person_outline



search

filosofia,

  • Um texto qualquer de alguém com crise existencial

    O que é vida?

    Talvez seja apenas um amontoado de merda que acredita em algo que a engrandeça,á apotese,que coloque significado
    no que não possui significado, não que isso seja necessário, porem aliviante a suas dores, como tentar explicar a morte
    com uma outra existencia, "Ele foi para um lugar melhor" ou talvez tenha virado comida de verme... a morte é simplismente
    a morte, tentar dar significado a ela é irrelevante, já que ela marca o fim de uma vida seja ela de uma criança, ou
    de um idoso,não se pode dizer que a vida é justa ou cruel, a vida é a vida assim como a morte é a morte, dar-se a parecer
    que estas palavras são antonímos mas na verdade são no fim sinônimos,a vida origina a morte e a morte origina a vida,
    há uma correlação entre elas, é impossivel morrer sem estar vivo e é impossivel estar vivo sem saber que um dia irá morrer
    pense em uma mãe em uma gravidez de risco, que prefiriu o filho á propria vida, sua morte deu origem a uma nova vida
    a de seu bebê, 10 anos mais tarde esse mesmo "bebê" agora um adolescente morre vítima de um assalto,(QUAL O SENTIDO DISSO!!!?)
    a vida agora deu lugar a morte, seria errado julga-la por parecer tão má?Ou estamos apenas olhando pelo lado errado?
    o que haveria por tras disso, um fator divino que explicaria tal ocorrido como "sua tarefa estava cumprida" ou apenas
    uma casualidade da vida?O que está por tras de nossa existencia Deus ou o acaso???

    Eu mesmo cético,realmente cético mesmo! Estou inclinado a acreditar em Deus, não por que fui criado em um meio que já
    acreditava nele e que o me apresentou desde pequeno, mas no fundo eu sinto que é a única coisa que conforta minha
    mente em situações de alvoroço, que justifica a minha vida e minha morte, como a dos outros, tenho medo de um dia morrer e ser
    esquecido,deixado de lado, mas do que isso tenho medo da morte, uma criança já está suscetivel a morte, imagino eu...
    o que afinal fez com que aquela criança morresse e não eu? Uma criança pura, inocente, maculada apenas pela sociedade em uma
    camada bem baixa, que não chegou a viver, e eu putredo em alma e consciência ,conhecedor do pecado e deste praticante.
    Aumenta mais ainda meu medo da morte, pois sei que ela nunca bate na porta, e te mata de qualquer forma!

    A "ela" se chegar a ler isto, por favor me mate em sigilo, e de preferência dormindo!

    E se não for pedir muito, que ninguem me veja morto.


    Carta para a vida.
  • UMA MISSÃO IMPOSSÍVEL!

     A ideia de um deus comum a todos encerraria todo o sonho de grandeza do homem primitivo representado pela figura de um deus pessoal ou grupal!
    *Por Antônio F. Bispo
      Qual é a graça de alguém “ter” um deus que que todo o mundo “tem”? Qual o sentido de venerar um deus que está sendo adorado por todos os habitantes do planeta? Como sentir-se especial diante de um deus ordinário que se tornou comum e acessível a todos? Como pedir a morte e aniquilação dos inimigos para um deus justo, senhor de toda a terra e que vê a todos por igual sem ter ninguém ou nenhum grupo acima de outros? Assim não dá, né?
      ISSO NÃO TEM GRAÇA, NÃO TEM SENTIDO E NÃO É PARA ISSO QUE SERVEM OS DEUSES!
      Os deuses tem como função primordial inflar o ego humano fazendo que aquele que o “tem” se ache diferente e especial mesmo sendo um mero e falível mortal como todos os outros. Um deus comum a todos desfaz esse tipo de fantasia.
      Os que defendem o ecumenismo acreditam que um mundo de paz e harmonia seria possível por meio da unificação de todas os credos e de certa forma isso é verdade!
      Se todos venerassem um mesmo objeto de culto não haveria motivo algum para conflitos religiosos cujos fiéis tentam a todo custo provar qual deus é o mais forte, o mais verdadeiro ou o que mais ama o “seu povo”. Também seria desnecessário essa imensa quantidade de líderes religiosos salafrários e dezenas de igrejas que surgem todos os dias nos mais diversos cantos do planeta cujo intuito único é o de lucrar com a ignorância do povo tornando cativo todos os que a eles se submetem.
      Nenhuma conquista em nome dos deuses seria necessária. A tentativa de conversão forçada ou velada, campanhas evangelísticas, vendas de bugigangas sagradas e tudo o que tem sido usado para propagar o “reino de deus” não teria validade alguma! Ninguém batendo à sua porta as 6 da manha de um domingo para te evangelizar, nenhum maluco pregando no metrô, ninguém te ameaçando de morte ou com o inferno por você não ter dado ouvidos quando ele pregava a “palavra de deus”, nenhum pastor enriquecendo às custas da ingenuidade alheia...pense numa coisa boa!
      Porém é necessário lembrar que o ecumenismo tira a ideia de exclusividade e entre a ilusão de ser exclusivo e especial de um deus e paz real universal, a primeira opção será sempre a escolhida.
      Os que procuram a paz “baixam a bola” negociam suas posses e territórios, perdem aqui, ganham acolá, calculam custos e benefícios antes das ações e procuram meios diplomáticos para resolver seus conflitos. Usar a força e a violência somente para a defesa, jamais para o ataque.
      Os que almejam a guerra constroem deuses, “ouvem” suas vozes, fecham-se em suas bolhas (igrejas, templos, ritos) e fazem tudo o que eles “mandam”. Os deuses sempre mandam perseguir ou aniquilar os infiéis, ou seja, todos os que discordam dos “mandamentos deles”. Todos os deuses estão sujeitos a burrice, a ignorância, a insanidade e a estupidez humana, pois do ego eles são gerados e para alienação coletiva eles são conservados. Os deuses são como doces e presentes para adultos birrentos, infantilizados, que se recusam a crescer, que desejam tudo ao seu redor apenas para si e que se recusam a compartilhar o mundo e o que nele há com outras criaturas viventes. Os servos dos deuses geralmente são pessoas sensíveis, que não aceitam um não como resposta, e acham que todos devem “comprar e usar” a mercadoria que eles vendem. Tirar o mundo das trevas é o que eles pensam que estão fazendo, mas o oposto disso é o que prevalece!
      É imprescindível aos que acreditam nos deuses que seja mantido a ilusão de favoritismo individual ou grupal em relação ao ser venerado, geralmente visto como deus supremo, criador de todo universo, etc e tal.
      A lógica é que se você serve ao deus todo poderoso e criador de todo universo, parte desse poder lhe é concedido para converter ou aniquilar quem se opõe a ti. A verdade deve prevalecer segundo os tais. A verdade é sempre algo isolado, escolhida a dedo, aquilo que eles escolheram para ser. Toda religião, igreja ou grupo tem seu cardápio de verdades. Algumas fica a critério do fiel escolher, outras pela imposição “de deus”. O ecumenismo desfaz essa ideia e tira esse doce da boca do adulto mimado ao anunciar que deus ama a todos por igual e todos seriam especiais aos seus olhos.
      O TESÃO DA FÉ acaba aí! Não tem coisa mais broxante do que isso!
      Todo fetiche de um crente acabaria ao saber que deus “pega a todos” e aceita a todos por igual modo. Deus e o paraíso são coisas que não devem ser divididos com todos, afinal é mais prazeroso a saber que o outro vai para o inferno do que imaginar a possibilidade que você vai para os céus, não é mesmo? A fé mascara todo esse sadismo.
      O ecumenismo desagrada por que tira a “privacidade e intimidade” de um crente para com o seu deus. Como se exclusivo de um amante que se declara a todas e trata a todas com igual afeto e galanteio?
       Todos os fiéis buscam a “liberdade de expressão religiosa”, ou seja, o direito de fantasiar-se com os deuses e agir conforme a vontade “deles” sem ser diretamente punido pelo estado quando infringirem algumas leis ou quando forem imorais, inconvenientes, insuportáveis e desrespeitosos com outros durante o exercício da crença que professam.
       O estado precisa garantir que a essa fantasia seja resguardada e que ao interpretar um papel nesse teatro macabro, o figurante esteja dentro da legalidade, mesmo quando a imoralidade e a insanidade prevalecerem. O ecumenismo isso.
      Na teoria quase todo fiel defende a teocracia, ou seja, um governo onde deus iria reinar sobre todo o globo trazendo justiça e paz a todos os homens. Na prática isso seria inadmissível, pois o único lugar onde deus deve governa é no mundo da imaginação, pois assim cada um continua sendo senhor de si mesmo, vivendo em função do próprio ego ou das ilusões do grupo.
     É fundamental que a lógica, a razão, o bom senso, a moralidade, a justiça e a igualdade jamais sejam postas lado a lado quando se trata dos ritos religiosos e nem que os feitos dos deuses registrados nos “livros sagrados” sejam analisados sob um perfil ético. Isso fere a crença, isso macula a imagem deles. Seus feitos e ordenanças estão sempre manchados de sangue inocente.
      Quando se trata dos deuses e dos seus feitos, é um crime mortal colocar em paralelo a fantasia com os fatos. Todos os deuses morrem diante de tais constatações. O estado tem de garantir tais direitos, penalizando inclusive com morte os que tentam trazer à luz tais constatações por meio da ciência, dos argumentos e da razão. Tem sido assim desde sempre!
     Todos os pontos confusos, não entendidos ou impossíveis de serem provados devem ser absorvidos por todos como um “mistério da fé”! Deve ser aceito de bom grado pelos “bons” e imposto à força aos “maus”. O estado também tem se encarregado disso há milênios. 
       Os deuses só tem sentido e “serventia” por que na concepção socialmente aceita a respeito deles, eles podem ser usados como, quando, onde e do jeito que o usuário quiser, principalmente se for para propósitos nefastos, pessoais e egoístas. Um deus para benefício coletivo fere o ego de todos os que deles “dependem”
       Pastores, padres, missionários, youtubers e todos os que ganham a vida pregando um deus pessoal ou confabulando teorias de conspirações diversas ficariam desempregados com a possibilidade de um coletivo.
       O ecumenismo traz a ideia de uma padronização de deus e do modo como acessá-lo. Isso tira toda a “mágica” que há nos deuses e o motivo pelo qual muitos se acham especiais deixaria de existir. Em muitos casos os deuses são como roupas intimas, fétidas, cujos usuário tem fetiche em esfregar na cara dos outros e acha que o outro também curte ou tem obrigação de curtir tal perversão.
      A clava por exemplo, é um dos instrumentos mais primitivos já criado pela nossa espécie e que entre outras coisas tinha a função de subjugar o inimigo ou se proteger deles. Há milênios o homem desceu das árvores, saiu das cavernas, deixou as savanas, passou a habitar em sociedades e mesmo assim ele jamais deixou o seu porrete.
     Ele apenas o trocou por um tacape invisível. DEUS é nome dessa clava que serve para dar na cabeça dos outros e fazer com que o portador se ache superior aos demais. Os gritos de UGA-UGA, foram substituídos por “glória a deus”, “em nome de deus”, “deus está conosco”, “deus acima de todos” e tantos chavões sem sentido algum.
      A fé nos deuses é o braço que a manuseia e faz com que qualquer “homem das cavernas” tente intimidar os que lhe rodeiam, usando para isso instintos tão primitivos e predatórios, impedindo que outros conheçam o fogo, inventem a roda, a lança e tantas outras ferramentas que nos farão evoluir.
      Nos padrões atuais, para ter acesso aos deuses e usá-lo ao seu bel prazer é muito simples: basta ascender uma vela, fazer uma oração, fazer penitencias, pagar dízimos e oferendas diversas e pronto! Eles estarão ao seu dispor.
      Se fossem reais, todos os deuses seriam o exemplo máximo da corrupção! Seriam seres imorais, sem honra e sem caráter algum. Seriam o pai de todos os mercenários e milicianos. Seria o exemplo máximo da desonestidade e da bestialidade. Seriam os promotores do caos!
      Você tem problemas com seus vizinhos ou colegas de trabalho? Pra quer conversar? Para que procurar uma solução que beneficie a ambos? Ore, busque e oferte algo a deus e peça para que ele os mates, humilhe-os ou mande-os para bem longe de ti. É para isso que serve eles servem!
      És descuidado com o seu corpo, com a sua aparência, com a sua higiene pessoal, te falta bons modos e mesmo assim desejas um parceiro culto, fino, educado, sarado e que fará inveja a todos ao seu redor? É simples! Basta orar, ler a bíblia, frequentar uma igreja e “servir a jesus”, entregar tudo nas mãos dele e o resto ele fará (é o que dizem)!
       És preguiçoso, não gosta de estudar, nem de trabalhar e deseja ter sucesso em tudo na vida? Basta investir seu dinheiro na casa de deus, principalmente em campanhas de prosperidades que tudo se resolverá (é o que dizem)! Outra opção mais rentável ainda é se abrir uma igreja numa periferia. Dá uma boa grana!
       Se interessou por uma pessoa comprometida e não está nem aí se vai destruir o lar ou a família desta? A luxuria é sua meta de vida? Quer ser visto como um garanhão ou como uma cadela no cio pegando tudo e todas?  Não se avexe! Os deuses também tem essa serventia! Seus problemas estão resolvidos! Faça uma simpatia com roupas intimas sujas, invoque a pomba gira, entregue despachos nas encruzilhadas, faça um pacto com deus ou com o diabo pedindo a morte do conjugue daquela pessoa que “atrapalha” a sua vida ou simplesmente peça para que ele fique “arriado por ti” e tudo vai ficar bem!   Sem culpa, sem vergonha, sem medo e sem peso na consciência, afinal, você negociou com os deuses e eles te ouviram, não foi mesmo? Sem tem algo de errado nisso, o problema é deles e não seu! Afinal, você encomendou, pagou pelo serviço e eles executaram, se há um culpado e imoral nessa história, são eles e não você, não é mesmo? Apenas relaxe e desfrute a “benção que deus te deus”.
      Se você é um líder religioso, um crente fervoroso que aparenta ser gente boa e mesmo assim que “comer” todos(as) na igreja sem sentir culpa sem ser julgado pela própria consciência?  Basta pedir perdão a deus toda vez que aprontar e ele perdoará os seus pecados, não é mesmo? E ao orar e falar em “línguas estranhas” você prova para você mesmo e para os outros que deus te perdoou e que o espirito dele não se afastou de ti. No outro dia faça tudo de novo! É pra isso que serve o infinito perdão do senhor...
      Se ao fazer isso for descoberto, separou casais, arruinou famílias inteiras e mesmo assim precisa pagar de santo pra manter sua carreira e seus rendimentos, tudo que precisa é ser um bom ator, um cara de pau dos infernos! Ponha a culpa no diabo, diga que deus tem um plano lindo em sua vida e que o diabo tentar te atrapalhar colocando homens, mulheres e até crianças pequenas para te “seduzir”. Os crentes gostam de ouvir esse tipo de desculpa. Deus perdoa, eles também perdoam e ficam tudo bem, não é mesmo? Que lindo essa comunhão dos santos!  E para isso que serve os deuses!
      Pois é... Isso só é possível se a liberdade das crendices permanecerem do jeito que sempre esteve. Com vários deuses e fieis concorrendo entre si para ver quem ganha essa disputa insana, onde a paz, a segurança e a harmonia de todas as vidas do planeta estão em sempre ameaçadas por essa ilusão de favoritismo celestial, de um deus que a tudo entende e a tudo perdoa (só não perdoa ateus e crentes que se rebelam contra os abusos de seus líderes).
      Se houver um padrão mundial de um formato deus e do modo como as pessoas devem acessá-lo toda essa fantasia acaba.  Para um “crente verdadeiro”, não teria sentido algum a veneração coletiva a um objeto de culto de alcance mundial.
       Enquanto estivermos com porretes (deuses) defendendo instintos tão primitivos, a possibilidade de uma sociedade mais justa será sempre adiada para depois de amanhã!
       REVEJA SEUS CONCEITOS! Deixe que os deuses se resolvam entre si. Que defendam a própria honra e conquiste seus próprios espaços. Afinal eles tudo podem e se não o fazem é por que não querem. Nós, meros mortais “falhos e pecadores” com vida e corpos tão limitados, podemos nos ajudar uns ao outros para construção de um mundo melhor e mais harmonioso.
    Pensem nisso! Saúde e sanidade a todos!
    Texto escrito em 16/8/20
    Essa é a ultima das partes de 3 textos sobre ecumenismo publicado nos últimos 30 dias.
    *Antônio F. Bispo é graduando em jornalismo, Bacharel em Teologia, estudante de religiões e filosofia.
  • Uma não ode ao que vivo.

