person_outline



search

filosofia,

  • De quem é a culpa?

    Suas dificuldades beneficiarão você na medida que você aceitar a responsabilidade para superá-las. O sucesso começa quando você pára de procurar alguém para culpar e passa a pensar numa solução. Tenha interesse pela solução dos problemas, e não em culpar os demais. Não pense que perdeu o controle de sua vida e não culpe o mundo por ele ser o que ele é. Tais preocupações são improdutivas e freqüentemente pioram a situação. Designar a culpa poderia ser útil se você conseguisse inverter o fluxo do tempo, mas você não pode. Agora mesmo, você pode agir ou pode esperar a vida melhorar. Mas nunca haverá caminho a seguir que não seja de sua responsabilidade. Seus desafios são seus. Eles podem ser os maiores bens que você possui se você aceitá-los e trabalhar para vencê-los. Jamais perca tempo culpando outras pessoas por suas faltas ou as desgraças do mundo. Compreenda que o que importa na vida é aquilo que está sob seu controle. Você pode encontrar falhas nos atos dos demais e nos seus, mas em vez de distribuir censuras ou culpas pessoais, aja para eliminá-las. 

  • DE REPENTE, “DESVIADO” É ALGUÉM QUE CONQUISTOU A PRÓPRIA LIBERDADE!

    Em certos casos, desviar-se de algo é o melhor presente que podemos dar a nós mesmos!
       Rotular pessoas de modo pejorativo parecer ser o objeto de maior aprendizado na maioria das instituições religiosas. Quanto mais fechado estas fores, maiores e mais eficiente serão os “analistas” da vida alheia, medindo, pesando e mensurando tudo o que os outros fazem ou dizem, julgando-se superiores em praticamente tudo só por que “servem a deus e estão andando na verdade”. Uma verdade vista unicamente do ponto de vista daquela instituição, pois fora disso pode não servir pra coisa alguma, sendo inclusive objeto de escárnio ou blasfêmia para outra igreja ou religião, bem logo ali, à poucos metros de onde aquela “igreja verdadeira” existe.
       Dentro desses recintos onde “somente a verdade prevalece”, se uma frase, ação ou linha de raciocínio vier ser emitida de modo espontâneo,  que não esteja de acordo com os padrões de “justiça” ou “santidade” daquela instituição, uma enxurrada de comentários depreciativos surgirá de imediato contra o emissor, até que esse se retrate publicamente ou seja "delicadamente" convidado a deixar o grupo por meio dos mais gigantescos conluios, onde o falso testemunho, a fofoca e a má fé serão usados como escambo entre os “negociantes” que desejam a cabeça deste, e levantar-se-ão contra aquele “maldito infiel”, “rebelde” e “filho do diabo” que ousou dizer uma frase nova, cheia de lógica e sentido, que não fazia parte do “recitário” costumeiro para cauterização e retardo mental comumente aceito entre eles.
      “Onde já se viu usar o cérebro aqui neste recinto? Aqui na igreja não! Aqui você apenas crê, obedece, e permanece a vida inteira repetindo o que todo mundo diz e fazendo o que todo mundo faz, sem jamais intentar querer saber o porquê ou para quê de qualquer coisa tida como verdade, entendeu? Onde você pensa que estar? Numa aula de filosofia por acaso? Isso é uma igreja, entendeu? Aqui não se pensa, não se questiona, apenas obedece ao que imposto. Se não entendeu, caia fora”...
       Se fosse possível verbalizar as manifestações silenciosas da maioria dos religiosos dentro de uma igreja, essa seria a “humilde resposta” que eles dariam para qualquer um que ouse fugir dos padrões de pensamento do grupo.
        Além de rotular de modo negativo a emissão da expressividade falada, o que a pessoa veste, come, bebe, com quem andas ou com que fala será também objeto de discurso nos mais variados círculos onde se reúnem o “povo de deus”.
       Isso vale tanto para quem estar dentro quanto para quem estar fora da igreja, desde que esteja na mira de um “sniper de cristo”. Eles se camuflam, espreitam, esperam e depois atiram uma quantidade enorme de projéteis contra o alvo escolhido, do “ímpio”, do “rebelde”, ou seja, contra todos aqueles que eles julgam estarem vivendo “fora da vontade de deus”.
        Para implantar no fiel uma falsa sensação de segurança, comumente as lideranças eclesiásticas costumam fazer uma falsa interpretação do mundo, dando a entender que só naquele ambiente reside a paz, a verdade e a justiça, rotulando de forma negativa todos que digam o oposto disso.
        Mas isso tudo não passa de um blefe, uma grande mentira repetida de modo intencional ou cultural. Mentira essa que se desfaz o tempo inteiro, todos os dias o dia todo nas mais diversas situações na vida do próprio fiel basta o próprio fiel constatar por conta própria e verás.
        Para se manterem “firmes na fé” como eles dizem, se faz necessário diariamente a repetição de uma série de outras incongruências gritantes, que ao serem enunciadas de forma frequente e coletiva, cria-se a sensação de completude no que estar repetindo tal mantra. Jogar-se num abismo profundo e mentir a si mesmo dizendo que estar voando e não caindo, não muda o fato que a pessoa irá morrer ao chocar-se com um objeto sólido no fundo do abismo.
       Para quem vive “apenas pela fé” é difícil entender isso. Mas um dia a pessoa cansa disso tudo ou simplesmente acorda por meio de estudos aprofundados de história geral, história eclesiástica, filosofia, mitologia, sociologia, biologia, antropologia e outras ciências e percebe que estava em alto mar, viajando à deriva numa grande embarcação, conduzida por um líder pateta quem nem sequer sabe que existe um mapa de navegação, que não tem nenhuma rota traçada, rodeado de marujos enfraquecidos ou mal acostumados que mais se preocupam em subir de patente para ser o novo comandante do navio, do que saber para o onde estão indo.
       “O que importa é servir e fazer a obra!” - é o que dizem os aspirantes à novos cargos das igrejas, no intuito de serem agraciados por seus “capitães”. Que tipo de obra e serviço, nem eles mesmo sabem, apenas remam e ajudam a conduzir a embarcação ao som dos estalos do chicote conivência rumo ao improvável e inexistente, estragando a própria vida e a de todos os passageiros que ali estão.
       Assim podemos comparar o comportamento dos fiéis na grande maioria dos agrupamentos religiosos, que vivem como se estivessem coletando pessoas em cada porto diferente para juntos navegarem sem rumo, dando voltas em círculos, lutando contra criaturas imaginárias, esperando chegar num paraíso também imaginário, chamando de “piratas” todos os que estão navegando em outras embarcações.
        E quais são os adjetivos com que esses “navegantes” costumam rotular os que desceram do barco deles e preferiram navegar sozinhos ou em outro grupo aparentemente mais equilibrado?
       Bom, quanto a isso, a “santa igreja” e o “povo de deus” tem preparado centenas de rótulos negativos e termos pejorativos para os tais no intuito de intimidar os que ainda estão dentro a não saírem de lá e possivelmente realocar os que estão fora.
      Os termos mais usados para descrever quem “abandonou a fé” são: desviados; filhos do capeta; filhos das trevas; filhos do cão; herege; revoltados; rebeldes; ateus; satanistas; maçons ou alguém que se revoltou contra deus, seu ungido e sua igreja e por isso vai pagar um preço alto, não apenas este, o rebelde, mas toda sua família também!
       Pura baboseira...coisa de gente louca, mal intencionada ou desesperada por ter perdido uma massa de manobra, uma fonte de lucro, mão de obra gratuita ou representatividade para o próprio grupo. Até ameaçar a família do “desviado” com pragas e maldições eles o fazem! Daí você pergunta: “eu passei esse tempo todo dentro de uma igreja ou dentro de uma organização criminosa? Será que eu membro do PCC e não sabia”?
       Pois é! Onde já se viu ameaçar com pragas apocalípticas e todo tipo de maldição um indivíduo e toda sua família só por que deseja abandonar um agrupamento religioso (conturbado)? Geralmente isso só se é visto no crime organizado, onde membros proíbem a saída uns dos outros para não revelar o “esquema dos outros”. Na “casa de deus” também isso se vê praticamente todo dia quando tentam avacalhar a saída de alguns membros.
      Muitos destes membros, fiéis escudeiros, ficam à distância, monitorando tua vida, tuas redes sociais, o lugar onde você frequenta e tudo o que você faz, para que uma simples topada no dedinho do pé que você dê numa pedra largada a ermo na rua, eles venham dizer: “está vendo ai? Deus já começou a trabalhar! Aí é a mão de deus pesando por que deixou o aprisco do senhor...”!
      Se na mesma ocasião você fica desempregado, atrasou algum boleto bancário, seu filho tirou uma nota baixa na escola ou um parente seu que você nem sabia que existia, cai enquanto andava de bicicleta lá em outro país à fora, daí, alguns deles chegam a comemorar, festejando, por que deus está “te quebrando”, “te peneirando”, “te moendo”, “te humilhando” e “irá te trazer de volta, pelos beiços, num anzol, ou todo quebrado, amassado e vencido, para provar que ele é deus e para depois te fazer um vaso novo” (numa hora dessa, até línguas estranhas e piruetas rolam num ambiente de culto mediante uma declaração dessa emitido por algum santarrão)...
       Como uma descrição ferrenha dessas sobre “o agir de deus para quem se desviou” você fica se perguntando se estava servindo a deus ou ao capeta! Como pode um deus qual dizem ser a fonte de toda luz, amor, bondade e compaixão planejar tanto mal para uma pessoa só por que esta não quis mais servi-lo? Seria ele o “grande chefão da máfia”? Pela descrição que os seus súditos fazem dele, nem um gangster humano chegaria aos seus pés com tanto mal arquitetado e nem o próprio satã se igualaria no que diz respeito ao nível de maldade que a esse deus é atribuído por seus próprios súditos.
       Essas e outras, provam que deus é apenas uma ideia, que cada um faz o que quer com essa ideia, que a usa como quer, do modo como lhe for mais conveniente e nessa mesma ideia podem ser refletidas a própria personalidade do fiel ou do seu grupo como, níveis de bondade, maldade ou loucuras. Tudo que eles dizem estar falando sobre seu deus, estão apenas revelando sua própria parte oculta.
       Como em praticamente todos os agrupamentos religiosos onde é proibido discutir a personalidade do próprio objeto de culto, o ser cultuado tende a tomar uma forma animalesca e diabólica de acordo com o emissor e o receptor desavisado.
      Proibir comentários e indagações sobre a personalidade de qualquer ser cultuado é a única forma de manter os grupos religiosos que funcionam puramente pela fé, sem obras sociais aparente. Não há outra forma! Os membros devem apenas adorar constantemente, pois o ato de adorar nada mais é que uma forma de ignorar os fatos, adotar incoerências e manter inconsistências para que o ego do idólatra seja nutrido e seus sonhos de grandezas interiormente concretizados.
       Mais ou menos assim: (deus) faz de conta que tu existes, que tu me amas e que serei especial para ti acima de todos os outros por estar te venerando, que eu farei de conta que te adoro, e farei isso por toda minha vida e falarei bem de ti em tudo, mesmo quando não deverias, por que tu és o reflexo da minha própria consciência ou ignorância”! Sacou?
       Com o abandono da eterna infantilidade sugerida pela religião, o comportamento de um fiel pode mudar de forma brusca ou gradual pois, quando muda-se o foco, muda-se a perspectiva do observador e esta por sua vez pode desencadear uma série de outras mudanças.
       Sendo assim, a boca que um dia disse: “bendito seja essa ou aquela divindade”, poderá ser a mesma que hoje dirá que o objeto de sua devoção era apenas um engano, uma ilusão como tantas outras, seguida pela indução coletiva e o sentimento de rebanho comum a todos os que vivem em sociedades.
       E qual o problema disso? Em que uma pessoa se torna mesmo honrada por abandonar certas práticas religiosas que hoje considera inúteis ou sem sentidos? Que crime há nisso? Que pecado há nisso? O que isso tem de errado? Não seria a liberdade de escolha um direito comum a todos?
       Se existe algo de errado, esse algo é não pensar, apenas crer de modo cego, obedecer fielmente a líderes que desconhecem a raiz da crença qual afirma ser a verdade absoluta, que desconhece o próprio passado, que não sabem de onde vem e nem para onde estão indo, que mudam de conceitos conforme o poder e lucratividade (ou pela falta deles). Isso sim é um erro grave, um dos maiores pecados que cometemos contra nós mesmos!
       Além do mais, feio é mentir para si mesmo, viver fingindo, estando confuso no meio de tantas incoerências e inconveniências que a grande maioria do ritos litúrgicos tendem a retratar. Crime é jogar a própria vida e o tempo precioso fora, sendo capacho de líderes mal intencionados ou mal resolvidos, que estão preocupados apenas em controlar a vida dos fiéis e/ou extrair destes tudo que de útil for possível!
       Desonesto é vender aquilo que “por lei” deveria ser gratuito e ameaçar pessoas com inferno, maldiçoes e mortes para que elas “se convertam” ou para que as tais jamais venham a sair do “rebanho”. Isso sim é um crime, mas de tão corriqueiro, estas coisas tornaram-se aceitáveis e usadas como se fosse um mandamento divino.
       Uma pessoa que por décadas foi um membro ou obreiro ativo e produtivo em algum grupo religioso e hoje decide não fazer mais parte de tal agrupamento (ou de nenhum deles), deve ter o seu direito respeitado e não precisa estar dando explicação a quem quer que seja sobre o motivo se sua saída, exclusão ou abandono.  É um direito concedido a todos, tanto pela “lei dos homens” quanto pelas “leis de deus”.
       Quem realmente te ama e te respeita irá te tratar do mesmo modo (respeitoso), independentemente de onde estiveres. Os que tinham em ti apenas um objeto de lucro ou de representatividade eclesiástica, irão tentar te seduzir para retornares, não por que se importam contigo, mas por que de alguma forma você tem algo que eles podem aproveitar em benefício próprio, pois são como parasitas vivendo da energia alheia, ou como construções antigas que precisam de escoras para não cair. Você não precisa ser alimento de parasita, nem servir de escoras para que antigas, condenadas ou inúteis construções venham continuar existindo.  Se não conseguirem te trazer pelo uso do verbo e pela “humildade”, irão usar de calúnia ou difamação contra sua pessoa, ou rogar pragas para ti baseado na bíblia, e que hoje nada mais significam para ti, pois já saístes desse padrão doentio de pensamento.
       Deve-se notar nesses casos, que jamais “o povo de deus” faz questão em chamar de volta para a igreja uma pessoa que não era dizimista, que não cantava, pregava, dava oferta, ou que não tinha nenhuma representatividade social positiva em favor da igreja. Pessoas que com frequência precisou da ajuda financeira ou algum tipo de amparo social da instituição também podem ser rapidamente esquecidas. “Deus não se lembra” ou “não mandar repescar” esses tais! Só gente lucrativa e produtiva! Tadinhas dessas pessoas...
      Uma pessoa que por anos à fio usou o próprio traseiro para “polir os bancos” da igreja enquanto servia de plateia para alguns pregadores insanos, com mensagens repetitivas e improdutivas, essa mesma pessoa hoje pode estar também sentada, só que dessa vez aprendendo algo realmente útil numa escola, numa faculdade, em cursos técnicos, se tornando realmente uma pessoa produtiva para sociedade.
       E que mal há nisso? Quem disse que alguém tem fazer papel de trouxa a vida inteira? Quem disse que a vida social de uma pessoa resume-se apenas em frequentar recintos religiosos, pagar dízimos e ouvir sermões baseados em coações psicológicas ou falsas promessas por toda a vida?
       Uma pessoa só é feito de besta ou de trouxa até o dia que se deixa ser, até o dia em que despertar ou até quando sua força interior for menor que a força dos comentários idiotas e maldições sem sentidos que seu atual grupo tem a oferecer contra todos os “desviados”.      
       Depois disso, o gatinho enfraquecido e amedrontado de outrora, tornar-se-á um leão corajoso, e o domador de bestas cuja arma principal é o chicote da coação psicológica, terá de recuar ou pelo menos não mais incomodar a partir de então esse novo ser.
       Se o “servir a deus” é uma liberdade concedida pela constituição, o “não servir” também o é, e isso deve ser respeitado!  Se para reassumir a própria autonomia, liberdade de escolha e de expressão é preciso suportar o rótulo de desviado, então o desviar-se dessas baboseiras será uma conquista a ser mantida e não um rótulo depreciativo.
       Pensem nisso! Saúde e sanidade a todos.
  • DECEPÇÃO

    Seja uma decepção para os outros
    Mas não seja uma
    Pra si mesmo

    Todos querem te julgar
    Mas o que diria
    Sobre você nesse momento?

    Nunca tive tanta certeza
    De que sou
    O melhor que posso ser

    Nunca tive tanta certeza
    De que tenho o melhor que posso ter

    Tanta falta de ambição
    Não seria um pecado
    Se eu me contento com pouco
    Melhor do que com nada

    Eu finjo que tá tudo certo
    Mesmo quando não está
    Eu finjo que tá bem
    Até ficar

    Seja uma decepção para todo mundo
    Mas nunca uma pra si mesmo

    Não importa o que pensem os outros
    E sim o que pensa de você mesmo

    E eu sou aquilo que sempre quis ser
    E eu sou aquilo que vocês nunca vão compreender
    E eu sou aquilo que sempre quis ser
    E eu sou aquilo que vocês nunca vão compreender

    Eu finjo que tá tudo bem
    Mesmo quando não está
    Eu finjo que tá tudo bem
    Até ficar
  • Deixe brotar!

    Hoje não é nenhum feriado, data comemorativa ou jogo de final. Hoje é um dia comum, é mais um. Hoje não é nada, mas ao mesmo tempo hoje é tudo. Hoje é o dia de acordar e sorrir, é o dia de agradecer por todas as coisas boas e também por todas as coisas ruins, afinal , tudo é aprendizagem. Hoje é dia ir trabalhar e ser melhor do que foi ontem, de ir estudar e aprender muito mais que o esperado. "Precisamos de um feriado de feriados." Sair do padrão que a sociedade infelizmente impõe, de lembrar de algo em um determinado dia, quebrar esta regra estúpida. Saia e compre um presente pra tua mãe ou simplesmente dê a ela um sorriso, diga que todos os dias do ano, são dela. Diz ao teu companheiro o quanto você gosta dele, dê carinho! Fale olhando nos olhos do teu pai o tamanho do teu amor e que vai estar ao lado dele a vida inteira, dê um abraço apertado. Não importa o que faça, apenas faça. Não espere uma data chegar, para que algo seja dito ou feito, não deixe só para o ano que vem mais uma demonstração de amor e carinho. Não permita que o afeto se torne via de lucro, que o carinho vire comércio para os capitalistas, faça sua parte e não espere o feriado chegar. E se o amanhã for tarde demais? Não sabemos, não se torne um alguém manipulável, seja espontâneo. Somos seres humanos cheios de sentimentos todos os dias, sem exceções.
  • Demônios.

    Ai de mim tal presença etérea ela que não me foge da cabeça minha vida ópera e reclusão; misantropia e a beleza dela no meu castelo estou sonhando acordado estou entristecendo e ficando pálido agora, a ampulheta se resolve me dá uma rosa e meu crânio diz amém aos meus demônios caóticos.
  • DESCAMINHOS

    Sermos amantes
    Nos livros, na vontade de potência e livres!
    Construirmos nossas opiniões
    Silenciaremos os canhões e os sermões
    Viajaremos no universo e nas fragmentações.

    Sermos cantores
    Nos bastidores, escritores!
    Críticos dos valores superiores
    Da sociedade hipócrita sem concepções
    Vamos insuflar as cotas em detrimento dos colonizadores.

    Sermos artes
    Poesia, Platão e Sócrates!
    Livros belos, filosofia e conotações!
    Cidades, festivais e artes!
    Nietzsche, disciplina e valores.

    Sermos contestadores
    Catadores de sementes
    E de idéias mirabolantes
    Idealizadores de uma sociedade justa e combatente
    Nas trincheiras das desigualdades.

