person_outline



search

filosofia,

  • Ensaio de Filosofia

    O contrário do oposto, és tu mesmo?
  • Ensaio sobre o problema da música

    Viver é buscar musicalidade. Música é panaceia, S.O.M.A., a pílula azul, gozo; sem ela não vivemos. Este é o verdadeiro fado do homem, viver em um mundo de música finita – não obstante, de infinitas melodias. É impulso primal, este desejo de canção; o buscamos em cada ação, cada pensamento, cada sonho, cada lapso. E cada gesto nosso, implica uma reação – e, por que não? Uma punição! Isto porque inebriar-se deste impulso é, entretanto, o mais censurado ato. E tudo o que a humanidade fez até aqui, mirou suprimir a música. Pura tolice – uma vez que a musicalidade a priori já realiza esta tarefa – a música tende a findar par excellence. 

     

              Com isso, podemos confabular um caminho curioso: vivemos de música, nosso prazer; mas esta nos escapa, é instável, inconstante e principalmente externa, isto é, independe do individual e, essencialmente, não pode ser forjada adentro. Assim, a grande saída da humanidade (“O Problema de Sócrates”) foi trancafiar a música – niilismo daqueles que “prefiram um nada seguro a um algo incerto para deitar e morrer”. Estabelecendo-se o silêncio como sagrado e mais alta virtude. Deste modo, o homem se viu livre desta busca agonizante. Ao menos assim lhe disseram...

     

              Esta “solução” insidiosa, no entanto, resultou, senão uma série de sintomas. E logo se alastrou uma perene histeria coletiva, pessoas vagavam pelas ruas desorientadas por uma melodia insinuante que lhes ressoava abafada em um canto obscuro da mente (vide epidemia de 1518). Assim, um novo – e mais severo – mal-estar impregnou-se sobre a civilização. O que tornou a moléstia mais austera do que no passado, foi o fato de havermos esquecido o que significava aquele som. Porquanto, acreditava-se que a música era, então, algo condenável – reprimido! Analogamente, criou-se – através do silêncio – uma resistência sobre nossa concupiscência musical. 

     

              O último-homem (o mais ressentido niilista) inferiu, afinal, que a sociedade abdicou a música, mas o indivíduo não. Era preciso atuar ativamente sobre a mente particular e seus respectivos desejos. O modo como se operou a situação foi o mais monstruoso – e paradoxalmente natural – possível: fixou-se o conceito (música igual mal) na supervisão interna, no panóptico pessoal que, ao mesmo tempo, regulava, vigiava e punia os impulsos à musicalidade de cada um.

     

              Finalmente, ecce homo: polido como se deve.

     

    *****

     

    É ilusório pensar que este é o fim. Trata-se do início: "Incipit tragoedia"! O declínio que nos levará a transcender – transvalorar. Se ao fundo ainda se ouve algum som, não temam a nenhuma proibição. Sendo a música o nosso alvo, e o silêncio a moral; que sejamos imorais! Assim vivemos. E se a música retorna amor fati, se ela finda, o mesmo. “Se já não tens felicidade a me dar – Vamos, ainda tens tua dor.”

     

    *****

     

    “(Meio-dia; momento da sombra mais curta; fim do equívoco mais longo; auge da humanidade; INCIPIT ZARATUSTRA.)”.

     
    Viver é buscar musicalidade. Música é panaceia, S.O.M.A., a pílula azul, gozo; sem ela não vivemos. Este é o verdadeiro fado do homem, viver em um mundo de música finita – não obstante, de infinitas melodias. É impulso primal, este desejo de canção; o buscamos em cada ação, cada pensamento, cada sonho, cada lapso. E cada gesto nosso, implica uma reação – e, por que não? Uma punição! Isto porque inebriar-se deste impulso é, entretanto, o mais censurado ato. E tudo o que a humanidade fez até aqui, mirou suprimir a música. Pura tolice – uma vez que a musicalidade a priori já realiza esta tarefa – a música tende a findar par excellence. 

     

              Com isso, podemos confabular um caminho curioso: vivemos de música, nosso prazer; mas esta nos escapa, é instável, inconstante e principalmente externa, isto é, independe do individual e, essencialmente, não pode ser forjada adentro. Assim, a grande saída da humanidade (“O Problema de Sócrates”) foi trancafiar a música – niilismo daqueles que “prefiram um nada seguro a um algo incerto para deitar e morrer”. Estabelecendo-se o silêncio como sagrado e mais alta virtude. Deste modo, o homem se viu livre desta busca agonizante. Ao menos assim lhe disseram...

     

              Esta “solução” insidiosa, no entanto, resultou, senão uma série de sintomas. E logo se alastrou uma perene histeria coletiva, pessoas vagavam pelas ruas desorientadas por uma melodia insinuante que lhes ressoava abafada em um canto obscuro da mente (vide epidemia de 1518). Assim, um novo – e mais severo – mal-estar impregnou-se sobre a civilização. O que tornou a moléstia mais austera do que no passado, foi o fato de havermos esquecido o que significava aquele som. Porquanto, acreditava-se que a música era, então, algo condenável – reprimido! Analogamente, criou-se – através do silêncio – uma resistência sobre nossa concupiscência musical. 

     

              O último-homem (o mais ressentido niilista) inferiu, afinal, que a sociedade abdicou a música, mas o indivíduo não. Era preciso atuar ativamente sobre a mente particular e seus respectivos desejos. O modo como se operou a situação foi o mais monstruoso – e paradoxalmente natural – possível: fixou-se o conceito (música igual mal) na supervisão interna, no panóptico pessoal que, ao mesmo tempo, regulava, vigiava e punia os impulsos à musicalidade de cada um.

     

              Finalmente, ecce homo: polido como se deve.

     

    *****

     

    É ilusório pensar que este é o fim. Trata-se do início: "Incipit tragoedia"! O declínio que nos levará a transcender – transvalorar. Se ao fundo ainda se ouve algum som, não temam a nenhuma proibição. Sendo a música o nosso alvo, e o silêncio a moral; que sejamos imorais! Assim vivemos. E se a música retorna amor fati, se ela finda, o mesmo. “Se já não tens felicidade a me dar – Vamos, ainda tens tua dor.”

     

    *****

     

    “(Meio-dia; momento da sombra mais curta; fim do equívoco mais longo; auge da humanidade; INCIPIT ZARATUSTRA.)”.

     
     
  • ENTRE O INÚTIL E O INEFICAZ

    Se nada mais der certo, ore para uma ferida ensanguentada e creia que ela vai te ajudar!
     
      Recentemente voltando para casa num fim de tarde depois uma pequena viagem, a sintonia do rádio do meu carro foi mudada depois que atravessei a fronteira do meu estado.
      Era por volta das 18hs, eu estava ouvindo uma coletânea de músicas do passado e um padre bem entusiasmado ocupou a frequência fazendo uma oração frenética, pedindo ajuda para UMA FERIDA ENSANGUENTADA. A oração das santas Chagas. Esse devia ser o nome.
       Já ouvira aquela reza em outra ocasião, mas nunca prestara atenção ao que ela dizia, nem no arranjo das palavras e nem nas intenções do pedinte. Agora ouvindo-a minuciosamente, percebia um homem com muita fé implorando as feridas ensanguentadas de um cristo, que supostamente morreu num madeiro cerca de 2 mil anos atrás. Ele pedia favores para si, para sua família e outras coisas mais.
      Pela entonação de sua voz parecia que ele tinha certeza que seria atendido. Pelo número de vezes que repetia a mesma coisa, dava-se a entender que ele mesmo duvida da eficácia de seu pedido ou de quem (ou o que) iria lhe atender.
      Por um momento pensei ter voltado mil anos atrás em um ritual litúrgico da idade média, ou estar mergulhado em um dos vários livros de história medieval que tanto gosto.
      Uma freada brusca no trânsito me trouxe de volta a realidade: homens com máquinas modernas faziam reparos em um trecho da rodovia BR 101 que cedera devido as chuvas fortes da semana anterior. Carros e caminhões luxuosos e potentes também estavam parado à minha frente e ao meu lado, provando que realmente eu estava no século XXI e não no X.
      Me lembrei que orações desse tipo são tão comuns e tão confusas que sempre nos remeterá a momentos tenebrosos de nossa história, onde o medo, a ganancia, a ignorância e a manipulação imperavam acima de qualquer coisa lógica, razoável ou científica.
       Não importa o século em que estejamos, quanta tecnologia a humanidade tenhamos criado, e quantas descobertas médicas e cientificas nossa espécie tenha feito: sempre será bizarro os métodos que os fiéis utilizam-se para agradar aos deuses, receber deles perdão, favores ou aplacar destes a ira intermitente e irracional que lhes são peculiar.
      Criamos vários meios comunicação e transportes para que a distância seja diminuída entre todos os povos e as interações e troca de conhecimentos possam ser de forma fácil e instantânea. Porém o modo de comunicar-se com os deuses será sempre duvidoso e pesaroso e a maneira de “transporta-se” à presença deles ainda foge a todo tipo de racionalidade. Parece que a regra geral ao invocar ou “servir a um deus” é não usar o cérebro de jeito nenhum, ou deixa-lo desligado enquanto a liturgia durar.
       Algumas vezes é preciso descer além dos limites da baixaria, da bestialidade e da racionalidade humana para ter um pedido “atendido” pelos deuses. Outras vezes, os que se dizem seus arautos colocam-se num pedestal inalcançável, julgando estar acima de qualquer outro ser vivente, por possuir “acesso direto” a essa ou aquela divindade. Os que desejam alcançar os favores dos deuses estão dispostos a pagar os favores que tais intermediários cobram, sejam favores políticos, sexuais, financeiros ou de influência. Sempre há um preço a ser pago e sempre há que os pague no intuito de “levar vantagens” sobre os outros aos corromper os deuses em detrimento próprio.
      Sacrifícios humanos, de animais, com plantas, com comida, de dinheiro, de ouro e até de falos e vaginas: cada deus ou sacerdote tem seu preço para interagir e “se deixar usar”. A dizimação de povos inteiros também já solicitado em certos lugares como forma de pagamento por um favor alcançado ou a alcançar. O antigo testamento está cheio desse relato, ordenado pelo próprio “deus de amor”.
       A época, o modo ou a bizarrice que os fiéis empregam nos ritos litúrgicos podem ser diferentes, mas as os motivos por trás dos ritos serão sempre as mesmas: medo, ganancia, ignorância ou tradições culturais.
       Percebendo-se que determinado método não funciona, inventam-se outros meios, outras liturgias e até outros deuses. Se mesmo assim não funcionar, se a graça não for alcançada, invocar-se-á todos os deuses juntos, ou praticar-se-á todos os ritos de culto simultaneamente de forma ecumênica para que determinado problema individual ou coletiva seja resolvido.
       Se ainda assim não funcionar, se deus não responder, as “bruxas” e as “pessoas sem deus” serão sempre culpadas pela ineficácia dos métodos e dos deuses. Foi assim num passado distante, durante toda idade média e tem sido assim até hoje.
       Parece-me que em todas as eras, apenas um “ateuzinho de nada” solitário, sem dizer nada, sem nada fazer  e sem crer em nada, terá mais poder do que milhares de crédulos juntos morando em uma cidade, cultuando a dezenas de deuses, executando centenas de rituais litúrgicos,  impetrando milhões de orações, fazendo todos os tipos de rezas mandigas e simpatias.
       Um ateu solitário, viajando em seus livros sempre atrapalha um mundo inteiro de crédulos mesmo estando apático aos devotos e suas devoções. Ele será sempre a criptonita de todos os deuses, crentes e religiões juntas.
      Sempre que a loucura coletiva não obtiver os resultados desejado, esta irá procurar alguém ou alguns para culpar imbecilidades, suas paranoias e seus desejos egoístas inalcançados.
      Desde os mais remotos tempos, aqueles que não se rendem as crendices populares tem servido de bode expiatório quando os deuses não respondem.
      Ao invés de dizerem: estamos fazendo papel de gente idiota”, eles dizem: “a culpa é daquela pessoa sem deus”; Ou: “há pecado em nosso meio, por isso deus não nos atende”!
      Os métodos de acesso com os deuses sempre nos remetem ao passado ou nos deixa preso nele. Isso é fato.
      Não um passado nostálgico, que nos remete à boas lembranças, mas ao passado tenebroso em que os piores de nossos instintos eram despertados e vistos como se fossem virtudes divinas, a exemplo da ira, a perseguição, o ódio e o desejo de morte a todos que não fossem daquele povo ou daquela fé.
      Desse modo, por mais moderno e tecnológico que alguém ou um país se julgue, quase sempre será levado de volta a idade da pedra mediante um ritual litúrgico, não importa se a entidade cultuada seja “presencial” ou metafísica. Um pé no futuro e outro no passado. É quase sempre isso que acontece quando as pessoas “falam com deus”.
      Os que depositam sua confiança em deuses ou ritos não entendem que apesar de parecerem diferentes, os resultados serão sempre os mesmos não importa os deuses ou o método. Orar para uma pedra, para um pedaço de gesso, para um tronco de madeira, para um quadro pintado na parede ou para um ser imaginário produzem os mesmos resultados: nada!
      Deixar de orar e tomar as rédeas da própria vida faz com que resultados reais aconteçam, mas nem todos são capazes de entender isso e alguns até que são, mas fingem não ser, pois enquanto puderem tirar proveito da situação, o que importa é o lucro!  Outros entendem que “aliado aos deuses”, diante dos fracassos e as “cagadas” que fazem na vida terão sempre a quem responsabilizar, por isso mantém essa sociedade sinistra com os tais.
      Quanto mais deuses e métodos para invoca-los, mais evidente fica que os demais métodos (ou todos eles juntos) não tem eficácia alguma. 
      O cristianismo por exemplo, é uma das religiões mais sincréticas que existe (que mistura ritos de várias crenças e povos) A maioria dos adeptos desconhecem esse fato e acreditam que ela seja uma “religião original”, como se o próprio deus tivesse inventado tudinho come em um roteiro de um filme. Eles pensam que tanto os ritos quantos os santos venerados sempre foram ou estiveram do mesmo jeito desde a fundação até os dias atuais.
       No catolicismo, além de pedir ajuda a uma ferida ensanguentada, você pode pedir ajuda um senhor morto que jaz em um altar, todo ferido, prestes a ser embalsamado e levado ao sepulcro; a um jesus menino, deitado em uma manjedoura cercado de animais que alegra-se com seu nascimento; a um jesus crucificado pendurado em um madeiro prestes a dar o seu último suspiro de vida; a própria cruz que ao mesmo tempo que fora objeto de sua dor tornara-se o motivo de sua glória; a um jesus ressuscitado que ao voltar à vida subjuga a morte e o inferno; a uma mulher casada, eternamente virgem que gerou um filho de um pombo; ao próprio pombo; ao velho deus antes de virar pombo ou aos três personagens coexistindo simultaneamente em um suposto ser chamado Santa Trindade.
      Se isso não for suficiente peça ajuda a são José, o velho carpinteiro que criou a jesus e tornou-se santo por assumir em silêncio um filho que não era seu; a Sant’Ana, que apenas por ser mãe de Maria e avó de Jesus também virou santa; a Tiago e outros de seus irmãos que também tornaram-se santos devido ao grau de parentesco com o “mestre” e se isso ainda não for o suficiente, solicite ajuda aos 12 discípulos e as mais de 20 mil pessoas que a igreja canonizou nos últimos 17 séculos. É possível que em sua cidade, estado ou país tenha pelo menos um desses santos canonizados.
      Além disso, há sempre objetos mágicos, mistificados ou beatificados que um crédulo também pode pedir ajuda para complementar, ou se achar que os outros recursos não dão conta.
     A igreja católica tem milhares de relíquias sagradas para “te ajudar” a crer ainda mais e a pedir melhor vendo ou tocando em um objeto que “comprova” a existência de tudo o que é “sagrado”.
      Existe o santo sudário, as vestimentas e utensílios dos papas, escritos antigos, ossos dos santos, objetos benzidos e outros itens de valores inestimáveis que estão ali para ajudar na realização de milagres, principalmente o milagre da multiplicação de poder e riquezas da igreja.
       Para quem pode e deseja ter uma interação maior, é possível visitar os “locais sagrados” e reviver cada cena, beijar cada pedra ou orar em cada canto que dizem ser santos
       Os locais de onde aparições de visões ocorreram são ótimos para que pedidos sejam atendidos. Pelo menos é o que dizem! Pena que de depois da popularização das câmeras fotográficas essas aparições diminuíram, senão poderia ser você o felizardo a contemplar uma aparição como fora com as crianças de Fátima e tantos outros.
       Uma pessoa que interagiu com algum tipo de visagem geralmente se torna santo, deixa sua família e cidades mundialmente conhecidos por gerações. Muito bom, não é?
      Uma das primeiras pessoas a interagir com um avistamento desse tipo, se tornou o pai de mais de 4 bilhões de fieis no mundo inteiro que brigam há mais de 4 milênios, tentando provar um ao outro quem é o mais especial ou quem e quem tem a maior coleção de besteiras feitas em nome da fé.
       Moisés, o homem que conversou com uma moita ardente no meio de um deserto e recebeu dela instruções, não parou mais...até o dia de sua morte conversou com pedras, cajados, nuvens, montanhas, raios, relâmpagos e trovões. Sempre sozinho como todos os outros fundadores ou no máximo na companhia de outra pessoa “de confiança”.
      Para ser mais cômodo e poupar seus servos de tanto trabalho, deus prefere aparecer em um pão mofado, na parte traseira de um cachorro ou em mancha na parede. Seus planos e métodos sempre serão uns mistérios inquestionáveis.
      Algumas coisas na vida podemos fazer com que sejam eternas. Outras serão consideradas apenas uma fase, uma lembrança maldita que alguns de nós tentamos esquecer ou nos envergonhamos de já ter sido parte de tal bizarrice, imbecilidade ou sofrimento desnecessário.
      Libertar-se de padrões repetitivos e de comportamento de rebanho é algo que a princípio será inadmissível por parte dos que lucram com nossa ignorância e medo. Eles irão demonstrar um misto de raiva e falso amor ao nos perder como fonte de renda, poder ou manipulação.
      Alguns irão ter dificuldades em libertar-se libertar das paranoias que por tantos anos fizeram parte de suas vidas do inicio até o fim do dia, sempre envolto em mistérios e sacralidades duvidosas. O medo do fracasso próprio mediante o rogo de praga de tantos “irmãos que os amavam” será evidente, mas tudo isso passa.
       A reconquista de nossa sanidade é algo pessoal. O senso de moral e justiça devem ser mantidos, não sobre os padrões de favores e recompensas que um deus qualquer possa prometer ou pela hipocrisia comum aos amantes de fé que só “amam” e “respeitam” os que comungam com suas crenças, mas pela necessidade de harmonia e paz entre os que dividem os mesmos espaços conosco.
      Toda mudança pode ser um choque e sofrível, mas não há nada que pague enxergar com os próprios olhos, ouvir, pensar, falar e se locomover por conta própria sem o cabrestão da fé
       REVEJAM SEUS CONCEITOS!
       Saúde e Sanidade a Todos!
  • Erros passados

    “Quando seu foco deixar de ser concertar os erros do seu passado e começar a usar eles para aprender e acertar no futuro sua vida muda”

    Bom, todos tem algum erro em seu passado que desejam concertar não e mesmo, todos nós erramos algum dia e isso influenciou de alguma maneira em nosso futuro e passamos umas boas horas pensando em alguma forma de voltar no tempo para poder não repetir a mesma coisa. Mas como sabemos voltar no tempo por enquanto não e possível para nós seres humanos, então devemos em vez de ficar passando nosso tempo se lamentando por causa do passado devemos usar esse nosso erro de outro modo, devemos ver ele como uma maneira de aprender e não cair duas vezes no mesmo buraco, esse erro não vai poder ser concertado então de que adianta ficar pensando em oque você poderia ter feito para acertar? Não adianta nada porém nós devemos pensar nesse erro de maneira que possamos ver onde erramos, entender que falha nossa causou isso, aprender como essa falha pode ser concertada e ver uma forma de não repetir a mesma coisa outra vez. Não devemos tentar esquecer completamente de todos os nossos erros, foram eles os responsáveis pelas vezes em que voce já acertou.
    Todas as vezes que tropeçamos melhoramos o nosso jeito de andar, a vida e como um campo minado quando você sabe onde estão as minas não vai passar por aquele local certo? Seria maluquice se nos tentássemos esquecermos onde estão as minas, mas porque acham tão normal querer esquecer os erros? Nesse caso essas minas estão representando nossos erros e o campo e a nossa vida, o caminho reto e mais fácil de se seguir e tem a um final mais rápido, já o caminho com curvas pra direita e pra esquerda pode demorar porém você vai chegar ao final do caminho e não ao seu.
  • Esotérico Ato Manifesto da Revolução Existencial




    Nos primórdios da nossa existência como uma das muitas espécies que habita esse ecossistema terráqueo. Nós éramos simplesmente um ser coabitando e interagindo com os outros inúmeros seres aqui existentes. Não víamos a natureza como esse belo quadro pintado a óleo ou aquarela, ou como as ‘pixeladas’ imagens digitais no fundo dos nossos desktops eletrônicos e dispositivos móveis. Não ansiávamos pela chegada do tempo limitado do fim de semana para passear com a família nos bosques e pradarias, e nem tão pouco esperávamos a chegada das férias para curtir os muitos lugares paradisíacos, ou nos aventurar em trilhas, escaladas e caminhadas nos ditos ambientes naturais e ecológicos. Essa coisa alheia que hoje denominamos “NATUREZA” era intimamente o único e o primeiro mundo vital e cultural que existíamos.






    Nossos antepassados não só viviam em contato íntimo com as outras criaturas vegetais, animais e inanimadas, como se comunicavam diretamente com os seus espíritos e coração. Daí que surgem as fabulosas histórias e contos de fadas, gnomos, duendes, devas, ninfas, curupiras, orixás, anjos, caboclos, entre outras inúmeras manifestações do que hoje classificamos como “espíritos inorgânicos da natureza” em diversas culturas humanas espalhadas pelo mundo.
    Por isso, fica muito difícil para o nosso entendimento humano separar a nossa espiritualidade, cura e boa qualidade de vida da Mãe Natureza. Isso explica porque os diversos movimentos esotéricos, xamanísticos, taoistas, hinduístas, budistas, cabalistas, sufistas, gnósticos, wicca, candomblé, entre outros da busca da espiritualidade, como também os movimentos de cura, saúde mental, e medicina ancestral e alternativa se situarem em ambientes naturais abertos e ecológicos.





    Percebemos ao longo do nosso rigoroso processo civilizatório, em que gradualmente nos separamos do nosso natural habitar, que o SAGRADO em nós foi naturalmente esquecido. Deixamos de ouvir as MENSAGENS DOS VENTOS, paramos de falar a LÍNGUA DAS ÁRVORES E MONTANHAS, abandonamos o afeto de SENTIR COM O CORAÇÃO, e os nossos olhos se cegaram para o MUNDO INVISÍVEL. E, para piorar mais ainda a nossa situação, nos transformamos no pior predador que já existiu em todos os tempos. ‘Satânico Aniquilador’ das muitas culturas existenciais em todos os aspectos da natureza, e de nós mesmos.
    Atualmente nos tornamos existências humanas desencantadas, prisioneiras de nós mesmos em frente a uma tela Touch Screen de valores, e, de falsas concepções virtuais, mendigando uma irreal atenção em salva de palmas, likes e emotions de coraçãozinhos vermelhos, rostos redondos amarelados (caras de bolachas) e legais polegares opositores.




    As proximidades humanas se basearam em distantes conexões WI-FI, em que ignoramos cruelmente os nossos presentes íntimos entes queridos a nossa volta, em ser um direto participante na criação doAqui e Agora, para nos tornar um observador e um observadodistante do passado alienado dos desejos, anseios, críticas e felicidades do desconhecido “amigo” internauta. Preferimos viver solitários com políticas de privacidade essa virtual ruptura do contato natural, nos separando plenamente do sentido existencial da vivência humana, e minimizando a nossa consciência social, afetiva e emocional ao estado simplista do observador e do observado.
    A tecnologia não promove e nunca promoverá, assim como as propostas da comunidade científica, uma fusão harmoniosa com a existência humana e a natureza. Sua meta desde a revolução industrial é unicamente modificar. Acreditando melhorar, otimizar, maximizar, implantar, oportunizar e assegurar um conceito evolucionário de humanidade ciberneticamente supranatural, onde poderíamos viver sem depender dos recursos naturais e afetos sociais para nossa existência. Para assim, em vez de (como eles acreditam) subsistirmos, ‘sobresistirmos’ na lua, em Marte, ou em uma cosmológica galáxia distante como prega e aliena Hollywood.
    Então, eis a questão e desafio existencial da nossa cultura humana: ATÉ QUANDO FICAREMOS CALADOS E INERTES, TRANSMITINDO PARA AS GERAÇÕES FUTURAS ESSA GRANDE DEPRESSÃO EXISTENCIAL, PELO QUAL NOS CONVERTEMOS NO TIRANO PROBLEMÁTICO DESTRUIDOR DA BELEZA DE TODAS AS COISAS? Entretanto, quem se movimentará e falará com loucura e paixão para o despertar da grande massa? Quem será esse novo Meshiach e Avatar? Mas, enquanto ELE ou ELA não chegar ficaremos inertes, atrofiando nossa mente e coração nas telas e internet? Vemos, entretanto, que os desafios para o retorno do SAGRADO em nossas vidas são tremendamente numerosos.




    Devido a essa atual situação existencial em que a HUMANIDADE se encontra, envolto as novas e mutantes formas de opressão, ignorância e escravidão cultural, social e ambiental que impera na moderna virtual e industrial tecnológica sociedade capitalista, e, devido ao medo e do desespero que nos apodera, retratando que a maneira de como estamos vivendo é totalmente homicida e suicida perante aos nossos recursos naturais, onde cada vez mais poluímos e desperdiçamos as águas, degradamos o nosso ambiente e geramos lixo em quase tudo que vestimos, utilizamos e nos alimentamos. Além de toda ignorância em inúmeras faces do cotidiano sócio-cultural-ambiental humano, gerando tendências violentas e diversificadas para o crime, miséria, terrorismo, consumo de mortíferas drogas, doenças, imoralidades e agressões (físicas, psicológicas, verbais e mentais), sexualidade depravada e infelicidades que agora são tão comuns no nosso sistema sócio-virtual de vida. Em que os fatores desses relatos nos mostram que cada vida humana que nasce no mundo hoje, é mais um agente para crescer o nosso estilo existencial que é totalmente insustentável, destrutivo e prejudicial à vida do nosso habitar e de todos os seres vivos que habitam nele, inclusive as nossas próprias vidas… que se faz presente a proposta da REVOLUÇÃO EXISTENCIAL.
    Eu acredito com todos os meus dentes, unhas e fios de cabelos no PODER e na MAGIA DA EDUCAÇÃO na formação e transformação cultural da condição humana, e sei unicamente que a JUVENTUDE é o solo fértil em que a semente do VERDADEIRO SER HUMANO, romperá sua cápsula de ignorância em direção a um MUNDO LUMINOSO DE POSSIBILIDADES INFINITAS.