    Estou aqui em uma banheira com água quente;

    Nela penso, vivo, discorro.

    Estou aqui em uma banheira com medo da perda de um ente;

    Nela penso, vivo, morro.

    Por que tanto valor a Ciência?

    Ela nunca me deu nada! A não ser a

    opinião pública de insensatez...

    Quero voltar a um conto de fada! Desejo,

    e como desejo, voltar à estação da estupidez...

    Voltando à estupidez, talvez eu não morra.

    Oh glória! Seria eu eterno!

    Voltando à ignorância, talvez a banheira não exista

    Pelo amor de Deus! Deem-me ao menos um inferno!
  • UMA PLATÉIA, UM VENTRÍLOQUO E O ESPETÁCULO SOBRE O DESTINO DOS HOMENS

    Você não é obrigado a permanecer nesse show!
       O que deus é capaz de fazer em favor da vida de alguém que segue os “seus mandamentos” ou habita em “sua casa”?
       ABSOLUTAMENTE NADA!
      A recompensa que os homens “obtêm” em “servir a deus” não provem de deus algum, antes sim é obtida por meio da satisfação dos crédulos que comungando da mesma crença e retribuem com “afeto” e métodos de aprovação diversos todos quantos seguem os ditames da mesma religião. A percepção da aceitação pública imediata por fazer ou não fazer algo imposto pela irmandade dos crédulos faz com que o fiel atribua esse fato como se fosse algum tipo de gratidão divina para com o servo obediente.
       Se o líder ou grupo estar feliz, logo deus estará feliz! Assim pressupõe o ser domesticado pela fé. Desse modo, mesmo à contragosto o fiel viverá uma vida contrária à sua vontade ou em constante conflito com a própria natureza humana em função de “servir a deus” nos moldes como o grupo qual estar inserido interpreta deus e sua vontade.
       Um fiel que estraga a própria vida “servindo a deus” fará de tudo para estragar a vida de outras pessoas “mundanas e sem deus”, pois o único meio de não se sentir confuso mediante a servidão é vendo todos ao seu redor “servindo a deus” de igual modo.
        A vida livre e estabilizada de uma pessoa “sem deus” é a pimenta que faz sangrar os olhos de um servo subserviente que apesar de tanta servidão vive à beira de um colapso interior ou da visível miséria exterior, pois apesar de tanta “fidelidade” vivem de modo indigno, com uma vida confusa, monitorada por mil demônios, supervisionados por um deus irado ou observados por uma irmandade fofoqueira, constituída de policiais do pensamento e da vida alheia, que observam a tudo e a vida de todos como se isso fosse algum tipo de virtude, esquecendo-se de viver suas próprias vidas. Uma polícia da qual também este mesmo ser faz parte e ajuda a manter, e por maior que seja o afago do líder e o reconhecimento do grupo, a vida livre e equilibrada de quem vive fora dos currais da fé será sempre uma ofensa, gerando um desejo profundo de conversão ou extermínio daqueles que cuja liberdade lhe fere os olhos.
       Um cão de rua ou qualquer, ou outro animal domesticado pelo homem também é capaz de perceber a gratidão humana quando executam tais comandos e por isso procuram se comportar do modo que seus treinadores esperam para receber afagos e alimentos. Os cães não tem religião, mas se fossem tão “inteligentes” como o homem para perceber a “profundidade” desse método de castigo/recompensa, já teriam fundado uma crença religiosa há séculos, porém mesmo sem religião alguma, eles fazem o que a maioria de nós fazemos diante dos líderes espirituais em troca de um afago barato e um reconhecimento público.
      Gente boa, gente de bem, cidadãos dos céus, eleitos de deus, filhos da promessa... esses são os principais “biscoitos” que os adestradores religiosos jogam para os mais obedientes depois lhes dar comandos como ajoelhe, ore, adore, obedeça...
       Nem deus e nem a igreja não são capazes de colocar no homem princípios morais para que esse venha viver em harmonia social. A ideia de deus e o domínio da igreja são capazes de emburrecer qualquer indivíduo pela domesticação em troca de afagos efêmeros e isso por si só, faz com que os maiores atos de burrice e insanidade sejam cometidos todos os dias em nome da fé!
       Princípios morais são atitudes inteligentes de seres inteligentes, que fazendo uso da razão procuram encontrar mesmo em meio ao caos, um caminho de harmonia para o bem da sua própria existência ou da existência coletiva. 
      Os poucos princípios morais que são ensinados pelas religiões que tornam a convivência humana mais harmoniosa, são anteriores à qualquer religião, pois não é a religião que cria a moralidade humana, mas o bom senso e a capacidade inteligente de perceber que se não houver limites e imposições entre os habitantes de uma mesma sociedade, o caos, a desordem e a barbárie reinará.
      A moralidade religiosa geralmente ensina aos homens vigiarem uns aos outros e delatarem uns aos outros em busca da punição alheia ou da própria gloria, ofertada pelo grupo ou pelo líder, tudo isso baseado nos conceitos dessa ou daquela fé, igreja ou líder religioso. A moralidade religiosa geralmente assemelha-se a um vaso de fezes fedidas embrulhadas em uma bela embalagem, cujo conteúdo só se perceber após a abertura do pote.
      A verdadeira moralidade faz o homem compreender que nós, apenas nós somos capazes de construir céus e infernos e que somente nós, apenas nós mesmos, somos capazes de neles nos inserirmos ou dele sairmos-juntos!
      O direito de uma pessoa começa onde o da outra termina. O simples fato de entender isso, faz com que qualquer rito litúrgico se torne nulo e que os homens se tornem deuses ou superiores a estes. A religião, porém, de modo geral, ensina a ignorar tais simples percepção e entregar tudo nas mãos de deus, para que ele resolva coisas que cabe a nós, somente a nós mesmos resolvermos.
     A percepção lúcida de como o animal humano se comporta no meio ambiente, retira dos deuses e demônios todos os seus poderes “criadores e destruidores” que a eles damos.
      Um ser inteligente, para o próprio bem, mesmo sem o auxílio dos deuses, procura viver de modo moral, respeitando o bem comum a todos. O tolo, “o religioso de carteirinha”, procura viver apenas de acordo com a “vontade de deus”, desrespeitando todos os princípios para uma sociedade civil organizada em busca do ego próprio ou da realização fantasiosa do grupo qual estar inserido.   
       A diplomacia nas relações sociais é sem dúvida a mais sublime de todas as habilidades humanas já desenvolvidas e estudadas, pois procura conciliar entre as sociedades locais, nacionais e internacionais meios cabíveis de convivência pacifica entre todos, considerando que entre uma sociedade existe os mais diversos tipos de indivíduos, incluindo os que “vivem para deus” e por eles estão dispostos a matar e a morrer se preciso for!
      O melhor retrato do caos provocado pela ânsia em “servir a deus” pode ser visto nos países do oriente médio desde os mais antigos tempos, onde um título inútil de um “crente qualquer” ou a companhia fantasiosa de um ser mistificado tem mais valor que a paz, individual, local ou mundial. Os tais são capazes de destruir o mundo real em que vivem, em troca de um mundo fictício, ofertado pelos vendilhões de ilusões e incentivadores do caos.
       Quanto aos que se recusam a “servir a deus”, o que ele é capaz de fazer contra quem não vive em sua casa e não guarda os seus mandamentos?
       ABSOLUTAMENTE COISA NENHUMA!
    Do mesmo modo que as “bençãos de deus” é obtida pela subserviência ao líder ou ao grupo, a não subserviência resultará em uma infinidade de atitudes furiosa da mente humana, ou seja do agrupamento dos crédulos. O homem pune e o homem recompensa os que “servem a deus” segundo os conceitos formulados pela religião.
     Deus algum pune ou beneficia quem quer que seja pois os deuses não existem! A sociedade dos crédulos é quem faz tudo parecer haver um deus no controle de tudo. A percepção de como tudo isso acontece é que produz os libertos, os “hereges”, os “profanos” e os que desafiam a todos em busca da própria liberdade ou da liberdade de muitos.
       Admitindo ou não, um fiel religioso é semelhante a um cão que fora domesticado desde cedo ou que fora domesticado depois de adulto e quem em troca de recompensa imediata ou com medo de um castigo vindouro, concorda em compartilhar de uma mentira universal, criando um mundo paralelo a um mundo real, mas sendo obrigado a ver o tempo inteiro que suas ilusões não funcionam e por isso temem a morte e a solidão, apesar de afirmarem possuir a vida eterna e a companhia infindável de um deus presente.
       Admitindo ou não, deus é apenas um constructo abstrato da mente humana assim como qualquer outro ser mitologicamente criado para fins específicos, existente em todas as sociedades do presente e do passado, cuja criação teve um princípio justificável ou aceitável para tal fundamentação, sendo o medo, a ganancia ou a ignorância os principais fatores para criação e manutenção dos seres metafóricos venerados como deuses.
       Assumindo ou não, a igreja se apropriou desse constructo social e somente ela por meio dos seus líderes e “pensadores” podem moldá-los como bem entender, de acordo com a época, local e nível cultural do povo que esse produto abstrato será ofertado.
      Mesmo que esse ser depois de tantos arremedos, venha se tornar uma figura contraditória, patética, cruel e monstruosa, os que tem domínio sobre os direitos autorais desse débil constructo, continuarão dizendo que o tal ser é santo, puro, verdadeiro, imutável e uma dezenas de outras qualidades virtuais.
      Um ventríloquo, por mais habilidoso que seja se precisa de um boneco e de uma plateia para que seu meio de vida subsista. Deus é o boneco do ventríloquo, cujos líderes manipulam e põe palavras em sua boca e que o faz cantar, dançar e agir. A plateia ensandecida, apesar de ver mexer a boca do ventríloquo e de que é este quem fala, concordam coletivamente que o boneco tem vida própria e a esse boneco obedecem e por esse boneco vivem, para que quando tudo der errado em suas vidam possam não assumir suas responsabilidades e mesmo assim serem aceitas por todos da plateia.
      Como em todo show, o ventríloquo recolhe para si os valores ofertados ao boneco diariamente, fecha as cortinas, encerra o show e vai embora para no outro dia, naquele mesmo local ou em outro, fazem o mesmo show para a mesma ou outra plateia. E assim a vida segue. Uma plateia, um ventríloquo e um boneco, tentando dizer ao mundo todo que o que o boneco diz naquele espetáculo deve ser seguido por todos os seres vivos e inteligente do planeta e fora dele.
       Para quem nunca estudou a história da igreja ou das religiões jamais saberá que deus é um ser em eterno processo de transformação laboratorial induzida, cujos geneticistas são os que hierarquicamente tem o poder de muda-lo e molda-lo de acordo com o grau de necessidade local. A exemplo da fé cristã, os mais de 20 concílios oficiais já realizados pela igreja católica desde o século IV e as milhares reuniões ministeriais anuais dos filhos desta (protestantes e evangélicos) decidem de que modo deus deve ou não atuar e quais poderes surreais devem ou não serem acrescentados ou explorados de região para região.
       Ele não é o produto de uma única mente, mas de milhares delas, de mentes gananciosas, corruptas ou amedrontadas que se unem periodicamente em ritos litúrgicos para ensinar a eles habilidades que nem ele mesmo (deus) “sabia” que possuía e funções que nem sequer sabiam que podia ser explorada. Por isso surgem igrejas de todos os tipos e gostos e mesmo sendo antagônicas entre si, o que vale é bandeira da divindade que dizem carregar.
        Até 100 anos atrás, poderíamos comparar a ideia deus a um grande Frankenstein, construído de arremedos de vários “corpos” e qualidades de outros deuses aos longos dos séculos. Hoje podemos compará-lo a um grande software que pode ser atualizado o tempo inteiro pelos programadores ou pelos usuários individuais (os crédulos), que continuam plugados ao servidor central (a igreja) e que ambos se atualizam mutuamente sobre as funções desse mega ser virtual, poderosamente inútil e inválido para resolver situações reais .
       Se este software chamado deus não for atualizado com frequência, ele fica obsoleto pelas ciências e tecnologias úteis e acessíveis a grande maioria hoje em dia.
       A mão que afaga e a boca que abençoa o homem por “servir a deus”, é a mesma que levantará contra este caso recuse a ser uma ovelhinha muda ou um cão obediente.
       É pelo homem que “deus” abençoa e por meio do homem que deus “castiga”. A fé nos deuses é o princípio primordial da opressão do homem pelo homem...
       CONTINUA...
  • UTOPIAS DE UM “POVO DE FÉ”

    Por que alguns insistem em afirmar que desejam ver deus governando essa nação?
     
