person_outline



search

poesia

  • Você habita em mim

    Há pessoas que nos marcam;
    Há pessoas que nos ferem;
    E também há você.
  • Você Olhava Para Minha Boca

    As palavras que saem da boca dele deveriam ser minhas. O sotaque dele estraga tudo. Os dentes soltam um assobio estranho, que não combina. O formato da boca dele fica estranho quando fala a letra M. Ele sorri esquisito toda vez que fala a letra T. 
    Essas palavras combinam muito mais comigo. E sabe como sei? Porque todas às vezes que eu falava essas mesmas palavras, você olhava pra minha boca e você não faz isso com ele. Prefere olhar para os olhos dele? Pra fingir que gostou? Ou será que é pra se convencer que as palavras são sinceras? Eu tenho certeza que as palavras são sinceras quando saem da boca dele, mas não soam verdadeiras quando chegam no seu ouvido...Não é?
    É porque essas palavras são minhas. Saem de forma sincera e natural de mim, e chegam a você de uma forma verdadeira e belíssima. Mas não acontece isso quando é com ele. Porque você olhava pra minha boca. Porque focava em cada letra que saía dela. Porque queria guardar elas dentro de você, e agora eu sei que guardou, porque pensa em mim quando ele diz essas palavras. Não é?
    O meu sotaque combina, meus dentes não assobiam, e minha boca não fica estranha porque se encaixa com a sua logo depois de eu pronunciar as palavras:

    Eu te amo...

    Essas palavras são minhas para você. Serão apenas para você, e você só irá receber elas verdadeiramente quando saírem de mim.
  • voce pode ate me ver

    Você pode ate me ver chorar
    em alguns dias sorrir
    mais jamais vera
    eu desistir

    Você pode me ver a reclamar
    em silencio ficar
    mais nunca vera
    eu parar de lutar

    você pode me ver triste
    pelos canto ficar
    porém jamais verá
    eu um dia para de te amar
  • Você Tem.

    Mas você tem.
    Tem que ir
    Tem que viver
    Tem outra opção?...
    Diga-me você.
    Você tem.
    Tem um coração
    Bombeando sangue
    Coração não serve para sentir nenhum tipo de emoção
    É a verdade, não se zangue.
    Você tem.
    Tem que ir naquela festa
    Você nunca sai
    Se quer ou não, não interessa.
    Você tem.
    Tem cortes nos pulsos
    Tão idiota, tão adolescente
    Acha o mundo injusto
    Você tem.
    Tem tudo o que quiser
    Pare com essa cara feia
    Faça o que a sociedade requer
    Você tem.
    Tem uma corda no pescoço
    Foi tão de repente, tão sem motivo
    Sempre estava com o sorriso no rosto
    Você não tem
    Não tem mais vida
    O que aconteceu?
    No mínimo
    Alguém lhe entristeceu
    Coisa de adolescente
    Só não sabe direito
    O que sente...
  • Você, não

           O dia era 11/03/2019, acabei de ler o primeiro texto que escrevi sobre o nosso amor, no caso sobre o meu amor! Já se passaram quatro meses desde da nossa decisão e nesse pouco tempo eu me dediquei a minha pessoa e eu comecei a fazer coisas que eu nunca imaginei que faria. Eu estou feliz, muito feliz...sem você. 
           Sabia que eu não sinto mais aquele sentimento puro e gostoso por você? Eu não sinto falta quando você não fala comigo e eu até inicie umas séries novas, dá pra acreditar? E nessas series eu percebi o quão precisamos pensar em nós mesmos e deixar o mundo um pouco de lado, a nossa felicidade depende só de nós mesmos. Você, não! Eu não sinto absolutamente mais nada. 

     

  • VOLÁTIL

    Nunca pude desfazer as malas abertas da minha cabeça,

    pois viajo dentro de mim mesmo munido das ampulhetas

    sem a areia crua do tempo e do estreito que o movimenta.

    Desloco-me de pulso em pulso — de silêncios em silêncios,


    entre as estradas do pensamento. Sigo aqui e ali, sedento.

