person_outline



search

romance,

  • A Grande Rocha da Vida

    Quando a Terra Média ainda era dividida entre homens e criaturas, existiam os reinos dos humanos, o território dos gigantes, as cavernas dos elfos, o reino das fadas, o reino das nuvens dos deuses, e o misterioso reino dos pesadelos, habitado pelos demônios.
    Entre eles existia uma rocha mágica que podia curar quem a absorvesse, nem que fosse um pouquinho de seu poder de doenças e feridas, A Grande Rocha da vida. Todas essas nações podiam usar o seu poder, moderadamente, para que não houvesse conflitos ou guerras por posse dela, tanto que cada nação tinha um dia específico da semana para usar o poder da Grande Rocha, a menos que fosse emergência.
    Havia um segredo sobre a Rocha que só os deuses e os demônios tinham em conhecimento, que se alguém absorvesse todo o seu poder, obteria vida eterna e poder ilimitado, o suficiente para derrotar qualquer um, e segundo as Runas dos Tempos dos Profetas, apenas quem tivesse o sangue de demônios ou deuses podia absorver toda a Rocha, mas “lá se sabe se isso é verdade”.
    Um dia os demônios tentaram tomar a Rocha só para eles no objetivo de que Helldron, Rei dos demônios, absorvesse-a e destruísse as outras nações, dominando o mundo, mas falharam porque todos se uniram e os selaram junto ao portal proibido que dava acesso para o Reino dos Pesadelos. Muitos morreram, pois os demônios eram muito poderosos. Quando tudo estava se estabilizando os deuses fizeram um comunicado pacífico, dizendo que iriam pegar a Rocha e leva-la aos céus para que eles decidissem quem usaria ou não o seu poder, mas não aceitaram e obrigaram os deuses a se exilarem nos céus. Os deuses são pacíficos e inteligentes então para manter a ordem eles aceitaram seu exílio, pois sabiam que depois desse comunicado poderia haver desconfiança. E assim terminou o que eles chamaram de “A Guerra Centenária”, pois pode não parecer, mas a guerra contra os demônios durou 200 anos.
    Os demônios não eram muito amigáveis. Eles tinham três corações e viviam 700 anos. As fadas eram fascinantes porque eles voavam sem ao menos ter asas e mantinham um corpo jovem mesmo estando a poucos dias da morte. Vivem 300 anos e quando morrem seus corpos demoram 50 anos para se decompor. Os humanos viviam uma vida normal, sua expectativa de vida era cerca de 90 anos. Os gigantes, bem, eles não eram maus, mas alguns eram brutos demais, outros eram amigáveis, e uns eram travessos, pois pregavam peças nos humanos se fantasiando de demônios e assustando-os dizendo que “nós, os demônios voltamos para tomar a Grande Rocha e destruir todas as nações”, e por isso os gigantes eram mal interpretados por alguns humanos, pois achavam que os gigantes queriam a volta dos demônios... “será que é verdade?”. Os elfos também eram pacíficos, assim como os deuses, mas também eram misteriosos. Pesquisavam segredos do mundo, mas não diziam para os outros. Os deuses não eram como divindades, eram nomeados de deuses por serem muito sábios, tentavam evitar conflitos, procuravam jeitos de beneficiar a todos. Eles não são eternos, mas vivem 300 anos a mais que os demônios. Antes dos deuses serem exilados, alguns se relacionavam com humanos, e a junção dos dois originou uma nova espécie, que rapidamente virou uma nação também, e ficaram conhecidos como druidas. Os druidas têm duas diferenças dos humanos, uma, é que eles nascem com os olhos muito amarelados e brilhantes, e outra é que eles têm um poder de cura parecido com a da Grande Rocha da Vida, só que um druida pode curar apenas feridas, pois envenenamentos, doenças, essas coisas eles não conseguem curar. Havia um, porém no nascimento de um druida, pois alguns nasciam como humanos normais, mas eles não eram mandados para os outros reinos, pois os anciões ensinavam técnicas de cura com ervas e outras coisas que eles encontravam na floresta dos druidas. E também não podem absorver tanto da Grande Rocha. Todos aceitaram o surgimento dos druidas, as fadas se aliaram a eles, e os dois agiram por gerações como “unha e carne”.
    Muitos anos depois da Guerra Centenária, na floresta dos druidas, havia 200 anos que humanos não nasciam, e acharam que tal coisa não iria mais acontecer, até que uma menina nasceu só que ela nasceu com muitas doenças, meio fraca, e por alguma razão, a Grande Rocha não curava suas doenças. Ela sempre admirou a Rocha, mesmo não podendo ajuda-la. Ela cresceu, conheceu um humano por quem se apaixonou, eles casaram-se e um ano depois tiveram a noticia de que ela estava gravida. Numa expedição aos Montes de Gelo, seu marido morreu num acidente. Quando o bebê estava pronto para nascer, numa mesa de parto, ela não tinha forças para fazer com que o bebê saísse, e sentia muita dor. Mesmo estando ciente de que não funcionava, levaram ela até a Rocha, pois era uma emergência, e, por incrível que pareça, a mesma a deu forças para deixa-lo sair. Ela sabia que ia morrer, mas antes de morrer viu que era um menino, e o nomeou como Seikatsu, que do japonês para o português significa “vida”.
    O Avô de Seikatsu não gostava dele, pois dizia ele que Seikatsu matou a própria mãe, então o menino foi criado por todos os druidas. Ele não guardava rancor de seu avô e não se sentia muito triste quando falavam de sua mãe, pois para ele ela era uma heroína por viver tantos anos no estado em que estava, e deixou ele como prova de sua força, e como ela, ele também admirava a grande Rocha.
    Quando completou maior idade decidiu iniciar uma jornada pela Terra Média para conhecer todas as criaturas das outras nações, indo primeiro para o reino mais próximo dos humanos, pois ele queria conhecer a cultura do povo do qual seu pai fazia parte.
    Chegando lá ele se encantou com o jeito dos humanos, seu jeito de comemorar o deixava impressionado. Com o dinheiro que ele havia guardado por anos para quando chegasse sua jornada, ele pretendia comprar várias coisas do reino humano, mas descobriu que no dia seguinte teria um festival que os humanos celebravam para comemorar a vitória contra os demônios na Guerra Centenária, então guardou suas economias para o tão esperado evento. No dia do festival, todos cantavam e dançavam juntos, e o rei propôs irem todos até à Grande Rocha para admirá-la enquanto celebravam, e como ele chegou atrasado não conseguiu comprar nada, então só podia aproveitar a longa caminhada até a Rocha. Chegando lá, todos se espantaram, pois, metade da Rocha tinha sumido, como se alguém tivesse a cortado e levado embora, e seu poder estava enfraquecido, incapaz de curar qualquer um.
    Não demorou muito pra todas as nações ficarem sabendo. Os humanos convocaram uma reunião para saber o que houve, mas o atual estado da Grande Rocha começou a causar discórdia, pois os druidas e as fadas acusaram os humanos de roubar o poder da Rocha por terem sido vistos por perto, e os gigantes não estavam do lado de ninguém, só sabiam que alguém havia roubado a Grande Rocha e que estavam prontos para qualquer batalha para encontrá-la, e os elfos não reagiram de nenhum modo, o que era muito suspeito. Seikatsu não conseguiu engolir o fato de que a Grande Rocha não estava em seu estado normal, e que isso causaria guerra. Usou todas as suas economias para comprar uma espada, e um equipamento básico para sair numa jornada, e dessa vez não era para conhecer seres e lugares novos, e sim para descobrir o que aconteceu com a Grande Rocha. Ele falou com o rei sobre sua jornada, e pediu que alguns homens fossem com ele, mas o rei não pensava em nada além de se preparar o possível começo de outra “Guerra Centenária”, e os únicos que conseguiam ajudar a restaurar a ordem e resolver os conflitos sem violência eram os deuses, mas eles haviam sido exilados, e não estavam mais interessados em deixar seu exílio e intervir na Terra.
    Seikatsu andou por três dias até chegar perto do reino dos gigantes. Chegando lá, viu alguns homens com pedras nas mãos, atirando-as em um buraco bem fundo, onde tinha um gigante com uma cara ameaçadora. Ele espantou aqueles homens com sua espada, chamou ajuda de alguns gigantes, e tiraram aquele brutamonte do buraco. O gigante agradeceu, e perguntou o que trazia um bravo humano até o território dos gigantes. Seikatsu explicou a situação, e o gigante, conhecido como Smasher, jurou que o guiaria até completar seu objetivo de descobrir o que aconteceu com a Grande Rocha da Vida. Eles fizeram uma pesquisa em metade do território dos gigantes, falaram inclusive com o comandante deles, e todos negaram que não sabiam nada sobre o atual estado da Grande Rocha, então eles partiram.
    Dois dias depois, eles chegaram num bosque, onde encontraram um enorme golem de planta, que expeliu um gás roxo que os envenenou e os fez cair de sono.  Quando acordaram, deram de cara com um monte de crianças flutuando, e perceberam que estavam no Reino das fadas.  As fadas explicaram a situação, foi um mal entendido, pois o golem de planta era só um guardião, mas ele não ataca a menos que cheguem perto do Reino das fadas sem avisar com antecedência. Enquanto Smasher estava fazendo a pesquisa sobre o desaparecimento da metade da Rocha, Seikatsu estava explorando aquela linda cidade, e enquanto passava por um recanto com plantações de uvas, ele se deparou com uma linda fada, e os dois ficaram por um longo tempo se encarando, como se nunca tivessem visto algo tão especial na vida. Eles se cumprimentaram, o nome dela era Hana. Ela ouviu falar sobre o que ele estava fazendo, e perguntou se ele gostaria de passar mais um dia pelo reino das fadas. Ele aceitou, e ela mostrou a ele como era a cidade à noite. Perto de um lago, meio embaraçados, explicaram o que sentiram um pelo outro quando se viram, pareciam sincronizados, um só, e no dia seguinte, ela o acompanhou em sua jornada.
    Seikatsu não tinha noção por onde começar a procurar uma passagem para as cavernas dos elfos, mas por sorte, Hana sabia onde era, porque quando mais nova, acompanhava sua mãe em entregas de flores para os elfos, pois por algum motivo eles adoravam comer pétalas de flores. Chegando lá n hesitaram em ir direto falar com a chefia. Os elfos disseram que descobriram que o rei dos demônios conseguiu um jeito de escapar antes de ser selado, e que ele estava habitando um corpo humano, e que foi ele que absorveu a Rocha, só que seu corpo humano era fraco, então só conseguiu absorver metade da Rocha, e a outra metade está fraca, e a mesma podia se destruir a qualquer momento. Seu plano era absorver os demônios do selo do portal proibido, reconstituir seu corpo original e terminar de absorver todo o poder da Grande Rocha da Vida.
    Saindo de lá, eles partiram em direção à Grande Rocha, no objetivo de dizer a todos o que realmente estava acontecendo, e chegando lá se deparou com os druidas caídos no chão próximos à Rocha, e um homem que aparentava estar com más intenções. Eles diziam que era seu pai. Então, o “pai” de Seikatsu começou a se decompor e surgir um demônio enorme de dentro dele, sendo esse Helldron, o Rei dos demônios. Helldron explicou que não houve nenhum acidente, e que Helldron matou e tomou o corpo do pai de Seikatsu, e matou todos os outros que estavam com ele. Smasher tentou um ataque surpresa, mas foi ludibriado, pois Helldron o pegou de surpresa, e o lançou contra a Grande Rocha. Smasher não aguentou tal impacto e teve alguns de seus ossos quebrados, impossibilitando-o de lutar. Os humanos temeram o poder de Helldron, e alguns deles recuaram, mas os gigantes, as fadas e os elfos, ficaram e lutaram bravamente, mas “a que preço?” Muitos foram mortos, Helldron estava invencível. Seikatsu partiu rapidamente para cima dele, e assim, num chute com poder suficiente pra abrir uma cratera, Helldron o lançou até a Rocha, fazendo com que seu corpo a perfurasse, e por alguma razão, ela não estava curando ninguém. Por alguns instantes, todos pensaram que era o fim. Helldron gargalhava comemorando sua vitória, e quando ia se aproximando da Rocha para absorvê-la, uma incrível luz surgiu de dentro dela, sua estrutura começou a se partir em pedaços, e de dentro dela, surgira um corpo emitindo luz, era Seikatsu. Helldron se perguntou o porquê, e como ele absorveu a Rocha, e um velho druida entendeu em fim que, Seikatsu e talvez até sua mãe não tivessem poderes de cura porque haviam herdado poder dos deuses, e na teoria, os deuses tinham mais controle sobre o poder da Rocha do que os demônios. Seikatsu absorveu em um estalar de dedos, toda a energia da Rocha tirada por Helldron, e, num soco estrondeante, reduziu Helldron em poeira. Seikatsu curou a todos, reviveu alguns mortos, despediu-se de Hana e dos druidas, e, emitindo uma incrível luz verde que iluminava toda a Terra Média, transformou-se em um incrível cristal, que se parecia com a Grande Rocha da Vida. Seu corpo virou uma estatua de pedra dentro daquele cristal. Sua Historia foi contada por gerações. Festivais celebrando sua vitória sobre Helldron, e todos o chamavam como, O Menino da Vida.
  • A história