        Como se fossem uma classe escolhida acima de todos os demais seres viventes do planeta, os que se auto intitulam como “servos de deus” ou “verdadeiros adoradores”, parecem viver a maior parte do seu tempo em um mundo paralelo ao nosso, distorcendo os fatos ao seu favor ou contra os “ímpios” a fim de manterem viva um estilo de crença auto anulatória que produz uma série de efeitos colaterais. Um dos mais graves e mais recorrentes é o de acharam que podem ter um deus particular para assumir suas responsabilidades via “pagamento mensal de comissão”.
      Segundo esses, nossa terra será sempre um “país de ímpio” ou uma “nação cristã”, só depende do contexto ou dos interesses pessoais-partidários de quem faz essa citação e do momento em que ela é citada. A mesma boca que diz que essa nação é do senhor diz também que esse povo jaz no maligno quando veem frustrada alguma tentativa de controle ou de coisas que consideram como um agravante a “santidade de deus”.
       Apesar de assumirem verbalmente a todo instante que deus é o senhor desta nação e que ele é justo e incorruptível, pelo modo que expressam sua fé demonstram o contrário desse pensamento, pois acreditam que cantando, dançando, bajulando ou fazendo propaganda a cerca desse ser qual chamam de senhor e criador, julgam ter privilégios especiais pelos serviços prestados a ele afirmando assim que ele não age segundo os preceitos do que diz ser justo, mas que trabalha semelhante a um mercenário, executando tarefas mediante um pagamento prévio ou posterior.
        O ladrão e o traficante cristão por exemplo, quando saem para prática do roubo e do tráfico pedem a deus e prometem que se forem bem sucedido o retribuirá de alguma forma. As vítimas desse também pedem proteção e prometem favores se atendidos.
       O estuprador e estuprado também pedem ajuda ou proteção a deus. Torcedores de times diferentes fazem votos se seus ídolos se saírem bem.  O homicida e sua vítima também emitem esse mesmo pensamento de ajuda e proteção. Um pede ajuda para violar e não ser punido pelas autoridades. Outro pede ajuda para não ser violado(a).  Todas essas pessoas seguem diária ou semanalmente para pedirem ou agradecerem pelos mais variados tipos de pedidos, ou reclamar pelo não recebimento deles e mesmo assim continuar tentando.
       Um único deus e milhões de pessoas com centenas de desejos egoístas ou maldosos para negociar com ele o tempo inteiro. Cada se acha especial e que será ouvido por ele, não importa qual seja o pedido, pois aprenderam desde cedo que essa ideia chamada deus pode ser manipulável mediante promessas de pagamento ou prestação de serviços a ele.
        Cada um que dobra seu joelho, ascende uma vela, lê um versículo bíblico ou faz uma prece a ele tem a plena convicção de que foi atendido e que deus estar do seu lado. A crença comum faz com que cada um que chama o nome de uma divindade se ache especial e protegido.
        Seria a fé nos deuses uma licença legal concedida pelo estado para que as pessoas pudessem externalizar suas loucuras e fantasias sem serem incomodadas? Ou seria ela a mais eficiente ferramenta de controle social já criada pelos poderosos? Pela fé podemos colocar a culpa de nossos fracassos e perturbações em qualquer ser físico ou metafísico e não seremos mal vistos pela sociedade por que muitos repetem esse mesmo padrão de comportamento.
      Pior que terceirizar seus problemas aos seres do imaginário coletivo é quando um grupo grande de pessoas começam a pensar que colocando “homens de deus” para ocupar cargos no congresso, nossos problemas sociais serão resolvidos (afinal, o que é um homem de deus? Em outro texto discutiremos se isso existe!).
       Eles pensam que abrindo a bíblia no congresso todos os dias e lendo um texto, cantando um hino de louvor e depois fazendo um oração ao deus de sua crença e que tudo mais vai será resolvido! Até parece...se lessem a própria bíblia que afirmam ser sagrada, veriam que essa fórmula nunca funcionou nem com os que inventaram tais conceitos. Acham que falando um montão de bobagem publicamente a cerca desse deus, o teriam como objeto de uso particular e agora iriam viver tranquilos e sem problemas nenhum.
        Porém, um ser incorruptível jamais se deixaria comprar com dancinhas, canções e adorações “baratas”, provindas de pessoas que agem por medo ou interesses pessoais no intuito de usar o “poder do sagrado” ao seu favor. Um justo juiz humano, mandaria prender qualquer um que com lisonjeio e barganhas pessoais tentassem mudar o veredicto de um caso em função própria. Seria a justiça do deus bíblico pior que a de um “juiz pecador” e humano?
        Desesperados por conseguir soluções reais para problemas que foram causados justamente pela inercia coletiva e pela mania ruim de “entregar tudo nas mãos de deus”, muitos hoje se unem pelo conceito de “grande nação cristã”, como se fosse possível líderes que vivem como abutres surrupiando o poder, governar de modo justo esse grande povo só por que vivem repetindo o tempo inteiro frases como “deus acima de tudo”, “deus no comando sempre” ou “esse país é do senhor”. Leiam a bíblia e estudem a história secular e verifiquem por si mesmo que os períodos mais tenebrosos da história humana aconteceram justamente quando “deus” governava um povo.
        Muitos fiéis afirmam que a oração de um cristão move a mão de deus em favor desse crente, incluindo anular dezenas de outras leis impostas por ele mesmo, só para “dar vitória” a alguns que com preguiça de trabalhar ou estudar, fazem da compra de bugigangas ungidas e pagamento mensal de 10% de seu faturamento, a garantia que terão um deus universal que será usado para interesses particulares, ou seja: pagam para se sentirem seguros em suas fantasias ao mesmo tempo que afirma de modo indireto que deus é corruptível.
       Uma das maiores mentiras mais confortáveis que praticamente todos os que frequentam um igreja (ou acreditam em deus) costumam dizer a si mesmo e aos outros é: “deus estar conosco” ou “deus estar do nosso lado”. Todos os que dizem crer em deus fazem muito uso dessa citação como se ela realmente funcionasse.
       Então você pergunta o porquê dessa afirmação e eles respondem: “Por que eu vou sempre a igreja”; “por que eu pago meus dízimos em dias”; “por que eu levantei a mão e aceitei a jesus como salvador”; “por que eu fui crismado”; “por que eu obedeço minhas lideranças cristãs”; “por que eu leio a bíblia”, etc, etc, etc...
        Mais uma vez, mostram ainda que de modo indireto que afirmam ser possível manipular o aquele que dizem ser o mais justo do universo mediante uma certa quantia de dinheiro ou serviço prestados a ele.
         Lembrando que o “termo deus estar conosco” quando empregado, geralmente o “nosco” refere-se apenas ao grupo congregacional qual a pessoa faz parte. Em outras ocasiões o “nosco” é usado também para dar a ideia de grande aglomerado de pessoas a exemplo da frase “somos um país de maioria cristã, deus estar conosco” ou “somos um grande povo de deus, ele estar do nosso lado!”.
        Fora as ocasiões em que desejam exprimir a ideia de um grande aglomerado de crentes para intimidar as “pessoas sem deus”, o “deus conosco” vale somente para a referida igreja qual o sujeito estar inserido. Prova disto é que desde quando foi celebrado a primeira missa no brasil e católicos e protestantes passaram a explorar o solo brasileiro (além de se tornaram traficantes de pessoas para trabalho escravo), o que se vê é cristão tentando converter outro cristão ao cristianismo, como se esse não o fosse, ou cristão tentando reduzir as cinzas as ideias ou grupos inteiros de outros cristãos, como se estes também não o fossem crentes em um mesmo deus.
       Uma pergunta surge então: qual a necessidade de todo dia abrir-se uma nova igreja evangélica (ou cristã de modo geral) no brasil para evangelizar o povo brasileiro, considerando-se que a grande maioria já se declara cristã? Não estariam estes todos já evangelizados? Todos esses não ouviram desde cedo que jesus é o seu salvador, e que o mesmo faz parte de uma trindade ou de uma trindade + Maria e uma infinidade de santos canonizados?
       Mesmo que desejem negar, a conclusão é clara: igreja é empresa, ignorância é negócio e fé é uma fonte de lucro que pode ser explorado de infinitas maneiras e que o antídoto para esses males chama-se conhecimento!
         Já se passaram 2 mil anos que “jesus” mandou pregar o evangelho, e apesar de quase metade da população mundial se declarar cristã, cada igreja que abre diariamente vê a necessidade de ré-evangelizar o mundo inteiro outra vez ao seu próprio modo.
        Aqui no Brasil por exemplo, há denominações religiosas com apenas 20 membros e outras que afirmam ter 20 milhões de fiéis ou mais que isso, e tanto as pequenas quanto as grandes igrejas, todas elas afirmam que o mundo precisa ser evangelizado (de novo) para cumprir os mandamentos do senhor.
        Todas elas vivem na infinita (e inútil) missão de converter pessoas cristãs ao cristianismo. Todo esse “trabalho” e toda essa “preocupação com as almas” são apenas meios de ganhar dinheiro, fama e poder. Ou esse evangelho para nada serve, ou poder de transformação prometido ao que cressem nesse nome nuca funcionou pois nunca, em canto nenhum do mundo se adquire caráter professando uma fé. Ou você o tem ou não o tem, e deus nenhum poderá te fazer uma pessoa melhor se você não o quiser.
         Vejam que todo os dias pessoas são evangelizadas, convertidas, batizadas, “cheias do espirito”, “empurradas para um igreja”, dizem ter suas vidas “renovadas”, se declaram uma nova criatura e os resultados disso, o que vemos? Vemos o oposto daquilo que deveria ser de pessoas que se dizem ser cheias de luz, vemos o oposto de uma “nação de deus”.
       Você também pode conferir estáticas tais como população carcerária de quase 1 milhão de pessoas (cristãs) e aumentando; no indicie de violência e homicídios nosso país estar entre os maiores do mundo; corrupção generalizada no congresso e em vários outros órgãos públicos e privados (de maioria cristã); a qualidade no ensino público estar caindo; o sistema de saúde deixando a desejar...e ainda dizem que bem aventurada é a nação cujo deus é o senhor!
       Não parece cômico esse cenário? E a fé em deus pra que serve? E esse tal de “favoritismo sagrado” funciona mesmo? É possível melhorar um país só usando a fé? Dá vontade de rir, não é? É uma piada suja, cujo objeto de riso somos nós mesmos. Nos faz até lembrar a letra e tradução da célebre música, I started a joke...
       O bom de se manter esse nível de padrão mental, é que tudo que por acaso der certo pode se dizer que foi deus confirmando que estar conosco. E quando algo dar errado pode-se dizer que foi o diabo quem atrapalhou os planos de deus, desse mesmo deus invencível, cujos planos jamais podem ser frustrados! Só pela fé mesmo pra entender essa última citação!
        Fica difícil construir um senso de coletividade enquanto a ideia de “fazer média com deus” por atos de corrupção ainda for uma grande agravante no sistema.
        Por que fazer algo para mudar a situação se tudo estar nas mãos de deus? Por que esperar algo melhor no futuro se o próprio cristo só pronunciou desgraças como prenúncios de sua vinda? Se tudo vai de mal a pior aqui tanto faz! Jesus está voltando e nosso lugarzinho nos céus estar garantido (esse é o pior de todos!)!
       Quando o mérito e não a crença for a métrica principal para avaliar o “tamanho” dos cidadãos, quando o interesse coletivo superar os interesses meramente grupais e quando a ignorância deixar de ser o produto de maior valor comercial em nosso país, ai sim poderemos enxergar novos horizontes e as pessoas realmente bem intencionadas sairão de seus lugares reclusos e servirão de espelho para muitos outros que vive às cegas. Até lá teremos de ver “deus governando essa nação”.
        Que pelo conhecimento todas as trevas sejam dissipadas. Saúde e sanidade a todos!
  • Valor dado

    Valor você da pra quem é demais,
    pra quem corre atrás,
    pra quem acredita que você é capaz,
    pra quem te quer mais,
    pra quem te deixa em paz,
    pra quem faz por você sem parar jamais.
    É nisso que me firmo
    nisso que acredito,
    essa eu mando pros meus manos, meus amigos,
    pra menina que eu amo, que ta sempre comigo.
    Dê valor a quem da valor, é isso que digo.
  • Verbo da esperança