    Sermos desencaminhar...
  • DEUS E A VIGARICE S.A

    Por meio dos seus “ungidos” ele anuncia o caos para depois cobrar “impostos” para restabelecer a ordem.
    Quando as “milícias de cristo” se multiplicam, a única certeza que temos é o da exploração do homem pelo homem!
     Todas as vezes que os “sinais dos tempos” se aproximam, os “ungidos do senhor” dobram ou triplicam o faturamento de suas igrejas bem como por meio da “procura espontânea” ou coação psicológica, eles conseguem aumentar significativamente o número dos fieis nesses períodos que repetitivamente se cumprem “as profecias”.
      De tempos em tempos, de ciclos em ciclos, “sinais da volta de cristo” acontecem, dobrando o lucro dos que mercantilizam a fé. Como ele apareceu em nenhum desses eventos programados pelos “profetas”, os ungidos contam qualquer lorota para o povo, para desse modo aguardar novos sinais e assim faturar eternamente com uma mesma mentira. Nisso já se vão dois mil anos, sempre adiando a volta de jesus ou reinterpretando tais sinais. Sempre lucrando com essa propaganda enganosa.
       Se deus fosse real, seria conclusivo crer que há uma parceria macabra entre ele e seus ungidos e profetas que vivem diariamente a transmitir aos povos, os sintomas do apocalipse, fazendo isso de modo proposital, afim de por meio dessa parceria insana, lucrar com o medo e ignorância do povo.
      Fomes, pestes, guerras, terremotos, furacões, enchentes, grandes incêndios ou desavenças familiares existem desde que o mundo é mundo e mesmo antes que o cristianismo, judaísmo ou qualquer outra crença religiosa viesse a existir tais fenômenos já existiam.
      Muitos antes que Cristo ou qualquer outro profeta viesse constatar ou predizer tais fatos, eles já eram corriqueiros e vários segmentos científicos ou registros históricos comprovam isso.
       As sociedades nãos são estáticas. Elas estão em constante mudança em todos os sentidos. Por outro lado, o planeta também estar em constante mutação e a percepção do caos ou da ordem só depende de que ponto geográfico você estar ou de que modo tu fosses treinado para interpretar tais leituras, pois tais fatos sempre aconteceram e ainda acontecem independente de qualquer credo religioso ou messias agoureiro.
      Vulcões em atividades sempre existiram e ainda existem. Chuvas torrenciais, deslizamentos, maremotos ou pandemias também. Nesse vasto globo há fenômenos de todos os tipos acontecendo nesse exato momento em lugares diferentes. Alguns não sabem disso ou não estão lá para constatar, mas nem por isso eles deixam de acontecer.
      Nesse exato momento, nesse mesmo planeta há temperaturas que passam dos 70 graus negativos ou que beiram os 60 graus positivos na escala celsius. Em alguns locais desse planeta nesse exato momento uma calmaria paradisíaca, enquanto que em outros locais, ventos devastadores podem estar causando danos diversos em regiões habitadas ou não.  Nesse mesmo momento, há gente morrendo e gente nascendo, gente amando-se e gente odiando-se, gente em busca da paz e outros tantos em busca da guerra. Tem sido assim muito antes de qualquer “deus” aparecer exigindo adoração ou de qualquer líder religioso vigarista surgir para cobrar pedágios, prometendo diminuir a ira dos deuses sobre nós.
      Se um profeta, seja ele qual for, definir que fenômenos naturais ou humanos que trazem calamidades coletivas sejam os sinais da volta desse ou daquele messias, esse profeta é no mínimo um charlatão ou julga que as pessoas de sua época ou de época vindouras sejam todas burras o suficiente para não perceberem que esses “sinais” são tão repetitivos quanto o sol que todos os dias cruza os céus de um lado ao outro.
      Há milhares de anos e desde sempre desordens naturais ou humanas acontecem o tempo todo. O que falta (ou faltava) era gente para reportar tais eventos. Alguns fenômenos não são reportados pois não favorecem em nada as grandes corporações religiosas, comerciais, políticas ou militares dominantes, e outras não são reportadas por que não foram vistas, ou foram averiguadas por pessoas sem conhecimento técnico o suficiente para darem a devida importância ao fato, sendo registrados apenas séculos ou milênios depois do ocorrido por peritos de diferentes áreas do conhecimento humano.
       Se deus fosse real, ele seria “o maior picareta de todos os tempos”. Sua igreja seria uma grande organização criminosa. Seus ungidos seriam os gangsters e seu “povo escolhido” seriam meros objetos de exploração por essa rede mentiras, cuja função principal e dar um sentido metafísico para tudo o que é físico, e cobrar pedágio para amenizar a fúria irracional de um deus que diz ser a fonte de todo amor e misericórdia.
       Se deus fosse real, ou se fosse pelo menos 10% de tudo aquilo que dizem ser, poderíamos presumir que no mínimo ele seria o patrocinador eterno de vigaristas de todos os tipos, de todas as épocas e de todos os cantos do mundo onde o seu nome, sua marca e sua história é divulgada.
      Em todas as corporações humanas, criadas por pessoas “falhas e pecadoras”, por mais precária que esta seja, espera-se que haja um padrão ético, moral ou técnico a ser seguido entre os funcionários da empresa para com os consumidores dos produtos os serviços. O ministério público, a secretaria de vigilância, sanitária, de segurança pública ou qualquer outra de uma sociedade civil organizada costuma impor regras ou punir qualquer empresa que desrespeite o consumidor ou o exponha riscos a sua saúde bem como integridade física ou moral de toda uma sociedade.
       Já com a igreja é diferente: cada líder religioso faz o que bem quer, cobra quanto quer, usa e abusa de um suposto poder e autoridade divina, e em nome do senhor, “fazem coisas que até o diabo duvida”.
       Uma das maiores prova disso é que as casas do comércio da fé se proliferam como se fossem pragas, na maioria dos casos sem prestar nenhum tipo de serviço útil a sociedade, apenas taxando com pesados tributos todos os “usuários dos serviços divinos”, enquanto proferem mentiras e ameaças psicológicas sobre os mesmos, em nome desse deus irado.
       Como se não bastasse a não equivalência de alguns estados entre os impostos cobrados e os serviços  prestados ou prestados em péssima qualidade, ainda vem alguns líderes igualmente imprestáveis, cobrar 10% do salário do povo (e mais que isso), para manter longe do povo a ira desse deus que deveria servir justamente para ajudar o povo e não martiriza-los ainda mais.
       Só existe um deus irado, onde há um povo abobalhado!
       Onde há um povo consciente, deus pouco atua ameaçando alguém, e quando o faz, não amedronta nem um cão sarnento de rua de rua, quanto mais uma população inteira. Onde não há um povo abobalhado, “ungidos” morrem de fome se não trabalharem de forma digna, e coagir um povo a lhes dar dinheiro baseado em fábulas seria motivo de prisão na certa e não de louvor público. As ameaças de deus e de seus ungidos só tem serventia onde a religião e a política andam de mãos dadas corrompendo todos os outros sistemas, ou onde a ignorância prevalece sobre a ciência.
       De certa forma, se fosse deus real, e se fosse a igreja sua legal representante aqui na terra, poderíamos dizer que o “modus operandi” divino se assemelha bem a um grande sistema de milícias como as que se alastram nas periferias das grandes cidades, trazendo dessabores diversos aos moradores locais.
       As milícias costumam cobrar por serviços que nunca prestaram a população e que os tais normalmente são fornecidos por empresas sérias e legais perante a lei. As milícias não criaram ou mantém em funcionamento tais estruturas, porém mesmo assim se acham no direito de cobrar de cada cidadão uma sobre taxa além das que já são cobradas pelas empresas licenciadas pelo estado.
      Sobretaxas sobre os serviços de água, luz, telefone, gás, internet e segurança são os tipos de cobranças que eles mais costumam fazer. Quem se recusa a pagar por tais serviços, poderá punido de diversas formas, inclusive com a morte. Eles são capazes de promover o caos para depois venderem por um alto preço o restabelecimento da ordem. São verdadeiros parasitas que precisam de hospedeiros vivos e funcionalmente ativos para sugarem suas energias, não matando-os de uma vez para que os tais também não morram por inanição, mas mantendo-os preso a si, criam uma falsa sensação de liberdade e proteção.   
       Agora prestem atenção como se comportam a grande maioria das igrejas e dos “ungidos do senhor”: eles dizem que a dádiva da vida é um dom de deus e que tudo o que você realiza ou consegue de bom é por que deus quis e por isso você deve retribuir a ele indo a uma igreja, louvando o seu nome e acima de tudo contribuindo financeiramente com a “sua obra”.
       Se você assim não o fizer, eles, os ungidos, os representantes de deus na terra, irão fazer pronunciamentos da ira de deus sobre ti por não “devolveres a deus” a parte que lhe cabe. Se não der o que eles pedem, eles te denunciam a deus e tu e tua família poderá ser acometido por todos os tipos de enfermidades, tragédias, desgraças naturais da pior espécie e quando tu morrer o inferno será garantida para ti, como paga pela tua “rebeldia” e “ingratidão”.
       Nesses termos, você só conseguirá aplacar a ira de deus, adorando-o, dando dinheiro “a ele” e obedecendo cegamente seus ungidos. Se por exemplo, você diz crer nele e faz “tudo o que ele mandou fazer” longe de uma igreja, de forma independente, isso não terá validade alguma para os que os “dono da boca”, antes sim, tu serás considerado um herege e sofrerá as penas de acordo com o local e época que nasceu. A sua benção em vida ou salvação futura só será validada se tu fizeres parte da “milícia do senhor” (alguns se denominam assim abertamente) e ser subserviente aos representantes.
        Vejam outro exemplo: se um aluno crente “estudar pra caramba” e passar num vestibular, ele ou seus pais deverá apresentar votos de gratidão a deus ou à sua igreja em forma de culto ou dinheiro para que a benção desse deus se multiplique e a ira dele não recaia sobre ele e seus familiares pelo crime da ingratidão. Você nunca vai ver deus ajudando a passar em um vestibular, um analfabeto ou preguiçoso que por falta de interesse ou de oportunidade não frequente uma escola ou nunca foi bem nos estudos. Você só vai ver “deus” ajudando pessoas esforçadas e determinadas ou que tenham pais igualmente dedicados.
        Quando um crente passa por uma cirurgia delicada, ele deve “pagar” na igreja pelos serviços que recebera de deus. Seja com um culto de agradecimento, seja com uma boa quantia em dinheiro, seja aceitando uma função para trabalhar na igreja como voluntário, ou seja, como uma “mula de padre ou pastor para o que der e vier”. O médico que estudou mais de 20 anos seguidos para chegar onde chegou nem será reconhecido ou no máximo será citado levemente como “instrumento para o agir de deus” quando o testemunho for contado! O líder religioso que nada fez, receberá 10% do faturamento daquela pessoa ou família naquele mês e ainda poderá receber por fora uma oferta generosa, dependo do voto que fora feito por que, segundo ele (o ungido), foi ele quem orou e pediu a deus misericórdia sobre o tal enfermo.   
      Se você é comerciante por exemplo, você sabe o quanto é difícil manter uma empresa legal em pleno funcionamento: folha de pagamento de funcionários, impostos, licenças, família metendo o dedo no negócio, funcionário que faz de tudo para ter ferrar de algum modo, sócio que não corresponde com a obrigação...dái, se você é crente, você é obrigado a dar 10% “de mão beijada” a um sujeito ( em alguns caso um vagabundo e desocupado) só por que ele é o chefe da igreja qual você faz parte senão, ele e deus executarão sobre ti toda a fúria do mundo por infidelidade assim como fez como Ananias e Safira. É mole ou quer mais?
       Em seus negócios, se tu vieres a falência na empresa a culpa é sua! Se tiver sucesso p mérito é de deus e do ungido que cuidou de ti!
        Ahhhh...vão pra casa do caralho com esse tipo de exploração disfarçada de boas intenções!
       Segundo os que defendem tais absurdos e explorações, deus pesa a mão sobre qualquer tipo de ingratidão. Os comerciantes da fé fazem questão de te lembrar disso todos os dias, até por que a fonte de renda deles depende de sua burrice, ganancia ou ignorância. Há várias passagens bíblicas usadas para apoiar esse tipo de crença. Baseado nesse “livro da justiça” eles cobram nome de deus por um serviço que não foi prestador por eles e ainda ameaçam que se recusar a contribuir.
       Estando na “casa de deus”, qualquer pessoa que seja ética, respeitosa, talentosa, dinâmica, de boa administração e que por isso conseguiu estabilidade financeira, boa saúde ou paz, esta pessoa não deve nada a ninguém, nem a pastor, nem a padre nem a deus algum. Ela é o que é por que decidiu ser assim, ou por que tem domínio próprio sobre seus impulsos primitivos ou por que tem força de vontade o bastante para chegar onde chegou.
      Porém, nesses casos o “ungido do senhor” as convencem que ela só são o que são, e só tem o que tem por que estão ali, naquele recinto, “na casa de deus”, sob os cuidados dele, o ungido, e por isso, “deus” por meio dele, deve receber uma remuneração por esse feito.  De preferência uma gratidão eterna que dure enquanto aquela pessoa estiver viva, e mesmo que não tenha mais força para vir a igreja contribuir, ela ou seus familiares devem continuar pagando as taxas pela “proteção” divina.  Se o tal crente não o fizer, uma chuva de impropérios e maldições cairá sobre estes, e este conhecerá ainda em vida o “gostinho do inferno”.
       Qualquer pessoa que pertencendo a um agrupamento religioso e tendo uma vida prospera se recusar a contribuir alegremente para a “obra de deus”, será duramente hostilizado, pois deus e suas milícias, irão agir de modo brutal para que a rebeldia não se espalhe a fonte de lucro não seja extinta.
       Se isso não for um sistema de milícias, eu não sei mais o que poderia ser...
       Se realmente é a “santa igreja” ou a “palavra de deus” quem transforma o homem, todas as pessoas que já entrou ou permaneceu em uma igreja, deveriam ser todas elas criaturas honestas, bem comportadas, de bom caráter e boa reputação se é que a igreja, deus ou sua palavra são capazes de transformar quem quer que seja.
       No entanto não é isso que podemos constatar. Há pessoas que eram ruins e entraram nesses lugares e hoje estão piores ainda pois, antes eram apenas desonestas, sem caráter ou idiotas. Hoje continuam sendo tudo isso e como se fossem idiotas diplomados, se acham melhores que todas as demais criaturas do planeta que ainda “não tem a jesus” pois saem por aí dizendo que tem a certeza da salvação, anunciando uma grandeza, moralidade, riqueza e sabedoria que não possuem, esfregando sua fé e seu modo de vida hipócrita na cara dos outros, como se fosse uma roupa intima fedida que ninguém precisa nem sequer ver, muito menos cheirar.
       Só a religião é capaz de transformar um tolo comum em um tolo com certificação e autorização legal para condenar e perseguir a todos que ainda conseguem manter um pouco de equilíbrio e sanidade.
       Essa é a parte 2 do texto: UM DEUS IRADO, UM POVO ABOBALHADO, publicado em 21/1/20.
       Texto escrito em 9,2,20- CONTINUA...
  • DEUS NO CORAÇÃO: QUEM TEM, QUEM NÃO TEM E PRA QUE SERVE

    Um conceito tão vago quanto inútil que serve mais para ludibriar os incautos do que para definir o caráter de alguém.
       As igrejas, praticamente todas elas vendem a ideia de que para ser feliz na vida, ser bem sucedido em tudo e ser uma pessoa de bons princípios morais, se faz necessário “ter deus na vida” ou “deus no coração”!
      Políticos astutos se valem muito desse slogan para mascarar seus reais intentos e abocanhar milhares de votos de fiéis também “cheios de deus”, que preferem um discursos vazio de uma pessoa que professa uma crença religiosa, do que ver os recursos públicos sendo bem geridos por uma pessoa “sem deus”.
       Líderes religiosos precisam desse conceito para serem quem são e estarem onde estão, vivendo às custas do povo enquanto desfrutam de prestígio, poder e autoridade em cima de um conceito que eles mesmos forjaram e vão adaptando novos apetrechos sempre que necessário para que não fiquem obsoletos em uma sociedade moderna e tecnológica.
       De modo geral, todos quanto vivem de modo parasita, com intentos malignos, vivem à sombra desse conceito para fazer da vilania um estilo de vida aceitável, pagando de herói e sendo aceito por todos os outros que também possuem “tem deus no coração”.
       Os tais que se escondem atrás de máscaras como estas, quando aprontam as escondidas e estão sendo interrogados, “mentem até morrer” e juram por tudo quanto é sagrado que são vítimas de calúnias, fazendo com que o inocentes se mostre culpado causando danos irreversível a dezenas ou centenas de pessoas. 
      Quando ele percebem que há provas suficientes para incriminá-los, os tais são capazes de simular choro, agonia ou arrependimento para tentar aliviar a pena. Se este meliante for crente “cheio do espírito”, diante de interrogatórios e provas cabais de sua conduta indecente, basta simplesmente dizer que foi usado pelo diabo e tudo se explica. A igreja silencia ao invés de puni-lo e vão orar e jejuar por esse pobrezinho de cristo que se foi iludido pelo diabo.   Tadinho dele....Enquanto a vítima humilhada, isolada, desprezada, angustiada e aos prantos, na maioria dos casos será vista como um instrumento do diabo para atrapalhar os planos de deus na vida daquele “servo escolhido para um propósito divino”. Bando de cabeças ocas os que agem assim!
       Pensem nisso: o que seria dos sistemas judiciais sem esse tipo de gente sínica e sem caráter? Advogados iriam a falência por falta de clientes para defende-los quando precisam criar versões simuladas de uma verdade inexistente; Policiais e juízes quase não teriam o que fazer se não fossem tipos como esses pois teriam pouca gente para prender menos ainda para julgar, não é mesmo? Médicos e coveiros também teriam muito menos trabalho a realizar se não fosse tipinhos assim. Mas eles estão aí pra fazer justamente as engrenagens do sistema girar, quase todos eles “cheios de deus no coração”.
       O Slogan “Deus no coração” faz com que vínculos e cumplicidades de todos os tipos sejam selados no inconscientes de todos aqueles que cegos por esse conceito vago, são capazes de coar um mosquito e engolir um camelo e se alguma vez eles tiverem de escolher entre um “justo e Barrabás”, eles entendem que é mais confortável estar ao lado de alguém igual a eles, que compartilham de suas cretinices, do que se mostrar vulnerável a quem as expõe com intuitos pedagógicos.
       Afinal é tão desconfortável estar próximo de alguém que mesmo “não tendo deus no coração”, não observando livro sagrado nenhum como regra de conduta e mesmo assim conseguem ter um senso de justiça e moralidade superior a quem diz ter tudo isso, não é mesmo? É um tapa na cara, um soco no estomago uma ferida exposta...
      “Ninguém viu, ninguém filmou, ninguém fotografou, então não é pecado! Deus a tudo entende e a tudo perdoa. Continuemos com deus no coração, desfrutando de sua graça e bondade. Aleluia” - Diz o hipócrita todos os dias ao seu companheiro depois de aprontar todas!
       Pensem sobre isso: os que defendem a ideia de que ter deus no coração torna o homem mais puro e moral, dizem quem ele é bondade, justiça, paz, harmonia equilíbrio e um zilhão de outras coisas boas. Logo, quem estar cheio dele deveria estar com pelo menos uma quantidade pequena dessa porção do sagrado e repelir todo mal em si mesmo ou em quem estivesse ao seu lado. Mas não é isso que vemos. O oposto disso é o mais provável!
       Pessoas “com deus no coração” também traem, roubam, estupram, matam e acima de tudo MENTEM PRA CARALHO! Elas são capazes de fazer tudo que qualquer que pessoa “sem deus” é capaz de fazer, com uma diferença de que quando elas cometem delitos, elas usam o diabo como álibi, tornando-as desse modo, pessoas difíceis de se lidar, difíceis de confiar e difíceis de se viver.
       Todos nós ficamos de guarda alta quando sabemos que ao nosso lado estar alguém com histórico de roubos, estupros, assassinatos, arrombamentos e coisas do tipo. Ao lado de gente assim, ficamos atentos, não deixamos fácil nossos pertences, nossos entes queridos, nem damos as costas para esses com receio que eles possam ter uma recaída.
      Porém, basta alguém dizer que tem deus no coração, que é cheio de deus ou que é um vaso dele, que alguns de nós se derrete todinho, se joga nos braços e confia a vida, segredos e família, principalmente se esse for um líder religioso.
       As piores desgraças vem justamente daí, por baixarmos a guarda a qualquer um que diga ser cheio de deus...Ninguém espera o mau daquele que diz estar fazendo o bem nem espera as trevas daqueles que se dizem ser portadores da luz. Se deus é luz, bondade e justiça, uma ínfima porção dele na vida de quem quer que seja impediria num raio de quilômetros todo intento maligno de acontecer.
      Outro exemplo que ninguém questiona: pela pureza de espirito de uma criança, concluímos que ela tem deus no coração e que deus a ama, que deus a tem e que irá guardá-la sempre. Alguns até as entregam aos guias, aos anjos da guarde e seres do tipo. Deus no coração delas e os guias ou anjos as protegendo-as também não as impedem de serem seja estupradas por pessoas de dentro ou fora da família, nem muito menos por padres ou pastores dentro da própria casa de deus!
       Que absurdo! Até num cabaré de quinta categoria tem porteiros e tem regulamentos e alguém só penetra ou é penetrado mediante pagamento ou consentimento mútuo.  Até nesses recintos tem gente para controlar a bestialidade incontrolável de alguns, nem que seja na base da porrada. 
      Quebrando-se as regras o porteiro expulsa ou o dono chama a polícia. Porém, na casa de deus, o lugar mais protegido do mundo pois o próprio deus e sua comitiva baixa ali em pessoa preenchendo a todos por dentro e por fora a pessoa não tem proteção alguma. Como pode isso? O vigia de Israel, aquele que nunca dorme parece estar de mãos, pés e bocas atadas quando coisas como essas acontecem. Será que ele silencia por que alguém o comprou com dízimos e ofertas? Ou será que toda proteção ofertada por ele é apenas balela? Algo a se pensar...
       Namaster- o deus que há em mim, saúda o deus que há em você...diz os ultramodernos no que diz respeito ao conceito de ser cheio deus remixado pela junções de culturas orientais e ocidentais. 
       O deus que habita um padre ou pastor pedófilo é o mesmo deus que habita o coração de uma criança que há de ser estuprada por esse mesmo padre. É isso então? Pode isso? Já pensou nisso? Será que é pra isso que serve esse conceito deus mútuo compartilhado entre todos?  Para que haja conivência entre os deuses que habita em ambos? Que coisa estranha! Independente que sejam um deus compartilhado ou vários deles se tocando ao se tocarem, a proteção que ele exerce sobre os que neles confiam é de força nula e para nada serve. Um cachorro morto tem mais serventia que um deus desse tipo quando o quesito é ser protegido por ele.
      Os mais conservadores dirão que tudo o que acima citei sobre a maldade praticada por muitos que se escondem atrás desse slogan não corresponde de fato ao conceito previamente estabelecido no quesito ser cheio de deus.
      Então o que seria de fato ter deus no coração? Que utilidade tem isso? A quem se aplica isso como causador e agente passivo? Quem é que determina quem tem ou quem não tem deus no coração? São as palavras ou os atos das pessoas que demonstram quem realmente elas são? Existe um padrão universal para mensurar isso, ou cada “grupo escolhido” tem o seu próprio padrão de medir o quanto de deus alguém possui...?
       Mediante uma pergunta própria, cada grupo se manifesta em defesa própria ou cada pessoa que diz ser cheia dele sente vontade de se manifestar, porem esse conceito é tão vago quanto a própria ideia de deus e a tudo a que ele se refere ou desta ideia se deriva.
      Os mais liberais, aqueles que praticamente nunca leram a bíblia, que vão a igreja somente 2 ou 3 vezes ao ano apenas em festividades religiosas locais para marcarem presença, afirmam de forma direta ou indireta que ter deus na vida consiste em afirmar publicamente que ele existe, que ele é o criador do universo, que ele tudo pode e tudo faz.
       Nesse contexto se faz necessário também dizer acreditar em Maria como sendo a mãe de deus, crer na “santíssima trindade” e em todos os santos e anjos proclamados pela igreja, bem como respeitar e honrar publicamente a todos os que dela vivem ou dizem representá-la. Para esses, Isso é ter deus na vida ou deus no coração. É só dizer publicamente que acredita nele e em todos os seus “satélites” e isso basta! São milhares de santos e anjos que a igreja venera ou canonizou. Você não precisa saber de todos ou venerar a todos. Sabendo o básico disto já prova que deus estar dentro de você segundo esse conceito.
       Para os mais conservadores, os que vão à igreja com uma frequência maior, eles afirmam que para se ter deus no coração se faz necessário ter passado por alguns ou todos os ritos de passagem que a igreja efetua tais como o batismo, a crisma, o casamento religioso (com efeito civil) e tantos outros que a igreja mantem em seu portfólio, que deve acompanhar o homem do nascimento até a morte, todos com um custo financeiro ou de penitencias a serem cumpridas. 
       Os que assim acreditam, consideram como filhos bastardos todos quantos não passaram por tais sacramentos. Mediante algum conflito, acidente ou desgraça social que esse venha causar ou sofrer, é comum ouvir por parte destes guardiões dos “ritos sagrados” a famosa frase: “é por que é pagão”, ou “isso é falta de deus no coração”
       Há milhares de registros escritos de um passado não muito distante cujos relatos afirmam que pessoas tiveram negado auxílios básicos oferecidos pela igreja simplesmente por não ter sido sacramentada quando criança ou quando adulto. Nesses lugares de tradições antigas, tratamentos diferentes são vistos para os filhos legítimos e ilegítimos, ou seja os “com deus” e os “sem deus”.
       Mas se algum destes conservadores se acham os “bã-bã-bã da fé”, o “total full”, o todo preenchido, cheio de deus e tudo mais só por que fez algum tipo de sacramento, é por que ainda não frequentou alguns modelos de igrejas evangélicas.
      Se você é alguém que se acha o tal no quesito “ter deus”, nesses ambientes eles te olharão como se fosse um cocô fedido de um cão sarnento. Os bons são eles e fim de papo! Qualquer um que o contrário diga não passa de um falastrão, mentiroso e que de deus não tem nada...
      Em tais recintos, não importa o quanto você diga ser cheio, se você não faz parte do grupo deles, você é tão vazio de deus quanto o vácuo de um espaço qualquer.
      Alguns dizem isso de forma aberta com a maior certeza do mundo. Outros o fazem de forma sorrateira, convidando você para frequentar a igreja deles ou para aceitar a jesus de verdade, como se você o tivesse aceitado de mentira em outro recinto.
       Para a maioria dos tais, quaisquer ritos ou sacramentos feitos em qualquer outro lugar que não seja numa igreja evangélica (deles) não tem valor algum para deus. É perca de tempo!
       Alguns desses chegam a considerar o “servir a deus” em outra igreja que não seja aquela dita “única e verdadeira”, como sendo uma afronta até maior do que seria o próprio satanismo. Para os tais, seria melhor nunca ter ouvido falar de deus em lugar nenhum, do que “servir a deus na igreja errada”. Seria melhor até mesmo nunca ter nascido, do que ter nascido e ludibriado por uma farsante a servir a deus numa “igreja falsa”. Eles usam versículos isolados (como todas fazem) para fazer parecer que a igreja deles é a única correta e todas as demais são seitas, heresias e locais profanos de culto ao demônio.
       Literalmente, pessoas chegam a enlouquecer nesses grupos de tanto pensar se estão ou não no lugar certo e se depois de tanto esforço, tanto sacrifício, tanta penitencia, tanta contribuição financeira... temem que mesmo assim serão lançados no inferno por não estarem na igreja correta certa.
       Que inferno! É um verdadeiro conflito interno que eles vivem! Alguns pastores reforçam a cada dia o medo dos fiéis para que os tais jamais deixem os “verdadeiros caminhos do senhor”. 
       Ladrões, picaretas, trapaceiros, falastrões, desonestos, mentirosos ou doentes mentais são todos os líderes religiosos que se utilizam de tais argumentos para prender pessoas ao seu grupo, cerceando a liberdade de escolha, de pensar e de viver dos tais, transformando suas curtas vidas em um verdadeiro em um prologando sofrimento enquanto vende-lhes a promessa de entrada nos céus. Acredito que num futuro próximo gente desse tipo será presa em flagrantes ao fazer enunciados como esses, pois fere vários conceitos da liberdade de conduta e de pensamento humano.
     CONTINUA....
  • Deus, de criador a criatura