    Com base nesse princípio e nos frutos de minhas experiências de vida e ativismo, como um brasileiro latino americano e cidadão do mundo, habitando atualmente no oeste da Galileia, preocupado com o futuro da humanidade representado nos meus filhos e filha, e nos filhos e filhas dos irmãos e irmãs que são a NOVA GERAÇÃO EXISTENCIAL, e também, baseado nos diversos relacionamentos em trabalhos com crianças e adolescentes como um aspirante educador ambiental e alternativo, este ATO, que intitulo como REVOLUÇÃO EXISTENCIAL, foi idealizado e concebido, como uma nova fórmula existencial alternativa a esse SISTEMA FALIDO em que hoje alimentamos com a nossa energia, trabalho e atenção.




    Sendo este VALORO MANIFESTO adequadamente efetivo em todos os princípios básicos de desenvolvimento sustentável. Visando ser acessível a todos, e, agindo em prioridade no desenvolvimento da capacidade criativa humana, e de seu poder de auto-cura e restauração pela valorização existencial da vida, principalmente da JUVENTUDE, incentivando e reconhecendo as suas faculdades inatas, proporcionando o bem-estar vinculados as brincadeiras, expressões artísticas, corporais, culturais e esportivas, e, de práticas bioenergéticas em que o fundamento existencial satisfaça as suas necessidades diárias, com a plena responsabilidade de cuidar e manter a boa e sadia qualidade de vida das gerações futuras e do meio ambiente comunitário ecologicamente equilibrado.
    Manifestando no Aqui e Agora o Gan Éden judeu, o Paraíso cristão, o Taru Andé guarani, o Ilè Aiyé yorubá e a N’gola N’janga quilombola dos sonhos de liberdade dos nossos antepassados africanos que foram escravizados. Tudo isso meticulosamente pensado, escrito, falado e acreditado sem utopias na manifestação exata de um pleno e admirável MUNDO NOVO.





    Estou aqui plenamente consciente em alerta vermelho, para exclamar em poucas palavras que:
    SE VOCÊ NÃO FAZ PARTE DA SOLUÇÃO, ENTÃO VOCÊ FAZ PARTE DO PROBLEMA!
    Porém, se você chegou até aqui, isso prova que você faz parte da solução. Isso prova que eu não estou sozinho nisso e de que a responsabilidade para a implementação desse ATO MANIFESTO é sua também. Como vamos fazer isso acontecer e colocar essas palavras em práticas? Eu não sei, e não sei se você sabe também. Apenas, eu acredito na fé e na união dos nossos pensamentos e sentimentos de fazer isso acontecer. Não sei onde ou quando? E não sei se você também sabe. Sei apenas que devemos propagar essas ideias e fazer com que o maior número possível de pessoas acredite, como nós acreditamos…



    Podemos fortalecer isso, através de pequenas ações, se você compreende ou maneja bem outra língua, você pode traduzir esse ATO MANIFESTO e disseminar a ideia para outras culturas linguísticas. Eu apenas rufo como um tambor convocador e sou como um vaso que derrama água em outros recipientes. Pois a iniciativa da criação dessa reforma intitulada REVOLUÇÃO EXISTENCIALnão é minha, mas provém do ALGO que fez surgir e que movimenta todas as coisas. E este ALGO manifesta a cura e seus benefícios através da nossa união e de nossas boas ações.






    Acredito que somos a cura! EU e VOCÊ. E de que nossa união pode gerar a magia de fazer tudo acontecer. Sei que assim como eu, você está cansado desse sistema de vida podre e falido, e também, está cansado de reclamar e falar mal dele sem tomar atitudes para derrubá-lo. Sei que você tem medo de que seus filhos possam se transformar nisso. E se não tem filhos, sente medo de tê-los. Pois, como educá-los na verdade num mundo de mentiras? Sei que você está decepcionado, assim como eu, com a política e a religião e suas pluralidades de palavras paradisíacas futuristas. Onde nossos líderes lutam contra aquilo que eles verdadeiramente são, fazendo de suas ambições egoístas e malévolas nossas leis e crenças. Sei que você já se desesperou com essa realidade de vida triste e feia, onde o pesadelo é mais real do que os sonhos, e a solidariedade é utopia e o amor ao próximo é tão démodé.
    Sei também, que assim como eu, você já pensou desesperadamente em se matar, apenas como um desejo de acordar de um pesadelo. Mas sei que assim como eu, você foi forte e logo sorriu para o mundo num ato de transmutação de consciência divina. Sei que assim como eu, você experimentou muitas coisas para chegar a ser quem você é hoje. Sei que você levou muitas rasteiras e topadas na vida, foi humilhado e humilhada e que até hoje em um relapso de tempo você sente uma forte dor aguda não física, mas como um punhal atravessando o seu coração e o/a sufocando de uma forma tão real, que esse sentimento não pode ser verbalizado. Mas, sei que todas as quedas que você teve não foram derrotas, pois acredite meu amigo e minha amiga, você caiu quando esteve a subir.
    Sei que você já não sabe mais o que fazer, pensar e agir. Além de todo esse tédio de não ter o que fazer, por ter muita coisa para fazer e não saber por onde começar, e, de que tudo está chato e monótono.
    Como vê minha amiga ou meu amigo, estamos juntos na mesma embarcação chamada “Planeta Terra”, à deriva de um mar sideral desconhecido e com tripulantes desesperados pelo sentido da jornada.




    Eu acredito firmemente que num futuro próximo iremos nos encontrar e manifestar esse ATO MANIFESTO que hoje deslumbramos. Acredito no nosso potencial de criação, transformação e restauração. Já consigo ver o nosso convívio e cotidiano feliz com muitos trabalhos e desafios tremendos, com dores e alegrias iguais a de um parto, para um nascimento de uma nova maneira de viver, pensar e agir. Não vamos mudar o mundo e nem precisamos, pois, o mundo do jeito que A ENERGIA CRIADORA PAI-MÃE-FILHO nos deu, já é pleno, maravilhoso, justo e sustentável. O que vamos fazer é mudar a nós mesmos, na contemplação dos conhecimentos que nós nos esquecemos de valorizar. Como? Onde? Quando? Eu não sei. Você sabe? Se souber, ou tem uma solução me conte! A única coisa de que sei, é de que:
    A aranhazinha tece sua teia sem se preocupar com o inseto que lhe servirá de alimento. O inseto voa de encontro à teia sem se preocupar que vai servir de alimento. A teia é o atrativo dos propósitos. A aranhazinha depois de tecer sua teia, apenas somente espera. Armar a teia e pacientemente esperar… então, o ALGO que DANÇA EM TUDO fará com que mova na REDE DO INVISÍVEL a REALIZAÇÃO DOS SONHOS, manifestação dos propósitos. Concretização desse Esotérico Ato Manifesto da Revolução Existencial.
  • ESSE TAL DE DEUS ME REVELOU...

    Por trás de uma frase como essa, as piores intenções podem estar ocultas
      Pela boca dos “videntes de cristo”, a frase “deus me revelou”, “deus me mostrou” ou “deus me disse”,  vem sempre acompanhada das citações: “ele estar me usando para...”, ou “ele estar me mostrando que...” além dos imperativos “você precisa fazer...”, “você precisa ofertar...”, “você precisa vigiar...”, “você precisa obedecer...”, “você precisa se arrepender...” e tantos outros termos que despertem nos ouvintes, um estado de choque, de culpa, paranoia ou necessidade de ser ainda mais capachos de uma hierarquia eclesiástica para os mais diversos propósitos.
       Em praticamente todas igrejas tem um ou vários desses videntes ou profetas. Pior ainda quando eles ultrapassam os limites da igreja e invadem casas, famílias e ambientes de trabalho, se intrometendo onde não é chamado, apontando dedo na cara de um e de outro, falando coisas que não sabem, que não viram, que não tem certeza ou que nunca aconteceram e ainda impondo aos que ouvem, que respondam de imediato aos seus comandos ou que acreditem que aquela “revelação” é verdadeira.
       Quase todos eles costumam te ameaçar com pragas ou morte se você rir ou duvidar das “profecias” ou “revelações” que eles estão entregando. Pior ainda se disser que há um equívoco no endereço daquela “mensagem” e que nada daquilo que fora dito estar acontecendo ou se encaixa com você. Eles ameaçam também seu casamento, seus filhos, seus pais, seus irmãos e até a sétima geração de sua família se tu não deres ouvido a “voz de deus”. Se o trabalho seria o de apenas fornecer uma informação, estes querem ser ouvidos, obedecidos, homenageado e até idolatrado pelas baboseiras que em certos casos proferem.
       Outro fato notório entre essa classe atual de “profetas” é que quase todos eles são esquizofrênicos, paranoicos, mal amados, não sabem amar, são arrogantes, cheios de orgulhos, de ira, de inveja, prepotentes e confundem tudo isso que sentem como se fosse essas qualidades malignas a unção de um suposto espirito santo de deus. Só se for de algum deus das trevas!
        Eles dizem: “a sepultura vai se abrir”, “deus vai usar seu cajado”, “vai ter morte”, “vai ter caixão”, “deus vai pesar a mão ainda esses dias”, “entra pela porta, terra...”! Essas são as frases que eles mais usam pra intimidar a maioria dos incautos. Mas se tu tiveres um dízimo alto e estiveres obedecendo 100% ao seu líder (fazendo inclusive algum tipo de serviço extra) a coisa muda para: “eis que vejo uma porta se abrindo para ti”! “Eis que vejo um varão de branco em sua vida”! “Eis que vejo uma chave da vitória...receeeeeeba!!!!!!
         !!!Atenção dobrada para esse povo que vive a profetizar em nome de deus nunca é demais!!! Alguns deles dizem ouvir vozes, inclusive para cometer assassinatos! Todo cuidado é pouco contra quem estar sempre a usar um símbolo sagrado como bandeira.
        Se deres brecha, tai profetas podem arruinar não apenas uma vida, mas milhares delas. Em nome das loucuras do invisível, do inaudível e do intocável, por milhares de anos, dissidentes de um mesmo “tronco patriarcal”, vivem a se aniquilar um ao outro, evolvendo todos os povos ao seu redor nessa briga ridícula, para provar quem é mais filho de Abraão do que quem, e quem é mais amado por deus do que quem.
         Tanto a história secular quanto a própria história bíblica nos provam isso. No antigo testamento, quase nunca se viu da parte de deus e de seus profetas uma profecia no intuito de erguer ou construir algo que fosse útil a todos os povos. Tudo era para o “povo escolhido”. A ordem era sempre pra matar, saquear, estuprar, destruir, incendiar e depois abandonar aquela “conquista” e partir em direção a outra para proceder do mesmo jeito.
         Espalhar o terror, era a forma de “evangelizar” que eles adotaram, o caminho pelo qual o próprio deus dizia mostrar o quanto ele era grande, poderoso e temível! Quem duvida disso que faça uma leitura dos 10 primeiros livros do antigo testamento e confira por si mesmo!
       Milhares de vidas foram dizimadas pelo uso de visões, revelações e profecias ao longo da história e outras milhares estão a ser até hoje por coisas do tipo.
        Nas igrejas de hoje por exemplo, casamentos são arranjados todos dias de forma precipitadas enquanto lares e famílias inteiras são destruídas por ações de “profetas”, “ungidos”, e paranoicos de todos os tipos que julgando-se servos do sagrado, estão mais parecidos com secretários do capeta pelo oficio que exercem ao se intrometerem na intimidade e particularidade das pessoas, manipulando-as ao seu bel prazer, dizendo-se estar a serviço de deus.
        Geralmente esses “profetas” colhem uma fofoca daqui, outra dali, tem uma intuição natural, suspeitam de algo, ou durante o culto aprenderam a traduzir a linguagem corporal das pessoas, pra depois dizerem que estão tendo revelações de deus. É revelação e mistério pra todo lado. Das coisas mais simples como tomar um copo de agua para se nutrir, às coisas mais complexas, essas pessoas dizem estar o tempo inteiro sendo guiadas por deus. Deus só não revelam a elas mesmas o papel ridículo que algumas delas estão fazendo.
       Esse mesmo deus que em seus infinitos mistérios revela-se de forma oculta para quem ele quer, dando os comandos mais suspeitos e controversos possíveis para pessoas desequilibradas e que enxergam na ideia de “se cheio de deus” uma forma de suprir suas necessidades de carência afetiva, se projetar socialmente, fazendo dinheiro ou ganhando respeito das pessoas menos esclarecidas com esse tipo de atitude (na maioria dos casos circense), não pode aparecer pessoalmente e dizer sua vontade para o objeto da revelação. Tem de viver mandando recadinhos por pessoas que em certos casos causa vergonha só em pronunciar o nome do sagrado.
       Sendo assim, qualquer um pode dizer que estar em uma missão especial dirigida exclusivamente por deus e tudo isso será aceito de forma normal nos mais diversos meios. Alguém pode até concorrer ao cargo de chefe de uma nação inteira, reascendendo a possibilidade de ressurgir outra vez uma nova idade das trevas, relembrando os velhos tempos quando “deus e os seus santos ungidos governavam juntos o mundo ocidental”.
       Como dito, se essa mania de “viver na revelação de deus”, ficasse apenas nos círculos onde impera o medo, a ignorância e a venerada loucura, isso não seria tão mal assim pois o número de pessoas atingidas seria pequeno e os danos causados seriam mais fáceis de serem revertidos. Mas até no congresso nacional ela tem chegado, fazendo com que coisas sérias como administrar uma nação venha ser tratado como se fosse uma palhaçada.
       O grande problema é que aqueles que dizem viver em contato direto com o mundo espiritual e divino, precisam do mundo carnal e “maldito” para interpretar o papel que em suas alucinações atuam com frequência com se vivessem em duas realidades paralelas. Por que atuarem seus papeis nesse mundo que jaz no maligno? Não deveriam essas pessoas serem transladadas logo para viverem no reino de suas fantasias?
      Como se fossem uns “Dom Quixotes de cristo”, saem por ai vendo demônios em tudo e em todos, lutando contra moinhos de ventos, procurando chifres em cabeça de cavalo, para depois, em seus pequenos círculos contar fatos heroicos de batalhas que nunca foram travadas contra inimigos que nunca existiram e ainda dizerem de forma orgulhosa: “deus me usou para…”
       Dizem estes: “é uma luta irmão! Você não sabe a luta que estou passando! O inferno inteiro estar contra mim desde que deus me pôs nessa peleja. Irmãooooooo....a prova ta graaaaaande lá em casa, no congresso, na escola, no trabalho... É seta pra tudo quanto é lado, mas deus me revelou que a vitória é minha e o inimigo já caiu por terra”!
       Que inimigo? Que prova? Que luta? Ta doido é? Problemas todo mundo tem, mas parece que só esses servos de deus são atormentados diariamente pelo diabo. Coisas simples do dia a dia como lavar os pratos, varrer uma casa ou prepara um jantar, já passa a ser considerado um impedimento para aquele “vaso cheio do espirito” ir fazer a obra que deus lhe revelou.
       Deus me revelou, deus me revelou, deus me revelou... Sua paz, sua sanidade e sua harmonia interior podem vir a ser ameaçados se permaneceres a dar ouvidos a quem repete essa fala com frequência. Em muitos casos são gente pobre espírito, medíocre ou de caráter duvidoso, mas que em seus sonhos de grandeza se julgam serem criaturas superiores só por que fazer parte de um grupo religioso e costumam se valer muito dessa frase para demonstrar ser o que não são.
       Vejam: Deus revelou a Abraão que deveria matar o próprio filho. Revelou a Moisés seus planos para destruir o Egito -o mesmo império que por 430 acolheu “seu povo” evitando que eles morressem da fome que dizimou vários povos segundo a própria bíblia.
       Revelou a Maomé seu servo todos os ataques que ele deveria fazer contra os “infiéis” matando todos que não aceitasse aquela “mensagem divina”. A mesma revelação teve os papas cristãos quando organizaram as cruzadas provocando a morte de milhões de pessoas por mais de 200 anos seguido.
       Todas essas pessoas afirmaram ter feito o que fizeram por que estavam debaixo da revelação e da orientação de deus. Alguns contam fatos como esses como se fosse motivo de glamour e não de vergonha. Esse tipo de estado de espírito faz com que os que se empenham a papeis tão macabros em nome de uma divindade qualquer sintam-se como se estivessem prestando um favor a humanidade enquanto diz estar sendo “usado por deus”.
       Em pleno século XXI, coisas como essas continuam acontecendo e muitos afirmam que é sinal que deus não mudou e ainda continua revelando seus mistérios aos seus servos. Na verdade o que não mudou foi o tripé da religião pelo qual essa ideia de deus se estabelece: castigo para os desobedientes, recompensa para os fiéis ao sistema e coação física e psicológica para os que resistem.
        O poder de deus, suas revelações, seus mistérios, e a “autoridade divina” que os ungidos alegam ter estão firmado nessa base. Recobrando-se a consciência como indivíduo, tudo isso perde o sentido. O medo vai embora e todo esse enredo passa a fazer parte da categoria de mitos ou arquétipos sociais.
       Lembrem-se: Deus revela quem não pagou o dizimo, quem tomou uma cerveja escondido quem está faltando nos cultos, mas só não revela a pilantragem que existe em sua própria casa como a pedofilia cometida pelos seus representantes e todo tipo de abuso que seus servos cometem em seu nome. Sua revelação falha nesse momento.
        Acredite: Você não precisa se achar especial ou amado por deus para ser feliz. O contrário é que é verdadeiro: você viverá profundamente infeliz se acreditares que sua felicidade depende de ser amado por deus e recebido em comunhão por algum tipo de igreja, pois deus estar sempre aborrecido por algo que não sabemos e a igreja te amarás apenas se fores ovelha muda sem vontade própria.
      Podemos ser prisioneiros de nossas próprias ilusões ou deixar que outros nos aprisionem com as deles. Você decide. Você escolhe o final.
    Saúde e sanidade a todos.
  • Estamos dançando no ritmo da música da vida

    Estamos dançando no ritmo da música que compomos, a música que escolhemos foi essa, de lutarmos com quem nem conseguimos ver, morrer sem nem saber o porque , lutar e lutar e parecer que não saímos do lugar, parar de ler noticias e fingir que tudo está bem, sentir a brisa da manhã no rosto enquanto pensamos quando tudo vai normalizar, momento de realmente valorizarmos algo que mais importante pata todos, que estava muito esquecido para muitos….. A VIDA.
  • ESTE POEMA OESTE

                                                                                                           para Teresa, no aniversário dela

     

     



    Sim

        não

    sinal   ver

                    melho

                       ama r

                                 é

                                     lo

    amarduressendo          verde

     

     

     

     

     

     

     

     

     



    ...............................................................................................................................................................................

    © "Copyright" do Autor, IN: Concursos literários do Piauí. Teresina, 2005, Fundação Cultural do Piauí. 226 p. Página 189.

  • Estrada da vida

    O destino e uma estrada para vários lugares,e você quem escolhe o seu
  • Eterno ?

    Quem não é visto não é lembrado.
     
    É ´´pecado`` querer morrer sem ser lembrado(a) ?
    Por que deixar uma marca na humanidade ?
    É tão importante assim mostrar que estivemos aqui ?
    Fazemos o que fazemos para mostrar quem nós somos ou para mostrar o que fazemos ?
    Se importaria se fosse lembrado(a) pelo que fez, mas não soubessem quem foi você ?
    Morreria feliz se te contassem que não seria lembrado(a) por ninguém ?
    Como gostaria de ser recordado(a) ?
    O que fez até agora para ser lembrado(a) após o seu fim ?
     
    Questionamentos.
  • Eu, comigo mesmo

    Desejo-te algo de bom, tal como aquela velha história. Tu ainda lembras?
    O bailar das almas, sublime... A obscurandade do asno permeia o medo.
    Medo? O que ei de temer? tu? essas palavras?
    Tu deves lembrar-te do super-homem, regozijai-vos.
    Nem todas as histórias contam-nos a verdade... Algumas verdades são maiores que outras...
    Tal fato é que a vida as vezes nos trai e o tempo é mais curto do que pensamos, por isso não esqueça-te de viver.
    Mas cuidado ao viver em pleno estado de gozo, isto pode escurecer-te. Lembra-te, nem mesmo a noite mais fria suporta o destino mais quente.
  • Experiência Divina (Meu filho Lavi)

    Chamo minha experiência de pai, a experiência de Deus. Pude perceber muitas coisas da vida e de mim mesmo, vendo o crescimento e desenvolvimento do meu filhinho Lavi. No início logo quando ele nasceu, parecia para mim que ele ainda não estava aqui, quando digo ‘aqui’ falo desce mundo, acho que estava em parte… Não existia muita expressão da parte dele, além de muito sofrimento, pois pude ver que nesses primeiros dias de vida tudo é dor. E como dói! O maior problema era a coisa com gases, a experiência de ingerir algo pela primeira vez, o leite materno causava uma revolução interna muito grande, às vezes ele chorava estridentemente por horas, e as noites eram mais dolorosas para todos. Alguns diziam que para melhorar dos problemas de gases a mãe não deve comer isso ou aquilo, eu particularmente não acreditava em nada disso, acho que era o processo da vida acontecendo, até o pequenino se acostumar em ingerir alimentos e aprender a eliminar os gases. Pronto! Daí passou esse processo, e pude vê-lo descobrindo as suas mãozinhas, era mágico para ele abrir e fechar as mãos, acho que nesse momento o seu espírito estava aprendendo a se comunicar com o seu corpo, assim, pude perceber que tudo que somos no início de nossas vidas são os nossos olhos e nossas bocas, acho que é o primeiro contato com a vida material. Ele olhava suas mãos constantemente e se maravilhava, virava de um lado a outro, mas não tinha coordenação e nem conseguia segurar um objeto sequer. Quando ele aprendeu a utilizar essas duas ferramentas poderosas tudo se transformou, daí pegava tudo e levava para boca. Queria sentir tudo, e a maneira de sentir verdadeiramente é provar com o paladar, como se tudo fosse um alimento, e verdadeiramente percebi que de certa forma tudo é alimento. Incrível Isso! Como podia aprender da vida, apenas observando o desenvolvimento da própria vida… As vezes ele sorria, mais seu sorriso era meio que inconsciente, pois sorria quando começava a ter sono e dormia a maior parte do tempo, acho que era muito cansativo aqui, preferia estar no mundo imaterial… Quando queria alguma coisa chorava, nisso aprendi que o desejo é uma forma de sofrimento… Mas realmente os problemas começaram quando ele aprendeu a engatinhar, daí pude ver o quanto o desejo pelo que é perigoso e arriscado é o natural do ser humano, pois o menino só se interessava em ir de encontro ao que colocasse sua vida em risco, como: Colocar o dedo nos buracos da eletricidade… Engatinhar em direção as escadas e precipícios (no caso os da cama) e mexer em coisas perigosas. Vi que quando crescemos não nos tornamos muito diferentes, o perigo nos atrai de uma forma que nem percebemos, em nossas escolhas e em nosso querer… Daí pude entender que o nosso Pai-Mãe Amado muitas vezes utiliza da ignorância de muitas coisas, para proteger os seus filhos amados das paixões que possam empregar as suas almas. E via como Lavi ficava irritado, esperneava e chorava, quando eu o tirava de uma situação perigosa, como: tirar uma faca ou uma moeda de sua mão, e coisas desses tipos que causam riscos de vida aos bebês. Daí também eu compreendi quando eu ficava triste e me irritava quando eu perdia algo que achava ser bom na minha vida, e vi que o meu Pai-Mãe Amado estava me protegendo de algum dano qualquer e agradeci a Ele de coração por isso, e, ao meu filho Lavi também por me revelar esse segredo… Quando Deus tira algo de seu alcance, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor… Uma coisa muito interessante que eu aprendi com Lavi, foi o verdadeiro significado da palavra paciência, e vi que paciência é o mesmo que proteção… Pois todas as vezes que eu fazia comida para ele, colocava-o na cadeirinha de comer, e ele no início odiava e gritava, e chorava… Ele não entendia o porquê de ficar preso nessa cadeira com cintos de segurança e tudo. E num desses momentos que eu preparava a comida e ele chorava, me veio um insight desses que eu sempre tive com Lavi, ele não sabia que eu estava fazendo aquilo para o bem dele, ele só podia compreender o momento daquela prisão entediante, mas depois que eu chegava com a deliciosa comida, ele se alegrava. E vi claramente que todas as vezes que me sentia preso a uma situação desconfortável, e que eu gritava e esperneava… Era que o meu Pai-Mãe Amado estava preparando algo de especial para mim, e que me colocou nessa situação desconfortante para eu estar protegido de todo mal, pois enquanto ele preparava esse algo em especial, ele não podia cuidar de mim, por isso ele me colocava numa “prisão”, daí eis que compreendi a paciência de todas as coisas. Atualmente eu educo o meu filho com muitos NÃO! Lavieeeeeeê NÃOOOOOOO! (לביא לא). E agora estou refletindo nisso seriamente. Depois que ele começou a andar com quase 10 meses, tudo ficou mais arriscado… As ferramentas corporais que ele descobriu só o levam para sua morte… Daí eu pude perceber que nós seres-humanos criamos muitas ferramentas, e que atualmente muitas delas nos levam à morte, e vi o porquê que depois de milhares de anos, só agora (2012) depois de uns 60 anos muitas ferramentas foram nos dadas, e, as coisas que antigamente eram consideradas como proibidas, agora nos são lícitas. Deus parou de nos dizer NÃO! Assim como no momento certo vou para de dizer NÃO, ao meu filhinho… Saber usar as pernas e as mãos é bom, mas quando elas nos levam a perdição e a morte é mal… Com muito cuidado deixo o meu filho experimentar as coisas, só nos momentos drásticos, tiro de suas mãos ou tiro ele da direção errada em que seus pés o levam, e ele chora e esperneia… E pude compreender que a vontade de nosso Pai-Mãe Amado nunca irá nos levar aonde a sua Graça não irá nos proteger… Em algum momento eu pensei que Deus nos abandonou, mas acho que nesses tempos atuais em que profetas e enviados se ocultam, o nosso Pai-Mãe Amado está nos deixando experimentar por nós mesmos os efeitos de nossas escolhas, pois tudo já foi dito e revelado… Nós já crescemos! Agora como parte de nosso aprendizado só nos resta escolher o que fazer com todas essas ferramentas. Eis aí o nosso livre arbítrio. Deixo no final uma pequena reflexão (ciranda) que tive, e compus, antes de ser pai… Mas que julgo ser verdadeira e de grande valor. Benção do mais Alto dos altos a todos!
     