    Tenho uma luz verde no coração. É a luz da esperança. Potência essa capaz de nos guiar por incríveis percepções. Verde é a cor da minha primeira planta e a última cor de camisa que provavelmente eu compraria e isso diz muito, pois nesse pequeno gesto, percebo que o foco do nosso olhar talvez esteja na espontaneidade das cores, portanto, modificá-las para encaixar em modelos determinados pode tirar à primeira vista a beleza do produto. Mas, sim, é preciso dar usos. Utilidades diversas às palavras, inclusive.
    À medida que escrevo, me liberto das dores que afligem os dias e tento recompor a paisagem. É na experiência vivida que afloram os aprendizados. Não adianta encaixar as palavras na gaveta, assim como as cores, se estas não puderem ser primeiro verbo, e isso implica ação, para somente depois, se tornarem reutilizáveis em funções diversas. O verbo não é esquecido, as palavras contidas em um livro fechado talvez não sejam lembradas, porque não estão conhecidas e é preciso conhece-las. É preciso conhecer-se. Dessa forma, encaixar o verbo pode tirar dele a função de expandir-se. E quando a palavra vai, o processo se constitui em um movimento interdependente entre simples e complexo, pois esta vai, caminha, corre vento, mas quando pega voo, não olha para trás e nem tem caminho que a leve para o endereço de volta. Por isso, é preciso cuidado. A palavra lançada é um perigo. É um remédio, é uma culpa. É preciso repensar seu uso. Silenciar as palavras não é guarda-las no criado-mudo. Silenciar também é válido como verbo de fazer e, porque não de agir, pois, eis que ‘’o silêncio fala’’, como dizem os antigos. E o seu, o que fala? Dar a palavra usos jamais imaginados, como propôs o princípio da insignificância de Manoel de Barros. Usar e desusar, mas com recomendações: evitar manusear para condenar, maldizer ou sufocar. Isso é regra que se impõe para não afobar a alma alheia. As palavras podem configurar pessoas, pois atravessam nossos muros e deixam à mostra: fragilidades e força. Já pensou que, olhando através das palavras, talvez estejamos vendo boa parte daquele que a exterioriza?

    Porém, alto lá…

    É preciso não se precipitar e ir além. Palavra também vem no olhar, nos gestos, no grande choro ou no sorriso que carrega tímidas expressões. Como vão suas palavras hoje? Carecem de inspiração ou somente de lápis e papel? Estão afiadas? A pergunta é: já lapidou suas palavras hoje? Usou a lapiseira ou a navalha?

  • Vimemos uma hipocrisia

    Vimemos uma hipocrisia,dizendo que outras pessoas são hipócritas.
  • Viver o quê? Viver de quê? Viver porquê?

    O mundo é tão complicado
    As pessoas são tão confusas
    Felicidade!
    Todos buscam, todos buscam...
     
    A vida é tão curta
    Os dias passam rápido
    O tempo é escasso
    Não temos tempo a perder
    O tempo não para
    Vamos viver!
     
    Viver o quê? Viver de quê? Viver porquê?
    Vamos me fale! Pra quê viver?
     
    Viver a ignorância predominante do nosso país?
    Viver a miséria e a violência que deixa o nosso povo infeliz?
    Viver a deficiência do ensino público?
    Viver com fome, demente e imundo?
    Viver num país de terceiro mundo subdesenvolvido?
    Viver a blasfema “de um mundo melhor” na boca dos políticos?
    Viver jogado nas praças, debaixo dos viadutos, marquises e vielas?
    Viver a vida bastante iludida de uma novela?
     
    Viver o quê? Viver de quê? Viver porquê?
    Vamos me fale! Pra quê viver?
     
    Vamos viver o que há para viver
    Viver o momento presente
    Deixar que o coração e a mente ame incondicionalmente
    Vamos nos preencher do mais infinito amor por todas as criaturas
    Praticar a benevolência para com o mundo todo
    Porque somente quando amamos é que percebemos a importância do viver
     
    Vamos me fale! O que há para amar?
     
     
    Amar é ter respeito
    É sentir dentro do peito
    É abster-se de todas as facetas do preconceito
     
    Amar é cuidar do bem estar de todas as coisas
    É não possuir, mas, de ser possuído
    É olhar para uma árvore e não vê só uma árvore
    Vê raízes, folhas, tronco, chuva, solo e Sol
    Em um relacionamento contínuo e a árvore aflorando dessa relação
     
    Amar é olhar para si mesmo e para outra pessoa e vê a mesma coisa
    Árvores e animais, humanos e insetos, pedra, flores e pássaros
    Todos unidos na mais perfeita harmonia
    Dando origem a todas as coisas vivas
     
    A pessoa que ama é compreensiva com sua gente infantil
    Em seu olhar não há malevolência
    Quando é agredido e ofendido escreve na área
    Para que o rancor e o ódio do seu coração
    Sejam apagados facilmente pelas ondas do mar
    E os benefícios que recebe escreve na pedra
    Para que sejam lembrados para todo o sempre
     
    Amar é saber que a Terra é um ser vivo
    Um gigantesco ser consciente
    Sujeito às mesmas forças que nós
    É saber que este grande ser é a nossa mãe, e assim, respeitá-la
     
    Sabendo disso!
    Sabe-se que todas as coisas vivas são irmãos
     
    Cuidando delas!
    Estaremos cuidando de nós mesmos
    Dando a elas!
    Estaremos dando a nós mesmos
    Ficando em paz com elas!
    Estaremos sempre em paz, em paz com nós mesmos
     
    Vamos viver o que há para viver
    A felicidade brota do agora
    O entendimento está no momento presente
    Na nossa vida cotidiana
    Caminhando passo a passo ao nosso lado
     
    Viver cada minuto como se fosse o ultimo minuto de nossas vidas!
     
    Não importa o lugar
    Não importa a condição
    Viva! Viva o momento presente!
     
    Porque a vida é curta
    Os dias passam rápido
    O tempo é escasso
    Não temos tempo a perder
    O tempo não para
    Vamos viver!
     
    Sem “o quê?”, sem “de quê?”, sem “porquê?”
    Sem se perguntar “pra quê viver?”
  • Você ainda não entendeu

    Eu sei de muitas mentiras que te contaram
    Pobres gerações das quais os raciocínios eles cortaram
    Ganharam a guerra, amaldiçoaram a terra e a historia foi mudada
    pobres da voz que falava verdade e agora se encontra calada
    Me revolta a maldade e me revolta a injustiça
    Malditos sejam aqueles que se apoderam do estado somente pela cobiça
    O povo se encontra totalmente alheio, alienação maciça
    Mas eu temo pelos inocentes que não tem acesso a verdade
    Pois eles passarão pelo furacão, enfrentarão a essência da maldade

    Será que você não entende?
    Que não importa o que haja quem se ferra é a gente?
    Será que você não percebe?
    Que desarmados é mais fácil conter a plebe?
    Ou será que só não ver mesmo?
    Já que confrontar a verdade é mais difícil que seguir a esmo

    O mundo tá ruim, isso é inegável
    Mas não é feminismo na rua que vai nos tirar desse estado deplorável
    Mostrar os peitos é fácil, quero ver mostrar consciência
    Não vulgariza teu corpo, porque ai você perde a essência
    Movimentos sociais, lotados de mentiras e causas banais
    Agora vem esse monte de playboy defender a cracolândia?
    Nunca teve um viciado na família e se acha o entendedor
    aqui é brasil, a "corruptolandia"
    Bem vindo ao verdadeiro terror

    Será que você não entende?
    Que esses movimentos sociais são só manobra?
    Que o projeto de poder deles é a verdadeira obra?
    Será que você ainda não consegue ver
    Que o plano deles é acabar com a sociedade e te deixar pra morrer?
    Me desculpe, mais é que diante do que está por vir
    Você precisa saber que o teu sonho de igualdade nunca poderá existir

    No choro e na agonia
    Mesmo assim na esperança de mais um dia
    Pessoas tentam viver normalmente,
    tapam seus olhos, blindam a mente
    Tentam viver pra não perceber que o sangue dos que morreram está quente
    Muitos perguntam a si mesmos como será daqui pra frente
    60 mil assassinatos ano passado a sangue frio
    E tudo com carimbo oficial da república federativa do brasil
  • VOCÊ NÃO PRECISA SER ENGANADO... A MENOS QUE QUEIRA!