                    “E aí Rose, o que tá pegando minha filha?” Leleco põe o skate embaixo do braço depois que cumprimenta a amiga.
                    “Não é nada não, é só que a autora está criando a nossa história. Alguma aventura vem por aí! Tô tão animada!!”
                    “Animada por que pô?! Que aventura? Eu quero que ela escreva um romance, aí normalmente a gente não faz nada, só fica pegando as mina gata que aparece na história!!” Leleco arruma um colarinho imaginário.
                    “Que não faz nada! A gente faz sim! Normalmente no romance a gente sofre por algum infortúnio antes do final feliz ou não tão feliz assim… – Leleco concorda. – Mas a aventura não, a aventura traz o carisma e a sagacidade da personagem à tona, ela torna cada capítulo um marco em nossas vidas, nas aventuras e nos suspenses é que moram as personagens mais preferidas e admiradas, pois conquistaram um lugar ao sol com muito esforço e em nome de um grande propósito.”
                    “Esse negócio de aventura dá muito trabalho ô Rose, não inventa esse negócio de glamour que não rola comigo não, meu esquema é namorar as gatinhas e fica de boa, falando aquelas frase de efeito que o cara nunca esquece.”
                    “Sabe que você tem razão, é como aquele autor maravilhoso que escreveu ‘aos vencedores as batatas’, quem leu não esquece. Mas ainda assim, não deixou de ser um livro emocionante e perigoso” A expressão de Rose se transformou em puro mistério.
                    “Rose, não viaja Rose, quer mais perigoso que tá o nosso país Rose, mané não precisa ler livro não, mané só vive, mano.”
                    “Credo Leleco! Também não é assim! Livro também traz mensagens positivas de amor e de paz, grandes lições e grandes exemplos!”
                    “Ah, então quer dizer que não vai passar lá o personagem principal o tempo todo sofrendo que nem um condenado?”
                    “Claro que não, toda a história tem um objetivo, uma motivação, um propósito” Rose tenta explicar da melhor forma possível. “Mesmo que às vezes a gente não entenda o que o autor está propondo logo de cara.
                    “Tipo Titanic, que o cara se arrisca a história inteira e ainda morre no final?”
                    “Na verdade, Titanic é uma história verdadeira, embora o Romance da história seja fictício, realmente aquela tragédia aconteceu”
                    “Nossa, que coisa! Tragédia verdadeira, romance fictício, isso tá muito parecido com a vida real Rose” Diz Leleco xingando.
                    “Por isso faço tanta questão de aventura Leleco, com a aventura a gente sonha, se inspira, se fortalece e vibra junto com o personagem quando tudo fica bem no final!”
                    “Vendo por esse lado, até que seria bacana se autora me colocasse num lugar de destaque, tipo o cara que sabe tudo e resolve as coisas no final. Eu quero é ficar bem na fita ae!”
                    “Mesmo se tiver que arriscar sua vida para salvar a mocinha da trama?”
                    “É… se não der muito trabalho!” Leleco dá risada da expressão irada de Rose.
                    “Leleco!!!”
    —————————————————————————————–
    Marya Lampert
    26/06/20
  • A Madrugada

     O quarto estava escuro, com um fraco feixe de luz lunar que entrava pela janela aberta, ferindo o breu instalado no úmido cômodo, iluminando o chão de piso branco barato e uma parede bege envelhecida. O ventilador ligado em sua maior potência pouco ruído fazia frente ao estardalhaço criado pela forte ventania do lado de fora da janela. O quarto não possuía som, todo o som pertencia a tempestade que reclamava seu direito sobre os ventos.
     À esquerda, a simples janela de alumínio dava uma visão escura sobre a cadeia de morros habitados por casas, aqui e ali uma luz de uma varanda vazia, engolidas na proclamação e na vastidão da noite, mas o principal evento não estava lá fora, ele vinha de fora para dentro e aqui no quarto, ele acontecia.
     Atrás da janela, do teto até os últimos seis centímetros do chão, a suave cortina de renda branca resistia, imóvel, elegante e destemida, ela se erguia frente a gritaria dos ventos, observava como se vê uma pirraça de uma criança mal educada, e comparada a ela, era a isso que se resumia toda aquela encenação da força do soturno céu.
     Com ciúmes e sentindo-se diminuída, a ventania irrompeu pela janela, tomando a suave cortina pelos braços e jogando-a pelos quatro cantos do quarto em arcos vertiginosos e ríspidos, porém, ainda impassível, ela se segurava no trilho sem aparente esforço, sem ter tocado o chão ou alguma das paredes nenhuma vez, ela volta a sua posição original ainda imaculada.
     O céu ultrajado com a insubordinação, tentou novamente, voltou mais furioso e violento, e assim fez seguidas vezes, mas a leve cortina não demonstrava resistência, e com toda sua elegância e suavidade, se colocava de volta atrás da janela, com movimentos graciosos, sem tocar nenhum canto do quarto.
     O tempo passava, o céu poderoso e revoltoso, já não demonstrava tamanha rebeldia, a ventania diminuiu, foram trocadas primeiro por brisas fortes, depois nem isso. Sem sucesso, o céu enviou seu último campeão para o duelo final. Uma fraca brisa perpassou pela janela, jovem e gentil, parecia pedir permissão ao entrar e suavemente pegou a mão da leve cortina.
     Enquanto o som lá fora diminuía drasticamente, a brisa começou a conduzir a cortina pelo quarto, não era apenas um simples movimento de empurrão para aqui ou acolá, era suave. Assim, a cortina foi lentamente se enroscando na brisa e ali eles bailavam uma lenta e suave valsa, cada vez mais lenta e ritmada, a dança transformava o casal, se antes eram brisa e cortina, agora eram uma só coisa, transfigurados, inseparáveis, vitais um ao outro. E toda vez que a leve cortina passava pelo fraco feixe de luz prateada, ela se iluminava, como se vestisse um vestido de diamantes que reluzia ao pequeno pedaço de lua presente.
     Tocada pela lua que crescia agora a cada instante, a cortina nasceu, debutou e envelheceu bailando com o seu amor na eternidade de minutos, ali ela foi plebeia, princesa, rainha, filha, mulher, esposa e mãe.
     Mas o tempo corria, as nuvens passaram, o céu se abriu como que saindo de cena, pois seu protagonismo havia sido roubado, e agora limpo, dava lugar para a lua cheia que ia aparecendo para contemplar aquele pequeno e delicado acontecimento que tomava toda a sua atenção, completando e prateando a noite daquele jovem casal. Porém, com a chegada da lua, a brisa precisava ir, seu mestre a chamava, e ela cada vez mais fraca se despedia da cortina. Até que saiu, a cortina agora sozinha, era banhada completamente pelo pratear da lua, jazia parada em frente a janela, fria, sem lembranças, abandonada na quietude da noite, ela voltara a ser só uma leve cortina de renda branca, sem par, sem motivo, sem vida. Apenas uma cortina morta.
  • A minha bela

    Como,como posso me decidir.
    Penso nela,
    Sonho com ela,
    Mas ainda não á amo minha bela

    Como como posso me controlar,
    Se nela só sei pensar,
    Mais ainda não á desejo.