    Deus é parte da cultura, produto de relações sociais que se estabelecem entre os indivíduos. Todos os povos, com poucas exceções, sempre desenvolveram alguma ideia de divindade, sob diversas formas. Nessa perspectiva, muitos teólogos afirmam que o ser humano é, por natureza, religioso, pois a ideia de Deus seria inerente ao indivíduo e à vida em sociedade.
       Acredito, por boas razões,  que a ideia de Deus não seja inerente ao indivíduo, tampouco à vida em sociedade. O ser humano é dotado de inúmeras potencialidades. Somos uma folha em branco sendo rabiscada pelo processo social. Isso é tão verdade que as diversas sociedades desenvolveram conceitos diferentes sobre Deus ou deuses, conceitos muitas vezes inconciliáveis. Eis a razão de haver tantas religiões espalhadas pelo mundo.
       Os teólogos que defendem a tese do "homem religioso" negligenciam o fato de que todas as sociedades atuais derivam de um tronco social comum e que, por isso, a ideia de Deus se replicou e tomou formas diferentes. Ou seja, a ideia de Deus surge num ponto específico da história e se reproduz ao longo do tempo, assumindo aspectos variados.
       Se a crença em Deus fosse inerente ao homem, o ateísmo não teria tomado as proporções atuais, sobretudo no norte da Europa. Também não seria possível encontrar sociedades sem deuses, como é o caso da tribo dos Pirahãs, na Amazônia. Então, diferentemente do que pregao senso comum, Deus não é criador, mas uma genuína criação humana.
  • DEUS, UM CONCEITO!

    E se a verdade que você prega for apenas parte de uma ilusão coletiva?
       É muito comum entre os que se autodenominam salvos ou escolhidos por deus, perguntarem aos “perdidos” se eles acreditam nele. Porém esse tipo de pergunta é muito vaga e sem sentido, pois seria o mesmo que perguntar atualmente se alguém acredita se existem automóveis.
       A resposta mais conveniente para ambas as perguntas seria: “Qual deles”? Vale lembrar que os carros existem, são palpáveis e apesar de também serem um produto feito para suprir algumas necessidades humanas, o automóvel tem efetiva funcionalidade, estendendo-se para os mais diversos segmentos incluindo a indústria, o comércio, o lazer e tantas outras áreas e que trouxe evolução e progresso para nossa espécie.
       Num passado distante quando as interações humanas virtuais e físicas entre diferentes povos ainda era algo remoto, esse tipo de pergunta, apesar de tola vinha mais a calhar, pois praticamente a maioria das pessoas nasciam, cresciam, viviam e morriam debaixo de uma mesma bandeira, sob um mesmo dogma religioso do início ao fim de suas vidas.
       Nesses tempos obscuros, o conhecimento humano era limitado pela igreja e permitido sua difusão à conta gotas, na maioria dos casos para fins de controle das massas ou para sustentar de modo tosco sua suposta autoridade episcopal. Os maiorais do clero viviam dizendo em que as pessoas deveriam ou não acreditar, e punindo severamente aos que resolviam se aventurar além das fronteiras estabelecidas pelo por eles.
       Muita coisa mudou e nos dias atuais, perguntar se alguém acredita em deus, a depender do contexto da conversa, esse tipo de pergunta não faz mais sentido algum, pois o acesso ao conhecimento assumiu formas nunca antes vistas e muitos podem constatar por conta própria que há um panteão de deuses diferentes do passado e do presente  e (com suas inutilidades) são venerados pelos mais diversos tipos de pessoa, cada uma com interesses diferentes quase sempre tentando fazer proselitismo para o deus qual dizem servir.
       Hoje em dia ao perguntar do nada se alguém acredita ou não nele, pode deixar transparecer um certo nível de arrogância, prepotência fanatismo ou ignorância. Deuses existem aos milhares e todos os dias surgem tantos outros, pois diante dos mais diversos fatores externos ou internos do homem para como o homem, do homem para com o universo ou como forma de escapismo, as pessoas sempre procuram nos entorpecentes uma forma de “viajar”, de fugir dos seus problemas ou de tentar esquecê-los.
       Assim como o álcool, ervas e diferentes misturas com efeitos alucinógenos, a constituição de seres imaginários para soluções de problemas reais não deixa de ser uma forma de entorpecer, fazendo com que a pessoa se torne mais confiante ou irresponsáveis diante das situações da vida que enfrentam.
      Para estes, quando algo dar certo, foi deus quem ajudou. Quando não, foi por que deus o quis ou o diabo atrapalhou! Desse modo, o (louco) que vive “guiado por deus”, quando comete crimes conscientes e friamente planejados contra outros, sempre terá o apoio e perdão social pois “deus estava no controle de sua vida”.
       Diferente do ateu, cuja responsabilidade pessoal é sempre assumida por ele mesmo, o que se esconde “atrás de deus”, terá sempre um álibi para se esquivar quando “pecar” e quando descumprir de modo proposital tudo o que a “santa palavra” o instrui, a comunidade (dos loucos) ali estará para orar junto a ele para que deus o receba e o perdoe por algo que este fez quando estava justamente sendo guiado por deus. Dá pra entender?
       Se alguém estar sendo guiado por deus e comete delitos “contra deus” e contra os homens, o erro é de quem? De deus quem o guia o de quem estar sendo guiado? Se o erro é de deus, orar para que deus corrija um erro cometido por ele mesmo é chamá-lo de burro. Se o erro é do humano, orar para que deu perdoe um erro cometido pelo homem que ele guiava é chama-lo de incapaz...Melhor então dizer que os mistérios de deus são insondáveis e que não cai uma folha de um árvore se assim ele não o permitir. Parece mais inteligente e encerra a discursão para quer demonstrar um certo nível de intelectualidade teológica. 
       Dá um nó na cabeça tentar entender coisas como essas. Na verdade quase tudo no universo dos seres mistificados é uma tremenda loucura que só pode ser explicado com uma palavra: FÉ! Toda igreja que se preza põe a fé acima da razão e desse modo não se faz necessário dar nenhum tipo de explicação. Quem não entende ou não crer, basta colocar rótulos pejorativos que a pessoa se redime ou se retira, silenciando-se as vezes para não entrar em conflitos inúteis com seres em estado de pura irracionalidade.
        A fé, considerada como sendo um tipo de dom, uma habilidade diferenciada concedida pelo próprio deus (Hebreus cap.11), para uma pessoa de mente sã, esta poderá ser considerada como uma licença para o autoemburrecimento com o consentimento do estado com possibilidade de diversas condecorações públicas a depender do nível de insanidade empregada.
      Os que já amadureceram um pouco ou se libertaram das amarras dos que usam a tirania no controle de pensamento para se manterem em suas posições de poder e influência, estando de fora desses locais chamados de apriscos, são capazes de conceber deus como sendo apenas um conceito. Um conceito que pode ser moldado de acordo com as intenções de quem vende ou da necessidade de quem compra.
       Quando perguntarmos por exemplo para as pessoas comuns sobre quem ou o que é deus, as respostas mais prováveis sempre serão: “deus é amor”, “deus é justiça”, “deus é luz”, “deus é bondade”, “deus é o salvador”, “deus é o pai de todos”, etc.
      Os que possuem uma maior escolaridade ou se permitem conhecer um pouco mais sobre outras linhas de pensamento sobre esse assunto certamente dirão: “deus é energia”, “deus é tudo o que existe”, “deus é consciência”, “deus é a força primordial do universo”, etc.
      Não importa qual seja a resposta, nunca duas ou mais pessoas farão as mesmas descrições acerca do que seria deus, pelo menos sobre o deus bíblico.
      A menos que os tais façam parte de um grupo cuja mente fora previamente programada para respostas curtas e “objetivas” ou que estejam em posse de um roteiro, elas farão descrições diferentes sobre esse tal suposto ser de acordo com os próprios conceitos enraizados.
       É impossível alguém em sã consciência, descrever algo que nunca fora visto, que ninguém sabe como de fato é e nem de onde veio. Quando deus, segunda a própria bíblia, “ele mesmo” se diz ser único, subtende-se automaticamente que não há nada com o que possa ser comparado e nem tão pouco nada que possa ser usado como referência.
        A paranoia é o elemento recorrente comumente mais usado quando querem descrevê-lo “com perfeita exatidão”. Quanto mais paranoico alguém for ao tentar descrevê-lo, mais apreciado será este e seu nome poderá ser imortalizado seja para o ódio ou “amor” dos seguidores atuais e posteriores à sua geração.
        Todo movimento religioso é uma tentativa (fracassada) de descrever deus. Há centenas desses conceitos no Cristianismo, judaísmo e islamismo sem falar em outras religiões, todas elas tentando explicar ao seu próprio modo, algumas de forma bem bizarra um conceito comum, diferente a todos.
      A exemplo dos conceitos cristão, quantos movimentos religiosos você conhece? Á grosso modo, considerando ordens de cavalaria, ordens monástica, conceitos filosóficos dos primeiros 3 séculos do surgimento da igreja, passando pela reforma e contra reforma até os dias de hoje, poderíamos citar mais de 200 movimentos diferentes, todos eles tentando explicar uma única coisa: A EXISTENCIA DE DEUS E SUA INTERAÇÃO COM OS HOMENS.
       Todo movimento religioso se de divide, se ramifica, se expande ou se contrai de acordo com a época e local, e toda igreja nova que surge é sempre o resultado de alguém tentando trazer a existência o inexistente e de explicar o inexplicável. A fantasia é a força motriz de todos esses movimentos, porém a força bruta, a influência política e a força econômica ou militar de um povo é quem decide quem ou qual destas será maior ou menor nesse “reino do faz de contas”.
       Ao tentar explicar o conceito de deus, nenhum desses movimentos jamais conseguiu fazê-lo em sua totalidade (e nem o fará) e todos eles ao se digladiarem entre si, absorvem partes dos conceitos uns dos outros nesses combates e ora estão fundindo, ora estão são extremamente opostos e ora podem se fazem de aliados para combater inimigos em comuns (outras religiões), mas estão sempre mantendo como base principal a crença de que deus existe, e que eles, o tal grupo (no individual) é o eleito de deus e que os tais cumpre sua vontade nessa terra e por isso devem converter todos os demais povos ao seu modo de ser e pensar.
        Quem insistir em sã consciência tentar conciliar os conceitos cristãos que definem a “existência” deus com a lógica, a ciência e a razão poderá acabar em um hospício, pois é praticamente impossível em uma mente sã conceber tanta discrepância na tentativa de descrever um único ser e suas funcionalidades.
       De forma geral, invisível, imaterial, invencível e imensurável, são os termos técnicos que seus servos usam para descrevê-lo ou para enfeitá-lo fazendo-o parecer cada vez maior.
       Os termos mais corretos seriam: inoperante, insensível, incapaz e irresponsável se tal ser descrito pudesse tomar uma forma real. Porém irreal ou inexistente pouparia qualquer outro tipo de descrição ou discurso contra ou a favor dele e muito se lucraria com isso (ou se deixaria de lucrar).
       No mundo dos homens, todos os puxa-sacos acreditam que quanto mais bajular, endeusar e enfeitar seus superiores com qualidades surreais, mais serão recompensados por esses com recompensas que podem ir de um aumento de salário ou um tratamento diferenciado entre os demais, chegando até mesmo a uma relação afetiva ou de conjunção carnal com o ser bajulado. Por isso os puxa sacos do mundo dos homens são o que são e fazem o que fazem, pisando uns, dando rasteira em outros, tapeando tantos outros...não medindo esforço algum para ser o primeiro entre os bajuladores.
       Com os crentes de modo geral não é diferente: eles pensam que quando mais criarem adjetivos surreais para o deus qual dizem servir, esse o retribuirá com honrarias e o fará ter mais saúde, amor, e prosperidade entre todos, sem falar da promessa de reinar eternamente ao lado dele como principado, mandando em tudo e castigando a todos quando em vida tivera qualquer tipo de desafeto. Lembrem-se sempre de que Caim matou Abel pelo fato de deus, entre os dois irmão, deu mais atenção a um dos bajuladores, deixando o outro enciumado, fazendo que por esse caminho o primeiro homicídio viesse ocorrer na face da terra (segundo o livro “sagrado”) justamente pela falsa bajulação comumente chamada de adoração ou louvor pelos praticante dessa doentio “arte”.
       Apesar de tudo, fingir que algo é real não o faz ser real! Dizer que deus existe e que possui qualidades incompreensíveis aos mortais, não o faz em nada ele ser real, antes sim o faz parecer uma piada se comparado o que dele dizem com o que dele fazem. O fato de a igreja propagar uma mentira a níveis quase mundiais por 17 séculos seguidos também não fará que o inexistente passe a existir, a não ser na cabeça de quem o venera ou pela força quando alguém é coagido a venerá-lo.
         Sendo deus um conceito, pior que descrever os aspectos de sua aparência, é descrever o que realmente ele quer ou espera do “seu povo”, já que ele muda totalmente de opinião, de desejos e de vontades de igreja para igreja, de época para época e de pessoa para pessoa.
       É bem mais provável que ele ponha duas pessoas ou duas nações inteiras em conflito tentando definir o que ele quer do que promover benefícios individuais ou coletivos para a nossa espécie. Destruições desnecessárias, carnificinas e genocídios sempre precederam ou sucederam a expressão dos seus desejos no antigo testamento, nas cruzadas e nos dias atuais pelos extremistas.
       Além de tantos atributos a ele dirigido, ele parece também ser cego, surdo e mudo pois tem uma imensa dificuldade de comunicação, deixando que os seus servos interpretem ao bel prazer a sua vontade quando ele “fala”, para quem fala e de quem se fala.
       Ele sempre escolheu desertos, cavernas, montanhas, vales e locais onde as pessoas possam estar a sós e totalmente isoladas quando a epifania acontece. Se tivesse os “escolhidos” estivessem acompanhado quem sabe a comunicação seria mais fácil em caso de não entendimento por parte do receptor principal.
       Ele nunca foi visto dando instruções coletivas para os seus servos. Nunca falou de modo claro e aberto a ninguém, usando um conjunto de signos acessível a todos. Sonhos e revelações são os seus preferidos.  A confusão e o embaraço o diverte principalmente quando seus servos tentando agradá-lo, fazem justamente o oposto que deveria ser feito.
        Ele sempre falava em segredo a uma pessoa “escolhida” e esse mesmo servia de porta-voz, falando o que quisesse em nome dele e todos deviam acreditar e obedecer aquilo que supostamente fora dito. Um que ser que se preza jamais faria isso. A comunicação clara é a base de toda ordem social.
        Na versão mais moderna e confusa de sua manifestação para redenção da humanidade, conta-se que ele era um carpinteiro, filho de uma pomba com uma virgem judia, e que fora visto durante 3 anos dando instruções a cerca de um reino vindouro e que depois morrera de forma precoce por anunciar esse suposto reino paralelo aos dos grandes imperadores da época.
       Mas essa versão de sua existência é tão verdadeira quanto todas as outras versões semelhantes nas culturas de outros povos, também nascidos de virgens engravidadas por animais, seres mágicos ou deuses metamórficos.
       Sonhos, revelações e “profecias” são os métodos mais comuns utilizado por este mesmo deus ultimamente para exprimir o que sente, principalmente nas igrejas evangélicas. Pedir dinheiro aos fiéis e exigir obediência cega dos súditos para com os que dizem lhes representar, é o único ponto de consenso de sua vontade nos atos de sua epifania nas igrejas, entre tantas divergências que todas elas nutrem a respeito da vontade desse ser supremo. Tudo o mais é contraditório, duvidoso ou inútil.
       Os deuses de outros povos tem formas e limitações. Podem se parecer com elefantes, gatos, chacais ou criaturas bizarras. Todos eles tem funções especificas no roteiros de suas operações.
       Com o deus bíblico não! Quem “dar a corda” aos seus poderes é sempre a ganancia e soberba de quem o administra (os líderes religiosos), ou da carência, ignorância e desespero dos seus “consumidores”. 
       Será que já não estar na hora refletimos um pouco sobre certos costumes e tradições milenarmente enraizados em nossa cultura, cujo proveito é de efeito nulo ou negativo se levarmos em conta todas as variáveis?
        Todo mito tem o seu papel social e período de ascendência e declínio. Porém quando os que manipulam a ideia de um mito fazendo o parecer real a ponto de toda verdade universal estar ligadas ou dirigidas por meio desse mito, tal sociedade poderá estar fadada a estagnação fracasso.
       Todos “deuses reais e verdadeiros” dos últimos 7 mil anos que a humanidade já produziu, foram substituídos ou estão obsoletos. Eles morreram ou perderam força quando seus adoradores morreram e uma nova geração surgiu.
       Todos eles eram tão reais, verdadeiros e poderosos quanto os que atualmente parte do mundo clamam. Todos eles terão em breve o mesmo fim. Porém, nós podemos antecipar esse fato. Se não o fizermos no mundo, somos capaz de fazê-lo em nós mesmos, saindo do estado de infantilização eterna para sermos de modo consciente o responsáveis pela condução de nossas vidas, de nossos fracassos e sucessos, construindo assim uma sociedade mais justa, pois onde houver um “fiel a deus” ou um adorador, defendendo de unhas e dentes ao seu ídolo, a loucura, a paranoia e todos os derivados destas ali também estarão presente.
    Pensem nisso!
    Saúde e sanidade a todos!
  • Devaneio de Janeiro

    Um dia olhei em teus olhos, toquei teus lábios, senti tua carne, provei do seu sabor... De veneno...
    Mal sabia eu que tudo aquilo era devaneio, de uma doce noite de Janeiro, onde estava sozinho o TEMPO INTEIRO.
    Não é ruim estar desacompanhado, ruim é quando não gostamos de nossa própria companhia.
  • DIFERENTES NÍVEIS DE CONSCIÊNCIA PODEM PROPORCIONAR DIFERENTES NÍVEIS DE PRAZER!

