person_outline



search

Oxente, tá aí um mangá que eu queria ler!

É muito comum o discurso dos mangakás brasileiros sobre nacionalismo, patriotismo e outras coisas mais. Entretanto, não vejo esforço nenhum desses quadrinistas brasileiros incluir ou fazer releituras do nosso folclore; das mitologias indígenas e afrobrasileiras; descentralizar a narrativa no eixo Sul-Sudeste; ou fazer de negros, pardos e indígenas protagonistas de suas obras. O amor a nação fica só na teoria mesmo. Na prática, o que se preza é fazer histórias no Japão feudal, no Japão atual ou em um lugar semelhante, quando não eurocêntrico.
          Cortando esses discursos xaropes pela cepa, Rhenato Guimarães nos traz um verdadeiro mangá nacional. Oxente é aquele tipo de obra que deve ser apreciado pelo simples fato de existir. Não estou apelando ao exotismo, ao contrário, é pelo simples fato de quebrar as narrativas hegemônicas que transformam nossa história e cultura popular em subproduto, periferia do mundo, algo de menor valor, que você deve ler Oxente.
          Meu primeiro contato com o título se deu com um one-shot, publicado de modo independente na plataforma Craftcomicbook — que encerrou suas atividades, infelizmente. O autor ainda usava o pseudônimo Renato Silva. Ali eu já via um grande potencial no quadrinho. Descobrindo que uma série seria publicada na Revista Action Hiken, revista mensal publicada pelo Estúdio Armon, sorri de orelha a orelha.
          Na obra, nós seguimos a jornada de Serafim Ferreira da Silva, ou só Serafim, para os íntimos. Ele é filho do temível Lampião, o mais famoso cangaceiro da nossa história. O protagonista vivia com o seu avô, perto de uma cidade chamada Poço Fundo, em Sergipe, estado que faz fronteira com a Bahia. O assassino era integrante de um bando chamado Olho Negro, e tem interesses escusos nas habilidades sobrenaturais do menino.
          O mangá é um ótimo shonen. Tem ação e aventura na medida certa. Em seis capítulos o autor apresentou a personalidade e plano de fundo do protagonista. Contando com um arco introdutório para incluir os vilões. Tem capítulos inteiros com cenas de luta, com muita trocação e efeitos especiais. Gostei muito do resultado, e os leitores também, pois se tornou um pilar da Action Hiken. O Zuran, companheiro de Serafim, é um alívio cômico, e bom baiano. Espero que o autor não recorra aos estereótipos negativos para produzir humor com esse personagem.
          Houve um trabalho do autor em relação a ambientação e arquitetura, fauna, e a flora também. O mangá ficou muito verossímil, principalmente em suas paisagens áridas, as páginas são porosas, bem iluminadas. O autor teve boas referências para construir seu traço, mas, One Piece e Naruto, por si só, não nos dizem muito da sua estética. O desenho me lembra muito xilogravuras nordestinas, muito conhecida através dos livros de cordéis. A diagramação é dinâmica, e muito coerente.
          O traço do autor é bem caricato, e possui uma ótima mescla, é singular. A linguagem pode assustar em algum momento, são muitas gírias regionais e até alguns xingos, mas não se aperrei, tem notas explicativas e muitos desses xingamentos não é o que aparenta no Nordeste. Linguagem constrói cultura, que cria hábitos e tudo o mais. Manter a diversidade da língua foi assertivo. Dá pra ouvir o sotaque dos personagens, soa bem natural. É um marco nesse nicho. Me reconheço nessa ficção.
          Sua publicação estreou em junho de 2018, na edição n. 32. Até a escrita dessa resenha, o mangá já conta com 11 capítulos. O volume 1 tem mais de 180 páginas. Possui orelhas, contém bastidores da produção, galeria de fanarts e um cordel. A obra foi financiada pelo Catarse, e conta com os nomes de todos os apoiadores da campanha. Ganhou nova segunda tiragem. A obra veio com um marca páginas exclusivo. Se quiser adquirir a obra, acesse o site do Estúdio Armon.


Pin It
Atualizado em: Seg 17 Ago 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222