    Escrevo para equecer,
    Leio para me lembrar ,
    Mas é só nela que sei pensar.

    Estou confuso,pq penso nela,
    Por que mesmo não querendo ela,
    O meu coração sempre acelera
    Quando a vejo.
    Ainda assim não á desejo.

    Meu peito dói.
    Dói por estar confuso.
    Dói por não querer ela,
    Ou doi por não ter a minha bela.
  • A Morte

    Entre os castiçais, fogo e reclusão.
    Era uma madrugada alta cheia de inspiração onde eu me deitava com ela contando os morcegos do teto.
    Uma voz: "aqui, entre os dois, eu me escondo e digo amém às suas diabruras".
    Levantamos e fomos até a penteadeira. Nada no espelho...
    Nos espantamos ao ver em nossa cama a Morte e uma rosa branca, exclamamos: "que lisura antiga tal honra!"
    E num torpor pegamos uma adaga e cortamos nossos possessos.
    Dormimos, o sol entrou e nos queimou.
    Morremos. O fim do mundo acabou.
  • A nova cura para o mundo

    Muito tempo atrás, mesmo antes de voce nascer, seus pais e avós, eu pisei neste mundo, conheci cada parte e construí meu grande Império secreto.
    Meu nome é Powerful, fui expulso do meu planeta por pensar diferente, e agir de forma diferente, eles diziam que eu agia assim por ser sozinho, mas o que ser sozinho tem a ver ? Eu fiz tudo aquilo por que eu queria, nao por que eu estava sozinho. Destruí dezenas de moradas, matei milhares deles, e nao me arrependo, eu fiz o que tinha que ser feito. Foi melhor para todo mundo.
    No ano de 1876 a.C, eu estava no meu planeta, e houve uma guerra, eu era um bebê, mas eu ainda lembro, vários dos assassinos eram do povo vizinho, eles estavam armados, atirando em todo mundo, sem dó, meu povo corria e se escondia, nao querendo ser mortos, eu ouvia gritos, choros, e tiros por todo lado, e eu estava numa cabana, sozinho, com medo, e ninguém estava lá para me proteger, um dos assassinos entrou na cabana aonde eu estava, olhou para um lado e para o outro e olhou-me nos olhos, ele estava pronto para me matar, então algo dentro de mim brilhou, e eu pude entrar na mente do assassino, e fiz ele mudar de idéia, ele saiu da cabana e todos eles recuaram, com medo. Com o passar do tempo, cada vez que alguém contava essa história, ela ficava cada vez mais falsa, ninguém sabia o que realmente tinha acontecido, exceto eu.
    Depois que eu cresci, com meus dez anos de idade, eu comecei a entender o que havia acontecido naquele ano de 1876 a.C, e foi aí que tudo começou a mudar. Eu passava cada hora do meu dia planejando uma vingança, eu queria me vingar pelo o que eles haviam feito com meu povo, então eu passei seis anos planejando, e me fortalecendo, eu ficava longe de tudo e de todos, não fazia amizade, não conversava com ninguém, uns me chamavam de louco, mas eu segui meu caminho.
    Depois dos seis anos aprimorando minhas habilidades, eu saí no meio da noite e fui ate o planeta vizinho, usei meus poderes da mente para fazer com que uns matassem aos outros, eu gostei daquilo, de ver aquela mesma guerra acontecendo novamente, todos correndo, gritando e implorando por suas vidas. Eu comecei a camihar pelo terreno deles, com o chão cheio de poças de sangue, eu me sentei ali mesmo e vi cada um se matar. Assim que todos se mataram, vieram vários povos, o meu também estava lá, só para ver o que havia acontecido, e eu sorri e disse:
    -Não precisam mais ter medo, o mal já foi derrotado.
    Todos ficaram em choque, se perguntando como eu tinha feito aquilo, e eu respondi todas as perguntas, então o chefe do meu povo caminhou ate a mim, retirou meu cordão e disse:
    -Saia!
    E me expulsou, na mesma hora que ele disse aquelas dolorosas palavras eu fechei meus olhos e senti um vento sobre minha pele, quando os abri novamente, eu estava aqui, nesse Planeta que todos chamam de Terra.
  • A Pianista

    Não sei por que. Mas estava lá. 
    Parado.
    Em minhas mãos um folheto com os hinos do dia.
    Não sabia nenhuma música e não estava afim de cantar. Muito menos ler.
    O grupo era pequeno. Tinha no máximo dez pessoas. Sendo a maioria jovens como eu, e os velhos eram bem velhos. 
    A pessoa que mais me chamava atenção era a pianista. Caroline, esse era seu nome. Se não me engano.
    Caroline 
    Caroline
    Sempre tocou piano. Ganhou prêmios por isso. Tocava com sua alma, sentia cada tecla bater em seu coração. Suas belas mãos pálidas tocavam gentilmente cada nota.
    Todos ali ajoelhados. Ouvindo e admirando, louvando e glorificando ao som daquela maravilhosa pianista.
    Lá estava ela. Com seu cabelo preto amarrado num coque bagunçado pela ventania que estava aquele dia. Provavelmente iria chover.
    Sua camisa azul de bolinhas vermelhas estava com as mangas dobradas até a altura do cotovelo, usa uma saia rodada preta, que ia até o joelho. Calça uma sapatilha bege, mas insistia dizer que aquilo era nude. 
    Ela vinha para a igreja caminhando, fazia isso todo domingo, eu sempre a via passar em frente de casa. Nunca atrasava- se.
    Sempre adiantada.
    Chegava na igreja antes de todos. Apenas para limpar o piano. Instrumento antigo. Amigo antigo. Lugar onde ela sempre tocara sua divina melodia.
    Todos a cumprimentam. Vão chegando aos poucos.
    Ela sorri. Sorriso atraente.
    Seus olhos escuros se encaixavam perfeitamente com seu belo rosto pálido e fino. Olhar sereno. 
    Caminha com serenidade, transborda calmaria e paz. Continua sorrindo.
    Passa a missa toda assim, com aquele semblante de boa moça. Garota adorável. Sorriso doce.
    A missa é curta.
    Após tocar oito hinos, tudo acaba.
    O padre termina a missa como todas as outras.
    Palavra da salvação. Todos respondem e levantam-se como se não vissem a hora de ir embora.
    Caroline faz reverência ao seu público, concluía com um sinal da cruz e um aceno para alguém da multidão 
    Fecha o piano. Com extremo cuidado, cuida como se fosse um filho. Após isso se reúne ao resto do grupo de canto. Beijos na bochecha e abraços. Sorrisos e risadas.
    Todos a cumprimentam.
    - Foi uma ótima missa, não achou Otávio? – ela diz. Sua voz era macia, como a de um anjo, suave e calma, como o piano que acabara de tocar.
    - Não sei, na verdade, parecem todas iguais para mim – respondo.
    Ela sorri. 
    Aquele sorriso inesquecível. 
    Fiz amizade com ela havia algumas semanas. Ela notou meu interesse em tocar algum instrumento. Me ofereceu algumas aulas, recusei algumas vezes, sem motivo algum. E sem motivo algum aceitei naquele dia.
    Sua volta para casa era, como a ida à igreja. Todos a cumprimentam. Sorrisos. Acenos. Ela sorri. E acena. Uma, duas, três vezes. E repete. 
    Sorriso lindo.
    Sua casa é verde, com enormes portões cinzas. Ainda morava com seus pais. Mesmo tendo seus vinte e poucos anos, continuava indecisa sobre o que faria da vida. Sem sonhos. Sem futuro planejado. Sem namorado. Acreditava não ter sorte para arrumar um. Não imagina a beleza que tem.
    Venta muito. Segura sua saia para que não levante. Dizia para eu não olhar caso isso acontecesse.
    Caminhamos rápido para que não fossemos pegos de surpresa pela chuva que não veio.
    Uma casa bem grande. Daria duas da minha facilmente. Tinha sala de jantar. Sala de estar. Sala de recreação. Sala de lazer. Suíte. Cozinha. E outros tipos de salas. 
    Ela pede para que eu espere na sala. Sento numa poltrona de couro. Desconfortável no início. Mas com o tempo ficou aconchegante. Não há televisão naquela sala. E nem nas outras. 
    Apenas retratos. E mais retratos. Alguns quadros também. 
    Em um dos retratos vejo sua mãe. É bonita como ela. Ouvi histórias que diziam que a mãe dela havia fugido com um vizinho, e deixara Caroline com o pai, que por sinal não estava em nenhuma foto ali. E também, não estava na casa.
    Ela demora.
    Decido então fazer passeio pela casa. 
    São dois andares. 
    No de baixo, temos as salas a cozinha que é bem espaçosa, não tem mesa, pois a mesma fica na sala de jantar ao lado. Na cozinha, tem apenas os armários que cobrem todas as paredes do lado direito, tem também a geladeira e o fogão.
    Uma escada em espiral fica no meio da sala de recreação. Subo-a.
    A escada dá de encontro com um corredor. Extenso corredor. 
    A primeira porta é branca, giro a maçaneta e a abro. Dentro encontro uma cama de casal com vários travesseiros. Doze no mínimo. Um enorme guarda roupa, vai do chão ao teto, engolindo a parede. Um cheiro forte de colônia toma conta do ar. Deve ser o quarto do pai dela.
    A segunda porta, é marrom, lisa. Abro-a. É apenas o quarto de tralhas, coisas que não usam mais. Haviam diversos instrumentos quebrado.
    Nesse corredor havia mais cinco portas. Mas logo na terceira, era o quarto dela.
    Um enjoativo odor adocicado toma conta do meu nariz instantaneamente. A porta está meio aberta. Ouço o som do rádio.
    Entro.
    Ela estava lá. 
    Caroline
    Caroline
    Usando apenas a camisa e uma calcinha azul com rendas. Suas pernas brancas chamavam minha atenção, ela as balança conforme o ritmo da música. 
    O ranger da porta a pega de surpresa, dá um pulo de leve e se vira, colocando a mão sobre o peito. Posso ver o volume de seus mamilos sob a camisa. Ela solta a escova de cabelo.
    O quarto é delicado como ela. Haviam inúmeros instrumentos por ali. Violões. Guitarras. Flautas. Trompete. E muitos outros.
    No canto, por ironia, está um teclado todo empoeirado. Abandonado.
    Ela sorri.
    No centro do quarto está sua cama. Grande. Muito grande.
    Ela sorri.
    Passeio pelo quarto, encaro o espelho do guarda roupa, estou arrumado, bonito.
    Sorrio.
    Um raio de sol que entra de penetra desviando da cortina lilás, paira sobre o teclado empoeirado. Um punhado de poeira dança na faixa de luz solar. Passo meu dedo, bem devagar sobre as teclas, daria para ouvir um som decrescente, se o teclado estivesse ligado. Ou com bateria. 
    Não entendo de teclado.
    Olho para Caroline. Parece não se importar. Aquele devia ter sido seu primeiro instrumento. Abandonou-o. Pergunto o porquê disso. 
    O motivo de tê-lo deixado de lado.
    - Cansei dele. – Ela diz, Sorriso.
    Cansou dele. 
    Todo o tempo que haviam passado juntos não contava mais.
    Sorrio para ela.
    Pressiono uma tecla. Não faz som. 
    Está sem bateria ou desligado. Não entendo de teclado.
    Abaixo na altura dele. Assopro. Uma nuvem de poeira se espalha pelo quarto.
    Ela desabotoa um botão.
    Coloca as duas mãos sobre o instrumento.
    Você não se importa mais com ele, pergunto esperando que ela me dê uma resposta positiva.
    - Sim, mas ele está velho, não serve mais para mim. – Ela diz. Mordiscando o lábio inferior e sorri.
    Não era a resposta que eu queria ouvir. 
    Desabotoa outro botão. 
    A porta range com o vento leve que entra pela janela. A cortina balança. Com um pouco de esforço levanto o teclado de sua base.
    - O que está fazendo. – Ela pergunta. 
    Sorrio.
    Sua camisa está quase toda aberta. Com o passo que ela dá, posso ver seu seio balançar. Vem em minha direção. 
    Sorrio. Ela não. 
    Levanto aqueles aproximadamente dez quilos acima do ombro, e então a golpeio no rosto.
    O golpe não é forte o suficiente para desmaia-la.
    Ela apenas cai e põe a mão sobre a boca. 
    Posso ver seu seio. Sangue pinga no chão de piso branco. 
    Meus braços pesam. Já estão cansados. Caminho por alguns centímetros arrastando o teclado. 
    Ela chora. 
    O sangue escorre de sua boca e pinga sobre seu mamilo marrom. Escorre por ele e pinga em sua barriga, e logo é absorvido pelo tecido da camisa de bolinhas.
    Não sei por que fiz. Apenas senti vontade.
    E então a saciei.
    Com muito esforço, ergo o teclado novamente. E a golpeio de novo. Um golpe contra sua cabeça.
    Ao tentar se proteger ela acaba quebrando o pulso. Som que posso ouvir com clareza. 
    Ela chora. Urra de dor.
    Ergo o teclado novamente.
    Então solto contra ela. 
    Ergo o teclado. Mais um golpe.
    Peças se soltam.
    Sangue espirra.
    Ergo o teclado. Mais um golpe.
    Ela não se move.
    Meus braços doem. Estou ofegante e soado.
    Suas pernas brancas estão sujas com seu sangue. Ela agora tem um motivo para não tocar o teclado. Seu pulso está roxo e inchado.
    Silêncio.
    Paro em frente ao espelho. Arrumo minha gravata. Bonito.
    Por sorte as gostas de sangue não são aparentes em meu terno.
    Olho para ela. Não está mais tão bonita. 
    Tristeza.
    Seu rosto, com o nariz quebrado e faltando alguns dentes, está coberto de sangue. Seu cabelo está molhado por uma poça enorme de seu sangue. 
    Deve ter encontrado a paz.
    Desço a escada. A cafeteira apita. Sirvo um pouco de café. Caminho pela sala. Observo novamente as fotos e quadros. 
    Seu pai não está ali. Sua mãe continua sorrindo. 
    Muito linda. Se Caroline tivesse ido embora com ela. Nada disso teria acontecido
  • A Ponte Sobre o Rio