    Enquanto alguns julgam que os prazeres da vida se resumem em “servir a deus”, encher a cara, “meter ou ser metido” outros aprenderam como explorar seus sentidos muito além disso!
       Evitando a dor ou buscando prazer!
       Poderíamos resumir toda trajetória humana nessa simples citação, mas uma mente mais aguçada não se conforma com respostas simples sem antes passar por uma análise profunda do que fora dito. Nossa espécie quando não estar buscando uma estamos fugindo da outra, só que a maioria de nós nem se deu conta disso ainda. Com a maioria dos seres vivos também é assim mas vamos levar em conta nesse momento o que chamamos de seres racionais.
       A ideia desse texto não é fazer um julgamento moral sobre as diferentes formas de sentir prazer nem dizer quem estar certo ou errado fazendo isso ou aquilo, mas de explorarmos e comentamos sobre as diferentes formas que buscamos para o óbvio já que muitos se sentem como peixes fora d’água num oceano de gente fazia em busca de algo que nem sabe o que é para se satisfazer, e para se enturmarem muitos destes acabam se enveredando por caminhos que poderiam ser percorridos de formas diferentes. Crianças, adolescentes e adultos infantilizados pela religião são as principais vítimas disso. Esse último citado, além de vítima também é causador.
      Não é apenas o objeto ou a forma do objeto que nos proporciona prazer mas o modo como nos relacionamos com este pelo nosso nível de consciência. O casamento por exemplo, que para alguns é uma verdadeira prisão por limitar ambos aos acordos sociais vigentes, para outros é a maior realização que se pode conquistar por vários fatores diferentes, incluindo os acordos sociais que ambos precisam cumprir para se manterem unidos sob o mesmo teto ou sob o mesmo propósito.
       As formas sociais mais comuns que buscamos para obter prazer geralmente são os extremos de uma vida hipócrita debaixo de um manto de uma crença religiosa ou no extremo dos vícios e do consumo desnecessário que a todo instante nos cerca “se oferecendo” para nós como algo hipnótico, mas o que é atrativo a uns, é repelente a outros e isso também é evidente. A propaganda atrai e seduz, mas pessoas diferentes tem interesses diferentes e cada público escolhe coisas diferentes baseados dos dois princípios acima citado.
       A questão aqui não é se perguntar se algo é certo ou errado mas se perguntar o que ganhamos fazendo ou deixando de fazer algo para obtermos prazer, ou se existe outras formas de obter tais resultados. No final de tudo, a recompensa de todos será a morte, não importa qual seja o estilo de vida que tenhas adotado. Não é sobre esse resultado que me refiro, mas sobre o caminho percorrido de forma consciente entre nascer e morrer. Sem estamos conscientes do que somos ou fazemos podemos ser comparados a um pedaço de carne ambulante ou como uma fonte de lucro ou prazer para ser explorados por outras pessoas cientes do que são, do que fazem e do que querem.
       Então vamos comentar. Preparados? Vamos lá! Não vai doer nadinha! Abaixe a guarda um pouco e apenas lei. Descarte ou aproveite o que te servir. Muitos ainda também não sabe que existe essa opção em quase tudo, inclusive num texto ou numa ideologia e se ofendem com tudo e com todos quando simplesmente poderiam deixar passar.
       Então...Pense na palavra prazer! Pensou? O que te vem à mente? Um montão de coisas não é? Dependendo do ambiente onde você foi criado ou do seu nível de consciência depois de adulto, vários objetos de prazer podem ter passados em sua mente num instante. Uma bunda, um peito, um pênis, uma vagina, uma garrava de vodca, um cigarro, um “pozinho mágico”, uma bíblia, um litro, um telescópio, uma vara de pescar, etc, etc.
      Para muitos quando se fala na palavra prazer, a primeira coisa que lhe vem à cabeça é sexo. Sexo o dia todo, a todo instante, com muita gente, com pessoas diferentes, de preferência com pessoas comprometidas para que a sensação de perigo aumente ainda mais o nível de adrenalina ou para que a ideia de “levar vantagem” sobre outro lhe faça sentir superior ao que estar sendo defraudado.
      Sexo com animais, objetos ou coisas também vale para os tais. O que importa é penetrar ou ser penetrado. Trocar saliva ou fluidos corporais. Com quem ou o quê isso tanto faz!
       Entorpecentes talvez seja item número dois na lista dos objetos de prazer que vem à mente da maioria das pessoas. Se por meio de vias nasais, orais ou intravenosas também não importa! O importante é “viajar”, fugir da realidade, criar mentalmente um mundo perfeito e se inserir nele como bem entender. Por isso que quase todo bebum é rico, é forte, é poderoso ou galanteador!
       Nesse ponto, o fanatismo religioso é um entorpecente tão perigoso quanto o álcool ou alucinógenos proibidos com um poder de destruição milhares de vezes maior levando-se em conta o número de mortes e conflitos religiosos que existiram e ainda existem em todo o mundo. A única diferença é que os “entorpecentes religiosos” tem o apoio do estado e a pessoa pode ser legalmente remunerada ao fabricá-lo ou revende-lo bem como pode se esquivar de qualquer problema causado por ele, dizendo ser vontade de deus ou ação do diabo suas próprias ações.
      Outro fato que passa despercebido é que os desvios de caráter causados pelos que comercializam a fé podem ser facilmente esquecidos ou camuflados enquanto que os causados pelos que usam os entorpecente ilegais são amplamente amplificados e caçados.
       Mentir, fofocar, caluniar ou denegrir a imagem alheia seja quem sabe seja o terceiro nível de prazer mais comum a todos. Quando mentimos para nos defender ou caluniamos de modo consciente geralmente estão tentando ocultar quem realmente somos, projetando nos outros aquilo que ocultamente fazemos ou temos vontade de fazer, então dizemos que o outro estar fazendo aquilo para que sirva de cortina de fumaça contra os nosso próprios erros.
      Notem que as revistas, programas de rádios ou TV que mais vendem não são aquelas que enaltecem ou destacam os grandes feitos humanos, sejam individuais ou coletivos, mas são justamente aqueles que trazem como manchete principal algum tipo de escândalo, seja político, sexual ou financeiro.
      Para muitos, mesmo vivendo na merda, não há prazer maior no mundo que saber que outra pessoa errou ou que vai ser condenado por algo que as vezes é milhares de vezes menor que o erro da pessoa que se ocupar acusar. Notem que uma característica comum a todo delinquente perigoso quando estar na prisão é tentar punir por meio da dor outros detentos como se ele mesmo fosse uma pessoa imaculada e estar ali apenas para julgar os infratores.
       Quanto aos que gostam de uma fofoca, sobre o assunto que estar sendo tratado, se é verdade ou mentira tanto faz! O que importa é que o outro estar sendo malhado e conversar sobre isso traz um prazer enorme para esse tipo de gente. Prestem atenção que geralmente que nas rodas de conversas de trabalho ou nos que tem os que tem o costume de ficar nas portas da rua com frequência batendo papo, os principais assuntos são sempre a vida alheia. Nada produtivo! Parece até que é padrão de beleza intelectual ser medíocre.
      O ruim é que esse tipo de comportamento é uma faca de dois gumes que corta dos dois lados, sendo que em muitas vezes quem mais se fere é o que tenta infringir o sofrimento ao outro.
       Tomem por exemplo um conjugue infiel. Existe pessoa no mundo mais perturbada que uma pessoa que gosta de trair e pagar de santo(a)? Claro que não! Ela estar sempre em polvorosa e põe todos ao seu redor no mesmo ritmo infernal.
       Esta pessoa vive o tempo todo antenada, não apenas para apagar os próprios rastros, mas acima de tudo com receio de levar o troco e colher um pouco do que estar plantando.
       É sempre desconfiado de tudo e de todos, vasculha e-mails, celular, redes sociais e faz um escrutínio completo da vida do parceiro simplesmente por que acha que sua “esperteza” será retribuída a qualquer momento e isso é inaceitável.
       Esse tipo de gente gasta uma enorme energia criativa em vão! Todo o seu tempo, dinheiro e esforço gasto para aprontar, apagar os próprios erros ou vigiar o próprio conjugue, se fossem aplicados de forma comercial ou científica essa pessoa poderia ser um gênio ou um grande empresário, mas na maioria dos casos se tornam pessoas baixas, barraqueiras e doentias, que não apenas trazem problemas a si mesmas mas a seus filhos, à sua família e a família do seu conjugue.
       Fóruns, delegacias, porta de presídio ou cemitérios são os lugares mais comuns de se ver ou visitar gente desse tipo.
       Elas também podem ser encontradas nos púlpitos das igrejas, nos plenários da república ou em frente a telejornais, liderando grandes meios de comunicação. Só dependem o nível de linguagem que usam, como usam e com quem andam. Dá pra se tornar rico e famoso levantando uma calúnia bem como dá pra acabar tendo a vida ceifada pela mesma. Só depende de quem se fala e como se fala.
       Apesar de tudo, o nível de consciência medíocre é a mesma, tanto para quem produz esse tipo de conteúdo quanto para quem o consome e todos estão presos numa mesma cadeia, falando mentiras e buscando verdades, falando de injustiças e propagando injustiças. São loucos que conseguem enganar a eles mesmos com as próprias mentiras e sentir prazer nisso.
      Viajar para locais diferentes, conhecer novas pessoas e culturas seja quem sabe o quarto maior prazer comum a todos. Esse é sem dúvida o menos prejudicial e o que mais nos enriquece e nos faz ver o mundo com outros olhos. Que ver conhecer várias realidades diferentes da sua? Viaje ou conheça pessoas de diferentes culturas e verás inclusive que sua certeza de “filiação celestial” é apenas cultural, que em outros lugares as pessoas tem a mesma certeza eu tu. Conhecer pessoas e suas histórias podem nos tornar menos infantis e menos vítimas e escravos de nossas próprias crenças!
       Ler um livro, apreciar uma obra de arte, observar o nascer e pôr do sol, deitar sob um céu estrelado numa noite escura e sem nuvens, andar descalço na areia da praia ou sob a grama, o cheiro de uma flor.... Ah que delícia! Alguns passam a vida inteira sem saber o que é isso. As coisas mais simples e mais baratas podem ser as mais prazerosas que podemos experimentar.
      Apreciar todas as formas de vida existente e não apenas a humana. Ver a uma planta crescendo, uma abelha zumbindo, um mamífero amamentando sua cria, um outro animal qualquer defendendo sua prole, o processo de fecundação das plantas o modo como os seres vivos dependem um dos outros para sobreviverem...isso não te causa prazer ao constatar?
       E o silencio interior? Parar um instante, sem fazer nada, deitado, sentado ou fazendo pequenos afazeres braçais, conversando consigo mesmo refletindo sobre a vida...só quem experimentou isso pode dizer o quanto é bom.
       Para outros, o silencio interior é a coisa mais perturbadora que existe, pois conhecer a si mesmo exige na maioria dos casos mudanças, e mudar implica em sair de uma determinada zona de conforto rumo ao desconhecido e isso causa insegurança.
       Para quem já estudou a kabala ou outras “ciências ocultas” por exemplo, perceberam que passaram a ter um nível maior de percepção daquilo que os rodeiam, e como aquele personagem Neo no filme Matrix, o sujeito passa a ver o “código das coisas” e não apenas as coisas em si. Passa a entender que vivemos num complexo sistemas de perguntas e respostas e o modo como perguntamos e respondemos a tudo o que nos rodeia fará com que nos livremos de frustações desnecessárias e evitemos o supérfluo. Nesse ponto os níveis de prazer podem chegar a dimensões imagináveis a uma pessoa comum, mesmo fazendo coisas simples da vida como lavar um prato por exemplo. Quem estudou também sobre a filosofia antiga oriental também podem ter os mesmos níveis de percepções.
      Ainda quando se fala em prazer, muitos apelam para o extremo do lado hedonista afirmando que devemos fazer tudo que nos vem à cabeça desde que lhe dê prazer. Em certos casos fica complicado seguir essa linha de raciocínio pois quando o prazer de alguém vem às custas do sofrimento alheio, o caos e a desordem será o resultado para esse tipo de prazer.
       Como exemplos disso temos os amantes da pedofilia. O seu prazer causa dor a criança abusada bem como dor, mágoa e desejo de vingança aos familiares do ser abusado.
       Do mesmo modo “esportes” que envolvam matanças ou sofrimentos de animais dá prazer ao que assiste ou possuem o animal. Se eles estivessem no lugar do animal duvido se chamariam isso de esporte ou de sentir prazer. É um tipo de prazer estranho que precisamos rever tais conceitos ou substituir por outros menos danosos.
       Comer e beber é um tipo de prazer indescritível principalmente quando se desenvolveu dotes culinários ou se pode pagar pelos serviços de quem os tem.
        Praticar atividades físicas com é de um prazer indescritível mesmo sendo elas de cunho recreativo ou simplesmente estético pois os benefícios são inúmeros.
       Poderia enumerar uma infinidade de outras coisas que poderíamos citar como fontes de prazer ou meios de socializar-se, encontrar parceiros para acasalamento ou parceiros comerciais.
       Em cidades pequenas poucas opções culturais se tem. Geralmente os mais comuns são igrejas, bares ou assistir uma partida de futebol disputada pelo time local. Não ter opção cultural não significa não desfrutar de algum tipo de prazer. Nossa própria companhia é uma delas.
        Se a lascívia, a luxuria, a vaidade, a gula, a mentira, a prepotência, o sadismo religioso ou a satisfação pelos domínios das massas são os únicos ou os mais recorridos meios que você escolheu para se realizar, sugiro que reveja seus conceitos e comece a experimentar outros.
    De repente pode ser bom para você e para os que te rodeiam.
        Se o meio pelo qual você procura fugir da dor é somente enchendo a cara, ficando doidão ou dando o seu tudo “para jesus”, não tenho nada contra se fores aplicado apenas a ti. Porém há caminhos menos danosos a saúde. A filosofia te ajuda a encarar melhor a realidade da vida do que 20 garrafas de whisky ou 20 dias de jejum e oração seguidos para derrubar o capeta e obter alguma vitória imaginária.
    Amadurecer é doloroso mas vale a pena. Experimente! O homem que não se domina será dominado por todos ou por qualquer um. Pensem nisso!
    Saúde e sanidade a todos.
  • Duvida cruel

    Cada dia que se passa eu me pergunto. Por que de a vida ser como ela é? Será que nós somos eternos? ou somos apenas passageiros? Tantas questões e indagaçõe que se parar para pensar ficamos loucos.  Sabendo a resposta não é diferente disso. Que nem no dia que piramos ao pensar no fim de tudo,mas ele está tão distante é tão perto ao mesmo tempo que sinto como se minha pele estivesse a se desintegrar. 
    Cada pedaço de mim,e daqueles que sabem o que muitos não sabem. Mas qual o sentido de ficar assim ao invés de seguir a vida feliz? Essa é a grande dúvida. Assim como é aquela dúvida do amor,será que estou apaixonado apenas por sentir aquela pele tão macia na minha,apenas por sentir o cheiro maravilhoso de seu perfume e ouvir suas lamurias por uma única noite.Será? 
    Nos nunca sabemos pois se soubéssemos não tinha dificuldade nenhuma na vida,por isso a dúvida, por isso a dor, por isso as noites em claro pensando e pensando apenas isso. Mas não é isso que acaba com a gente,o que acaba e ver que muitos que não tem a resposta que querem acabam se destruindo com todo tipo de coisa ruim que o mundo nos proporciona. Dai vem a preocupação,dai vem a dor eterna que não sai do peito machucado de alguém que mesmo jovem já passou e viu muitas coisas.
    Por isso mesmo não tendo esperança mais, aqui estou eu,me expressando de uma forma nunca antes feita por mim para ver se eu alcanço aqueles que precisam ouvir algo que os façam pensar,o que estão fazendo de suas vidas,pois o ser que somos nós,é algo eterno então não tenham duvida de que essa vida e só mais um caminho,o último, para cessar as duvidas e trazer a paz para aqueles que se indagam assim como eu.
  • Duvide.

    A tristeza é maior ou menor que minha consciência? A necessidade de se agarrar à tristeza é a tristeza em si mesma, uma condição do meu ser ou uma característica da minha personalidade?
     Qual é o objetivo do tempo que me foi concedido pela improbabilidade dos acontecimentos? É o milagre da incerteza e do desconhecimento que torna tudo tão belo. A nossa incapacidade de agradecer e nos contentarmos com a ignorância nos trazem para dentro de nós mesmos, não de uma maneira observadora e pura, mas arraigada de dúvidas e pré-disposições sobre os fatos, de forma que construímos nossa personalidade baseando-se em medos e incertezas mal trabalhadas.  Pensar que a sociedade atual e o mundo contemporâneo são os responsáveis pelo modo como nos construímos internamente, primeiros tijolos daquilo que será construído externamente, é um erro, pois a incerteza, independente de onde esteja direcionada, é do mesmo tamanho em todo ser humano, em toda história.  
    Qual é a liberdade que buscamos? Conhecer tudo que é possível e alcançar tudo que é almejado é aquilo que nos mantém vivos e lutadores pela prolongação do tempo de consciência concedido pela improbabilidade. Desta forma, a primeira certeza é a de que a consciência é o maior milagre concedido à humanidade e a dúvida é seu combustível.
    Então quais são os caminhos que nos emancipam da tristeza da dúvida e equilibram a forma como nos projetamos no mundo e nos construímos de uma forma positiva em nosso interior? Talvez a resposta seja desaprender todas as certezas impostas sobre aquilo que ainda não tivemos a oportunidade de duvidar e deixarmos sermos engolidos em dúvidas, consumindo-as vorazmente, sem que nenhuma conclusão sobre os acontecimentos seja retirada de forma sólida, mas aceitas como todas as coisas supostamente existentes: duvidáveis.
  • E A VERDADE VOS LIBERTARÁ...

    Citações vagas, frases de efeitos e títulos idiotas que não significam m* alguma!
     
