person_outline



search

Samuel C. da Costa é entrevistado pelo Projeto Visibilidades da Nova Coletânea

Samuel C. Costa - Autor da Nova Coletânea
Foto cedida pelo autor à Nova Coletânea

Samuel C. Costa é autor de Itajaí, Santa Catarina. Autor brasileiro que inicia suas publicações pelo projeto Nova Coletânea e que, oportunamente, traz ao leitor um texto muito interessante na coletânea “Livre Pensar Literário” cujo título é “A caminho do martírio”. Sobre o autor você poderá colher informações na entrevista que nos concedeu recentemente. Esperamos, com isso, propiciar ao seu talento maior visibilidade nessas vias.

1 - Como você definiria o escritor e a pessoa Samuel C. Costa?

Definir a si mesmo não é uma tarefa fácil, hoje posso me definir como um militante poeta, ou seja, um militante social que encontrou na poesia e na prosa um novo campo de luta e inclusão social.

2 - Onde nasceu e qual sua relação com o lugar em que mora?

Nasci e moro em Itajaí, litoral Norte Catarinense e, falar sobre Itajaí e Santa Catarina no geral é muito difícil. Pois apesar de termos um dos melhores padrões de vida, em relação ao resto de país, aqui não é o eldorado que a mídia vende. Culturalmente, estamos espremidos por uma cultura europeia muito forte, e falar de negritude é quase um crime por aqui.


3 – Quando começou a escrever textos literários? Lembra o título do primeiro trabalho?

Falar em literatura sem falar na minha mãe é quase impossível para mim. Ela é minha grande incentivadora, a escrita, por incrível que pareça, entrou na minha vida na faculdade de Publicidade e Propaganda, por meio das disciplinas de redação. Mas considero a poesia, em especial , como o início de tudo. Estava um tempo sem me barbear e um conhecido meu, que estudava Relações Públicas, sugeriu que me barbeasse para ficar mais apresentável à sociedade. Ai escrevi o poema - resposta ‘’Não tirem a minha individualidade’’. A poesia, desde então, tornou-se uma constante na minha vida.


4 - Por que decidiu participar desta antologia?

A antologia como um projeto de inclusão social traz um diferencial, e isso me atraiu.como um todo. Um projeto muito louvável para os dias de hoje.

 

5 - Fale-nos sobre seus projetos de publicação (se possível envie-nos um link para divulgá-los)?

Faço parte do coletivo de escritores da minha cidade. Já publicamos jornais alternativos, participamos de programas de rádio e TV, varais literários e organizamos dois saraus literários. Pronunciar a respeito da literatura itajaiense e não falar em Vivaldo Terres, Patrícia Raphael, José Luis Grando e Giordano Zaguine Furtado é impossível. Mas em termos de projeto individual, tenho dois livros lançados: Horizonte Vermelho (verso) e Uma flor chamada margarida (verso e prosa). Também tenho dois livros a ser lançados: Meca-nografia (verso) e Não acordem a cidade (Prosa) Poema novo (verso).

6 - Que livro foi marcante na sua trajetória pessoal ou como escritor? Recomendaria outros?

Posso dizer que em termos de poesias, basicamente, duas figuras me vem à cabeça, João da Cruz e Sousa (Broqueis) e Fernando Pessoa (Obra completa). São essas as minhas maiores influências em poesia. Na prosa, Lima Barreto (Clara dos anjos e O triste fim de Policarpo Quaresma) meus preferidos.


7 - Como se dá o processo de criação das suas obras?

O poeta e contista Vivaldo Terres tem a seguinte frase: ‘’Primeiro sinto, depois penso e ai passo para o papel.’’ E não preciso dize mais nada.

8 – Você acredita que a internet é um lugar propício para o desenvolvimento de bons escritores? O que você pensa a esse respeito?

A internet é um ambiente ambíguo, aonde podemos encontrar de tudo. Mas como venho usando-a para divulgar meu trabalho, te digo Bruno, que temos que ocupar esse ambiente positivamente. Sim, respondendo a sua pergunta, a internet é um fator novo e é um processo irreversível. Daqui a algumas décadas saberemos se os resultados foram positivos ou negativos.


9 - Quais os aspectos predominantes em sua OBRA?

Amor, ódio, esperança, paixão, denúncia, desespero e esperança...

10 – A internet teve papel importante na sua decisão em escrever narrativas?

Digo que não, antes tive que escrever por causa da faculdade de comunicação. Mas tive um impulso muito grande com a internet, conheci outros escritores e apreciadores ar arte escrita através dela, meu amigo Bruno.


11 - Como conheceu a "Nova Coletânea"?

Pesquisando no bom e ‘’velho’’ Google.


12 - Como vê a atuação do projeto no âmbito virtual?

Salutar, em tempo de truculência e ignorância, projetos como a coletânea só vem a somar. Tanto no ambiente virtual como no real acredito e muito e iniciativas como estas.

13 - Que mensagem deixaria ao novo autor?

Antes de tudo ler e cultivar o bom hábito da reflexão, melhor ainda.

O autor oferece ao leitor a leitura de um de seus belos trabalhos:

Não Tirem a minha Individualidade

 

Samuel C. da Costa

Respeito, não tirem a minha individualidade

Minha barba mal feita

Minha sandália de dedo

Minhas roupas estropiadas

Minhas utopias, minha vontade de mudar o mundo

Não tirem a minha individualidade

Intolerância, seus cabelos perfeitos

Suas roupas padronizadas

Suas vidas padronizadas & suas fórmulas prontas de felicidade

Não tirem a minha individualidade

Seus gestos de boa vontade

Não tirem a minha individualidade

Por favor, respeitem as minhas individualidades

Minha pela negra, cor de ébano

Respeitem minhas individualidades

Minhas simplicidades...

Pin It
Atualizado em: Qua 31 Mar 2010

Comentários  

#1 Cilas_Medi 05-04-2010 09:01
Louvável a entrevista, só assim podemos ser conhecidos e nos conhecer melhor. E o que nos disse sobre a individualidade. Perfeito. Parabéns! :D

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222