    Antonio estava de pé no parapeito da longa ponte estaiada. Os pés descalços tocavam no concreto frio, vacilando entre uma rajada de vento e outra. Não tenho nada a perder, ele sussurrou. Tinha sim, muito a perder, uma força interna lhe dizia.
    Puxou o capuz para baixo, estava frio. Seu rosto era triste. Muito abaixo de si, centenas de metros abaixo, corria um rio negro e gelado, águas traiçoeiras que seriam capazes de levar toda a cidade em seu curso. Ah, a cidade, pensou melancólico. E se nunca mais visse sua família, seus amigos, ele...? Ele, o homem que eu amo, o homem que disse que...
    -Eles não precisam de mim. - Parecia mais real quando dizia aquilo em voz alta. Ouvir a própria voz era estranho agora. Parecia que não a ouvia há tantos anos... Sabia que seria um estorvo a menos na vida dos seus pais, mas seu irmão e o seu amor... Não há amor nenhum. Não existe mais amor.
    Olhou pro alto, além dos cabos de sustentação que seguravam a longa Ponte Topázio, para o céu da madrugada. Não havia estrelas ou lua. Era apenas um vazio frio e silencioso, e de alguma forma parecia que o seu vazio era ainda maior.
    O que sentia dentro de si era uma monstruosidade negra e maligna sempre lhe dizendo o quão era burro, fraco e covarde, infectando seus pensamentos, seus sonhos, oh Thomas, você vai chorar por mim? Você vai lamentar quando olhar pro meu nome numa lápide? Eu sequer terei uma lápide?
    O estômago embrulhou quando voltou a olhar pra baixo e o mundo girou a sua volta. Olhar para cima lhe desequilibrou por dois segundos e seria o suficiente para lhe ceifar a vida. Mas não foi isso que vim fazer aqui? Pra que iria querer essa vida afinal? Já estou vivo por tanto tempo, e de que me serviu até hoje?
    Não sabia mais. Olhou para a sua esquerda, para as margens da cidade adormecida. Eram luzes distantes agora. Tinha saído de casa no meio da noite, lembrava bem... Ou não... Ainda estaria em casa naquele momento? Onde realmente estava agora? Na cela de um manicômio qualquer? Esforçar a memória fazia sua cabeça latejar e a dor também quase o derrubou. Estava tão silencioso. O tempo andava lhe fazendo truques na cabeça. Ou seria todo o uísque, ou os comprimidos, ou...
    Não havia tráfego na ponte há dois dias... Como saberia daquilo? Era impossível saber, seu pai passou pela ponte horas antes, como não haveria tráfego? Desceu do parapeito para averiguar e realmente havia lá, onde a cidade começava, abaixo da placa de boas-vindas, grandes barricadas de contenção. Há quanto tempo seu pai tinha saído para aquela viagem? Houve um tremor, a ponte não era forte o bastante, lembrava das notícias, precisava se esforçar mais. A cabeça parecia que ia explodir. Mais, mais.
    A lembrança veio, um pequeno lapso de luz numa treva sem fim. Uma luz bastava para iluminar seus motivos. ‘’Você precisa de conserto! Nunca vai dar certo desse jeito Toni!’’, recordou. Era a voz do seu amor que falava, mas também a da sua mãe, dos seus colegas. A cidade inteira parecia gritar que ele não estava bem, que ele não era... Suficiente. Eu não tenho que agradar a ninguém. Mas se pelo menos eu me agradasse, já seria o bastante. Já seria o suficiente pra eu viver feliz.
    Por que as coisas precisavam ser assim? Tudo poderia ter sido perfeito em sua vida, mas as vozes nunca o deixariam ter uma refeição se quer em paz, sempre jogando coisas em seu ouvido, em sua cabeça. Você é ridículo Antonio, vê? Olhe como eles te olham, ouça seus pensamentos. Você é lixo, você é merda e ainda é mais inútil que lixo e merda juntos.
    Afastou as vozes esmurrando o pequeno muro de concreto que separava a via do abismo logo abaixo. Só precisaria de um passo, de um salto. De um único segundo de coragem. Era o que necessitava. Socou o concreto como se visse nele a face de Jorge, de Miguel, de Vinicius, todos eles ali, caçoando dele... Viu também Benjamim, seu falecido padrinho... É o nosso segredo, ninguém vai saber, a voz era seca e maliciosa e as mãos eram puro osso, mas vieram em sua direção. Antonio gritou.
    As mãos latejavam de dor quando parou subitamente de gritar. Não percebeu quando parou de golpear o muro. Estava ofegante e havia sangue. Também havia lágrimas, sentia-as escorrendo pelo seu rosto ridículo, transbordando dos seus olhos ridículos. Tirou os óculos e jogou no chão. Deu um soco no próprio rosto, infelizmente não tão forte quanto gostaria.
    Ele diz que eu sou lindo, a voz amigável recordou dentro de si. Ele também era lindo, Toni pensou. O amava muito, e era amado de volta, sabia. Mas sabia também que a voz da razão tinha muito mais a dizer. Sim, diz que você é lindo. E também que você é louco, que deveria ser internado, que não passa de um doente, paranoico e que nunca dará certo com ele. As palavras afogavam em lama todo o sentimento bom que estava lá há tão poucos momentos.
    Naquela hora já teriam percebido que ele não estaria na cama? Não, claro. Era madrugada e mesmo que alguém acordasse, quem sequer iria se importar de checar se estaria bem? Era muito mais provável que seus próprios pais o empurrassem daquela ponte. Não, eles te amam e querem sempre o seu bem, NÃO! Eles não te amam, não vê como eles debocham? Não ouve o que eles dizem quando acham que está dormindo? Eles sabem que você vai morrer. Eles querem que aconteça.
    Antonio se divertiu por um momento imaginando qual a reação quando, pela manhã, encontrassem a cama vazia e um bilhete de despedida sobre o travesseiro. Logo o sorriso desapareceu do seu rosto quando percebeu o que fizera. Me tomarão como um covarde, como um bobo e idiota! As lágrimas já tinham partido, mas as sentiu voltar. Já tinha ido tão longe agora...
    Poderia voltar a andar para casa, esconderia as mãos feridas nos bolsos pela manhã ou inventaria alguma mentira convincente. Rasgaria o bilhete em mil pedaços e ninguém jamais saberia até onde ousou tentar.
    Mas e aí? Sentaria na mesa com as pessoas que o repudiavam, iria para o trabalho onde todos o achavam um incompetente... Trabalho... Que trabalho? Uma outra voz sussurrou. Estaria ficando louco? Estaria finalmente inventando coisas como todos falavam que fazia?
    Não, não estava louco. Faria todos se arrependerem. Naquela manhã, quando encontrassem seu corpo na margem do rio, todos finalmente sentiriam algum remorso... Mas que corpo?
    O rio era rápido e violento, se chegassem a encontrar algum corpo levaria dias e ele estaria irreconhecível, e ainda que encontrassem seu corpo... Todos me chamariam de coitado por dois minutos e seguiriam suas vidas miseráveis.
    Mas sua vida também era miserável, sua família o odiava, não tinha amigos e seu namorado... Não há nenhum namorado, pensou, e por um breve instante sentiu-se... Destruído. Não tinha mais ninguém. Qual era o propósito de se viver assim? Nunca teria filhos, por que diabos tinha de ter nascido daquela forma? Quebrado, defeituoso, estúpido... Que tragédia era a sua vida afinal?
    A única cura para a vida é a morte, a voz lhe disse.
    Calçou os sapatos e subiu novamente no parapeito. Não deixaria seus sapatos para trás, não deixaria nada. Só uma vida inteira, sonhos, planos... Que planos? Ser um incomodo até finalmente morrer de velhice? Estava frio, escuro, e sua mente parecia um nós de gritos, choros e sussurros. As vozes tinham intensificado ultimamente, e nada mais era capaz de silencia-las.
    Tinha de ser agora. Em pouco tempo o sol retornaria, e com ele toda a sua desgraçada rotina. Sabia que enfrentaria todos novamente e sabia que seria derrotado como era todos os dias, como sempre foi. Estranho! Incompetente! Inútil! Não vê mulher? Ele tem um rosto triste. Ele é um adulto e vive chorando pelos cantos, ele vai acabar cortando os pulsos uma tarde dessas. Era agora. Sentia muito decepcionar seu pai, mas não era muito um fã de lâminas. Nem de pontes.
    Respirou fundo. Era capaz de ouvir o próprio coração agora. Tentou mais uma vez imaginar um futuro em que viveria e seria feliz. Teria uma casa em outra cidade. Talvez até outro estado. Uma grande casa, na beira do mar. Ou um apartamento, bem alto, bem longe de tudo.
    Viveria com ele, com o amor da sua vida. Teria filhos, cachorros, antidepressivos no armário e facas guardadas a sete chaves... O que? Não há felicidade para você seu idiota! Sua própria voz suplicava num apelo justo. Não entende? Nunca vai ter felicidade pra você. Faz um favor pra você. Pra ele. MORRE!
    O parapeito parecia querer expulsar seus pés. Ou suas pernas é que tremiam, não sabia dizer agora. Mordeu o lábio inferior até sentir o gosto de sangue. A dor física afastava a psicológica por alguns momentos. Seria o bastante. Thomas ainda me quer, eu sei disso. Ele me ama... Mas não amava. Não depois de tudo, não depois de tanto. Ele nunca terminaria, mas por pena de mim, o Toni maluco, e por medo que eu morra. Eu tenho que me deixar ir. Por ele, por todo mundo. Que falta eu farei no mundo?
    Haveria o outro lado? Encontraria todos os que já se foram com um olhar julgador lhe esperando? Eles não têm direito de me julgar. Eu sei o que eu passei. Eu senti o inferno da vida. Eu nasci no inferno da vida. Mas isso nunca impediu ninguém de lhe julgar. Não deixaria o receio lhe impedir agora. Essa era a mudança que precisava fazer. Era o rumo que precisava tomar.
    Na última decisão da sua vida, Antonio Prata deu um passo a frente. A ponte subiu atrás de si, indo encontrar o céu, enquanto seu corpo ia na direção contrária. Teria sido seis segundos ou seis séculos?
    O coração saltou em urgência. Sentiu em uma fração de segundo todos os beijos de seu amado, os sorrisos de seus colegas, e os ‘’bom dia’’ que recebia todas as manhãs, tão confortantes quanto um abraço... Ouviu suas brigas, suas brigas, SUAS! Era ele o tempo todo, era eu o causador... Discussões vindas do nada e por nada!
    Lembrou de como todos o olharam quando jogou aquela cadeira pela janela do escritório bem na frente do seu chefe... Eles estavam rindo de mim, estavam zombando, NÃO, NÃO ESTAVAM! E tantas discussões, e tantas lágrimas e tanta paranoia...
    Todos estavam contra mim, imaginou, não, não estavam. Todos queriam ajudar. Nem recordava o motivo pelo qual estava ali, naquela ponte fria, sobre aquele rio frio. Seria possível que fosse mesmo um quebrado? Estaria bem mais quebrado em breve, quando sua eterna queda chegasse ao fim.
    Viu sua mãe chorar sobre o seu caixão e se perguntar o que havia feito de errado... Por que mesmo na morte precisava estragar tudo? Quis voltar quando sentiu em si a dor da mulher que há vinte anos tinha lhe dado à luz. Mas não havia volta. Nem mesmo mandou uma mensagem a seu namorado... Eu te amo Thomas, as lágrimas nem teriam tempo de sair desta vez.
    As águas negras subiram tão depressa... E o engoliu de uma única vez quando as sentiu envolver a pele, tão geladas... Tentou gritar, mas o ar escapou todo de uma vez e se debateu, chutando, esperneando, esmurrando... em vão.
    Não enxergava nem ouvia nada. Jamais receberia ajuda agora. Foi arrastado rio abaixo, tentando se agarrar em qualquer coisa, mas as mãos só encontravam água. Por um instante conseguiu ver o que pareciam ser as luzes da cidade, algo turvo a distância. Os malditos óculos, deixei na maldita ponte. O alívio nem teve tempo de surgir em si, pois logo depois tornou a submergir.
    Não queria morrer, só queria ajuda, só queria... conserto, a voz completou, tarde demais. Pensou na casa e nos filhotes que nunca teria, nos beijos do seu homem que agora seriam de outro. Meu Thom, meu amor, te amo, te amo, vamos casar e adotar filhos e... E eles irão visitar meu túmulo um dia, ao lado do novo pai? Vai contar a eles que eu pulei da ponte Thomas? Os filhos que deveriam ter sido meus! E os beijos, e a casa, e o futuro! O meu futuro!
    Seria assim que partiria, desesperado, lutando pela vida? Será que saberiam o quão assustado ele estava? Achariam que ele esteve determinado e corajoso até o fim? Isso não é nenhuma coragem, eu deveria... Deveria... Viver.
    Viver. A palavra ecoou dentro e fora do seu corpo. O próprio rio a gritava, viver! Viver! Eu quero viver!
    Os pensamentos se tornaram borrões e os borrões viraram nada, quando a vida lhe deixou o corpo. Um pescador lhe encontrou pálido e inchado três dias depois, a quinze quilômetros da cidade, na margem do Rio Topázio.
    Os olhos ainda estavam abertos, olhando para o nada, e parte dos lábios e uma orelha haviam sido devorados por algum bicho, mas o rosto ainda era... triste.
  • À procura da felicidade