    Espírito inocente, ágil, valente
    São poucas as pessoas que os veem como gente
    Tudo é descoberta e não existe pressa
    Das mais simples coisas fazem uma festa
    Nas suas alegrias descobrem fantasias
    Brincadeiras e emoções preenchem os seus dias
    Na imaginação criam um novo mundo
    Ali não existe o “não”, nem tão pouco o absurdo
    Ser pequenino!
    Mas, pequeno só no tamanho
    O seu espírito é maior que o oceano
    Ser insignificante!
    Esquecido pela sociedade
    Só dão o devido valor quando aprendem a ter maldades
    São considerados fracos
    Porque pequeno é o seu tamanho
    Mas, fracos e pequeninos
    Se tornam com o passar dos anos
  • EXPLORAÇÃO- A Causa Real do Crescimento do "Evangelho" em nossos dias!

    Exploramos o outro quando exigimos, pedimos ou cobramos além do que foi concordado, ou além de suas capacidades físicas, mentais, intelectuais ou financeiras. Exploramos o outro quando ofertamos um produto gratuito como diz ser a salvação das almas humanas e depois de aprisioná-las e recintos fechados, as delimitamos e passamos a cobrar por serviços desnecessários ou que não estamos autorizado a cobrar. O pior explorador é aquele que se apresenta exatamente como aquele que vai te libertar e te conduzir a um lugar seguro. O pior explorado é aquele que imagina estar realmente sendo conduzido a um bom lugar e defende a todo custo seu explorador. Convido você nesse pequeno resumo, a pensarmos sobre as práticas de exploração cometidas em nome da fé e suas consequências sociais. Lembre-se: se pensar fosse crime ou pecado, seu deus te teria feito um ser sem cérebro, lógica ou razão. Não se sinta culpado ao aprender pensar por si mesmo. Isso sim é libertação!
      Eu não estaria escrevendo o que você vai ler agora, se as ações de pedir dinheiro ou desperdiçar o tempo útil das pessoas praticadas nos recintos de culto religioso por pessoas religiosas não tivesse como pano de fundo a ideia do sagrado, ou se não usassem de modo implícito ou explicito termos como “obra do senhor”, “causa do senhor”, “vontade de deus”, “para deus ficar alegre”, ou qualquer palavra para descrever que alguém ou um grupo deva estar agindo em nome de um ser imaterial e que a pessoa será abençoada ou amaldiçoada por fazer ou deixar de fazer tais atos que descreverei. Todas as pessoas que se unem em agremiações religiosas para fins de praticar suas crenças estão coberta pela leis de nosso país para celebrar ou realizar tais propósitos. Quando o proposito legal é apenas fachada para um segundo propósito inúmeras vezes mal intencionado, ai sim, fica aberto tal agremiação para uma avaliação interna e externa dos que fazem ou não parte de tal assembleia, considerando que por vivermos em sociedade todos somos afetados direta ou indiretamente por aquilo que juntos ou separados nos dispomos a realizar. Cedo ou tarde também seremos afetados, pois a medida que o explorador aumenta seu reino, começa a ameaçar todos os reinos vizinhos ou manipular outros reinos que diretamente afetarão o seu mundinho particular.
      Se existe uma palavra para descrever a real causa da manutenção do modelo de cristianismo inventado pela organização romana nos últimos 2 mil anos, essa palavra de chama EXPLORAÇÃO. Se existe uma palavra que defina a real causa da expansão daquilo que toscamente chamam de evangelho hoje em dia e abertura de uma nova igreja evangélica em cada esquina, essa palavra se chama EXPLORAÇÃO. Se existe uma causa que trava o desenvolvimento social coletivo, que gera desigualdades sociais, cria segregações, constroem a ideia de castas, e cria um abismo entre os povos, essa palavra também se chama EXPLORAÇÃO. Muitos acreditam que o motivo real de todo aparato religioso acontecer do modo que tem acontecido seja a vontade de deus e sinal da volta de cristo. Então eu diria que se assim for, ele também é um explorador, pois essa tal esperada vinda dele é o motivo principal de tantas outras explorações da ingenuidade alheia e quanto mais ele demorar vir, mais exploração haverá.
      No mundo ocidental, em países cristãos, a igreja nos últimos dois mil anos tem se apresentado como casa de justiça, lugar da paz, casa de Deus, e local onde o humano toca o divino. Isso não é, e nunca foi verdade nem de forma inteira nem parcial. Existe uma palavra que define em partes, ou em duas partes de três, e essa palavra se chama exploração. Não há justiça, paz ou bondade na exploração. Qualquer ato de bondade ou justiça que um pessoa ligada a uma religião fez, essa o fez por seu senso próprio de moralidade e teria feito o mesmo se estivesse fora dela.
       Como dito no início, a exploração é caracterizada quando exigimos ou manipulamos os fatos para que o outro dê mais de si além daquilo que foi combinado ou além daquilo que realmente é necessário para que se chegue a determinado fim. Segundo a fé cristã, o fim da igreja é levar uma salvação gratuita a todas as pessoas. Mas isso é só fachada. O preço a se pagar por essa ilusão é de sobremodo incalculável ao que não acorda a tempo. Desse modo a salvação seria o fim, mas o sistema religioso instalou pedágios e a cada cem metros que você anda tem de pagar por algo novo, tornando o custo da viagem enfadonha e dolorosa. Se jesus é o caminho, a igreja é o pedágio, e as lideranças são os caixas registradoras que recolhem os impostos. Numa salvação gratuita, a necessidade de atravessadores e marqueteiros da fé se faz desnecessário. Para um deus onisciente e onipresente, seriamos procurados por ele e não o inverso. Ele estaria em nós e nós nele e seriamos uno. Habitats luxuosos e todo tipo de oferenda destinados a ele também se faz desnecessário. A simples intenção já seria o suficiente e ele já teria dado como feito tal intenção e nos abençoaria por sua própria bondade e não por estímulos externos.
       A injustiça social baseada na exploração disfarçada da fé tem redesenhado o cenário social nos últimos 2 mil anos no mundo cristão. Na idade média, a igreja “libertadora” confiscava todas as terras do povo, aumentando a pobreza e servidão ao regime papal. Nesses últimos cem anos tivemos uma outra explosão pela disputa do mercado da fé, entre milhares de igrejas evangélicas fundadas e afundadas disputando para te vender um cristo doido que mais oprime do que liberta. Vamos analisar alguns pontos que passam desapercebidos e que mostram onde há exploração dentro de tais recintos religiosos. Volto a dizer, que se o que fosse exigido do povo, não tivesse como pano de fundo a ideia do sagrado provavelmente eu nem faria esses comentários e consideraria as igrejas apenas como clubes sociais onde cada um vai exatamente sabendo qual o serviço oferecido.
       Desde quando a sociedade civil organizada começou a ganhar forma, foi necessário a criação de alguns impostos para que serviços sociais como segurança das fronteiras e das cidades fossem mantidas. Quem estuda história, sabe que a maior parte dos impostos arrecadados, era utilizado de forma indevida pelos governantes e todos os seus amiguinhos selecionados. O povo era explorado enquanto a elite comia, bebia e fazia festas quase que diariamente com o dinheiro do povo enquanto o povo mal tinha o que comer em suas casas e o pouco produzidos em suas terras eram confiscados por pela igreja, a dita cuja portadora da justiça e da verdade. Uma corja de vagabundos mal intencionados, tanto na política quanto na religião, vivendo á base de comer de graça ou exercer influência sobre outros. Muita coisa não mudou e tanto a política quando a religião é visto principalmente como meios de se alcançar o luxo enquanto deixa os outros no lixo. Duas ferramentas poderosas, usadas de forma errada por pessoas erradas.
        A intenção dos que não se deixa seduzir por tais ilusões momentâneas foi aos poucos abrindo caminhos para dias melhores. Países mais desenvolvidos sofrem menos com esse tipo de exploração, pois há leis mais rigorosas para punir os que usam indevidamente o resultado do trabalho coletivo em benefício próprio. Em países subdesenvolvidos, infelizmente temos leis mais frouxas exatamente por que parte da “nata” são os primeiros a meter a mão no bolo, por isso precisam de leis que possam ser interpretadas para cada ocasião que se julgar necessário em favor deles, claro.
       O modelo de agremiações cristãs, quase em toda sua totalidade, tem cometido a injustiça de cobrar impostos ao povo por serviços desnecessários, imaginários e ainda usar como pano de fundo o nome do sagrado. Deus, um ser imaterial com todas as qualidades estupefatas a ele atribuído, não precisa de nada material para continuar existindo. Um ser a qual se atribui absoluto amor incondicional, não precisa ser provocado com cheiro de carne queimada nem do dinheiro do pobre para ser estimulado a agir, desse modo ele seria como um amante viril que vende seus serviços a quem pagar mais. Um amor que é provocado a base de ofertas e sacrifícios não pode ser considerado amor. É apenas um toma-la-dá-cá. Um modelo de deus tosco, só pode produzir seguidores com defeito bifocal.
       No brasil por exemplo, segundo pesquisas já feitas por vários órgãos competentes, conclui-se que um cidadão comum trabalha cerca de 5 meses por ano apenas para pagar impostos. IPVA, IPTU, ICMS, IOS, INSS, FGTS e tantos outros impostos inclusive os sindicais que para quase nada serve. São quase 3 dezenas de impostos diferentes que temos que pagar para manter funcionados serviços de saúde, educação, saneamento básico, segurança, moradia, construção de estradas etc. Tudo seria diferente se cada recurso fosse realmente aplicado onde se deve. Teríamos menos impostos e mais serviços. Um pedaço do paraíso eu diria. Como se não bastasse toda esse peso do governo em nossos ombros temos ainda as igrejas cristãs, com sua redundância, prolixidade e futilidade inventando outra carga tributária para os membros, gerando mais pressão psicológica e medo de punições quando o membro não for capaz de se adequar a tantas exigências. Em sua grande maioria os templos que a cada dia são abertos, a igreja do senhor, templo de deus vivo, casa da justiça do amor e da paz, ainda cobra oficialmente 10% de tudo que seus membros ganham sem prestar nenhum tipo de serviço social direto a população. Cobram por serviços imaginários, cujo valores serão destinados a um deus invisível e imaterial e cada liderança tem o livre direito de descrever tanto a imagem de deus, quanto o destino das doações para o propósito que melhor lhe for conveniente. Tudo é possível e permitido no campo do imaginário. Pra intimidar quem questiona, chame-o de Tomé e isso basta. Ser chamado de sem fé no meio do “povo de deus” é pior que ter AIDS. Todos irão se afastar de ti.
      A única defesa que eles tem perante a sociedade como desculpa para tais cobranças é que a igreja precisa se manter, pois tira os jovens das drogas, e evita que os estado gaste mais com o número de delinquentes se “a mão de deus” não estivesse ali para abençoar o povo por intermédio da igreja. Desculpa estupida e esfarrapada, pois o número de pessoas que realmente estavam em situação de risco e foram de alguma forma resgatado pela igreja, é muito inferior ao que vários outros órgãos tem realizados sem nada cobrar do povo nem lhes embutir medo. Pesquise por si só, e verás que centenas de ONGs, tem mais proveito social que certas igrejas. Uma escola bem estruturada, uma polícia bem paga, hospitais funcionado de modo correto, e principalmente uma família que aprendeu desde cedo a impor limites e ensinar o respeito, tem um poder centenas de vezes maior de criar ordem social do que uma simples agremiação religiosa proclamando pra todo mundo que estão salvos e os demais talvez não. Se um culto religioso é capaz de manter um jovem livre das drogas e do mal, a música, a literatura, a arte, a dança, o teatro, a pescaria, a agricultura, o artesanato e a presença de amigos verdadeiros também o são. Nem por isso tudo que acabei de citar te cobram 10% pra fazer o que as igrejas fazem. Nem por isso outras entidades ocupacionais exigem fidelidade total, obediência cega, e submissão incondicional as lideranças e suas hierarquias. Somente nas igrejas as pessoas tem de pagar por serviços que em outros lugares seriam gratuitos e ainda por cima tem de jurar fidelidade, obediência, respeito, submissão e obrigatoriamente declarar que gosta de toda cadeia de comando dentro desses recintos mesmo não suportando a cara do carrasco. Santa paciência! É o único lugar no mundo que você é obrigado a gostar de quem te explora.
      Se a cobrança de 10% do faturamento de qualquer pessoa, inclusive de crianças nesses recintos é desnecessárias, imagine tudo que irei descrever agora. É de deixar encolerizada qualquer pessoa que use a razão. Alguns líderes religiosos são cara de pau que pedem publicamente em rede nacional o trizimo, ou seja 30% do seu salário, alegando ser 10% para o pai, 10% para o filho e 10% para o espirito santo. Outros vão mais além e pedem o seu tudo. Dizem para as pessoas dar tudo, que deus vai dar em dobro, e usam propaganda falsa de pessoas que foram “abençoadas” fazendo isso para despertar no incauto a ganancia e fazer apostas como se estivessem em casas de jogos. Outras porém, não te pedem tanto de uma vez só, mas levando em conta o fracionamento constante de eventos realizados durante um ano e que todos eles exige dinheiro ou a soma de suas horas perdidas pra realizar tais eventos, você acaba pagando até mais caro que 30% ou que seu tudo, afinal, tempo é dinheiro, e as pessoas deixam de estar fazendo um curso, aprendendo coisas novas, fazendo realmente algo útil para si e sua família, para estarem de corpo presente, dezenas de vezes durante uma única semana, em eventos realizados pelas lideranças e seus aliados, no intuito de “servir ao senhor”. Mentira deslavada ou ilusão coletiva.
       Veja a que tipo de fracionamento de tempo e dinheiro que habitualmente são solicitados em algumas igrejas tendo como pano de fundo a “obra do senhor”. Tudo isso, além dos 10, ou 30% já mencionados. Eles dizem não ser obrigatório, mas se você não “entrar no clima” você passa ser perseguido ou tratado de modo diferente entre os demais membros. Observe e faça as contas.
    ·         Contribuição de dizimo. Como já disse, esse é oficial e adotado em mais de 95% dos modelos de igrejas cristãs
    ·         Campanhas para compra de produtos básicos como o pão da santa ceia, água mineral, papel higiênico para a igreja e demais produtos de limpeza.
    ·         Campanha para compra de aparelhos de som para a igreja matriz ou suas filiais.
    ·         Campanha para paga aluguel, reformas, pinturas ou construção (desnecessária) de templos.
    ·         Campanha para comprar presentes ou realizar festividades comemorativas em datas pessoais como aniversario de pastor, da esposa do pastor, do casamento do pastor, dos filhos do pastor, do puxa saco principal do pastor, de sua esposa e seus filhos, etc. Além das lideranças locais, ainda se pedem arrecadação para esse tipo de evento, dos líderes estaduais, regionais, ou nacionais. Diga-se de passagem que é o ritual mais bizarro e de atitudes hipócritas que alguém pode presenciar. É comum, em cada aniversario das lideranças principais que o líder seja presenteado com um lindo automóvel mesmo que ele já tenha um. Do mais simples ao mais luxuoso, cada um recebe o seu, pago com o dinheiro do povo, claro! Alguns são tão abençoados que a cada ano muda de carro. Coisa boa é servir a deus! É o que eles dizem...
    ·         Campanha para comprar cortinas, bancos, cadeiras e demais apetrechos para a realização da liturgia.
    ·         Gastos para compra de fardamentos de grupos e corais. Se você tem família por exemplo, algumas igrejas tem grupo de crianças, jovens, adolescentes, senhores e senhoras. Cada um com seu fardamento, cada um com seu kit musical, cada um competindo entre si pra ver quem mais agrada a deus com esses cânticos. Um pai de família que tem filhos em todas essas categorias, sofre com tantas despesas.
    ·         Gastos de tempo e dinheiro para realização de eventos semanais, quinzenais, mensais, trimestrais, semestrais e anuais como culto de mocidade, criança, adolescente, senhores, senhoras, missão, terceira idade, casais etc. Nesse perfil ainda temos, aniversario de círculo de oração, aniversario de grupos de louvores, do templo sede, do templo dos povoados, aniversario das convenções municipais, estaduais, nacionais e transcontinentais e realizações de cruzadas de todos os níveis e todos os custos que se imaginar. Os membros que assumem alguns cargos nessas igrejas ficam estressados, e costumam ter estafa de tantos eventos simultaneamente que são obrigados a realizarem e não sobra tempo para si, sua família e sua carreira. Sacrificam tudo pelas lideranças e quando muda de líder, eles levam um pé na bunda, são esquecidos por tudo que fizeram na gestão anterior e agora vão gastar com tratamentos psicológicos e remédio para depressão. Bela recompensa de deus para estes! Sem falar que se você agradar a liderança 999 vezes e não agradar em apenas 1, toda sua carreira estar comprometida. São senhores do ego e não querem ter o mínimo de desapontamento. Só sentar e mandar!
    ·         Gastos com Campanha de oração para cura de efenfermos, afugentar inimigos, encontrar amor, encontrar emprego, encontrar o gatinho perdido etc. O valor varia de acordo com o tamanho do voto, das pessoas envolvidas e do tempo em que se espera em que a causa seja resolvida. A coisa que eu mais queria ver, era uma campanha pra crente deixar de ser trouxa e tomar vergonha na cara!
    ·         Gastos para compras de bugigangas ungidas como canetas, chaves, óleos, roupas intimas, vassouras, etc, etc, etc. Em uma análise pessoal, qualquer pessoa que usa o cérebro, sabe que em média o ano tem 53 semanas, e que cada semana eles inventam uma nova campanha para aquisição quase que forçada dessas bugigangas inúteis. Vale alertar, que uma simples caneta que é vendida por 50 centavos numa papelaria, nessas igrejas será vendida por 50 reais. O simples fato de um obreiro dessas igrejas comprar uma caixa de caneta numa papelaria, atravessar a rua e trazer para dentro de uma igreja, aumenta entre 100 e 500 vezes o valor do objeto. O produto sofre uma inflação de mais 10.000% em poucos minutos, sem que o mercado de modo geral sofresse condições econômicas, de transportes, climáticas ou tivesse escassez do produto. Tudo é mágico e estrondoso no mercado da fé. Inclusive a cara de pau de quem vende e a estupidez de quem compra tais objetos julgando estar fazendo um favor a deus ou a si próprio. Vale lembrar, que coisas que iam para o lixo como restos de construção e aterro, também são vendidas por quantias fabulosas nesse lugares. Faço uma previsão pessoal, que não custa muito para que excrementos, fios de cabelos, pedaços de unhas e pele morta no travesseiro das lideranças passem a ser comercializada em breve por um preço exorbitante. Nesse dia, será possível vender no templo central 200 quilos de fezes ungidas de uma única pessoa produzida num único dia. Não me pergunte como, use sua fé, seu ateu incrédulo! Mais difícil é fazer surgir bilhões de galáxia em apenas 1 dia. Fazer um “ungido” produzir 200 quilos de merda santa em apenas 1 dia para ser comercializada é fichinha para quem usa a fé!
       Sei que a enumeração das cobranças, explorações e abusos em nome da fé não param por ai. A depender do rito litúrgico e do ministério “apostólico” isso vai muito além. Cada um quando ler esse texto, pode enumerar e completar mentalmente a lista de tais abusos e cobranças, principalmente que já passou por isso.
       Eu poderia citar os investimentos com campanhas para alimentos, agasalhos e coisas realmente uteis também, mas não o fiz por que as igrejas que realmente usam mais de 20% do seu faturamento para esse propósito foge ás regras e dar pra contar nas pontas dos dedos todas elas. Que existe, existe, mas você terá dificuldade em encontrá-las. A propósito, elas não tem como base principal de sua existência, adoração a nenhum ser metafisico e sim a causas humanitárias apesar de seus membros também se intitularem cristãos. A grande maioria das agremiações cristãs usam menos que 0,5% dos seus recursos para fins realmente uteis a sociedade ou pelo menos aos próprios membros. Grande parte dos recursos são para construir a imagem ou a finança dos líderes.
      O município, o estado e a federação te cobram impostos e apesar dos pesares te prestam algum serviços. Os impostos cobrados nas igrejas, beneficiam a quem exatamente? Olhe ao redor e tire suas conclusões. A média do cachê cobrado entre os ungidos e cantores gospel variam entre 3 a 80 mil reais por evento de até 2 horas. Celebridades gospel internacionais chegam a custar até 250 mil reais por poucos minutos de espetáculo vazio e autoidolatria. Em troca de que? Que benefício traz ao povo? O que o povo ganha com isso? O que a sociedade como um todo ganha com um evento desse? Nada! Só favorece aos organizadores dos eventos e todos que “comem pelas beiradas”.
       É justo um líder religioso construir fortunas milionárias em cima da pregação de um evangelho que eles dizem ser gratuito? Alguns dirão que ficaram milionários vendendo livros, cds, e revistas. Eu pergunto: Qual era o conteúdo de tais recursos midiáticos? Eram sobre pescaria? Mundo animal? Criação de minhocas na lua? Não!!!!!! Era sobre a ideia do divino, ou pelo menos daquilo que o grupo local considera como sagrado! Foi pela promoção da imagem do evangelho que tal líder milionário se promoveu. Se não fosse a bíblia, e a crença nos ritos litúrgicos de que modo este líder religioso teria conseguido tal fortuna? Desse modo, eles não ficaram ricos por méritos próprios, mas pela venda de produtos baseados na crença coletiva. As pessoas que realmente querem fazer o bem não estão preocupados com fortuna ou promoção pessoal. A fama e o sucesso será a causa e não a meta principal de tal pessoa. Além disso, essas pessoas não vestem as roupas da fama e do sucesso, apenas se usam delas quando necessário. Não usam também a ideia do sagrado como promoção própria. Só gente pobre, medíocre e mal intencionada, usam uma ferramenta tão poderosa para fins tão mesquinhos.
      Lugar de Abuso, alienação, dependência física, dependência emocional, medo, submissão, obediência cega, hipocrisia e segregação social. É nisso que tem se tornado a “casa de deus”. Tudo estar errado! A ideia do divino foi corrompida! Os valores foram invertidos e local tido como sagrado não passa de um lugar de profanação a nossa espécie. Humanos explorando humanos. Lideranças explorando liderados. Membros explorando e policiando outros membros. O objetivo principal é chegar ao topo para tirar o prejuízo, e de presa passar a ser predador. Tudo poderia ser diferente...
      No ponto 5 das cobranças enumeradas que citei acima por exemplo, tal feitio é sempre realizado por aqueles que desejam subir de nível na hierarquia, por isso, fazem todo tipo de campanha para presentear e bajular seus líderes e assim mudar de nível. Ainda há modelos de igrejas em que alguém sobe de nível pelo mérito, cursos e estudos aprofundados desde que se submeta pelo menos ao estatuto da igreja. As demais, o modo de subir de nível é bajulando as lideranças e ensinando os membros a fazerem o mesmo. Arrume suas ovelhinhas, ensinem elas a dizer “chefinho, te amamos”, traga seu superior para ouvir essa cantoria e pronto! Na próxima conversão um óleo magico será derramado sobre sua cabeça, você ganha poderes especiais e já tem permissão para ser um arrogante diplomado e expandir seu território. Simples assim!
       O modelo católico de cristianismo não fica para traz. Duvido que a igreja tenha registro total da quantidade de santos canonizados nos últimos dois mil anos. Quanto mais tornar o banal em objetos de adoração melhor. Cada novo santo proclamado, gera um mercado de mídia a ser vendida, lucros com turismos e peregrinações, cobranças para constatar milagres e tudo mais que esse campo fértil se permite. O pessoal que anda atrás de imagens e aparições, enxergam a imagem do cristo e de sua virgem mãe em tudo: num pão torrado, numa maçã podre, num vidro embaçado de uma janela e até no fio-o-fó de um cachorro. Santa paciência! Só não enxergam o quanto estão sendo manipulados.
       Deixamos a idade da pedra, do ferro, do bronze, do ouro...nossa maior conquista quem sabe seja deixar a idade das religiões. Quanto até esse tempo? Não sei! Pra mim já começou! Para cada um dos que usam o raciocínio para tentar entender o mundo ao seu redor e sair do pensamento de rebanho, essa era também já começou! Bem-vindo ao século... (?). Você entendeu!
       Não intento ser o líder de pessoas revoltadas sem causa e sem direção, mas intento trazer de volta a tantos quanto seja possível a capacidade de raciocinar. Sei que isso já tem acontecido e sei que qualquer pessoa que se dispõe a fazer o mesmo também tem alcançado, ainda que em minúscula escala tais resultados. Toda mudança social requer desafios. O desafio de pensar por si só é o maior medo que todos, cedo ou tarde teremos de enfrentar. Podemos crescer ou voltar pra o colinho da mamãe (igreja) onde estaremos acalentados em nossos sonhos. Melhor viver apenas 1 dia em toda sua vida como cidadão livre, do que viver 100 anos como zumbi. Pensem nisso!
    Saúde a todos!
  • FÉ É RAZÃO PODEM "ANDAR" JUNTOS ?