    Quem vive em busca da verdade deve antes aprender a identificar uma ficção!
    Isolados em pequenos feudos, os grupos religiosos tem no plágio de outras mitologias, na ficção e na especulação, suas principais bases de sustentação de suas próprias verdades!
      A busca pela verdade é uma busca nobre! Todos nós buscamos uma. Alguns a usam por certo período de evolução ilusão enquanto outros fazem destas seu solo forte, suas muletas ou cadeiras de rodas. Outros ainda buscam apenas algum tipo de verdade que lhes façam inflar o ego, e que de modo enganoso lhes façam sentir-se superiores outras pessoas, para depois disso saírem por aí, esfregando na cara de todo mundo que “vive na mentira” suas verdades fabricadas, enlatadas, com datas de validades vencidas, de cheiro horrível, permitido o consumo de tais verdades apenas em lugares obscuros de modo que se alimenta não se veja o que consome.
      A verdade sobre deus e a igreja é uma destas verdades. Enlatada há séculos por povos tribais primitivos, hoje mantida numa embalagem nova pelos líderes religiosos porém cheia conservantes diversos para conter o mau cheiro da podridão que existe sob o “tapete dos santos” e tudo de maligno que se tem sido feito em nome de deus.
      Se deus fosse uma verdade, tudo que dizem ao seu respeito sobre bondade, justiça e equilíbrio seria uma grande mentira pois cada padre, pastor, papa, bispo, apóstolo, missionário ou obreiro comum que administra ou tente manter viva esse tipo de verdade, tem acrescentado por conta própria, na medida da própria ganancia ou ignorância, outras pitadas de veneno nessa lata de conserva chamada fé nos deuses metafísicos.
      Nem o famoso caldeirão da bruxa recebeu tantas “porções diabólicas” como tem recebido o grande caldeirão da fé, cujo “povo de deus” tem se alimentado ao longos dos anos, e baseado em seus efeitos tem espelhado o “amor de deus” por onde passa.
      Por motivo como esses, o de cada grupo religioso adicionar as crenças já enlatadas seus próprios conservantes, é que cada igreja tem sua própria versão de obra de deus, vontade de deus, lei de deus, etc.
      Se pesquisarmos à fundo com eram alguns ritos litúrgicos no passado e tido como eternos e imutáveis pelos adeptos de hoje, veremos que algumas igrejas terão 1% da “crença raiz” para 99% de outros derivados acrescentados cada vez que um grupo se divide com intuitos de lucro e poder tendo como lastro a ignorância dos seguidores.
       Os crentes comuns não sabem disso e a fé depende justamente desse fator: da crença cega e obediência irrestrita aquilo que virtualmente fora construído no passado e reformulado sempre que necessário no presente.
        A fé não precisa da verdade ou de provas cabais para se manter. Ter fé (nos deuses) é crer no que quer, a hora que quiser, do jeito que melhor couber, mesmo que isso seja para a auto destruição do usuário. A fé é o firme firmamento do benefício de uns em detrimento ao prejuízo de outros. Como um sistema, o administrador acaba sendo o parasita chefe, impedindo não apenas a evolução do próprio grupo, mas de toda uma sociedade por séculos até, como foi na idade das trevas.
      De fato, só se é possível ser crente, obediente e “feliz” enquanto a ignorância for mantida. A lucidez é um processo doloroso, um caminho solitário com direito a todo tipo de pedradas externas. O caminho da fé move multidões. A pessoa nunca estará sozinha, não importa qual seja o deus invocado. Porém, percebendo-se como tudo funciona, toda estrutura fictícia é desmontada, a autoridade do chefe passa não ter mais valor nenhum bem como qualquer tipo de ameaça impetrada em nome dos deuses.
      Baseado nessa licença “dada por deus” de fazer da “casa dele” e de “sua palavra” o que bem se entender, cada igreja tem a sua própria versão particular da verdade, vendendo-a do modo que bem entender e o consumidor que reclamar do produto imprestável poderá sofrer graves penalidades sociais dos mais diversos tipos.
       Nos serviços religioso, você pode até chamar de deus o que na religião do outro seria o demônio e vice-versa. Isso não tem problema algum, desde que você declare que tem fé em algum deus. A mesma afirmação vindo de alguém que declaradamente diz não crer dos deuses, não será respondida com a mesma tolerância. Pode ser tido como uma ofensa pessoal ou coisa do tipo. Declare fé em qualquer coisa, nem que seja numa pedra ou numa barata de esgoto se quiseres ser comum e ordinário e ser tido como uma pessoa inteligente. Experimente fazer o oposto de modo tão público quanto os que se dizem crédulos e veja no que dá!
       Mesmo os deuses tendo características semelhantes e poderes surreais idênticos, o que é dito ser veneno em uma religião será vendido como remédio em outra. O “encosto” que eles cobram para tirar de uma pessoa em uma igreja, será a mesma entidade de luz que será inserido em outra pessoa num outro rito litúrgico por uma soma de dinheiro ou subserviência.
       Se isso vale para as religiões, imagine para as igreja que explodem como pipoca, surgindo do nada uma nova a cada dia em pontos diferentes, elas mesmas que vivem “trocando tapas”, disputando o dízimos dos fiéis e tudo o que com este se possa comprar. A liturgia que em uma igreja é chamada de coisa do demônio, em outra eles chamam de “deus puro”.
       “Deus acima de tudo e a mentira acima de todos”! Esse slogan devia servir como letreiro luminoso na maioria dos templos religiosos atualmente. A conta “cobrada pelos deuses” sempre quem paga é o fiel. Quem se presa se guarda dessas coisas. Quem tem vergonha na cara também! Quem for inteligente abandona esses lugares. Quem tem autocontrole e responde por si mesmo nem precisa deles!
      Quase todo grupo religioso diz possuir ou encerrar algum tipo de verdade universal, lacradora, irrefutável, insubstituível, de modo que se alguém quiser de fato ser aceito por deus segundo eles, tem de beber da fonte ofertada em tal agrupamento. Não há outra! É o que dizem de forma direta ou indireta! Quanto mais fechado for o grupo, mais dono da verdade ele dirá ser. Mais propenso a intolerância e agressividade em nome da fé esse também o será.
       O preço a ser pago para “permanecerem na verdade” nesses agrupamentos não é barato. Além de recursos financeiros e submissão irrestrita que os fiéis passam a dever aos donos da igreja eles também jogam fora o bem o bem mais precioso que possuímos que é o próprio tempo. O dono da igreja passa a ser dono da vida do fiel, do seu tempo e de seus recursos e eles nem percebem. Alguns precisam de autorização deles para viajar, namorar, sair da cidade, procurar um emprego e até certos casos para relações maritais com o próprio cônjuge.  É mole? E ainda chamam de burro aquele animal que se parece com um cavalo...A fé cega as pessoas. O medo do inferno as tornam meras marionetes nas mãos do ventríloquos da fé!
       Todo líder religioso diz que o dono da igreja é o senhor. Mas isso é mentira! O senhor nunca foi visto, nem deus, nem anjo ou coisa do tipo. Apenas eles mesmos que fazem o que bem querem em nome das divindades e dizem que deus mandou...
       Então eles os senhores líderes religiosos, são sim os donos da igreja qual fundaram ou administram e sendo donos fazem a própria regra e você nada pode fazer para mudar isso a não ser deixar de ser trouxa! Se duvidas disso, tente contestar qualquer “mandamento divino” e veja quem vai aparecer demarcando território, se é deus ou o chefe local (ou seus capangas)!
        Se por acaso alguém teve infeliz estadia na suposta casa de deus, é possível recuperarmos tudo que por acaso tenhamos perdido lá em nossos atos de extrema de burrice, submissão, indução ou ilusão coletiva. Porém o tempo perdido, aplicado em coisas inúteis sem valor algum não volta mais.    
       Ainda que a estadia não tenha sido infeliz, tenha sido harmoniosa e ter vivido intensamente os ditames da fé, só o fato de saber que estava trabalhando para o nada em função do nada, apenas servindo de capacho para outros pisar, mandar e explorar, apenas isso torna qualquer sonho lindo num extremo pesadelo.
       Só os fortes tem coragem de abandonar o barco, remar contra a maré e pisar no solo firme, abandonando assim o navio da ficção que segue para a terra do nunca. Outros mesmo descobrindo como tudo funcionam, terão vergonha de admitir que foram feitos de trouxas por toda vida e serão bons fingidores fazendo teatro. Outros irão tirar vantagem disso, explorando a tantos outros como também foram explorados. Em todos os sentidos! Esse será o pior de todos! Se esconder detrás da “palavra de deus” é a melhora maneira de ter uma vida dupla ou ser um parasita assumido e mesmo assim ter prestigio social.
       Nada pior para um fiel que só depois de velho ou doente, descobri que jogou toda a sua vida fora em função daquilo que nem existe, sujeito em alguns casos a um bando de líderes desonestos, sem caráter, falastrões e cegos que mal sabem onde estão indo, mas se acham condutores do caminho da luz.
       Superstição, ilusionismo, misticismo, hipnose, manipulação, charlatanismo, falsa autoridade, técnicas de teatro, negação histórica e científica dos fatos, simbolismo comum usado intencionalmente de modo contrário...é isso que poderemos encontrar na suposta casa de deus, na suposta casa da verdade, do amor e da justiça.
       Só estando de fora, desligado do grupo e livre para pensar e agir por conta própria é que se é possível percebermos que é as verdades da maioria das igrejas são baseadas nesses critérios. Quem estar dentro do movimento, morrerá ou matará se preciso for defendo certas causas do grupo, julgando estar fazendo algo nobre quando de fato não estar.
        Quem busca a verdade não a achará nesses ambientes. Quem não tem controle da própria vida ou gosta de terceirizas as próprias “cagadas” esse é o lugar ideal. Quem por acaso no mundo das celebridades “do mundo” ter perdido todo brilho e talento e deseja de novo entrar no rol da fama, esse tipo de lugar é o lugar ideal. Há um público pagante, sedento para ouvir do pregador história macabras, de mortes, estupros assassinatos e todo tipo de besteira que cause excitação sexual aos crentes reprimidos ou que aponte um bode expiatório para os problemas da humanidade, principalmente os do próprio fiel.
       A casa de deus também é um lugar ideal para gente irresponsável, que não tem honra alguma, que tem dificuldade de cumprir acordos sejam eles quais forem, sem palavra, quem mentem, aumentam, inventam e aprontam de tudo contra tudo e todos, pois apesar disso não sentem culpa alguma pois sabem que depois de pagarem o dízimos, rezar um terço, ascenderem uma vela, cantar um louvo ou fazer uma oração a deus “pedindo perdão” pelos seus pecados, sem corrigir os danos causados a outrem, eles se sentirão perdoados, brancos como a neve, com o contador de pecados zerado, livre para aprontarem todas no outro dia e repetir os mesmos ritos, depois, e depois e depois...
       Pra quem já evoluiu um pouco mais e deixou de usar certas muletas, deixou a muito de viver em busca da verdade, e vivem aprendendo a interagir com a realidade. A sua própria realidade e a realidade dos ignorantes para que por eles não sejam dizimados.   Quem já chegou nesse nível não se apega a verdade nenhuma, antes sim chamam muitas dessas verdades de teorias disso ou daquilo e estão dispostos a mudarem de ideia sempre que novas descobertas surgirem suplantando as anteriores e não sentem vergonha disso. Entendendo isso o resto do processo fluirá por si só, sem a pressão dos deuses ou de seus subordinados. Você estar pronto para isso?
  • VOCÊ PRECISA MESMO SUJEITAR-SE A TAIS PESSOAS OU RITOS?

    Se crer nos deuses é um direito, não crer se torna um desafio nos locais onde uma tradição religiosa vale mais que a própria vida!
     