    Respira, inspira, ele vai chegar, ele vai chegar...
    Era o que Karen repetia em pensamento várias vezes. Ela havia marcado um encontro pela internet, apesar de nunca ter imaginado que chegaria a este ponto, fazia tanto tempo que ela não saia com alguém que não lhe restou muita escolha. Afinal, ela tinha uma filha, que ela amava mais do que tudo e mesmo muito nova essa menininha sempre perguntava pelo pai e a mãe não aguentava mais não poder lhe dar uma resposta que não fosse magoá-la. Karen queria recomeçar e dar à sua filha a família completa que ela sempre mereceu mesmo que essa não fosse composta por seu pai de sangue.
    Enquanto olhava ao redor, algo lhe chamou a atenção, era um vaso repleto de lindas rosas vermelhas, e isso logo lhe trouxe a tona o seu passado. Ela lembrou de seu primeiro amor e pai de sua filha, um amigo de infância que depois de afastado por muito tempo, havia voltado a cidade. Karen lembrava perfeitamente, ela tinha 18 anos de idade e ele 20 anos. Era inevitável não rolar alguma coisa entre eles, "o destino quis que fosse assim", era o que todos diziam. Ficaram, e até partiram para algo mais, Karen pensou que este seria o seu amado, o seu verdadeiro amor, pobrezinha. Isso durou até a sua gravidez, que assim do momento que ficou sabendo, o seu amado, pegou suas coisas e fugiu, sem dar explicações, nem noticias.
    Mesmo arrasada, Karen estava disposta a enfrentar tudo e todos pelo seu bebê, procurou casa, procurou emprego e sozinha ela conseguiu criar sua filha, que hoje tinha 7 anos e era uma menina inocente e doce, com um coração de ouro.
    Ao pensar na filha Karen instantaneamente sorriu e aos poucos sua ficha foi caindo... Todos esses anos ela estava procurando a felicidade, buscando se sentir completa, o que achava que somente encontraria em um homem. Mas o que ela pôde perceber somente agora, nesse momento de reflexão e lembrança, era que ela já havia encontrado a felicidade e que ela sempre foi completa, porém nunca havia notado. E aquele encontro, aquele lugar, aquelas rosas á despertaram para a realidade, e ela seria eternamente grata por isso.
    Sem mais delongas, Karen se levantou da mesa onde estava sentada, e saiu, mas saiu diferente, iluminada e com um sorriso no rosto. Confiante ela seguiu em frente atrás do verdadeiro motivo da sua felicidade: sua FILHA.
    E o cara do encontro.... Bom ele não encontrou Karen, mas encontrou a sua futura esposa e a futura mãe dos seus filhos. As coisas nem sempre são como queremos, elas são como precisam ser, e cabe a mim e a você virar a situação a nosso favor...
  • A Saudade