      Até pouco tempo atrás “o povo de deus” parecia ser o detentor principal de um número sem fim de frases lacradoras que intentam revelar uma verdade universal, mas que de fato mostram-se sem efeito prático algum ou com inúmeras possibilidades de interpretações.
       Citações como: “e a verdade vos libertará”, “ensina ao menino no caminho em que deves andar”, “a vitória é nossa”, “deus está do nosso lado”, “deus vult”, e “o mundo vive em trevas” estão nos “trop trends” de várias culturas, mesmo antes que as redes virtuais viessem a existir.
        “E verdade vos libertará” por exemplo, qualquer pessoa ou grupo pode tomar para si essa frase e aplicar onde e como quiser como forma de auto afirmação, de inteligência ou de superioridade. Até a fofoqueira da vizinhança ou do trabalho pode ser levada a crer que tem o poder de manipular ou oprimir alguém por achar que sabe de algum tipo de verdade, quando tais verdades são apenas observações feitas por um único observador, sobre pontos de vista e intuitos específicos, sendo na maioria dos casos o desejo de denegrir a imagem alheia para ocultar um próprio defeito pessoal o maior deles. Uma fofoca-melhor dizendo.
       Desse modo, entre as milhares de palavras contidas no vocabulário de vários povos, a palavra VERDADE está no topo das mais subjetivas e está quase sempre sujeita aos interesses de quem a profere. A exemplo de uma pessoa que foi acusada e presa de forma injusta por não ter dinheiro o bastante para se defender perante uma corte, um criminoso pego em flagrante delito poderá ser inocentado e ainda sair como se fosse algum tipo de herói de acordo com a habilidade de oratória do advogado que o representa mediante o pagamento de uma soma considerável de dinheiro. Vemos isso todos os dias em todos os cantos do mundo.
        Hórus, Buda, Jesus, Krishna, Dionísio e tanto outros já foram algum dia ou ainda são “o caminho a verdade e a vida” e os que neles acreditam são capazes de matar e morrer para defender essa hipotética verdade. Cada vez que um individuo diz para si mesmo ou para outro “eu estou na verdade”, ele está apenas mentindo, tentando convencer a si mesmo sua fala é verdadeira, mesmo sabendo que não é! Por isso repete todos os dias tantas preces e afirmações pessoais a respeito da própria crença, a fim de acreditar na fábula auto declarada. Tanto é que se alguém disser algo que o confronte ou que mostre os contrates de sua crença, um rompante de raiva seguido de violência física ou verba poderá surgir até mesmo nas criaturas autoproclamadas iluminadas que vivem entre nós.
        Do mesmo modo que um crente cita “ensina a criança no caminho em que deves andar”, como se a sua igreja fosse o único e verdadeiro lugar para estar ou criar o seu filho, podem fazer as mesmas afirmações qualquer outra pessoa, a exemplo de um musicista, um médico, um artista, um grande empresário, um casal homoafetivo, uma pessoa simples da área rural, um chefão do crime organizado ou qualquer grupo ou pessoa que tendo algum tipo de satisfação naquilo que faz e julga ser o certo, deseja também que seus descendentes tenham tanto “sucesso” quanto ele o teve.
       Um policial que sai em missão de risco pode dizer que deus está do lado dele. O ladrão que sai a promover prejuízos ou causar terror social diz o mesmo!
       Quando dois times de futebol entram em campo é comum vê-los fazendo preces e gestos silenciosos invocando a deus que lhes dê vitória naquela competição. Na arquibancada as torcidas organizadas fazem o mesmo e não vê a hora de o jogo acabar para humilhar seus “oponentes” e prova que realmente deus atendeu suas preces.
       Como mesmo sentimento lutadores de lutas brutais, enquanto estão nos ringues batendo e apanhando a ponto de tirarem a vida um do outro devido aos fortes impactos dos golpes, clamam a deus por uma vitória individual. Os apostadores que assistem também! Não que estejam de fato se importando com quem perde ou ganha. Na maioria dos casos o que vale mesmo é inflar o ego como se a vitória do lutador fosse uma vitória do apostador, como se ele o apostador fosse quem tivesse treinado, lutado e vencido a luta e não o lutador que, ganhando está ali todo machucado, e quando perde ainda será massacrado. Põe deus na frente de tudo, não é? Quem sabe alivia os impactos do golpe...
       Membros de igrejas evangélicas costumam dizer que “o mundo está em trevas”, se referindo a todos os que não fazem parte daquele agrupamento religioso. Os de sociedades secretas e discretas dizem as mesmas coisas, inclusive há dezenas de pequenos grupos de estudos dos mais variados tipos que acreditam estarem vivendo uma experiencia física ou extra-sensorial fora do comum, e somente eles estão despertos o bastante para entender o mundo e todo o restante do globo dorme sono profundo.
      Quanto mais fechado for o grupo, mais chatos e insuportáveis costumam ser os seus membros, tentando a todo custo empurrar tais verdades  nos outros e quando não conseguem ou são questionados em suas práticas, sentem-se ofendidos e por vezes clamam a deus por justiça ou por algum artigo da lei que os protejam. Os tais acham-se no direito de ofender a tudo e a todos alegando liberdade de expressão religiosa, mas quando outros tentam fazer o mesmo baseados em crendices semelhantes, clamam pelo veto e atribuem ao maligno toda manifestação que não seja à deles.
       Até um serial killer quando interrogado chega a dizer “deus vult” (deus quis assim) quando perguntam o motivo pelo qual fez o que fez! Os maiores emissários do terror em nome de uma crença religiosa, todos eles dizem estar em missão de deus, pois ele o quis assim.
       Todo pessoa mal intencionada sabe muito bem que a melhor forma de atrair multidões ou juntar o povo em um só proposito, é justamente usar frases de efeito ou jargões que possam ser interpretados de modo vago ou pessoal, fazendo com que cada um se ache único e especial mesmo estando no meio de pessoas comuns e fazendo o que todo mundo faz, mudando apenas o rótulo da crença ou do ideal.
        Pense em qualquer genocida ou “conquistador” do passado ou do presente e verás que o motivo principal destes terem tantos seguidores, era justamente por fazer com que multidões viessem a se sentir superiores na raça, na cor, na cultura, no poderio bélico ou naquilo que fosse de comum acordo para a classe dominante. “A minoria que se lixe”! É o que dizem abertamente muitos por aí!
      Algumas das frases de efeitos ditas no início desse texto tem mais de 5 mil anos que que rolam de boca em boca e como dito, qualquer grupo ou pessoa pode tomar para si, fazer destas uma verdade pessoal ou grupal e tentar impô-las aos outros pelos mais diversos meios. A violência física, verbal e a chantagem emocional baseada na crença de seres mistificados tem sido os principais meios pelos quais vítimas e vitimados tem entrelaçado seus caminhos, construindo e vivendo verdades ditas universais, cuja aplicação real em certos casos restringe-se somente aos que comungam de tais crendices.
       Infelizmente muitas pessoas tiveram suas vidas inteiras ou parte delas roubadas ou quando em um determinado momento estavam “de peito aberto”, suscetíveis “a palavra de deus” ou com algum tipo de carência afetiva, e influenciadas por tais “verdades” fizeram coisas pelas quais se arrependem ou irão se arrepender pelo resto da vida.
       A vida destes seria totalmente diferente se não tivessem se não fossem intimidados (ou influenciados) com essas inúteis citações ou com seus emissores. Algumas dessas influencias são culturais, a exemplo da religiosa, que mesmo antes alguém nascer, a depender do lugar e época em que a pessoa nasceu, seus genitores e a sociedade qual eles estão inseridos definem previamente o modo como essa futura mente será doutrinada até que a pessoa tenha ousadia o bastante para pensar por si mesma e escolher se deve ou não permanecer como estar.
        Todos os que fazem parte de grupos que digam estar na verdade, conter a verdade ou saber “de toda a verdade”, estar sendo ou poderá ser um dia o causador ou agente intermediador dos mais diversos males a si mesmo, a outrem ou a grupos inteiros e muitas de suas ações terão efeitos irreversíveis por mais que estes venham se arrepender depois. Os que apoiaram o nazismo são um bom exemplo disso.
       Que sejam testemunhas disto também todos os que um dia morreram nas ditas guerras santas em nome da implantação de alguma verdade religiosa qualquer.
       Que diga o mesmo os que um dia tiveram seus dias abreviados quando seus pais resolveram doar suas vidas em sacrifícios aos deuses em algum ritual macabro, ou àquelas cujas vidas foram interrompidas por uma estupida proibição de receberem sangue durante uma cirurgia “em obediência aos mandamentos de jeová”!    
       Que sejam testemunhas disso também os milhares de meninos e meninas que por séculos tem sido enviados à força para mosteiros e conventos, algumas destas passando pelos mais diversos tipos de privações ou sofrendo abusos nas mãos perversas de alguns dos piores seres que habitam esse mundo: os que escondendo-se atrás de títulos de santidades, cometem as mais infames das crueldades.
      Tais crianças, além de padeceram diariamente de abusos sexuais e castigos físicos, não puderam ter uma infância comum como qualquer outra, pois desde muito cedo estavam confinadas em rituais cansativos, clamando a um deus surdo, mudo, inútil e inexistente, motivo pelo quais elas foram enfiadas ali, cumprindo um voto de alguém da família que por status ou na intenção de intermediar com deus e a igreja benesses exclusivas aos seus familiares, castraram em todos os sentidos a vida destes pequeninos ou os condenaram a uma roda de eterna de vinganças pois quando adultos e ainda no mesmo lugar, passam a fazer com os outros tudo o que fizeram com eles no passado.
       A repetição constante de uma citação aclamada de modo positivo por determinado público, faz com que qualquer pessoa estupida seja vista como se fosse um gênio, além de ser capaz de mascarar as piores intenções daqueles que as proferem. “Uma mentira repetida diversas vezes acabará se tornando uma verdade inquestionável”, já dizia um certo personagem de relevância histórica.
       Todo conflito político ou religioso entre indivíduos ou nações inteiras tem início sempre quando alguém tenta implantar à força algum tipo de “verdade absoluta”. Isso se dá de modo tão sorrateiro, que até mesmo uma mentira deslavada pode ser introduzida como sendo uma verdade verdadeira e haverá multidões defendendo tais citações, alguns até dando a vida por uma causa inútil, achando que estão sendo patriotas, anarquistas, democratas ou coisa do tipo, quando na verdade estão apenas sendo massa de manobra para proteger o projeto de poder pessoal de alguém ou de um grupo.
       Para o bem de nossa própria sanidade é importante afastar-nos ou parar de seguir qualquer grupo ou pessoa que diga ser a verdade, saber de toda a verdade ou estar escondido na verdade. Se este não é um louco, será um mentiroso confesso. Quanto mais chavões e frases de efeito que esse vier citar, mas atentos devemos ficar. Quanto maior for grupo dos “policiais do pensamento” que defendem tal figura, mais perigoso este se tornará se não se pronunciar contra os que fazem de uma pessoa comum um mito, um objeto de veneração, detentor de verdades inquestionáveis
      Quanto aos que dizem “eu sei de toda a verdade”, referindo a assuntos pessoais e particulares da vida de outrem, digo sempre: se você não viu pessoalmente, não comparou informações, não ouviu da própria pessoa versão dos fatos, ou não sabe interpretar o que viu e ouviu, você é apenas um fofoqueiro filho da p*ta usando termos politicamente correto ou citações de “livros sagrados”.
      Você não busca verdade e nem quer saber verdade alguma! Você é apenas uma pessoa má, que tenta ocultar o que tu fazes ás escondidas ou faria se tivesse chance, e como não sabe definir o que sente, pensa ser uma pessoa justa que busca a verdade, quando na verdade não passas de um fofoqueiro maldito! Fugi destes, principalmente os que se dizem servos de deus ou ungidos de deus! Eles só trazem miséria e destruição por onde passam, e como um câncer adoece todos os órgãos que com ele tem contato.
       A vida é muito bela e curta para viver por aí defendendo ou tentando implantar verdades aos outros! Em muitos casos cada um irá escolher aquilo que mais é confortável e chamar isso de algum tipo de verdade a exemplo dos eternos conspiracionistas ou religiosos radicais que de tempos em tempos mudam o objeto de sua ira ou superstição cada vez que essa se mostra publicamente obsoleta, e como se nunca tivessem feito nenhum papelão, seguem pronunciando outras verdades como se fossem a primeira vez, até mudarem de novo...
      Melhor que saber certas verdades é entender a realidade que nos rodeia!
      Nem todos os que procuram certas verdades saberiam lidar com elas se realmente as descobrissem. O peso de certas descobertas que fazemos é esmagador, pode nos deixar sem chão ou fazer com que percamos nosso propósito de vida.
       Nem todos tem condições emocionas de encarar algumas verdades que tanto buscam, sendo o suicídio, a depressão e a vingança repentina os meios mais comuns para pôr fim a uma descoberta que jamais gostariam de ter feito.
       As verdades que mais podem abalar um indivíduo são as relativas ao caráter ou conduta de seus pais, filhos, conjugues, líderes políticos e religiosos. Nem todos sabem lidar com que descobrem e podem fazer besteira, principalmente quando fazemos de uma pessoa comum um santo, um ídolo, um mito, alguém incapaz de errar.
        Lidar com a descoberta de que estar sendo traído sexualmente por seu parceiro e manter a calma não é pra todo mundo, nem tão pouco descobrir que seus pais que hoje pagam de santos e moralistas no passado foram 10x pior do que aquilo que reprime em ti. Descobrir que alguém da família está envolvido com drogas ou crime organizado pode ser tão doloroso quanto descobri que o nosso politico de estimação mentira para se eleger como todos os outros fazem.
       A vida segue para alguns. Para outros não, quando percebem que “e a hipocrisia vos escravizará”, seria bem mais apropriada que a citação feita como abertura deste texto.
        Saúde e sanidade a todos!
  • É ela

    Sorriso encantador,olhar devastador
    Cara,da onde ela surgiu?
    É tão linda que passaria a vida a te olhar
    Imaginando como seria poder te beijar

    Quando percebi já estava dominado
    Estava ali para qualquer coisa
    Que doidera,pensei em até em casar
    Imagina ter filhos com essa mulher?

    Nunca pensei em algo sério
    Sempre fui o vagabundo
    Que não queria saber de nada
    E agora eu a olho,nem sei o que dizer

    Vamos fugir de todo o mal
    Viver de frente pro mar
    Só nós dois a se amar

    Tudo isso a se imaginar
    Em apenas um olhar ao te encontrar
    E conto para todos
    Que o motivo do meu sorriso é você
    E vou contando as horas para te encontrar.
  • E ESSA TAL DE AUTORIDADE DIVINA, DE ONDE VEM?

    { on}Vem da cabeça de gente crédula, iludida, amedrontada, corrompida e que se acham especiais só por frequentar um círculo religioso qualquer!
    Para manipular, extorquir, explorar ou controlar os menos esclarecidos, muitos “homens de deus” valem-se de uma autoridade divinamente inexistente e querem exercer tal autoridade até sobre outros círculos se assim permitirmos!
    *Por Antonio F. Bispo
      Praticamente qualquer pessoa que já participou com uma certa frequência de cultos religiosos cristão por mais de um ano (principalmente em templos evangélicos) já presenciou cenas absurdas de abusos de autoridade (e outros vários abusos) onde o líder religioso por questões mínimas humilha determinada pessoa em público e ainda a faz sentir-se culpada peça perdão ao próprio agressor “se quiser ir morar nos céus”!
      Eles dizem ter autoridade divina para mandar e desmandar em todos os súditos de acordo com a “palavra de deus” por que deus assim o constituiu. Vale lembrar que nos dias de hoje qualquer um pode ser autoproclamar um “ungido do senhor”, abrir uma igreja e exercer essa tal autoridade sobre a vida dos que passam a frequentar tal ambiente. O estado de lucidez do povo é tão curto que o simples fato de passar a frequentar tal ambiente, já demonstra indiretamente que aceita sobre si tal autoridade, mesmo vinda as vezes de uma pessoa cuja índole social tem menos valor do que a de um cachorro morto.
      No que quesito dessa suposta autoridade, alguns líderes são bem mais ousados e até interferem na vida pessoal do indivíduo e trazem isso a público para que a humilhação do “pecador” seja ainda maior e desse modo ele se torne mais dócil na hora de dar os dízimos e obedecer outro termos ditos pela liderança. Um eficiente meio de coação psicológica para crédulos, ignorantes e desesperados.
      Más há dois equívocos nessa observação: o primeiro é que palavra de deus não existe! Toda palavra é do homem, dita por homens, endereçada a homens, interpretadas homens, que depois as reinterpretam de acordo com os próprios interesses pessoais e afirmam estarem citando ou de acordo com a palavra de deus. Balela pura! Se fosse realmente de deus era uma palavra só, pregada de um modo só, com um mesmo intuito sempre e não mudando de igreja em igreja, de esquina em esquina, de chefe para chefe! Nunca houve palavra de deus! Isso é estória pra boi dormir e enganar os menos avisados!
      O segundo equivoco é que vida pessoal de crente praticamente não existe! Toda vida de um fiel religioso mesmo sem consentimento se torna pública ao ser inserido numa congregação, pois quase todo mundo vigia todo mundo para ver quem erra mais a fim de delatar ao líder maior e ser pontuado por tal delação. Quando menor a igreja, mais frequente esses casos.
       O sujeito X-9, o mais caluniador, o mais difamador, o mais trapaceiro e o mais cara de pau sempre levará mais vantagens sobre os demais nesses recintos e o líder o terá em auto estima, fazendo com que o mesmo seja elevado em níveis cada vez mais alto dentro e fora da congregação! Quem busca crescer por honestidade, integridade e retidão melhor procurar outro lugar. A “casa de deus” não é o melhor lugar para apreciação dessas qualidades. Leiam toda a bíblia e a história da igreja e tirem suas próprias conclusões! Certos prostíbulos e bocas de fumo, tem gente mais honrada do que certos ambientes religiosos.
       O questionamento sobre algum dogma, sobre o destino de alguma verba ou sobre a postura ética do líder local em relação ao grupo ou a sociedade, sãos os principais motivos que levam líderes religiosos a explodirem em ira contra um “rebelde” ou que podem levar um fiel a ser alvo de infinitas perseguições que em certos casos estender-se-ão também a toda família do questionador, mesmo sem que essa tenha nada a ver com o assunto.
      A obediência cega as lideranças é praticamente lei marcial em qualquer ambiente religioso. Só eles sabem, só eles podem, só eles dizem, só eles podem e os seus atos e palavras jamais devem apresentar resistência ou defesa alguma, inclusive quando essa tal autoridade vai além da “palavras de deus” e entra no campo do abuso moral, sexual ou financeiro contra um súdito qualquer. “Não faça nada”! “Entregue tudo nas mãos de deus”! “No momento certo ele vai agir”...É isso que te dizem quando você estar sendo alvo de algum abuso nesses recintos e quem resistir poderá sofrer duras penas e poderá inclusive ter toda uma congregação voltada contra si, por ter resistido ao “homem de deu” ou a quem este pôs algum tipo de autoridade.
       Em certos casos mesmo quando o abuso não é contra você e você toma as dores dos outros e vai defender o oprimido, em uma situação posterior o oprimido que você defendeu poderá ser subornado pela própria liderança para dizer que aquilo que ele estava passando fazia parte dos planos de deus para provar a fé dele, e que depois da prova ele seria abençoado com alguma coisa, possivelmente com um cargo, onde iria desempenhar trabalho voluntário de alguma forma.
       Você que tentou ajudar será mal visto e tido como enviado do capeta que “frustrou os planos de deus” na vida de tal pessoa. Ao invés de agradecer-te, vão injuriar-te. Pode isso? No “escurinho do caminho” o líder quando ver que vai perder para ti, chama o indivíduo em particular e convence-o a mudar a versão dos fatos, e tu que passa ridículo diante de todos! O outro ganha um cargo ou dinheiro pela cumplicidade e silencio e você um pé na bunda bem dado, só isso! Quanta honestidade!
       A menos que você seja um felizardo que entregue mensalmente um valor considerável em dízimos e ofertas pra o seu “dominus da fé”, que você seja um traficante de influencias que possa fazer pontes com pessoas poderosas de dentro e fora da igreja ou que você tenha “habilidades verbais” de levantar calúnias e denegrir a imagem de alguém que “se levanta contra o ungido”  ou que você tenha uma beleza física invejável (e que esteja disponível para fins particulares e desejos libidinosos de alguns líderes), você com certeza poderá passar por uma situação constrangedora de abuso por uma liderança religiosa frequentando essas casas por algum tempo.
       Somente os que são protegidos pelos amuletos acima citados estão livres de tais infortúnios, a não ser que no meio do caminho deixe de ser subserviente de algum modo e passe a ter personalidade própria e raciocínio logico usando argumentos sólidos para questionar certas imposições antes aceitas de modo cego.
        Um outro meio de um “ungido” desse tipo jamais tocar em você é se você descobrir algum “podre” dele que seja tão grande capaz de derrubá-lo do ministério, ou de reduzir as entradas financeiras da igreja e fazê-lo trabalhar de verdade em um serviço digno. Desse modo é você quem se torna o “ungido” sobre ele e não o contrário (e também passa a correr sérios riscos de vida por queima de arquivo).
       A paranoia desses homens é tão grande que eles acham que todo mundo usurpa o cargo deles, o dízimo deles ou a influência deles e tudo que eles acham que possuem. Qualquer “movimento brusco” ou não compreendido por eles que você faça, você poderá ser alvejado com palavras de ira e ações perversas de artimanhas inimagináveis para uma pessoa normal.
       Há sempre um grupo que em troca de posições eclesiásticas ou favores pessoais, estar disposto a defender o seu “ungido” de unhas e dentes. A queda do tal ungido significa a perca de privilégios desse tal grupinho oportunista, que anda como se fosse uma matilha, pronta para abater a presa mais fraca ou mais suculenta.
      Um sujeito (pregador) por exemplo que mal tem o respeito da própria família em casa pela falta de caráter que tem, dentro da igreja pode ter a licença do chefe maior para liderar um grupo e “doutrinar” o povo, ensinando o que não sabe, o que não viu, o que não vive e o que nem se quer acredita, exortando, falando todo tipo de asneira ou hipocrisia, como se fosse realmente alguém virtuoso e importante.
      Como não defender um líder religioso depois de receber uma “benção” dessas? Como não ser um “cão de guarda” de um ungido, depois de tão imerecido favor? Nesses casos, eles comem até as fezes do chefe se o tal ordenar desde que o chefe permita que eles se mantenham em suas posições ilusórias, ondem mentem para si mesmo e para o mundo todo dizendo que são vasos e profetas de deus, etc....Vai vendo! Esses mesmo dizem: “eu tenho um chamado”! Só se for o chamado pra ser hipócrita, mentiroso, e idiota...
       Tanto o chefe maior quantos os “peixes pilotos” que andam ao seu redor costumam usar sempre frases de efeitos como essas para intimidar os supostos rebeldes: “Quem meche com o ungido morre”! “Deus vai tocar a mão em você e toda a sua família se enfrentares o ungido”! “Vai ter morte, vai sair caixão nessa igreja (ou em sua família)”! “Deus vai colocar um câncer em você que duvidou do ungido do senhor”! “Você vai ficar desempregado”! “Deus vai matar alguém que você ama muito ou ele vai te colocar no leito da enfermidade até que você arrependido venha se humilhar em público e pedir perdão ao anjo da igreja”....Quem nunca estando por uma dezena de meses numa igreja  não ouviu frases como essa pelo menos uma centena de vezes?
       Há momentos que durante um ritual litúrgico de algumas agremiações religiosas em que o sujeito começa a se perguntar se realmente estar num ambiente religioso ou se estar dividindo espaço com traficantes, milicianos da pior espécie ou com chefes do crime organizado, por que o linguajar usado para intimidar os menos favorecidos e demarcar territórios de exploração é de causar inveja a qualquer chefe de covil!
       Deus, do alto de sua glória e de todos os seus atributos surreais contempla tudo e nada faz! Se ele fosse real seria pior do que todos os líderes religiosos juntos!
       Esses mesmos ungidos chegam a dizer que um pastor ou líder religioso só pode ser julgado única e exclusivamente por deus e ninguém mais! É mole ou quer mais? É seguro estar em um ambiente desses, onde as leis locais do grupo estão acima de qualquer constituição ou direitos humanos já estabelecidos? Claro que não! Nesses termos, cada líder religioso se torna policial, advogado, promotor, juiz, desembargador (e carrasco) do próprio condado onde governa.
       Aceitar jesus nesses ambientes é literalmente aceitar a dominação total e plena de um líder religioso que mal você conhece e por ele ser guiado segundo os conceitos de verdade, justiça e santidade que ele mesmo criou (lembrando que cada igreja tem o seu padrão desses termos).
       Entregar a vida a jesus nessas casas é aceitar todos os rituais e dogmas criados ou mantidos pelo círculo religioso em função de uma falsa promessa de um paraíso futuro ou de coisas fúteis do presente. A servidão absoluta em troca de ilusões e abusos frequentes.
       Por milhares de anos em várias culturas do mundo milhares desses homens tem “pintado e bordado” do modo que bem entendem ou funcionam no modo parasita social de ser, sugando e consumindo tudo que os outros possuem ou produzem. Muitos poucos escapam desses termos.   A autoridade que eles dizem ter foi ou é conquistada pelo silencio de uns e consentimento de outros. O medo, a ganancia, a soberba e a luxúria são as forças motrizes principais que faz esse tipo de autoridade vigorar. Mas é preciso mexer no tabuleiro para que o jogo mude e possamos ter uma sociedade mentalmente mais saudável.
      Autoridade divina é uma ilusão maliciosamente fabricada para subverter e explorar os outros e nada mais! Todos eles são pessoas normais. Humanos como todos. Mortais como todos e nada que eles digam ou façam os fará ser melhor que ninguém em matéria ou em essência, apenas na aparência para os que assim acreditam, tanto é que esse tipo de liderança só exerce autoridade em relação àqueles que por indução se permitem operar nesse nível de consciência deplorável e masoquista de ser, onde as vítimas de um abuso veneram o próprio abusador com medo de uma punição maior ou com a falsa esperança de que deus os recompensará por tal subserviência. Somente vigaristas ou pessoas que já não fazem uso da razão recorrem a algum tipo de autoridade metafísica para obter “respeito e amor” de quem quer que seja!
       Todo autoridade e tirania de qualquer líder se dá pelo processo coletivo de indução das massas! Truques baratos de mágicas do passado ou tecnologia mal compreendidas em alguns tempos da história também foram usadas para criar nesses homens aspectos de poderes sobrenaturais capazes de fulminar qualquer questionador. A bíblia estar cheia de exemplos desses truques baratos e histórias pré fabricadas para amolecer a rigidez da sanidade que ainda temos, e é justamente nesse livro que os maiores abusadores recorrem para se cobrir de uma autoridade que não tem. Ter como fonte principal de autoridade moral, um livro onde os principais motivos de glória se baseiam justamente em abusos ou atrocidades cometidos contra outros é realmente questionável!
       A promessa de um paraíso futuro em troca de uma vida servil é sem dúvida a proposta mais cruel que os líderes religiosos já tenham inventado, pois faz com que um indivíduo abdique de sua vida e felicidade real no presente para alcançar um “favor imerecido” que nunca virá. Desse modo o que recebera a promessa tem como objetivo principal mutilar a si mesmo ou infernizar a vida de todos ao redor que por acaso ainda conservam a lucidez e pensam diferente deste.
      Estar na hora de mudarmos de fase. A idolatria, a veneração aos seres do imaginário coletivo bem como a defesa, honra, e manutenção da glória desses mesmos mitos tem sido a causa das principais guerras e exploração em todo mundo. Só os que não aceitam a mudança são os que se beneficiam desse sistema.
      Liberdade, igualdade, fraternidade e democracia é um processo continuo que as sociedades humanas buscam alcançar ou aperfeiçoar. Enquanto algumas lideranças influentes funcionarem no modo parasita de ser, fará com que essa conquista se torne mais lenta ou pesarosa. Pensemos nisso.
       Se houvesse realmente um deus que desejasse revestir alguém de autoridade sobre os demais, ele apareceria pessoalmente diante de todos e diria de forma clara sua mensagem e não deixaria que um caminho para que o homem se torne vítima/ predador do próprio homem!
      Saúde e sanidade a todos!
    Textos escrito em 10/5/19
      Essa é a segunda parte do texto “são realmente ungidos, os ungidos do senhor”? Publicado duas semanas atrás!
    *Antônio F. Bispo é graduando em jornalismo, Bacharel em Teologia, estudante de religiões e filosofia.
  • E SE FOSSE PERMITIDO QUESTIONAR ABERTAMENTE OS DOGMAS E OS “MISTÉRIOS DA FÉ”?