      Muitos ainda não se deram conta, mas a crença nos deuses, o convívio no ambiente religioso e a sujeição total ou parcial aos “ungidos do senhor” bem como a qualquer um que fale em nome dos deuses É OPCIONAL!
      Pelo menos deveria ser nos países laicos.
      Essa afirmação é simples e até certo ponto redundante. Deveria ser tão clara como a luz do sol e não seria necessário nenhum “textão” desse tipo para explicar o óbvio!
      Porém a realidade é bem diferente para cada indivíduo, de acordo com as tradições familiares em que este nasceu ou ainda está sujeito por algum tipo de dependência.
      Na grande maioria dos casos, os que insistem em abandonar suas tradições religiosas, são acometidos por chacotas, desprezos e preconceitos diversos por parte do grupo. E aqueles que se diziam amigos e irmãos íntimos, agora usam termos que cortam, machucam e oprimem o fiel para que esse não renuncie suas tradições e sujeições ao líder do grupo.
      De gente boa, pessoa de bem, pessoa de deus, pessoa iluminada e tantos outros títulos eucarísticos, você passa a ser filho do cão, rebelde, herege, ovelha negra, enviado das trevas, etc...Mesmo que você continue sendo a mesma pessoa de sempre o fato de não sujeitar-se mais aos que antes te usavam, te manipulavam ou te extorquiam é o suficiente para fazer que seja reduzido de anjo a demônio em apenas alguns segundos. Todo comentário malicioso pode ser desenvolvido ao seu respeito, inclusive uma história surreal sobre sua vida e conduta poderá ser construída em poucos dias para tentar enegrecer a sua imagem social dentro e fora da igreja inclusive.
      Quase sempre é um ato de extrema ousadia renunciar certos hábitos doentios e paranoicos de alguns grupos religioso. A menos que você seja um imprestável que nunca deu lucro ou serviu a igreja. Nesse caso tanto faz!
      Ousadia maior ainda é descobrir por conta própria que ninguém precisa sujeitar-se aos deuses ou lideranças religiosas para continuar vivendo e sendo feliz longe de tudo isso. Declaração informal de guerra é anunciar essa descoberta aos outros (escravos), seja pelo discurso, pela arte, literatura ou por qualquer outra forma, até por que nem todos querem ser livres de tais amarras. Como no mito da caverna, alguns destes estão amarrados à pesadas correntes em uma caverna escura e veem a vida somente através de sombra e pretendem permanecer assim, pois a luz de fora os deixa desconfortáveis pois os obrigam a enxergar quem realmente são e onde estão.
       De modo grosseiro,  de forma direta ou indireta alguns agrupamentos religiosos fazem com que os fiéis entendam que é terminantemente proibido que eles sendo massa venham se tornar indivíduos e desse modo possam reaver a própria sanidade, liberdade e independência estabelecidas por lei como direito pessoal e intransferível de todos os países não teocráticos.
       Quanto mais fechado for o círculo religioso, mas tenebroso é o caminho para libertação de tais amarras. Quanto maior for o poder financeiro ou político de uma agremiação religiosa, maior será sua influência contra quem decide “abandonar o redil” ou ir de encontro aos “caminhos da fé”.
      Boicotes de todos os tipos podem surgir para inibir o comportamento dos que se recusam a dobrar-se diante de pessoas comuns como se fossem seres divinos, sendo que em alguns casos, os que se escondem atrás de roupas de santidade, nada mais são que pessoas oportunistas, manipuladoras e tiranas em busca da construção de um império pessoal, de luxos diversos ou de prazeres sexuais com ou sem o consentimento do alvo de prazer.
       Mesmo em uma igreja pequena, rogos e pragas de todos os tipos ao “desviados” também são comuns para fazer com que o ex-membro sinta-se um ser tenebroso, um pecador, alguém fadado ao fracasso eterno e motivo de ira das hostes celestiais e infernais, até que este se arrependa e volte humilhando a suposta casa de deus. Em casos mais extremos, ameaças de morte e de deserdação de heranças também são efetivadas como forma de intimidação.
       Alguns desses comportamentos extremistas se dá por que a família do que “se desvia” realmente teme um suposto castigo eterno para o “desviado” e por isso tenta salva-lo de uma suposta condenação eterna.
       É ensinado em alguns desses círculos, que um fiel deve procurar meios de converter todos o seus familiares ao “reino de deus” e se algum desse por acaso se perder, deus irá requerer da mão desse (atalaia) que não fez o bastante para manter toda a sua família na igreja.
     Segundo essa crença, as punições variam conforme a gravidade do “vacilo” do vigia, podendo ser uma simples perda de pedrinhas de brilhante na coroa do fiel, até a sua condenação eterna. Ou seja: mesmo que tu fostes um fiel 100% obediente “a deus”, ao pastor e a todos os costumes e ritos da igreja, se alguém sob o seu teto se desviou e “se perdeu”, você será o culpado e também perderá a sua salvação por causa deste outro. É mole?
      Como não ficar louco com uma crença dessa? Em certos casos, tais igrejas fazem com que o fiel entenda que essa responsabilidade seja ampliada até os seus primos, tios e todos os seus familiares vivos.
      Em outros casos, eles dizem que essa imposição estender-se-á também aos seus colegas de classe, de trabalho, seus vizinhos de rua, seu chefe e até àquelas tribos de índios isoladas na mata, que ninguém conseguiu chegar até hoje ou nem se quer ouviu falar. Se algum deles “morrer sem deus”, você será o culpado! Por esse motivo, alguns familiares levam ao extremo o ato de “permanecer na casa de deus”, vigiando a tudo e a todos, ou tentando converter a tudo e a todos para que sua própria salvação não seja perdida. Entende o motivo de certos crentes serem tão chatos? Eles acham que o deles estão na reta se você não se salvar!
       Sem perceber, eles afirmam com esse tipo de crença que eles trabalham em regime de milícia, onde deus é o miliciano supremo que a tudo controla e que a todos extorquem e a todos oprimem e deserção da igreja é o maior de todos os crimes.
        Milhares de pregações são feitas todos os dias nas mais diversas igrejas relembrando isso aos fiéis. Dezenas de passagens bíblicas e hinos de livros de cânticos oficiais reforçam essa teoria. Cânticos não oficiais tem ainda mais influência se vier de algum tipo de celebridade gospel do momento.
       Quem sabe o maior exemplo que sustente essa linha de pensamento seja a musica VALOR DE UMA ALMA, de uma cantora gospel, lançada nos anos 90 e que até hoje faz sucesso. Essa No embalo dessa música e na culpa desnecessária que ela traz, líderes religiosos são capazes dos fiéis dezenas ou milhares de reais para “campanhas missionárias”.
      Ao que escuta e está nesse nível de crença, o tal cântico é um verdadeiro rito de tortura, levando o fiel a sentir-se um inútil, um traste e um imprestável mesmo em certos casos tendo atendido à risca todas as exigências “de deus”, do líder e da igreja. Por diversas vezes, esse cântico diz: “VOCÊ SERÁ O CULPADO”, referindo-se a todos os que por algum motivo “partiram sem deus”, mesmo estando do outro lado do mundo, sem que você não tenha nada a ver com isso.
      Essa linha de pensamento por sinal anula a crença de que a salvação é pela fé, coisa que eles tanto pregam, dando-se a entender que a salvação se dará pelo numero de pessoas que trouxestes para a igreja ou pelo menos das que não deixastes dela sair.
      Como se não bastasse a supervisão de deus e do líder anotando seus vacilos para que alguém não deixe que um parente abandone a “casa de deus”, os que fazem parte de círculos com esse tipo de crença, vivem sob forte vigilância da própria “irmandade dos santos” que irá atribuir a você (fiel), todos os tipos de culpas e irresponsabilidades quando alguém decide “se afastar de deus”. Estes dizem que deus irá te punir com desemprego, doença, separação conjugal e até com a morte física por você ter perdido uma alma que deus pôs em sua frente para converter e cuidar. Em seus dias de cão, até uma topada que tu deres na rua numa pedra qualquer, será tributado a esse seu crime de “responsabilidade celestial”.
       Quem não nasceu sob um lar evangélico conservador ou quem não foi introduzido nesse meio ainda muito cedo quando criança, não sabe o quanto isso é comum e chega a pensar que é exagero de quem relata ou que tudo são flores e simpatia nesses ambientes.
      Mesmo alguém sendo inserido nesses ambientes depois de adulto, se o lugar onde mora ou trabalha tiver como maioria os adeptos de uma crença radical, verá o quanto é difícil renunciar tais preceitos e recomeçar uma vida longe do fanatismo, paranoia e diferentes estilos de perturbações mentais. Nesses tipos de ambientes, a moda é ser louco, burro, insuportável ou capacho. E quem não for assim será condenado!
       Em mais vários locais onde a fé cristã predomina por exemplo, algumas pessoas nem precisam se desfazer da crença em deus para ser perseguido. Basta parar de frequentar uma igreja e o mimimi já começa. Em outros casos, mesmo mudando apenas de igreja para uma outra com mesmo estilo de fé e conduta (modo de vestir, comer e pensar), a perseguição por parte do grupo anterior será evidente.
     É sabido que apesar de confessarem crer no mesmo deus e salvador, todas as igrejas tem como principio básico a crença de que eles são o grupo certo, que fazem a coisa certa, do modo certo, sendo que as outras, apesar de afirmarem estarem também servindo ao deus certo e verdadeiro, por não estarem fazendo uma “liturgia correta”, não tem validade nenhuma para deus e desse modo ele nãos os vê e nem tem parte com esses.
       É possível que 8 a cada 10 religiosos de fé cristã pense assim ainda que não afirmem isso publicamente! No passado isso era mais explícito e além de fazerem tais afirmações em público, alguns cometiam atos de vandalismo ou terrorismo para com pessoas de igrejas “rivais” o tempo todo. Hoje com a possibilidade de exposição ao ridículo instantâneo e em larga escala pelas redes sociais, o “espirito santo” deu sabedoria a essas pessoas e os tais usam de maquiagem e simbologias para exprimirem o que realmente sentem ou pensam sobre outras igrejas, sobre quem muda de igreja ou sobre quem não quer saber de igreja nenhuma.
        O fato é que, tão antigo quanto a escravidão dos corpos humanos para o trabalho escravo de forma diversa, a escravidão do pensamento ainda é algo evidente em vários locais do mundo e está longe de se ter um fim. Tudo isso feito tem sido feito em nome dos deuses e não importa o quanto digam que esta ou aquela religião é pacifica ou que “o deus é um só”, pelo ideal de agradar e servir aos deuses, essas pessoas são capazes de tudo!
       Quando um crédulo automaticamente associa a não crença em deus ao crime, a barbárie, a uma vida imoral e totalmente desregrada, essa pessoa está totalmente enganada. Preconceito é! Ela está tão errada quanto afirmar que uma pessoa que diz ter deus no coração seja especificamente uma pessoa boa e equilibrada.
       O defeito em si no fato de crer ou não crer nos deuses no que se faz em nome destes! Apesar de parecer inofensivo, um simples ato devocional a um uma divindade (não importa a qual seja ela), poderá criar na mente do fiel uma realidade paralela, fazendo com que a realidade qual ele está inserido seja desprezada e todo um universo imaginário passe a estar lado a lado em uma que só existe na cabeça do fiel. A confusão é evidente nesses casos. Os ataques a quem torna isso evidente também. E por essa “verdade” eles matam e morrem. Aí é que está o problema!
       Diversos grupos tem se formado recentemente e lutado por diversos tipos de liberdades diferentes e tem conseguido! Isso é bom. É um dos caminhos para nossa evolução como pessoa e como povo.
     Triste é notar que em certos casos algumas pessoas nesses grupos lutam para serem aceitas como servas justamente daqueles (os líderes religiosos) que por milênios os perseguiram e os mataram em nome dos deuses. Lamentável!
       Conseguiram a “liberdade racial”, a liberdade pela opção sexual, a liberdade de expressão e agora, por conta própria insistem em serem aceitos justamente pelas pessoas que durante fizeram de suas vidas um verdadeiro inferno em nome dessa ou daquela divindade. Tem lógica uma coisa dessas?
        Esse tipo de sujeição é realmente necessário? Não seria um desprezo pelos feitos já alcançados pelos que no passado pagaram com suas vidas? Não seria uma falta de respeito próprio? Não seria um retrocesso?
       Afirmar que esse ato por parte deles foi uma ignorância do passado e que foi o homem e não deus quem fez isso é o mesmo que afirmar que deus nunca esteve no controle de igreja nenhuma e que tudo é obra do homem mesmo! Sendo assim, então por que permanecer sob tais servidão?
      Os que ainda conduzem “os rebanhos de cristo” na atualidade não precisam ser cassados ou penalizados pela loucura ou pelos crimes de seus antecessores.
      Alguns desses pela evidente demonstração de manipulação com intuitos de beneficiamento próprio, devem ser desprezados até o ponto em que seja notória que a “unção divina” que eles afirmam possuir seja visto como um blefe e estes como sendo um charlatão qualquer, e que os tais tomem vergonha na cara e vão trabalhar como todo mundo faz!
      Quanto aos “mais honestos” entre os que dizem representar aos deuses, que fique evidente a todos que esse tipo de “unção” não passa de uma concepção humana! Deus algum nunca foi visto fazendo tal afirmação. Eles mesmos disseram isso, alegando que fora deus em diferentes tipos de teofania quem o disse para que por meio disso, pudessem assumir diferentes tipos de poderes em nome do imaginário coletivo.
      Todo “ungido”, seja ele qual for é apenas o resultado de uma concepção grupal. O grupo é capaz de parir tais bizarrices bem como de abortá-las quando quiser. Todos eles são concepções locais ou no máximo nacionais. Todo eles podem ser poderosos e autoritários em seus domínios, mas fora disso são pessoas comuns como quaisquer outras, ou até seres insignificantes capazes apenas de intimidar apenas seus súditos. Se para um grupo este é o tal, para outros ele pode não passar de um falsário de meia pataca. Tem sido assim desde sempre.
       Quem leva a sério em tudo tais pessoas ou aos tais entrega o controle total de suas vidas, já está louco ou falta pouco para se tornar um, pois qualquer um que fala o tempo inteiro em nome dos deuses, gente de mente sadia não pode ser!
        Desconfie de todos que afirmem saber de toda a verdade, estar na verdade e viver a verdade! Desconfie mais ainda se tentarem impor a ti ou aos outros tais verdades! Coisa boa não é! Há loucura nisso! Afaste-se! O caminho do gado é o mais perigoso, apesar de ser o costumeiro. Seja firme com qualquer um que tentando te trazer de volta aos patamares da insanidade, use frases de efeito ou versículos bíblicos para te intimidar.
        Sempre e em qualquer situação, você pode REVER SEUS CONCEITOS, e se alguém te impede disso, fique experto!
        Saúde e sanidade a todos!
  • VOCÊ QUER IR PARA OS CÉUS? ESCOLHA SEU MODELO DE PARAÍSO E BOA VIAGEM!

    Não importa sua crença, desde que seja uma crença!
    No céu tem lugar para todos, menos aos questionadores
     