    Este artigo é uma tentativa de tornar compreensível para o leitor  a tese de que, a partir das ideias a que descritas, mostrar os reais conceitos sobre o tema que será abordado. O que é, afinal, fé e Razão? A pergunta não é nova, mas não envelheceu. Ela é simplesmente clássica, pois esse artigo aborda um tema clássico da filosofia com a devida propriedade. Mas claro, antes de tudo, parece que não podemos compreender o problema se o reduzirmos a si mesmo. Isso porque, um problema não surge do nada, de um vazio; bem ao contrário, só podemos entendê-lo admitirmos uma razão situada em face real.
    Se nós vivemos em uma civilização planetária na qual todos os homens é todas as mulheres estão associados a um destino comum, podemos é devemos buscar cooperativamente respostas comuns, para os nossos problemas e desafios, pois assim podemos evitar a destruição da humanidade é possibilitar a construção de um mundo na qual as revoluções entre indivíduos, povos, agrupamentos humanos é nações estejam pautadas pela cooperação é pelo dialogo e não pela força do mais forte, pelo conflito é pela guerra, o que nos possibilita construir um mundo de paz, e bem estar social. Ainda hoje no nosso mundo é muito difícil trata o tema de fé e razão sem sermos afetados de uma certa forma inconscientemente, pelos filtros intelectuais que herdamos das religiões. Podemos dizer que ambos tem o mesmo objetivo. Buscar a verdade e o conhecimento. A religião se transforma, utilizando a linguagem de representação através de mitos, ritos e símbolos. A filosofia desvela, demostra através de ideias, o pensamento é o conceito.
    CONCEITOS:
    “A palavra Fé vem do latim Fides, uma palavra que significa “confiança ou crença,” ou até mesmo uma credibilidade. Fé, um sentido total da crença em algo ou alguém, ainda hoje nenhum tipo de evidência que comprove a sua veracidade. Sinônimo, “fulcro” proteção, socorro, sustentáculo, amizade, esperança, crença, convencimento é etc.  Antônimo, duvida descrença, incerteza, incredulidade é etc. No idioma hebraico um dos registros da palavra Fé,“emunah”, que significa confiança.” (Dicionário da Linguagem Portuguesa )
    “ Mas a melhor definição para fé vem do grego,πiotls, que quer dizer uma garantia que advém numa possibilidade de confiança.”(Biblioteca Bíblica)
    Exemplo: Existe uma pessoa que nunca foi nem pro açougue é nem em um Banco. Minha pergunta é: Como essa pessoa vai saber que o melhor lugar para tirar um empréstimo é  no Banco e não no açougue? É ainda ela vai crendo em uma possibilidade de conseguir um empréstimo.  A resposta é clara, por que existe pessoas que falaram pra ela que o banco é o lugar correto pra pedir um empréstimo.
    “Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas.” Hebreus 12:1
    Podemos ter como exemplo Isaac newton, Louis Pasteur, Pascal, Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski. Apesar de Cientistas eles acreditavam no Deus da Bíblia Sagrada.
    Quando falamos sobre o cristianismo, por exemplo, provavelmente o chamamos mais “a fé cristã” do que “a religião cristã”. A palavra fé possui um forte elemento de confiança, num sentido real a esperança é a fé aguardando. Sé posso confiar na promessa de alguma divindade, independente de qual seja, isso faz com que crie uma substância de esperança na vida do ser humano, onde a partir disso a sua esperança não é apenas uma quimera, uma fantasia ou uma projeção de desejos que se baseia em sonhos inúteis. Pelo contrário, ela está baseada em algo que tem substância.
    Razão:
    “Razão, É a faculdade de conhecimento intelectual próprio do ser humano. Capacidade do pensamento dedutivo. Surgi da palavra latim, “ratio” e na palavra grega “logos”, que significa reunir, juntar, medir, calcular. Pensar ou o dom de pensar.”(Dicionário da Linguagem Portuguesa )
    “Afasta-te de todas as impressões dos sentidos é da imaginação, crê apenas na tua razão.”(René Descartes) Outro pensamento dele é que: “O homem teve desconfiar de tudo para poder acreditar em alguma coisa.”
    O ultimo esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de coisas que a ultrapassam. Por tanto o homem é um ser racional, pois é isso que o torna diferente dos outros animais. “O homem é um ser politico” Segundo Aristóteles. Isso implica dizer que a razão é o que move o ser humano. Em Platão a razão pode ser a ideia que fundamenta o mundo. Tanto para Platão como para Aristóteles a razão só é possível a partir da alma humana, pensamento.
    Origem:
    No principio da humanidade, o homem não sabia por que anoitecia. Não sabia o que é o Sol, o calor do mesmo o  assustava. Não sabe o porque do relâmpago e do trovão, a escuridão o amedronta. Não sabe onde a chuva vai parar, tem medo da mesma não parar. Por isso surgiu o pensamento mágico, que o homem tenta explicar os fenômenos da natureza. O individuo crê que seu pensamento pode mudar o curso natural das coisas. Ou que o mesmo pode fazer mal a alguém. Pois ai seria um dos primeiros sinais da fé.
    Quando pensamos já não somos mais os mesmos, quando o homem começa a fazer estudos de problemas ligados a: Existência, valores morais é estéticos, a verdade.
    A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito entre os iguais. Sophia quer dizer sabedoria e dela vem a palavra sophos, sábio. Filosofia significa, portanto, amizade pela sabedoria, amor e respeito pelo saber. Filósofo: o que ama a sabedoria, tem amizade pelo saber, deseja saber.  Seria o filosofo um sábio ou louco? A filosofia surgiu quando alguns  gregos admirados é espantados com a realidade, insatisfeitos com as explicações que a tradição lhes dera, começam a fazer perguntas é buscar respostas para elas. Demostrando que o mundo e os seres humanos, os fenômenos naturais podem ser conhecidos é explicados pela razão humana, é que a própria razão é capaz de conhecer-se a si mesma. Tales de Mileto, em 583 a.C  ele usa a astronomia para explicar um eclipse. Tanto tales como os demais filósofos estão buscando o arché ou arque(em grego antigo: oxn )Principio de todas as coisas.
    O filósofo Empédocles (495-430 a.C) Usou a teoria dos quatros elementos clássicos (ar, fogo, vento é terra ). Defendeu com tanta força a reencarnação que ele tirou a própria vida se atirando dentro do  vulcão Etna para mostrar que a alma era imortal. Sua alma, segundo ele, se voltaria para os homens e ele seria um deus. A única coisa que sobrou dele, quando se atirou no vulcão, foi suas sandálias. Uma prova de que todos os filósofos daquela época foram influenciados  tanto positivo como negativamente pela religião.
    Evidentemente, isso não quer dizer, de modo algum, que outros povos, tão antigos quanto os gregos, como os chineses, os hindus, os japoneses, os árabes, os persas, os hebreus, os africanos ou os índios da América não possuam sabedoria, pois possuíam e possuem. Também não quer dizer que todos esses povos não tivessem desenvolvido o pensamento e formas de conhecimento da Natureza e dos seres humanos, pois desenvolveram e desenvolvem. Quando se diz que a Filosofia é um fato grego, o que se quer dizer é que ela possui certas características, apresenta certas formas de pensar e de exprimir os pensamentos, estabelece certas concepções sobre o que sejam a realidade, o pensamento, a ação, as técnicas, que são completamente diferentes das características desenvolvidas por outros povos e outras culturas.
    Em outras palavras, Filosofia é um modo de pensar e exprimir os pensamentos que surgiu especificamente com os gregos e que, por razões históricas e políticas, tornou-se, depois, o modo de pensar e de se exprimir predominante da chamada cultura européia ocidental da qual, em decorrência da colonização portuguesa do Brasil, nós também participamos.
    Filosofia é Religião
    A tradição cultural do ocidente tem se apresentado desde a cultura Grega como uma cultura que busca a razão. Ora, mas o que significa dizer que a cultura ocidental é uma cultura que busca a razão? Significa dizer, com outas palavras, que nessa cultura com o passar dos anos floresceu a atividade racional como uma das mediações fundamentais através das quais ela se articulou a construção de seu sentido. Essa articulação racial do sentido tem sido uma forma de ajudar o ser humano ocidental a se situar no mundo e, portanto, serve para ajuda-lo a se orientar racionalmente sua autocompreensão e conduta, com isso ajuda-lo traçando um caminho de uma realidade humana pautada pelas ideias racionais.
    Em vários estágios da vida qualquer individuo já teve contato com a filosofia. Des do direto a matemática, passando pela pedagogia é chegando a arqueologia. A filosofia se encontra em todas essas árias do conhecimento.
    Muitos vão afirmar que ela nasceu com Tales de Mileto quando ele explica o eclipse. Des da escrita até o raciocínio de Tales vamos ter aproximadamente 3 mil anos que simplesmente é descartado pela história. A resposta é simples: John Burnett diz que havia nada de filosofia antes da Grécia. Um tipo de milagre grego que trousse o sistema para a humanidade.
    Sé filosofia significa amor a sabedoria. Que sabedoria anterior era essa que não podemos amar?
    A sabedoria anterior buscava em um Deus ideias para refletir sobre a existência humana. Um estudo arqueológico nos mostra que havia uma filosofia pre-grega ou oriental de características bastante peculiar. É essa filosofia é tão antiga como a capacidade humana de pensar.
    FILOSOFIA PRÉ-GREGA(HEBRAICA)
    Mas antes precisamos entender um pouco sobre Etnia. Ela é formada por uma população ou grupo social com homogeneidade cultural é linguística que compartilham histórias é origem comuns. Derivado da palavra grega ethnos (povo).
    “Uma etnia é conjuntos de indivíduos que, historicamente ou  mitologicamente, têm um ancestral comum; têm uma linguagem em comum, uma mesma religião ou cosmovisão; uma mesma cultura moram geograficamente num mesmo território.” Prof.Dr. kabengele Munanga.
    Existe um grupo social que exerceu uma grande influencia em toda a história mundial. Muitos dos benefícios de nossas vidas hoje se deve a importantes Judeus, tais  como:
    Stan Lee:  Um mundo sem Judeus seria um mundo sem super-herois. Criou nada menos do que o Homem-Aranha, os X-Men, o Hulk, o Quarteto-fantastico, Thor, o Homem-de-Ferro é outros.
    Gene Simmons,Kiss: A linguagem mais famosa do Rock n’roll pertence a um Judeu.
    Sigmund Freud: Essa é mais óbvia, mas é muito importante lembrar que toda a revolução provocada pela criação da psicologia saiu da cabeça desse judeu austríaco. Freud é o pai da psicanálise – criação que ajudou a vida de milhões de pessoas e tem tido diversas de suas teorias confirmadas pelas recentes descobertas da neurociência. Um mundo sem judeus seria um mundo sem terapia e com muito menos conhecimento sobre a natureza humana.
    sobre a natureza humana.
    Albert Einstein:  Entre os acadêmicos, o cientista alemão foi escolhido muitas vezes como o maior físico da história. Pai da teoria da relatividade e  dono de descobertas fundamentais no desenvolvimento da teoria quântica.
    Jesus Cristo: Não adianta espernear. Para ser judeu, você deve ter nascido de ventre judaico e Maria era judia, assim como a maioria dos que viviam ao redor de Jesus há mais de 2000 anos atrás. O Deus de Jesus era o mesmo Deus judaico do Velho Testamento e Cristo se considerava o messias que os judeus esperavam. E fundador do Cristianismo.
    Também são judeus Woody Allen, Allen Ginsberg, Silvio Santos, Shia LaBeouf, Seinfeld, Will Eisner, Davi, Moacyr Scliar, Amos Oz …
    Origem dos termos Hebreus, Israelitas é Judeus.
    Hebreus: A primeira vez nos livros de Moisés (Torá, para os Judeus; Pentateuco, para os Cristãos)em que o termo “hebraico” aparece no livro de Gênesis, referindo-se, exatamente, ao pai deste povo, Abraão. Se refere também a os descendência de Héber. O capitulo 10 de gênesis fala sobre a  descendência de Noé é das nações que se formaram a partir dele. Noé teve três filhos Sem, Cam é Jefé, além de outros mais, além, dos que nasceram depois do dilúvio.
    Héber  foi um dos trisnetos de Sem( que deu origem a os Semitas), filho de Noé. O nome de Héber é importante porque segundo a tradição Judaica, foi graças a ele que a língua que eles falam foi preservada por Deus, ele se recusou a construir a Torre de Babel, então o idioma hebraico foi preservado e recebeu esse nome em homenagem a Héber. Todos esses povos, por exemplo os valavam diversas línguas, tais como: Acadiano, Ucaritico, Fenício, Hebraico, Aramaico, Árabe, Etíope, Egípcio, Capta, Guanche, Assírio é Caldeu. Todas essas Línguas se originaram desses povos antigos.
    Mas tudo começa, segundo a narrativa bíblica, por Abraão.  Após a morte do irmão de Abraão, a família saiu de Ur em direção à terra de Canaã, e foram até Harã, e habitaram ali (Gn 11:31). Tanto Ur quanto Harã, eram cidades pagãs e centros de adoração ao deus da lua.
    É muito difícil de afirmar com exatidão o período do nascimento Abraão, mas a maioria dos estudiosos estabelece o início do segundo milênio antes de Cristo como data aproximada para seu nascimento, o que estaria de acordo com uma possível cronologia utilizando os personagens bíblicos, além das descobertas arqueológicas que atestam um paralelo impressionante com o relato bíblico.
    “ Abraão, Isaque é Jacó não aparecem mais como figuras isoladas; Agora se movem mais livremente como figuras genuínas de sua época, que levam nomes comuns se deslocam de um ponto a outro do mesmo território, visitam as mesmas cidades é praticam os mesmos costumes... Podemos afirmar que as narrativas patriarcais possuem um fundamental núcleo histórico.”( ALBRIGHT )
    Israelitas: O termo “Israelita” e a versão em português da palavra Israel. A palavra aparece varias vezes na Bíblia. O nome significa “lutar com Deus”, foi atribuído a Jacó. YAKOB (Jacó), significa aquele que pega pelo calcanhar ou aquele que engana.
    A luta do patriarca Jacó com o Anjo do Senhor ocorreu na região do vau (local em um rio, cuja profundidade permite a passagem a pé) do rio Jaboque.
    A nascente do rio Jaboque está localizada ao sul de Gileade, região montanhosa que atualmente faz parte da Jordânia.
    O Jaboque é um afluente do rio Jordão e desemboca neste, entre o mar da Galiléia e o mar Morto. Seu curso tem aproximadamente 130 quilômetros.
    E o texto do livro de Gênesis 32:22-30, relata a luta dramática de Jacó com o Anjo, que levaria ao surgimento do povo de Israel, bem como ao aparecimento do Messias e sua consequente obra salvadora que alcançou toda a humanidade.
    Por toda a história da vida de Jacó, ele escolheu contar e confiar na benção de Deus. Em resumo, tudo que lhe acontece, de uma forma ou de outra tem ligações com o desejo de receber uma bênção, a benção do Senhor.
    Jacó quis por si mesmo alcançar a benção de Deus, trapaceando e roubando a benção do seu pai Isaque, que era destinada a seu irmão Esaú. E Jacó pagou um preço muito alto por aquela atitude. Jurado de morte, para após o falecimento de seu pai, teve que fugir do alcance de Esaú, se refugiando na parentela de seu tio Labão. Origem da palavra Israel: Ish= homem, Ra=batalha, El= Deus.
    Judeus: Das 12 filhos de Jacó surgiram as 12 tribos de Israel. Judeus está ligado a tribo de Judá, mais não se refere só a essa tribo. Por haver predominância dos Judeus, nos tempos de Estras é Nemias. Assim todo o povo das doze tribos passou a ser chamado de Judeus.
    Com a morte de Salomão, terceiro rei de Israel, o povo achou em Jeroboão um líder. Onde ele “toma” o reino do norte, ou seja a tribo de Israel que tinha como capital Samaria(722 A.C), é com  isso ele consegue dominar 10 tribos.  Raboão filho de Salomão, levou consigo duas tribos. Onde Judá (605 A.C), conhecido como reino do sul tem sua capital Jerusalém. Em 722 a Assíria derrota as 10 tribos do norte, sobrando apenas duas tribos Judá é Benjamim.
    Não vou está me detendo muito a história do povo de Israel. Ai está um breve resumo dos estudos feito sobre a origem do povo Israelita.
    O pensamento hebraico:
    Podemos afirmar que a Biblia é essencialmente hebraica. Apesar do Novo testamento ser escrito em gergo e haver influêcia grega em seu estilo, seu pano de fundo  é hebraico. Os escritores (com exceção de Lucas) são hebreus, a cultura, a religião e as tradições são hebraicas, e os conceitos são hebraicos. Em sua parte, a palavra de Deus foi o “pensada por mentes hebraicas, mesmo quando os lábios falaram e as mãos escreveram em grego.” Dai a importância de se entender mais sobre a mentalidade hebraica antiga.
    É preciso admitir que os gregos deixaram uma herança muito rica para o ocidente, nas artes, na ciência é na cultura. Sem eles, não seriamos o que somos hoje. No entanto, se deve á nossa mente “helenizada” afinal grego é hebraico eram bem diferente em sua maneira de enxergar o mundo.
    Cultura Hebraica é Grega:
    Os hebreus eram um povo extremamente dinâmico e seu idioma refletia isso. No português, como em outras línguas, o nome ou sujeito vem em primeiro lugar na frase, e o verbo geralmente é colocado logo em seguida. Exemplo: “Antônio obedeceu a seu pai.” Em hebraico, frequentemente a ordem é inversa: “Obedeceu Antônio a seu pai.” “Esse tipo de ênfase no verbo sugere que os hebreus eram um povo centrado na ação.”
    Para os gregos, sabedoria era o resultado, sobretudo, do estudo, da contemplação e do raciocínio. O conhecimento era basicamente teórico, limitado ao mundo das ideias. Para os hebreus, no entanto, o conhecimento era essencialmente prático. Conhecer era, principalmente, experimentar, envolver-se com o objeto de estudo. “A palavra hebraica yada‘, que expressa a ideia de conhecimento, é utilizada também para expressar a dinâmica do relacionamento conjugal  (Gn 4:1, 17; 19:8) e até, de forma figurativa, [o relacionamento] entre Deus e os seres humanos (Sl 16:11; Jr 9:23, 24; Os 8:2). [Na mentalidade hebraica] conhecer significa ‘conviver com’. O conhecimento não consiste em observar e analisar o objeto; ele é o resultado da experiência, de uma caminhada com alguém (Sl 95:10), e implica um compromisso pessoal com o objeto ou a pessoa a ser conhecido(a).
    Os hebreus consideravam a inteligência não apenas como capacidade intelectual, mas também como a habilidade de ouvir, de receber conhecimento externo. Na mentalidade hebraica, os ouvidos estavam especialmente relacionados à sabedoria (Is 50:5; Jó 12:11; Ne 8:3 e Jr 6:10). Se, para os gregos, o conhecimento era subjetivo, inerente ao homem (o que se percebe pela inscrição “Conhece-te a ti mesmo”, do oráculo de Delfos, na Grécia), para os hebreus, o conhecimento era objetivo e, em última análise, era o resultado da revelação divina.
    Na cosmovisão bíblico-hebraica, “temer a Deus” é o primeiro passo para se obter sabedoria (Sl 111:10; Pv 1:7). A epistemologia grega ensinava que a verdade última é adquirida pelo exclusivo exercício da razão que a descobre. Por sua vez, a epistemologia hebraica entendia que a verdade última é um mistério que só se conhece caso Deus a revele. O papel da razão se resume a assentir ao que Deus revelou de Si mesmo. Verdades simples podem ser apreendidas pela razão; verdades teológicas, pela Revelação.
    Até mesmo as tarefas do cotidiano eram consideradas, de certa forma, sagradas. A palavra hebraica ‘atsab, no grau Piel, significa tanto “fazer”, no sentido de “fabricar”, quanto “adorar”, assim como o verbo ‘abad(“trabalhar” ou “servir”) muitas vezes aparece no contexto de adoração (Js 24:15; Sl 100:2).17 Na lavoura, na escola ou no templo, a vida era vista como um constante ato de adoração (1Co 10:31). Para o povo hebreu, a adoração era mais do que um evento: era um estilo de vida; e a religião permeava cada aspecto da rotina.
    O filósofo grego Platão difundiu uma interpretação dualista da realidade. Ele acreditava que havia dois mundos: o das ideias (ou do espírito) e o mundo real. De acordo com essa visão, o ser humano era formado por duas partes: espírito (ou alma) e corpo. O corpo e os elementos materiais eram considerados ruins, e apenas o “espírito” e as coisas do “além” eram vistos como algo bom. Assim, a morte, na verdade, seria a libertação da alma, que, enquanto estivesse no corpo, estaria presa ao mundo material.
    Por sua vez, os hebreus tinham uma visão integral da vida. Para eles, o ser humano era completo, indivisível. Na mentalidade hebraica, alma se refere ao indivíduo como um todo (corpo, mente e emoções). Ao contrário dos gregos, que criam na imortalidade do espírito, os antigos hebreus – que ainda não haviam sido influenciados pelo helenismo – acreditavam na mortalidade da alma e na ressurreição (Ez 18:4; Dn 12:1, 2). A visão de uma dicotomia – corpo e alma – era estranha à mentalidade hebraica. A morte para os hebreus era entendida como uma cessação real e total da vida. No Antigo Testamento, um falecido era tido como uma alma morta (Nm 6:6; Lv 21:11). O ser humano não tinha uma alma, mas era uma alma.
    Para a mente greco-romana, espiritualidade era algo místico. Ser espiritual significava desprezar totalmente a matéria e se conectar ao “outro mundo”. Esse desprezo dos elementos materiais variava entre dois extremos. Alguns, por exemplo, renunciavam completamente os prazeres físicos, tais como a alimentação e o sexo, a ponto de mutilar seus órgãos genitais. Outros, por outro lado, se entregavam a todo tipo de sensualidade e orgia. Ambos os comportamentos tinham como base a ideia de que o corpo é mau, e que, no fim das contas, o que importa mesmo é a “alma”.
    Para a cosmovisão hebraica, porém, o corpo foi criado por Deus, e por isso é considerado sagrado. As Escrituras afirmam que “do Senhor é a Terra” (Sl 24:1). E, enquanto criava o mundo, Deus viu que este “era bom” (Gn 1:10, 12, 18, 21) – e não mau, como afirmava o pensamento platônico. Na compreensão bíblico-hebraica, Deus fez o mundo (as coisas materiais), e deu ao homem a responsabilidade de cuidar dele. “A civilização helênica tinha uma concepção antropológica que se fundamentava no somatório de duas partes: o corpo e a alma. A civilização semítica, particularmente a hebraica, não dicotomizava. O corpo era concebido como o ser humano na sua totalidade  visão dicotômica valorizava, acentuadamente, a alma em detrimento do corpo, o seu cárcere. Do outro lado, na intelecção semítica, o modelo não conhecia uma alma sem corpo. Corpo significava o ser humano na sua totalidade. Na verdade, o israelita não falava em criação do corpo, mas do ser humano.
    Para os hebreus, portanto, espiritualidade tinha que ver, sim, com esta vida. Embora os judeus dos tempos bíblicos tivessem seus olhos no Céu, seus pés estavam bem firmados na Terra. Na cosmovisão bíblica, não é preciso entrar num estado de transe para alcançar “o mundo superior”. Conforme as Escrituras, é possível, e necessário, ser santo e desenvolver a espiritualidade no dia a dia, nas situações comuns da vida e no trato diário com as pessoas (Lv 20:7; 1Pe 1:16).
    Teoria x prática
    Na cosmovisão grega, “saber” era mais importante do que “ser”. Para os gregos, sabedoria era o resultado sobretudo do estudo, da contemplação e do raciocínio. O conhecimento era essencialmente teórico, limitado ao mundo das ideias, e o mais importante era conhecer a si mesmo.
    Para os hebreus, no entanto, o conhecimento era essencialmente prático. Conhecer era, principalmente, experimentar, se envolver com o objeto de estudo. O conhecimento de Deus era o mais importante, e a verdadeira sabedoria estava em saber ouvir, especialmente a Ele – “Ouve, ó Israel [...]” (Dt 6:4). Na mentalidade hebraica, “temer a Deus” é o primeiro passo para ser sábio (Sl 111:10; Pv 1:7).
    Deus x “eu”
    Na cosmovisão grega, o “eu” (ego) era o centro de tudo. Diz a lenda que à entrada do Oráculo de Delfos, na Grécia Antiga, havia a frase “Conhece-te a ti mesmo”. Na cultura hebraica, por outro lado, Deus era o centro de todas as coisas. Os hebreus não dividiam a vida, como nós fazemos, em sagrada e secular. Para eles, essas duas áreas eram uma coisa só, sob o domínio de Deus.
    Até mesmo as tarefas do dia a dia eram consideradas, de certa forma, sagradas. A palavra hebraica ‘abad – “servir” ou “adorar” (Sl 100:2) – pode ser também traduzida como “trabalhar”. Na lavoura, na escola ou no templo, a vida era vista como um constante ato de adoração (1Co 10:31; Cl 3:2; 1Ts 5:17). Para eles, a adoração era mais do que um evento, era um estilo de vida.
    Pensamento corporativo x individualismo
    Os gregos consideravam a individualidade um valor supremo e praticamente inegociável. Os hebreus, por sua vez, tinham uma “personalidade corporativa” e enfatizavam a vida em comunidade. Na cosmovisão hebraica, havia uma ligação inseparável entre o indivíduo e o grupo. A vitória de um era a vitória de todos, e o fracasso de um representava o de todos. Por isso, para os cristãos, se, por um lado, a falha de Adão lá no Éden representou nossa queda, por outro lado, a morte de Cristo na cruz dá a todos a oportunidade de salvação (1Co 15:22; Jo 3:16).
    Amor: decisão x emoção
    No mundo grego, o amor, em suas várias formas, se resumia muitas vezes a um mero sentimento. Na visão hebraica, porém, amor é mais que isso: é uma escolha (em Ml 1:2, 3 e Rm 9:13, “amar” e “odiar” são sinônimos de “escolher” e “rejeitar”). É algo prático, traduzido em ações – a Deus e ao próximo (Mt 22:35-40).
    Apesar de soar como uma tautologia, é necessário constatar que a filosofia judaica é toda produção intelectual feita por pensadores judeus e, portanto, influenciados pela cultura, pela tradição oral e por obras como a Torá, o Talmude e os Midrash. Porém, o mesmo termo pode ainda se referir a uma linha de estudos que faz uma reflexão filosófica sobre o judaísmo ou então representa uma forma de fazer filosofia que enfatiza questões judaicas.
    Dessa maneira, é possível afirmar que a filosofia judaica surgiu nos textos de Filon de Alexandria, no século 1, mas também podemos dizer que a mesma filosofia judaica é bem mais antiga, pois sempre esteve presente nos textos bíblicos. Polêmicas à parte, Filon foi inegavelmente quem primeiro tentou conciliar o pensamento bíblico à tradição filosófica grega. Essa prática se repetiu em inúmeros outros pensadores judeus.
    Segundo intelectuais como Julius Guttmann (autor do clássico A Filosofia do Judaísmo), a filosofia é algo externo aos judeus. Ela veio de fora. Dessa forma, a história da filosofia judaica seria também uma história de anexações de ideias forâneas, estrangeiras.
    No entanto, como o judaísmo é uma tradição que se baseia na interpretação dos livros sagrados. De certa maneira, é possível dizer que essa mesma tradição de interpretar textos está presente no período helenístico; na Idade Média – quando a filosofia penetrou os trabalhos dos intelectuais judeus que viviam no âmbito da cultura do islã, principalmente em al-Andaluz –; e em trabalhos de pensadores modernos como Eric Auerbach (1892-1957) e Walter Benjamin (1892-1940).
    A fé se não for racional é fideísmo:
    Fideísmo:  é uma doutrina religiosa que prega que as verdades metafísicas, morais e religiosas, como a existência de Deus, a justiça divina após a morte e a imortalidade, são inalcançáveis através da razão, e só serão compreendidas por intermédio da fé. Os fideístas procuram se esquivar de qualquer tipo de argumentação para que possam apoiar sua fé em Deus sem qualquer tipo de racionalização. Porém, esta corrente teológica é flagrada em aparente contradição quando utiliza a própria razão para expor sua doutrina e depois negar seu emprego em questões de fé. A principal critica ao fideísmo está relacionada a esta aparente contradição, como diz Norman Geisler:
    “Se alguém não tem razão para não usar a razão, então essa posição é indefensável. Não há razão para que se aceite o fideísmo”. Por outro lado, Blaise Pascal  e Santo Agostinho  defendem uma forma mais moderada de fideísmo segundo a qual, apesar de a fé ter um estatuto privilegiado em matérias religiosas, podemos apelar à razão para a fundamentá-la.
    O grande problema do fideísmo é que não importa o quanto digamos que não precisamos da razão para crer em Deus, quanto mais se cava, mais aparecem “bases” para a fé, ou seja, provas. Não é possível divorciar a fé de tais bases que o próprio Deus nos proporcionou. Vamos pensar um pouco mais: Por que será que Deus nos deu a capacidade de raciocinar? Será que era para que não a usássemos? Qual o motivo de Deus se revelar nas histórias da Bíblia, ou clamar através da natureza à respeito de Sua existência se não fosse para nos dar bases para a nossa fé?
    A NOÇÃO DE DEUS;
    Credo judaico é: “Ouve, ó Israel: Iahweh nosso Deus é o único Iahweh.” (Deuteronômio 6:4)
    Esse credo é repedido pelos judeus devotos todas as manhãs é noites da sua vida, mostra que o judaísmo é uma religião monoteísta. Deus, o Deus único, é criador do mundo e o senhor da história. Toda vida depende dele, é tudo o que é bom flui dele. É um Deus pessoal que se preocupa com as coisas que criou. Jeová é o criador e sustentador do mundo. A ideia de que Deus possa não existir é alheia a um judeu. Eli Wiesel, que recebeu o prêmio Nobel da Paz, sintetizou: “Você pode ser a favor de Deus ou contra Deus, mas não pode ser sem Deus.”