    A “verdade universal” que subsiste por meio do veto a questionamentos
       O que seria da igreja se fosse permitido aos membros desta o ato de questionar sem serem punidos ou vistos com maus olhos pelos líderes e liderados? Ela ainda seria considerada igreja? Teria toda essa pompa e autoridade que tem tentado a todo custo impor a todos ao longo dos séculos? Conseguiria ludibriar o povo com a ideia de pecado, céu e inferno? Os líderes conseguiriam manter essa tal de autoridade divina? Conseguiriam explorar o povo e ainda serem tratado como santos?
      Com certeza não! Se fosse permitido o livre questionamento sem represálias a igreja simplesmente não existiria! Não desse jeito ou nesses moldes como tem sido. Se por acaso sobrevivesse seria quem sabe algo mais saudável semelhante a uma escola de filosofia, cujo desejo de corromper os deuses em favor próprio e a vontade besta que cada um desses agrupamentos tem em se achar melhor que as outras (apesar de estarem no mesmo segmento), seria de uma futilidade vergonhosa para quem o fizesse.
      Para ser igreja (como tem sido), ter aparência de igreja e funcionar como igreja, se faz necessário a brutalidade na imposição de ideias de modo que seja envergonhado, humilhado, mal visto ou perseguido qualquer um quer argumentar contra os dogmas da fé e seus feitores.    
       É preciso que haja um “acordo mútuo” entre líderes e liderados em acreditar sem questionar, obedecer de olhos fechados e sem argumentar nada contra aquilo que é tido como ensinamento divino mesmo que o seguir silencioso e obediente te faça sentir-se um completo idiota, que te leve a conflitos internos ou a até mesmo a uma “guerra santa”, ou que te obriguem a fazer coisas totalmente antagônicas, desumanas e sem sentido algum.
      Esse “acordo” que a igreja faz com um fiel pode vir por meio da coação física ou psicológica, pela exclusão ou inclusão de indivíduos em certos grupos sociais para que sirva de estimulo aos que aderem ao sistema e que sirva de lição ao que por acaso não aceitam o regime. A velha tática do castigo-recompensa aplicado também no adestramento de certos animais.
       Aos que “concordam” de bom grado em “servir a deus” segundo os conceitos de verdade de determinado segmento religioso terá apreço, uma medalha, um elogio...aos que resistem ou discordam terão então um boicote, uma ameaça verbal, por olhares ou por ações inquisidoras como forma de repressão.
       A crença em deus no ambiente coletivo depende exclusivamente da conivência imposta ou silenciosa em fantasiar características surreais para o personagem tido como divino e seus equivalentes e asseclas, bem como criar para estes um perfil de podes-e-não podes de modo que as bênçãos desse suposto deus esteja sempre em favor do grupo que o venera e contra os que estão de fora dele. Isso vale também para os “ungidos” que os representam também.
       É mentira que os grupos religiosos desejam deus, a felicidade e a paz para todos! O deus que eles criam e veneram é um subproduto da mente humana feito para controle e manipulação das massas, de modo que cada grupo cria-o ao seu próprio modo, registram seus “direitos autorais.   
       Com a ideia de deus que cada grupo manipula, eles desejam deus, a paz ou a felicidade apenas para eles mesmos, para os que fazem parte do seu grupo, que compartilham das mesmas fantasias, de modo que quem se interessar em receber a tal graça divina ou salvação, tem de filiar-se ao grupo, sujeitar-se a tudo que o grupo diz ser verdade ou mentira, sujeitar-se cegamente as suas tradições e além de tudo pagar um percentual mensal de todos os rendimentos para ter acesso a esse deus. O deus dos outros não presta, por isso cada igreja vende-o do modo que fantasiou.
       Se não for assim não funciona! A igreja perderia a mágica se deus fosse um produto acessível a todos sem precisar de intermediação das hierarquias eclesiásticas. Se por acaso houvesse mesmo um deus real e aparecesse em pessoa para estabelecer uma ordem comum a todos, ele seria no mínimo atacado e expulso desse planeta pois iria ameaçar o império pessoal que cada grupo e subgrupo religioso construiu ao longo dos anos, onde o líder local representa deus em pessoa cuja autoridade é inquestionável.
       A crença nos deuses é o meio de comércio mais lucrativo e mais duradouro já construído pelos humanos, cujo produto jamais precisa ser entregue pois é um produto que “roda na mente” de cada usuário de acordo com o grau moral e cultural deste, e toda vez que não funcionar basta culpar o usuário do produto pelo mau uso dele.
       A mágica da fé no ambiente religioso precisa que todos estejam na mesma fantasia, na mesma sintonia, todos fantasiando o mesmo personagem e suas características para que se crie assim no fiel a sensação de que o objeto de culto é real, tanto pela quantidade de repetições individuais feita nos devocionais diário de cada um, quanto pela repetições coletivas durante as liturgias nos grupos.
       A crença nos deuses estar intrinsicamente ligada as nossas fantasias ou das fantasias que nos foram embutidas a depender do local onde nascemos. Serve também como forma de escapismo, uma fuga para um universo paralelo onde tudo é perfeito, incluindo o devoto que o venera. De outro modo, as pessoas jamais “serviriam a deus”.
      Os líderes religiosos e alguns fiéis incautos dizem que é o espirito de deus que move sua igreja e a faz crescer e permanecer terra, mas isso não é verdade! Não é esse suposto espírito coisa nenhuma que faz a igreja ser o que tem sido.
       A igreja avançou no passado pela brutalidade na imposição da fé quando invadia territórios sujeitava os cativos às suas crenças; avançou e ainda avança pela ignorância dos liderados por achar que todo tipo de ritual ou tradição mistificada é de certa forma uma verdade universal. Vale lembrar que parte dessa ignorância foi causada pela própria igreja ao privar por quase mil anos o acesso ao conhecimento cientifico; tem avançado ganancia dos envolvidos em obter de modo fácil o que outros teriam trabalho para conseguir só por que subornam aos deuses com oferendas e orações; avança pelo falso altruísmo quando ajuda o pobre a permanecer na pobreza enquanto “aceita” evangelho; pelo desejo de poder que faz com que todo dia um nova igreja seja aberta em qualquer canto do mundo; e avança também pela errada visão de heroísmo missionário quando pessoas inteligentes são levadas a cometerem atos de extrema burrice em suas vidas, se entregando como mártir em países hostis, tentando converter outros ao seu ponto de vista, morrendo por não negar a fé, achando que realmente estão fazendo algo proveitoso para um suposto deus quando na verdade estão apenas promovendo a marca de uma gigantesca e milenar multinacional ou de uma de suas várias franquias autorizadas que poderão expandir seus rendimentos caso o “evangelho” seja aceito naquela região.
        Como dito, “mágica da fé” nos círculos religiosos consiste no fato de todos de um mesmo segmento ou agrupamento compartilharem das mesmas fantasias, impedindo uns aos outros de modo verbal ou gestual de “quebrarem o encantamento” por meio de perguntas ou argumentos que tragam de volta aos indivíduos à realidade e os tirem da ilusões consensuais. 
       Assim, todos ficam responsáveis em vigiar a todos e dedurar os que saem da linha para que por meio de atos disciplinares ou humilhações em público o indivíduo volte ao estado zumbir de ser depois de humilhados e acuados (quando se tem mentalidade fraca).  
      OBEDECER SEMPRE, QUESTIONAR JAMAIS! Não sendo assim a fantasia coletiva perde a graça e uma simples pergunta causa um tremendo mal estar em toda congregação, como se um vírus maldito e mortal tivesse sido lançado a todos por meio de uma simples pergunta.
       Quem já ousou fazer questionamentos nesses ambientes sabe muito bem que um misto de raiva, agouro e ranger de dentes surge no meio do “povo de deus” toda vez que alguém ouse (ainda que de modo inocente) perguntar alguma coisa diretamente ao líder durante ou depois de um rito litúrgico.
       Quanto mais “certa e verdadeira” for a congregação, maior será a rigidez e controle nas formulações das perguntas e respostas para que não deixe o líder embaraçado ou a congregação encolerizada. Tanto as perguntas quanto as respostas bem como as pregações e todo tipo de misticismo tem de seguir a um padrão aceitável dentro da fantasia criada por cada líder. Punições severas cairão sobre quem ousar “quebrar o clima”.
       Como doentes proibidos de buscarem a própria cura, muitos deles passarão toda a vida sendo ensinados apenas a ter fé que tudo se resolve.
       Se resolve nada! É nessa história de basta ter fé que vemos as piores desgraças acontecerem. A menos que todos os neurônios do indivíduo tenha sido fritado de tanta repressão, a dúvida estará lá e a dúvida é boa. A dúvida não é o diabo coisa nenhuma! A evolução é um imperativo de toda espécie e ela alcançará a todos, ainda que o “povo de deus” tente frear seu avanço.
      Sendo assim, é comum membros de agremiações religiosas se sentirem ultrajados e desrespeitados quando alguém do grupo decide “abandonar a fé”, ou seja, recobrar a sanidade, e agir de modo próprio, abandonando aquele círculo doentio de pensar e agir. Alguns desejam ou ameaçam os “traidores” com pragas e mortes e rotulam-no à partir de então com todo tipo de adjetivo pejorativo que possa existir, e se não houver um, eles inventam só para denegrir a imagem deste.
       Desse modo, não importa se você passou 20 ou 40 anos num ambiente como esse e se durante todo esse período você foi submisso as lideranças e obedeceu a todos os mandamentos imposto por eles pois. No dia em que “quebrares a aliança com deus”, ou seja, quando deixares de ser capacho, de ser trouxa ou de simplesmente dizer que não mais acredita naqueles mitos ou nas crenças, uma enxurrada de maldições por parte dos membros e dos ungidos te sobrevirá, e poderão inclusive desconstruir toda sua reputação do passado, projetando uma má reputação futura como se estivessem nas mãos destes o destino da vossa vida.
      Se em meio a todo esse turbilhão perguntares: que crime eu cometi para merecer tudo isso? Eles simplesmente dirão: “você abandonou a fé...”! Em outras palavras: “você abandonou a nossa fantasia coletiva que uma vez prometeu acreditar para sempre e propagar adiante por isso estamos furioso contigo”!
        De outro modo, se julgássemos as ações destes por aquilo que não foi dito, no silêncio das palavras e nos gestos agressivos poderíamos ouvir a seguinte confissão: “Não saia do nosso grupo! Não abandone nossas fantasias! Não nos faça imergir outra vez na dura realidade da vida! Fique conosco, fantasie conosco até o fim de nossas vidas, assim todos ficaremos confortáveis por não haverá espelho que reflita nossas ilusões”!
      Essa última fala inaudita tanto é verdadeira que todos ele te convidam para ir para o céu mas ninguém quer morrer para ir lá, ou todo líder religioso que prega o desapego aos bens materiais são os principais a acumularem fortunas na terra. Deu pra entender que nem eles acreditam no que pregam? Que no fundo sabem que vivem uma fantasia?
      Percebes o quanto é importante para igreja manter um padrão único e constante de pensamento e se esse padrão for quebrado toda a estrutura da “rocha inabalável” se desmorona? Liberdade, individualidade racionalidade são termos que não combinam com o conceito de fé ou de igreja. Não pode haver uma onde existe a outra. Brutalidade, imposição, mistificação, fantasias, ameaças e chantagens são os termos que mais definem a “igreja do senhor”.
      Por isso se faz necessário que todos os que buscam consolo num agrupamento religioso tem de manter esse mesmo tipo de mentalidade para que a coisa funcione. Levantando-se qualquer tipo de argumentação, muda-se toda estrutura da organização religiosa, não importa se essa tenha 3 dias ou 3 mil anos de existência.
      Qualquer um que estuda os movimentos religiosos através dos séculos perceberá facilmente que houve sempre um rompimento quando um questionamento surgiu e esse rompimento foi quase sempre um divisor de águas na história secular ou na história daquele grupo a parte.
       Nesses movimentos, a estrutura clerical ou social foi sacudida e um novo rumo surgiu para a sociedade. Depois disso um novo rebanho se formou e logo depois os fundadores que antes defendiam o direito de expressão vetarem qualquer tipo de questionamento, dando seguimento ao seu próprio império da fé repetindo os mesmos erro dos seus antecessores, tornando ainda mais fedido o que estava prestes a apodrecer.
       Isso ainda se repete todos os dias em todas as esquinas do mundo cristão, onde abre-se uma nova igreja “à mando de deus” para combater as “heresias” e os abusos da igreja anterior e repetir os mesmos abusos depois, ou para abocanhar também uma fatia desse enorme “bolo” que é o mercado da fé, que movimenta trilhões em todo o mundo livre impostos.
       Ao afiliar-se a uma igreja para ser membro desta, servir a deus segundo o “modelo de fé bíblica” nas igrejas é literalmente desprover-se da racionalidade, da individualidade e da própria personalidade para deixar que o líder daquela organização e toda hierarquia ascendente e lateralizada ponham em você um cabrestão e passe a te conduzir como se fosse um animal pertencente a um rebanho. Um rebanho deles, claro, onde eles criam, tosam, e exploram as pessoas como melhor lhe for.
       Inclusive eles mesmos chamam as pessoas de “ovelhas do senhor” ou “rebanho do senhor”. Só se for do senhor pastor, do senhor bispo, do senhor padre, do senhor apóstolo ou qualquer outro título, claro! Do senhor dos altos céus nunca, até por que ele não existe, ele é apenas um conceito versátil, disponível para todo tipo de uso, principalmente os indevidos.
       Se o lugar em que você estar e chama de casa de deus, questionar é proibido, argumentar é um assombro e ser diferente é um pecado e você tem sempre que baixar a cabeça para toda uma hierarquia de pessoas iguais a você mas que se acham divinos, fuja desse lugar, você não precisa disso para existir. É no argumento que se constrói e pelo argumento que se desfaz quase toda construção humana, inclusive a ideia dos deuses.
      Saúde e sanidade a todos
  • E se houver o que agradecer...

    Sentimentos vêm e vão nesta vida...
    Alguns se demoram para ir, mas eles sempre se vão.
    Aqui, pensando na vida percebo que permanece só a gratidão.
    Aquela sensação cálida, que aconchega o coração.
    O sopro de ar que passa leve pelos pulmões, sem pressa.
    O agradecimento acontece sem solavancos, durante os dias.
    Passam horas e ele ainda está aqui, agradecendo...
    pela vida
    pelo sono
    pela brisa
    pelo sol
    pelo passarinho
    pela chuva
    pelo cheiro de grama
    pela dança
    pelo sorriso da criança
    pela mão amiga estendida
    pelo pela pelo pela...
    Gratidão por coisas grandes e pequenas...
    Gratidão!
  • Eclipse de dois corações

           O Sol e a Lua 
            O dia e a noite 
        nunca poderiam se encontrar 
        A barreira que os separavão , jamais podia ser rompida
       As leis da fisica que levavam ao amor quase impossivel 
        Amar e não poder se encontrar 
        A escuridão e a Luz 
       como poderiam estar em um só lugar ?
       como poderiam se tornar um só coração ?
      Se encontrar e se amar 
      era tudo que eles queriam 
      O amor fai tão forte , indestrutivel e implacavél.
      O amor superou as leis da fisica 
      O amor rompeu a barreira do tempo e da distancia 
      O sol olhou a escuridão nos olhos da Lua 
      A lua viu a luz nos olhos do sol
     Os olhos refletiam o grande e puro amor que nutrião um pelo outro
     Eles se encararão
     E finalmente poderam ver que o amor verdadeiro pode  vencer qualquer desafio
     Seja ele imposto pela ciencia ou pela sociedade 
    E então se fundiram num só coração
    Se amaram sem limites
    O Eclipse entre dois dos maiores opostos 
     
               by;secretdark
  • Ele Observa

    Sentado em sua cadeira ele observa;
    Observa o senhor que passa, cabisbaixo e aflito, sozinho e perdido;
    Observa a mão estendida, do morador que agoniza, no frio aturdido;
    Observa a cabeça a negar, o coração empedrar, o orgulho aflorar;
    Observa então, o senhor que passou, o desconhecido que ficou, e a solidão, que novamente aos dois assolou...
    Observa descontente, os dois seres carentes, se tornarem indiferentes;
    Sentado em sua cadeira ele observa;
    Observa a dama do lar, no portão adentrar, os pés a pulsar, um “boa noite”ecoar;
    Observa a criança que pula; as brincadeiras e firulas, do abraço apertado antes que durma;
    Observa a sua medíocre “esperteza”, o vento a soprar com leveza, o jantar servido a mesa;
    Observa a louça lavada, a TV desbocada, a família calada;
    Com todo seu poder de observação, “despercebeu” das suas crianças a oração, da sua dama a comoção, e que de pedra, era feito seu coração;
    Sentado em sua cadeira ele observa...
  • EM BUSCA DE FORTES EMOÇOES