      Você já comprou o seu pacote de salvação? Não? O que estar esperando? Em cada esquina de sua cidade tem sempre vendedores a ofertar tais pacotes de acordo com o seu gosto ou condições de pagamento. Sempre haverá um que se encaixe em seu perfil! Não espere, jesus estar voltando. Você não pode ficar de fora! O fim do mundo vem ai!
       Você já escolheu em que área dos céus vai querer passar a eternidade? Se você não sabia, apesar de todos grupos cristãos usarem o mesmo livro como base de fé, cada um tem uma perspectiva diferente de como serão os céus e o que cada um vai fazer após chegar lá. Isso depende apenas do grau de influência que o líder sofreu de outras religiões ao fundar aquele grupo, ou de sua falta de conhecimento da própria crença para não perceber isso.  
      O mesmo deus, mesmo Jesus e mesma trindade, porém o paraíso foi dividido em partes para atender a todos. A sua infinita bondade e poder permitem que coisas como essas aconteçam. Ele já planejou tudo desde a fundação do mundo. Mais uma prova de seu amor para os que o aceitam. Acessibilidade é tudo!
       Vejam como é fácil comprar seu pacote de salvação e ingressar na jornada rumo ao paraíso: Você assume ser cristão sem nem saber o que significa isso; nasce em lar católico e se deixa ser batizado como pecador mesmo ainda sendo um recém-nascido e continua seguindo os ritos de passagem da igreja ad infinitum; Ou você mesmo já sendo adulto e um cristão de berço, levanta uma de suas mãos (ou as duas) depois de um ameaçador apelo em um culto evangélico e confessa em público ser um pecador miserável, impuro, digno do inferno e uma pessoa má mesmo tendo um nível de conduta moral mais elevado do que qualquer pessoa ali.
       Daí você se junta àquele grupo para criticar todos os outros grupos cristãos ao redor como sendo o seu o certo, único e verdadeiro para somente se juntar aos demais grupos em ocasiões especiais como dias de romarias, dias de marchas pra jesus ou alguma outra parada gospel ou católica que sirva apenas pra inflar o ego das lideranças e dos próprios membros em suas “certezas”, ou aumentar a perspectiva política de curral eleitoral de quem os lidera e pronto! Assim, você estar no caminho da salvação. Vale lembrar que para o “saque” da salvação ser efetivada com sucesso, você não deve deixar de dar o dizimo, seguir os ritos litúrgicos daquele grupo e ter submissão cega aos seus líderes. Vale lembrar também, que mesmo que você passe 80 anos de sua vida inserido nessas casas, uma única vez que você desobedece o “ungido do senhor” ou deixa de pagar o dízimo você estar fora. Perdeu tudo! Pague suas mensalidades em dias e procure não se rebelar contra seu tutor, independente que ele venha cometer qualquer tipo de abuso contra você ou seus familiares. Bom atentar a esses detalhes. A onisciência de deus funciona bem em áreas como essas.
      Se fizeres tudo certinho como lhe foi instruído pela cartilha da fé daquele grupo, basta só aguardar sua entrada nos céus, a tão esperada vinda de jesus! O dia em que todo masoquista disfarçado de gente amorosa aguarda para ver seus “inimigos” serem julgados e condenados pela negligencia paterna e assim serem castigados eternamente ao inferno. O prazer em ver o mal alheio, supera a expectativa do próprio galardão recebido. Oh gloria!
     Então, fique esperto! Não vacile! Não deixe de dar lucros ao fundador daquela casa comercial. Não volte pra o mundo! Não leia outro tipo de literatura que não seja do grupo para não esfriar na fé, nem converse com pessoas que querem lhe abrir a mente. Cristo não demora muito! Ele já estar voltando. Prepara-te! Fazem apenas 2 mil anos que ele prometera, mas no calendário de deus só tem apenas 2 dias. Espere mais um pouco. Não se avexe! Quando você menos pensar, ele chega nas caladas da noite como um ladrão, levando apenas uma parte escolhida em cada grupo, deixando outros para uma segunda ou terceira remessa quem sabe, depois que sofrerem um pouquinho aqui com o anticristo, a besta e o falso profeta por terem sido cristãos rebeldes as lideranças e terem usado brinco, maquiagem, batom, shorts ou assistido a novela das oito as escondidas. Muito cuidado. Desobedientes não sobem! É o que mais se recomendam!
      Lembrem-se que só irá pra os céus quem estiver inserido em um grupo religioso, dando o dízimo certinho todo mês sem falta, comprando todas as bugigangas ungidas ou participando de todas as romarias e cultos dominicais sob a liderança de um líder carrasco, opressor, manipulador ou ignorante! O céu não é lugar para pessoas autônomas, de senso crítico, ou que não se deixe explorar! Estar terminantemente proibida a entrada nos céus a todos que não compraram um ingresso barato de salvação vendido direto pelas mãos de um líder religioso qualquer! Ninguém vai a Jesus se não pagar o pedágio aos cacheiros viajantes do senhor. Questionadores podem destruir o reino construído á base de ilusões e medo. Estar proibido sua entrada nesses lugares. Seja um cooperador da obra e delate-os, entregando a santa inquisição para serem torturados e “mortos”. Tem sempre um inquisidor perto de você mesmo nos dias atuais.
      O próprio deus em pessoa autorizou atos como esses, ao dar as lideranças eclesiásticas total e irrestrito controle nas vendas dos ingressos ao reino celestial!  Chamou cada líder em particular, e de modo secreto mandou que eles abrissem igrejas e que e que guiassem o povo cada um de modo próprio, por meio das mais insanas liturgias e portfólio doutrinários. Se você não tiver um ingresso onde conste no verso a rubrica de uma dessas lideranças nem tente entrar nos céus! Deus estar vendo! Ele mesmo autorizou de forma verbal e invisível somente aos líderes que o recebeu em seus aposentos e até dentro de um presídio depois de ter cometidos todos os crimes possíveis, e ele mesmo sendo deus, em sua santa conivência silenciosa concorda com tudo que fazem em seu nome. Não tente mudar isso questionador! Também não duvide! Se não concorda caia fora! Isso é igreja! Se fosse pra questionar seria ciência! Entendeu, ou precisa desenhar? Se não estar gostando, saia e sofra as consequências!
       Também Não adianta querer furar fila ou tentar pegar o ingresso de outros. Ele sabe quantas vezes você foi ao culto, quantas você dizimou e quantas vezes saiu ao campo para evangelizar e até quantas vezes você fez papel de bobo no semáforo da esquina segurando uma placa com frases sem sentido a pedido do pastor de sua igreja! Está tudinho anotado para o dia do juízo...Se fores uma pessoa justa, descente, piedosa, compassiva e moral longe das chibatas dos inquisidores da fé, não pode! Tem de ser trouxa, se deixar ser explorado, iludido, ludibriado, enganado e ter toda sua vida monitorada por alguma liderança paranoica para poder ser salvo! Tem de descer o nível de consciência e voltar ao estado de ameba! Tem de viver à base do pequei-perdão e confessar pecados que nunca cometeu para ganhar a salvação! Tem de ser ovelha e se deixar tosquiar, reproduzir, dar lucros e não se rebelar jamais! Equilíbrio, sanidade e independência não pode! Isso não são requisitos para salvação cristã.  Para seres salvo nesse meio, basta deixar que te retirem o cérebro e insiram um programa de formatação própria de cada grupo. Assim você não corre o risco de “pecar” e deixar de ir pra os céus por ter feito uso de suas faculdades mentais. Usar o cérebro não pode! Não esqueça!
      Se você vai ser arrebatado em espirito apenas, se vai receber um novo corpo jovial e eterno em carne e osso, se vai morrer e ressuscitar não importa! Deus entende o interesse comercial de cada líder que fundou uma igreja ou a ignorância dos mesmos, e para não decepcionar nenhum cristão que comprou os pacotes particulares de salvação, provavelmente irá permitir áreas separadas lá nos céus de acordo com suas crenças, para que os mesmos não continuem as disputas infernais que existem aqui na terra há quase dois mil anos, fazendo em seu nome guerras sangrentas ou de interpretações bíblicas o tempo todo, pra ver quem tem a interpretação mais tosca de todas.
      Se existe um lugar adaptável a todo tipo de necessidade, gosto, interesse e poder aquisitivo, esse lugar se chama o céu cristão. Como os judeus não concebem a ideia do céu em suas crenças, os cristãos vão ter de negociar apenas com os mulçumanos! Mas tudo se resolve explodindo uma bomba ou dando uma rajada de gloria. Que vençam o melhor!
      Segundo a crença dos grupos cristãos, nos céus haverá uma ala para os que curtem o “reteté”, quebra de asas, aviãozinho e “vivem no manto” o tempo inteiro. Vai ser uma “rave” celestial sem fim, só batendo cabelo, rolando pelo chão, dizendo palavras ininteligíveis e correndo feito doidos, embriagados com o poder de deus! Uhuuuuhhh! Todos os “metaleiros” de jesus, animadores de vigília e perturbadores do sono alheio estarão lá! Só pauleira, bicudo e chute “nacara ducão”! Uma eternidade inteira nesse estado inebriante! Não importa se pra entrar no mistério você tenha de incorporar o “espirito santo” ao som do funk gospel, forro gospel, axé gospel ou qualquer outro ritmo gospel. Se você é do manto e do mistério vai ficar nessa ala. É só mistério, poder e gloria para sempre!
       Acredito que essa ala, deva ficar distante dos adeptos dos coros gregorianos para não atrapalhar a voz uníssona, ordeira e melancólica desse tipo de adorador que cultuam o cristo dia e noite sem cessar pelos séculos dos séculos. Eles também precisam de seus espaços para venerar em coro angelicais o “agnus dei”.
       Semelhantes a ala dos gregorianos, haverá nós céus, ala dos servos eternamente cantantes, criada recentemente, complacentes e admiradores das faces sofridas e das mãos furadas de cristo. Estes passarão toda a eternidade olhando para suas mãos, para as marcas da coroa de espinhos, para sua meiga face e simultaneamente dando glorias ao seu nome, entoando louvores e dizendo eternamente que ele é lindo! Farão tudo ao mesmo tempo como dizem em suas crenças. Quem sabe os tais ganhem outras cabeças ou pares de bocas para fazerem tudo simultaneamente. Dizem que João viu criaturas fabulosas ao redor do trono de deus em sua visão. Quem sabe não sejam estes! Aqui no Brasil há vários grupos, que com cara de orgasmo ou de choro, quase não cantam um hino sacro sem se imaginar beijando os pés e mãos furadas de jesus, olhando suas faces e sentado em seu colo ouvir ele dizer: “filho meu, estou aqui”... Vai ser uma disputa pra sentar nesse colo...Se pra ficar perto das lideranças aqui na terra são capazes de macabras artimanhas, imagine pra sentar no colo de jesus...Imagine milhares desses bajuladores desejando simultaneamente o colinho do papai! Quem sabe uivando, dando piruetas, ou engatinhando e rugindo como um leão eles consigam a atenção do papaizinho querido. São eternas criaturas mimadas, desesperadas pela atenção desse papai. Deve ser por isso os favelados e marginalizados do mundo sofrem tanto: esse grupo rouba toda atenção do “papi” celeste aqui na terra só pra eles, esquecendo que no planeta tem mais de 7 bilhões de pessoas. Egoístas! No céu não será diferente!
       No céu também haverá a ala das esposas de jesus. Todas elas (ou quase todas), virgens puras que nunca conheceram homem algum (exceto alguns homens de batinas que as estupraram e as forçaram a abortar em secreto e jogar o feto em poços com centenas de outros fetos nos fundos dos conventos apesar que nem todas tenham passado por isso).  Estarão juntas ali tais senhoras, agora casadas com Jesus, para disputar com os adoradores do trono santo, a atenção do esposo. Todas elas, de todas as épocas, de todas as idades, de todas tribos, povos, línguas e nação onde o conceito cristão puritano de modo distorcido ou intencional roubou parte da vida destas pobres almas enclausurando-as em conventos como se isso fosse sinal de virtude e o matrimônio fosse símbolo do pecado. Mas jesus estará lá, pessoalmente para amar a todas elas, e satisfazer a todas elas pela eternidade. Haja virilidade! E os islamitas se achando os tais, zombando de nós, só por que vão pegar 72 virgens diariamente no paraíso. Se eles soubessem quantos conventos existem pelo mundo afora e quantas mulheres se reservam pra casar com Jesus... Sabe de nada inocente!
      Ao lado da ala das esposas de jesus, haverá a ala dos 144 mil homens, puros e virgens que nunca foram contaminado por mulher (como se mulher você algum tipo de veneno!). Eles também esperam a atenção de Jesus. O porquê ou para que, Joao do apocalipse não detalhou muito. De um lado 144 mil homens virgens vistos por João, do outro lado, inseridas á força pela igreja católica uma infinidade de mulheres reclusas todas elas esperando serem esposas de Jesus. Isso pode não acabar bem...Já sabemos o que a pomba fez com Maria quando José estava ausente...Jesus precisa dar conta das outras áreas que ele permitiu que se criassem nos céus por seus representantes. Melhor nem pensar nesses detalhes. Ele é onisciente e onipresente. Já pensou em tudo isso! Não é a toa que se permite a criação de tantas alas no paraíso! Se continuar com tanto partidarismo assim entre as alas, possa ser que se criem algum tipo de para de alguma coisa, ou marcha pra jesus em plenas ruas celestiais, cada grupo reivindicando seus direitos como fazem aqui. “Assim na terra como nos céus...” já diz um trecho de uma oração muito anterior ao cristianismo. Quero acreditar que lá nos céus haja menos segregação. Tomara que não repitam os mesmos erros da terra. Bom pensarem nesse detalhe, pois lá nos céus tudo é eterno.
      No céu, também tem uma área VIP, reservada apenas aos seguidores da linha da prosperidade. Estes vão estar sempre de camarote. Eles afirma que serão extremamente ricos, poderosos e majestoso, que irão morar em uma cidade ouro, rua de jaspes e de cristais, e que tudo que pisares ou tocares será de uma finura indescritível. Esquecem que só se é possível criar a ilusão de riqueza, quando se há a pobreza para comparar. Se não houver pobreza e todos forem igualmente ricos, não terão o senso comum de riquezas nem vão poder fazer inveja a ninguém. Que tédio! Que adianta ser rico e não pode ostentar? A não ser que ultimamente tenham criado algum tipo de rede social lá nos céus para que os filhinhos de papai façam inveja aos que estão ardendo no inferno, mandando beijinho no ombro e chamando as inimigas de recalcadas. Se for verdade as invejosas de plantão que se cuidem. Os a área VIP celestial, sempre usam deus de escudo! Vale lembrar que só é aceito nessa área, os que concordam que para ficarem ricos aqui na terra, tem de comprar todo tipo de bugiganga ungida e de igual modo explorarem uns aos outros, tirando de quem não tem para dar a quem já tem. Se você segue a lei da partilha, da divisão ou do cooperativismo, seu lugar é em outra área. Talvez nem tenha uma ala para ti, pois a hipocrisia e o egoísmo permeiam praticamente todos os grupos que vendem a salvação. Primeiro EU, depois MEU, terceiro PARA MIM!
      Para não deixar muita gente preocupado, não quero comentar muito sobre a ala no paraíso pertencente aos mulçumanos. Não são do cristianismo, mas seguem ao mesmo deus de Abraão, e o mesmo com certeza já reservou seu espaço lá. A área dos bordéis luxuosos, onde cada homem vive apenas em função do sexo diário e sem compromisso. Eternas criaturas infames, em estado eterno de carência afetiva e perversão sexual. Seres que se reprimem aqui na terra, para viverem em função do falo no paraíso. Não quero lembrar que eles afirmam que terão 70 mulheres só para sí cada um deles. Se por acaso deres por falta de tua esposa nos céus, possa ser que tenha sido sequestrada e levada para a ala deles. Xi....acabei comentando.
       Entre tantas outras partes criadas nos céus pela mitologia cristã, a parte que deve ser a mais legal de todas, é a parte de fora das muralhas da cidade santa, aquelas que as pessoas ficarão brincando a vida toda como todo tipo de animal sem risco algum, comendo da árvore da vida, bebendo dos rios encantados, contemplando um sol que nunca se põe no horizonte nem causa danos a pele, deitado sobre uma relva verde, ao lado de pessoas bonitas, bem vestidas, bem cheirosas e de sorriso alegre o tempo inteiro! Ahhhh, que maravilha! Posso até sentir o cheio suave dos lírios dos campos nesse lugar divino! Esse deve ser o melhor lugar de todos no paraíso!  Todos felizes sem ter de disputar o colo, atenção ou mulher de ninguém! Já basta tantas disputas aqui na terra, até por que como nos modelos das igrejas cristãs, todos gostam de estar bajulando as lideranças e brigando pela atenção do chefe, lá nos céus acho que não será diferente. Todo mundo diante do seu trono, adorando, lhe rendendo louvores com a mesma hipocrisia da terra, desejando se sobressair sobre os demais, querendo sentar em seu colo, contemplar as suas faces e disputando sua atenção com 144 mil homens virgens e uma infinidade de freiras. Afff! Basta ver tudo isso aqui na terra! Melhor ficar do lado de fora dos muros da cidade, com toda aquela gente boa, desprovida de ganancia, como mostram aqueles panfletos lindamente pintados pelos anunciadores do reino de deus. De todos os retratos pintados do céu, para os que buscam algum tipo de descanso, aquele é o melhor e o mais belo de se ver.
      A pior ala quem sabe seja a dos pentecostais, metaleiros insanos, criadores de balburdias e algazarras. Se aqui, eles já fazem da igreja um circo mesmo tendo um corpo limitado, imagine lá com um corpo transformado e cheio de poderes especiais. Bom nem pensarmos nisso para não danificar os neurônios com essa imagem bizarra.
      Há vários outros modelo de paraíso na crença cristã. Em 2 mil anos de história tem muita modelo a ser citado, mas o texto se tornaria enfadonho. Como os céus é adaptável a todo gosto, modelo ou poder aquisitivo, caso não ache um modelo ao seu dispor, você pode criar uma ala no céu rapidinho pra você e seu grupo. Os passos principais são esses: se torne um marginal perigoso, uma celebridade fracassada, um êx qualquer coisa, ou sejas um político desonesto que fornece dinheiro fácil as lideranças eclesiásticas, aceite jesus, conte um testemunho surreal, monte uma igreja cristã e pronto! Automaticamente ao criares seu modelo de igreja, suas regras e proibições aqui na terra, sua ala no paraíso celestial automaticamente será criada também. Acredite! Tem sido assim desde que surgiu o cristianismo! Acessibilidade é palavra de ordem no reino dos céus! Que nenhuma alma se perca, que todas sejam salvas! É o desejo do criador, se pagares pedágios aos fundadores do grupo, claro! As únicas almas que não estão aptas ao processo de salvação cristã são as almas dos questionadores, dos críticos, dos céticos e de todos os que ainda fazem uso de suas faculdades mentais. Estes não tem parte no paraíso do senhor!
       Para os tais, acredito que os mesmos não precisam aguardar o final de suas vidas ou viver a bajular quem quer seja para terem recompensas. Os mesmos vivem suas vidas cada dia como se fosse o último, sem culpa por crimes que nunca cometeram, sem medo de ameaças dos cambistas a fé, e sem sofrerem com medo da excomunhão do grupo, caso não se enquadre nos padrões de santidade do grupo.
      Alguns vivem ou fazem de suas vidas um inferno agora intentando um paraíso futuro. Outros encontram os prazeres do paraíso aqui e agora, em coisas simples e naturais da própria existência humana. Você decide. Você escolhe o final!
      Sanidade a todos!
  • VOCÊ TEME A MORTE E A EXTINÇÃO DE NOSSA ESPÉCIE? POR QUÊ?