    Os conflitos que a Bíblia passou:
    Vamos usar a Bíblia porque ela sofreu  ataques  tais como:
    Durante o período em que a igreja católica esteve no poder, ela fez tudo o que pode para manter a Bíblia fora das mãos do povo comum. Era ilegal traduzir a Bíblia para a linguagem popular, ainda que a maioria das pessoas não pudesse ler a Bíblia oficial católica por ela estar em latim, um idioma conhecido apenas pelos que possuíam a mais alta instrução.
    “Na Idade Média apareceram correntes dualistas e heréticas que se valiam da Bíblia para apoiar suas concepções errôneas. Tal foi, por exemplo, o caso dos cátaros, avessos à matéria como se esta fosse, por si mesma, má. Em conseqüência, o Concílio de Tolosa (França) em 1229 proibiu o uso de traduções vernáculas da Bíblia. Esta disposição foi retirada pelo Concílio da Tarragona (Espanha) em 1233. A mesma proibição aparece num decreto do rei Jaime I da Espanha em 1235: "Ninguém possua em vernáculo os livros do Antigo e do Novo Testamento".    D. Estêvão Bettencourt
    Este período também testemunhou uma forte perseguição, pois no século 12 o Papa criou o pior de seus estratagemas- O tribunal da Santo oficio (Santa Inquisição )é milhares de pessoa foram mortas. O papa João Paulo 2, no dia 15 de junho de 2004, em uma carta dirigida ao cardeal Roger Etchegaray, lida em uma conferência  cujo tema era a “Inquisição”, pediu perdão pela tortura é assassinatos praticados durante aquele período. No ano de 1215, o papa Inocêncio III emitiu uma lei ordenando "que devem ser presos para interrogatório e julgamento, QUEM ESTIVER ENVOLVIDO NA TRADUÇÃO DOS VOLUMES SACROS, ou que mantém reuniões secretas, ou que pregue sem a autorização dos superiores; contra quem o processo deve ser iniciado sem qualquer permissão para apelo" (J.P. Callender, Illustrations of Popery, 1838, p. 387). Inocêncio declarou "que como pela lei antiga, o animal que tocasse o monte santo era apedrejado até a morte, assim simples e iletrados homens não eram autorizados a tocar na Bíblia ou fazer qualquer ato de pregação de suas doutrinas" (Schaff, History of the Christian Church, VI, p. 723).  O concílio de Tarragona (1234) "ORDENOU QUE TODAS AS VERSÕES DO VERNÁCULO DEVERIAM SER TRAZIDAS AOS BISPOS PARA SEREM QUEIMADAS" (Paris Simms, Bible from the Beginning, p. 1929, 162) .
    O poder que governou na França durante a revolução francesa é reinado de terror desencantou contra Deus é sua palavra uma guerra jamais vista. O culto a divindade foi proibido pela Assembleia Nacional. Bíblias eram recolhidas é publicamente queimadas. A Lei de Deus foi calcada a pés. O batismo e a comunhão foram proibidos. E anúncios afixados visivelmente nos cemitérios, declarando ser a morte um sono eterno.  Esse período começou 26 de novembro de 1793 quando a França, por decreto de sua assembleia legislativa, declarou: “ Não há Deus”. Esse foi um  motivo de grande regozijo para todos os seus  habitantes, e durou até  17 de janeiro de 1797.
    Em todo esse contexto muitas igrejas foram fechadas é proibiu-se a adoração a Deus por decreto da assembleia, corpo legislativo da França. Declinou que a semana seria em 10 dias. Uma mulher imoral foi nomeada a deusa da razão e todos, é as pessoas deveriam adorá-la, ficou proibido todo tipo de culto.
    Entretanto após o período de três anos é meio, depois de mergulhar no poço de violência, degradação e corrupção, no dia 17 de Junho de 1797, a assembleia reconheceu que q religião é necessária a prosperidade é fidelidade da nação. Foi ela  então legitimada mais uma vez.
    Segundo Karl Marx (1818-1883) ele vai afirmar que “A religião é o opio do povo.” Se segundo ele a religião  atrasa a sociedade. Então por que no processo de revolução Francesa, especificamente a noite de terro a Nação volta as praticas religiosas sendo que a mesma deveria atrasa
    “Esta guerra contra a Escritura Sagrada, prosseguida durante tantos séculos na França, culminou nas cenas da Revolução. Aquela terrível carnificina foi apenas o resultado legítimo da supressão da Escritura por parte de Roma. Apresentou ao mundo o mais flagrante exemplo da operação dos princípios papais - exemplo dos resultados a que por mais de mil anos tendia o ensino da Igreja de Roma.”
    "A França é a única nação do mundo relativamente à qual se conserva registro autêntico de que, como nação, se levantou em aberta rebelião contra o Autor do Universo. Profusão de blasfemos, profusão de incrédulos, tem havido e ainda continua a haver, na Inglaterra, Alemanha, Espanha e em outras terras; mas a França fica à parte, na história universal, como o único Estado que, por decreto da Assembléia Legislativa, declarou não haver Deus, e em cuja capital a população inteira, e vasta maioria em toda parte, mulheres assim como homens, dançaram e cantaram com alegria ao ouvirem a declaração." - Blackwood"s Magazine, de novembro de 1870.
    Segunda guerra mundial:“Antes da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha estava infestada pelo tão chamado movimento cristão alemão, que O colunista do WND, Jim Fletcher, publicou artigo analisando o livro “Hitler, God and the Bible” (em tradução livre, Hitler, Deus e a Bíblia)ensino do Antigo Testamento. O que é interessante é que Hitler e seus mais importantes representantes junto com a maioria dos líderes militares e as próprias tropas haviam sido a vida inteira católicos ou luterana.”
    Mesmo com todos esses ataques a Bíblia é o livro mais lido no mundo. Dé mais ou menos 1840 pra cá foram feitos aproximadamente 6 bilhões de exemplares da Bíblia Sagrada. Em quanto isso, Livros como Alcorão 880 mil muçulmanos, espalhados em pelo menos 40 paises do mundo ou um sexto da humanidade, ele é a palavra textual de Deus segundo eles.
    Fé é Razão podem “andar” juntos ?
    Vamos analisar alguns textos Bíblicos:
    “Ponham- me á prova”. Malaquias 3:10
    “venham, vamos refletir juntos”, ou, conforme uma tradução mais amtiga,”vamos arrazoar juntos,” isto é, discutir, entar num acordo, entender as razões do outro (Isa 1:18).
    Também nas páginas do Novo testamento encontro uma gama de textos aconselhando-me a testar ou examinar criticamente todas as coisas antes de crer apressadamente nelas.
    5 Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.
    2 Coríntios 13:5
    14 Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Efésios 4:14
    21 Examinai tudo. Retende o bem.
    1 Tessalonicenses 5:21
    Deixando, pois, toda a malícia, e todo o engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações,
    Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo;
    1 Pedro 2:1,2
    Quer um incentivo á reflexão e á racionalidade autônoma mais clara que esta?
    A certeza da teologia fundamenta-se na autoridade de Deus e diz respeito à salvação do homem. A filosofia, por sua vez, parte da razão, procede racionalmente, enriquece a demonstração com dados científicos que não se encontram na revelação. Tudo isso serve à teologia para explicar, penetrar e aprofundar a compreensão dos dados que a fé proporciona. A doutrina sagrada também usa a razão humana, não para provar a fé, o que lhe tiraria o mérito, mas para iluminar alguns outros pontos que esta doutrina ensina. Como a graça não suprime a natureza, mas a aperfeiçoa, convém que a razão natural sirva à fé, assim como a inclinação natural da vontade obedece à caridade.  Assim, pois, segundo Tomás de Aquino, a razão exerce funções importantes na teologia: a formula racional e rigorosamente os preambula fidei (existência de Deus, etc.) declara e explica os artigos da fé para tornar os mistérios inteligíveis; c) deduz conclusões dos artigos de fé, de acordo com as regras da dialética, de uma premissa maior da fé e uma menor da razão. Ordena e sistematiza e defende as verdades da fé, mostrando que os argumentos contrários não são conclusivos à luz da pura razão.
    Ora, se quisermos aplicar o conceito aristotélico de ciência à teologia, esta como ciência da fé, não é ciência, pois crer significa ter convicção daquilo que não se vê. Para resolver esta aporia, Tomás recorre à ideia de uma ciência sub alternativa, ou seja, uma ciência que recebe seus princípios de outra e, por isso, a ela subordinada. Para ele, a teologia deve seus princípios à sabedoria de Deus e dos santos, e os recebe pela fé. A teologia está para a fé como a conclusão está para o princípio. Outra aporia é que a ciência, segundo Aristóteles, tem como objeto a essência universal da coisa, mas a teologia trata do particular, do singular e do histórico. Tomás supera essa dificuldade sem, todavia, convencer, dizendo que o singular se apresenta como portador de um universal. Mas, segundo o conceito moderno, ciência não é somente conhecimento das coisas como devem ser, mas conhecimento das coisas como são ou como podem ser, incluindo a dimensão histórica.
    A ciência antiga, o que se chama filosofia é um conhecimento abstrato sobre as coisas, que se percebia somente de um observação a olho nu, como os filósofos antigos que somente com a observação tentavam responder qual o elemento que seria a origem de todas as coisas, Tales de mileto falava que era a água, heraclito falava que era o fogo, Já a ciência moderna começou com as experimentações com Galileu que para poder comprovar a teoria heliocêntrica precisava de instrumentos que comprovasse que sua observação estava certa. Por isso a diferença entre ciência antiga que não tinha experiência, e já a moderna tem experiência.
    Aquela que chamamos de ciência moderna surgiu com a revolução intelectual ocorrida na Europa, a partir do século 16, e que mudou os modos de compreensão do mundo ocidental. As raízes dessa revolução, é claro, recuam a acontecimentos importantes que marcaram a transição da Idade Média para a Modernidade, especialmente o Renascimento, que tinha como principal conceito o racionalismo. Essa nova maneira de ver o mundo se tornou um desafio não necessariamente para a fé, mas para uma forma deturpada de religião da época que trocava até mesmo os ensinos da Bíblia por explicações dogmáticas de líderes da Igreja. Portanto, o que houve ali não foi um conflito entre fé e razão, mas a disputa de dois grupos religiosos: um majoritário que praticava abusos em nome de Deus e outro minoritário que defendia o direito racional humano! A inspiração do primeiro eram os dogmas e, do segundo, a Bíblia Sagrada. Foi exatamente desse segundo grupo que surgiram os pioneiros da ciência moderna. Tanto a religião quanto a ciência são tentativas humanas de encontrar respostas acerca da nossa própria existência.
    Galileu foi o responsável pela criação do telescópio, instrumento decisivo para observação dos corpos celestes. Por meio do telescópio, Galileu pode perceber imperfeições na Lua e em outros planetas, fato que acabou por contestar a antiga concepção de um cosmos fechado. O historiador da ciência Alexandre Koyré compreende que a “destruição deste cosmos fechado”, operada por Galileu, Joahannes Kepler, Tycho Brahe, dentre outros cientistas, inaugura uma nova cosmologia, ou uma nova forma de se conceber o mundo físico, que, a partir do século XVII, passaria a ser a do universo infinito. A matemática e a lógica indutiva, mesclada com as concepções filosóficas do século XVII, notadamente o racionalismo de René Descartes e o empirismo dos filósofos ingleses, alinhavaram o sistema científico moderno, cujo desenvolvimento se deu progressivamente até o advento da Teoria da Relatividade de Einstein e da Mecânica Quântica, de Heisenberg e Bohn, na primeira metade do século XX.
    David Hume opôs-se particularmente a Descartes  e às filosofias que consideravam o espírito humano desde um ponto de vista teológico-metafísico. Assim David Hume abriu caminho à aplicação do método experimental aos fenômenos mentais.[3]  Sua importância no desenvolvimento do pensamento contemporâneo é considerável. Teve profunda influência sobre Kant, sobre a filosofia analítica  do início do século XX  e sobre a fenomenologia.
    Locke ficou conhecido como o fundador do empirismo, além de defender a liberdade e a tolerância religiosa. Como filósofo, pregou a teoria da tábua rasa, segundo a qual a mente humana era como uma folha em branco, que se preenchia apenas com a experiência. Essa teoria é uma crítica à doutrina das ideias inatas de Platão, segundo a qual princípios e noções são inerentes ao conhecimento humano e existem independentemente da experiência.
    Voltaire (1694-1778) foi um filósofo francês iluminista considerado “deísta”1  (embora o próprio Voltaire use o termo teísmo para designar sua concepção de Deus). Acredita que Deus se manifesta ao homem não pela revelação histórica como a tradição judaico-cristã, mas através da razão, de modo que, negar a existência de Deus seria um absurdo, pois segundo ele: “Deus existe como a coisa mais verossímil que os homens podem pensar e a proposição contrária como uma das mais absurdas” (VOLTAIRE, 1978b, p.68).
    Quando vejo um relógio cujo ponteiro marca as horas, disso concluo que um ser inteligente montou as engrenagens desta máquina para que o ponteiro marque as horas. Assim quando considero as engrenagens do corpo humano, concluo que um ser inteligente montou os órgãos para serem recebidos e nutridos por nove meses na matriz: que os olhos nos são dados para ver, às mãos para segurar, e assim por diante.(VOLTAIRE, 1978b, p.63).
    Por esse motivo, para Voltaire, como para Newton, Deus é o grande engenheiro ou mecânico que idealizou, criou e regulou o sistema do mundo (REALE, 2005, p.257), ou seja, se existe uma ordem no universo é porque alguém ordenou, e o relógio é uma prova inegável da existência do relojoeiro, assim como o mundo é uma prova evidente da existência de um Criador Supremo que é Deus. “Se Deus não existisse seria preciso inventá-lo, porém a natureza proclama a sua existência”. (REALE, 2005, p.257).
    Nietzsche foi um filósofo nascido em Rocken, na Prussia em 1844 e falecido em 1900.
    Entre vários escritos, criou o termo super homem para designar um ser superior aos demais que, segundo Nietzsche era o modelo ideal para elevar a humanidade. Para ele, a meta do esforço humano não deveria ser a elevação de todos, mas o desenvolvimento de indivíduos mais dotados e mais fortes.
    A meta, segundo Nietzsche, seria o super homem e não a humanidade, que para ele era mera abstração, não existindo em realidade, sendo apenas um imenso formigueiro de indivíduos.
    Em todo esse contexto Nietzsche fala sobre a morte de Deus. É ai que o homem toma o lugar de Deus. Mas ele continua falando:
    O homem louco se lançou para o meio deles e trespassou-os com seu olhar. “para onde foi Deus?”, gritou ele, já lhes direi! Nós o matamos-você e eu. Somos todos seus assassinos! […] que fizemos nós, ao desatar a terra do seu sol? Para onde se move ela agora? Para onde nos movemos nós? Para longe de todos os sois? Não caímos continuamente? Para trás, para os lados, para a frente, em todas as direções? Existem ainda “em cima” e “embaixo”? Não vagamos como que um nada infinito? Não sentimos na pele o sopro do vácuo?  Não se tornou ele mais frio? Não anoitecer eternamente? Não temos que acender lanternas de manhã? Não ouvimos o barulho dos coveiros a enterrar Deus? Não sentimos o cheiro de putrefação divina?- também os deuses apodrecem! Deus está morto! E nós o matamos! (NIETZSCHE, GC, § 125 p. 148).
    Com a suposta morte  de Deus, junto com Ele morre também os valores. É  ai que vem as:
    O maior acontecimento recente- o fato de que “Deus está morto”, de que a crença no Deus cristão perdeu crédito- já começa a lançar suas primeiras sombras sobre a Europa […] Mas pode-se dizer, no essencial, que o evento mesmo é demasiado grande, distante e à margem da compreensão da maioria, para que se possa imaginar que a notícia dele tenha sequer chegado; e menos ainda que muitos soubessem já o que realmente sucedeu- e tudo quanto irá desmoronar, agora que esta crença foi minada, porque estava sobre ela construída, nela apoiado, nela arraigado: toda a moral europeia, por exemplo. (NIETZSCHE, GC, § 343 p. 233).
    Em 1914  estoura a primeira guerra mundial, 1939 segunda guerra mundial. E ai a ciência que salvava milhares de pessoas agora matava Milhões. As pessoas ficaram cada vez mais sobre descrentes com relação a ciência.
    Agora essa ciência sem Deus comparada com a ciência do passado onde existia criacionistas como Newton,  Galileu Galilei. Essa ciência sem Deus melhorou?  Hoje existe inúmeras doenças nas quais os cientistas não consegue resolver. Ter tirado Deus da ciência melhorou alguma coisa?
    As Universidades publicas querem formar livres pensadores, na qual Deus não é necessário, um lugar onde Deus não é bem vindo. Segundos dados da UNICAMP:
    Dados nacionais recentes registram que 19% dos universitários fazem uso frequente de bebidas alcoólicas, 44% informaram ter bebido em binge (porre), 48,7% já experimentaram drogas ilícitas, o dobro da taxa da população brasileira, e 26% informaram o uso de mais de uma droga no último ano. Não é possível observar tais cifras sem questionarmos o que significam, compreender as pessoas atrás dos números e discutir o papel do ambiente universitário como pano de fundo.
    Sé nas universidades  fossem ensinados os valores morais para os alunos, esses dados nunca iriam existir.
    Conclusão:
    O mal do relativismo:
    Primeiro, vamos às definições técnicas. A verdade, segundo alguns, pode ser relativa ou absoluta. A definição da verdade relativa é que a verdade é verdade uma única vez e em um único lugar. É verdade para algumas pessoas e não para outras. É verdade hoje, mas pode não ter sido verdade no passado e pode não ser novamente no futuro – sempre está sujeita a mudança. Ela também está sujeita à perspectiva das pessoas.
    A definição de verdade absoluta é: tudo quanto é verdade uma vez e em um lugar é verdade todo o tempo e em todos os lugares. O que é verdade para uma pessoa é verdade para todas as pessoas. Verdade é verdade se nós acreditamos nela ou não. A verdade é descoberta ou revelada, não é inventada por uma cultura ou por homens religiosos.
    O filósofo grego Protágoras disse que o “homem é a medida de todas as coisas”. Isso significa que cada pessoa pode decidir o próprio padrão para o certo e o errado. O que é moralmente certo para mim, pode estar errado para outro. Essa é a essência de relativismo.
    Agora, o que nos interessa é saber como sabemos que a verdade é relativa ou absoluta. Como posso ter certeza de que minha vida, meus atos, minha crença devem ser ditados por uma única verdade que governa o mundo inteiro?
    Vamos à primeira evidência: Você consegue viver no passado e no futuro ao mesmo tempo? Você definitivamente não poderia dizer, diante de um acidente de automóveis, que talvez o acidente tenha acontecido e talvez não tenha acontecido; que depende do ponto de vista de quem viu acontecer.
    A primeira conclusão, portanto, é de que, quando lidamos com a realidade, tem de existir uma verdade absoluta, senão não é realidade!
    Segunda evidência: a lei da não contradição. O princípio da não contradição foi formulado por Aristóteles em seus estudos sobre a lógica, e diz que uma proposição verdadeira não pode ser falsa e uma proposição falsa não pode ser verdadeira. Nenhuma proposição, portanto, pode ser os dois ao mesmo tempo. Uma afirmação não pode ser contraditória para ser verdadeira. Por exemplo, você não pode dizer que um animal é um cachorro e dizer também que não é um cachorro.
    Se analisarmos cuidadosamente, a própria afirmação do relativismo é contraditória. Veja só: “Toda a verdade é relativa.” Isso é como uma declaração do tipo: eu tenho absolutamente certeza de que tudo é relativo. Na própria declaração, o relativismo já se contradiz. Porém, se você analisar a afirmação da verdade absoluta, isso muda: toda verdade é absoluta. Essa afirmação também é absoluta, portanto, sem problemas!
    Outro motivo é que o ser humano quer seguir as suas própria leis. Temos que entender que o mesmo é arrogante, prepotente, sofre de soberba. Quer se colocar acima das coisas é dos seus semelhantes. Quando ele é questionado ele usa logo o seu discurso relativista, pra justificar seus pensamentos é obras.  Se o trabalho de Protágoras enquanto filósofo sofista era o de ensinar aos outros como convencer os demais de que o que diziam era verdade, como poderia afirmar ele que tudo em que o homem acredita é verdade para este? Ao perceber sua contradição, Protágoras foi obrigado a adaptar sua teoria, qualificando sua doutrina: enquanto tudo em que alguém acredita é verdade, algumas coisas em que algumas pessoas acreditam são melhores que outras coisas em que outros acreditam.
    Se até mesmo o inventor da teoria tão divulgada hoje teve problemas com ela, o que isso diz a respeito de sua confiabilidade? Terceira evidência: a verdade relativa não é benéfica no sentido moral da sociedade. Se o ser humano é a medida de todas as coisas, ele também pode ser a medida do que dita a lei. Como defesa das verdades absolutas, o estudioso católico Leslie Walker debate o Relativismo usando seu próprio paradoxo: “Se dissemos que não existe no mundo certo ou errado, melhor ou pior, mas apenas formas de vida diversificadas, não podemos dizer que alguém está errado por seguir suas verdades particulares, certo?”, pergunta ele. “Certo”, ele mesmo responde. “Se isso é verdade, não podemos dizer que Hitler e Stalin estavam errados em matar milhões de pessoas e trazer sofrimento e dor, de uma forma ou de outra, a todo o mundo, certo? ‘Certo.’ Consequentemente, não podemos dizer que estávamos errados se quisemos matá-los, como assim o fizemos. ‘Exato.’” (Larry J. Walker, “Relativism”. In: Encyclopaedia Catholica. Vaticano: Editoriale Papale, 1987).
    Crer também é pensar:
    “Porque lhes dou testemunho de que têm zelo de Deus, mas não com entendimento.”
    Romanos 10:2
    Todos nós temos um palpite ou uma opinião sobre alguma coisa. Mas a maioria das vezes  temos que buscar a orientação é a reflexão pessoal daquilo que estamos dizendo.
    “A entrega sem reflexão é fanatismo comportamental, mas a reflexão sem entrega, é paralisia mental. Pois não leva o individuo a agir.”
    “No mundo a fora multiplica-se os pragmatistas para os quais a primeira pergunta de qualquer coisa não é:”Será isso mesmo verdade.”  Mas antes:   “Será que isso     funciona.” Louis Menand
    No livro cultural literacy do autor E.D. HIRSCH.R fala sobre as coisas básicas que cada Americano precisa saber. Ele chega a uma conclusão que boa parte dos alunos não tem o background cultural mínimo para entender com profundidade nem a primeira pagina de um jornal ou agir com responsabilidade ao eleger um candidato nas eleições governamentais.
    “ O Brasil  está entre os oito piores países no ranking do PISA  de aprendizado  de jovens na área de ciências, atrás de países como Trinidad e Tobago, Costa Rica, Qatar, Colômbia e Indonésia. O país ficou na 63ª posição entre as 70 nações avaliadas nessa disciplina em 2015.
    A prova é feita em países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e nações convidadas, entre elas o Brasil. Neste ano ciências foi o enfoque, mas também foram avaliados os aprendizados em matemática e português. O país teve baixo desempenho em todas as disciplinas.” ( Site Exame.com)
    “O que me faz ter medo com respeito a essa geração é o quanto ela se apoia na ignorância.”
    (MARDECHAI  RICHILER)
    Voltando para a temática da religião vemos que esse fantasma também se desenvolve dentro das nossas igrejas:
    “ Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” Romanos 12:1   Como estará o nível de cultura Bíblicas em nossas igrejas ?
    Hoje as pessoa aprendem o básico sobre uma doutrina cristã é ficam com esse básico pro resto da vida. Ou ela nasce em uma determinada denominação ou se diz ter “aceitado a Jesus”  e assim é batizada em uma certa denominação. No mundo cristão os chamados crestes, varias pesquisas em países protestantes  mostram que ateus é diagnósticos sabem mais da Bíblia do que os próprios crentes.
    Já em países católicos apenas  14% a perguntas básicas de conhecimento Bíblico como: Os evangelhos são de fado da Bíblia. Jesus escreveu algum livro?
    “As metas-narrativas são entendidas a partir de dois prismas singulares: a especulação enquanto aspiração de explicação do universo, e a emancipação expressa como libertação do mito. Essa pretensão de universalidade implica uma base epistemológica formada por três elementos em relação. Primeiro, o indivíduo cognominado senhor do mundo, possuidor da autoreferencialidade geradora do desafio do EGOCENTRISMO; como dizia o rei francês “a razão sou eu”. Outro componente é a história que se desenrola rumo à emancipação redimensionando estatutos sociais e até mesmo éticos. Por fim, a razão que viabiliza o desenvolvimento científico-tecnológico tornando-o uma supremacia abstrata; daqui advém o conceito de povo diferente ao de multidão que gerará posteriormente o declínio efetivo da metanarrativa com Auschwitz onde a falibilidade da razão será averiguada. Com o declínio, algo vem ocupar o espaço. Prefere-se na pós-modernidade os relatos específicos a metanarrativas. As tribos, os grupos formados por afinidades das mais diversas, por pessoas com identidades frágeis em busca de superar crises existenciais e encontrar “iguais” corroboram a tese da fragmentação da verdade, da metafísica e do saber. Desse painel surge o desafio do RELATIVISMO, afirmação da relatividade do conhecimento humano e a incognocibilidade do absoluto e da verdade em razão dos fatores aleatórios e ou subjetivos. Isso ocasionará a emergência da racionalidade procedimental que se converterá também em desafio, o CIENTIFICISMO como apelo ao autêntico rigor cognitivo. Outra conseqüência dir-se-á da historificação da razão, o HISTORICISMO convertido como fundamento dimensão mais profunda da realidade. Antropologicamente encontram-se também decorrências. O homem moderno que tinha certezas por meio das metanarrativas é escanteado pelo homem pós-moderno irônico e utilitário. As incertezas darão luz ao PLURALISMO e a praticidade referente será traduzida como PRAGMATISMO, corrente filosófica defendida por grandes e renomados expoentes entre eles nós destacamos Rorty, Peirce e James.”
    ( O declínio da cultura Ocidental; Allan Bloom)
    Afinal de contas como estabelecer o que é certo é errado em um currículo, em uma prova?Como estabelecer o que os Jovens devem ou não aprender ? Como saber que aquilo que aprendemos hoje não era desmentido ou atualizado amanhã? Os professores hoje são incentivados a mostrar os alunos que eles não devem se importar com  a verdade é seu conteúdo. Mas mostrar a reflexão do que cada um tem. Contudo os mesmos obrigam os jovens respostas concretas em vestibulares, concursos públicos. Sem nos dá ao luxo de questionar dogmas como a evolução das espécies por exemplo. Isso é muito contraditório.E isso de uma certa forma acaba afetando os jovens, inclusive na área espiritual.
    Allan Bloom;  O declínio da cultura ocidental.
    “É necessária outra mentalidade, totalmente diferente, para vencer o grande perigo do anti-intelectualismo. Por exemplo, essa nova mentalidade, no que diz respeito apenas à filosofia — o mais importante campo do pensamento e do intelecto — deve reconhecer o tremendo valor de gastar um ano inteiro não fazendo nada, a não ser, se debruçando intensamente sobre A  República  ou O  Sofista, de Platão; ou dois anos sobre Metafísica  ou Ética, de Aristóteles; ou três anos sobre Cidade de Deus, de Agostinho. Mas, se começarmos um programa de recuperação nesse e em outros campos, precisaremos de um século, pelo menos, para ficarmos atualizados como as universidades de Harvard, Tübinga e Sorbonne — e até lá, você pode imaginar onde essas universidades estarão?.”
    Prestemos atenção a essas advertências. O conhecimento é indispensável à vida, . não é de menos conhecimento que precisamos, mas sim de mais conhecimento, desde que o apliquemos em nossa vida.
    A fé pode até não ser racionalista mas ela tem que ser racional.
    Paris Simms, Bible from the Beginning, p. 1929, 162
    12  Rodrigo P. Silva, Filosofia e Teologia: Anotações de Classe (Engenheiro Coelho: Unasp, 2009), p. 51.
    13  R. Laird Harris; Gleanson L. Archer, Jr.; Bruce K. Waltke, Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento (Vida Nova: 1998), p. 1318.
    14 Jacques B. Doukhan, op. cit., p. 202.
    O Declínio da cultura Ocidental; Allan Bloom.
    15 Christian Overman, Assumptions that Affect Our Lives (Bellevue: Ablaze, 2006).
    16 Marvin R. Wilson, Our Father Abraham (Grand Rapids: Eerdmans, 1989), p. 156.
    17 R. Laird Harris; Gleanson L. Archer, Jr.; Bruce K. Waltke, op. cit., p. 1065, 1066, 1155.
    Regenaldo da Costa; Livro Ética e  filosofia do Direito Introdução  a filosofia Miguel Real.
    ” (Larry J. Walker, “Relativism”. In: Encyclopaedia Catholica. Vaticano: Editoriale Papale, 1987)
    Dicionário da Linguagem Portuguesa.
    Bíblia Hebraica.
    Descartes, o Livro Discurso do método.
    Historia da filosofia cristã
    Judaicas medievais Charles Manekim
  • Filosofar não é para qualquer um