     Quando a saudadeNão te deixar dormirÉ só ligar pra mimMe chama que eu vou
    Me beija na despedida não choraTenho que ir mais eu vou voltarEu canto é meu trabalhoTente me entenderVou viajar e voltar para você
    A saudadeFaz o coração bater forteDentro do peitoAmor oooooEntão me beijaVou levar comigoA lembrança dessa despedida
    Quando a saudadeNão te deixar dormirÉ só ligar pra mimMe chama que eu vou
    Quando a saldade baterquando coração apertar,Não importa onde eu estivereu volto correndo pra você,Basta você me ligar
  • A Uma Realidade De Distância

    "Me manter a uma realidade de distância nunca foi fácil;
    Principalmente quando parecia tão longe e tão perto;
    Talvez eu devesse me mudar;
    Quanto mais longe eu fico, mais perto estou de você;
    Preciso medir meus esforços;
    Nunca se sabe quando o universo vai decidir me presentear com você;
    Então eu o forcarei a fazer isso;
    Eu vou forçar ele a me dar você;
    Eu vou me mudar para mais perto, ainda dentro da minha casa, e mesmo assim longe o suficiente dela;
    Tão longe de você, mas com a palma da mão no seu rosto;
    Estudando os traços do seu rosto, com a consciência de uma realidade vívida e da memória ridícula de que tenho de voltar para o perto, que seria o mais longe que fico de você."
  • A Valsa do Expresso - Parte I

    Encantos de um conto moderno, adornados de uma visão de conto de fadas. Essa história não é uma fábula, mas verdadeira enquanto existente o amor.
    Dia: Qualquer
    Enquanto andava pela rua, com sua roupa amarrotada, cabelo bem cortado e a passos longos, às pressas entra na loja. 
    -Poderia tirar esta xerox pra mim, por favor? - Pergunta Peter à atendente
    -aah, sim, claro- respode  a atendente.
    Com grande rapidez se retira da loja, ficando no imaginário de Jane, a atendente. Aqui, caro leitor, vês uma história típica, cotidiana. No entanto, é nesse momento que começa a história que ganha o título já lido.
    Dias se passam, dias se vão, mas na mente e no coração de Jane reside a imagem de Peter, outrora desconhecida. Começando a sentir-se atráida, não sabendo o que fazer, pergunta para sua chefe quem era aquele moço a que viera dias atrás. Ela logo responde.
    - o rapaz que passou como um furacão aqui? 
    -Sim.
    - É meu sobrinho, Peter. Trabalha durante a tarde e sempre passa como um vento por aqui.
    O que achas leitor? Comum demais? prossigamos.
    Dia: especial, mas com data indefinida.
    Andando por aí, ambos têm um reencontro. Trocam perfis sociais, e começa a jornada em rumo a beleza concreta da poesia parnasiana. Veja leitor, um salto temporal neste paragráfo, quando de um reecontro ambos ja têem as redes sociais um do outro. Naturalmente tiveram uma conversa antes disso, relembraram-se um do outro. Até então ela sente algo por ele, secretamente, no âmago de seus sentimentos. 
    Dias e dias de "conversas". Ela já não tinha a mesma visão que teve dele como na primeira vez que o viu, passando a ignorar suas mensagens, demorando dias a responder. Uma inversão aconteceu com o tempo em que se passou essa história. Ela passou a desacreditar em sentimentos amorosos, e ele a voltar a acreditar. Tão logo sentia algo por ela, enquanto era ignorado. Não sabia os sentimentos que cativou nela, mas que não correspondida, os afogou com o tempo e as frustrações da vida.
    Chega um dia que a conversa acontece de forma natura.
    -Ainda namora? - pergunta Jane
    -Ah, não, não mais.
    Uma fagulha se acende no peito dela, uma vez que no dia em que perguntou a sua chefe quem era ele, ela a respondeu acompanhada de : "ele tem namorada" o que lhe tirou as esperanças.
    Os dois conversando, agora ela com mais interesse que o normal, pois galanteador como era sempre a mandava poesias de sua autoria, cantadas e piadas que mesmo sem graça a faziam rir. Caro leitor, direi então o que se passava na mente de Peter sobre Jane. Como narrador dessa história, sei seus pensamentos, então irei repoduzir de como lembro. Oh, claro, ele a achava linda demais, ainda acha. Sempre a viu como uma beleza superior a qualquer outra, a rosa dos poetas. Mas admirava-se de seu bom gosto pela arte, pela música e pela poesia. Ora, não são essas duas últimas arte também? Prosseguindo. Encantada pela arte de Van Gogh, ele a admirava e mal sabia que aquela moça um dia seria sua Noite Estrelada, sua Viajem e claro, seu Soneto de Fidelidade. 
    Dia: Especial,  mas com data indefinida.
    Chega então leitor, o dia em que seus corações encontram-se entrelaçados, não pelo simples gostar, mas pela arte que ambos compartilhavam. Ele então a propõe um baile imaginário, onde por mensagens iria dançar, não com seus corpos hipotéticos, mas seus corações concretos.
    -Eu imagino nós dois em um baile, com a noite bem estrelada, do jeito que você gosta. - Diz Peter- Com qual vestido você gostaria de ir?
    -Um Azul marinho, longo, tipo camurça.- Responde Jane-
    -Ja eu iria com um Blazer, azul também, tem cor mais bonita? creio que não - disse em risos
    Então ambos, por mensagens, começam a dançar.
    -Imagino você e eu, com suas mãos em meus ombros e as minhas em tua cintura, em movimentos suaves damos um passo aqui e outro ali. Uma valsa maravilhosa.
    -Mas eu não sei dançar- retruca Jane
    -Nesse sabemos dançar. Olhando em teus olhos, sinto um sentimento forte. Ja não me sinto neutro, mas cheio de vida. Um passo aqui, outro ali, olhando em teus olhos enxergo a beleza da vida. Só agora percebo que andei perdido, e que so agora, dançando com você percebo que encontrei meu lugar. 
    -É só uma dança - diz Jane.
    Para ele é muito mais que isso. E enquanto seus dedos dançam uma valsa incomum, seus coraçõs flutuam e então ela percebe que não se trata de uma dança qualquer, mas de um sentimento forte, real. Voltemos a valsa.
    -Enquanto dançamos, posso ver essa beleza avassaladora em teu rosto, teus olhos. Nem mesmo Van Gogh poderia reproduzir uma beleza como a tua. Sabe, nem mesmo Drummond poderia descrever você em poesias. Vinicius de Moraes? Ele não conseguiria nem mesmo com o Soneto ultrapassar o brilho dos teus olhos, a beleza de tua alma, a singeleza de teu coração. Acho que estou gostando de ti kkk isso não é bom, é?
    -Você diz coisas tão belas, mas não sou assim- Responde Jane.
    -Realmente, você não é assim, é bem mais que isso.
    -Ora, você me estima.
    -Vamos continuar a dança. 
    -Claro meu bem - Essa então é a primeira vez que ele ouvi um apelido carinhoso vindo dela.
    -Olhando em teus olhos, enquanto dançamos sob o céu estrelado, nossos corpos se juntam mais, e com a cabeça acostada em teus ombros, sinto teu cheiro suave e maravilhoso de rosa, aquela como descrita por Shakespeare : " Se a rosa tivesse outro nome, ainda assim teria o mesmo perfume". Nossos olhos se concentram-se na beleza um do outro, então, com um simples encontar de lábios posso sentir a suavidade de tua boca, o gosto incomum e maravilhoso que jamais senti em outra pessoa. É como se meu espírito saísse de meu corpo e contemplasse de fora a cena surreal. Eu de fato estou gostando de você, sinto isso martelando em mim- Declara, sem jeito, Peter.
    -Eu sinto esse beijo agora, é maravilhoso. Por Favor, não paremos.- Conclui Jane.
    E naquela noite, ambos em suas casas, pela tela de um celular, dançam mesmo estando longe um do outro a valsa que mudaria suas vidas. Felizes e com sorrisos de uma ponta a outra, eles dormem. Aqui acaba a primeira parte, leitor meu. Estou narrando a beleza do amor que a pouco tempo pude presenciar. Logo volto e continuo.
  • A vida te desenhou bela

    Meio mandona, bastante chorona, não gosta de brigas e prefere o silêncio, assim como eu. Gosta de poesias, cores, a lua e as estrelas, nada ligado aos astros, apenas admirava o brilho no céu escuro mesmo, que bom, a gente acreditava que nada pode modificar nosso futuro a não ser nossas próprias vontades. A vida a deixou cheia de marcas, foram essas que fizeram dela uma garota forte, ela só não se tocou disso ainda. 
    Ela não era muito confiante, mas com o tempo acabou perdendo o medo de muita coisa, diz que foi por minha causa, quem mais ganhou com isso fui eu. Nossos gostos musicais são bem diferentes, ela gosta mais de sertanejo e eu mais de rock, é difícil encontrar uma música que agrade a nós dois. 
    Ri de quase tudo com aquele sorriso desajeitado, seus pequenos olhos se fecham um mais do que o outro enquanto ela ri. Ela é linda! 
    Sobre aquelas marcas? Pois é... desenharam ela da forma mais bela que eu já vi.
  • Abc Diário

    Ação, Atenção, Amor fatal
    Bebida, Batida , Beijo Sensual
    C de canção
    Dedos, desejo, dèjá vu
    Eu

    Fé, Fatal, Fêmea
    Grito,Gato,Gosto
    Hoje,  Homem amado
    Incêndio, Intensão, Imortal ilusão

    K- Kafka e baratas
    Lilás, Lição, Luz eterna
    Mar, Mortes, Marte, Mulher metamorfose
    Não
    OH
    Pequi, Parti, Paixão
    Queijo, Quilo, Questão pessoal
    Razão, Rei, Rosa vermelha

    Sabor, Sensual, Sexo
    Tesão
    Universo, Ursa, Urano 
    Vento, Violão, Violetas de Vênus
    X da questão maior
    Y - é um enigma do que é feita a paixão
    Z Zênite, zero e zimbro
    W - 8000000 Watts
  • Acaso - Cap. 7 A entrega

    Entraram e continuaram a rir. Sentaram no sofá.

    _Foi impagável a cara que eles fizeram quando nós nos beijamos. Falou Carol.