    Engana-se quem pensa que as pessoas vão as igrejas para buscarem conhecimentos, serem pessoas melhores, ou que vão “buscar a palavra de Deus”. Quem quer conhecimento vai a uma biblioteca ou faz algum tipo de curso técnico. Os quem querem ser pessoas melhores aprendem a prática da meditação, introspecção, reflexão, auto analise diária e aprende policiamento próprio em relação a coisas fúteis. Quanto a buscar a palavra de Deus em algumas igrejas, a própria do cristianismo nos mostra que seria como buscar uma agulha no palheiro, pois para cada uma palavra com sentido de efeito moral dita nesses lugares, haverá 100 outras ditas com sentido oposto, que endeuse o próprio grupo e demonize outros grupos ou pessoas. Para cada 1 palavra ou exemplo bíblico, haverá 100 outras conjecturas de pregadores que anulam a própria ideia dentro do discurso, que anulem a própria bíblia ou que preservem mais as tradições orais e costumes criadas por eles mesmos. Para cada 1 bom exemplo de alguma lideranças, haverá dezenas de outros maus exemplos da parte deles no que se diz respeito a arrogância, abuso de poder, centralização do conhecimento, distorção da palavra, manipulação dos fatos, criação de falsas verdades e conjecturas sem fim, para manter a aparência de homens sábios ou divinos (lembrando que toda regra tem exceção), pois usam o medo e ganancia alheia como elo que unem a maioria do povo para depois chamarem aquele recinto de casa de Deus”, contrariando a própria ideia de um ser incorpóreo, cujo espaço físico material não o contém, mas eles são capazes de vender deuses e unções enlatadas, prontas pra consumo, com tamanhos e funções diferentes, a depender de quanto a pessoa possa pagar.
      As pessoas vão as igrejas porque desejam sentir fortes emoções. Emoções que as façam rir, chorar, ter fé, esperança, medo, compaixão, submissão, etc. O melhor pregador não é aquele que sabe mais, que tem uma conduta ilibada ou que se preocupe em fazer evoluir o intelecto ou  a moral do povo. Pelo contrário, o melhor pregador é aquele que tem a melhor presença de palco e sabe manipular as emoções das pessoas fazendo com que elas alcancem aquilo que elas projetaram inconscientemente ao saírem de suas casas. Os crentes desavisados chamam isso de “unção divina”, porém qualquer um pode ter essa mesma “unção”, estudando comportamento humano, prestando atenção nos fatos ou pagando algum cursinho de teatro de 3 meses de duração. Para cada palavra dita em quanto você prega, olhe nos olhos ou na postura de quem ouve seu discurso e veja como elas reagem e uma cachoeira de “unção” descerá sobre ti. Se você aprender a dizer as palavras na intensidade certa e gesticular na hora certa vão achar que o próprio Deus desceu naquele manto, digo terra, quer dizer, lugar...Caras e bocas, pulos, sapateados, rodopios...cada pessoa tem um nível de linguagem e cada uma delas respondem sob estímulos diferentes. Acrescente a isso, um fundo musical melancólico, uma temperatura ambiente ideal, uma luz ajustada com as cores das paredes, e crie seu próprio figurino (turbante, roupa de mendigo, vestes judaicas) e as emoções dos ouvintes ficarão à flor da pele. Conclusão pessoal do ouvinte: Deus estar nesse lugar! Conclusão do pregador: Deus me usou! Conclusão do “dono” da igreja: $$$$$$$$$$ (lucros sem fim)...
       Não há uma pessoa igual a outra em todos os aspectos em nenhum lugar do mundo nesses 7,3 bilhões de pessoas diferentes. Todos nascemos em famílias diferentes, em épocas diferentes, sob condições diferentes e por isso sentimos de modo diferente, sem falar das condições climáticas e alimentícias que afetam a produção ou inibições de hormônios que afetarão nosso estado de humor, e consequentemente nossas emoções e percepção do mundo ao redor. A fé, por si só tem um poder fabuloso de provocar reações químicas no corpo de um fiel, que parece fazer travar o raciocínio lógico, fazendo com que esse cometa coisas naquele momento, que possivelmente irá se arrepender no futuro, ou não faria se não estivesse sob efeito coletivo de manipulação.
      Sendo assim, não há pessoas iguais, mas há pessoas que compartilham os mesmo gostos e por isso moram ou se unem em instituições para tornarem ainda maior e mais viva suas crenças. Há ainda os que se sentem felizes em produzir algum tipo de discurso religioso, por que sabem que outros ficarão felizes em consumir aquele discurso. Então um produz um discurso fantástico, para provocar nos outros emoções fantásticas. Então cria-se o círculo vicioso de discurso-emoção-reação-ficção. Não são apenas as “ervas do poder” que causam efeito alucinante, viciante e entorpecente ou que causam dependência química hormonal ou que levam pessoas as mais diversas loucuras. Um discurso bem proferido tem um poder muito maior que LSD, ou a mais poderosa droga alucinógena. Hitler, Mussolini, Mal Tse Tung, Alexandre, Júlio Cesar e tantos ouros, descobriram ainda que acidentalmente o poder dessa arma.
      Há pessoas que sentem prazer quando lhes estimulam o medo, por isso gostam de frequentar igrejas que falem muito em inferno, em maldições, ou de pregadores paranoicos que dizem ver diabo em tudo o tempo todo. Como em um parque de diversões, uma pessoa sente prazer em ser assustada no trem fantasma, ou em brinquedos perigosos, pessoas assim, praticamente pagam para serem assombrados pelos seus líderes. Fim do mundo, Volta de Jesus, Pecadores nas mão de um Deus irado, Deus vai te pegar, Você é um Miserável pecador, são os temas de discursos que essas pessoas mais gostam de ouvir. Elas se sentem bem (mal) ouvindo isso por que ocultamente sentem prazer em seres ameaçadas. Se os pregadores cobram dízimo, trizimo, tudo, não importa! É como se o líder, ajudasse essa pessoa a ter um “orgasmo espiritual” cada vez que aquele fiel senta naqueles bancos, ou adquire seu material para ouvir. Como todo profissional deve ser remunerado pelos seus serviços, o pobre pregador “inocente” só estar ganhando pra estimular nas pessoas, aquilo que elas gostam de ouvir! Como não? Só existe uma linha de produção se houver uma linha de consumo! Alimente os “consumidores” com outros produtos mais saudáveis que os consumidores não gostam e sua linha de produção doentia vai a falência. Se queres ficar rico e deixar os outros pobres, “venda” o que eles querem consumir (um grande apresentador televisivo também já falou isso publicamente.
       Do mesmo modo, aqueles que gostam de pular, rodar, sapatear, cair e fazer maluquices faz com que o que prega, sinta prazer em saber que muitos irão corresponder as suas incitações de loucura. Tente fazer uma pessoa desse tipo parar o seu transe espiritual e seria o mesmo que separar um casal a poucos segundos do clímax sexual. Você vai causar revolta, frustação, e possivelmente esse fiel necessitará de algum “viagra” espiritual para se sentir seguro na próxima vez que for entrar no “manto”. Já tentou lidar com crianças hiperativas? Você só consegue prender a atenção delas, se as puserem em algo que gere movimento e coordenação motora. É difícil prender a atenção delas por mais de 5 minutos com coisas estáticas e paradas. Assim também adeptos do “re-te-te”, deixam extravasar seu EU interior quando entram nesse estado de transe. Uns incorporam uma entidade com voz cavernosa e assustadora e dizem “eu sou Deus e te digo...”, outros incorporam lagartixas e saem a rastejar, outros uivam, outros dão socos no ar, fazem aviãozinho, lutam Karatê, e alguns homens com tendência homo afetiva  aproveitam e “soltam a franga” nessas oportunidades tentando abraçar e beijar outros homens nesse estado de transe pra dizer que estava “cheio do espirito” igualzinho quando alguém do tipo bebe apenas um copo de cerveja sem álcool, tem o mesmo comportamento e diz que foi a cerveja. Pois é...Dizem que o “espirito” trabalha como quer, faz o que quer e usar quem quiser. Quem sou eu pra duvidar? Aliás, nesse texto eu apenas relato os fatos sob outra perspectiva. Não criei as histórias nem derramei as unções sobre ninguém. Quem frequenta as igrejas veem isso todo dia, apenas não se dão conta disso por esse ângulo de abordagem.
      Assim também existe aqueles que gostam de se imaginar num futuro alegre, no paraíso com cordeirinhos e tudo mais. Então procuram igrejas ou pregadores que falem de céu, arrebatamento e coisas do tipo. Os que são afeiçoados por status pessoal e bens materiais, irão procurar igrejas do tipo da prosperidade, pois apesar de essas pessoas doarem toda sua renda aos seus líderes, estes se imaginam milionários no futuro. Como vão ficar ricos dando tudo a quem não precisa ninguém sabe, pois de onde se tira que não se bota falta, mas na cabeça destes de onde se tira que não se bota rende mais. Vá entender...
     Os que tem mania de adoecer ou veem na doença uma forma de ter atenção dos outros, vivem a inventar dores para serem curados todo dia, e quando não tem dores, os pregadores dizem que elas estão doentes, eles “incorporam” a doença, e vão à frente receber oração todo dia para serem curadas. Há pessoas com mais de 30 anos em igrejas, que todo dia vão a frente e assumem estar curadas naquele instante, para no outro dia vir pedir oração pelo mesmo problema do dia anterior. Já pensou? Do mesmo modo que uma pessoa passa 20 anos nas igrejas da prosperidade comprando bugigangas ungidas e continuam sendo pobres, sendo que cada bugiganga vendida, afirma ser aquela que resolverá todos os seus problemas financeiros e mesmo assim lançam outros produtos diariamente. Deve ser defeito de fabricação ou falta de fé de quem adquire os produtos!  Vá entender a mente humana... Quando vejo essas igrejas lançando novos amuletos da sorte a cada dia para serem vendidas aos seus fiéis, me lembro dos canais de TV que passam propaganda diária, lançando cada dia um novo produto, que diz ser a solução final pra X ou Y problema em sua vida. Depois que você compra, lançam um modelo que dizer melhor pra você descartar o anterior e comprar outro novo e no final, todo o meio ambiente sofre com a produção desnecessária e excessiva de produtos que podem ser descartados a toque de recolher.
       As pessoas sentem prazer, pelos mais diferentes estímulos. Alguns são estímulos externos como propagandas que os fazem desejar algo, e outros por estímulos internos como carência afetiva, excesso ou falta de determinado hormônio etc.. Há quem se delicie tomando manga com leite. Outros porém, morrem só em pensar de fazer essa combinação. Há quem se sinta realizado sendo um humilde lavador de banheiros públicos. Outros, nem sendo dono da metade do mundo se sentiria feliz. Há os que se satisfazem com pouco, e outros que tem tudo e consideram não ter nada.
       Tudo na vida é feito de relações. Quando não estamos nos relacionando com o meio ambiente, estamos nos relacionando com nós mesmo ou com nosso semelhante. Sempre procuramos o que nos dar prazer, ou evitamos o que nos causa dor. Em outras palavras, procurando sensações e emoções. Nada de errado nisso, a não ser no fato de operamos quase que o tempo inteiro no inconsciente e não perceber que manipulamos ou somos manipuláveis por essas emoções o tempo inteiro.
      Pra quem já ouviu ou leu a série de livros chamados 50 Tons vai perceber de maneira leve, que existem outras formas de sentir prazer numa relação sexual, que não seja aquela bem romântica, prenunciada por luz de velas, e palavras bem adocicadas por pessoas que se amam. Diferente disso, esse livro retrata a realidade, de pessoas que só conseguem se excitar, sendo maltratadas, humilhadas, violentadas e desmoralizadas durante o sexo. Algo bizarro eu diria (minha opinião pessoal). Algo divino, diria os que praticam esse ato.
       Comparo alguns tipos de crenças religiosas com esse tipo de excitação. Em todos os cantos do planeta onde se reverencie algum tipo de divindade imaterial e tenha um representante físico, veremos líderes que humilham seus liderados, os pões pra trabalhar de graça enquanto eles não fazem nada, abusam sexualmente dos filhos ou esposas desses, cobram altas somas em dinheiro desses fieis através das mais variadas campanhas, denigrem sua imagem dentro ou fora do grupo para parecerem ainda mais santos e te ameaçam com inferno e maldiçoes toda vez que alguém quer se erguer e se libertar de suas garras opressoras ou quando desejam denunciar os abusos sofridos. Mesmo assim, apesar de sofrerem tantos abusos, alguns fiéis defenderão de unhas e dentes a imagem desse líder. Eu chamo isso de “masoquismo espiritual”. Me parece que essas pessoas só conseguem sentir prazer em “servir a Deus” quando são humilhadas, ofendidas e vivem sob o chicote do seu “dominador”. Pelo menos, a bizarrice de uma relação sexual sadomasoquista acontece às escondidas, e quando acaba, guarda-se os brinquedos de tortura para serem usados somente em outra ocasião. Diferente disso, “dominadores” nesse tipo de liderança religiosa, te oprimem e te humilham em público, vigiam seus passos, quer saber o que você come, veste, com quem conversa, que livro você ler, e se por acaso descobrir que você estar pesquisando sobre conteúdos contrários ao que eles consideram como verdade, seu nível de tortura aumenta. Qualquer “traição” de sua parte em buscar a verdade, eles te lançam pragas e diz a todos os demais que o diabo vai te pegar logo logo, ou que Deus vai te trazer volta num anzol pelos queixos pra provar que ele é Deus. Xiiiii...
       Quem ja foi de igrejas evangélicas tradicionais, até o fim da década de 90, sabia que o culto de santa ceia nessas igrejas, era só “porrada”. Líderes religiosos literalmente, trancavam as pessoas dentro das igrejas para humilha-las, espanca-las, tortura-las e as pessoas tinha de dizer em alto e bom som “fala mais Jesus!”, “glória a Deus!”, “manda fogo Jeová!”...as lágrimas corriam no canto dos olhos, principalmente das irmãs, que até um shampoo que usasse para desembaraçar os cabelos, ou se depilassem as pernas eram metralhadas nesse dia de “santidade ao senhor”. Agora sabe o que acontecia com pessoas de fora da igreja que dizia que os lideres abusavam de sua autoridade? Os próprios crentes defendiam as lideranças, e agrediam tais pessoas e diziam que tudo que o seu líder dizia era pra o próprio bem delas, para que estas não fossem condenadas no dia do arrebatamento e que mais valia a pena “sofrer com Jesus” do que ser viver feliz e ser condenada no mundo...Que vergonha (ou alívio) sente hoje aquele que se livrou desses grupos, quando lembram que um dia teve de se sujeitar a tais coisas por não conhecer a si próprio.
      Essa relação masoquista, existe até os dias de hoje em algumas igrejas. Algumas intensificaram ainda mais seu grau de “santidade”, levando crentes a se sentirem mal e culpadas simplesmente por tomarem um refrigerante qualquer devido a essa marca de agua gaseificada e aromatiza estar associado ao demônio. Ah, como eu gostaria de ver missionários cristão cultos, intelectuais, que falam mais de 5 idiomas, que conhecem tantas culturas e vão morrer de graça em países mulçumanos apenas para serem chamados de mártires depois pelos seus conterrâneos, como eu gostaria que eles se infiltrassem em igrejas como essas, e “corrompessem” o sistema operacional dessas igrejas e libertassem as pessoas do seu cativeiro. Quem me dera um dia saber que os milhões de reais recolhidos para serem gastos em campanhas lá fora, fossem usadas para salvar pessoas aqui dentro mesmo, das mãos de ditadores e facínoras transvestidos de homens de Deus que fazem das igrejas currais, de modo que forçam o gado mal alimentados darem cada vez mais leite, couro, lã e crias. Pena que textos como esses jamais chegam a esse tipo de gente que sofre, pois são proibidas de ler qualquer tipo de literatura que não seja guiada pelo grupo. Pena que o amor de Deus no coração dos missionários cristãos, só se manifesta para que eles morram decapitados lá fora, tentando tirar alguém do islamismo para o cristianismo (sem sucesso).
       As causas que levam um praticante de alpinismo a arriscar sua vida escalando o monte Evereste, são as mesmas que levam mergulhadores a mergulhar nas profundezas dos mares com tubarões e que também fazem pessoas se espancarem numa luta de MMA e até mesmo de pessoas estarem quietas em suas casas, assistindo novela ou lendo um livro. Prazer, seria o elo, entre todos estes. O que é doloroso pra uns, é prazeroso pra outros. A maioria das pessoas fazem o que fazem, pois desenvolveram ainda que inconscientemente, algum tipo de prazer pelo que fazem.
      Tirando os casos em que somos coagidos ou ludibriados a fazer o que não queremos, todos nós vivemos numa vida desenfreada em busca de prazer. Quando não achamos em volta a nossa disposição optamos por estimulantes, como álcool, fumo, e entorpecentes.
       Não estou dizendo que seja errado sentir prazer ou que devamos fugir dele. Estou apenas tentando mostrar como nosso sistema operacional funciona. O cara que “descobriu” a lei da gravidade, não a inventou. Antes dele constatar essa lei, as coisas caiam, depois de sua constatação qual quer objeto deixado ao ar, entrará em queda livre se for mais pesado que o ar. Sua constatação apenas mudou nossa percepção das coisas, e não o fato em si.
      Não acredito que eu seja o primeiro a fazer essa constatação e nem tão pouco serei o último, mas possa ser que eu seja o primeiro a jogar uma luz ao que estar lendo nesse momento, dando início a uma série de buscas, e fazendo com que o que ler tire suas próprias conclusões depois, assim como eu fiz.
       Todos somos viciados em fortes emoções. Se peixe morre pela boca, humanos são fisgados pela falta de policiamento de suas emoções.
        Mesmo antes do pão e circo romano, já havia táticas usadas para entreter o povo enquanto os lideres os deixavam cada vez mais escravos e miseráveis, em todas as culturas conhecidas havia sempre algum tipo de rito litúrgico ou festival coletivo, que servia para fazer transcender as almas das pessoas, nem que fosse por alguns minutos. Fazia com que um escravo, jubilasse ao ver outro escravo se digladiar até a morte em busca de alguns títulos que para nada serviam. Numa cidade com 50 mil dominadores e 500 mil escravos, os escravos por meio desses entretenimentos, castigos e recompensas nem se davam contam que estavam em maioria, e que poderiam usar suas habilidades de luta para lutar contra os opressores e não entre si. Diga que uma pessoa será melhor e mais honrada que outra, e elas farão coisas absurdas contra seus semelhantes e não contra o que está manipulando sua perspectiva de mundo. Fazem isso todo dia com agente. Mudou apenas a forma de castigo e recompensa, mas a escravidão é a mesma. Nos iludem com títulos honoríficos, universitários, com status sociais em grandes empresas, e nos fazem competir entre nós mesmos, quando poderíamos lutar pela nossa liberdade. Sistemas políticos, financeiros, religiosos, educacionais e militares, todos conspiram nesse âmbito. Só não ver quem não quer. Não nos ensinaram a somar forças para o bem comum, nos ensinam o tempo todo a competir e diminuir o outro para que nos sintamos grandes. Ensinam a esmagar um grupo ou seus ideais, para esconder o que de pior não queremos ver em nós mesmos.
      Se você realmente gosta de alguém, você gosta pelo que a pessoa é, e não pelo que ela faz por ti apenas ou pelos títulos que ela possua. Se você é a favor do bem coletivo, jamais deve jurar fidelidade absoluta a ninguém e a nenhum grupo, pois é tendencioso do lider ou do grupo inteiro, depois de certos tempos, por mais puros que sejam seus ideais iniciais, mudar totalmente no futuro depois que a “glória” subir a cabeça. Há mais fidelidade naquele que renega o louco e o desposta, do que naquele que trai a si próprio e o bem estar coletivo para não ser chamado de infiel.
       Se você realmente quer ser uma benção, um servo de Deus, uma pessoa proveitosa e que traga algum tipo de proveito ou evolução social, você deve ter cuidado: eles podem usar suas emoções contra você mesmo, fazendo com que você se distancie de seus objetivos, forçando você servir a interesses particulares, disfarçado de interesses coletivos. Se Deus existe, ele não pode ser controlado por liderança religiosa nenhuma.
      Se deus existe, ama, ou criou as pessoas, isso incluiria todas as pessoas e não um grupinho de meia dúzia que se acham salvos e torcem pra que os demais sejam condenados se não se juntarem a ele na loucura coletiva e abandono da razão. Todo líder que diz amar alguém, mas tem como prioridade o nome, a imagem ou as tradições religiosas do seu grupo, merecem estar sob observação constante e infinita pois vão fazer besteira a qualquer momento. A história comprova, que o que mais matou na história das religiões, foi o zelo pelas tradições dos grupos e a ganancia dos líderes em querer cada vez mais. Tradições é como comprar mercadoria com marca falsificada. Basta criar e colar uma etiqueta igual a verdadeira e as pessoas pagam caro por um produto que não terá a mesma serventia ou durabilidade da marca original. Ligue as várias emissoras de TVs e vejam como se comportam os grandes tele evangelistas, e me digam se por acaso eles desejam o bem coletivo social, ou a propagação de sua marca e domínio. Se me disseres que estão ali por que amam ao povo e querem fazer a obra de Deus, com todo respeito, você precisa de um tratamento psicológico ou a leitura de vários livros, inclusive da própria bíblia.
       Se Deus existe e é real, me recuso a acreditar que ele tenha revelado seus segredos a apenas uma pessoa, que tenha dado o domínio de nossas vidas a homens cruéis e vis, que tenha seus representantes em elevada estima, e que precise de dinheiro, adoração, ou qualquer tipo de sacrifício para estar alegre conosco ou nos recompensar. Qualquer ideia de particularidade para um Deus universal e criador de todas as coisas já anula por si só essa mesma crença de Ser universal e amoroso. Não existe universalidade na particularidade ou seletividade. Ou todos as pessoas são igualmente iguais. Ou todos os deuses são diferentemente diferentes e não há em nenhum deles amor, justiça, ou bondade nenhuma. Que eles briguem entre si, se aniquilem entre si, e o que for melhor entre eles, quem sabe, nós o reverenciarmos. Há quem diga que um entre eles, já venceu todos os outros, mas ao mesmo tempo dizem que só há um, e mesmo assim insistem em dizer que o diabo, mesmo sem ser Deus atrapalha seus planos todo dia na vida dos servos de Deus. Quanta confusão. Vá entender...
       Só haverá um paraíso nessa terra ou em outra dimensão, quando pelo menos 50% da atenção, reverencia e respeito que damos aos deuses que de nada precisam de nós e de tudo são fartos, for direcionada ao meros mortais. Nesse dia, nossas emoções estarão equilibradas e com certeza seremos menos manipuláveis e livres.
  • EM NOME DE UMA DIVINDADE QUALQUER...

    A teocracia como forma disfarçada de usurpar o poder valendo-se das crendices populares.
     