    Vou lá e acolá, rabugento. Estou na caça do verso intenso

    escondido nas sombras da rede. Farejo o rastro do medo,

    na pegada desse confronto elétrico: amperes e incêndios.


    Ouço o vento dizer-me, a sós, feito um segredo de estado:

    — O poema é artefato de éter… Não tente pôr um cadeado.

  • Voltas e Voltas

    O mundo gira, gira. E você também
    O mundo gira, gira. E você também
    Acompanha o passo
    Acompanha o passo

    Não importa o tamanho do passo
    Você tem que ver é aonde quer chegar. Agora

    Olha a lua gira, gira. Olha a lua olha
    Ela se esconde e o sol aparece
    Você tem que se esconder de vez em quando
    Mas procure aparecer e se sentirá melhor

    Olha o sol clareia, clareia seu caminho. Então caminhe
    Caminhe. Não pare e fale: Estou aqui
  • VOLÚVEL

    Os meus olhos singram o mar da tarde

    cinza, pouca de cor e espessa da neblina

    que sobrevoa os silêncios deste domingo,

    onde os minuanos movimentam os ares


    — e as sombras engomam a gola do linho.

    No rasante vejo quem se esconde do fato

    e leio as maledicências nos pergaminhos

    dos homens que não veem o dia que parte.


    O poema é uma engenharia muito delicada.

    Versos e poesia transam, mas ela não casa.

  • VONTADES

    A minha vontade
    É te beijar até não ter mais lábios
    É te tocar até não ter mais tato
    É te olhar até não ter mais visão
    É te ouvir até não ter mais audição
    É te amar até não ter mais coração!
  • Vossa Santidade

    Vossa Santidade,
    Vou trazer o seu café
    Sua férula, seu terço,
    Sua fé

    Seu pudor manipulado
    Seu mistério sem mistério
    Seu conceito certo/errado
    Seu império

    Apareça nas sacadas
    Com sua crença pervertida
    Cure todas as feridas
    Com suas mãos, benta e cagadas

    Depois volte ao seu trono
    Se puder pegue no sono
    E não toque mais em nada
  • Vou Virar Plutão

    Com os rostos virados para as estrelas, acho que criavámos uma conexão forte. Como se fossemos estrelas também. 
    Mas então ela se levantou, com o rosto numa expressão agoniada. Passou as mãos pelos cabelos, bufando de raiva. Mas antes que pudesse perguntar se estava tudo bem, ela me atropelou com as palavras.

    -Não te deixa brava que a vida seja só isso!?-ela apontou para nada como se visse a coisa mais ridícula do mundo.

    Fiquei quieta, sem abrir a boca, porque sabia que ela me atropelaria com as palavras novamente.

    -Não, não! Me corrijo: você não fica indignada de ver que as pessoas aceitam que a vida seja somente isso?

    Penso sobre isso. Aliás, a vida era sobre o que? Ser feliz? Fazer o bem? Deixar sua marca? Fazer o que você quiser fazer? Passar no ciclo da vida? Espera...isso era sobre Rei Leão, não fazia muito sentido. 
    Mas para ela fazia sentido, porque ela estava agoniada. Parecia que iria ter um surto de raiva e que quebraria tudo em volta. 

    -NÃO É JUSTO! PORQUE AS PESSOAS ACHAM QUE TUDO VAI SER DESSE JEITO?

    -Desse jeito como?-eu finalmente pergunto.

    Ela respira fundo e então olha para mim. Eu a encaro como uma aluna querendo aprender, porque tudo que ela fala faz sentido para mim.

    -As pessoas elas...elas se conformam que a vida é desse jeito. Nasce, cresce, sofre, trabalha e morre. Cadê...-ela para como se estivesse buscando palavras- cadê todo mundo que não quer ser assim.

    Ela estava mais incomodada de estar sozinha ou de todos acharem a vida tão superficial? Eu ficaria com medo de estar sozinha, mas não ela... Acho que ela se preocupava mais com o fato de todos estarem cegos com relação à vida. 

    -Puxa-ela diz passando as mãos pelos cabelos, ainda naquela agonia-As pessoas dizem que nossa vida é só um grão e que somos apenas um entre sete bilhões e meio de pessoas... Então porque todos vivem a mesma vida? Se somos tão insignificantes assim, porque todos não tentam ser insignificantes de um jeito único?