    _E que beijo. Concluiu Fernando a olhando nos olhos. Pararam de rir. Estavam tão próximos, seus lábios quase se tocavam. Fernando acariciou lhe a face e Carol se aproximou mais o beijando ternamente. Ao sentir o calor dos lábios dela nos seus, ele não resistiu à inquietação do seu coração que batia aceleradamente como o dela, e antes que ela se afastasse a beijou com intensidade.

    Os dois pareciam enfeitiçados. Beijavam-se e trocavam carícias. Fernando a pegou no colo a levando para o quarto. O fogo da paixão ardia em seus corpos. Ele começou a despi-la e Carol a ele. Seus corpos de tocavam e ele se conheciam. Nenhuma palavra que dissessem seria capaz de evitar aquele momento, seria capaz de evitar que eles fizessem amor. O prazer daquele momento parecia inacabável.

    Seus corações estavam mais calmos após aquele momento mágico. Não trocavam palavras, apenas se beijavam e se acariciavam. Por fim acabaram adormecendo. Pela madrugada Fernando acordou. Tinha a certeza que não havia sonhado. Ele gostava tanto dela.

    _Não foi um sonho, ela está aqui. Disse beijando a pele macia de Carol. _Ela deve gostar de mim como gosto dela senão não teria se entregado a mim da mesma forma que me entreguei a ela. Disse ele que a abraçou e em pouco tempo dormiu novamente.

    Quando o dia começava a clarear Carol acordou e não abriu os olhos lembrando-se do que havia acontecido na noite anterior. O corpo quente de Fernando a aquecia. Apesar de ter sito algo tão bom ela estava confusa.  

    _Foi tudo tão especial, tão repentino. Eu gosto tanto de você Fernando por isso me entreguei, mas você? Será que gosta de mim. Ela abriu os olhos e se ergueu olhando para ele. _Eu te amo...

    Ela percebeu que ele acordava e se deitou afastada dele, fechou os olhos fingindo dormir.

    Fernando olhou para ela a seu lado e se aproximou fazendo-a estremecer. Ele a beijou carinhosamente na face.

    _Eu te amo tanto que não sei como lhe dizer isto. Ao ouvir esta verdade, Carol teve vontade de rir e de chorar ao mesmo tempo. Fernando se levantou e Carol passou a observa-lo.

    Fernando foi em direção ao banheiro e ela decidiu ir a seu encontro. Ele ligou o chuveiro e hesitou um pouco antes de entrar, parecia esperar por ela. Entrou embaixo da água, deixando-a cair sobre a cabeça. Nesse momento sentiu um beijo quente em sua nuca e as mãos delicadas de Carol tocar seu corpo. Olharam-se docemente e sorriram.

    _Eu também te amo. Declarou Carol.

    A partir de daquele momento começavam uma historia juntos

     

    Entraram e continuaram a rir. Sentaram no sofá.

    _Foi impagável a cara que eles fizeram quando nós nos beijamos. Falou Carol.

    _E que beijo. Concluiu Fernando a olhando nos olhos. Pararam de rir. Estavam tão próximos, seus lábios quase se tocavam. Fernando acariciou lhe a face e Carol se aproximou mais o beijando ternamente. Ao sentir o calor dos lábios dela nos seus, ele não resistiu à inquietação do seu coração que batia aceleradamente como o dela, e antes que ela se afastasse a beijou com intensidade.

    Os dois pareciam enfeitiçados. Beijavam-se e trocavam carícias. Fernando a pegou no colo a levando para o quarto. O fogo da paixão ardia em seus corpos. Ele começou a despi-la e Carol a ele. Seus corpos de tocavam e ele se conheciam. Nenhuma palavra que dissessem seria capaz de evitar aquele momento, seria capaz de evitar que eles fizessem amor. O prazer daquele momento parecia inacabável.

    Seus corações estavam mais calmos após aquele momento mágico. Não trocavam palavras, apenas se beijavam e se acariciavam. Por fim acabaram adormecendo. Pela madrugada Fernando acordou. Tinha a certeza que não havia sonhado. Ele gostava tanto dela.

    _Não foi um sonho, ela está aqui. Disse beijando a pele macia de Carol. _Ela deve gostar de mim como gosto dela senão não teria se entregado a mim da mesma forma que me entreguei a ela. Disse ele que a abraçou e em pouco tempo dormiu novamente.

    Quando o dia começava a clarear Carol acordou e não abriu os olhos lembrando-se do que havia acontecido na noite anterior. O corpo quente de Fernando a aquecia. Apesar de ter sito algo tão bom ela estava confusa.  

    _Foi tudo tão especial, tão repentino. Eu gosto tanto de você Fernando por isso me entreguei, mas você? Será que gosta de mim. Ela abriu os olhos e se ergueu olhando para ele. _Eu te amo...

    Ela percebeu que ele acordava e se deitou afastada dele, fechou os olhos fingindo dormir.

    Fernando olhou para ela a seu lado e se aproximou fazendo-a estremecer. Ele a beijou carinhosamente na face.

    _Eu te amo tanto que não sei como lhe dizer isto. Ao ouvir esta verdade, Carol teve vontade de rir e de chorar ao mesmo tempo. Fernando se levantou e Carol passou a observa-lo.

    Fernando foi em direção ao banheiro e ela decidiu ir a seu encontro. Ele ligou o chuveiro e hesitou um pouco antes de entrar, parecia esperar por ela. Entrou embaixo da água, deixando-a cair sobre a cabeça. Nesse momento sentiu um beijo quente em sua nuca e as mãos delicadas de Carol tocar seu corpo. Olharam-se docemente e sorriram.

    _Eu também te amo. Declarou Carol.

    A partir de daquele momento começavam uma historia juntos

  • Admirando-te

    Em história tão amável
    Disserto com o maior querer
    Desejo afável
    Amor incontestável
    A você
    Dedico palavras pra teu prazer
    No mais culto português
    No mais bruto sentir
    Entrego a ti
    Os porquês
    De tanto amor pelo que és
    Esqueces a dor
    Imploro aos teus pés
    Amas a si
    Por que és
    A flor mais linda
    Do lindo jardim
    E como és...
  • Ah como descreve você não sei por onde começar

    Ah como descreve você não sei por onde começar
    só de pensar em você meu coração começa a acelerar
    ah seu olhar forte que me hipnotiza
    seu jeito angelical que me cativa

    seu jeito de princesa
    vi em você
    oque faltava em min
    nosso beijo foi uma sensação maravilhosa

    tentei olhar no dicionario mais não tem palavras
    para te descrever como você merece
    seu jeito carinhoso tímido
    sem demonstrar tanto carinho

    com medo da decepção
    mais prometo que a missão de te fazer feliz e minha
    prometo que amor e carinho nunca vai faltar
    talvez um dia venhamos a nos casar
  • Alguém Politicamente Incorreto.

    Nunca quis alguém perfeito;
    Nunca quis um super-homem;
    Não quero um super herói;
    Não quero alguém que haja como um ser humano politicamente correto;
    Não quero alguém que não erre;
    Quero alguém que erre;
    Que peça desculpas;
    Alguém que chore;
    Alguém imperfeito;
    Um anti-herói;
    Alguém que tenha medo,e que nem sempre seja corajoso;
    Quero alguém que procure em mim um ombro para chorar,um abraço quente para se encolher e ficar.
  • Alma Perdida

    Ela era uma prostituta. Mas não era uma prostituta qualquer, nela havia algo especial. Cercada de tristeza e dor, seu corpo possuía tons curiosos.
    Carmen, filha de João e Maria, cresceu ouvindo que o mundo era vazio, um lugar sem esperança. Quando criança, tentava de todas as formas agradar os pais que trabalhavam dia e noite para poder colocar o pão na mesa, chegavam cansados e só verificavam se Carmen estava viva, não prestando atenção acima da mesa: ‘’Papai,Mamãe. Eu não sei muito sobre vocês, contudo isso é uma das consequências da vida que fomos destinados a ter, porém amo vocês do mesmo jeito que qualquer outra filha amaria.”
    Aos 16 anos, os pais de Carmen morreram e a adolescente foi morar com o único parente que tinha, seu tio. Era uma casa fria, sem cor. Todas as noites, ela chorava baixinho, no canto do quarto, implorando para sentir alguma coisa: felicidade, tristeza, raiva... Algo que mostrasse que ela ainda estava viva e não somente sobrevivendo. Seu tio, uma pessoa amarga, chegava bêbado em casa todos os dias e, naquela noite, ele escutou um murmúrio vindo do quarto. Alguém chorava. Uma alma perdida pedindo socorro. ‘’Eu vou te dar um motivo para sentir algo.’’, disse, puxando a cinta e espancando a jovem Carmen.
    E naquela madrugada, ela de fato sentiu algo: repulsa. De si mesma. Olhava para os hematomas e as lágrimas não faziam seu caminho pela bochecha mais, era uma dor mais profunda. Julgou que a melhor forma de acabar com aquilo era fugir e assim fez, saindo sem rumo. Vagou pelas ruas, somente o tempo conseguiria cura-lá.
    Passaram- se anos, Carmen se encontrava no banheiro do posto, enquanto passava o batom tão vermelho quanto seu próprio sangue, um sorriso falho no canto dos lábios. No relógio marcava 00:00, deu um passo para o lado de fora, sentindo o vento frio contra sua pele pálida. Mais uma noite de trabalho.
    Uma mulher diferente de todas as outras, parada no ponto, vendendo aquilo que sempre desejou ter, o puro amor.
  • Aloha

