person_outline



search

No Último Verão (Capítulo 40)

  Eu abria meus olhos lentamente. Ultimamente eu tenho estado muito cansada. 

  - Amor? - ouvi a voz de Tommy me chamar. 

  Isso me fez abrir os olhos mais rápido e, quando me acostumei com a claridade, vi Tommy segurando Nina e cantando "parabéns" para mim. E é claro que a câmera de vídeo estava em sua outra mão. Havia uma bandeja, em cima das minhas pernas, com um bolo e uma vela. 

  Nina batia palmas e ria, enquanto Tommy cantava - o que era péssimo, pois ele não era um bom cantor. Dava para acreditar ? Realmente parecia que éramos uma família normal ! 

  Eu soprei a vela e estendi os braços para Nina, Tommy entregou-a para mim e eu beijei seu rostinho assim que ela se ajeitou em meu braços. 

  - Feliz aniversário, amor. - Tommy disse, me dando um beijo. 

  Sorri e dei outro beijo. 

  - Acho bom se vestir. 

  - Por que? - perguntei, me levantando e entregando Nina á ele.  - Fiz algumas surpresas para você. - ele piscou e saiu do quarto. 

  Corri até o banheiro e tomei um banho. Depois vesti apenas um short jeans curto e uma regata branca. 

  Decidi ir ver Nina em seu quarto. Quando cheguei, ela estava dormindo. 

  - Amy? - Tommy me chamou, me abraçando por trás. - Pronta para a surpresa? 

  - Sim. - respondi sorrindo. 

  Ele pegou minha mão e me puxou para fora do quarto de Nina. 

  - Acho bom você calçar um tênis. - Tommy avisou. 

  - Por que? 

  - Você quer ver a surpresa ou não? 

  Revirei os olhos e caminhei de volta ao meu quarto, calcei o tênis e desci as escadas, em direção á sala de estar, onde Tommy me esperava. 

  Ele sorriu, entrelaçou sua mão com a minha e me guiou para fora da casa. 

  - Ei, e se Nina acordar? - perguntei. 

  - Não vai, ela acabou de dormir. - respondeu, ainda me guiando pra Deus sabe lá onde! 

  - E se algo acontecer com ela? 

  - O que irá acontecer, Amy? Um bicho-papão ou algo assim entrar no quarto dela e pegá-la? 

  O encarei e avisei: 

  - Nem brinque com isso! 

  - Amor, relaxa, nada vai acontecer, OK? - insistiu ele. 

  - OK, confio em você. 

  Ele me deu um selinho, sorrindo. 

  Agora estávamos correndo pela mata da ilha e... Espera, acho que eu sabia exatamente para onde estávamos indo: nosso refúgio, a caverna. 

  E eu estava certa, assim que comecei á ouvir o som da pequena cachoeira, sorri. 

  - Não acredito que me trouxe aqui! - sussurrei, feliz. 

  - Você ainda não viu nada! 

  Nós não entramos no lago dessa vez, andamos pela areira até chegar em algumas pedras que serviriam de atalho até a caverna. 

  Quando meus olhos se acostumaram com a imagem e eu tive a certeza de que não estava sonhando, comecei á soltar lágrimas. Aquilo, realmente, era real? 

  - E, então, o que achou? - Tommy perguntou. 

  Eu ainda estava tentando me acostumar com a imagem: na parte interna da caverna haviam fotos, fotos para todos os lados. Fotos nossas. De quando estávamos no Brasil (que ocupavam a maior parte) do nosso casamento, de quando Nina nasceu, a minha foto com Tommy e Nina no aniversário dele (que também tem uma versão e quadro que fica acima da cabeceira de minha cama). 

  - Tommy, eu... Não tenho palavras... É... É lindo! 

  - Fico feliz que tenha gostado. - ele olhou para o teto, e em seguida disse: - Olhe para cima. 

  No teto havia um frande coração escrito: " Tommy, Amy e Nina... Para Sempre " 

  Podia até parecer uma coisa brega, clichê.... Mas, para mim, não era nada disso.  

  - Eu já te disse o quanto te amo ? - perguntei á ele. 

  - Acho que sim. - Tommy respondeu, sorrindo. 

  Então nos beijamos.

 

                                                                    *** 

 

Nina estava linda, ganhava mais atenção que eu na minha própria festa de aniversário! 

  - Como tem passado, Amy ? - Amanda perguntou, se sentando ao meu lado e brincando com Nina. 

  - Estou um pouquinho melhor. - respondi, sorrindo. 

  - Como eu sempre digo: se precisar, é só chamar. 

  - Mais uma vez, obrigada, Amanda. 

  - Disponha.

 

                                                                    *** 

 

Todos os convidados já haviam ido embora, eles não queria que eu "ficasse cansada". 

  Eu ainda estava com minha roupa de festa, enquanto lavava louça, Tommy fazia Nina dormir. 

  Depois que terminei, me sentei no sofá da sala.  Tommy desceu as escadas, foi até mim e perguntou: 

  - Pronta para ver sua outra surpresa? 

  - Tem mais uma? - sorri. 

  - Mas é claro que tem. 

  - OK, quero vê-la. 

  Ele me puxou do sofá para as escadas e das escadas para a última porta que havia no corredor do segundo andar. Assim que ele abriu, mais uma escada pareceu em nossa frente. 

  - Onde isso vai dar? - perguntei, curiosa. 

  - No telhado. Fiz algo especial para nós dois. - ele piscou e começou á subir. 

  Eu fui logo atrás dele. 

  Assim que ele abriu uma portinha que havia no teto, senti a brisa fresca do lado de fora. 

  Ele me ajudou á ficar de pé e eu olhei em volta. 

  Estávamos mesmo no teto de casa, mas em uma área plana. 

  Havia um colchão com lençóis brancos e algumas velas perfumadas em volta. 

  Tommy colocou a música "Angel" de Sarah McLachlan. 

  - Fez tudo isso pra mim? - perguntei, sorrindo mais ainda. 

  - Claro que sim. 

  Ele me abraçou e começamos á dançar em um ritmo lento. 

  - Sabia que essa música tem tudo á ver com minha história? - perguntei com o rosto em seu ombro. 

  - Mesmo? Por que? 

  - Porque você é meu anjo. Meu anjo... Que me salvou de todas as coisas ruins. 

  - Acho que foi ao contrário. 

  - Não, não foi. Você realmente me salvou, Tommy. De tudo. Você me protege como se eu fosse a coisa mais valiosa do universo. 

  - E você é. Bem, pelo menos é a pessoa mais valiosa do universo para mim. 

  Ele era tão doce comigo. Tão romântico. Tão sincero. Tão... angelical. 

  Eu o beijei e o puxei para a cama, começando á tirar sua camisa. 

  - Amy, acho melhor não fazermos isso. - ele sussurrava entre o beijo. 

  De repente, parei de beijá-lo e encarei-o séria. 

  - Não me trate como se eu fosse alguém incapaz de fazer isso. 

  - Você pode ficar muito cansada, sabe disso. 

  - Acha que eu ligo pra isso? Eu amo você, vou fazer isso com você, sei que vai cuidar de mim. 

  Ele me observava com um olhar de dúvida. 

  - Eu te amo, Tommy. 

  Os olhos dele brilharam. Então voltou á me beijar. 

  Ele era só meu novamente. 

  Só meu... 

  Meu único amor... 

  Meu anjo.

Pin It
Atualizado em: Qui 15 Maio 2014

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222