    Reflexões sobre assuntos que normalmente evitamos encarar.
      Diante dos acontecimentos recentes, a pergunta acima poderia não ser muito apropriada, pois causa desconforto e pode ferir os sentimentos dos que já perderam entes queridos ou de todos que temem perde-los cedo ou tarde. A intenção desse post não é de aumentar a culpa ou a dor de quem quer que seja, mas de procurar um possível alivio por meio de indagações que nos recusamos fazer quando tudo estar bem ou de fatos que insistimos em negar mesmo estando bem diante de nossos olhos.
      Inventamos a religião justamente para isso: para mentirmos a nós mesmos, criando centenas de versões alternativas de realidades paralelas para evitarmos encarar aquilo que a todos nós ocorrerá, cedo ou tarde.
       Inventamos os diferentes tipos de céus projetando nestes a extensão do nosso gozo terreno ou como a projeção de uma felicidade que nunca tivemos e fabricamos os diferentes tipos de infernos para colocar nestes locais todos os nossos desafetos, os que realmente nos feriram de alguma forma ou todos quantos  que discordam de nossas “verdades”.
      Entre tantas espécies de que habitam esse planeta, a arte de criarmos fantasias e a ela nos inserirmos parece ser uma patente registra do animal homo sapiens. Somos mestres nestas artes e com isso aumentamos o nosso próprio sofrimento e o sofrimento alheio. Perdemos a maior parte de nossas vidas em projeções futuras surreais, evitando encarar fatos reais, e quando esses já se tornam inevitáveis, o medo do que vem depois e o remorso de uma vida mal vivida é o que mais nos perturba.
      Por mais curta que a vida seja, um escravo da religião poderá perder os melhores dias de suas vidas sofrendo com ameaças de demônios imaginários, e na hora da morte esse medo poderá aumentar com receio de que o seu deus fiel, justo que nunca erra, se confunda e o lance em um tormento eterno apesar de uma vida inteira de servidão desta pobre criatura. O céu é tão real, tão lindo, tão maravilho e tão verdadeiro, que a maior parte dos que neles acreditam temem deixar essa “vida dura” para conhece-lo e nele habitar. Prova que não há certeza alguma, apenas uma falsa esperança nutrida coletivamente, uma mentira que contamos a nós mesmos para parecermos melhores que tantos outros.
      A morte certa é um desses fatos inevitáveis que evitamos pensar. Cedo ou tarde ela levará um a um de nós ou a todos nós de uma só vez de uma forma ou de outra. Não irá nos levar para um inferno eterno ou para um paraíso fictício, até por que a morte é apenas um estado (não uma pessoa), assim como estar vivo também é. Apenas seremos “transportados” para a inexistência física até sermos esquecidos totalmente como se nunca tivéssemos existidos, ou até sermos “imortalizados” pelas diferentes versões narrativas que a nosso respeito se farão. Mas toda a nossa saga quanto as versões que desta se farão, são efêmeras se comparadas outras coisas nesse imenso universo. Tudo é apenas partículas de poeira na vastidão do cosmo.
      Outro fato altamente provável de acontecimento a curto ou longo prazo é a extinção de nossa civilização ou até de nossa espécie por inteiro. Possa ser que sejamos substituídos por outro tipo de humano mais avançados ou retrógrados que nós mesmos, ou possa ser que simplesmente sumamos sem deixar vestígio algum a depender do tamanho ou do tipo de situação que enfrentarmos.
     Possa ser que nos próximos 50 anos entraremos na fase dos meta-humanos, possuindo corpos indestrutíveis cuja consciência possa ser armazenada ou transferida para qualquer outro corpo fazendo com que nós mesmos venhamos decidir quando e como nos desligarmos, após já  cansados da vida, ou possa ser que entremos em uma nova idade das trevas, onde zumbis religiosos contaminarão a tudo e a todos, caçando, perseguindo e matando todos quantos não se submeta a um inútil dogma religioso qualquer como um dia já foi. Algumas coisas só dependem de ação e reação. E a suplantação do avanço tecnológico pela estupidez do fanatismo religioso só depende da inércia dos que ainda não foram contaminados pelos mais mortais dos vírus: a fé cega a um deus imaginário e a subserviência total a líderes religiosos autoritários!
       Por outro lado, há várias maneiras de sermos eliminados quem nem nos damos conta. De um meteoro gigantesco ou até por um vírus microscópico. Pelo simples aumento ou diminuição de temperatura (repentina) em nosso planeta, tudo isso poderia pôr um fim a nossa espécie e a todo o nosso esplendor como “criaturas extremamente inteligentes”. Esses são apenas alguns exemplos.
      Isso seria tão normal quanto o sol que se levanta e se põe todas as manhas, pois já aconteceu com centenas de outras espécies de animais e plantas que até se torna impossível o registro exato dos tais. Várias civilizações humanas também já tombaram nos últimos milênios e pouco ou nada sabemos destas, sendo algumas destas retratadas na maioria dos casos como apenas um mito popular.
      A falta de reflexão sobre pontos essenciais sobre nós mesmo, sobre a sociedade e sobre o mundo pode gerar desespero. O desespero faz com que qualquer problema, ainda que pequeno, pareça ser intransponível, mas nem sempre é de fato. Inclusive o contágio e a morte certa por uma doença viral podem ser evitados com um pouco de bom senso. O desespero também atrai todos os tipos de charlatões que aparecem sempre para vender soluções inúteis por preços astronômicos.
         Entre bilhões de espécies habitando simultaneamente esse planeta, estamos nós aqui em um corpo tão frágil e tão vulnerável, e com uma brevidade de tempo tão ínfima que mal pode ser comparado a um piscar de olhos em relação a duração de tantos outros corpos nesse vasto universo.
      E o que esperar nessas condições? Apenas aproveitar a brevidade da vida da melhor forma possível.
        Em primeiro plano, o que tem feito com que nossa espécie possa ter tido uma vida mais prolongada foi a formação de uma sociedade civil organizada.  Em segundo e terceiro podem estar o desenvolvimento da fala e da escrita. Por meio destas conquistas, todos os outros mecanismos humanos construídos têm feito com que a nossa vida tenha uma duração maior ou menor, a depender do local, da época e do “deus governante” de um povo.
      As leis, os tratados e a diversidade nos ramos e apetrechos científicos tem feito com que a nossa vida além de prolongada, que tenhamos um pouco mais de paz (ou de guerra), que nos faça viver em busca de algo (ainda que girando em círculos) e que alguns poucos de nós tenhamos um vida longa e prazerosa, diferente de tantas outras espécies que passam maior parte de suas existências buscando uma presa ou evitando ser feito uma.  Uma vida que vale a pena ser vivida é privilégio de alguns poucos que usam a mente e corpo em constante equilíbrio. Alguns apenas vegetam até a hora da morte e acham que estão vivos.
      Um fato que tentamos negar com veemência é que desde o dia que nascemos, a única certeza que temos é que morreremos, cedo ou tarde, de um jeito ou de outro, independente dos “fracassos” e “sucessos” que tivemos na vida. Entre o nascer e o morrer, tudo é possibilidade pois a única coisa certa que temos é a morte!
      Possa ser que cresçamos, possa ser que casemos, possa ser que tenhamos filhos, possa ser que tenhamos uma vida bem sucedida, possa ser que isso, aquilo ou aquilo outro... só a morte é uma certeza para todos.
     Mesmo assim, nos apegamos a tudo e a todos como se fossemos viver para sempre  e eles também fazem o mesmo conosco. Então na hora de nossa partida, aquilo que poderia ser encarado como um “sou grato pelo tempo que vivi” ou “somos gratos pelo tempo que vivestes”, esse momento com muita frequência se torna um dos momentos de maiores angustia na existência de muitos.
      Para os que creem em divindades, um eterno queixume para as divindades começa a surgir, podendo inclusive assumir a forma de uma mágoa infindável que irá consumir o fiel e torna-lo em um ser rancoroso por toda a vida, levando o tal a acreditar que a divindade venerada não cumprira a parte no acordo quanto deixara seu ente querido partir, ou ele mesmo, o devoto padecer de alguma moléstia.
      Sem perceber, os adeptos de algumas religiões agem como capangas de grandes chefões do crime, pois consideram que o apoiar e bajular o grande chefe irá poupá-los de um mal maior. Puro engano! A morte vem a todos, independente do dízimo que você pague, de quantas vezes vá a igreja, de sua formação acadêmica ou da fortuna que acumulastes.
      Como em um grande esquema de corrupção os que veneram os deuses, nos círculos que frequentam, passam a vida enganando-se, pagando as divindades para obter privilégios especiais em relação aos demais. Dízimos, oferendas diversas, idas frequentes as igrejas e penitencias diárias são alguns dos métodos que os fieis usam para obter privilégios especiais diante dos demais. Mas quando a morte chega, percebe que tudo isso fora inútil. Não há privilégios algum, apenas estados avançados ou não de consciência na hora de encarar certos fatos. A menos que você pague um bom plano de saúde, você ou seu parente poderá receber um tratamento especial, vindo de “humanos falhos e pecadores” na hora de maior aflição. De resto, os deuses farão de ti um indigente qualquer na hora da morte e tua revolta com ele será grande.
      É comum sempre ouvir da boca de um devoto fiel, citações angustiosas largadas ao vento direcionadas ao objeto de sua fé por tê-lo decepcionado permitindo a moléstia de alguém (ou a sua própria), comprovando que eles “pagam” para obter favores especiais.
     Frases como: “por que deus?”, “por que senhor?”, “por que tu deixaste que isso viesse a acontecer”? “Tanto que eu oro, tanto que eu faço oferendas a ti, tanto que eu falo bem de ti e mesmo assim tu permitiste isso”?
     Desse modo, de revolta em revolta, em casos de morte de outrem, o que ficou vivo poderá em certos casos viver inclusive desejando se vingar do seu “santo protetor” por não ter realizado a proteção devidamente combinada (ou esperada).
       Uma das maiores mentiras subentendida que a crença nos deuses possibilita aos crédulos, é que se tu mantiveres em dias o seu relacionamento com eles, nada de ruim lhe sucederá, inclusive até mesmo poderás ser poupado da morte tu e os que tu estimas.
       Os cristãos por exemplo, apesar de dizer que acreditam na bíblia, conhecem e aceitam apenas os versículos de alto impacto, com falsas promessas, cuja crença numa proteção enganosa se fortaleça em alguns dias. Tais versículos de impacto representam menos de 1% de todo o conteúdo bíblico considerado sagrado. Como praticamente todas as linhas religiosas, o fiel cristão “pega” apenas a parte que lhe interessa, desconsidera todo o restante do “livro sagrado” e mesmo assim, diz acreditar em todo o conteúdo.
       Sendo a vida passageira e a morte inevitável, o que nos resta é vivermos cada dia da melhor forma possível, sem medo da morte e nem com o intuito de antecipá-la. Viver intensamente um dia após o outro é o bastante. Sem a antecipação de um inferno e sem tornar a vida de tantos outros em outro inferno pelo nosso modo de ser (descabido de regras).
       A vida é bela e terá o sentido que a ela dermos. Alguns, porém, a reduz em estados primitivos e animalesco como se o coito sexual ou a conquistas de “bens materiais” fosse o motivo primordial de nossas existências. Outros também de modo primitivo, se escondem atrás dos deuses, por eles vivem, por eles morrem e por eles matam e desse modo não apenas desperdiçam a própria vida, mas de todos quanto puderem. O medo, a luxuria e a ganancia são os impulsos que “dão sentido” a vida dos tais.
       Fica evidente nos momentos de encararmos a morte que apesar de uma vida inteira confessando um crença religiosa e a certeza no livramento divino em tempos difíceis, que a fé nas divindades é apenas uma mentira que contamos a nós mesmos ou que pagamos para que outros nos contem e no meio da ilusão coletiva não sejamos confrontados por aquilo que fere o nosso ego. O desejo de viver eternamente, triunfante, ao lado de um criador de tudo é a certeza que muitos professam, mas que em momentos de extremo caos social, fica evidente que para nada serve.
      Fica evidente e claro como o cristal, que em momentos de pandemias ou de fenômenos com efeito globais, a reunião de todos os deuses juntos nada podem fazer pela humanidade e que a fé coletiva de todas as religiões do planeta e a somatória de todos os deuses não tem valor algum, mas que um simples mortal com alguns anos de estudo, trancado em um laboratório, que após sucessivos erros, consegue achar a solução para um problema cujo o panteão dos seres celestiais não conseguira realizar e nem a fé de todos os crédulos juntos fora capaz de fazer.
       O medo da morte e do futuro é um dos mecanismos mais utilizados por todos quanto desejam um controle massivo dos seres. Quando todos sucumbem a isso, estar morto e estar vivo é apenas questão de perspectiva de quem os observa.
       Sozinhos viemos a esse mundo, e sozinhos certamente voltaremos. Para onde vamos, depende de qual versão paralela decidistes acreditar. Conhecer um pouco de nós mesmos, de nossa evolução como espécie e de vários outros organismos vivos nesse planeta, pode fazer com que essa ideia a ideia de que somos “seres superiores escolhidos por algum deus” faça menos sentido e passemos a viver o presente como seres animados vivendo em sociedade com ou sem propósitos,  respeitando e sendo respeitados.
      Quem sabe assim na hora da morte possamos partir sem tanta aflição, ou deixar que outros (em causas naturais) deixem essa vida sem sofrermos tantos.
      Tudo que é vivo um dia morre....
      Saúde e sanidade a todos!
  • Vossa Santidade

    Vossa Santidade,
    Vou trazer o seu café
    Sua férula, seu terço,
    Sua fé

    Seu pudor manipulado
    Seu mistério sem mistério
    Seu conceito certo/errado
    Seu império

    Apareça nas sacadas
    Com sua crença pervertida
    Cure todas as feridas
    Com suas mãos, benta e cagadas

    Depois volte ao seu trono
    Se puder pegue no sono
    E não toque mais em nada

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222