    Era 2016, um ano que tinha de tudo para ser o pior dos piores, ele ia vivendo, dando continuidade na sua vida (aparentemente sem sentido), em meio a bebedeiras, festas e todo aquele clima ousado, surge um rosto, um rosto que viria a mudar por completo a sua vida.
    Com um simples e inocente gesto, começaria uma linda história, ela estudava na mesma escola que ele, porém nunca haviam sequer trocado um simples “bom dia”, más é aquilo... Tudo tem seu tempo (guardem esta frase). Os dois começaram a se relacionar, uma amizade que evoluiu muito rápido, troca de segredos, olhares envolventes, risos e mais risos coloriam as manhãs de pessoas que aparentemente, enfrentavam coisas difíceis.
    Idas e vindas para o colégio começaram a virar comum para ambos, não demorou muito para um inusitado convite, ele se lembra das palavras como se tivessem sido enviadas neste exato momento: “eai, quando vamos dar uns beijos?!”, mensagem essa que foi enviada por uma amiga dela!
    Ele gostava de saborear o flerte, más ali naquele momento não exitou em responder de forma positiva, e por fim veio o tão esperado beijo, este que parecia nunca ter fim, o calor tomou conta naquela manhã gélida, suas mãos deslizavam sobre as costas dela, enquanto ela sussurrava nos ouvidos e levava suas mãos até o pescoço dele. A temperatura se eleva ainda mais, as vestes de ambos vão caindo pela casa, com os olhos fechados ainda saboreando daquele inesquecível beijo, ele faz uma viagem com sua boca pelo corpo dela, pernas tremulas, gemidos de prazer, ela toma iniciativa e retribuí a viagem pelo corpo, não deixando escapar cada canto do corpo tremulo do rapaz. O tesão só aumenta quando ambos já estão suados de tanto explorar seus corpos, eis que surge a ideia de tomarem um longo banho juntos!
    Obviamente foi o melhor banho da vida do rapaz (e ele espera que a garota sinta o mesmo), depois de longas horas de baixo daquele chuveiro, ambos se secam, trocam mais alguns beijos e acabam no sofá. Ele deitado sobre as pernas dela, enquanto recebe uma caricia nos cabelos ainda úmidos.
    Ambos partilhando experiências de vida ali deitados, só esperando a hora passar, eis que o garoto sente uma leve ardência em suas costas, quando ela levantou a camiseta dele com sua mão direita... ficou indignada!
    Ele entregou seu celular para ela e pediu para que batesse uma foto, quando visualizada a foto... ele se deparou com seu torço CHEIO de arranhões e marcas daquela manhã incrível. Marcas essas que ele carrega até hoje.
    O tempo se passa, ela começa a sentir algo a mais por ele, más o rapaz estava com aquele pensamento de: “estou curtindo a vida” e ainda não se sentia pronto para ter um relacionamento com ela, coisas vem, coisas vão... Eles voltam a ficar, porém a novela acontece novamente e depois de um mês... VOLTAM NOVAMENTE! Porém, dessa vez ele sentia que não adiantava mais esconder esse sentimento. Ali ele teve total convicção de que estava apaixonado por ela, más... o rapaz ainda sentia algum tipo de insegurança e não tomou iniciativa para pedir a garota em namoro.
    Eis que um dia ela joga um ultimato para ele... passam-se os dias até que eles oficializam o namoro!
    Um dos dias mais felizes na vida dele! Todos os amigos e familiares disseram que eles formaram um casal lindo. Tudo parecia perfeito, fim de ano com as famílias, muito amor entre os dois e etc. Más... nenhum relacionamento é perfeito.
    Começam a aparecer os problemas, a ex dele decidiu por algum motivo voltar atrás.... Porém o rapaz, para não magoar sua amada, decidiu esconder o ocorrido.
    Certo dia na casa de sua namorada, o rapaz se surpreende com uma mensagem de sua ex, ali ele se sentiu destruído, vendo sua garota em uma situação daquelas. Por fim, o rapaz decidiu cortar total relação com ela e tudo mais, más um problema ainda os assombrava, problema esse que causaria vários transtornos para o casal.
                E hoje, um outro problema (ocorrido com sua ex, no passado) acabou acarretando numa situação muito desagradável, onde ambos se encontram afastados de certa forma. Ele se sente culpado por tal situação... uma verdadeira montanha-russa de sentimentos, com os colegas ele percebe a instabilidade. Com algo preso em sua garganta ao chegar em casa, ele finalmente tenta relaxar, passam-se 4 segundos até que aquela carga se transforme em algo e suba até seus olhos. Ele se encontrou em lágrimas, se sentindo fraco, culpado por estar numa situação em que pode perder a garota de sua vida. Aquela na qual ele sempre foi fiel, respeitoso, amoroso e carinhoso.
    Tudo o que ele mais quer, é provar para ela que as coisas podem ficar bem, e todas as noites ele reza... reza para que Deus ilumine a mente dela e faça com que ela veja que eles são verdadeiras almas gêmeas.
    -R.M
  • Amanhã é quarta-feira

    Amanhã é quarta-feira e eu não tenho previsão de nada, não tenho previsão de voo, não tenho previsão de resposta da Camila, aliás, não tenho nem previsão de viver. Se eu estiver vivo amanhã é uma dádiva de Deus.
    Depois eu termino aquele texto que comecei, por hora me falta inspiração.
    Quero ficar quieto no banheiro, tomar um banho de uma hora, depois meditar, depois tocar violão e pensar na Camila, ouvir um bom som do Tom e pensar na minha vida.
    Talvez sempre tenha acreditado e sentido a lei da atração, mas acho que ando entorpecido com o excesso de realidade, a vida é como é. Confesso que ando me machucando um pouco, poderia pegar mais leve comigo mesmo. Poderia, se não acreditasse na atração, daí pensaria menos no que eu quero.
    Poderia, se ficasse indiferente a realidade nua e crua.
    Poderia, se nunca tivesse alçado voos lindos.
  • Amante da Guerra

    Tenho te observado por um tempo, admito, não pude deixar de notar esses olhos achocolatados oceânicos, quero saber mais do que apenas seu nome, amante da guerra, quero saber mais, mais e mais. Estou à 45 passos de você, e mesmo assim estou tão longe, não posso te alcançar por que não sou digna de ti, e nunca serei, meus pés nunca poderão andar 45 passos até os seus, nunca irei saber nada além de seu breve nome.
    Me sinto uma tola por ficar te procurando por aí, esperando que me procure também apesar de nem saber quem sou, desejo coisas que sei que não acontecerão e que não me esforçarei para que elas aconteçam, eu o quero. Mas somente assim, onde eu o observo você não pisa em meus sentimentos, onde 45 passos são o suficiente para me manter distante de ti, onde eu posso te querer legalmente e onde posso fantasiar sobre um dia em que você poderia me querer também.
  • Amantes do Caos

    Seu sorriso era encantador: roxo.
    Sua beleza fantasmagórica: maltrapilha os cabelos negros presos por um coque.
    Eu me encantei e confesso, foi amor à primeira vista. E ainda confesso, eu a beijei com meus lábios de sangue.
    Imediatamente eu a cativei pra mim e, numa tarde de tempestade, o céu negro cheio de relâmpagos e trovões, nós dançamos.
    A cama era uma elegância no meu mausoléu digno dela. E fomos então no meio de velas e assombrações.
    Nós amamos e nos confundimos com fogo e frio; com reclusão e dinastia; com amor e ratos. Mas... Silêncio.
    A lua branca chegou e murmurou: "bem vindos a minha loucura e o meu inferno".
    E voamos para encontrarmos os anjos de Apocalipse.
  • Amor - verdade ou ilusão?

    (Inspirado no filme Amores Possíveis, que eu nunca me canso de rever!)
    “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”
    Fico pensando nisso toda vez que vejo esse filme...
    Deus! Se a verdade tem poder libertador, porque as pessoas preferem e insistem em escolher as ilusões?
    Por que a grande maioria das pessoas prefere viver de fantasias sobre si mesmas e sobre o outro?
    Seria para poder viver se decepcionando e se vitimizando? Que mórbido seria se o motivo fosse mesmo esse!
    O motivo eu não sei, mas eu sei que eu sempre escolhi a realidade e quem se alimenta de ilusão não me cabe e nunca coube em mim.
    Talvez por isso eu viva mais só que acompanhada!
    O auto-conhecimento me dá a exata consciência do meu eu e isso me serve de base para conhecer mais profundamente o outro que me cerca. E desde quando eu comecei a conhecer melhor as águas profundas do ser, mais me faço crer que somos todos passíveis de sermos amados pelas nossas verdades, com as nossas verdades e/ou apesar delas!
    Mas, infelizmente, a ilusão é socialmente tão endeusada nas sextas e sábados à noite ("...todo mundo espera alguma coisa de sábado à noite..." já disse a música!), que quanto mais o tempo passa, mais superficiais as relações se tornam, mais ilusórias as interações se tornam e mais eu tenho a certeza de que nunca vou encontrar o que procuro.
    E o que eu procuro?
    Tenho algumas certezas: eu não quero amar a ilusão que posso criar sobre o outro; também não quero que o outro ame a ilusão que cria sobre mim; nem tampouco alimentar e sustentar a ilusão que o outro cria sobre si mesmo.
    Eu quero amar a realidade do outro, para que a minha realidade também seja amada!
    Às vezes acho, só acho, que isso é meio impossível e que as pessoas se amam apenas enquanto estão iludidas sobre as próprias ilusões e que quando se dão conta da realidade umas das outras, quase sempre escolhem ir embora!
    Minha vida é de buscas! E o que eu procuro?
    Eu sempre procurei um outro com uma verdade passível de ser amada, capaz de amar a minha verdade de volta...
  • Amor Bipolar

    De todos os sentimentos do mundo, o amor é o mais traiçoeiro.
    Ele te pega quando menos se espera e suga o melhor que você tem e entrega a alguém .
    Ele acaba, e quando isso acontece você vira um ponto insignificante na Terra.
    É como um papel amassado jogado no chão, como um copo de vidro que caiu, você fica quebrado e você é inutil.
    E então quando você se recupera, ele faz o ciclo tudo de novo.
    De todos os sentimentos do mundo, o amor é mais lindo.
    Ele te resgata do nada, e faz você virar uma pessoa diferente, ele te transforma .
    Sabe o universo? ele é pouco para 2 corações apaixonados, seus pensamentos giram em torno daquela pessoa.
    E então quando da certo o sonho se transforma em realidade.
    O amor sabe tudo: seus atos, pensamentos, sonhos, desejos.
    Um coração apaixonado faz loucuras e você apenas não consegue guarda isso dentro de você.
    Você quer expressar de alguma forma, com um sorriso, abraço, um beijo, um poema, uma musica, uma declaração, tudo isso é amor .
    Acho que o amor é meio bipolar, ele quer ser os dois lados.
    Qual lado do amor esta reservado pra nós?

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222