles trocaram tiro e se mataram.
Pin It
Atualizado em: Qua 25 Set 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222