    Imagem relacionada

    Atualmente existe o conceito de que filosofar é algo fácil e, portanto, qualquer um pode ser filósofo, basta escrever uma frase clichê ou sem fundamento em um guardanapo, tirar uma foto e postar em alguma rede social. Se fizer sucesso, parabéns! Você é um novo filósofo contemporâneo aos olhos da massa de pessoas que compartilham da mesma concepção. Porém, nada disso muda o fato de que na realidade, filosofar não é tarefa fácil, se não acredita faça o teste, tente ser como os filósofos da antiguidade os quais não tão somente pensavam, mas comprovavam seus pensamentos nas mais diversas áreas, como nas ciências exatas e humanas. De forma a contribuírem com a evolução do conhecimento humano naquela época, e consequentemente até os dias de hoje.

    É tão difícil se imaginar na posição de gênios como Sócrates ou Aristóteles, por exemplo, porque eles viviam pelo amor a filosofia, e nós mal conseguirmos viver por amor a si próprios. Assim como Sócrates que com sua tamanha sabedoria, não renunciou aos seus princípios filosóficos, mesmo sabendo que seria condenado a morte. Para Platão, todo comportamento ou manifestação física precede a ação de um pensamento, ou seja, de acordo com ele, os pensamentos são como sombras que de tanto alimentá-las, acabam se exteriorizando em comportamentos por vezes inconscientes. 

    Nessa premissa, encontra-se a necessidade de reflexão, será que todos nós nascemos filósofos? Partindo da dialética platônica, teoricamente sim. Contudo, é algo que está latente dentro de cada ser humano, o que se faz necessário um trabalho intenso de constatações a respeito de si mesmo. Pois, Sócrates já dizia, que para se ter uma vida que vale a pena ser vivida é preciso, sobretudo, conhecermos quem realmente somos, de maneira análogo á máxima do Oráculo de Delfos ''Conheça-te a ti mesmo''. Somente assim, será possível uma análise filosófica de tudo que é externo a nós, uma análise livre de amarras do preconceito e do senso comum responsáveis por nos distanciar da verdade.

    Convém lembrarmos que, há fatores os quais influenciam a formação dos nossos pensamentos , a maioria das vezes, através de qualquer propagação de informação, que pode está contida nas músicas que escutamos, nos filmes que assistimos, nos livros que lemos, e até mesmo nas redes sociais que acessamos. Somos estimulados a termos determinados tipos de pensamento que alimentam nossas sombras interior, como um vírus que se instala e nem se quer nos damos conta disso. Porque o problema não está nas músicas, filmes, livros ou redes sociais, o problema está em absorver toda e qualquer informação, sem qualquer critério de seleção

    Segundo Platão, toda essa gama de informação que temos contato afetará diretamente quem somos, fazendo com que seja cada vez mais comum, não sabermos diferenciar o mundo sensível do mundo inteligível, nos sentirmos perdidos em nós mesmos, alheios aos nosso destino como se todos estivessem vagando em alto-mar, sem saber a onde realmente desejam chegar. Em síntese, após tanto anos é possível observar que ainda vivemos na Caverna de Platão, sujeitos as sombras e ilusões, nos contentando com menos do que o pouco, com medo de refletir sobre o que se apresenta como absoluto e incontestável, ainda vivemos com medo da verdade. 

    A fim de finalizar essa divagação, trago um fragmento de reflexão do famígero filosofo racionalista René Descartes, em suas próprias palavras:  ''(...) Não nos tornaríamos filósofos por ter tido todos os raciocínios de Platão e Aristóteles, sem poder formular um juízo sólido sobre o qual nos é proposto. Assim, de fato, pareceríamos ter aprendido, não ciências, mas histórias. 
  • Filosofia e Ciência

    Há de imaginar que dos princípios do pensamento filosófico, frutificou  uma nova visão de mundo, a origem da ciência.
    Tales de Mileto, filosofo pré socrático, conhecido hoje como naturalista e antes como um dos sete sábios da antiga Grécia, foi pioneiro em desenvolver as duas práticas. Tales além de tentar desvendar a origem do universo e da vida através do conceito da água como arche subjacente e primordial, também desenvolveu meios de compreender as estações do ano e fez o aplique dessa ciência no plantios, sabendo quando plantar e quando colher, há quem diga que isso o enriqueceu.
    Para demonstrar também uma filosofia que se tornou ciência e foi muito importante ao longo da historia, e promete ter muitos segredos ainda é, a gravidade. O primeiro a indagar sobre essa suposta força atraente foi Aristóteles, que disse que se dois objeto de diferentes pesos despencasse de alguma altura, o mais pesado teria uma aceleração maior. Essa filosofia foi contradita por Galileu, quando diz a historia que deixou cair duas pedras de diferentes pesos da torre de pisa, afirmando que ambos caiam na mesma velocidade e que não houve aceleração por depender das diferenças massivas. Isso foi indagado por Sir Isaac Newton alguns anos depois, diz a historia, estar estudando embaixo de uma macieira e quando despencou um desses frutos em sua cabeça, fazendo com que o estudante newton tivesse uma ideia inovadora. A força da atração. Newton considerado o pai da ciência moderna escreveu três leis para considerar a física-filosófica no qual se diz em seu livro “Philosofie Phsiks”. Alguns anos depois de newton, um jovem físico que trabalhava num local de patentes em Zurihc na Suíça, observava da janela de sua sala o telhado do prédio vizinho, quando imaginou o campo de newton e supos um homem despencando do telhado, e viu que a ideia de newton poderia conter falhas sobre o peso e massa do objeto despencado, então esse jovem físico chamado “Albert Einstein” pensou que, ao invés de atraído por um campo gravitacional, e se a massa foi empurrada?! Parece loucura, mas o jovem havia projetado uma das maiores descobertas cientificas de todos os tempos, mas até aquele momento era filosofia. Einstein provou a ideia de distorção do espaço tempo, com fotos de eclipses solares do espaço ocupado pelo sol distorcendo as luzes das estrelas. (Um pouco mais de uma década depois).
    Então, da pra perceber que da filosofia surge a ciência, e que ciência nada mais é do que a prova do pensamento filosófico. Para ser filosofia, não precisa ser necessariamente fato, haja visto, imagine algo metafísico!


    Fabrício da Silva Dias.
  • Fim do mundo

    Deitado no sofá
    Esperando o mundo acabar
    Esperando pra assistir ao fim de tudo que existe
    Não vou começar a falar
    Sobre o que me arrependo
    Nem o que gostaria de ter feito
    Na verdade até estou ansioso
    Fiz o que eu fiz
    E está feito
    Foda-se o que deu errado
    E o que deu certo é isso mesmo
    Tem coisas que queria fazer
    Mais coisas que queria sentir
    Mas se acabar mesmo
    Talvez não seja o pior para mim
    Pra vocês que gastaram
    Seu tempo todo de vida
    Querendo ser o que não eram
    E ter muito mais do que todos
    O fim do mundo
    Será até que bem feito
    E pra não falar
    Mas falando na verdade
    Se tudo fosse acabar
    Nesse exato momento
    Eu digo que estou bem
    Talvez não tanto por dentro
    Disfarço algumas coisas
    Coisas pequenas bem no fundo
    Mas não vou desenterrá-las prestes ao fim do mundo
    Pra acabar antes que tudo acabe
    Aqui vai a ultima frase
    A verdade sobre tudo aquilo que você sempre se perguntou está...
    Acabou!
  • Flerte

    Questões moralistas a parte, flertar é uma delícia.

    A eletricidade no ar, aquela coisa de "proibido" , um desejo não realizado.Acho realmente uma delícia. Quem nunca se rendeu a essa tentação ? Como explicar o quanto é excitante ,empolgante , Parece trazer a vida uma certa adrenalina já não existente em longos relacionamentos. Mesmo nunca me rendendo completamente, sem ir além daquele olho no olho e piscadas discretas.Adoro o sentimento que proporciona!

  • Futuro

    Futuro sabor fumaça
    Futuro fator desgraça
    Futuro que queima a flora
    Que queima a fauna
    Que queira o fumo
    Que queima o homem
  • GANHAR ALMAS PRA JESUS: ISSO É POSSÍVEL?

    Ninguém ganha ninguém pra jesus, apenas para um sistema de crenças onde os que vivem do sistema serão os maiores beneficiados!
       Ao “entregar-se para jesus” em uma igreja qualquer, querendo ou não à partir daquele momento a pessoa se torna propriedade particular da igreja onde se filiou e o líder religioso local de acordo com a própria visão de mundo que tem, determinará para o indivíduo o que é bom ou mau para ele, de acordo com aquilo que ele interpreta ser a vontade de deus.
       Na maioria dos casos o líder religioso local é apenas um sujeito oportunista que deseja se aproveitar da ignorância alheia, ou um fracassado em outros ramos de negócios e que viu no comércio da fé, uma excelente oportunidade de ser da bem na vida e ainda ser respeitado como se fosse “o anjo do senhor”!
       Se isso não é verdade e o contrário disso é verdadeiro, me digam então que membro de uma igreja nos moldes cristãos tem o direito de perguntar abertamente sobre a “vontade de deus”, o modo como a igreja é dirigida e outras questões relacionadas a permanência do próprio indivíduo no grupo sem ser perseguido, maltratado ou humilhado?
       No mínimo eles dirão que quando o sujeito se associou àquele grupo, tal fundamento já existia, se ele quiser é assim, se não quiser é assim ou que caia fora! A igreja é do senhor e ele é quem manda! É o que todos dizem. Que senhor? Só se for o senhor que registrou o CNPJ da igreja ou que é submisso a este, por que outro senhor não existe a não ser o senhor DINHEIRO e o senhor PODER!
      É assim com uma igreja de 10 membro e também é assim com uma religião de 3 bilhões de adeptos no mundo inteiro. Cada um interpretando ao seu próprio modo a vontade de deus, fazendo prosélitos mesmo pertencentes a tal religião, invalidando os ritos litúrgicos uns dos outros, criando debates intermináveis sem sentido ou utilidade alguma, subjugando indivíduos ou reinos inteiros a um ponto de vista e quem não concordar, há uma variedade de penalidades diferentes que podem ser aplicados desde um boicote a imagem ou comércio daquela pessoa, até uma pena de morte executada de diferentes formas.
       Quem duvida disto, que pare e olhe ao seu redor e tire as próprias conclusões e se mesmo assim não ficar convencido, que estude melhor sobre a história da igreja geral ou da qual você estar inserido e veja qual era o método mais eficiente para “converter” as pessoas a deus por mais de 10 séculos seguidos e até hoje em alguns lugares onde o cristianismo ainda é maioria.
       Em outras palavras: ao “aceitar jesus” a sua vida, sua personalidade, seus desejos, seus projetos, sua vontade de progredir e todos os seus sonhos estão condicionados à vontade de uma líder que em muitas das vezes tem mentalidade de uma ameba, pode ter o comportamento de um pervertido sexual ou age como se fosse um líder de uma facção criminosa e nada você poderá fazer para mudar isso se você quiser receber a sua “salvação” qual eles dizem intermediar.
      CREIA E OBEDEÇA! Esse letreiro invisível estar em todas as igrejas, não importa qual nome de fachada elas usem.
      Como poderia a salvação como sendo algo tão caro ser vendido de “modo pirata”, contrabandeada por gente tão barata, sem que o real dono da mercadoria nada faça para intervir mesmo assistindo tudo com sua onipresença? Tem caroço nesse angu...se uma mercadoria pode ser oferecida por qualquer pessoa e de qualquer jeito é por que ela não funciona!
       Filiar-se a um agrupamento para fins religiosos ou iludir-se para manter-se num estado mental de conforto é um direito de todos! Explorar e expor outras vertentes de uma mesma realidade também! Se a maioria soubessem como todo esse “plano de salvação” é arquitetado e que há inúmeras outras opções de escolha ou de “salvação”, duvido que pelo menos 1% permanecessem onde estão, servindo de curral, para que seus pastores se beneficiem como bem entender.
      Como associação ativa em projetos sociais a igreja é uma instituição poderosa e deve ser respeitada quando olha para os humanos com olhares humanos e procura juntos encontrar soluções para os problemas da humanidade enquanto esses ainda vivem.
      Como vendedores da salvação futura, são apenas trambiqueiros, vendendo o que não tem e nem podem dar, sem garantia de reembolso, já que ninguém depois de morto voltará para dizer que era tudo uma grande mentira!
      O proselitismo religioso é apenas meio indelicado de aumentar o poder de quem já o tem e diminuir o poder de quem quase não o tem. Uma forma corrupta de ser aceito como filho por aquele quem dizem ser pai de todos onde o filho parido é que tem de criar o pai e não o contrário.
      Diferente dos sistema “injusto e pecador” criado por nós humanos em que a nossa lei obriga pais irresponsáveis assumirem seus filhos, na crença religiosa cristã, são os filhos que devem procurar a todo o custo a proteção desse tipo de pai e nessa busca desenfreada se tornar vítimas de todo tipo de salafrário que diz conhecer o tal pai e que vai conduzi-lo até ele mediante um pagamento constante de 10%  de tudo que o procurador conseguir em vida além de uma vida inteira de obediência a esse guia cego e de procedência duvidosa.
      Ninguém leva ninguém a jesus e ninguém ganha ninguém pra jesus, para deus ou seja lá para que santo for.  Ao fazer prosélitos para determinada igreja você só estar fazendo com que uma pessoa livre e desimpedida passe a ser escravo de um sistema de crenças e aberrações que o indivíduo na maioria dos casos poderia viver sem ele.
      Ao proceder com o rito batismal ninguém estar salvando a alma de ninguém nem a tornando filho (a) de deus. Isso é tudo invenção copiada de outras religiões e de outros ritos de passagem. Na maioria dos casos apenas um meio de fazer com que pessoas más, achem que são boas e especiais só por que foram imersas em aguas paradas ou correntes sem nem se quer corrigirem os erros que cometem com os outros.
      Quase tudo em uma crença religiosa é engano, ilusão ou superstição. A única coisa real que existe é o bem ou o mal que podemos fazer aos outros por meio de uma crença religiosa, o resto é balela, muleta, andaime ou escada para se alcançar o topo do nada e ao chegar lá em cima, perceber que você não passava de um trouxa, um objeto de manipulação, de lucro ou de prazer sexual para um grupo seleto de igualmente ignorantes, pervertidos ou gananciosos.
      Quando alguém estar inserido em um sistema religioso em que o proselitismo é o meio mais comum de conseguir adeptos a pessoa acha que estar fazendo um bom negócio tentando persuadir, seduzir ou intimidar outras pessoas por meio de ameaças infernais para que esta se junte ao seu grupo.
      A pessoa que faz isso o faz por que acredita que realmente estar fazendo algo importante para deus e para a pessoa que estar “recebendo” a salvação ou por que a pessoa se sente útil, produtiva e satisfeita “batendo as metas” para o “reino de cristo”, ou seja, fazendo prosélitos.
       Esse ato é quase que uma obrigação até por que é comum em algumas igrejas evangélicas usarem passagens bíblicas fora do contexto para intimidar os membros dizendo que não basta apenas ser salvo, se este o salvo não trouxer em vida pelo menos 1 única pessoa “para jesus” jamais poderá ser salvo, receber a coroa ou coisa do tipo e que todos os que um dia “partiram sem jesus” serão cobrados das mãos daquele “atalaia” e por isso o fiel que nada produzira além de não ser salvo receberá sua sentença no inferno aumentada se não salvar outras pessoas “para jesus”. É mole ou quer mais? É pra ser trouxa de pé irmão....
      Quem estar fora do sistema hoje pode dizer sem nenhum peso na consciência: “vai pra P* que o pariu com tanta mentira e discrepância seus bandos de...”
       Imaginem só: você, depois de salvo, perder sua recompensa por que outra pessoa seja de perto ou do outro lado do mundo não ouviu o “evangelho” por sua causa? Como se você tivesse culpa nisso!
     “Quem pariu Mateus que o balance”, já dizia os mais velhos!
      Se alguém tem culpa na salvação ou condenação de quem quer que seja, saiba que não é você! O que você puder fazer para tirar alguém da miséria, do sufoco, de um vício ou de uma situação ruim o faça sem holofotes e sem esperar nada em troca, até por que há uma grande chance de a pessoa que você hoje ajuda te dar uma rasteira no futuro, te pagar com ingratidão ou espalhar boatos duvidosos ao seu respeito que comprometam sua reputação ou coisa do tipo. Isso acontece todos os dias e nem por isso pessoas boas deixam de fazer o bem, apenas se tornam mais precavidas.
       O motivo de muitas pessoas nunca sair da merda em que estão metidas é por que no fundo elas não querem sair de lá, antes sim querem te puxar para onde elas estão, pois o consolo dela não é o delas subirem ou de ver alguém subindo, mas de permanecer onde estão e trazer outros para perto de si. É difícil entender isso, mas com o tempo você aprende...
      No caso do não proselitismo, condenar uma criatura ao inferno por não ter falado do “amor de deus” para outra seria o mesmo que condenar o vizinho do prédio ao lado pela quantidade de filhos não assumidos que uma pai irresponsável deixou por aí em um país subdesenvolvido qualquer como todo dia ocorre.
       Vejam só que antagonismo essa questão da salvação e como isso não é problema seu: num passado bem distante, deus estava entediado e criou outros seres angelicais para se relacionar com ele num ambiente puro e livre de qualquer pecado capital comum aos meros mortais humanos.
     De repente um desses seres imortais e puríssimo se deixa corromper pelo orgulho. Ele com raiva pune esse anjo rebelde e o manda direto para o planeta terra, lugar onde ele presumidamente pretendia colonizar depois. Poderia ter enviado para qualquer outra galáxia ou qualquer outra dimensão, mas escolheu justamente a terra. Poderia também ter aniquilado o mal de uma vez por todas naquele instante mas não o fez, preferiu manter seu arqui-inimigo vivo e ativo por algum motivo.
       Assim, logo que criou o homem esse anjo do mau vem o tenta, o homem peca, e ele castiga o homem expulsando-o do paraíso ao de com sua onisciência evitar tal tragédia.
       Irado com a desobediência humana ele lança praga sobre nossa espécie, condenando-a a trabalhos forçados, dissabores e todo tipo de sofrimento quando na verdade fomos apenas vítimas de sua irresponsabilidade paternal e de sua questão mal resolvida com seu querubim ungido.
       Depois de um certo tempo, ainda irado ele destrói em um dilúvio toda nossa espécie humana bem como mais de 99,99 % de toda vida na terra se consideramos apenas os humanos e animais sobreviventes da arca. Ele praticamente resetou toda a vida para refaze-la, com erros de novo!
      Depois disso, vária epopeias foram travadas com seu arqui-inimigo tendo como palco de batalha os corações de meros mortais. Insatisfeito com tudo, ele desce dos céus em forma de pomba, engravida uma mulher sendo pai ele mesmo, e assim se torna o pai, o filho e o espirito santo.
       Em uma dessas personalidades ele é o deus irado e em outra ele é o filho submisso. A terceira pessoalidade só os crentes pentecostais fazem uso dela, pois me parece que sua utilidade é apenas fazer as pessoas passarem ridículo, fazendo-as caírem, rolarem, gritarem e fazerem piruetas no meio da igreja além de dizer palavras ininteligíveis e desconexas que para nada se aproveita.
      Os católicos depois disseram que Maria era sua mãe que tornou ainda mais confusa ainda. Mas isso é o que faz de melhor o pensamento religioso. Quanto mais confuso e misterioso for um caso, mas inteligente parece ser. E só há duas opções nesse tipo de labirinto: não entrar nele, ou levar consigo algum tipo de ferramenta poderosa para tornar transitável todos os becos sem saída desse labirinto libertando a si mesmo e a tantos outros que por milhares de anos estão presos nele. Sem a ferramenta da lógica, da razão e do bom senso ninguém jamais saiu de lá e como zumbis, contaminam a todos quanto tiverem contato e comem o cérebro de quem resiste.
       Desse modo, após encarnado, deus permite que romanos e judeus julguem, condenem e mantem ao seu filho que aliás era ele próprio, para perdoar os pecados do povo e livrá-los da ira dele mesmo e depois por milênios seguidos permitir que igrejas de todos os tipos explorassem essa ideia a vendessem como bem entendesse.
      Tem algo mais controverso e sem sentido do que esse tipo de salvação. Nem boi dorme com uma história dessas! É uma tremenda de uma piada sem graça contada para surdos ouvir, numa sala escura onde cegos tateiam pelo interruptor esperando que os mudos lhe digam onde eles estão.  Desse modo a luz nunca se ascenderá e a ignorância dominará a todos.
      Para os que vivem do sistema, é importante que isso aconteça. É lucrativo! É uma experimento macabro. O deus que curte esse tipo de coisa deve ser realmente gente muito boa e passar a eternidade com um cara desses seria para todos um péssimo negócio. Se em uma vida curta e insignificante ele se diverte com esse tipo de coisa, imagine toda uma eternidade ao lado dele...
      Se você procura algum tipo de salvação, procure salvar-se daqueles que lhe impedem o questionamento, o diálogo aberto e respeito entre todos e não apenas aos de seu grupo religioso. É desse tipo de gente que você precisa ser salvo! Sentar num banco de igreja (ou de escola) e apenas ouvir sem questionar não é aprender, é doutrinar-se, submeter-se a uma programação mental para um propósito específico.
       Se o proselitismo fosse mesmo interessante para aquele que dizem ser o deus verdadeiro, ele mesmo apareceria e converteria a todos, sem precisar de intervenção de ninguém. Criar o universo com bilhões de galáxia e todo tipo de vida existente nele era mais difícil e dizem que ele o fez. De repente ele precisa de você para convencer a outras pessoas que ele existe!
       Ahhhh...vão lamber sabão! É preciso ter mentalidade de ovelha para ser guiado por um pastor!
        Saúde e sanidade a todos!
  • Gira-Sol

    Parei! Resolvi!
    Não seguirei mais adiante
    Permanecerei indiferente
    A esses arrepios!

    Não aceito-te mais!
    Não permito a tua razão de existir
    E de tornar-te presente
    Em meus pensamentos... Meus devaneios!

    Quero excluir-te de cada pôr do sol
    Ou vaga lembrança que possas
    Atormentar-me, a eu digladiar!

    Não mais te remendarei
    Velho coração!
    Deixarei que se faça em pedaços
    E das cinzas não volte!

    E em teu lugar...
    Colocarei um gira-sol
    Assim , andarei somente
    Para onde segue a luz do dia!
  • Guia Politicamente Incorreto da Terra Plana

    Livro: Guia Politicamente Incorreto da Terra Plana

    Autor: Óvulo de Cavalo

    Editora: Não Cogito

    Biografia do autor: Óvulo de Cavalo nasceu em Taubaté (SP), mas passou muitos veraneios em Atibaia. Reza a lenda que ele abandonou o Ensino Superior por razões intelectuais. Dizem que o seu cérebro é tão grande que quando espirra, sai uma teoria. É graduado em Histeria, mestre em Histeria Social, e possui doutorado em Histeria Coletiva com a tese Tudo que você não deve saber para continuar um idiota completo. Bacharel em Filosofada na FDP. Mestre em Parapsicologia pela Universidade Tautológica das Falácias Agudas (UTFA). Especialista em Ciência Apolítica. Especialista em Egolatria. Especialista em Enpistemologia da Histeria. A bibliografia do autor é muito vasta, mas indicamos os seguintes livros O que é Pseudocrítica Cultural?, Democracia do Discurso Único, Enpistemologia Histérica, Defesa do Criancionismo, A Terra é um Beiju de Tapioca e outros ensaios, Sejamos todos Terra-planistas!.

    Fonte: Wikifake

  • Harmonia Social

    social
    Imaginação Fértil, Fertiliza Novos Terrenos.