        O que se passa pela cabeça de um indivíduo quando diz que seu maior desejo é que seu povo seja governado por uma divindade metafísica? Será que alguém que faz um enunciado desses estar realmente falando sério ou será que é uma piada de mau gosto? Ou será que tal pessoa estar querendo apenas se promover, aproveitando-se da cultura popular e da ingenuidade alheia para tirar proveito?
        E o que dizer quando esse desejo (insano) vem exatamente de um político em função de exercício, candidato a um cargo ainda maior? Difícil levar a sério atitudes como essas. Deve ser mesmo brincadeira...
       “Deus vai governar essa nação”! “Deus deseja governar esse pais”! “O governo dos justos irá se estabelecer... Será que alguém pode definir isso por favor? Como isso se sucederá? De que forma isso será feito? Que palhaçada é essa?
        Governo de justos feito por religiosos...Me parece que alguém que diz isso nunca leu a bíblia que diz ser sua fonte de regra e prática, não estudou sobre a história da igreja ou é muito cara de pau para negar os fatos ocorridos, não mora em um país onde existe uma bancada evangélica, ou vive em algum tipo de planeta onde líderes do cristianismo e de outras religiões baseado em seres metafísicos ainda não propagaram suas crendices. Justamente no meio religioso onde cada um quer puxar brasa pra própria sardinha o sujeito vem falar de governo do justos...Isso não pode ser real. É piada de mau gosto mesmo!
        O sujeito faz parte de um agrupamento religioso que precisar ameaçar as pessoas com pragas e inferno, ou vender bugigangas ungidas para conseguir arrecadar dinheiro e se manter funcionando e conseguir fortuna;  uma igreja que concorda que a subserviência incondicional dos fieis as lideranças religiosas faze parte dos mandamentos do senhor; uma comunidade que persegue, humilha ou tortura os que pensam diferentes ou grupos de minoria e que teve na escravidão humana sua concordância, omissão ou participação em toda história mundial e depois vem falar de governo dos justo...Como pode isso?
        Como pode haver um governo de justos se a base para tal governo é justamente a utopia (negando ou demonizando a natureza humana), a ganancia, mentiras e a distorção dos fatos para manter um povo alienado?
         Verifiquem nas condutas pessoais daqueles que em nome de sua própria crença religiosa defendem um “governo dos justos” e provavelmente encontrarás o oposto do conceito de justiça e retidão. Apenas interesses pessoais ou grupais serão notados.
       Enquanto estudiosos, legisladores e pessoas de diferentes classes sociais tem dedicado suas vidas em todos os cantos do mundo e até vieram a serem assassinadas nos últimos milhares de anos com o objetivo de aperfeiçoar as relações sociais entre os povos e tornar o mundo um lugar melhor para se viver, tem tantos outros que estão o tempo inteiro querendo levar nações inteiras para um abismo profundo, onde em estado vegetativo e operando no modo zumbi as pessoas viveriam eternamente adorando a um ser surreal, matando e morrendo em nome dela e ainda ousam chamar isso de “governo dos justos” ou sociedade perfeita!
        Que absurdo! Parece que estamos regredindo 2 mil anos atrás na história cada vez que um congressista atual deseja um governos de modo. Parece filme de ficção cientifica! Algumas pessoas parecem estar em estado eterno de transe, tendo dificuldade em diferenciar o mundo em que se vive e o mundo das fantasias de sua fé. Um sujeito desejar um governo em que o deus de sua crença sente em um trono e governe somente para si e para o seu grupo e castigue as demais crenças e etnias, é quem sabe a pior atitude infantil que um adulto crescido possa vir demonstrar.  
       Alguma vez, em qualquer época ou lugar da história alguém já viu deus algum, de religião alguma sentado no trono governando um povo em favor do povo? Claro que não! Quem senta no trono para julgar e oprimir o povo (e sentir-se como um deus) é justamente aqueles que criaram e mantém ainda hoje a ideia desse mesmo deus em atividade. São os que tiram sua fonte de renda e poder em cima de uma ideia enraizada no inconsciente coletivo que defendem fortemente essa ideia de teocracia, ou aqueles que tendo suas consciências cauterizadas pela repetição cotidiana do absurdo deixaram de fazer uso de suas faculdades mentais.
        Será que se que se houvesse um deus poderoso, justo e soberano com todas as características surreais a ele atribuída por seus súditos, acham que ele iria pedir licença para governar ou dar jeito nesse pais? Claro que não! Iria fazer sem nossa permissão por que sua sede de justiça o impeliria a isso!
        Acham que seria necessário da sete voltas no congresso e tocar 7 vezes o chifre de um carneiro para ele atender a um clamor de um povo injustiçado e sofrido? Claro que não! Nem seria necessário pedir nada nem fazer papel de trouxa. Ele saberia o que fazer.
        Acham que se houvesse mesmo um “deus de responsa” ele iria deixar que acontecesse toda essa “cachorrada” que vemos bem embaixo dos seus narizes todos os dias utilizando-se do seu nome? Claro que não! Até um deus de mármore frio, nos confins gelado universo já teria se “derretido” com o fervor incessante daqueles que clamam por eles todos os dias enquanto servem de massa de manobra e fonte de riqueza e poder para os que vendem a ideia de um deus irado.
       E se por acaso se deus realmente sentasse num trono para governar, acha que seria em seu favor ou em favor de seu grupo? Claro que não seu bobo!  Vai crescer bebezinho! O que te faz pensar que um deus adotado pelo seu povo mas que fora plagiado de outras culturas e subdividido em várias oligarquias ao longo dos séculos iria servir de marionete justamente pra você e os desejos medíocres do seu grupo? Antes de propagar a ideia de um deus justo, veja no dicionário primeiramente o sentido da palavra justiça e verás que atitudes egocêntricas e infantis não combinam com esse termo.
       Não esqueça que se houvesse a materialização de um ser realmente justo e poderoso, o primeiro ato dele seria o de por uns pingos nos “is”, em todas as religiões, inclusive na sua. Ele sendo justo não teria favoritismo a ninguém, cortando pelas raízes os desejos infantis e egoístas que cada um apresenta em particular em suas orações.
       Se houvesse um deus justo, você que defende seu grupinho de fé ideal seria o primeiro a levar um “pé na bunda” ou um “sacode pra vida”. Seus dízimos e suas ofertas seriam vomitados diante dele e suas bajulações diárias nas orações e louvores com o intuito de receber favores preferenciais ou de se esquivar de suas responsabilidades pessoais e sociais seria uma ofensa imperdoável a sua santidade. Você iria tomar uma bronca tão grande por essa ideia besta de se achar escolhido...ira ficar no “cantinho da disciplina” por um bom tempo!
        Nos mundo dos humanos “pecadores”, quem tenta subornar um juiz justo leva cadeia na hora! No mundo de fantasia dos “santos” as pessoas acham que com 10% de seus rendimentos e com falsas bajulações podem corromper aquele que dizem ser santos dos santos, reis dos reis e senhor dos senhores. É muita loucura pra uma mesma fé! Quem mais profana a ideia dos sagrados são os próprios “servos de deus”!
        Numa hora dessas, se um deus justo sentasse no trono para governar, uma das medidas emergenciais seria a de desfazer as ilusões e mentiras que a própria crença religiosa criou e se isso fosse mesmo possível, se realmente um deus qualquer chegasse para despertasse um povo, esse deus já não iria mais prestar, pois só presta aquele deus que diante de toda nossa insanidade não diz nada e deixa seus súditos fugirem da realidade o tempo inteiro como adultos que serão para sempre pessoas infantis.
       Nesse estado de eterna criancice, qualquer deus para ser realmente bom, tem de ser cego, mudo e surdo, por que se falar e dizer o que realmente deseja já deixará de ser bom...
       No desejo de um governo teocrático, as mais obscuras e profanas intenções podem estar escondidas. As piores crueldades já cometidas pelo homem para com o homem e para com a natureza em geral aconteceram justamente no período em que “deus” governava e ditava a “leis” aos seus servos. Existem várias formas de governo, e a teocracia foi quem sabe a pior de todas elas.
         Numa monarquia por exemplo, um rei senta num trono e governa. Na dinastia uma sucessão de pessoas da mesma família ocupam as funções de poder. Na república temos um presidente que assume o país. E na teocracia teríamos o que? Um trono vazio onde as pessoas irão apresentar seus problemas e obterem o silencio como resposta? Será que irão pagar 10% de seu faturamento mensal para não serem amaldiçoadas ou mortas de forma cruel por esse governante fantástico? Será que irão resolver todos os problemas sociais na base de ritos litúrgicos, línguas estranhas e profecias?
       QUE PALHAÇADA! Isso não existe! Em nação algum ou em povo algum que adotou a teocracia como forma de governo nunca foi visto deus algum governando, antes sim na maioria dos casos um montão de crápulas se escondendo atrás das “leis divinas” para se manterem no poder em nome da fé.
        E afinal, o que exatamente é essa tal da lei divina? Alguém já viu pessoalmente deus algum ditando ou escrevendo essas leis? Claro que não! Isso também não existe! Cada religião tem seu conceito de lei divina. Dentro das religiões cada denominação religiosa que surge também tem seu conceito próprio de lei divina e todas elas se atacam, se aniquilam, se odeiam e se destroem entre si...
        Qualquer um pode criar a lei ou doutrina que quiser e dizer que isso é uma lei divina e a depender de quem disse e em que lugar do globo a pessoa esteja inserido, essa “lei” será mantida, sacralizada, seguida e tornada como patrimônio cultural ou religioso de um povo. Ou poderá também ser eliminada e esquecida se não for proveitosa para a classe dominante. Praticamente, quase que toda “lei divina radical” tem como função principal imbecilizar um povo, tornando-os vítimas de um próprio conceito doentio onde conceitos mentais servirão de guardas para policiar cada movimento do indivíduo, prendendo-os, julgando-os e condenando-os automaticamente. Sistema que software eficiente, não acham?
       Outro fato interessante sobre essa tal de lei divina é que apesar de afirmarem categoricamente que deus não muda nunca, que ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente, podemos encontrar por exemplo em algumas das leis levíticas que dizem ter sido ditadas por ele, incitações ao estupro, a violência sexual, a escravidão, a torturas, ao genocídios e tantas outros atos desumanos. E quando perguntamos aos fiéis adoradores desse deus por que isso estar escrito como sendo uma lei divina eles logo respondem: “mas isso era no passado...era assim que eles entendiam a vontade de deus antes...”
       Como assim? pra um deus que não muda nunca, ele parece mudar de acordo com o local época em que ele foi introduzido em certas culturas, provando assim que “as leis divinas” não passam de uma invenção local para atender a determinados anseios e carências populares, ou para tornar mais fácil a domesticação de um povo conquistado.
        Mantem os infiéis! Essa é uma das principais leis divinas desde os tempos bíblicos, passando depois para o cristianismo e agora adotada como bandeira por alguns grupos mulçumanos.    Lembrando que infiel é sempre aquele que desconhece ou discorda do deus que estar sendo apresentado no momento.
       Até quando viveremos assim? Até quando teremos na infantilidade nossa base de reino ideal? Até quando iremos nos apegar a seres do imaginário coletivo esperando soluções reais para as relações humanas? Até quando desejarmos...
      Cada um pode em si mesmo encontrar essa resposta, “resetar” seu sistema operacional e sair da ficção e buscar soluções reais para problemas reais. Ou pode também passar a vida inteira terceirizando responsabilidades.
       É normal que até os 12 anos de idade uma criança comum acredite em certas fantasias, e se passar dessa fase acreditando nas mesmas coisas de crianças irão chama-las de retardadas. Agora um adulto passar a vida inteira tentando trazer pra vida real algo que só acontece em contos de fadas, isso ninguém acha anormal e quem questiona é duramente penalizado. A realidade é tão dura de ser encara por alguns, que jogar uma ancora no reino das fantasias é a melhor solução que encontram para nunca mais acordarem desse sono.
       Um brinde aos que conseguiram emergir do oceano da ignorância mesmo estando fortemente acorrentado pelas crenças opressoras!
       Saúde e sanidade a todos!
  • Emoções Estéticas

    emoçóes
    Por Vezes É Difícil Consagrar O Pensamento, Por Vezes É Difícil Quebrar A Solidão Libertar O Movimento Que Contem O Sofrimento, Por Vezes É Difícil Pegar A Tua Mão, Colocar Junto Ao Peito E #SentirOBatimento.

    Tudo O Que Acontece Na Plantação Fica Na Plantação.

    Eu sou Frágil… Sinto A Dor Mas Não Desisto, Sou Um Plagio Referido Pela Paixão Destinada A #TriunfarOImprevisto, Sempre Fui O Alvo Mais Requerido Pelo Desespero E Pelas Preocupações, Visto Isso Sinto-me Obrigado A Aprisionar-me Nos Lugares Mais Sagrados Dos Meus Privados Universos, Onde Os Mais Perversos Parasitas Da Tirania Não Têm Direito A Realinhar Os Traços Das Suas Notificações, A Vida Não É Fácil Nem Justa, O Monstro Que Muitos Fantasiam Ser Não Me Assusta, Eu… Estou Aqui Para Libertar-te Da Obscuridade Que Perpetua Sobre O #AmargoPassado, Interagindo Com O Teu Espaço Como Um Astronauta Sufocado Pela Contradição Insanável Que Destroça A Esperança De Um Paraíso Do Qual Fui Dispensado, A Contaminação Entre O Corpo O Espírito E A Alma Foi Valido, Restaurei As Vidas Quebradas Pelo Efeito Domino Que Jornaliza A Ignorância Das Mais Básicas Leis Que Governam A Realidade, A Paz É A Ilusão De Uma Visão Desfocada É Uma Luta Contra A Nossa Radicada Intelectual Diversidade, A Tua Existência Tem Importância, Quando Sentires A Síndrome Da Insignificância Lembra-te Que És A #ElementarSubstância, És A Fonte Criadora Que Faz Fronteira Com O Meu Futuro Ancestral.

     Desculpem Mas… A Maioria Destes Túmulos São De Jovens Que Falharam Em Disciplinar A Comportamental Carpintaria Teatral.

    Se Não Aconteceu No Meu Estado Atmosférico, Eu… Não Interdito, Criticam O Que Está Errado Tendo Sempre O #PreconceitoSubscrito, Ganho Mais Em Prestar Crédito Aos Obstáculos Que Depois De Ultrapassados Vitalizam O Meu Estado De Espirito, Eu Não Tenho Tempo Para Rir, Tenho Contas Para Pagar, Represento Uma Tendência Em Evolução, Eu Não Estou A Competir Eu Estou A Dominar, 27 Rounds Com A Vida E Ainda Estou De Pé, Kudza Salva O Amor Aguarda Um Segundo E Depois Salva O Mundo, Enquanto Muitos Investem No Prejudicial Eu Escolho A Fé, Parece Que Estamos Todos A Ser Pagos Para Seguir A Direção Do Mesmo Pensamento, Tu Englobas As Respostas Para Todas A Perguntas A Meia Milha De Profundidade Perto Da Láctea Que Ilumina O Ridicularizado Esquecimento, É Difícil Ver Todas Essas Almas Deformadas Pela Continua Tentativa De Vir A Encaixarem-se No Padrão, É Difícil Ver Elas Trancadas Em Cemitérios De #VelhosRelacionamentos, Onde O Amor Não Passa De Um Fantasma Que Entra E Sai Das Suas Campas Como Uma Sucessiva Aparição.

    Apenas Para E Ouve… De Todas As Vidas Que Já Tive O Teu Nome Foi A Única Coisa Que A Minha Alma #NuncaSeEsqueceu, Primeiro Saltas E Depois Aprendes A Voar Foi Assim Que O Plano Do Klan Apareceu, Tu Não És O Avatar Que Crias, Tu És A Experiência Que Regula As Fotografias Dos Nossos Surrados Dias, És O Edifício Das Ideias Ainda Não Estruturadas No Sistema Que Concluem O Ciclo Das Minhas Pessoas Excepcionais, Os Olhos Disparam Uma #SegundaTrajetória, Que Flui Sobre O Limiar Dos Escurecidos Horizontes Mas A Mente… A Mente Caminha Sem Preocupação Aspirando O Rancor Da Memória Porque As Consequências Das Aventuras Vêm Em Faturas Dimensionais, Os Movimentos Interdisciplinares Que “ilegalmente” Combinam Novas Ideias, São Perseguidos Pela Trágica Decadência Da Cultura, Sei Que Não É Uma Nova Ideia Mas… Legalizem As #PlantasMedicionais.

    Se Não Estás A Criar Estás A Desintegrar-te Com Os Mesmos Argumentos Que #VeneramAPobreza Através Dos Meus Sofrimentos, Eu Sou A Sombra Opaca Que Rompeu A Solidão E Conquistou A Bruma Mental, Tombei Da Árvore Genealógica Ultrapassei Os Limites Das 4 Liberdades E Dei Inicio A Greve Ancestral, Jamais Conseguiras Correr A Minha Corrida Com Essa Personalidade Desnutrida, Certas Personagens Observam As Superfícies Sócias E Criam Uma Obra Que Não #ConseguiráTriunfar, Viemos Todos Do Céu Mas Nem Todos Voltaremos, Eu Sou A Propriedade De Deus Que Tu Nunca Poderás Censurar, Ainda Assim Sou Constantemente Abatido Pelas Imperfeições Das Perturbações Sugeridas Pelas Interrogações, Das Palavras Desnaturadas Que Procuram Pela Própria Identidade, Acabei Por Paralisar Todo O Carácter Entusiasmado Pelo Irrealismo Que Evidencia A Mesma Falsidade, É Como Se Eu… Tivesse #EjaculadoPrecocemente Sobre A Vida Engravidando A Morte E Agora Não Consigo Sair Da Cama Com O Karma, Ouve-me Esse Corpo É Apenas Um Degrau Na Nossa Existência, Aconteça O Que Acontecer Aguenta A Pressão E A Critica Procurado Progredir Perante A Violência. 

    Não Sejas Mais Um Homicida Sobre A Vida Oprimida.

    Eu Sou O Resultados Das Consequências Interligadas Por Um Conjunto De Manobras Destinadas A Respirar A Reanimação Sobre Todo O Coração Adormecido Pela Falta De Oxigenação Moral, Enquanto Os Leigos Falam E Generalizam O Acidental, A Gente Perdoa Os Anormais Que Ainda Procuram Descobrir A Razão Para Qual Nasceram, Valoriza A Tua Dor E Desperta O #AnimalImortal, Perdemos O Emprego Mas Não Perdemos A Luta Porque Os Que Nunca Desistiram São Os Que Sempre Venceram, Simulo E Prático O Desconfortável Até Alcançar O Inexplorado, Sei Que Não Passo De Mais Um #EspectadorTreinado Para Ouvir Vozes Que Sondam Por Pretextos Para Confundir A Felicidade E Despertar O Ser Mal Humorado, Poderia Facilmente Absorver A Negatividade E Tornar-me Obcecado Pelos Pecados Que A Realidade Não Consegue Converter, Mas Escolho Em Não Suster A Verdade E Dizer-vos Que Nós Somos O Maior Milagre Que A Natureza Alguma Vez Criou, Nós… Os Artefactos De Alta Dimensão Que O Próprio Ser De Distanciou, Fomos A Diferença Transformadora Que Privilegiou O Primeiro Pensamento Que Levou Deus A Combater O Seu Amor Até As #RaízesDaCriação, Eu Não Estou A Viver Pelo Momento Eu Estou A Viver Para Reembolsar A Glória Que Reanimou O Alicerce Da Minha Motivação.

    Esse Corpo Humano Nem Parece Que Tem Um Ser Humano Dentro Dele, Estou Trancado Num Mundo Onde As Desconfianças Estão Descritas Pelo Tom Da Minha Pele, Não São Os Inimigos #SãoOsMedos, Os Segredos Que Um Sorriso Esconde, Da Mesma Maneira Que Esconde Um Palavrão Desejoso Para Descarregar Um Insulto, Não São Os Inimigos São Os Medos, Os Segredos Produzidos Pelas Faíscas De Simpatia Que Reagem Mediante As #ReacçõesIndividuais Deste Meu Ser Inculto, Eu Tenho Amor Para Ti Mesmo Que Duvides Da Minha Pessoa, A Decisão Em Mentir Falhou Em Restaurar As Vidas Quebradas Pelas Emoções Estéticas Da Tua Pessoa, A Melhor Vingança É Um Tsunami De Sucesso, As Publicidades Que Veneram As Vidas Através Da Miséria Protegem A Imagem Como Um Espesso Nevoeiro De Gesso, Só Estou A Espalhar Esse Amor De Forma A Deixar O Teu Vazio #MaisAliviado, Os Meus Antepassados Colocavam As Mulheres No Trono, As Leis Mais Básicas Da Ignorância Dizem Ser Inapropriado, Valorizar O Teu Ar Gracioso E Levemente Provocante Quero Despir-te Essa Camisa De Forças E Libertar-te Do Abandono, Porque As Ideias De Imperfeitas Relações São Onde Eu Mais Me Apaixono. 

    Mais Um Drama Reencarnado Que Não Tem Filtros Mas Tem Rumo.

    Kudza- Se A Maioria Das Pessoas Não Mostra Nenhum Interesse Pelas Suas Vidas, Porque Que Eu Tenho Que Dar #SeguimentoAParódia, É Como Acordar E Aperceber-me Que Não Passo De Mais Uma Obra De Arte Sem Humanidade, Que Perdeu A Visão A Esperança E Começou A Reclamar, Mas Eu Sei Quem Não Sou, Sei Que Essas Religiões Não Vão Mais Longe Do Que Um Livro, Trocando Um Problema Por Outro Com A Intenção De Transformar O Impossível Num Ato, Mas O Impossível Será Sempre A Tua  Opinião, A Minha #PressãoInterior É Muito Maior Do Que A Pressão Exterior, Quando Me Sinto Deformado Pela Recetividade Do Público Que Favorece As Delícias Da Auto-Destruição, Vou Para Casa Lambo As Feridas E Estou De Volta, Apenas Lembra-te Sempre Que Te Encontrares Em Vésperas De Um #TremendoRetrocesso, Alguém Disse Que “É Preciso Ter Visão Para Poderes Ver Olho A Olho Com A Verdade” O Combustível Produzido Pela Tua Alma Nunca Poderá Vir A Ser Reduzido Em Objetos, Que Facilmente Podem Ser Aniquilados.

    Senhor, Estou a Enviar-te Companhia.
  • Ensaio auto analítico sobre Id e não Poder – ou “Nietzsche, Freud e Sócrates entram em um bar...”

    As ideias vêm, vão e voltam; mas a impotência é a mesma. A vitória do Superego sobre o Superman. Quanto esforço é necessário para tornar-te quem tu és? Como saber se é o isso ou o ego falando? As ideias vêm e vão – isso é mais forte do que eu! Mas se penso, não falo, não faço, logo não existo, desisto... E se insisto, me vejo perdido entre a Vontade (de Potência) e a inabilidade que me estapeia a cara.
              A resposta: Conformismo ou esforço? Trabalho ou inércia? Negativo, Reativo, Passivo ou Ativo; de que adianta, se o pé não encontra chão onde pousar? Esforço compensa ignorância? O que vale mais: a intenção ou a atenção? Ser dedicado não significa ser hábil, tão pouco hábil significa ser sábio. (Ouço uma voz: “Eis que te apanho, niilista!”). As artimanhas da linguagem – velha embusteira! Me convêm, me confortam, me iludem a ponto de não querer mais ser o que tendo à me tonar; o que já sou agora, basta. O jogo de palavras, pois, é a expressão linguística da razão inadequada.
              Detesto admitir que me entreguei... E apelei covardemente à retórica, o botão vermelho dos fracos. O Escravo transvestido de Senhor. Sou um anão na terra de gigantes, escalando seus membros montanhosos, fincando minhas garras em migalhas de Poder. Finalmente, no cume do colosso, a vista é melancólica; pois evidentemente nunca a conquistarei. A não ser que... Me atrevo? E se esta vista, que tanto seduz, não fosse a real? O segredo para ser o rei do mundo, é moldá-lo – por exemplo – do tamanho ideal para um anão e inconveniente para um gigante. Quanto mais gênios, menos gênios – o extraordinário ordinário. A verborragia é mascara, não aquela que cobre a cara, mas a cada momento fala – sem palavras...
              Não me tente – exclamo ao superego – com esses valores superiores fantasmagóricos. O fato é que estou fraco, mas não sou escravo de ninguém (isto vale para você, Ego corrompido). A afirmação virá. Sim! Triunfante. Não obstante, não me resta apenas ambicionar esperançoso. É na guerra que se encontra a paz – existe o poder de curar mesmo no ferimento... AMOR FATI.

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222