    Aquilo fazia sentido. E de novo eu me sentia uma aluna escutando o professor. Ou melhor, a professora. 
    Então por um tempo nós ficamos calados e voltamos a olhar as estrelas. 

    -Eu quero virar Plutão-ela murmurou com as pálpebras pesadas.

    Eu a olho confusa, mas ela nem se dá conta disso antes de voltar a falar.

    -Plutão não é planeta, não é nada...Não é ninguém. Mas mesmo assim as pessoas ainda sabem mais sobre ele do que sobre os planetas de verdade... Não é?-seus olhos se viram para mim.

    -Claro-eu concordo-Plutão é o não planeta mais importante.

    -Ele é...E eu vou virar Plutão-seus olhos se fecham com o sono. 

    Tudo que ela falava fazia sentido para mim, mas eu discordo apenas de uma coisa. Não acho que todos precisem viver uma vida insignificante única, acho que isso só serve para pessoas que querem ser planetas...
    Se ela vai ser Plutão eu vou me tornar uma Lua apenas para ela. Vamos viver no futuro, e no passado, e vamos ser insignificantes juntos...Mas ainda assim únicos. 




  • Vozes

    Se eu não criar

    De algum jeito vai desaguar

    Porque posso chorar.
  • Vozes Da Alma

    O bem e o mal, à coragem e o medo,
    sentireis em teu efêmero viver. 
    O gosto amargo e o azedo,
    e o doce,d'alegria,que desperta o prazer. 

    Inesperadamente, como o verso,
    à lembrança, 
    veio no ocaso lhe trazer.
    O tempo que ainda era criança,
    e havias inocência em teu ser. 

    Melancolia não sentias, ouvistes,
    hoje, graças à ela, estás vivendo...
    Nas catedrais os dias tristes,
    lentos, há findares, como um círio derretendo. 

    E de novo solitário com os versos,
    numa noite,sem os astros,na atra solidão...
    Em lágrimas os olhos viu imersos,
    e acelerado,palpitar,eu senti teu coração.
  • WAR

    Meu verso é um mero questionário
    que, mesmo confuso, tenta ser claro:
    ora na inquirição do poema calado,
    ora neste inquérito eterno do passado.
     
    A fórceps, ponho dentro dele uma tocata
    silenciosa, composta apenas de palavras
    colhidas no adro do moinho da banalidade
    dos dias vazios que não têm hora marcada.
     
    E entre o tabuleiro do mapa-múndi da casa,
    busco o xis da resposta — e sempre fracasso.
  • What’s sanity?

    What’s sanity?
     It’s supposed to be a good thing but, quando meu coração acelera e eu não consigo controlar meu corpo, parece que que meu peito quer sair para fora, ao mesmo tempo que eu pareço não conseguir sair do lugar.
     Enquanto a vontade de escrever eu tenho, ao passar da cabeça para mão tudo parece uma confusão e dessa vontade me desprendo.
     Ansiedade talvez? Será que é isso que as pessoas reclamam? Mas que estranho, é momentâneo, enquanto elas não dormem, o meu efeito é o contrário, aperto, adjunto com cansaço, onde eu sempre espero, que amanhã já não lembre mais disso 💭
  • ZONA DO SILÊNCIO

    Tudo muito bem aqui no mundo dos mortos,

    onde quase todos passam — exceto as horas

    que se atrapalham sem ponteiros ou relógios

    quando marcam a implacável tirania dos ossos.


    Não temos dia e noite, tampouco ocaso e aurora;

    o tempo também morreu feito o que há em volta.

    O cinza é dominante sobre os escombros tortos

    das ruas sem alamedas e das almas sem corpos.


    O sol vermelho sanguíneo ultrapassa o céu ocre.

    Vejo os becos e as cédulas sujas que se enrolam

    — conduzem a poeira por entre as ventas expostas

    e não há quem saiba mais o que realmente importa.


    Ouço muletas e próteses que se escoram no poste.

    Há gemidos invisíveis que não têm sul. Nem norte.

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222