    Vê Se Aprendes A Sorrir, Porque Todas Estás Tragédias Apenas Dão Forma A Tua Vida, Já Começo A Ficar Farto Dos Teus Pacíficos Protestos Que Procuram Executar A Tua Própria Vida, Primeiro Remenda Os Erros Do Passado E Só Depois Vir Te Desculpar, #Ordens!NãoSãoRestrições. Segundo, Diz-me Que Estás Apaixonada E Só Depois Podes Voltar A Amar, Ouve-me… Ordens Não São Restrições, Da Um Passo Para Traz E Permite-me Reaprender Tudo O Que A Alma Esqueceu, Se Estamos Num Percurso Consciente Onde É Que Está O #BotãoDePânico, Que O Divino Nunca Nos Favoreceu, A Lei De Que Nada De Esquece Esqueçeu-se Da Importância Dos Centímetros Que Integram A Nossa Distância,Revivo A Constante Dor Que Faz Vigência A Quem Sempre Teve Razão É Como Tirar Seculares Lutos De Carência, Escalar As Montanhas Da Lua E Mergulhar Na Moral Da Tua Dimensão, Eu Dou Por Mim A Elaborar Todo O Futuro Movimento Porque O Passado É Apenas Mais Um Pretexto Que Contem A Respiração Dos Meus Constrangimentos, Quebrei A Barreira Das Obsessões Do Anti-Socialismo De Forma A Simplificar A Passagem Da Virtualidade Dos Teus Fragmentos, Aceitei A Situação E Continuei A Andar, O Que Tu Perdeste Não Era Teu, Eu Agora Só Quero É Voar, Sou Um Desesperado Que Não Tem Amigos Nem Reputação, Sou Um Ego Artificial Da Primeira Era Que Vibra Ao Sabor Das Contradições, Sou Um #IndivídoIsolado Que Não Aceita A Solidariedade Da Solidão, Porque As Minhas Vontades Têm As Tuas Razões, Se O Verdadeira Trabalho É O Mental, Eu Mentalizo O Espírito Da Justiça Neste Processo De Iluminação.

    Nós… Somos Os Filhos Que Nunca Alcançaram O Pódio, Nós…. Somos A #VerdadeiraTragédia Que Foi Generada No Intervalo De Um Episódio De Ódio, A Realidade Transmuta-se Entre As Alternativas, Das Muitas Falhadas Conexões, Palavras Radioativas Graduam Vidas Pregando Os Obstáculo Das Minhas #IntelectuaisRelações, Enquanto A Tua Vontade Técnica Sorri Sobre O Meu Sereno Desalento, Eu Danço A Volta Da Verdade, Estimulando Os Teus Nojentos Blocos De Arrependimentos, Muitas Das Nossas Histórias Tem 6 Rumos, Vejamos Eu Não Te Ouço, Tu Não Me Ouves, Não Nos Ouvindo Divergimos, Uma Das Doutrinas Que Suprime O Nosso Ser Aflora Enquanto Desperdiçamos A Nossa Juventude Em Torno Dos Imortais, Vulnerabilidades São Fortalecidas Pela Falta De Educação, Quando O ADN Não Identifica Os Dentes Sorriem Os Restos Mortais, Não Forces A Minha Jornada Ou Ainda Podes Vir A Embolsar Um Passeio De Volta Ao Ventre Da Criação, Eu Acho Que Ninguém Foi Criado Para Ser Meio Amado, A Rota Que Tracei Para Conquistar O Teu Espírito Revelou-me Um Sabor Humano Meio Deformado, Vazio E Sem Significado, Ela Pode Parecer Louca Mas Tem #ACabeçaNoLugar, É Uma Mulher Livre Superior E Elegante, O Seu Rosto Tem Aquela Expressão Que Me Faz Querer Falar Cantar E Amar, Enquanto O Sorriso Desperta Em Mim Um Duplo Movimento Para O Interior, É Como Injectar Alucinantes Momentos Contemporâneos De Aspecto Gratificante.

    Ela É Conhecida Por Muitos Nomes E Descrições. 

    Acordar-mos Para Ir Trabalhar O Suficiente Para Não Sermos Despedidos, Enquanto Isso Recebemos O Suficiente Para Fazer A Digestão De Todos Os Sonhos Já Perdidos, Deixa-me Lavar O Passado Da Minha Cara Porque O #MensagueiroDaMiséria Tem As Consciências Humanas Hipnotizadas, As Gotas Do Nosso Divino Remédio Redefinem-se Pelo Fracasso Das Experiências Que Temporalmente Em Nós São Acorrentadas, Ainda Assim Todos Estes Contratempos Nunca Irão Definir A Pedagogia Do Meu Efeito, A Inesgotável Actividade Construtiva Da #OrdemPensante É Um Império Clandestino E Eu Sou O Autoconceito De Todo O Sujeito, Os Meus Sonhos São Sementes Que Desenvolvem A Tua Realidade, Eu Falhei 100% Das Vezes Que Procurei Abraçar-te Com Os Resultados Dos Meus Pensamentos, O Sublime Gesto Da Tua Ausência Ameaça A Variedade Do Élan Da Minha Biodiversidade, Eu Não Quero Ouvir-te Através Dos #ImponderáveisElementos Que Dão Rumo Aos Sentimentos Que Desaguam No Atlântico, Porque Tu És Uma Providência Sem Proprietários, És A Deidade Que Eu Venero E Crítico, O Klan Sãos Os Cavalheiros Templários, Que Abrigam O Tesouro Que Fez De Mim Um Ser Romântico.

    Caminharmos Com O Sangue De Deus No Coração, Mas Muitas Das Vezes Caminhamos Com O Mesmo Sangue Nas Nossas Mãos, A Morte É Apenas Mais Uma Governamental Instituição Que Renova #ANossaIdentidade, Já A Vida É A Prescrição Que Vem Mascarar O Problema Do Infinito Loop Da Universal Ilegalidade, O Meu Psiquiatra Diz Que Eu Já Não Tenho Esperança, Posso Parecer Um Homem Forte Mas No Fundo Reside Uma #InocenteCriança, Sou Lento No Deciframento Do Comportamento De Certas Expressões, Porque A Harmonia Vive Embarricada Em Sociais Centros De Avaliações, O Ritmo Da Esfera Faz A Colheita De Toda A Ideia Significante, Que Mutuamente Se Implicam Mas Nunca Se Explicam, Visto Que A Humanidade Só Será Livre Reconhecendo O Plano Do Nosso #DivinoFrabricante, Sempre Que Perco O Meu Tempo Com Alguem Que Não Me Valoriza, Eu Envio Uma Conta, Ganho Conhecimento Com O Tempo De Sonho, Mas Quando Acordo O Pesadelo Só Desaponta, Toda A Essência Espiritual Oferece Uma Dimensão De Desenvolvimento, Não Existe Confusão! Sensações São Sinais De Realidades Não #SinaisDeSofrimento,  Se Tu És A Âncora Que Liga O Meu Céu A Tua Unidade Polar, Vê Se Das Uma Oportunidade Ao Depoimento Do Meu Amadurecimento, Eu Dou Por Mim A Desmontar As Tuas Molduras De Ideias Sem Cansaço, O Dificil Só É Negativo Quando Me Sinto Longe Do Teu Abraço.

    Não Confundas O Medo Com Respeito, Porque Eu Não Respeito O Medo.

    Perdi O Livro De Instruções De Como Viver Em Sociedade, A Inevitável Tendência De Generalizar Cortou O Fluxo Dos Procedimentos Entre Eu Tu E As Dualidades Das Minhas Identidades, Porque Que Continuamente Tropeço Sobre Pessoas Que Aparentam Ter Respostas Para Tudo Mesmo Vivendo No #CentroDaTragédia, É Como Acompanhar O Movimento De Transição Que Faz O Suporte A Toda Tentativa De Acção Que Consome A Luz Dos Teus Olhos E Canaliza-lhe Com Instrumentos De Mais Um Dia De Comédia, O Poder Da Minha Intensidade Apavora E Remove As Vidas Das Tuas Fraquezas Como Se Fossem Abortos, Os Meus Objectivos #DormemDespertos Porque Sabem Que Eu Estou A Caminho, Já Os Elementos Espertos Recebem Caixões Pelo Insofismável Esforço Do Mal-Falar, Se Certos Julgamentos Dão Forma Ao Teu Propósito Tenta Não Propositadamente Espreitar Pela Janela Do Vizinho, E Por Favor Ajuda-me O Mundo Analisar, Porque Que Uns Treinam Para Eliminar Vidas Enquanto Outros São #TreinadosParaSalvar, As Fazes Continuas Das Nossas Atitudes Gravam E Armazenam Informações, No centro Dos Nossos Corações Existe Uma Ressonância Magnética Que Vive Desejosa Para Se Exprimir, Mas Preferimos Fumar E Beber Com A Intenção De Abafar A Ascensão E Progressão Deste Amor Que Nos Poderá #RegastarOuDestruir.

    Kedson- Relaxa Nada Está Perdido, Eu Ainda Estou Aqui! 2018 É Um Lugar Primitivo, Desde Que Entrei Em Sincronia Com A #SinfoniaDoUniverso, Comecei A Deixar Pensamentos A Beira Da Estrada Enquanto Procurava Pelas Tuas Previsões Nas Estrelas, Não Te Preocupes Assim Que Alcançar Uma Eu Trago-lhe De Volta, Sou Mais Um Dos Seres Modernos Que Procura Pela Sua Alma, Um Corpo Perfeito Com Um Aroma Encantador, Esses Sonhos Têm Preços Que São Pagos Em Sangue, A Vida Fortalece Os Fracos Tirando-lhes O Chão, Se O Teu Coração For Equivalente A Positividade Que Neglet A #ConvergênciaDoCaos, Poderás Seguir O Ciclo De Evolução Com Mais Conhecimento, As Sequências Das Linhas De Tempo Fixaram-me Num Lugar Onde Não Preciso De Nada, A Liderança Nem Sempre Caminha Na Linha Da Frente, Estou Pronto Para Abraçar A Pressão Porque A Ambição Que Tenho Para Proteger Os Meus Aliados, É Uma Legítima Fonte De Energia Que Brilha Sobre As Sombras Do #MundoPararelo, Um Pouco Atordoado Mas Continuo Na Luta, Porque Este É O Momento De Manipular O Pensamento Hospedeiro Que Reprograma A Diferença, #KudzaFazADiferença.

    Alguns De Nós Vive Melhor Num Mundo Perdido.

    Kudza
  • HERANÇAS DA INQUISIÇÃO- COMO COMBATÊ-LAS

    Encontre o inquisidor que há em você e subjugue-o
    Reflexos do monoteísmo nas relações sociais
          Boa parte dos segmentos religiosos e políticos são como grandes fábricas para criar gente abobalhadas, geradores de suas próprias verdades, que se acham donos de toda verdade universal, que se isolam em seus castelos ou ficam de tocaia em trincheiras, à espreita de inimigos que só existe na cabeça de quem os criou para os massacrar caso não concordem com o ponto de vistas destes. Um dos meios mais comuns de evitar combate direto com essas pessoas é se juntando aquele reino de fantasia, tornando-se de igual modo um militante de ideologias sem sentido ou auto anulatórias. Outro meio seria ignorá-las ou por meio de argumentos sólidos leva-los a fazer uso da razão. Essa última opção é a mais difícil de todas, porém não é impossível.
       Tais segmentos criam sistemas que servem mais para dividir do que para somar indivíduos por objetivos comum a todos. Pessoas que vivem em função de construir um falso ego, tentando converter sempre o outro ao seu ponto de vista, sem nem analisar o sistema qual seguem inserido há anos. Indivíduos com comportamento de rebanho que mal conhecem os próprios sentimentos, mas julgam conhecer os profundos mistérios e desejos de suas divindades e líderes humanos. Sujeitos com fortes tendências a julgamentos precipitados, com um medo ferrenho de estarem errados, um desejo profundo de estarem certos sempre, uma negação total à realidade a sua volta e uma imersão completa no campo do surreal para inibir os próprios medos e viver numa realidade paralela. Isso são traços da herança da inquisição, que por sua vez tem parte de seus fundamentos na ideia da monoteísmo judaico-cristão-mulçumano. Toda vez que vires alguém numa tentativa desesperada de subjugar o outro ao seu ponto de vista, e que quando falta argumentos para dialogar ou exprimir suas ideias, parte logo para a agressão física ou verbal, ali estar o reflexo do pensamento inquisidor no modelo medieval.
      O sentido original de inquisidor, deveria ser segundo o dicionário, aquele que investiga, que busca, que procura a lógica e prova dos fatos antes de decretar uma sentença a quem quer que seja, mas depois da idade média no mundo ocidental, parece que essa palavra mudou um pouco o sentido, e as pessoas que agem assim, parecem já ter uma verdade pronta sobre tudo e sobre todos sem averiguar nada, baseado nos próprios “achismos” ou em sentenças compradas para determinados fins. Calar o outro é o que importa, mesmo que o outro apenas esteja tentando alertá-los de um mal maior. São policiais, juízes e carrascos, tudo ao mesmo tempo. Prendem, julgam condenam e “matam” quem quer seja, baseado em argumentos tão profundos quanto a superfície de um pires de uma xícara. O sistema religioso é o que mais de produz inquisidores nesse sentido.
       Comparo a um inquisidor nesse texto, pessoas que já tem um julgamento pronto para qualquer pessoa ao seu redor, que são incapazes de manter um diálogo sadio com quem quer que seja, partindo logo para agressão verbal, julgamento precitado, condenação e menosprezo eterno pelo outro, pelo simples fato de este, uma vez na vida em algum momento não ter concordado com sua opinião, principalmente se for de um ponto de vista relacionado a um modelo de crença ou rito religioso. Pessoas que não leem sobre nada, não pesquisam sobre nada, não gastam tempo em busca de novos conhecimentos, mas julgam saber sobre tudo, entender sobre tudo, e ter sempre a palavra final sobre qualquer assunto sempre. Pessoas que parecem ter pós-doutorado em todos os campos do conhecimento humano, mesmo sem nunca ter concluído o ensino médio. Se comportam como os grandes inquisidores de tribunais da inquisição, caçando, prendendo, torturando e dando sentenças de morte a todos que julgam ter aliança com o demônio, ou não se dobram aos caprichos de sua igreja. Essa herança maldita atravessou séculos e ainda somos afetados por ela. Diariamente somos vítimas ou causadores desse tipo de comportamento e nem nos damos conta disso.
      Não quero dizer com essas poucas linhas, que devemos ser criaturas abobalhadas, concordando com tudo que nos dizem por ai. Intento levar o leitor a refletir como esse comportamento nos afeta, e apontar que a construção de argumentos verbais sólidos é o melhor caminho para se construir pontes entre as pessoas e elevar para um nível maior o ambiente em que vivemos. Não deixo de ressaltar que em certos casos se tornar impossível manter um diálogo coerente com pessoas semelhantes a bestas quadradas. Nesses casos outras habilidades são necessárias.
       Julgo de certa forma que o comportamento de um sujeito com tendências inquisidoras venha ser resultados acumulados de sistemas de crenças, baseadas em leis “sagradas”, muito comuns em culturas monoteístas.  A falsa certeza de estarem servindo a um deus certo e de modo certo, reflete não apenas na vida religiosa do sujeito, mas em toda sua vida social e em seus relacionamentos. Quanto mais eles se dividem, mas eles se combatem entre si e mais se acham certos em seus mundos particulares e mais querem subjugar outros ao seu próprio modo. Não exalto com isso a necessidade de se adorar a vários deuses para ser mais pacífico na forma de diálogo. Todo tipo de adoração a seres completos e perfeitos como dizem ser os deuses é um desperdício de energia, tempo e dinheiro. Algo totalmente desnecessário.
      Citando os “livros sagrados” como base primordial para alguns comportamentos inquisidores, temos não apenas exemplos da inquisição católica, mas também na bíblia e no alcorão, vemos exemplos constante do comportamento inquisidor de indivíduos, que viviam em função de monitorar outros, para que encontrando-os infringindo “a lei” tinha o prazer de delatá-los, para que os mesmo fossem julgados e condenados, e estes (o delator) fossem tratados como heróis por delatarem um herege, retirarem o impuro do meio deles e assim, “agradar ao senhor”. Quando não achavam provas concretas contra um indivíduo, inventando-as com outras três pessoas de mesma índole, era suficiente para levar a morte uma pessoa inocente. Deus estava mais preocupado em registrar quem pegou alguns gravetos de lenha em pleno sábado para ascender um fogo e se aquecer ou quem falou mal do seu servo Moisés, do que em dar moradia digna e segurança ao povo que ele dizia ser sua propriedade particular.
      Todo inquisidor perde tempo monitorando coisas fúteis e gastando tempo útil para gerar o que realmente se faz necessário. Tomam conta da vida dos outros procurando erros, e esquece de cuidar da própria vida.
       Isso se reflete hoje em dia inclusive nos tribunais, onde algumas pessoas mal intencionadas, se comungam com outros “homens da leis” também mal intencionados e sem nenhum senso de justiça, processam e tiram vantagem de outros, ou simplesmente prejudicam, denegrindo sua imagem no meio em que vivem. Nesse estilo de trabalho, há quem viva hoje, em constante estado de praga biológica, se beneficiando da desgraça alheia por meio de construção surreais de fatos inventados ou omitidos. Para esse tipo de gente não existe certo ou errado, injusto ou justo, existe apenas a questão de encontrar falhas que permitam reinterpretar um mesmo paragrafo da lei de modo diferente quantas vezes forem necessária para tirar vantagem alheia.
      É pelo compartilhamento de ideias e aperfeiçoamento das mesmas que evoluímos como pessoas e melhoramos nossas sociedades. E pela imposição forçada da crença alheia que tudo desmorona, torna-se uma ditadura, perde-se a criatividade e as pessoas tendem a viver como gado em currais, servindo apenas para determinados fins de quem os lidera. Quem sabe se não fosse o comportamento inquisidor dos últimos mil anos no ocidente, estaríamos pelos menos 20 séculos adiantados, vivendo numa sociedade mais justa mais auto sustentável sem os atuais regimes políticos, religiosos, jurídicos, militares e econômicos que conhecemos atualmente.
       Somente pessoas tolas querem estar sempre certas o tempo inteiro em todos os aspectos mesmo não sabendo nada sobre o assunto em questão. Quase todos nós temos sido treinados a ser tolos, tentando subjugar o outro ao nosso ponto de vista apenas no intuito de nos acharmos superiores num debate, inclusive quando estamos discutindo coisas fúteis, como qual o melhor time de futebol, ou o político mais honesto. Esses dois temas por exemplo, depois da religião, em questão de debates fúteis, tem sido os dois campos onde mais se tem gerado problemas e não soluções sociais.
       Quando fazemos um julgamento precipitado sobre um conceito alheio, sem que antes o outro possa vir a concluir sua linha de raciocínio, estamos agindo como agentes da inquisição. As vezes estamos enterrando ideias valiosas e benéficas a nós mesmo ou a tantos outros, por perdermos a capacidade de dialogar e querermos sempre vencer o outro o tempo inteiro. Vários inventos maravilhosos foram “abortados ainda no útero”, em um momento de baixa estima do inventor mediante pressão de seu prepotente e ignorante inquisidor.
      Não quero dizer aqui, que devamos perder nosso tempo para ouvir gente que usa o mesmo discurso há 20 anos baseado apenas no campo do surreal para te intimidar a se converter a crença deste, um sujeito que nem se quer pensa no que estar dizendo e age como papagaio repetindo tudo que ouve por ai, e mesmo assim intenta convencer você a esse modo medíocre de ser. Me refiro a ocasiões em que num primeiro contato com um indivíduo queremos sobrepuja-lo ao máximo, diminui-lo, esmaga-lo e reduzi-lo a nada baseado em nosso próprio conceito de verdade. Dizem que a primeira impressão é a que fica. Isso seria verdade se fosse o receptáculo do saber universal. Motivos diferentes levam pessoas a terem reações diferente num primeiro contato com o outro. Podemos estar perdendo a capacidade de nos relacionarmos com pessoas de mente grandiosas por julgamos em primeira instancia.
       As redes sociais é um campo fértil para esse tipo de comportamento, pois o fato de não se estar presente com o outro indivíduo, dar uma confiança maior ao ofensor em descarregar todo um acumulo de lixo tóxico que há em si no outro. Palavrões e xingamentos é o mínimo que se colhe em debates como esses, travados virtualmente por pessoas com tendências inquiridoras.
       Pelo modelo social em que vivemos, somos tendenciosos a querer reduzir ou definir uma pessoa com vários anos de existência, experiência e vida particular própria, baseado em apenas 3 ou 4 parágrafos de uma conversa numa tela. Troca de experiências incríveis podem ser deixado de lado por atitudes como essas. Funciona mais ou menos assim: concordou comigo é meu amigo, discordou de mim vá pra PQP! Isso vale para os grandes you tubers, com milhões de seguidores, até pessoas comuns, com apenas 8 contatos em seu perfil. Somos muito mais que símbolos gráficos representados em uma tela ou títulos que nossa sociedade nos impôs a grosso modo.
      Se bem que as vezes dá uma vontade enorme de dizer um PQP pra muita gente! Porém ouvir, avaliar e reavaliar a posição do outro pode as vezes nos fazer enxergar um “animal ferido” que estar atacando apenas para manter seu território, por que foi acuado ou para se manter vivo. Isso vale pra vida real também e não apenas virtual.
       Uma das armas que nos foi ensinado para manter nossa posição onde estamos, inclusive pela nossa própria natureza animal é a arte de intimidar para se defender, copular ou manter território.
       Há pessoas que procuram intimidar outros pelos títulos e posição social que possuem.  Outros pelo poder financeiro. Outros pelo porte físico. Outros pelo porte de armas. E outros ainda pela má reputação que possuem. Há ainda outros afortunados cujas características físicas são considerados padrões de beleza para a sociedade qual esteja inserido e por isso conseguem com uma facilidade maior, aquilo que desejam sem muito esforço. Outros usam da manipulação e fazem papel de coitadinhos para mendigar atenção e afeto causando males nos mais diversos níveis quando envolvem outros no seu teatrinho barato.
       Existem outras pessoas porém, que fizeram história por onde passaram, foram ícones em sua época e são tidos como exemplos até hoje, não por possuírem todos os atributos acima citados juntos, mas por possuírem um atributo raro e valiosíssimo, que por sinal além de ser raro, o senso religioso comum procura diminui-lo ao máximo.
       Me refiro a capacidade argumentativa que poucos indivíduos possuem para defender suas ideias sem se tornarem soberbos ou arrogantes e com esta capacidade conseguem vencer os maiores combates sem precisar dar um tiro, um soco, ou usar de seus títulos para subjugar o outro. A capacidade de lidar com idiotas, sabichões, e pessoas realmente instruídas, sem que seja necessário medir forças com os mais fortes, ou se aproveitar dos mais fracos. Pessoas que não estão preocupadas com a fama ou destaque social, mas que quando entram em um “combate” fazem proezas capaz de elevar o estado espirito de todos ao redor. Uma virtude preciosa aos homens, pouco encontradas nos deuses, pouco incentivadas nas sociedades e quase sempre interpretada como fraqueza. Uma capacidade capaz de destruir e reconstruir reinos e destronar imperadores.
      Do mesmo modo que grandes músicos, pintores, artistas e outros profissionais dedicados transformam coisas simples ao seu redor em obras de arte ou coisas prazerosas de se ver, ouvir, tocar ou sentir, pessoas como esse tipo de capacidade são capazes de redirecionar a bestialidade humana, aproveitando toda energia desperdiçada em coisa fúteis, para ser usada em coisas úteis a todos. Podem se tornar domadores de burros, encantadores de serpentes, ou regentes de coros angelicais. Sempre conseguem se encaixar no perfil do outro, compreender o mundo ao redor deles, e construir um mundo sólido a partir de argumentos subjetivos transformando a realidade ao seu redor.
      Essa capacidade, assim como várias outras é como uma faca de dois gumes: se caída em mãos erradas faz vários estragos. Se desenvolvida por pessoas que tenham um auto equilíbrio pessoal e faça um bom uso de suas razões, emoções, e interesses próprios, tais pessoas literalmente fazem história, mudam a face do lugar onde vivem e se tornam imortais, reconhecidas em vários cantos do mundo e por várias gerações. Se há um poder capaz de produzir mudanças profundas, evolutivas e pacificas esse poder se chamar o poder da argumentação.
      O pensamento religioso tem sido a força destruidora desse poder individual, construindo nas pessoas um falso ego, baseado na crença de seres imaginários, de como agradá-los e como servi-los melhor. Nesses quesitos, quase toda argumentação construída socialmente gira em torno de criar relações com seres imaginários, desprezando a necessidade de aprimorarmos nossas relações pessoais uns com os outros. Vivemos no meio de mais de 7 bilhões de pessoas reais, mas estamos argumentando o tempo inteiro como nos darmos bem numa relação com um punhado de seres imaginários e como levarmos vantagem sobre outras pessoas por construirmos relações de amizades ou submissões a esses seres. A maior parte de toda literatura produzida no mundo inteiro gira em torno disso nisso. Isso reflete nas relações políticas, empresariais, militares, educacionais ou em qualquer repartição pública social.
       Do mesmo modo que as pessoas aprendem a bajular os deuses para se destacarem, passam a bajular seus líderes humanos, e quase sempre o único meio para subir de nível nessas instituições não é pelo mérito adquirido ou pela competência do indivíduo, mas pelos laços de submissão incondicional criado com seus chefes de maior patente. Por isso vemos tolos se achando deuses nos mais diversos segmentos sociais, pessoas que nem em sonho deveriam ocupar tais funções, mas descobriram a fórmula secreta para ali estarem, e não mediram esforço para consegui-lo. Tudo seria diferente, se não trouxéssemos para nossa vida real, o modelo de relações corruptivas que mantemos com seres imaginários, porém o modo como as pessoas se relacionam com seus deuses, refletem o tempo inteiro na vida cotidiana, trazendo prejuízos irreparáveis. A terceirização de culpa é a principal delas. A inercia por achar que há um plano traçado pelos deuses para cada um de nós e nada podemos fazer para mudar isso é outra grande pedra em nosso sapato de ordem e progresso.
       Desde os tempos mais remotos que se tem registro da humanidade, vemos o pensamento religioso permeando nosso dia a dia fazendo com que mais de 70% de nossas ações e decisões sejam baseadas num conceito religioso predominante ainda que nem percebamos. Mesmo que um indivíduo não seja religioso ou nunca tenha pisado os pés em igreja nenhuma, não deixa de ter sua vida afetadas pelo campo imaginário produzido pelas religiões em geral. O comercio, os feriados de modo geral, alguns artigos das constituição, a produção de alimentos e o sistema educacional. Tudo isso é afetado diretamente pelo senso religioso, local, estadual ou nacional. Somos mantenedores ou vítima dessa nefasta relação que pouco produz e muito se exige.
       Sociedades politeístas devido a pluralidade de gostos e características dos ícones venerados, são capazes de produzirem indivíduos mais sociáveis e menos violentos quanto a aceitação de outras “verdades” segundo o seu ponto de vista. As pessoas se metem menos na vida dos outros para tentar impor seu próprio conceito de certo e errado quanto a arte de venerar o imaginário, pois cada um tem o seu conceito próprio de verdade, baseado no deus que decidiu adorar. Se por um lado isso é bom pois reduz em muito os conflitos causados pelas crenças religiosas, por outro lado isso é péssimo, pois cada um pode criar do nada uma nova “verdade” sob um ponto de vista fabricado em sua própria experiência pessoal, e repassar aos outros sem questionamentos nenhum, já que é permitido a criação de verdades particulares em todos os níveis e profundidades que se possa imaginar.
       Cria-se desse modo, uma sociedade com pessoas de atitudes abobalhadas, venerando animais, insetos, plantas, gente morta ou que possuam capacidades físicas de elevarem seus corpos até o limite da exaustão sem sofrerem tanto como uma pessoa comum. Nesses recantos do mundo, você verá pessoas que fazem jejuns prolongados, passam anos sem cuidar da própria higiene pessoal, subtrai partes do corpo ou inserem vários objetos no próprios corpos, comem coisas intragáveis ou manipulam suas genitálias como se fossem feitos de elásticos ou de rocha bruta. Tais pessoas se tornam destaques no local onde vivem, são considerado deuses ou manifestações dos mesmos passando a receberem adorações, doações de alimentos ou outros objetos que possivelmente pudessem agradar a divindade ali representada. Isso vale para objetos animais, insetos e plantas também venerados.
      Uma sociedade de adoradores não deixa de ser uma sociedade frágil, corrupta e de fácil manipulação não importa o ícone a ser venerado, pois tendem a aprimorar suas relações apenas no intuito de servir as divindades e não de servir uns aos outros. Pouco ou nada se faz para mudar o próprio destino, quando se acredita que tudo nesse mudo já foi traçado por um deus qualquer, inclusive o destino pessoal de cada um.
      Nesse modelo, não há questionamentos, nem argumentação, nem lógica e nem se precisa dar explicação a ninguém. Cada um faz o que bem entender, do jeito que entender, desde que não invada a privacidade ou a crença do outro. São criaturas mais propensas a passividade, apesar de perderem seu precioso tempo se relacionando com seres que só existem em suas cabeças.
      Por outro lado, temos nas sociedades que se consideram monoteístas o sentimento de inquisidor, manifestado em cada grupo, e repassado individualmente para cada indivíduo. Nesse aspecto, temos cerca de 4 bilhões de pessoas, divididos em 3 principais religiões, com dezenas ou centenas de subgrupos, com milhares de templos e rituais litúrgicos específicos e cada indivíduo, de modo particular professando sua verdade, e digladiando-se com os demais do mesmo e dos demais grupos, para manter viva sua dita verdade. Enquanto nas sociedades politeístas ninguém questiona a verdade do outro, nas sociedades monoteístas, há uma necessidade enorme de sobrepujar a “verdade” alheia.
      Assim você pode encontrar um indivíduo que diz estar seguindo a um  deus verdadeiro, que se considera estar na religião verdadeira, que acredita estar numa “perna” daquele seguimento verdadeiro, que acredita possuir a liturgia mais correta entre todos, e que entre tantos do seu grupo local, pelo seu modo de ler o livro considerado sagrado a todos, junto com sua experiência pessoal vivida + uma pitada de ignorância e falta de argumentação, e você terá um sujeito santarrão, insuportável que tenta subjugar a todos ao seu ponto de vista, baseado nos próprios medos e experiência pessoais. Um sujeito que apesar de estar numa igreja, ofende e fere a todos ao redor, inclusive os da própria igreja por se achar o mais certo entre os certos. Enquanto no politeísmo deus se agrada de todos em geral, nesse aspecto do monoteísmo, deus se agrada apenas daquele indivíduo chato e medíocre segundo seu próprio modo de ver. Entre 7 bilhões de pessoas, ele é o mais certo do mundo todo e o pai criador anda lado a lado com ele, para cumprir todos os seus gostos pessoais, inclusive lançar doenças terminais aos que discordam desta pobre criatura.
       Por motivos como esses vemos pessoas de 3 religiões diferente que dizem servir a um mesmo deus se digladiando entre si. Pessoas da mesma religião dividindo-se em grupos por se considerarem melhores, e pessoas do mesmo grupo e do mesmo ambiente de culto diário trocando farpas entre si por se acharem mais sábios ou mais santos que os demais.
       Do outro lado do mundo vemos pessoas sem capacidade de avaliação, que julgam que todos no mundo em sua forma de crer estão certos, inclusive eles mesmo. Do lado de cá do planeta, encontramos indivíduos que se fecham em seus mundos particulares e se acham mais certos que todos os demais do mundo, e que a divindade o tem como objeto de atenção exclusiva por esse ser mais fiel que os outros ou ter um modelo pessoal de culto superior aos outros.
       Saímos de um extremo ao outro num passe de mágica.
       Nas sociedades politeístas, perde-se a capacidade argumentativa por considerarem todos os ritos certos, então não há por que argumentar já que todos estão certos. Nas sociedades monoteístas, perde-se a capacidade argumentativa por desejar impor ao outro, seu modo pessoal de ser e desse modo não há espaço para um diálogo sadio. Enquanto um não tem certeza de nada, o outro tem certeza de tudo, de estar certo o tempo inteiro. Um modelo de crença é mais propensa a paz em nome dos deuses. O outro vive em guerras diárias há milhares de anos em nome deles. Todos temos nossa vidas afetadas por um desses modelos. Afetadas para o bem ou para o mal, ainda que o indivíduo em questão não seja nem politeísta ou monoteísta, que seja um agnósticos, ateu ou livre pensador.
       Seres imaginários povoam a mente das pessoas e todos somos direta o indiretamente afetados ou influenciados por isso.
      O problema da maioria em peso dos indivíduos que seguem uma linha do monoteísmo, é que eles são muitos propensos a serem inquisidores. A falsa certeza de estarem fazendo o certo de modo certo, impede que se mantenham um diálogo sadio com a maioria deles. Ocultam os próprios erros do passado e do presente, para viverem em seus mundos encantados onde seu deus e eles são o retrato um do outro, ambos respirando ou expirando o ódio e maldade que numa simbiose maldita alimenta aos dois.
       Outro grande detalhe que passa despercebido por todos, e que não há monoteísmo nas religiões monoteístas. Ainda que assumam adorar apenas um deus, todos são obrigados a venerar e temer seus superiores e jamais discordar de sua linha de raciocínio, por mais esdrúxula que essa venha ser.
      Judeus tem de considerar como certos e inquestionáveis os ensinamentos de todos os rabinos de todas as eras. Mulçumanos tem de cumprir á riscas os mandamentos impostos pelos Aiatolás e seus subalternos. Cristãos evangélicos e protestantes, tem de literalmente levar nas costas uma cadeia inteira de líderes ou artistas gospel em suas hierarquias, pagando suas contas, consumindo seus produtos, realizando seus desejos e fazendo-os prosperar em tudo enquanto estes minam até o último centavo de suas ovelhas. Cristãos católicos além de manterem com suas finanças toda uma hierarquia de homens de batina em funcionamento, tem licença gratuita para venerar uma infinidade de ídolos de pedra, madeira ou seja lá do que for sem que isso lhe seja imputado como pecado, desde que seja um dos ícones canonizados pelo líder superior da igreja.
       Em todos esses três segmentos do monoteísmo, questionar essas atitudes é pedir para morrer ou ser excomungado da família ou da sociedade em geral. Portanto monoteísmo nessas religiões é utopia. É só um meio para alcançar vários outros fins. Tão estupido quanto se prostrar diante de uma vaca ou macaco para lhes render adoração, é se prostrar diante de homens de ternos, batinas ou talits e deixar que os mesmo controlem suas vidas em todos os aspectos, te sufocando, minando suas forças, seu tempo útil ou seus recursos financeiros. Respeito por alguém ou por seus ensinamentos não tem nada a ver com submissão cega e total aquele mesmo indivíduo. Somos livre para concordar ou discordar de quem quer seja, inclusive de sofrer ou reaprender a viver com os próprios erros se necessário for, sem precisar sermos ameaçados, humilhados ou banidos socialmente por não se deixar ser tratado como rebanho.
       Ainda no aspecto da construção de um caráter inquisidor dos indivíduos que professam fé monoteísta, judeus, mulçumanos e cristãos, tem seu modo particular de fazer inquisição e julgar todos os que são considerados hereges. A grosso modo todos os 4 bilhões de pessoas que dizem seguir uma dessas 3 crenças monoteístas também são hereges de alguma forma e nem percebem, pois entre eles, duas pessoas podem até concordar em 99% com um ponto de vista um do outro quanto ao ser venerado, suas características ou o modo correto de cultua-lo, mas de modo algum, em nenhuma dessas 3 religiões, se é possível encontrar apenas 2 pessoas que concordem em 100% dum mesmo ponto de vista em tudo, pois os deus nesses casos e suas vontades nesses aspectos, são interpretado de acordo com a experiência pessoal de cada um, incluindo experiências de dor, sofrimento, frustações, ganancia ou ignorância. Assim, todo monoteísta é ateu e ao mesmo tempo herege em algum ponto de sua crença segundo a visão do outro. Temos 4 bilhões de hereges, condenando uns aos outros do mesmo grupo e todas as demais no mundo. Todo monoteísta é um ateu da religião alheia por não acreditar nos demais deuses das crenças politeístas escolhendo apenas um entre tantos para chamar de seus, assim como se torna um herege particular da própria religião por viver em constante conflito uns com os outros para mostrar quem sabe fazer melhor.
       Atitudes inquisidoras fazem inflar o ego, e criar no indivíduo a falsa ideia de que tem um nível de comunhão maior com o papaizinho querido. Nos livros sagrados dessas 3 religiões, vemos vários casos de atitudes inquisidoras que são louvadas a grosso modo, fazendo com que atitudes de violência e desafeto sejam consideradas sagradas inclusive nos dias atuais.     
       Ninguém percebe isso, e os que percebem são convidados a se calaram para não serem punidos pela liderança ou pelo próprio deus. Assim consideram latrocínios, homicídios, estupros, invasão de privacidade, terrorismos, homofobia, xenofobia ou feminicídios como sendo ordens diretas do trono de deus.
       Os poucos questionadores que tem surgido nessas 3 religiões, tem enfraquecido de alguma forma o sistema, mas o preço tem sido pago com suas próprias vidas pela ousadia de argumentar contra algo tido como certo e verdadeiro pela grande maioria.  Toda verdade é verdadeira até que alguém prove o contrário ou se rebele contra ela. Somente movimentos orquestrados simultaneamente em vários lugares do mundo, poderiam tornar em crimes, atitudes que são totalmente legais nesses países, a exemplo de casamentos de velhos pedófilos com criancinhas indefesas, mutilação genital forçada, entre tantos outros. Tudo é legal e permitido em uma religião ou lei, até que a maioria comece a questionar sobre isso. Questionadores são como a centelha inicial que faz inflamar toda uma floresta enegrecida pela escuridão da ignorância. “Morcegos”, “serpentes” e “insetos peçonhentos” preferem a escuridão da ignorância para manter seus territórios, por isso atacam vorazmente todo que intente ascender algum tipo de luz a humanidade.
       No mundo cristão, para quem já leu pelo menos um pouco de história secular, sabe-se mais ou menos como funcionava os tribunais da inquisição católica e protestante. Quem já estudou a fundo a história do cristianismo e se deu conta do que esse mal causou ao mundo, pode até sentir vergonha de se auto intitular cristão.
       Nos tribunais da inquisição, acusava-se alguém de heresia, com ou sem provas e praticamente não dava-se se o direito de defesa ao acusado. Tudo era orquestrado para que aquele indivíduo fosse acusado, torturado e morto independente das provas ao seu favor. O pior é que o poder de inquirir, ia além dos oficiais da igreja, e qualquer um poderia acusar outro de heresia baseado em sua própria forma de entender a ideia de deus, e levar a morte uma simples mãe de família que fora flagrada colhendo ervas do campo para curar uma simples diarreia do seu filho moribundo.
      Nessa época negra da história, tudo, praticamente tudo era do diabo, feito pelo diabo, ou acontecia em função do diabo. As pessoas enxergavam o diabo em tudo. Numa população com quase 95% das pessoas sendo não alfabetizados valia o que a igreja dizia. Sem falar que o acesso aos livros era limitado e toda forma de conhecimento humano tinha de ser aprovado pela igreja para ser considerado útil e legal. A própria ciência era a principal ferramenta do diabo para afastar as pessoas de deus, segundo as pessoas dessa época.
      Hoje vivemos numa época moderna, a maior parte da população ocidental tem acesso a vários tipos de informação, mas mesmo assim, a influência de líderes eclesiásticos ainda permeia várias das decisões efetuadas pelas pessoas dentro e fora dos recintos religiosos. Ameaça de morte, inferno ou de prosperidade facilitada sem trabalho algum, são as propagandas feitas pela mídia mercantil cristã moderna para manter as pessoas sob seu domínio. O mal de hoje não é falta de acesso as informações disponível, antes sim é falta de procurar conhecer a própria crença, de ler e entender sem “cabrestão” os próprios livros tido como sagrados, e falta de uma sensibilidade tátil para enxergar o mundo em geral além dos quadros fantasiosos que foi pintado pela igreja.
       Se por um lado os que estão dentro de sistemas como esses estão presos em ilusões, muitos dos que conseguiram sair, estão se tornando orgulhosos, ocupando boa parte do seu tempo apenas tentando mostrar que o outro estar errado, e não em apontar um caminho superior sem que pra isso seja preciso humilhar ou reduzir o outro a nada. Se retirarmos as muletas de um aleijado e não dermos outro meio de locomoção a ele, podermos deixa-lo rastejando ao invés de torna-lo independente. De lagarta a borboleta se faz necessário o amadurecimento necessário.
      Uma pessoa que conseguiu se libertar de sistemas religiosos opressores e se alegra em ver a alienação alheia, pode estar sendo tão masoquista quanto um cristão alienado que conta as horas pra vinda de jesus, para ver seus “inimigos” ardendo no inferno. Pode até ter saído do sistema, mas trouxe aquilo que de pior aprendeu lá dentro.
      Outro “ponto cego” que afetam muitos dos que aprenderam fazer uso da argumentação logica, é a incapacidade de se tornarem neutros em certos casos, nos assuntos que pretendem defender, e defendem interesses pessoais, como se fosse a construção de uma verdade universal. Assim usam suas habilidades de oratória, de escrita ou mídia audiovisual para promoverem líderes políticos, religiosos ou do mundo empresarial apenas no intuito de serem agraciados por estes.
       Que sejam testemunhas disso os marqueteiros políticos que pintam um quadro paradisíaco de um cenário semana antes da eleições para que depois o povo encontrem um “inferno” apenas um dia após o candidato em questão ter sido eleito. Que sejam testemunhas disso, os que fazem propagandas de alimentos doentios e causadores de uma série de doenças como se fossem um manjar dos deuses. Que sejam provas disso todos os obreiros e subalternos de líderes eclesiásticos que com suas habilidades de oratória e persuasão pintam um quadro angelical de seus líderes para subirem de cargos, enquanto escondem o roubo, adultério, pedofilia, corrupção, manipulação intencional de informações, apropriação indébita de bens alheios e vários outros abusos. “Assim na terra como nos céus...” Do mesmo modo que as pessoas bajulam os deuses para estreitar relações com esses, bajulam também seus líderes em troca de posições elevadas. Traidores da pátria, da ordem, da saúde, da justiça e da liberdade.
       Se libertar de um sistema opressor é uma conquista. Se libertar das mazelas que interiormente adquirimos nesses sistemas é questão de honra. Conhecer a nós mesmos e os motivos que nos movem é fundamental para conhecermos o outro e construir argumentos sólidos para causar mudanças sociais profundas.
      Não tanto aos céus, não tanto a terra. A busca pelo equilíbrio é uma constante que não deve ser ignorada. A consciência de que não somos perfeitos mas podemos completar e aperfeiçoar um ao outro, faz minimizar a arrogância que há em nós. A inércia nada produz. É nos embalos da vida que podemos retirar lições valiosas de aprendizado. Um aprendizado constante e prazeroso. Se desapegarmos apenas um pouquinho das relações com o imaginário, pode nos render tempo e compressão o suficiente para vivermos e aprimorar nossas relações com pessoas reais.
      Sanidade e saúde a todos!
  • IDEAIS SUPREMACISTA: UM EVIDENTE SINAL DE RETROCESSO!

    Onde há um ideal supremacista, quase sempre há um ser confuso, inseguro, invejo e incapaz que procura esconder o que sente por meio de gestos e auto afirmações de superioridade.
     
       Planeta terra, 31 de Maio de 2020!
       Cerca de 6 dias atrás, diretamente dos EUA, imagens de um policial sufocando com o joelho um homem até a morte percorrem o mundo em poucos instantes e isso teve uma série de efeitos colaterais.
        Ao que tudo indica, o “crime” cometido pelo homem que agonizava, era o fato de ter nascido com uma quantidade elevada de melanina em sua pele. Coisa que herdará de seus pais e esses de seus antepassados.
      O semblante do policial que coisificava o indivíduo não demonstrava nenhum tipo de compaixão. Ele parecia não dar ouvidos ao pedido de socorro sujeito, que juntando o restante de ar que ainda conseguia extrair, implorava pela vida, dizendo não poder respirar sob tais circunstancias. Um policial geralmente faz apenas o papel de polícia. Esse, porém se comportava como juiz, carrasco e executor.
       A posição corporal deste serviçal da lei sobre o corpo imobilizado era semelhante ao que podemos ver em certos abatedouros, quando o objeto de abate demonstra resistência e luta pela vida. Sob tais reações, o que abate chega a sentir um misto de raiva, prazer e poder ainda maior ao dominar sua vítima enquanto lhe tira a vida para depois cortá-la em pedaços e ser vendida aos que procuram tais cadáveres como fonte principal de proteína.
      Sem demonstrar culpa e sem compaixão, o policial extrapolava os limites de seu oficio, parecendo apenas cumprir um dever sagrado paralelo, que seria o de alimentar com tais cenas grotescas outras pessoas que tem esse mesmo tipo de ideologia e as cultivam como se fosse isso uma virtude desejável. Ele não mediu as consequências de seus atos e quem sabe pela ideia estupida de superioridade racial, ceifou naquele instante a vida de um homem que não apresentava ameaça alguma.  
       O ano é 2020 e fazem cerca de 150 dias que estamos lutando contra um vírus que está fazendo milhares de vítimas humanas diariamente ao redor de todo o globo e ao invés de vermos a piedade esperada de alguns vemos uma cena truculenta como essa.
       Em que anos estamos mesmo? 10 mil A.C? Na idade dos contos bíblicos? Na idade das trevas? No início do século 19? Não, é 2020 mesmo, segundo o calendário cristão!
       Nos perguntamos então: fizemos realmente algum progresso como espécie ou estamos regredindo? É que vendo cenas assim, a nossa mente fica confusa e parece que demos um salto no passado!
       Ainda não sabemos até que ponto os efeitos desse “ato inocente” cometido pelo policial irão ressoar, pois até na Europa os efeitos desse ato já se reverberam.
        Ainda ontem nesse mesmo país (EUA), acompanhamos com orgulho, o lançamento de um foguete espacial que levava suprimentos e tripulantes mais uma vez ao espaço! Era só mudar de canal para vermos revoltas populares, como resposta a um ato covarde e retrógrado.
      Quando olhamos a trajetória da espécie humana nesse orbe nos últimos 10 mil anos, podemos constatar diferentes tipos de evoluções segundo as versões históricas mais aceitas. Evoluções produzidas por nosso próprio intelecto ou forçadas pelo clima e local em que nos instalamos.
       O manuseio do fogo, a invenção da roda, o desenvolvimento de técnicas agropecuárias, o aprimoramento da linguagem falada e escrita, a formação das primeiras civilizações, os diferentes códigos de leis para ordem e preservação de nossa própria espécie, entre outros avanços. Dias gloriosos tivemos!
       Sobre o ponto de vista tecnológico registramos desde o uso da lança para caçar ou de alavancas para deslocamento de objetos pesados, dos computadores mais avançados que temos hoje, até a combinação de inúmeras substancias químicas para produção de fármacos capazes de tornar nossas vidas mais longas, além de diversos males que acometem ainda nessa era, esse frágil involucro qual chamamos de corpo humano.
       Podemos hoje constatar o quanto é magnifico passear por entre as grandes cidades e vermos edificações com mais de 1 km de altura, totalmente verticais, capazes de suportar tempestades e até impactos de alguns projeteis. Além disso, essas edificações são capazes de abrigar vida, gerar energia renovável e algumas destas com capacidade para produzir inclusive até o próprio alimento para os seus residentes, ainda que em pequena escala.
        Séculos atrás, além das cavernas, as residências mais firmes que conseguíamos construir eram feitas de palhas ou peles de animais, e o mais alto que conseguíamos nos abrigar era no topo de árvores, competindo com vários predadores ou insetos capazes de nos matar com apenas uma picada.
        É fabuloso ver a quantidade de máquinas que produzimos quais facilitam nossas vidas, desde as mais simples as mais sofisticadas por meio de conhecimentos compartilhados por centenas de anos e vários povos. Máquinas gigantescas e pesadíssimas cruzando os céus, desafiando a gravidade, transportando absolutamente todos os tipos de coisas em um curtíssimo espaço de tempo. O mesmo podemos dizer sobre as grandes embarcações que navegam na superfície ou nas profundezas dos mares.
       Como toupeiras, máquinas gigantescas escavam o solo, perfuram pedras e faz com que o instransponível seja apenas uma palavra já em desuso. Da mesma forma, maquinas quilométricas andam sobre trilhos como se fossem grandes serpentes, sibilantes, sinuosas, bem articuladas, transportando a maior parte das riquezas que produzimos ou precisamos para manter em funcionamento setores vicinais numa sociedade civil organizada.
       Tudo isso é fabuloso, é grandioso, é fantástico!
       Constatar esses tipos de avanços fazem com que as vezes nos consideramos como se estivéssemos no ápice da evolução de nossas espécies, apesar de deduzirmos que em menos de uma década teremos o dobro de toda a tecnologia que temos hoje.
       Apesar de tudo, algo em nosso comportamento faz com que hora estejamos regredindo ao comportamento de hominídeos primitivos disputando pelos melhores espaços, ferramentas rudimentares, parceiros para acasalamentos ou a atenção dos deuses metafísicos.
      Em certos casos, esse comportamento doentio faz com que nos vejamos como se estivéssemos em um grande navio ancorados permanentemente, cujas ancoras estão presas de tal modo que não conseguimos zarpar.
       A terra firme e o paraíso estão à nossa frente ao alcance de nossa visão, enquanto que águas de um passado negro se aproximam de nosso barco, com um feroz poder de destruição, capaz de desfazer não apenas os nossos feitos tecnológicos, como também o nosso intelecto e a nossa civilidade. Capaz de nos pôr de volta a um estado tão primitivo de nossa espécie, em que a clava e a fé ou poder dos mais forte é quem predominam acima das leis, da lógica, da ciência, da razão e de tudo o que já construímos ou constatamos.
       Esse lamaçal podre tenta constantemente faz renascer a besta que tentamos manter adormecida ano após anos. Esta ancora, essa ideia errônea se chama SUPREMACIA de alguma coisa!
       Essa ideia estupida faz com que alguém acredite ser melhor que outrem devido a sua cor de pele, pelo deus a qual diz servir, por uma afiliação político-partidária ou por uma bandeira de time qualquer que torce freneticamente.  Pura idiotice!
      Os que realmente se “iluminam” de alguma forma, tem como um dos objetivos principais, conduzir de modo sábio a si mesmo, de maneira que pelo exemplo e não por palavras vãs, possam ser útil para clareza intelectual de tantos outros e não para opressão, vergonha e sofrimento dos “menos afortunados”.
       Não há um sinal de retrocesso tão grande em nosso avanço como seres inteligentes nesse planeta quanto o desejo de aniquilação de um povo que passamos a considerar como inferior por motivos étnicos, religiosos, culturais ou de poder aquisitivo.
        Seja qual for a ideia de supremacia apoiada, todos os que conservam em si tal demência, será mais um que estará lançando âncoras nas águas rasas da trajetória da evolução humana!
       Cada um dos que assim agem ou pensam, tem sido o responsável direto ou indireto em nos manter num estado de bestialidade insana enquanto julgam que que suas ações são iguais a de seres angelicais lutando contra demônios, sentindo-se superiores a todas as demais criaturas do universo. São esses que nos fazem mais uma vez nos perguntamos: Fizemos realmente algum progresso como espécie? Estamos regredindo?
       Grupos, grupinhos, grupelhos, de mentalidade baixa e concepção equivocada do mundo e da vida em geral...apenas isso e nada mais que isso! Como um bando de bestas desesperadas, os tais agem como se a vastidão de todo o universo fosse propriedade sua e de ninguém mais! Como se tudo o que existe surgiu para eles, por eles ou em função deles e quem não tem utilidade para servi-los deve ser exterminado com urgência. Mesmo que o outro nada faça, na da pense ou nada diga contra estes, a simples existência dos tais e capaz de provocar um ódio mortal em tal puritano de meia tigela!
       Apesar de tudo, não é assim que eles se enxergam! Os tais acham que algum fator genético, “divino”, político ou de poder aquisitivo os tornam com direitos superiores. Eles não entendem que, se o mundo é um paraíso, estamos todos inseridos nele! Se o mundo é um inferno, estamos todos também no mesmo recinto! Todas as nossas ações e reações estão interligadas, inclusive nossa forma de pensar quando verbalizada ou escrita podem afetar ou influenciar para o bem ou para o mau um número infinito de pessoas por milhares de anos seguidos.
       Os supremacistas parecem não se dar conta disso e vivem em um mundo como se não dependessem de nada ou ninguém, como se a razão de sua existência entre os demais fosse apenas para oprimir e se deliciar com tais opressões.
       Entre tantos tipos de supremacias declaradas, quem sabe A SUPREMACIA RELIGIOSA seja a mais antiga, a mais praticada e a mais perigosa de todas essas concepções equivocadas do mundo, pois faz com que pessoas comuns, geneticamente iguais a todas, se achem diferentes e superiores fazendo justamente o que todos os religiosos fazem: adoram deuses imaginários!
       Pessoas de religiões diferentes, possuem diferentes formas de expressar o mesmo tipo de infantilidade, mas todos costumam se achar especiais, exclusivos, ungidos, povo de deus, etc! Ao declarar frases como “o meu deus, ou a minha religião é a única e verdadeira”, sem percebe todos os que assim o dizem, estão sendo supremacistas religiosos, e devido a isso centenas de batalhas foram travadas no mundo inteiro ao longo dos séculos muita gente inocente morre todos os dias ainda hoje por ideais tão estrupidos. A bíblia está cheia de exemplos assim!
        Independente alguém segue a teoria da evolução, da criação ou de que somos frutos de sucessivas experiencias genéticas feitas algum tipo de inteligência extra terrena, a grande verdade é que estamos todos presos nessa mesma nave chamada terra e assim vamos permanecer até sabe-se lá quando! Então, ou aprendemos a conviver com as diferenças uns dos outros ou em qualquer paraíso que tivermos contato, faremos desse lugar um verdadeiro inferno.
        Se você se acha uma ser especial por algum motivo banal, comum a todos, ou seja lá por qual motivo for, sugiro que REVEJA SEUS CONCEITOS!
      SAÚDE E SANIDADE A TODOS!

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222